4450 – Planeta Terra – As Nuvens e a Atmosfera


☻ Exclusivo

Elas refrescam a Terra, captando parte da radiação solar e devolvendo-a ao espaço. Se isso não acontecesse, o planeta torraria. A quantidade de energia vinda do Sol é equivalente a 10 milhões de Itaipú. O complexo comportamento das nuvens ainda não foi decifrado pela Ciência. Elas podem abafar ou resfriar o planeta. A atmosfera guarda 13 quatrilhões de litros de água, o mesmo que 6500 Baías de Guanabara. Parte dessa umidade passa do estado gasoso para o líquido formando gotículas que depois se congelam. Só chove quando acumula gelo demais no topo das nuvens. Nos últimos 100 anos, a temperatura média da Terra subiu 0,6°C devida a emissão de gases. Parece pouco, mas é 1/10 de todo o aquecimento que o planeta sofreu. Desde o fim da última Era Glacial, há18 mil anos. O vapor d’água e partículas de sujeira que escapam das turbinas de aviões congelam assim que saem. Formam nuvens que demoram a se desmanchar e já cobrem 0,2% da superfície do globo.Temperaturas, ventos e a poluição atmosférica são fatores imprevisíveis, capazes de gerar situações surrealistas.

4449 – Vem aí os robôs-gelatina


Em Tsukuba, a cidade da Ciência do Japão; o público se divertiu com microengrenagens giratórias; macias garras para prender objetos leves, como papel ou lâminas de barbear: minúsculas e elásticas engenhocas capazes de exalar um plano inclinado; folhas flexíveis que imitam asas de insetos, e assim por diante.
As novas gelatinas estão ainda na infância tecnológica, mas não são simples curiosidade, advertem os especialistas. Pertencentes à categoria dos polímeros sintéticos, como plásticos ou tecidos artificiais, elas contêm aditivos que as tornam sensíveis a mudanças de acidez, de temperatura ou de impulso elétrico. Em resposta, alteram sua forma, sua capacidade de se dissolver em líquidos ou de adquirir carga elétrica. Imagina-se que quando essas reações puderem ser mais bem controladas, os robôs gelatinosos poderão ser até inseridos no corpo humano para realizar funções delicadas, por exemplo, a de substituir partes de músculos lesados.

4448 – Por que as nuvens de chuva são negras?


Primeiro, é preciso esclarecer que elas não são negras por inteiro. É a gente que percebe elas dessa forma, porque a base das nuvens de tempestade realmente é mais escura. A principal razão para esse breu é que as nuvens de chuva são bem espessas. Quando elas alcançam vários quilômetros de altura, os raios de sol não conseguem atingir as gotículas que ficam na parte baixa. Como elas não recebem luminosidade, sua cor acaba sendo negra. Só para comparar, é a mesma coisa que acontece no oceano: o fundo fica cada vez mais escuro porque a luminosidade não atinge mais que algumas centenas de metros de profundidade. Por outro lado, nuvens menos espessas são brancas porque as gotículas de vapor d’água que a compõem dispersam todas as cores do espectro luminoso. A soma desse arco-íris, do nosso ponto de vista, é branca. Outro ponto importante de esclarecer é que nem sempre uma nuvem negra é sinônimo de tempestade. “Mesmo assim, podemos estimar que em 90% dos casos essa relação é verdadeira, pois as nuvens espessas são mais carregadas de gotículas de água e têm mais condição de gerar chuva”. O curioso é que certas nuvens brancas também podem trazer torós. Isso acontece principalmente no litoral, onde o vapor d’água que forma as gotas de chuva se junta em torno de sais marinhos. “Eles são os melhores núcleos para criar gotículas e gerar chuvas”, afirma Marcelo. Quando vem o aguaceiro, as gotas de chuva mais pesadas arrastam o que vem pela frente, provocando correntes de ar dentro da própria nuvem. Como esses ventos vêm de altas altitudes, eles são frios. Isso explica a sensação de frescor que acompanha uma chuvarada, amenizando o calor.
1. Normalmente, as nuvens que a gente enxerga como negras são as que geram tempestades, chamadas de cúmulos-nimbos. Elas são gigantescas torres de gotículas de vapor d’água que podem se estender por mais de 15 quilômetros de altura. Com todo esse tamanho, a nuvem acaba bloqueando a luminosidade do Sol, impedindo que ela chegue até a superfície
2. Dos raios solares que chegam até a nuvem, cerca de 20% são refletidos pelas gotículas de vapor de volta para a atmosfera. Outros 3% são absorvidos e a maior parte acaba atravessando a gota. Mas se a nuvem é muito espessa, a quantidade de luz que passa pela gota diminui nas camadas mais baixas da atmosfera. Quando não sobra luz nenhuma, a impressão para quem observa da terra é que a nuvem é negra
3. Por serem quase sempre repletas de umidade, as nuvens negras acabam gerando chuvas intensas assim que as gotas ganham tamanho para vencer o vento ascendente que as joga para cima. Depois do aguaceiro, as nuvens se tornam menos densas e voltam a ficar brancas. Quando passam por uma área quente ou seca, a umidade restante evapora e elas desaparecem do céu
SOMBRA QUILOMÉTRICA
Debaixo de uma meganuvem de tempestade podem aparecer pequenas nuvens negras que não têm umidade suficiente para gerar chuvas. A explicação para essa aparente contradição é simples: as nuvens “nanicas” são negras porque a enorme nuvem de tempestade barra a luminosidade do Sol.

4447 – História – Quem foi Anita, a Heroína Sem Rosto?


Anita Garibaldi

Ana Maria de Jesus Ribeiro, mais conhecida como Anita Garibaldi (Laguna, 30 de agosto de 1821 — Mandriole, Itália, 4 de agosto de 1849) foi a companheira do revolucionário Giuseppe Garibaldi, sendo conhecida como a “Heroína dos Dois Mundos”. Ela é considerada, até hoje, uma das mulheres mais fortes e corajosas da época.
Praticamente ignorada em sua terra natal. Aos 18 anos, abandonou o 1° marido, um sapateiro, para embarcar num navio comandado por Giuseppe Garibaldi (1807-1882), um revolucionário. Trocou de nome virando Anita 10 anos depois, em 4 de agosto de 1849, com a cabeça à prêmio e perseguida pelo Exército austríaco, morreu nos braços de Garibaldi, numa fazenda a 400 km ao nordeste de Roma, onde é venerada como heroína. Mas, no Brasil onde nasceu e combateu na Revolução Farroupilha (1835-45), é quase desconhecida. Nem seu rosto é descrito com precisão. Dos quadros e desenhos que a representam, apenas um é tido como fiel aos seus traços. Houve quem confundisse suas sardas com marcas de varíola. A certidão que comprova o casamento de Anita, em 1835, como sapateiro Manuel Duarte de Aguiar, quando ela tinha 14 anos está arquivada na Arquidiocese de Tubarão em Santa Catarina. Pouco se sabe porém sobre seus anos de casada. Alguns depoimentos dizem que o moarido era um tipo calado que passava as noites pescando. Muito diferente de um tal italiano sedutor de 32 anos quelá chegou num barco Farroupilha Seival, em 20 de julho de 1834. Giuseppe Garibaldi era um marinheiro republicano e socialista que fugira de Gênova em 1834, condenado à morte. No RJ, encontrou exilados italianos que apoiavam a Revolta dos Farrapos Gaúchos. Em 1837, zarpou do RJ para Montevidéu em um barco de pesca com 9 italianos atacando navios brasileiros ao longo da costa. Do Uruguai foi para Laguna. Seu encontro com Anita que era sobrinha de 1 farroupilha foi fulminante. Ela largou o sapateiro e seguiu numa perigosa viagem de lua de mel pela costa brasileira. Diversas vezes mostrou sangue frio. Os farrapos foram derrotados pelas tropas imperiais. O casal fugiu para o Uruguai,onde Garibaldi foi convidado pelo governo para lutar contra tropas argentinas. Ganhando o comando de um navio, organizou a legião italiana. Suas vitórias militares levaram sua fama para a Europa.
Cavalgadas noturnas, má alimentação e noites no relento minaram a saúde de Anita. Perseguidos por austríacos, em agosto de 1849, desembarcaram em praia deserta e ela carregada. Medicada, 2 dias depois veio a falecer na noite de 4 de agosto e Garibaldi, arrasado, não assistiu o enterro. O corpo da brasileira foi enterrado no cemitério da Igreja de S. Alberto, em Madriote. Em 1932, seus restos mortais ganharam mausoléu em Roma.
Considerada, no Brasil e na Itália, um exemplo de dedicação e coragem, Anita foi homenageada pelos brasileiros com a designação de dois municípios, ambos no estado de Santa Catarina: Anita Garibaldi e Anitápolis. Muitas cidades brasileiras possuem também ruas e avenidas com seu nome, como a avenida Anita Garibaldi, em Salvador, Bahia.

4446 – Mega Memória – O Super Dínamo


Mitsuo,o n°1

É o nome na versão brasileira do desenho animado de origem japonesa pãman. Mais um desenho animado que fazia analogia ao Superman, este trazia um grupo de crianças: 2 meninos, uma menina, uma macaquinho e um bebê, que são escolhidos por um misterioso homem mascarado, chamado de Super-Homem, para serem defensores da Justiça. O principal personagem é o garoto Mitsuo, o Super-Dínamo n°1,que é líder do grupo.
Eles possuem um kit Dínamo com um capacete-máscara, que lhes dá a super-força, uma capa que os faz voarem, um broche comunicador e um robô cópia, para tomar olugar do super-dínamo original quando este estivesse em ação.
O capacete e a capa eram guardados no bolso em uma espécie de bola miniaturae o emblema lhe dava oxigênio extra, quando colocado na boca. O robô cópia tinha um nariz preto, para diferenciar do original.

4445 – Mega Atores – Jonatham Harris


Oh dor!!! Jargão do Dr Smith

Harris nasceu Jonathan Charasuchin no Bronx em Nova York, em 6 de novembro de 1914, filho de uma família de imigrantes judeus russos, e morreu em 3 de novembro de 2002 em Encino, Califórnia, EUA. Ficou mundiamente conhecido e consagrado como o Dr. Zachary Smith do seriado de TV Perdidos no Espaço.
Ele participou também de diversos outros seriados, tais como Zorro, Agente 86, A Feiticeira e Terra de Gigantes, mas foi com o papel do Doutor Smith de “Perdidos no Espaço” que Jonathan Harris marcou sua passagem pela TV. O Dr Smith era um vilão trapalhão, que sempre colocava a tripulação do Júpiter 2 em apuros. Sua frase inesquecível foi: “Nada tema, com Smith não há problema”, originalmente “Never fear, Smith is here”. Recentemente ele emprestava sua voz para dublar diversos personagens dos desenhos animados da Disney/Pixar.
Harris se tornou um ator em 1942, depois de tentar ser farmacêutico.
Durante a Segunda Guerra Mundial, atuou em espetáculos para tropas estacionadas no Pacífico.
Depois da guerra, voltou para Nova York e começou a trabalhar no teatro e na TV.
Conseguiu seu primeiro grande papel no seriado da década de 1950 “The Third Man”.
Mas foi no papel do falante e megalomaníaco doutor Smith de “Perdidos no Espaço” que Harris escreveu seu nome na história das artes dramáticas.
Em “Perdidos no Espaço”, o covarde vilão sabotava a nave Júpiter 2, da família Robinson, e todos -inclusive o doutor Smith- acabavam em um distante planeta inabitado.
Veiculado na década de 60, o seriado dividia com “Terra de Gigantes” e “Túnel do Tempo” a preferência da garotada da época. Nos últimos anos, Harris trabalhou com os estúdios de animação Pixar, emprestando sua voz única ao mágico Manny de “Vida de Inseto” e ao “médico” de bonecos em “Toy Story 2”
Em 1998, o diretor Stephen Hopkins fez uma adaptação da série para o cinema, mas o projeto acabou revelando-se um fiasco, especialmente por desagradar aos fãs do programa original de televisão.
O papel de Harris foi interpretado por Gary Oldman. Mas nada tinha a ver com o Dr Smith original.
Harris, ao visitar o Brasil na década de 60, afirmou:
“É a primeira vez que venho ao Brasil. Observei que aqui me dublaram na série Perdidos no Espaço, com voz fina, coisa que não tenho.
Na Alemanha, França e Inglaterra, a dublagem saiu quase perfeita. Gostaria muito de conhecer a pessoa que me dublou no Brasil.” Mostrou-se muito simpático, quando compareceu ao programa do Capitão Aza (Wilson Vianna), na TV Tupi, para que a criançada o conhecesse de perto.
Com suas brincadeiras, o desprezível Dr. Smith chegou a cativar a meninada.
Mesmo com 60 anos na época, seu aspecto era jovial e o bom humor, contagiante.
Jonathan, acompanhado de sua esposa, Dorothy foi também entrevistado no programa “Hebe”, depois de assistir, na cabina de projeção da Record, a um filme dublado da série Perdidos no Espaço.
Seu comentário: “Acho que o meu dublador é um grande artista. Se outros filmes meus forem exibidos no Brasil, quero que ele faça a minha voz.
Ele bateu um papo com Borges de Barros, o mendigo milionário da “Praça É Nossa” e dublador de sua voz em “Perdidos no Espaço”. Harris faleceu aos 87 anos, em 3 de novembro de 2002.

Causa da morte: Coágulo de sangue no coração.

Sepultamento:
Westwood Memorial Park.
Los Angeles – Califórnia, EUA.
Local: Santuário de Devoção.

4444 – Mega Almanaque – Quadrinhos – O Super Pateta


Tra la la la, era a frase jargão

O Superpateta é a identidade de super herói do Pateta, que ganha temporariamente superpoderes parecidos com os do Superman quando come o super-amendoim, que nasce em seu quintal. O efeito da planta dura pouco, por isso Superpateta carrega sempre vários amendoins de reserva, dentro do chapéu.
O Superpateta também recebe a ajuda de seu inteligentíssimo sobrinho Gilberto, que às vezes também come alguns super-amendoins e torna-se o “SuperGil” – adquirindo assim, poderes iguais aos de seu “super-tio”.
Seu traje de super herói é um pijama vermelho daqueles felpudos, tipicamente americanos (que vemos em filmes americanos de velho oeste), também usa uma capa azul presa por um alfinete.
O Superpateta foi criado por Del Curry e Paul Murry, em 1965, estrelando uma série americana própria até 1984. Seus primeiros inimigos foram o Doutor Tic-Tac, Doutor X e o Doutor Estigma. Durante os anos 70 e 80 teve várias histórias produzidas no Brasil, inclusive uma especial em que ele enfrenta o sinistro doutor Kanhestro (publicada em dezembro de 1975).

4443 – Cinema – Amor Além da Vida



Chris Nielsen (Robin Williams), Annie (Annabella Sciorra), sua esposa, e os filhos do casal fazem uma família feliz. Mas os jovens morrem em um acidente e o casal é bastante afetado, principalmente Annie. No entanto, eles superam a morte dos filhos e conseguem levar suas vidas adiante, mas quatro anos depois é a vez de Chris morrer em um acidente e ser mandado para o Paraíso. Mas não um Céu com arcanjos e harpas, pois lá cada um tem um universo particular e o dele é uma pintura (sua mulher coordenava uma galeria de arte). Enquanto tenta entender o Paraíso, onde tudo pode acontecer, bastando que apenas deseje realmente, Chris fica sabendo que Annie, dominada pela dor, comete suicídio. Assim, ele nunca poderá encontrá-la, pois os suicidas são mandados para outro lugar. Mesmo assim decide tentar achá-la, apesar de ser avisado que mesmo que a encontre, ela nunca o reconhecerá.
Na mitologia grega, Orfeu era um poeta e músico que a todos encantava com sua música. Apaixonado por Eurídice, sofreu a dor de sua morte após ela ser picada por uma cobra. Transtornado, Orfeu viajou até o Mundo dos Mortos para reaver sua amada.
Em Amor Além da Vida Chris (Robin Williams) e Annie (Annabella Sciorra) formam um casal de almas gêmeas. Intimamente ligados desde o primeiro encontro casual, o destino parecia uni-los para sempre. Em um piscar de olhos casaram-se e tiveram filhos. Constituíram uma família através do amor que os ligava.
A perfeição do lar é rompida quando os filhos morrem em um acidente de carro. A depressão domina o ambos, mas Annie tem maiores dificuldades para superá-la. Sua situação piora quando Chris morre em um outro acidente. Annie é incapaz de prosseguir sua viva só e superar a solidão. Comete suicídio.
O após-vida de Chris é repleto de cores e reflete as pinturas de sua esposa em seus momentos de felicidade. Uma paisagem inspirada por Sonhos (1990) de Akira Kurosawa. Annie, por outro lado, como suicida, é condenada a uma existência oposta, um ambiente estéril, sem vida, desprovido de cor e amor. A cada um, seu inferno particular.
Amor Além da Vida é um filme sobre o amor em sua forma mais pura, onde tudo suporta e tudo supera.
Elenco: Robin Williams, Cuba Gooding Jr., Annabella Sciorra, Max von Sydow.

4442 – Mega Almanaque – Futebol nas Olimpíadas de 1924



Depois de 24 anos, em 1924, novamente a França, Paris, foi sede das Olimpíadas. Os finlandeses novamente fizeram frente aos americanos no atletismo, conquistando 10 medalhas de ouro, contra 12 medalhas dos Estados Unidos.
Reconhecimento pelos europeus do Futebol Arte
Jogo entre o Uruguai e os Países Baixos. No primeiro tempo, com um jogo impetuoso, os Países Baixos surpreenderam e até desconcertaram os uruguaios, terminando o primeiro tempo com 1 x 0. No segundo tempo, praticamente no final do jogo, os sul americanos reagiram e conseguiram vencer o jogo através de uma penalidade máxima.
Uruguai campeão olimpico 1924
SURGIMENTO DA CELESTE OLÍMPICA
A Europa tomou conhecimento em 1924 do futebol arte dos sul-americanos: a seleção uruguaia. Ainda as seleções européias de futebol espelhavam-se na chamada escola britânica, com correria desenfreada, chutões e o proverbial cruzamento na área, os uruguaios surpreenderam a todos, inclusive os eternos favoritos, com um futebol envolvente, de toques sutis, conseguindo cinco impressionantes vitórias. Ganhando também em Amsterdã-1928, a seleção uruguaia passou a ser conhecida como a “Celeste Olímpica”. Dois anos após, a consolidação do poderio futebolístico do Uruguai com a conquista da primeira Copa do Mundo organizada pela Fifa.
O feito dos uruguáios era um prato cheio para os especialistas em jogadas e táticas e para os cartunistas.
Em 1924 as Olimpíadas realizadas em Paris, recebeu pela primeira vez para a disputa do futebol uma equipe sul-americana, bicampeã do continente o Uruguai desembarcou em Paris para a disputa sem muito alarde haja vista que poucos conheciam o futebol praticado aqui na América do Sul. Em 26 de maio os uruguaios entravam em campo para o primeiro jogo no estádio, Colombes com um bom publico presente com um estilo de jogo diferenciado das equipes européias que predominavam o jogo de força física e bola aéreas, o Uruguai primava pelo toque de bola rápido e dribles constantes em seus marcadores e assim os uruguaios ganharam da Iugoslávia por 7 a 0 com Cea e Petrone marcando dois gols cada e Vidal, Romano e Scarone completando o placar o que se viu no outro dia nos jornais era uma verdadeira avalanche de elogios ao futebol praticado no dia anterior por aqueles desconhecidos no dia 29 de maio um jogo mais duro contra os EUA e nova vitória uruguaia agora por 3 a 0 com Petrone marcando todos os tentos da peleja, no dia 01 de junho os franceses donos da casa teriam o privilegio de enfrentar os temidos sul-americanos com suas gincas e habilidades com a bola e não deu outra novo show de bola e vitória por 5 a 1, Petrone duas vezes, Scarone duas e Romano anotaram o massacre, nas semi-finais um jogo mais duro contra a Holanda e vitória por 2 a 1 Cea e Scarone marcaram este jogo marcou uma curiosidade os holandeses massacraram o atacante Petrone com verdadeiros golpes de pugilato levando a delegação uruguaia sugerir que o zagueiro Tetzner a lutar boxe, tanto que o jogador ficou fora dos jogos contra a Suécia pela medalha de bronze por vergonha e imposição dos organizadores do evento.
No dia 09 de junho veio a grande final olímpica e a Suíça era o adversário com toda torcida francesa a favor o Uruguai logo impôs seu ritmo de jogo ofensivo e de toque de bola que envolveu os suíços facilmente Petrone abriu o marcador, Cea ampliou e Romano fechou o placar e o Uruguai conquistava pela primeira vez a medalha de ouro no futebol olímpico.Mazzali ; Nasazzi (cap), Arispe – Andrade, Vidal, Ghierra , S.Urdinaran, Scarone, Petrone, Cea, Romano foi a equipe da grande final, depois da conquista houve muita festa aonde a delegação uruguaia estava instalada a noite fora oferecido um jantar aos campeões olímpicos de futebol, considerado com um dos melhores jogadores da conquista José Leandro Andrade foi o grande destaque do jantar apesar de ser baixinho encantou a todos por ser também um excelente dançarino pois as donzelas fizeram filas para dançar um tango com ele.

Quatro anos mais tarde Amsterdã organizava os oitavos jogos olímpicos da era moderna e o Uruguai chegava a Holanda para defender seu título olímpico e desta vez trazendo um rival de peso a Argentina campeã da Copa América, logo nas estréia os uruguaios enfrentaram os anfitriões que desejavam vingança das semifinais de Paris, mais não foi o esperando pelos holandeses que caíram por 2 a 0 com Scarone e Urdinaran marcando os gols, a equipe atuou bem apesar de algumas alterações na equipe campeã em 1924, no dia 03 de junho com a volta de Petrone a equipe titular uma goleada sobre a Alemanha por 4 a 1 com o matador marcando duas vezes ao lado de Manco Castro que também deixou a sua dobradinha, no dia 07 de junho pelas semifinais um jogo eletrizante uma das melhores seleções da Europa a Itália e um jogo eletrizante, apesar de terminarem vencendo o primeiro tempo com facilidade por 3 a 1, no segundo o time italiano passou a abusar do jogo violento que não fora punido pela a arbitragem e o placar chegou a 3 a 2 e por pouco a Itália não empata o jogo por que Mazzali fechou o gol defendendo até um pênalti cobrado por Schiavio, a classificação heróica para a final foi bastante comemorada ainda mais por ter na final um adversário conhecido e não um europeu pois as arbitragens se mostravam tendenciosas para as seleções do velho continente, a Argentina vinha de goleadas sobre os EUA por 11 a 2, Bélgica por 6 a 3 e Egito 6 a 0, mais nada que assustassem os celestes, no dia 10 de junho a grande final, 40.000 no Estádio Olímpico de Amsterdã se aglomeravam para ver a final e um jogo duro e catimbado ao extremo só poderia ter terminado empatado; 1 a 1 com Petrone marcando para o Uruguai e Ferreyra para a Argentina, naquela época os jogos terminados empatados nestas competições em fase eliminatórias, levariam as equipes para um jogo desempate e este se deu no dia 13 de junho e desta vez não deu para os portenhos após um empate em 1 a 1 na primera etapa, no segundo tempo os campeões olímpicos foram para cima e Scarone fez o gol do bicampeonato olímpico, ao apito final do arbitro nova festa azul celeste em campos europeus e festa nas ruas de Montevidéu quando os telégrafos anunciaram a vitória dos caudilhos do futebol, o povo foi ás ruas o futebol a nova paixão mundial das nações tinham novos e imbatíveis reis.

Esta Olimpíada também foi a ultima em que o Uruguai disputou o torneio de futebol agora com os Jogos Olímpicos de Pequim os uruguaios completam 80 anos sem disputarem o torneio de futebol, por não conseguir classificação é uma pena, depois destas duas conquistas o Uruguai ficou conhecido com a Celeste Olímpica, e por ter um jogador argentino marcado um na cobrança de um escanteio contra os uruguaios este gol passou a se chamar Gol Olímpico, a coroação total deste feito memorável veio definitivamente em 1930 com a realização da primeira Copa do Mundo de Futebol e coube ao Uruguai por suas conquistas de 1924 e 1928, o país sediar o evento apesar do futebol na América do Sul ser quase todo amador na época e os europeus já profissionalizados o mundial só contou com a participação de treze equipes e somente quatro delas da Europa, mais de pouco se fez questão pois os melhores do mundo jogavam na América do Sul e novamente se viu uma final entre Uruguai e Argentina, com a equipe base mantida desde 1924 a Celeste jogando diante da sua fanática torcida venceu o Peru por 1 a 0, a Romênia por 3 a 0, goleiou a Iugoslávia por 6 a 1 de virada e na grande decisão também numa grande virada bateu os portenhos que queriam vingança a todo custo, por 4 a 2, depois de ficar fora das duas Copas Seguintes em represália por não virem ao mundial em sua casa, os Celestes só voltaram a jogar o mundial em 1950 e realmente apartir deste mundial que a sua mística camisa azul celeste passou a fazer peso no futebol mundial com uma conquista heróica diante um Brasil amplamente favorito e jogando em sua casa e esta final todos nós já sabemos da historia, mais apartir daí a raça, a honra e o heroísmo de defender o manto sagrado, passou a fazer parte desta famosa mística. Hoje o futebol uruguaio se encontra em baixa, suas principais equipes Peñarol e Nacional sofrem com o abandono de suas principais revelações que saem cedo de suas bases para o futebol europeu, é uma lamentável realidade atravessada por um país pequeno mais grande nas suas conquista futebolísticas quem sabe um dia teremos a mística camisa celeste revivendo os grandes tempos, quem sabe em 2014?.

4441 – ☻Mega Almanaque Futebol – Os Cartões


O cartão amarelo

No futebol é mostrado a um jogador o cartão amarelo como aviso que tenha cometido algum tipo de infracção como uma falta, servindo-lhe de advertência. Ao ser mostrado um segundo cartão amarelo ao mesmo jogador, este recebe também um cartão vermelho, sendo imediatamente expulso do campo.
O cartão amarelo foi introduzido pela FIFA em Copas do Mundo (Campeonatos Mundiais), a partir da Copa de 1970 disputada no México e o primeiro jogador a receber o primeiro cartão amarelo nessa mesma Copa foi o Inglês Lee. Ao redor do mundo nos campeonatos regionais, estaduais, nacionais e internacionais um número predeterminado de cartões amarelos em distintas partidas faz com que o jogar torne-se inapto a jogar a próxima partida disputada por seu time (equipa) como uma penalização imposta para disciplina em jogo. Por exemplo, nos campeonatos nacionais de futebol do Brasil, um jogador que receba ao todo três cartões amarelos, considera-se inapto a jogar a próxima partida disputada pelo seu clube, a contar da partida que recebeu o seu terceiro cartão.E se for expulso apos possuir três cartôes acumulativos,o cartâo vermelho anula automaticamente os cartôes amarelos.

Cartão Vermelho

É apresentado a um jogador que tenha acabado de cometer uma falta grave ou quando recebe o segundo cartão amarelo. Esse jogador terá de sair do campo imediatamente, e não poderá fazer parte novamente do jogo, nem pode ser substítuido por outro da mesma equipe, tendo esta de continuar o jogo com um jogador a menos. O cartão vermelho, em alguns casos também resulta em sanções adicionais, sendo a mais comum o impedimento de participar em determinado número de jogos seguintes, normalmente por um jogo. Mas estas punições dependem das regras do torneio ou competição em questão. Os cartões vermelhos e amarelos começaram a serem utilizados no futebol, na Copa do Mundo de 1970, antes havia expulsões, mas sem a utilização deste instrumento. Antigamente o cartão era dado depois de três fases o jogador levava dois amarelos e poderia continuar jogando na próxima era vermelho na certa.
Devido a influência do seu uso no desporto, o termo “cartão vermelho” tornou-se uma expressão corrente dirigida a alguém como reprovação ou negação. Por exemplo, a Organização Mundial do Trabalho das Nações Unidas, durante o Campeonato Mundial de Futebol (Copa do Mundo) de 2006, lançou uma campanha intitulada “Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil”, de forma a sensibilizar as pessoas para a reprovação do trabalho infantil.

4440 – Medicina – A fábrica de órgãos


☻ Exclusivo

Em 1996, um médico chocou muita gente ao mostrar um rato de laboratório com uma orelha humana presa nas costas. O teste era pra provar a viabilidade de implantar em seres vivos, órgãos fabricados em laboratório. A pele humana já pode ser fabricada e o projeto dos cientistas é construir um fígado, rim ou coração. As experiências ainda são com animais, mas vários cientistas calculam que levará uns 10 anos para que órgãos completos começem a serem feitos. Existe a posibilidade do uso das células-tronco para tal finalidade. A pele humana já é uma realidade. A emresa Organo Geneses é uma das empresas que a fábrica nos EUA. A dificuldade para que outros órgãos sejam feitos é a complexidade. Quanto menos funções, mais fácil é de ser reproduzido em laboratório, por isso, a pele e a cartilagem foram os primeiros. Para um fígado é mais complicado pois não se sabem exatamente quais as substâncias químicas fazem as células se desenvolverem. É necessário que se descubra quais fatores de crescimento estimulam a formação de tecidos especializados. O ácido retinóico, leva à formação de células cerebrais. Outro obstáculo é a rejeição. A idéia é mexer nos genes de modo que novas células fabricadas não sejam reconhecidas como estranhas. A clonagem seria outra saída. Cada ser humano adulto teria um banco de células-tronco para o futuro, se isso for realizado, em teoria, não só seria possível a cura, como também prolongar a vida. Além de problemas técnicos, outro obstáculo é a ética, já que a fonte são embriões e a clonagem é algo polêmico, até mesmo entre os cientistas. As pesquisas devem prosseguir, desde que resguardado o bom-senso.

4439 – Navegantes do Cosmo


Como você se sentiria se alienígenas desembarcassem na Terra, com naves ultramodernas, armas mortíferas e uma ordem de despejo? “Acabamos de comprar o Sistema Solar. Mas não se preocupem. Vocês poderão construir seu novo lar em outro planeta, lá na outra extremidade da galáxia. Por favor, comecem imediatamente a arrumar as coisas que nós vamos providenciar a mudança.”
Foi mais ou menos assim que se sentiram os povos indígenas no seu primeiro contato com o homem branco. Como será, então, nosso encontro com uma civilização de outro planeta? Uma festa ou uma tragédia? Pelo sim, pelo não, a ciência assumiu de vez seu novo desafio. Quer descobrir logo os ETs – antes que eles nos descubram. Na virada do milênio, sondas espaciais terráqueas avançavam, como as caravelas de Colombo, por regiões nunca antes visitadas por um artefato humano. Querem encontrar “alguém” lá fora. Radiotelescópios esquadrinham cada canto do céu em busca de mensagens de alienígenas.
Nossa geração está prestes a participar de um evento que só tem paralelo no desembarque dos europeus na América, em 1492. Carl Sagan comparou os cientistas da Nasa aos navegadores portugueses da Escola de Sagres. As caravelas do nosso tempo são as espaçonaves. Com uma diferença: desta vez a missão é de paz. O objetivo dos novos argonautas não é dizimar quem estiver do outro lado.

4438 – Bertrand Piccard, O Explorador


Volta ao mundo em um balão

Bertrand Piccard (Lausana, 1 de Março de 1958) é um balonista e psiquiatra suíço.
Faz parte de uma família de exploradores e cientistas. O seu avô, Auguste Piccard, inventou a cabine pressurizada para voo de balão e o batiscafo, aparelho esférico feito de aço usado para descer ao fundo do mar. Com um balão em forma de gôndola, foi o primeiro homem a atingir a estratosfera, em 1931. O pai de Bertrand, Jacques Piccard, usou o batiscafo para bater o recorde do mundo de descida no oceano ao mergulhar até 10 916 metros. O fato do pai pertencer à NASA (Agência Espacial Norte-Americana) fez com que Bertrand desde cedo convivesse com astronautas e exploradores, o que levou a que ganhasse um grande gosto por aventuras.
Volta ao mundo em um balão
A 21 de Março de 1999 o objectivo foi alcançado, a bordo do Breitling Orbiter 3. Bertrand Piccard, acompanhado pelo inglês Brian Jones, realizou o primeiro voo em balão à volta do mundo sem escalas. Foi, simultaneamente, o mais longo voo de sempre em termos de duração e distância. A dupla percorreu 45 755 quilómetros em 19 dias, 21 horas e 47 minutos. O voo começou na Suíça e acabou no Egipto.
Esta volta ao Mundo em balão foi considerada a última grande aventura do século XX e valeu a Piccard uma série de distinções. Foi distinguido com a Ordem Olímpica e a Medalha de Ouro do Ministério da Juventude francês, o Grande Prémio da Academia das Ciências Morais e Políticas do Instituto de França e também com galardões da Federação Internacional de Aeronáutica, da National Geographic Society, entre outros. Foi ainda nomeado Embaixador da Boa-Vontade das Nações Unidas. Piccard e Jones criaram ainda uma fundação humanitária chamada Ventos de Esperança destinada a usar o impacto da aventura à volta do Mundo para ajudar causas esquecidas do nosso planeta. Entretanto, Piccard dedicou-se também a escrever livros e a dar conferências sobre balonismo e aventura nos Estados Unidos da América, Europa e Ásia. O seu mais recente projecto Solar Impulse tem como objectivo realizar a volta ao mundo num avião movido a energia solar.
A família Piccard é conhecida pelos desafios de engenharia e exploração a que se propõe. O pai de Jacques, Auguste Piccard, bateu por duas vezes o recorde de máxima altitude num balão, em 1931-32. O filho de Jacques, Bertrand Piccard chefiou o primeiro voo de balão à volta do mundo sem escalas, em março de 1999.

4437 – Vida na Terra – Uma rara combinação de fatores


No século XVI, o polonês Nicolau Copérnico desferiu um golpe devastador na vaidade humana. Ele provou que a Terra, nossa casa, não é o centro do Universo nem, ao menos, ocupa algum lugar especial no firmamento. O progresso posterior da Astronomia colocou em dúvida a crença de que o nosso planeta tem o monopólio da vida e da inteligência. Parece inconcebível supor, hoje em dia, que a Terra seja o único lugar, na vastidão do Cosmo, a abrigar seres sofisticados, capazes de mandar foguetes ao espaço, dançar a macarena e clonar ovelhas.
Na contramão do senso-comum, muitos cientistas começam a achar que a Terra pode, sim, constituir um caso único no Universo. A evolução que culminou com o surgimento do Homo sapiens não passaria, segundo essa hipótese, de uma seqüência quase inacreditável de coincidências. Absurdo? Façamos as contas. Nossa galáxia, a Via Láctea, contém algo como 200 bilhões de estrelas. Quantas delas, porém, produzem energia suficiente para aquecer um planeta? Menos de 20%, calculam os astrônomos. Sobram, ainda, entre 10 e 20 bilhões de estrelas como o nosso Sol. Mas o Homo sapiens se desenvolveu num planeta, não numa estrela.
Chance remota
Os planetas conhecidos até agora são quentes demais, ou frios demais, ou não possuem atmosfera. Mesmo num mundinho aconchegante como o nosso, com água, ar, temperaturas amenas e uma órbita bem comportada, o processo evolutivo fez trilhões de tentativas até o surgimento do Homo sapiens. Dos quatro reinos da natureza, só um produziu seres capazes de raciocinar – o reino animal. Os animais se dividiram em dezenas de linhagens (ou filos), das quais apenas uma evoluiu no sentido da inteligência, a dos cordados. Destes, apenas um ramo, o dos vertebrados, seguiu adiante. Entre os vertebrados, só os mamíferos atingiram formas superiores de vida. Das 24 ordens em que se dividem os mamíferos, apenas uma – a dos primatas – conseguiu gerar criaturas inteligentes, os hominídeos. Em suma: nós somos seres extremamente improváveis .
Não é preciso ser um cético para concordar que planetas hospitaleiros como o nosso não se encontram em qualquer esquina do Cosmo. Vida inteligente, menos ainda. O que podemos afirmar, com certeza, é que a existência da vida na Terra é, no mínimo, um fenômeno muito raro. Cuidemos bem do nosso planeta, portanto.

4436 – Games – Marvel X Capcom



Trata-se de uma série crossover de jogos eletrônicos na qual os personagens da Marvel Comics e da Capcom se enfrentam em lutas. Ao todo são 5 jogos.
O jogo se baseia nos quadrinhos da Marvel, quando o Professor Charles Xavier chama os heróis da Marvel e Capcom para detê-lo antes que ele se funde com a consciência de Magneto e se torna o ser conhecido como Onslaught (Massacre), o chefe final.
A série é muito bem falada. Abrange muitos fãs (de personagens de quadrinhos presentes, principalmente) e é considerada a mãe de vários outros jogos de mesmo estilo.

4435 – Ciência do Século 20 – Os Buracos Negros


☻ Exclusivo

Parece estapafúrdio, mas acontece. Certos corpos celestes não resistem ao próprio campo gravitacional e desmoronam sobre si mesmo. Aí, a força de gravidade aumenta tanto que nem a luz escapa se passar por perto; em geral acontece na última etapa da evolução das estrelas gigantescas. Quasares e Pulsares, são outras excentricidades. Desde 1971 há fortes indícios de buracos negros detectados por cientistas, mas para onde são sugados matéria e energia, ninguém sabe ainda.
1950 a 1961 – Oort, um astrônomo holandês, sugeriu que cometas são originários de uma região além do Sistema Solar e mais tarde passou a se chamar de Nuvem Oort. Os EUA explodiram a 1ª bomba de hidrogênio em 1956 no Atol de Bikini, no Oceano Pacífico. São descobertos os quarks, pelo físico Murray Gell-Mann em 1961.
1964 a 1998 – Os físicos americanos Penzias e Wilson captaram sinais de rádio emitidos pelo Big Bang. O italiano Rubbia, observou pela 1ª vez as partículas sub-atômicas que até então eram só teoria. A evidência forte de que ocorreu o Big Bang foi obtida pelo satélite americano Cobe, ao registrar as variações de radiaçãono Universo. O condensado de Bose-Einstein, o 5° estado da matéria, foi obtido pela 1ª vez na Universidade do Colorado; montado o 1° anti-átomo de hidrogênio. Duas equipes internacionais de astrônomos anunciaram que o Universo se expandirá para sempre, tal descoberta que foi feita com base no cálculo da velocidade das galáxias, refutando a suposição de que o Universo crescerá até certo ponto e depois encolherá.

4434 – Robôs ajudarão população que envelhece no Japão


Folha Ciência

Num momento em que o mundo se prepara para viver com 7 bilhões de seres humanos sobre a Terra, o Japão está enfrentando uma diminuição e o envelhecimento de sua população, que deverá contar cada vez mais com a ajuda dos robôs.
Uma ampla gama de empresas, das que oferecem cuidados médicos às que fabricam automóveis, estão desenvolvendo robôs capazes de ajudar as pessoas mais velhas ou seus cuidadores.
Entre as últimas invenções está uma cama, projetada pela Panasonic, que se transforma em uma cadeira de rodas elétrica, e um robô programado para lavar o cabelo de pessoas que têm dificuldade para levantar os braços.
Os japoneses têm uma das mais altas taxas de longevidade no mundo, com uma vida útil média de 80 anos para os homens, e de 86 para as mulheres, e contam com um grande número de pessoas centenárias.
No entanto, a taxa de natalidade japonesa, cronicamente baixa, está apagando o “baby boom” do pós-guerra.
Atualmente, o arquipélago conta com 127,7 milhões de habitantes, dos quais 23,2% têm mais de 65 anos.
A população deve cair para 89 milhões no ano 2055, com uma proporção de quatro japoneses idosos em dez, segundo o Instituto Nacional de Pesquisa sobre a População e a Segurança Social.
Um maior número de aposentados significa, inevitavelmente, um aumento no gasto em proteção social, quando a dívida pública do Japão, que equivale a duas vezes o PIB do país, já é uma das mais altas do mundo industrializado.
Por outro lado, a sociedade japonesa não incentiva as mulheres a ter mais filhos: as ajudas familiares foram reduzidas, os gastos escolares elevados e as licenças maternidade não são bem vistas pelos empregadores.
O resultado é que as japonesas têm uma taxa média de fecundidade de 1,39 filho, longe dos 2,07 necessários para manter a população em seu nível atual e dos 3,65 por mulher em idade fértil em 1950.
Os robôs não vão resolver necessariamente a crise demográfica no Japão, mas os avanços tecnológicos que estão proporcionando podem ajudar as pessoas mais velhas a trabalhar por mais tempo, indicam os especialistas.

4433 – Mega Memória Infantil – Batfino & Karatê



Desenho animado de um super-herói, de 1967, mas que foi apresentado pela TV brasileira durante a década de 1970. Uma paródia do Batman, Batfino era um morcego super-herói com indestrutíveis asas de aço e um Radar Supersônico e que entrava em ação toda vez que era chamadopelo chefe de polícia. Seu parceiro era o atrapalhado Karatê, um oriental craque nas artes marciais, uma paródia de Kato, opersonagem interpretado pelo titã Bruce Lee, na série “O Besouro Verde”. Seu veículo era o Batilac. Semelhante a sérei do Batman, os episódios eram congelados nos momentos críticos e o narrador perguntava se o personagem iria sobreviver. É claro que ele também se safava com o uso de seus superpoderes…
Jargão:
“Suas balas não podem me atingir, minhas asas são como uma couraça de aço!!”

4432 – Ufologia – Se os seres extraterrestres são tão avançados, por que não nos fazem uma visita oficial?


Cético em relação à existência de seres inteligentes em outros planetas da Via Láctea, o astrônomo americano Michael Hart argumenta que os extraterrestres já teriam tido milhões de anos para adquirir a capacidade de fazer longas viagens espaciais e colonizar a Galáxia, tal como a espécie humana dominou a Terra. No livro Extraterrestrial: Where are they? (Extraterrestres: onde estão eles?), Hart expõe – e refuta – as diversas teorias aventadas pelos cientistas para explicar por que os alienígenas não nos deram o ar da graça.
As enormes distâncias interestelares
A velocidade máxima que as naves espaciais terrestres conseguiram até agora é de alguns milhares de quilômetros por hora. Mesmo que os ETs navegassem pelo espaço a 1 bilhão de quilômetros por hora (um décimo da velocidade da luz), eles levariam 88 anos para percorrer o trajeto que separa a Terra de Sirius, uma das estrelas mais próximas.
Viajantes no freezer
Os alienígenas podem ser “congelados” no início da viagem, com o auxílio de drogas, e reanimados pouco antes da chegada. É verdade que não se descobriu ainda como fazer isso em animais de sangue quente, mas é perfeitamente plausível que uma civilização mais avançada venha a dominar essa técnica. Além do mais, por que teriam os ETs de possuir sangue quente, como os humanos?
Longevidade
A duração da vida dos seres de outros planetas pode ser muito maior do que a nossa. O que é uma viagem de 200 ou 300 anos para quem é capaz de viver três milênios?

ETs de proveta
As espaçonaves alienígenas podem ser tripuladas por robôs e, eventualmente, carregar na geladeira um lote de zigotos a serem descongelados por ocasião da chegada. Esses ETs de proveta formariam a população dos mundos a serem colonizados.
Combustível
É impossível obter a imensa quantidade de energia necessária para uma viagem interestelar.

Solução: Energia nuclear
Com a energia obtida através da fusão nuclear, o combustível deixa de ser um obstáculo insuperável, inclusive porque se trata de distâncias a serem percorridas num ambiente de quase vácuo, praticamente sem atrito.
Hipótese contemplativa
Por que os alienígenas teriam de se comportar exatamente como nós, terráqueos? Talvez uma civilização mais avançada tenha mais interesse em levar uma vida contemplativa, voltada para temas espirituais ou filosóficos, do que em se aventurar pelo espaço afora.
Soluções: Mudança de valores
A hipótese contemplativa pode explicar perfeitamente por que, no ano 600 000 antes de Cristo, os habitantes de Vega-3 optaram por não visitar a Terra. Mas as civilizações e as culturas costumam se modificar ao longo dos séculos. No ano 599 000 antes de Cristo, os habitantes do mesmo planeta poderiam estar menos interessados em assuntos espirituais do que seus antecessores do milênio anterior, preferindo se dedicar às viagens espaciais. O mesmo raciocínio vale para o ano 598 000 antes de Cristo, e assim por diante.
Auto-destruição
O domínio da energia nuclear leva as civilizações a se destruírem em guerras de extermínio antes que sejam capazes de empreender longas viagens espaciais.
Solução: Diversidade cultural
O mesmo argumento usado para derrubar a hipótese contemplativa se aplica no caso da auto-destruição. A civilização inteligente pode ter desaparecido de Vega-3 em consequência de uma guerra nuclear, mas por que a civilização tecnicamente avançada de Sirius-2 teriam, necessariamente, o mesmo fim?

4431 – As máquinas de xerox emitem alguma radiação perigosa para a saúde?


Não existe pesquisa que indique que a máquina seja prejudicial, se bem utilizada. A radiação das fotocopiadoras é basicamente luminosa, emitida por lâmpadas de halogênio ou quartzo. “Se o operador acionar a máquina com a tampa aberta e ficar olhando para a luz por um tempo prolongado, os olhos podem ser prejudicados”, explica um oftalmologista do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Como a luminosidade é forte, o estímulo na retina será grande. Se isso acontecer uma única vez, o efeito é passageiro. Mas se for repetido com freqüência os distúrbios podem ser duradouros.