13.280 – Missão da NASA que “tocará o Sol” faz homenagem a astrofísico lendário


sol
Em anúncio realizado, diretores da NASA decidiram batizar a primeira missão que explorará mais detalhes do Sol com o nome do astrofísico Eugene Parker, responsável pelos primeiros estudos sobre como os campos magnéticos e partículas solares influenciam os planetas do Sistema Solar. O evento organizado pela agência espacial norte-americana aconteceu no auditório da Universidade de Chicago, onde Parker é professor emérito do Departamento de Astronomia e Física.
Thomas Zurbuchen, um dos diretores da NASA, afirmou que essa é a primeira vez que a agência batiza uma missão com o nome de alguém que ainda está vivo – Parker, que iniciou seu estudo sobre o Sol na década de 1950, completará 90 anos de idade no próximo dia 10 de junho.
Em 1958, o astrofísico publicou um artigo com as primeiras investigações a respeito de um fenônemo que ficaria conhecido como vento solar: em sua pesquisa, Parker estudou o comportamento da emissão de partículas e de eletromagnetismo que “escapa” da coroa solar, região conhecida como a “atmosfera externa” do Sol, onde as temperaturas são superiores à própria superfície solar. Ao longo de seu trabalho, o cientista analisou a interação da expansão da coroa solar e de sua relação com os planetas.
Na missão planejada pela NASA, a nave que será desenvolvida precisará lidar com temperaturas altíssimas e radiação em um nível que nenhuma outra precisou lidar. A ideia é que ela traga informações que nos ajudem a prever tempestades solares e a revelar os segredos da nossa estrela mais próxima.
A pequena nave treinará na órbita de Vênus por sete anos antes de ficar a seis milhões de quilômetros da superfície do Sol. Parece meio longe, mas é o suficiente para rastrear os campos magnéticos e analisar algumas partículas solares sem derreter por completo. A missão será lançada em 2018.

13.264 – Astronomia – Estrela da ‘megaestrutura alienígena’ volta a piscar


alx_estrela-misteriosa-20151123-001_original1
Astrônomos de todo o planeta se mobilizaram neste fim de semana, após detectarem que a estrela KIC 8462852, responsável pela emissão de uma luz misteriosa, voltou a piscar. Os cientistas apontaram seus telescópios para o corpo celeste, localizado a cerca de 1.500 anos-luz de distância (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros) da Terra, entre as constelações de Cisne e Lira, na esperança de, pela primeira vez, acompanhar a atividade da estrela em tempo real. Com isso, pretendem obter novas evidências que ajudem a decifrar os padrões incomuns de seu brilho.
A KIC 8462852, descoberta em 2011, exibe uma luz tão bizarra que, em 2015, os cientistas chegaram à conclusão de que a explicação científica mais plausível para seu comportamento seria uma incrível megaestrutura construída por alienígenas. A hipótese – levada a sério pelos astrônomos – foi levantada por pesquisadores liderados por Tabetha Boyajian, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e pelo astrônomo Jason Wright, da Universidade Penn State. Por Tabetha estar à frente dos estudos, a estrela também recebe o nome de “Tabby’s Star”, ou Estrela de Tabby, na tradução em português.
Meses depois, cientistas da Nasa, afirmaram que um ‘enxame’ de cometas poderia estar por trás dos padrões incomuns do brilho da estrela: uma família deles estaria viajando em órbitas longas e bastante excêntricas a seu redor, causando estranha luminosidade. A ideia da estrutura construída por extraterrestres, no entanto, não foi descartada.
O maior enigma da Estrela de Tabby, segundo os astrônomos, é a grande diminuição de seu brilho, entre 15% e 25% – o mais comum é que esse número esteja entre 1% e 2%.
Em setembro de 2015, um artigo no periódico Monthly Notices of the Royal Astronomical Society descreveu a KIC 8462852, estrela observada pelo telescópio Kepler, o mais competente caçador de planetas fora do Sistema Solar, lançado em 2009. As lentes do poderoso instrumento captam o brilho das estrelas – quando há uma diminuição padronizada da luz emitida por elas, isso significa que algo está passando entre a estrela e o telescópio. Na maior parte das vezes, é um planeta (que costuma ter tamanho intermediário entre a Terra e Netuno). No entanto, a KIC 8462852 emitia um padrão luminoso inédito. Normalmente, quando um planeta passa por uma estrela, seu brilho diminui entre 1% e 2%. Mas, durante os quatro anos de observações do Kepler, a luz de KIC 8462852 diminuiu entre 15% e 25%, e em intervalos aleatórios. Ela tem 1,5 vezes o tamanho do Sol e, para escurecê-la dessa forma, seria necessário um objeto muito grande – bem maior que um planeta.
Após descartarem várias explicações, os cientistas passaram a considerar a hipótese de que o comportamento bizarro da estrela poderia ser consequência de uma incrível estrutura construída por alienígenas para captar a energia da estrela, chamada Esfera de Dyson (por ter sido proposta em 1960 pelo físico britânico Freeman Dyson). Ela seria composta por gigantescos painéis solares que, aos poucos, bloqueariam o brilho do corpo celeste. Em novembro do mesmo ano, o astrônomo Massimo Marengo, da Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos, afirmou que o padrão incomum poderia ser causado por cometas gelados que estariam rodeando a estrela e causando a sombra misteriosa – mas a nova explicação não foi suficiente para invalidar a hipótese da megaestrutura.
No fim da última sexta-feira, o Instituto de Astrofísica das Canárias, deu o alerta da atividade da estrela – ela estaria novamente se apagando e teria reduzido seu brilho em 2%. Com as novas observações, os cientistas pretendem recolher mais dados sobre a luz de KIC 8462852, que dariam suporte ou descartariam as hipóteses sobre as explicações de seu brilho.

13.248 – Física – Teorias da Viagem no Tempo


viagem no tempo
Buracos negros: Alguns cientistas afirmam que os buracos negros permitirão viajar no tempo ou a universos paralelos. Sua curvatura espaço-temporal poderá funcionar como um portal interdimensional.

A rosquinha: O cientista israelense Amos Ori acredita que, nos próximos séculos, a humanidade será capaz de construir uma máquina do tempo que poderá curvar o espaço como um donut e permitir o salto a outras épocas.

Cordas cósmicas: Essa hipótese diz que a matéria é, na verdade, um estado vibracional, cuja manipulação permitirá fazer viagens no tempo e no espaço.

Cilindro de Tipler: O físico Frank J. Tipler desenvolveu, em 1974, uma teoria segundo a qual seria possível viajar no tempo através de um cilindro de alta densidade e capaz de girar à velocidade da luz.

Matéria exótica: É considerada matéria exótica a matéria que não obedece a uma ou mais leis da física clássica. Alguns cientistas acreditam que essas partículas permitiriam viagens no tempo ao possibilitar mudanças na relação espaço-tempo.

13.069 -Nó na Mente – O que existia antes do Big Bang?


universo-de-duvidas
Universo de Dúvidas

Será que algum dia saberemos o que aconteceu antes do Big Bang? Esta não é uma questão apenas filosófica: há alguns aspectos que podem vir a ser cientificamente testados.
Por muito tempo o homem achou que o Universo – por definição, tudo que tem existência física – era de idade infinita, ou com uma idade que poderia ser medida em gerações humanas, como contado por muitas mitologias. Porém, graças aos estudos da taxa de expansão do Universo, sabemos que há cerca de 13,8 bilhões de anos tudo que podemos observar veio de uma expansão a partir de um ponto menor que um átomo, o Big Bang.
O modelo do Big Bang é a melhor explicação que temos para a aparência do cosmos atual, mas ele tem suas limitações – como o fato de que não responde a algumas perguntas fundamentais, como “o que veio antes do Big Bang?” (se é que veio alguma coisa). Mas antes de tentar entender as possíveis respostas, é preciso primeiro entender a pergunta.

Inflação do big bang

O Universo pode ser definido como tudo o que existe em um sentido físico, mas nós podemos observar apenas uma parte dele. Olhando ao redor vemos galáxias por todos os lados, e elas todas se parecem umas com as outras, não há uma direção especial no espaço… Isso significa que o Universo não tem “bordas” (ou um centro).
Se fossemos movidos instantaneamente para uma galáxia distante, veríamos um cosmos semelhante ao que vemos da Terra, com um raio efetivo de 46 bilhões de anos-luz. Não podemos ver além desse raio, não importa onde estejamos posicionados.
Por vários motivos os cosmologista acreditam que o Universo sofreu um processo de inflação em seus primórdios – uma expansão rápida logo após o Big Bang. Com a expansão, veio o resfriamento, e, passados cerca de 380.000 anos do Big Bang, o Universo ficou transparente, e a luz daquela época pode ser percebida hoje como a radiação cósmica de fundo (CMB, na sigla em inglês de Cosmic Microwave Background).
Essa radiação foi examinada por meio de telescópios espaciais como o COBE, WMAP e, mais recentemente, o Planck, e cientistas perceberam que ela é bastante suave, mas não totalmente uniforme: contém irregularidades que eram minúsculas e ficaram imensas com a inflação, e se tornaram as sementes para os objetos em larga escala, como galáxias e grupos de galáxias vistos hoje.
Existem várias versões possíveis para a inflação, mas o ponto essencial é que as flutuações aleatórias de temperatura e densidade produzidas pelo Big Bang foram suavizadas pela expansão rápida, como um balão murcho e enrugado se torna um objeto liso quando inflado. Mas a inflação teria acontecido tão rápido que o Universo passou a ter regiões desconectadas – universos paralelos – que podem até mesmo ter leis físicas diferentes.
Universos de bolso

Entretanto, nada disso nos informa o que veio antes do Big Bang. Em muitos modelos inflacionários, bem como em teorias do Big Bang mais antigas, este é o único Universo que existe, ou, pelo menos, o único que podemos observar.
Uma exceção é o modelo conhecido como inflação eterna. Nele, o Universo Observável é parte de um “Universo de bolso”, uma bolha em uma enorme espuma de inflação. Na nossa bolha particular, a inflação começou e parou, mas em outros universos desconectados do nosso a inflação pode ter propriedades diferentes. A inflação eterna esvaziou as regiões fora das bolhas, eliminando toda a matéria ali – não há estrelas, galáxias ou qualquer coisa reconhecível.
Se a inflação eterna está correta, o Big Bang é a origem do nosso universo-bolha, mas não de todo o Universo, que pode ter uma origem muito anterior. Se algum dia tivermos evidências dos multiversos, elas serão indiretas, mesmo com a confirmação da inflação feita pelo telescópio Planck e outros. Em outras palavras, a inflação eterna pode responder sobre o que precedeu o Big Bang, mas ainda vai deixar a questão da origem última fora de alcance.
Ciclos de trilhões de anos

Muitos cosmologistas consideram o modelo inflacionário como o pior modelo que temos. As propriedades gerais da inflação são interessantes, graças à sua utilidade para resolver problemas difíceis em cosmologia, mas certos detalhes são complicados. O que causou a inflação? Como ela começou e quando terminou? Se a inflação eterna está correta, quantos universos-bolha podem existir com propriedades semelhantes às do nosso? Houve um “Big Bang Maior” que originou o multiverso? E, finalmente (o que diferencia a ciência da filosofia), podemos testar estas hipóteses?
Existe uma alternativa ao modelo inflacionário, que evita estas questões, e responde o que havia antes do Big Bang. Se o modelo de universo cíclico de Paul Steinhardt e Neil Turok estiver certo, o Universo reside dentro de um vazio em uma dimensão maior. Junto do nosso universo há um universo paralelo que não podemos observar diretamente, mas que está conectado com o nosso pela gravidade.
O Big Bang não seria o início, mas um momento em que duas “branas” (termo que deriva de “membranas”) colidiram. O Universo no modelo cíclico está entre períodos em que as branas estão se afastando, com expansão acelerada, e novos Big Bangs estariam em períodos em as branas colidem novamente. Como cada ciclo levaria trilhões de anos para se completar, o universo seria infinitamente velho, evitando os problemas filosóficos dos modelos inflacionários.
Se você acha que todas estas opções são espantosas, pode ter certeza de que os cientistas pensam o mesmo. Como o universo observável está em expansão acelerada, sem sinal de que vá entrar em colapso mesmo no futuro mais distante, por que haveria um cosmos com um início mas sem um fim semelhante? Se a inflação ou o Big Bang apaga as informações sobre o que veio antes (se é que algo veio), será que não estamos discutindo quantos anjos poderiam dançar Gangnam Style na cabeça de um alfinete? Mesmo se a inflação eterna ou o modelo cíclico forem corretos, eles colocam a questão da origem de tudo no campo do que não pode ser testado.
Em dez ou cem anos, as questões e métodos que usamos para responder estas questões provavelmente terão evoluído. Por enquanto, ainda não está claro como podemos saber o que precedeu o Big Bang. [BBC]

12.986 – Astrofísica – A Densidade da Estrela de Nêutrons


estrela_neutron2
Estrelas de nêutrons são, indiscutivelmente, um dos objetos mais exóticos do Universo. Como um daqueles amigos irritantes que aparentemente se superestima em cada aspecto da vida, estrelas de nêutrons excedem em quase todas as categorias: gravidade; força do campo magnético; densidade; e temperatura.
“Mas espere”, eu ouvi dizer, “buracos negros são muito mais densos!” Em certo sentido, isso é verdade, mas não podemos realmente determinar a estrutura interna de um buraco negro, uma vez que ela está para sempre oculta por trás do horizonte de eventos.
Estrelas de nêutrons, com uma crosta sólida (e com até mesmo oceanos e atmosfera!) são os objetos sólidos mais densos que podemos observar, chegando algumas vezes a densidade de um núcleo atômico em seu núcleo. Uma amostra de material de estrela de nêutrons do tamanho de um grão de areia pesaria aproximadamente o mesmo que o maior navio que já navegou pelos nossos mares – mais de 500.000 toneladas.
Estrelas de nêutrons também oferecem uma riqueza de comportamento extremo que as tornam um alvo atraente para os astrofísicos.

Origem de uma estrela de nêutrons
Acredita-se que estrelas de nêutrons são formadas a partir da explosão de uma supernova que acaba com a vida de uma estrela de tamanho médio, com cerca de 8 a 20 vezes a massa do nosso sol. Uma vez que seu combustível nuclear é consumido, a estrela explode, perdendo a maior parte de seu material para o espaço.
O restante colapsa em um pequeno objeto (pelos padrões astronômicos) com cerca de 22 km de diâmetro, o tamanho de uma cidade média, mas ainda assim com cerca de 1,5 vezes a massa do nosso sol.
Enquanto a crosta é composta principalmente de ferro cristalino, tais átomos não podem sobreviver profundamente na estrela, e o material transita através de uma estranha “pasta nuclear” (região A na imagem, abaixo) para o fluido de nêutrons do núcleo (regiões B e C).
As condições no núcleo não podem ser reproduzidas em experiências terrestres, e a incerteza sobre esta região – talvez compreendendo exóticos híperons ou até mesmo a “matéria estranha” – é o principal motivador para o estudo desses objetos.
Estrelas de nêutrons emitem pouca luz visível, o que as tornam praticamente impossíveis de detectar pelos modos tradicionais. A maioria dos poucos 1.000 exemplos conhecidos foram descobertos através das suas pulsações de rádio.
Como faróis cósmicos, os feixes de rádio emparelhados por esses pulsares varrem todo o universo. Se o feixe atravessa a Terra, ele pode ser detectado com radiotelescópios. O pulsar mais próximo, PSR J0437-4715, está a cerca de 500 anos-luz de distância.
Magnetares são pulsares com campos magnéticos incrivelmente fortes.
Microquasares são pulsares com jatos que atingem velocidades relativistas.

Rotação alucinante
Típicas estrelas de nêutrons pulsantes giram cerca de 1 vez por segundo, o que é extremamente rápido para um objeto denso e massivo. Mas se a estrela têm uma companheira binária normal, a estrela de nêutrons pode “girar” a mais de 10 vezes a velocidade de uma máquina de lavar roupa comum.
O processo pelo qual isso ocorre é chamado de acreção. Ao longo dos bilhões de anos de vida desses objetos, a estrela companheira evolui (e amplia) até as camadas externas sentirem a força gravitacional da estrela de nêutrons.
O gás da estrela companheira pode então fluir para a estrela de nêutrons, a fazendo girar mais.
Este processo tem alguns efeitos secundários notáveis. O gás caindo na estrela de nêutrons é aquecido a dezenas de milhões de graus, e a estrela de nêutrons vai começar a brilhar intensamente em raios-X, em vez de ondas de rádio. Essa radiação é bloqueada pela atmosfera da Terra, mas pode ser detectada por telescópios em satélites.

A fusão ocorre
O gás que se acumula na superfície da estrela de nêutron através do processo de acreção é semelhante à composição do nosso próprio sol – principalmente hidrogênio e hélio, com uma pequena porcentagem de outros elementos.
A enorme gravidade da estrela de nêutrons – algumas centenas de bilhões de vezes mais forte que a da Terra – irá comprimir e aquecer o gás, e depois de algumas horas ou dias a fusão nuclear pode ocorrer.
Mas essa queima não é tão bem comportada como em estrelas como o sol. Em vez disso, a queima é instável, e prossegue em apenas alguns segundos para envolver completamente a superfície da estrela de nêutrons, esgotando todo o combustível acumulado e dando origem a uma explosão de raios-X visível em toda a galáxia.
Estas explosões têm sido observados em cerca de 100 sistemas, desde os primeiras telescópios de raios-X serem lançados na década de 1960. Ocorrendo uma vez a cada poucas horas ou dias (dependendo da taxa de acreção), elas são de longe as mais frequentes explosões termonucleares no universo.
Claro que o fornecimento de gás a partir da companheira uma hora acaba. E quando isso ocorre, a estrela de nêutrons pode reprisar o seu papel como um pulsar de rádio, embora agora girando centenas de vezes a cada segundo. O recordista atual PSR J1748-2446AD gira 716 vezes por segundo! [IFLScience]

12.942 – Astrofísica – O mistério do objeto mais esférico já encontrado no Universo


esfera2

Folha Ciência para o ☻Mega

Os planetas e as estrelas não são. As forças centrífugas a que são submetidos fazem com que sejam “esmagados” nos pólos.
Mas, a 5.000 anos-luz da Terra, está Kepler 11.145.123 (ou KIC 11145123), cuja esfera parece desafiar as leis da física. Trata-se do objeto mais esférico encontrado no espaço até agora.
A sua esfera está tão perfeitamente intacta que pesquisadores do Instituto Max Planck para o Sistema Solar e da Universidade de Gottingen, na Alemanha, estão intrigados em descobrir o que leva o objeto a ser alheio às turbulências do espaço.
“Kepler 11145123 é o objeto natural mais esférico que já medimos, é muito mais redondo do que o Sol”, disse o astrônomo Laurent Gizon, chefe do estudo.
Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores usaram uma técnica conhecida como sismologia, ou asterosismologia estelar, que estuda a estrutura interna das estrelas e determina a esfericidade do objeto.

PASSO DE TARTARUGA
Ao girar em seus eixos, as luas, planetas e estrelas são submetidos a forças centrífugas que achatam seus pólos.
O nosso Sol tem um ciclo de rotação de 27 dias e o raio da sua circunferência é 10 quilômetros maior na sua linha do equador do que nos pólos. No caso da Terra, essa diferença é de 21 quilômetros.
Já a KIC 11145123 apresenta uma diferença de apenas 3 quilômetros, incrivelmente pequena se considerarmos que esta estrela tem um raio de 1,5 milhões de quilômetros, duas vezes maior do que o Sol.
Embora os especialistas não tenham uma resposta conclusiva sobre a razão deste fenômeno, eles dão alguns palpites: “A rotação desta estrela é surpreendentemente mais lenta, três vezes mais devagar do que o Sol, e não sabemos exatamente o motivo”, disse Gizon à BBC.
“Mas, ao girar mais devagar, deforma menos”, acrescentou.
Além disso, seu centro gira mais lentamente do que suas camadas externas.

CAMPO MAGNÉTICO
O especialista afirma que a rotação não é, no entanto, o único fator que determina a forma de uma estrela.
Também existe o campo magnético.
“Nós percebemos que esta estrela parecia um pouco mais arredondada do que previa sua rotação”, diz o especialista.
“É por isso que também atribuímos sua forma à presença do campo magnético”.
“Nós sugerimos que seu fraco campo magnético (muito mais fraco do que o do Sol) seja uma possível explicação para a sua esfericidade”, relataram os autores do estudo, publicado na revista Science Advances.
Para os cientistas, a forma da estrela KIC 11145123 traz à tona dúvidas sobre a origem dos campos magnéticos.

12.807 – Astronomia: Na pista da misteriosa matéria escura


materia escura
É desconcertante: a imensa maioria da matéria do Universo é feita de algo que não sabemos o que é. Ela não forma átomos, nem interage com eles. Por falta de termo melhor, nós a chamamos de matéria escura.
O que assusta é a quantidade. Para cada quilo de matéria normal no Universo, há mais de cinco quilos de matéria escura. Na real, esse componente misterioso forjou os alicerces do cosmos, produzindo as concentrações que serviriam de sementes para as futuras galáxias.
Um estudo recém-realizado em Cambridge se concentrou numa faixa de estrelas na orla exterior da Via Láctea e encontrou falhas que podem ser explicadas pela passagem de uma nuvem de matéria escura, com massa total milhões de vezes maior que a do Sol. Se for isso mesmo, a descoberta sugere que as partículas que a compõem devem ser mais pesadas e lentas do que se imaginava.
Noutra frente de pesquisa, um detector instalado a bordo da Estação Espacial Internacional capta, desde 2011, traços que podem ser resultado da aniquilação de partículas de matéria escura — mais uma pista. E, claro, sempre há a esperança de que o maior acelerador de partículas do mundo, o LHC, possa detectar novas partículas hoje desconhecidas e coloque ponto final ao mistério.

15.616 – Viagens no Tempo


viagem-no-tempo
Se existem temas que definitivamente fascinam os produtores de entretenimento, a viagem no tempo é um dos principais, como fica claro em Alice Através do Espelho. No longa, que estreia esse mês nos cinemas, a jovem heroína embarca em um universo paralelo no qual presente e futuro se misturam.
Mas, antes de tentar entrar no espelho da sua casa, vamos investigar esse complexo assunto e descobrir o que é possível nesse roteiro e o que provavelmente nunca vai passar de ficção.
A pergunta que não quer calar: dá para viajar no tempo?
Quem responde é Rodrigo Nemmen, astrofísico, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP e pesquisador de buracos negros. “Certamente é possível viajar no tempo, mas somente para o futuro”.
Até hoje, estudos, teorias e cálculos comprovam que isso é factível de duas maneiras: embarcando em uma viagem próxima à velocidade da luz ou sobrevoando uma região onde a força da gravidade seja extrema, como uma estrela de nêutrons ou um buraco negro.
Para entender como tudo acontece, precisamos encarar de frente duas das teorias mais inovadoras da física: a Teoria da Relatividade Especial ou Restrita e a Teoria da Relatividade Geral, ambas de Albert Einstein – e, sim, mesmo sendo centenárias, elas continuam a nortear toda e qualquer experiência sobre esse assunto.
Mas antes de alinharmos nosso pensamento às ideias de um dos principais físicos de todos os tempos, precisamos falar sobre o tempo!

Que tempo é esse?
Lição número 1: o tempo NÃO é absoluto. Ou seja, um segundo na Terra não é equivalente a um segundo em qualquer parte do Universo.
Como Einstein chegou a essa conclusão? Observando a velocidade da luz, que é uma constante. Ou seja, mesmo que a luz seja emitida por um objeto em movimento, sua velocidade é sempre a mesma: 299.792.458 m/s.
Relembrando, então, aquela famosa fórmula que aprendemos no Ensino Médio: a velocidade é igual a distância percorrida, dividida pelo tempo. No caso da velocidade da luz (que, como já foi explicado, é constante) a variante é o tempo!

Teoria da Relatividade Especial ou Restrita
Esqueça aquela história de uma supernave que vai viajar a uma velocidade absurda, até transpor um determinado portal e te levar para o futuro. De acordo com a física, o que acontece é que ao viajar próximo à velocidade da luz, o tempo passa mais devagar.
“Suponha que você é um astronauta e viaja no espaço, que é um ambiente sem gravidade, por um ano inteiro próximo à velocidade da luz. Para um observador que está na Terra, terão se passado 70 anos”, exemplifica Rodrigo Nemmen.

Teoria da Relatividade Geral
Nesse estudo, Einstein descobriu que quanto maior é o campo gravitacional de uma região, mais o tempo passa devagar nesse local quando comparado a um campo gravitacional mais fraco.
Isso acontece porque a matéria (energia) é capaz de “curvar” o espaço e o tempo à sua volta. No site do Instituto de Astronomia e Pesquisas Espaciais de Araçatuba (INAPE), há um ótimo exemplo que diz o seguinte: imagine o espaço-tempo como um colchão, basta colocar um objeto pesado sobre sua superfície para que ele se curve para baixo. Ou seja, quanto maior a densidade da matéria no tempo-espaço, maior será a curvatura causada e maior será a intensidade da força gravitacional.
“A gravidade em um buraco negro é extremamente forte. Se alguém conseguir orbitar próximo dessa região, sem ser ‘engolido’, o tempo para essa pessoa passará mais devagar do que em relação a uma pessoa que está longe desse ambiente”.
Então, se essas são as duas possibilidades já comprovadas de se viajar para o futuro, por que ninguém foi para lá até agora? Porque não é nada fácil acelerar um ser humano perto da velocidade da luz ou orbitar próximo a um buraco negro!
“Acelerar partículas subatômicas não é um problema para a tecnologia, mas fazer isso com um ser humano demanda uma quantidade colossal de energia que, provavelmente, explodiria o experimento. Isso porque, quanto mais próximo se chega da velocidade da luz, mais energia é necessária”, explica Rodrigo.
Quanto à segunda opção, precisaríamos criar um ambiente onde seja possível manipular a gravidade, outra coisa que não é nada fácil. Ou teríamos que ficar bem próximos a um astro denso. Detalhe: o buraco negro mais próximo da Terra encontra-se a meros mil anos-luz de distância.

Grandes – e velozes – passos para a humanidade
Mesmo sendo algo quase nulo do ponto de vista prático, os estudos e experimentos sobre viagem no tempo não devem parar nunca. “Na ciência, é importante que as pessoas pesquisem os mais diversos temas. Ao explorar os limites da física, como viajar no tempo, é normal esbarrar em becos sem saída. Grande descobertas científicas acontecem quando corajosos vão pelos caminhos menos explorados”, ressalta o professor.
Do ponto de vista científico e tecnológico, dois grandes avanços encheram a comunidade especializada de esperança. O primeiro deles é o Grande Colisor de Hadrons, que é o maior acelerador de partículas e o de maior energia existente no mundo. Trata-se, portanto, de uma espécie de “máquina do tempo” para as pequenas partículas que estão sendo aceleradas ali dentro, explorando a Teoria da Relatividade Restrita de Einstein.
Para dar uma ideia de sua grandiosidade, o colisor começou a ser construído em 1998 e demorou dez anos para ser concluído. O equipamento é enorme e ocupa um túnel de 27 km de circunferência, localizado na Suíça.
O segundo grande avanço aconteceu no início deste ano e refere-se a descoberta das ondas gravitacionais. “É a descoberta científica mais impactante da última década”, constata Rodrigo Nemmen. Ao observar a colisão de dois buracos negros, foi possível comprovar a criação de uma onda capaz de deformar o próprio tempo-espaço, como Albert Einstein previu na Teoria da Relatividade Geral. “Eventualmente, com esses conhecimentos, poderemos aprender uma maneira de deformar o tempo e viajar por ele”, esclarece o professor.

Sem olhar pra trás!
Não podemos dizer que é impossível viajar ao passado, mas nenhuma solução físico-teórica foi encontrada até o momento. Por isso, paradoxos temporais, buracos de minhoca e realidades paralelas são apenas especulações teóricas, sem qualquer tipo de comprovação.

buracosnegros

12.591 – Física – Ondas gravitacionais podem permitir viagem no tempo


ondas-gravitacionais
Viajar no tempo ou ir para outro planeta em questão de segundos. Essas ideias, que vêm dos filmes de ficção, podem estar mais próximas de virar realidade. Segundo um pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), que participou do estudo sobre as ondas gravitacionais, isso poderá acontecer daqui a 100 anos.
A primeira detecção de ondas gravitacionais, um fenômeno previsto pelo físico Albert Einstein na Teoria da Relatividade há cem anos, foi anunciada por um consórcio internacional de cientistas. Entre os pesquisadores, estão seis estudiosos do Inpe em São José dos Campos (SP).
Quando elaborou sua teoria da Relatividade Geral, Einstein afirmou que a gravidade é uma força de atração que age distorcendo o espaço e o tempo – espaço e tempo em sua concepção são uma coisa só. Quando há uma interação de objetos muito maciços, para os quais a força da gravidade é muito grande, eles produzem ondas que se propagam pelo espaço e tempo.
Ficção e realidade
Em 1985, ‘De volta para o Futuro’ se tornou um sucesso de bilheteria. O mundo se encantou com a história de um jovem e um professor que criaram uma máquina do tempo.
Segundo o Aguiar, fazer o mesmo que o personagem do jovem Marty Mcfly pode se tornar possível para as futuras gerações.
“Você não é destruído em nenhum momento, você viaja de um ponto para outro em um atalho em outra dimensão. Não consigo imaginar alguma coisa ainda neste século, mas de alguma forma vamos chegar lá”, defende o professor.
Som do universo
Entre os mais de mil cientistas que formam o grupo internacional que anunciou a descoberta das ondas sete são brasileiros, sendo seis do Inpe. O anúncio foi feito em Washington, nos Estados Unidos, acompanhado simultaneamente em 15 países colaboradores.
Experimento
O que os pesquisadores do projeto Ligo (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) encontraram em seus experimentos essencialmente foram “distorções no espaço e no tempo” causadas por um par de objetos com massas enormes interagindo entre si. Neste caso específico, os cientistas acreditam que o evento observado seja fruto da interação entre dois enormes buracos negros.
O Ligo consiste em dois enormes detectores de cerca de 4 km de extensão nos estados de Washington e Louisiana, nos EUA, operando conjuntamente.
O Ligo em si começou a funcionar em 2002, depois de outros experimentos iniciais, e sua sensibilidade vem sendo aprimorada desde então. Só com um aprimoramento maior realizado no ano passado, porém, foi possível detectar um primeiro evento. A colisão de buracos negros registrada pelo projeto foi detectada em 14 de setembro.
O custo do projeto Ligo foi estimado em US$ 620 milhões. O projeto foi uma iniciativa conjunta do Caltech (Instituto de Tecnologia da Califórnia) e do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Ao longo dos 40 anos que se passaram entre a construção do primeiro detector e a detecção das primeiras ondas gravitacionais, outros centros de pesquisa se juntaram à iniciativa, como o Inpe e o IFT-Unesp (Instituto de Física Teórica da Universidade Estadual Paulista).

12.574 – Encontrado planeta gigante que poderia abrigar vida


nasa-exoplaneta-star-wars
Uma equipe de astrônomos da NASA anunciou a descoberta do maior exoplaneta já encontrado, que gira em torno de dois sóis, localizado na zona habitável.
Achados desse tipo são apelidados de Tatooines por causa do planeta natal de Luke Skywalker, da saga Star Wars. A família do herói é nativa de um sistema solar duplo, ou seja, que é formado por duas estrelas – uma amarela e outra vermelha, de acordo com a ficção.
No caso da descoberta científica, esse “Tatooine” foi encontrado pelo telescópio Kepler, e sua descoberta foi divulgada na última segunda-feira. As conclusões foram apresentadas na conferência da Sociedade Astronômica Americana, em San Diego, nos EUA.
Batizado de Kepler-1647b, este planeta é um gigante gasoso que realiza a maior órbita para este tipo de planeta, orbitando as duas estrelas em 1.107 dias. As estrelas do seu sistema são parecidas com o nosso Sol; uma é pouco maior e a outra um pouco menor, informaram os astrônomos responsáveis pela descoberta que será publicada na revista Astrophysical Journal.

12.565 – Universo – Do que a matéria escura é feita?


galáxia ngc 2442
Galáxia NGC 2442

Mesmo tendo sido citada pela primeira vez por astrônomos há quase 100 anos, a matéria escura continua sendo um mistério.
Apesar de ela não ser observável, é possível calcular seus efeitos gravitacionais sobre os movimentos de galáxias e outros corpos celestes. Um dos grandes desafios dos pesquisadores é descobrir do que ela é constituída.
Essa matéria hipotética formaria aproximadamente 27% da massa e energia no universo observável. Atualmente os cientistas sabem mais a respeito do que a matéria escura não é do que sobre o que ela é de fato. Em primeiro lugar, como ela é escura, eles sabem que ela não consiste da mesma matéria de estrelas e planetas. Eles também sabem que ela não é feita de átomos chamados bárions, que compõem a matéria luminosa. Por último, eles têm certeza de que ela não se trata de antimatéria. Uma das principais teorias dos físicos para tentar explicar do que a substância é feita, diz respeito a partículas conhecidas como Weakly Interacting Massive Particles (Partículas Maciças de Interação Fraca, em tradução livre), as WIMPs. Elas teriam entre 1 e mil vezes a massa de um próton e fariam interações entre elas somente por meio da força fraca, que é responsável pelo decaimento radioativo.
O problema é que ainda há dúvidas a respeito da existência das WIMPs. Inúmeros experimentos estão sendo realizados para provar que ela existe estão sendo realizado ao redor do mundo, inclusive no LHC, o Grande Colisor de Hádrons. Caso não seja possível comprovar a existência das WIMPS, os cientistas terão que partir para uma nova hipótese para explicar do que a matéria escura é feita. O mistério não tem data para ser desvendado.

12.473 – Fragmentos do Cometa Halley poderão ser vistos no céu


Edmund_Halley
Halley emprestou seu nome ao mais famoso dos cometas

Esse fenômeno atinge seu auge entre os dias 5 e 7 de maio e será melhor visualizado do Hemisfério Sul. Embora o corpo celeste só se aproxime da Terra a cada 76 anos (a última vez foi em 1986), fragmentos de sua cauda são visíveis anualmente.
Você não vai precisar de telescópios ou equipamentos sofisticados para ver o fenômeno, apenas de seus olhos, um céu limpo e um pouco de paciência. O ideal é procurar um lugar mais rural, afastado das luzes da cidade. Como neste ano a chuva de meteoros ocorre em um período de lua nova, sua visibilidade deve ser maior. A atividade mais intensa está prevista para ocorrer na noite desta quinta-feira.
Essa chuva de meteoros associada ao Cometa Halley é chamada de Eta Aquáridas. Ela tem esse nome porque seu radiante fica próximo da estrela Eta Aquarii, uma das mais brilhantes da constelação de Aquário. Durante sua atividade, até 30 meteoros podem ser vistos por hora.
O Cometa Halley é uma bola de rocha e gelo que resultou da formação do nosso sistema solar. Quando esse corpo celeste passa perto do sol, o calor derrete sua superfície gelada, liberando partículas de gelo e poeira. Os destroços acompanham a trajetória do cometa, formando uma cauda que aponta para longe do sol. Quando a Terra cruza a órbita do cometa, nós passamos por essa cauda.
A gravidade do nosso planeta atrai o gelo e poeira que o Halley deixou para trás. Quando esses fragmentos atravessam nossa atmosfera, ele entra em atrito com as moléculas do ar. Com isso, os destroços queimam, deixando um rastro no céu, causando uma chuva de meteoros.

12.320 – Estudo com réplica do Sol jovem sugere que a vida na Terra esteve por um fio


sol jovem
Ao estudar uma estrela que é praticamente um réplica perfeita do Sol, só que bem mais jovem, um grupo de astrônomos com participação brasileira demonstrou que a existência da vida na Terra esteve por um fio. De acordo com eles, foi somente graças ao campo magnético do nosso planeta que a história teve final feliz.
O trabalho foi aceito para publicação no periódico “Astrophysical Journal Letters” e tem como primeiro autor José Dias do Nascimento, astrônomo da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e pesquisador visitante do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica, nos Estados Unidos. Do Brasil, também participa do estudo o astrônomo Gustavo Porto de Mello, do Observatório do Valongo da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
O alvo dos pesquisadores foi a estrela Kappa¹ Ceti. Ela está localizada na constelação da Baleia, a uns 30 anos-luz de distância. E é igualzinha ao Sol, só que jovem. Enquanto a nossa estrela-mãe é uma senhora de meia-idade, com 4,6 bilhões de anos, os pesquisadores estimam que Kappa¹ Ceti seja uma adolescente, com entre 400 e 600 milhões de anos.
Não custa lembrar: as evidências mais antigas de vida na Terra remontam à época em que o Sol tinha essa idade aí.
Já se sabe que as estrelas, a exemplo dos seres humanos, são mais agitadas, instáveis e tempestuosas quando jovens. O passar dos anos vai tornando tanto umas como outros mais calmos, pacíficos e cordatos.
A questão é: quão mais raivoso era o Sol em sua juventude? Os pesquisadores puderam estudar isso usando a réplica Kappa¹ Ceti, medindo com precisão a magnetosfera da estrela. Dê uma olhada no naipe da modelagem das linhas de campo magnético.
Com esse campo magnético aí, Kappa¹ Ceti deve ser uma estrela cheia de manchas estelares gigantes, bem maiores que as do Sol de hoje, e capaz de supererupções, com energias milhões de vezes superiores às envolvidas naquelas ejeções de massa coronal da nossa estrela. O vento estelar dela, por sua vez, é cerca de 50 vezes maior que o solar atual. Isso é um caminhão de partículas altamente energéticas que a estrela está ejetando e soprando na direção dos planetas que por ventura estejam ao seu redor.
Decerto o Sol fez a mesmíssima coisa por aqui, 3,8 bilhões de anos atrás, banhando os planetas em altas doses de radiação. Hoje, em proporção bem menor, continua fazendo. Mas a Terra tem seu próprio campo magnético, que age efetivamente como um escudo.
O drama é que, naqueles tempos, a magnetosfera terrestre seria menor e mais fraca — talvez até mesmo metade do seu valor atual. “A Terra primitiva não tinha tanta proteção como tem agora, mas teve o suficiente”, diz Nascimento. “A sobrevivência da vida primitiva em nosso planeta esteve por um triz.”

12.287 – Sol – Bomba Atômica Gigante


erupcao-solar-20110819-size-598
O Sol é movido a hidrogênio, que se funde no calor do seu núcleo numa reação parecida com um reator atômico. Ele transforma hidrogênio em hélio.
A estrela produz 40 trilhões de megatons de energia por segundo”, diz o astrônomo Augusto Damineli, do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo. Tudo isso é emitido em raios gama, uma radiação invisível e quentíssima. Esses raios queimariam o sistema solar, mas, ao atravessar as várias camadas do astro, são convertidos em raios de luz, mais suportáveis. Assim, a temperatura de 10 milhões de graus Celsius da radiação do núcleo é reduzida a 6 000 graus Celsius. Há 4,6 bilhões de anos, ao nascer, o Sol tinha hidrogênio suficiente para queimar durante 10 bilhões de anos. Hoje, a metade desse estoque já se acabou. Quando não restar nada, daqui a 5 bilhões de anos, ele vai queimar o hélio que gerou. Isso durará mais 1 bilhão de anos e será um inferno, pois a queima do hélio gera mais energia e calor que a do hidrogênio. Mas tudo bem. O mundo já vai estar torrado mesmo.

Vai gás aí?
Como o Sol converte hidrogênio em hélio.
1. Cada átomo de hidrogênio do Sol possui um próton e um elétron em órbita.
2. No núcleo do astro, o calor e a gravidade são tão grandes que os átomos se fundem, gerando imensa energia.
3. Depois da fusão, dois prótons viram nêutrons e dois elétrons somem. Surge assim o hélio.

12.260 -Física – Buraco negro de cinco dimensões pode “quebrar” teoria de Einstein


blackhole1.gif
Será?
Desenvolvido por pesquisadores das universidades de Cambridge e de Queen Mary, da Universidade de Londres, um novo modelo de buracos negros pode contrariar tudo o que sabemos sobre a Teoria da Relatividade Geralde Einstein. Em uma simulação desenvolvida pelos computadores das escolas, esse buraco negro seria fino, em formato de anel, com algumas “protuberâncias” mais gordas conectadas por cordas que, eventualmente, ficam tão finas que acabam por se tornar pequenos buracos negros por conta própria. Para ficar mais claro, os pesquisadores definiram essa dinâmica como “uma corrente de água caindo da torneira vai se tornando apenas gotas d’água”, quando o mecanismo é desligado.
Por que essa descoberta é importante? Porque esses buracos negros foram imaginados em 2002 e, desde então, essa é a primeira vez que essas estruturas conseguem ser simuladas corretamente. Se eles realmente existirem (e elees só são possíveis em Universos com cinco ou mais dimensões!), esses buracos negros causariam singularidades nuas, ou seja, sem horizonte de eventos.
A singuralidade é um ponto no tempo em que a gravidade é tão intensa que o tecido do espaço, do tempo e até mesmo da física são completamente destruídos. Na Teoria da Relatividade, Einstein atesta que a singuralidade existe dentro dos buracos negros, e que eles são contornados pelo horizonte de eventos, que é o ponto onde de torna impossível escapar da gravidade do buraco negro. “Enquanto a singularidade permanece ‘atrás’ do horizonte de eventos, ela não cria problemas e a relatividade geral se mantém”, explica Markus Kunesh, co-autor do estudo. O problema é que a singularidade nua não tem horizonte de eventos, logo, as leis da física não se aplicam a ela – e se tornam inteiramente questionáveis.
Para Saran Tunyasuvunakool, que também trabalhou no projeto, as implicações dessa “quebra” da Teoria de Einstein são muito sérias. “Se a relatividade geral for quebrada, tudo vai estar de cabeça para baixo e nossa capacidade de prever eventos é perdida; ela não poderá ser considerada a única teoria a explicar o Universo”, contou.
Contudo, as notícias são mais positivas que negativas. A pesquisa realmente empurrou o processamento dos computadores até o limite, de acordo com o time de pesquisadores, e é um primeiro passo importante para testar a teoria de Einstein em dimensões cada vez maiores e compreender até que ponto ela se confirma. Por enquanto, sabemos que nosso Universo tem quatro dimensões, o tempo sendo a quarta delas, e que a Teoria de Einstein passou em todos os testes. Mas estudos indicam que ele pode ter até onze dimensões, embora nós, humanos, só consigamos perceber três delas. A única forma de fazer simulações com novas dimensões é por meio de experimentos com aceleradores de partículas, como o LHC. Se essas dimensões se provarem reais no futuro, é possível que Einstein esteja errado – e que há muito mais a se descobrir e explorar no nosso gigante Universo.

 

12.240 – Astrofísica – O segredo mais bem guardado dos buracos negros


buraco negro
As chances matemáticas de que o Universo fosse essa beleza, cheia de galáxias, estrelas, planetas, gente e tudo o mais, eram ínfimas, dizem os astrofísicos. O mais provável, mesmo, era que o Cosmos fosse hoje pouco mais que um grande vazio. Por exemplo: se o próton, mera partícula subatômica, fosse só 1% mais pesado, a matéria seria instável e poderíamos dizer adeus às estrelas, planetas e primatas inteligentes. Por um desequilíbrio de forças, os átomos que formam tudo isso nem teriam nascido. E o Universo seria um marzão de partículas sem eira nem beira.
Mas o fato é que está tudo aí, como se as características de cada tipo de partícula fossem rigorosamente sintonizadas para formar estruturas complexas. Coincidência? Não. Pelo menos segundo o físico americano Lee Smolin. Ele acha que só uma entidade oode explicar por que o Universo é como é. Deus? Pelo ponto de vista de Smolin, não exatamente. Ele imagina que quem pode explicar tudo isso é Charles Darwin. E mais: que quem vai revelar esse segredo são as ondas gravitacionais. Expliquemos.
Darrwin, o sujeito que colocou a humanidade no mesmo patamar das bactérias, pois mostrou que somos descendentes de criaturas tão simplórias quanto elas, agora pode por o Universo no mesmo pé em que eu ou você. Darwin mostrou que tudo o que a gente tem de complexo não veio do nada nem foi desenhado por uma entidade sobrenatural. Nossos olhos, pulmões, ossos e tudo o mais são fruto de bilhões de anos de evolução. Uma caminhada longa, guiada pelo grande princípio darwinista, a seleção natural: as criaturas com mutações genéticas que aumentem suas chances de sobrevivência deixam mais descendentes que outras. Elas passam essa mutação para a frente, aprimorando a capacidade da espécie em deixar ainda mais descendentes, e dominar seu pedaço. Para Smolin, enfim, nosso improvável Universo cheio de estrelas e planetas é a prova de que o Cosmos evoluiu do mesmo jeito que as criaturas vivas. Todas as coisas complexas que ele tem não passariam de frutos de uma longa luta pela sobrevivência. Uma luta entre bilhões e bilhões de universos.
Loucura? Pode ser, mas Smolin, que hoje trabalha no Perimeter Institute, em Ontário, Canadá, está convencido de que a lógica de Darwin reina tanto na Terra como no céu. “Percebi que a seleção natural satisfazia os critérios que eu buscava para uma teoria cosmológica”, diz o físico. “Então tive de achar um mecanismo de reprodução para o Cosmos, um jeito de como ele poderia fazer ‘descendentes’. E a chave estava nos buracos negros”. Daí surgiram as bases para a teoria que ele batizou de seleção cosmológica natural. É assim: cada buraco negro daria origem a outro universo. Isso mesmo, como se cada um deles fosse uma espécie de gameta cósmico. O universo-bebê seria parecido com o universo-pai, mas com propriedades físicas ligeiramente diferentes. Em outra palavras, com pequenas “mutações genéticas”.
Agora, e se aparecesse um universo-bebê cuja “mutação” fosse uma capacidade maior de criar buracos negros? O que aconteceria? Bom, se os buracos funcionam como gametas, ele deixaria mais “descendentes” que os outros universos.
Conforme zilhões de universos fossem surgindo, aqueles com maior capacidade de produzir “gametas” dominariam geral. Mais: os universos iguais ao nosso, sintonizados para produzir estrelas, planetas e tudo o mais, seriam justamente os mais comuns. Por quê? Porque sim: isso é uma condição fundamental para o surgimento de buracos negros. Eles geralmente aparecem depois que estrelas enormes implodem. Então, quanto mais estrelas houver, num universo, maior a chance de ele produzir “gametas”.
E onde entram os planetas e o resto nessa história? Aqui. Um universo começa sua vida basicamente como um mar de energia e hidrogênio – o átomo mais simplório de todos, que só tem um próton. O hidrogênio disperso acaba se aglutinando em bolonas. Essas bolonas, também conhecidas como estrelas, são muito densas. Os átomos ficam tão espremidos lá dentro que começam a grudar uns nos outros, mas de um jeito metódico: cada quatro átomos de hidrogênio se fundem para formar um mais pesado, o de hélio. Esse processo libera uma quantidade mastodôntica de energia. É isso que o Sol tem feito nos últimos 4,6 bilhões de anos. Não fossem os 282 bilhões de toneladas de hidrogênio que o astro queima a cada minuto, estaríamos encrencados.
O “tanque” de hidrogênio é grande, mas não é dois. Mais hora, menos hora o combustível entra na reserva. E o que a estrela faz, então? Começa a produzir energia grudando os átomos de hélio. Nisso começam a aparecer elementos mais pesados ainda, com cada vez mais prótons e nêutrons no núcleo.
É desse processo, enfim, que nascem os gordos átomos de oxigênio, silício e carbono que formam você, as pedras, as baratas. Essa beleza toda.
Conforme vão aparecendo átomos maiores e maiores lá dentro, o trabalho de grudá-los passa a consumir mais energia do que gerar. Sem essa força, a estrela não agüenta seu próprio peso e implode. Com o estouro, aqueles átomos grandes que estavam dentro dela ficam soltos no espaço. E eventualmente eles se juntam para formar planetas e habitantes de planetas. Quanto mais estrelas um universo tiver, é fato, maior a chance de ele abrigar vida.
Se a massa falida que sobrar da implosão estelar ainda for grande, a gravidade dela começa a sugá-la para o próprio centro. Ela vai se comprimindo cada vez mais, até que toda sua matéria acaba concentrada em um ponto infinitamente pequeno e denso – uma coisa muito, muito estranha que os físicos chamam de singularidade. Nos arredores desse ponto fica o tenebroso horizonte de eventos, uma zona onde a gravidade é tão violenta que nem a luz tem como escapar. Eis o buraco negro.
Lá dentro, a gravidade tende ao infinito. E o que acontece num lugar desses? Quem responde, para variar, é o nosso amigo Einstein: o espaço e o tempo deixam de existir. Se você pudesse entrar em um buraco negro, veria toda a história do nosso Universo passar num piscar de olhos. Isso significa que, do ponto de vista de um deles, você, a Terra, o Sol e tudo o mais estão mortos desde o mais remoto dos passados. Isso inspirou Smolin.
Afinal, tem lugar melhor para criar um universo inteiro do que em uma região além do espaço e do tempo? Mais: a consagrada teoria do Big Bang diz que o nosso Universo começou justamente de um ponto pequeno e denso até não poder mais, onde tempo e espaço não existiam. Quer dizer, tudo isso aqui nasceu de uma singularidade! Com isso na cabeça, Smolin resolveu juntar as pontas e apostar que toda a matéria e energia engolidas pelos buracos voltariam a se expandir “do outro lado”, como num Big Bang, gerando universos novinhos em folha. Haja Big Bangs, aliás: estima-se que existam pelo menos 1 bilhão de bilhões de buracos negros no Universo conhecido. Alguns milhões deles estão aqui pertinho, na nossa Via Láctea. Só não dá para enxergar esses universos todos nascendo da janela do seu quarto porque, você viu, cada um deles fica isolado num tempo e num espaço além da nossa compreensão. Mas nada impede, a princípio, que existam planetas, estrelas e pessoas agora mesmo, lá “do outro lado”.
Poético, né Só pena que, para a maior parte dos físicos, a ideia realmente não passa de poesia. O físico e popstar inglês Stephen Hawking, por exemplo, pode estragar a festa de Smolin. Em julho do ano passado, ele anunciou numa conferência científica na Irlanda ter produzido novos cálculos, que mostravam uma realidade broxante para os fãs do darwinismo cósmico: os buracos negros devolveriam toda a matéria e energia que roubaram do universo que os formou, mesmo que de forma bagunçada.
Gostem ou não da teoria, ela faz predições claras para os físicos e astrônomos. Se a ideia estiver certa, nosso Universo deve ser entendido como uma máquina de fazer buracos negros. Ou seja, o maior número possível de estrelas por aqui tem de virar buraco um dia. Senão, a ideia de Smolin perde
Existe hoje uma disputa entre os físicos sobre quanta massa um astro precisa ter para virar buraco negro. Segundo uma das teorias, a estrela deve ter no mínimo 50% mais massa que o Sol. Isso está de acordo com a ideia de Smolin. Como boa parte das estrelas, estima-se, tem pelo menos esse tamanho, isso pode significar que o “objetivo” do Universo realmente seja formar mais e mais buracos negros. “Ninguém ainda conseguiu refutar a ideia”, diz Smolin. Mas entre refutar e confirmar tem uma bela distância.
E será possível demonstrar algum dia o coração da teoria? Quer dizer, provar que o nosso Big Bang é filho de um buraco negro de outro universo? “Uma coisa que certamente ajudaria seria detectarmos ondas gravitacionais vindas do Big Bang”, diz Smolin.
As ondas gravitacionais são outra previsão de Einstein: elas carregariam informações pelo espaço de um jeito muito mais preciso que as ondas eletromagnéticas das nossas TVs e celulares. Tão preciso que, para Smolin, poderiam até mostrar um eventual buraco negro “por trás” do Big Bang. Agora, que a humanidade finalmenete detectou a existência de ondas gravitacionais, as portas para comprovar ou refutar a teoria estão abertas.
E, caso essa previsão espetacular seja confirmada, talvez chegue o dia em que todos terão de dizer que a humanidade deve seu entendimento dos mais bem guardados segredos cósmicos não só a Isaac Newton, James Maxwell e Albert Einstein, mas também a Charles Darwin.

12.238 – Astrofísica – Detectada as Ondas Gravitacionais


onda gravitacional
Com estardalhaço na mídia foi confirmada a primeira detecção irrefutável de ondas gravitacionais – um fenômeno que predito pela teoria da relatividade geral, publicada por Einstein cem anos atrás, mas que ainda não havia sido confirmado.
Para entender o que aconteceu, basta imaginar que o espaço, em vez de ser um vazio padronizado, é como a superfície de um lago – ele pode flutuar, se esticar, se encolher. Se você atira uma pedra no meio do lago, uma série de ondas emanam a partir do ponto de impacto.
A pedra em questão foi a colisão entre dois buracos negros, cada um com massa cerca de 30 vezes maior que a do Sol, a mais de 1 bilhão de anos-luz de distância.
Com a detecção, os cientistas puderam determinar com exatidão o que produziu as ondas gravitacionais (a colisão de buracos negros), e o padrão de ondas se encaixou com incrível precisão ao previsto pela teoria da relatividade.
Antes, estávamos limitados a estudar o cosmos com o que se pode ver. Agora, poderemos também ouvi-lo. Na apresentação, os cientistas converteram o sinal das ondas gravitacionais em vibrações sonoras, só para que pudéssemos escutá-las.

12.212 – Descoberto Sistema Solar Gigantesco


sistema_solar
Ele é 222 vezes maior que o nosso. E um ano no planeta solitário que habita o lugar demora 900 mil anos terrestres.

Ele é grande e pequeno ao mesmo tempo. Pequeno porque consiste de apenas um planeta orbitando ao redor de uma estrela. Grande porque a distância que separa os dois é de 1 trilhão de quilômetros. Isso dá quase 7 mil vezes a distância entre a Terra e o Sol, que já é de respeitáveis 150 milhões de km.
Mais: Netuno, o planeta mais distante do nosso sistema, está a 4,5 bilhões de quilômetros do Sol. Em outras palavras: cabem 222 conjuntos Sol-Netuno na distância entre o planeta 2MASS J2126-8140 e sua estrela, a TYC 9486-927-1. “Surpreendeu-nos muito encontrar um objeto de massa baixa tão longe da sua estrela mãe”, disse o pesquisador Simon Murphy, da Universidade Nacional Australiana.

sistema solarWiki commons
Se esse fosse o nosso sistema solar, você nunca teria a chance de fazer um aniversário: um ano lá representa 900.000 dos nossos. A órbita de Netuno, por exemplo, leva “só” 165 anos para dar uma volta completa ao redor do Sol. Na verdade, se o 2MASS J2126-8140 estivesse orbitando o Sol, nós provavelmente nem o teríamos descoberto ainda. O novo planeta que os cientistas dizem ter encontrado fica entre 32 e 160 bilhões de quilômetros de distância. Se levamos esse tempo todo para descobrir esse possível novo integrante, imagina um 30 vezes mais longe.
Até agora, os astronômos imaginavam que o 2MASS J2126-8140 e a TYC 9486-927-1 eram corpos completamente separados, sem nenhuma relação. A distância é tão grande que eles não chegaram a imaginar que ambos poderiam formar um sistema. “O planeta não é tão solitário quanto imaginávamos, mas certamente está em um relacionamento de longa distância”, comenta Murphy.
O sistema solar considerado o maior antes da novidade era três vezes menor. “Como sistemas planetários tão grandes se formam e sobrevivem ainda é uma questão em aberto”, diz o cientista. Ou seja: não fazemos ideia de como ou por que essa aberração está ali. Mas ela está.

12.037 – Astronomias – Marte vai Ganhar Anéis


mars_ring_image2-1024x518
Saturno é considerado por muita gente como a joia do Sistema Solar, e não é à toa. Seu complexo conjunto de anéis lhe concede uma aparência majestosa, quase surreal. Se os planetas tivessem sentimentos, é provável que eles tivessem um sonho de ser como Saturno. Até agora ninguém descobriu nenhuma prova de que uma consciência planetária seja possível, apesar de ser uma ideia fascinante que já foi até explorada pela ficção científica. Mas uma coisa é certa – mesmo sem saber, Marte está perto de realizar este sonho.
É o que sugere uma pesquisa publicada no periódico Nature Geoscience. Em um futuro não tão distante, evidências indicam que o planeta vermelho terá seu próprio sistema de anéis, e isso deve acontecer quando Fobos, a maior das duas luas marcianas, for destruída. A destruição não será provocada por nenhuma Estrela da Morte (assim esperamos), mas por Marte mesmo. Por ter meros 22 quilômetros de diâmetro e estar a apenas 6 mil quilômetros da superfície marciana, Fobos não está resistindo à forte atração gravitacional de seu planeta.
A força é tão intensa que, todos os dias, a órbita da lua perde vários centímetros de sua altitude – a cada século, os astros ficam dois metros mais próximos. Os cientistas já sabiam que, eventualmente, o satélite natural não iria aguentar o tranco. A dúvida era se ele iria despencar inteiro em Marte como um grande asteroide ou se, antes disso, iria se despedaçar. Os pesquisadores consideram o segundo cenário como o mais provável, principalmente devido às compridas listras já visíveis na superfície de Fobos. Essas cicatrizes parecidas com estrias seriam um resultado direto justamente do processo de destruição em andamento: as forças de maré estão corrompendo a estrutura interna da lua.
Um comunicado recente da Nasa previu que a morte deve ocorrer dentro de 30 a 50 milhões de anos. Benjamin Black, cientista planetário da Universidade da Califórnia em Berkeley e um dos autores do estudo, fez uma estimativa um pouco menos conservadora – de 20 a 40 milhões de anos. De qualquer forma, falta muito tempo (para nós, não para o cosmos). Mas quando os pedaços mais fracos começarem a se desfazer, será um show e tanto. “Se você estivesse em pé na superfície de Marte, poderia pegar uma cadeira de jardim e assistir Fobos se esfacelando e se espalhando em um grande círculo”, disse Black a Nature.

Os cálculos levaram em consideração a densidade e a resistência da lua e compararam esses dados a modelos usados para estimar a resistência de rochas. Os resultados apontam que, uma vez formados, os anéis devem permanecer em órbita durante um período de 1 milhão a 100 milhões de anos. Depois disso, os fragmentos da lua vão reentrar na atmosfera marciana. O mais interessante é que os cientistas acreditam que esse processo de “morte lunar” tenha sido extremamente comum no início do Sistema Solar, e agora eles têm a chance de estudá-lo desde o princípio. Hoje mesmo ele pode estar acontecendo em outros lugares, como em Tritão, um dos satélites naturais de Netuno. E é provável que até mesmo o invejado Saturno tenha conseguido seus anéis no passado desse mesmo jeito – à custa de uma de suas luas.

11.982 – Física – Sinais de universo paralelo?


universos-paralelos-sakkmesterke-shutterstock.com_
Uma pequena amostra de um universo paralelo colidindo contra o nosso foi descoberto por astrônomos. Cientistas alegam ter identificado sugestivos sinais dos confins do espaço que indicariam que o tecido do nosso universo está sendo rasgado por um outro muito diferente. A análise pode fornecer uma das primeiras provas da teoria multiverso, que defende a existência de universos paralelos.
Ranga-Ram Chary, pesquisador do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena (EUA), analisou dados de radiação cósmica de fundo captadas pelo telescópio espacial Planck, da Agência Espacial Europeia. Dentro desse brilho que sobrou dos momentos após o Big Bang, ele descobriu pontos onde a luz de microondas é muitos mais brilhante do que deveria ser. Segundo ele, isso poderia ser um sinal provocado pela interação entre o nosso universo e outro há centenas de milhares de anos depois do Big Bang, há 13,8 bilhões de anos atrás.
Chary afirma que os sinais avistados podem sugerir um universo alternativo muito diferente do nosso. Ali poderiam existir partículas subatômicas chamadas bárions e fótons cerca de dez vezes maior do que o que vemos no nosso próprio universo.
Para chegar a essas conclusões, o Chary usou modelos de radiação cósmica de fundo, retirados de imagens de todo o céu, captados pelo telescópio Planck. Após isso, ele removeu os sinais de estrelas, gás e poeira. Tudo o que deveria restar seriam as imagens do barulho. No entanto, o Dr. Chary relata que, em vez disso, ele encontrou manchas dispersas que se parecem 4.500 vezes mais brilhante do que deveriam.