6277 – Mega Personagens – O Pica Pau


Woody Woodpecker é o nome de um personagem de desenho animado de mesmo nome, um pica-pau antropomórfico (animal com corpo e características humanas), que estrelou vários curta-metragens de animação produzidos pelo estúdio de Walter Lantz e distribuídos pela Universal Pictures. Embora não seja o primeiro dos personagens “malucos” que tornaram-se populares nos anos 1940, o Pica-Pau é considerado um dos personagens mais notáveis do gênero.
O Pica-Pau foi criado em 1940 pelo artista de storyboard Walt Lantz. Em seus primeiros desenhos animados, o Pica-Pau aparece como um pássaro louco, com uma aparência considerada grotesca. Porém, ao longo dos anos, o Pica-Pau sofreu diversas mudanças no seu visual, ganhando traços mais simpáticos, uma aparência mais refinada e um temperamento mais tranquilo. O Pica-Pau foi inicialmente dublado, nos Estados Unidos, por Mel Blanc, que também fez as vozes de quase todos os personagens do sexo masculino das séries Looney Tunes e Merrie Melodies. Como dublador do Pica-Pau, Blanc foi sucedido por Ben Hardaway, e mais tarde por Grace Stafford, esposa de Walter Lantz.
Os desenhos do Pica-Pau foram transmitidos na televisão pela primeira vez em 1957, no programa The Woody Woodpecker Show, que mostrava novas sequências animadas do Pica-Pau interagindo com as filmagens em live-action de Walter Lantz, como se uma pessoa e um desenho animado estivessem apresentando o programa juntos. Atualmente, The Woody Woodpecker Show é ainda reprisado com freqüência na televisão, sendo que no Brasil, ele é atualmente transmitido pela Rede Record.
Lantz produziu os curta-metragens do Pica-Pau até 1972, quando ele fechou definitivamente seu estúdio. Desde então, o personagem só voltou a reaparecer em 1999, no programa The New Woody Woodpecker Show, produzido pela Universal Animation Studios de 1999 à 2003. O Pica-Pau é um dos poucos personagens de desenho animado que possui uma estrela na Calçada da Fama. Ele também fez uma pequena aparição junto com outros personagens famosos no filme Uma cilada para Roger Rabbit, de 1988.

Walter Lantz estava em lua-de-mel quando teve a ideia genial de criar o Pica-Pau, por conta de um exemplar do pássaro que o atormentou e o divertiu na noite de núpcias.
Em 1940, Walter Lantz decidiu que só um novo desenho não era suficiente para tornar seu estúdio famoso. Ele queria um personagem que, com o tempo, evoluísse para uma estrela completa. Então, ele e sua equipe de animadores apresentaram um novo adversário para Andy Panda e seu pai lidarem: um pica-pau louco.
Mas quando Walter Lantz mostrou o desenho do Pica-Pau, intitulado “Knock Knock”, a Bernie Kreisler, chefe de departamento da Universal Studios, este o rejeitou, dizendo que aquele passarinho era a coisa mais feia e desajeitada que ele já tinha visto. Porém, Lantz insistiu para que o produzissem, dizendo que ele estava apostando tudo no personagem. A Universal atendeu aos seus pedidos e produziu o desenho, que fez um sucesso estrondoso. Então, Kreisler pediu a Walter Lantz novos episódios, como se nada tivesse acontecido. Depois do sucesso do Pica-Pau como coadjuvante no desenho do Andy Panda, eles resolveram fazer um desenho onde o personagem apareceria sozinho e seria o astro. Então, Lantz precisou de um nome para o Pica-Pau e decidiu chamá-lo de “Woody Woodpecker”, que foi também o título do primeiro desenho animado do Pica-Pau.
De acordo com um agente de imprensa de Walter Lantz, a idéia de criar o Pica-Pau surgiu durante um incidente ocorrido na noite de núpcias do desenhista com Grace Stafford no Lago Sherwood, quando um pica-pau irritante passou a noite inteira bicando o telhado do chalé que haviam alugado, não deixando que o casal dormisse. Quando o pássaro foi embora, eles descobriram que o pica-pau havia feito um monte de buracos no telhado, por onde a chuva começou a entrar, arruinando de uma vez a noite. A esposa de Walter Lantz, então, teria sugerido que o marido criasse um pica-pau irritante para aparecer em seus desenhos animados. Esta história, porém, não tem muita credibilidade, já que Walter e Grace somente se casaram em 1941, depois que o desenho já havia estreado no cinema.
Como todos os personagens de Hollywood, o design do Pica-Pau mudou um pouco com o tempo. O desenho animado O barbeiro de Sevilha (“The Barber of Seville”) apresentou o novo visual do Pica-Pau, desenhado pelo animador Emery Hawkins, e que foi usado até o final dos anos 1940.
Em 1944 no desenho O doido da praia (“The Beach Nut”), apareceu um personagem de grande importância na carreira do Pica-Pau: seu rival de longa data Leôncio (“Wally Walrus”, nome que também aparece em alguns episódios dublados).
Em 1949 como foi dito anteriormente, por razões financeiras, Walter Lantz teve que fechar o estúdio por um tempo, e reabre-o só em 1951. Nos anos 1950 o Pica-Pau ganhou um novo design, que foi feito pela animadora LaVerne Harding. Nessa época, eles estavam sem ninguém para dublar a voz do Pica-Pau, então Walter Lantz marcou testes no estúdio para escolher a nova voz. A esposa de Lantz, Grace Stafford, gravou a voz no estúdio sem ele saber. Quando Lantz foi ouvir as vozes para escolher uma, ele não sabia que sua esposa havia participado dos testes, e foi justamente ela quem ele escolheu, e ficou surpreso quando lhe disseram que aquela voz era de sua própria esposa.
Nos anos 1950, o Pica-Pau passou por diversas mudanças no seu visual, devido aos muitos animadores que trabalhavam em seus desenhos.

O Pica Pau na TV
Como Lantz estava lutando financeiramente, a longevidade do Pica-Pau foi assegurada quando seus desenhos passaram a ser exibidos na televisão, no programa The Woody Woodpecker Show (no Brasil ganhou o título O Pica-Pau e seus Amigos, também conhecido como A Turma do Pica-Pau, O Show do Pica-Pau ou simplesmente O Pica-Pau), transmitido pela ABC. O programa semanal de meia-hora consistia em uma compilação de 3 curta-metragens cinematográficos do Pica-Pau, seguidos por um breve comentário de Walter Lantz, o apresentador do programa, cujas filmagens em live-action interagiam com novas sequências animadas do Pica-Pau, como se uma pessoa e um desenho animado estivessem apresentando o programa juntos. O programa foi exibido originalmente de 1957 à 1958 e, em seguida, entrou em sindicação até 1966, ganhando uma nova temporada em 1970 para ser exibido na NBC. A NBC obrigou Lantz a editar grande parte dos desenhos animados mais antigos, fazendo-o cortar as cenas que continham violência, o que Lantz fez relutantemente. Adicionalmente, o próprio Pica-Pau também teve que sofrer mudanças no seu comportamento, ganhando uma personalidade mais tranqüila e menos agressiva. O primeiro desenho notável que mostrou o Pica-Pau assim foi Não Puxem Minhas Penas (“Franken-Stymied”), de 1961. A popularidade do Pica-Pau havia sido baseada em suas atitudes loucas e maníacas, e por volta de 1961, estas características foram eliminadas em favor de um personagem mais sério. Isso aconteceu devido à grande presença do personagem na televisão, o que levou Lantz à cumprir as rigorosas normas de censura da violência na televisão para as crianças.
O Pica-Pau foi o primeiro desenho animado a ser exibido na TV brasileira, na extinta TV Tupi, um dia após a sua inauguração, em 19 de setembro de 1950. Nessa época, os desenhos eram exibidos com a dublagem original (inglês), pois a dublagem em português só surgiria em 1957.

A primeira emissora de televisão a transmitir os curta-metragens do Pica-Pau com dublagem em português foi a TV Record, na década de 1960. Depois de algum tempo, a série saiu do ar. Alguns anos depois, o SBT tomou posse do desenho até 2002, quando em 2003 a Rede Globo começou a transmitir o desenho com os episódios remasterizados, dentro do programa infantil TV Globinho, onde o desenho dissipou em 2004 e teve esporádicas exibições em 2005, até que a Rede Globo deixou de exibi-lo definitivamente.
Em 2006, a Rede Record exibiu um especial com episódios de O Novo Show do Pica-Pau respectivamente às 17h, no feriado do dia 15 de novembro de 2006. Então a partir desse dia, os novos episódios ganharam espaço na programação de segunda a sexta às 18h, na mesma forma de sequência de desenhos: Pica-Pau, Picolino e outros, e outro desenho do Pica-pau, durando até março de 2007, quando a Record começa a exibir os episódios da série clássica antiga do desenho às 13h, sendo o primeiros cartoons “Quem Cozinha Quem” e “Hora do Banho”. Entre março e abril, foram apenas exibidos os episódios da década de 1940, quando foi reprisado novamente. No dia 28 de abril de 2007, foram exibidos pela primeira vez os episódios antigos da Turma do Pica-Pau.
O canal pago Cartoon Network exibe o Pica Pau nas madrugadas, e no programa ‘Cartoon All Stars’ destinado à desenhos animados mais queridos pelo público.

Uma característica inconfundível no Pica-Pau, é que no começo e no final de seus desenhos, ele sempre emite a sua famosa e estridente risada. Essa risada foi criada pelo dublador americano Mel Blanc antes mesmo da existência do Pica-Pau. Antes do Pica-Pau, Mel Blanc já tinha usado a risada para o coelho Happy Rabbit da Warner Bros (que mais tarde evoluiu para o Pernalonga “Bugs Bunny”), a risada foi usada pelo coelho em apenas quatro episódios. Sendo que o último episódio em que foi usada se chamava: “Elmer’s Candid Camera”, episódio que chegou a vir para o Brasil, e recebeu o título de: “A Câmera de Hortelino”. No Brasil esse episódio foi primeiramente dublado em 1996 para a TV com o dublador Mário Monjardim fazendo a voz do coelho, e depois redublado em 2004 para o DVD, dessa vez com o dublador Alexandre Moreno, mas nas duas dublagens a risada que o coelho dá no fim do episódio (logo depois de chutar o Hortelino para dentro de uma lagoa) foi dublada em português como se o Pernalonga estivesse apenas rindo normalmente.

Dubladores no Brasil
Olney Cazarré – Foi o primeiro dublador do Pica-Pau no Brasil, ele o dublou nos anos 1960 na época em que o estúdio BKS ainda se chamava AIC. Depois na época em que a AIC mudou seu nome para BKS, Olney Cazarré teve de descansar das dublagens do Pica-Pau por que ele havia ido para o Rio de Janeiro trabalhar no teatro e na televisão (de acordo com o que foi dito por Garcia Júnior em uma entrevista para o “Nerdcast” em 2007), por isso, ele foi substituído pelo próprio Garcia Júnior na dublagem da fase do “Pica-Pau Biruta” (os episódios não foram dublados em ordem cronológica) e só voltou a dublar o Pica-Pau no lugar de Garcia Júnior quando ele não pode mais dubla-lo nos anos 1980. Em suas primeiras dublagens nos anos 1960, Olney fazia uma voz mais fina para o Pica-Pau, que combinava mais com os episódios em que o Pica-Pau tinha o tamanho de um pássaro pequeno, já nos episódios que ele dublou nos anos 1980, estava com a voz mais envelhecida, e chegava a ficar rouco algumas vezes. Um exemplo de episódios dublados por ele são: “Vamos as Cataratas?”, “Pica-Pau Ama Seca” e “A vassoura da Bruxa” dublados na AIC e “Adeus às Aulas”, “Por amor a uma Pizza”, e “Chilli com Carne”, dublados na BKS.
Garcia Júnior – Foi o segundo a fazer a voz do Pica-Pau no Brasil (quando a AIC mudou de nome para BKS). Ele começou a dublar o Pica-Pau no final dos anos 1970 quando ainda era um garoto de 10 anos, mas depois quando cresceu sua voz ficou grossa demais para o personagem, e foi substituído por Olney Cazarré, que já havia feito a voz do Pica-Pau antes dele. Garcia contou que o Pica-Pau foi o primeiro personagem que ele dublou, ele disse em uma entrevista para o site “Jovem Nerd” que quando Olney Cazarré foi trabalhar no Rio de Janeiro, ele teve de deixar as dublagens do desenho (que era feita em São Paulo). Então Garcia fez um teste apenas de brincadeira para a voz do Pica-Pau, a pedido dos seus pais Garcia Neto (que também era o diretor de dublagem, e o locutor e narrador de episódios como “A Hora do Banho”) e Dolores Machado (que dublou a Meany Ranheta em “Que Lindinho! o Cachorrinho” e “A Observadora de Pássaros”). Porém, os produtores da Universal acabaram escolhendo mesmo a voz dele, a princípio pensando se tratar da voz de uma mulher, só depois descobriram que era a voz do menino que era filho do diretor das dublagens. Garcia Júnior fazia uma voz um pouco mais forte que a de Olney Cazarré. Um exemplo de episódios dublados por Garcia são: “Quem cozinha quem”, “Pica-Pau biruta”, “Nascido para picar” “Vamos nanar Jacaré?” e “Esperto contra sabido” (esse último era um entre os quais o Pica-Pau já estava com a voz mais grossa). Garcia Júnior é considerado por muitos dos fãs do desenho o dublador mais marcante do Pica-Pau, pois dublou os episódios mais antigos produzidos nos anos 1940, considerados os melhores.
Marco Antônio Costa – Fez a voz do Pica-Pau nos novos episódios de 1999 no estúdio Herbert Richers, ele conseguiu fazer uma voz fina bem parecida com a de Olney Cazarré. Em entrevista para o programa Hoje em Dia, da Rede Record, Marco disse que quando participou dos testes para a voz do Pica-Pau, ele fez uma imitação do Coelho Ricochete (personagem que também era dublado por Olney Cazarré na AIC), e sua imitação agradou aos distribuidores do desenho que o escolheram porque conseguia fazer uma voz parecida com a de Olney. Alguns fãs acham que a voz dele ficou diferente da voz do Pica-Pau original, mas isso tavez seja pelo fato de que o “Novo Pica-Pau” tem a mesma aparência, e o topete virado para trás que tinha o “Pica-Pau do fim dos anos 1940”, que foi dublado apenas por Garcia Júnior, e que tinha a voz mais grossa. A voz que Marco Antônio faz para o Pica-Pau é baseada na voz fina que Olney Cazarré fazia nos anos 1960, quando o personagem já tinha o topete para frente, uma aparência mais infantil e o tamanho de um pássaro pequeno. Outro fato é que dificilmente encontrariam um dublador que conseguisse imitar a voz que Garcia Júnior fazia para o Pica-Pau, por se tratar de uma “voz de criança”.

Peterson Adriano – No filme Uma Cilada para Roger Rabbit dublado pela Herbert Richers, o Pica-Pau faz uma aparição ao final do filme dublado pelo dublador Peterson Adriano.

Existem vários boatos na internet de que o ator Walter Silva teria dublado o Pica-Pau na AIC. Na verdade, isso foi algum mal entendido divulgado em algum site que acabou se espalhando pela internet, pois quem dublou o Pica-Pau na AIC foi Olney Cazarré, que também era responsável pela voz do Coelho Ricochete também na AIC. Walter Silva nem era dublador, e sim um radialista que tinha o apelido de “Pica-Pau”. Apresentava na Rádio Bandeirantes, o seu programa “Pick-Up do Pica-Pau”, que se utilizava de uma gravação da trilha musical “The Woody Woodpecker Song” da abertura dos desenhos do Pica-Pau, antes e depois de cada música tocada na rádio. Isso fez com que todos o chamassem de “Pica-Pau”, e Walter assumiu o apelido, passando também a usar nas costas de sua jaqueta vermelha um desenho do Pica-Pau.
Ao longo de sua carreira, o Pica-Pau recebeu 3 indicações ao Oscar, sendo 2 na categoria de Melhor Curta Animado e 1 na categoria de Melhor Canção Original. O desenho animado Apólice Cobertor (“Wet Blanket Policy”) é marcado por ser o único curta-metragem de animação que foi indicado ao Oscar de Melhor Canção Original durante toda a história do cinema.
Em 1979, Walter Lantz ganhou um Oscar Honorário, “por levar alegria e risos à todas as partes do mundo através da seus desenhos animados”.

4501 – Dublagem – A AIC de São Paulo


O estúdio Arte Industrial Cinematográfica (AIC São Paulo) foi um dos primeiros estúdios de dublagem do Brasil, onde diversas séries (tanto animadas quanto filmadas) foram dubladas ao longo dos anos 1960 e 1970.
A “AIC” é conhecidíssima até hoje por ter dublado com qualidade tantas séries e desenhos clássicos. Além de dublar séries e desenhos, o estúdio também dublou diversos filmes para o cinema e a TV.
Localizado em São Paulo, o estúdio de dublagem foi criado em 1958 com o nome de Gravasom. Mas, em 1962, um grupo de pessoas comprou o estúdio decidindo profissionalizá-lo mais, surgindo aí então a “Arte Industrial Cinematográfica”. Fazia parte desse grupo de pessoas Mário Audrá (já falecido), que foi um dos proprietários da AIC.
Em 1975 o estúdio faliu e fechou suas portas. Depois, foi comprado e recriado, surgindo aí a BKS, um outro estúdio de dublagem.
Vários atores/dubladores passaram por lá
Séries
Jornada nas Estrelas (a dublagem da série, realizada pela AIC, foi perdida)
Batman (1ª e 2ª temporada)
Os Três Patetas
Perdidos no Espaço
Jeannie é um Gênio
A Feiticeira (Todas as 8 temporadas foram dubladas pela AIC. Essa foi a série mais longa que o estúdio dublou integralmente, em seus mais de 10 anos de existência)
Viagem ao Fundo do Mar
O Túnel do Tempo
A Noviça Voadora
Terra de Gigantes
Big Valley
Agente 86 (Get Smart) (2ª, 3ª e 4ª temporadas)
Bonanza (a dublagem da série, realizada pela AIC, foi perdida)
National Kid
O Gordo e o Magro
Desenhos animados
Pica-Pau (Walter Lantz)1940 – Foram dublados alguns episódios dos anos 50 e 60
Coelho Ricochete (Hanna Barbera)
Maguila o gorila (Hanna Barbera) 1975
Loopy le bo (Hanna Barbera) 1965
Jonny Quest (Hanna Barbera) 1984
Os Jetsons (Hanna Barbera) 1990
Os Flinstones (Hanna Barbera) 1994
João Grandão e Espirro (Hanna Barbera) 1954
Jambo e Ruivão (Hanna Barbera) 1956
Dom Pixote (Hanna Barbera)
Plic, Ploc e Chuvisco (Hanna Barbera)
Zé Colméia (Hanna Barbera)
Joca e Dingue-Lingue (Hanna Barbera)
Pepe Legal (Hanna Barbera)
Olho Vivo e Farofino (Hanna Barbera)
Bibo Pai e Bóbi Filho (Hanna Barbera)
Leão da Montanha (Hanna Barbera)
Patinho Duque (Hanna Barbera)
Manda Chuva (Hanna Barbera)
Wally Gator (Hanna Barbera)
Lippy e Hardy (Hanna Barbera)
A Tartaruga Touché (Hanna Barbera)
Bacamarte e Chumbinho (Hanna Barbera)
Coelho Ricochete e Blau Blau (Hanna Barbera)
Peter Potamus e Tico Mico (Hanna Barbera)
Matraca Trica e Fofoquinha (Hanna Barbera)
Mosquete, Mosquito e Moscado (Hanna Barbera)
Space Ghost (Hanna Barbera)
Dino Boy (Hanna Barbera)
Frankestein Jr. (Hanna Barbera)
Os Impossíveis (Hanna Barbera)
Bam-Bam e Pedrita (Hanna Barbera)
Jeannie (Hanna Barbera)
Speed Buggy (Hanna Barbera)
A Turma do Zé Colméia (Hanna Barbera)
Goober e os Caçadores de Fantasma (Hanna Barbera)
Butch Casssidy e Os Sundance Kids (Hanna Barbera)

4445 – Mega Atores – Jonatham Harris


Oh dor!!! Jargão do Dr Smith

Harris nasceu Jonathan Charasuchin no Bronx em Nova York, em 6 de novembro de 1914, filho de uma família de imigrantes judeus russos, e morreu em 3 de novembro de 2002 em Encino, Califórnia, EUA. Ficou mundiamente conhecido e consagrado como o Dr. Zachary Smith do seriado de TV Perdidos no Espaço.
Ele participou também de diversos outros seriados, tais como Zorro, Agente 86, A Feiticeira e Terra de Gigantes, mas foi com o papel do Doutor Smith de “Perdidos no Espaço” que Jonathan Harris marcou sua passagem pela TV. O Dr Smith era um vilão trapalhão, que sempre colocava a tripulação do Júpiter 2 em apuros. Sua frase inesquecível foi: “Nada tema, com Smith não há problema”, originalmente “Never fear, Smith is here”. Recentemente ele emprestava sua voz para dublar diversos personagens dos desenhos animados da Disney/Pixar.
Harris se tornou um ator em 1942, depois de tentar ser farmacêutico.
Durante a Segunda Guerra Mundial, atuou em espetáculos para tropas estacionadas no Pacífico.
Depois da guerra, voltou para Nova York e começou a trabalhar no teatro e na TV.
Conseguiu seu primeiro grande papel no seriado da década de 1950 “The Third Man”.
Mas foi no papel do falante e megalomaníaco doutor Smith de “Perdidos no Espaço” que Harris escreveu seu nome na história das artes dramáticas.
Em “Perdidos no Espaço”, o covarde vilão sabotava a nave Júpiter 2, da família Robinson, e todos -inclusive o doutor Smith- acabavam em um distante planeta inabitado.
Veiculado na década de 60, o seriado dividia com “Terra de Gigantes” e “Túnel do Tempo” a preferência da garotada da época. Nos últimos anos, Harris trabalhou com os estúdios de animação Pixar, emprestando sua voz única ao mágico Manny de “Vida de Inseto” e ao “médico” de bonecos em “Toy Story 2”
Em 1998, o diretor Stephen Hopkins fez uma adaptação da série para o cinema, mas o projeto acabou revelando-se um fiasco, especialmente por desagradar aos fãs do programa original de televisão.
O papel de Harris foi interpretado por Gary Oldman. Mas nada tinha a ver com o Dr Smith original.
Harris, ao visitar o Brasil na década de 60, afirmou:
“É a primeira vez que venho ao Brasil. Observei que aqui me dublaram na série Perdidos no Espaço, com voz fina, coisa que não tenho.
Na Alemanha, França e Inglaterra, a dublagem saiu quase perfeita. Gostaria muito de conhecer a pessoa que me dublou no Brasil.” Mostrou-se muito simpático, quando compareceu ao programa do Capitão Aza (Wilson Vianna), na TV Tupi, para que a criançada o conhecesse de perto.
Com suas brincadeiras, o desprezível Dr. Smith chegou a cativar a meninada.
Mesmo com 60 anos na época, seu aspecto era jovial e o bom humor, contagiante.
Jonathan, acompanhado de sua esposa, Dorothy foi também entrevistado no programa “Hebe”, depois de assistir, na cabina de projeção da Record, a um filme dublado da série Perdidos no Espaço.
Seu comentário: “Acho que o meu dublador é um grande artista. Se outros filmes meus forem exibidos no Brasil, quero que ele faça a minha voz.
Ele bateu um papo com Borges de Barros, o mendigo milionário da “Praça É Nossa” e dublador de sua voz em “Perdidos no Espaço”. Harris faleceu aos 87 anos, em 3 de novembro de 2002.

Causa da morte: Coágulo de sangue no coração.

Sepultamento:
Westwood Memorial Park.
Los Angeles – Califórnia, EUA.
Local: Santuário de Devoção.

4039 – Mega Personalidades – Walt Disney


Walter Elias Disney (Chicago, 5 de dezembro de 1901 — Los Angeles, 15 de dezembro de 1966) foi um produtor cinematográfico, cineasta, diretor, roteirista, dublador, animador, empreendedor, filantropo e co-fundador da The Walt Disney Company. Tornou-se conhecido, nas décadas de 1920 e 1930, por seus personagens de desenho animado, como Mickey e Pato Donald. Ele também foi o criador do parque temático sediado nos Estados Unidos chamado Disneylândia, além de ser o fundador da corporação de entretenimento, conhecida como a Walt Disney Company.
O lema de Disney sempre foi “Keep moving forward” (português – “Continue seguindo em frente”).
Aos 16 anos, começou a estudar arte. Como não havia atingido a maioridade, foi-lhe recusada permissão quando procurou alistar-se no Exército durante a Primeira Guerra Mundial. Conjuntamente com um amigo, decidiu então juntar-se à Cruz Vermelha. Pouco tempo depois, foi enviado para França, onde passou um ano a dirigir ambulâncias da Cruz Vermelha.
De volta aos Estados Unidos, matriculou-se na “Kansas City Arts School”. Foi iniciado na Ordem DeMolay, a qual freqüentou por muitos anos.
Em seguida, trabalhou em algumas agências publicitárias. A seguir, entrou para uma companhia cinematográfica, na qual ajudava a fazer os cartazes de propaganda dos filmes. Walt Disney também pertenceu ao Movimento Escoteiro.
Com o irmão Roy e o amigo Ub Iwerks, criou a pequena produtora “Laugh-O-Gram”, que animava contos de fadas. Esses desenhos animados eram exibidos no cinema local antes dos filmes. Em 1923, mudaram-se para Hollywood, em Los Angeles. Em Hollywood, Walt Disney contatou a distribuidora de filmes M. J. Wrinkler, dizendo que o seu estúdio de animação tinha diversos filmes para vender. Wrinklers não só aceita a oferta como também aceita pagar 1500 dólares por cada filme.
Depois de angariar dinheiro, adquirir material, contratar pessoal e arranjar pessoal, Walt começa a fazer planos: Alice, uma série em que uma moça convivia com personagens de cenário animado. Foi durante este tempo de imenso trabalho em que Walt conheceu sua futura esposa, Lilian Bonds. Depois de Alice, veio Oswald, o coelho sortudo, um grande sucesso que levou à reavaliação dos valores dos contratos quanto aos preços dos filmes. Foi para Nova Iorque, onde foi apanhado de surpresa. O patrão para quem Walt desenhou Alice e Oswald, roubou-lhe os personagens, a equipe de desenhistas e as encomendas, porque as mesmas não foram assinadas em seu nome. Walt enviou um telegrama ao irmão dizendo que tudo estava certo e para não se preocupar, pois ele já tinha em mente uma personagem espetacular: Mickey Mouse.
Para superar a fase difícil e contornar os prejuízos, Ub Iwerks criou para Walt Disney Mickey Mouse em 1928 para competir com o sucesso do Gato Félix. O camundongo, desenhado a partir de uma série de círculos, provou ser ideal para o desenho animado e se tornaria o personagem de maior sucesso dos estúdios Disney. Nessa época, a produtora passou a ser mais bem organizada: Roy cuidava da parte financeira, Walt produzia e dirigia, e Iwerks desenhava.
Em 1927, já se havia inventado o filme sonoro. Poucos anos depois, inventou-se o filme colorido. Disney e seus assistentes utilizaram as novas técnicas com muita imaginação.
O primeiro desenho foi Plane Crazy, de 1928, no qual o personagem contracenava com sua namorada Minnie Mouse. O primeiro desenho com som foi Steamboat Willie, também de 1928. As primeiras palavras do camundongo foram Hot dogs, hot dogs, numa canção do episódio The Karnival Kid, de 1929. Surgiram, em seguida, mais personagens para contracenar com Mickey: Pato Donald, Pateta e Pluto.
De 1929 a 1939, Disney produziu uma série de desenhos chamada “Silly Symphonies”(Sinfonias Tolas), a primeira colorida. Mickey estrelava esses filmes ao lado dos novos personagens. O desenho “Flowers and Trees”, dessa série, recebeu o primeiro Oscar para um desenho animado. Infelizmente, Pot Powers, um dos maiores sócios de Walt, manipulou o valor dos bilhetes para enriquecer. A jovem empresa Disney prosseguiu, um pouco empobrecida, mas Walt tinha uma carta na mão: o primeiro longa-metragem sonoro e em cores.om a entrada dos Estados Unidos na guerra, Disney foi convidado pelas Forças Armadas para produzir desenhos animados de treinamento para os soldados. Em seguida, começou a fazer filmes de propaganda militar, nos quais utilizava principalmente seus personagens mais conhecidos.
Algum tempo depois, ajudou a criar a “Aliança do Cinema para a Preservação dos Ideais Estadunidenses”, com o objetivo de combater o comunismo no meio artístico. Walt Disney prestou voluntariamente diversos depoimentos na “Comissão das Atividades Antiamericanas”.
Devido às suas atividades contra o comunismo, em 1949 o governo soviético proibiu a exibição de filmes dos estúdios Disney no país.
Dez anos depois, produziu Mary Poppins, uma mistura de desenho animado com personagens humanos. O filme concorreu ao Oscar em 14 categorias, levando cinco prêmios, incluindo o de melhor atriz, para Julie Andrews e o de melhor canção, por Chim Chim Cher-ee. Disney produziu também diversos filmes para televisão, sendo ele próprio o apresentador do seu programa.
Disney obteve um de seus maiores êxitos em 1955 ao inaugurar a Disneylândia, um superparque de diversões situado em Anaheim, na Califórnia. O parque foi construído graças a uma parceria com a rede de televisão ABC.

Disney on Parede, o evento esteve também no Brasil onde foi apresentado no Ginásio do Ibirapuera e no Maracananzinho

Existe ainda um outro parque semelhante, chamado Walt Disney World, perto de Orlando, na Flórida, que foi inaugurado em 1971, após a morte de Disney. Quase todos os brinquedos, desfiles e espetáculos desses dois parques baseiam-se nos personagens dos filmes de Disney.
O cineasta, porém, não viveu para ver as atrações da Disneyworld, como o Epcot, o Magic Kingdom, os estúdios MGM (atual “Hollywood Studios”) e o Disney Animal Kingdom, além dos parques aquáticos. Walt Disney faleceu no dia 15 de dezembro de 1966, aos 65 anos, em Los Angeles, na Califórnia, vítima de câncer.
Em 2001, ano do centenário de nascimento de Disney, o desenho animado “Branca de Neve e os Sete Anões” foi relançado em vídeo e DVD com várias novidades, como um “making of” do desenho, um videoclipe da canção Some Day My Prince Will Come, cantada por Barbara Streisand, e um jogo. Nos Estados Unidos, particularmente na Disneyworld e em Hollywood, diversos eventos foram programados para comemorar o centenário.
Walt Disney transformou-se numa lenda, tendo criado, com a ajuda da sua equipe, todo um universo de referências no imaginário infantil de sucessivas gerações. Além disso, Walt Disney é a pessoa que mais prêmios Oscar ganhou em todos os tempos.
É recordista de maior número de indicações ao Oscar (com cinqüenta e nove) e número de Oscars entregues (22). Ele também ganhou quatro Oscars honorários.
1932: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação: Flores e Árvores (1932)
1932: Prémio Honorário da Academia: criação de Mickey Mouse .
1934: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação: Os Três Porquinhos (1933)
1935: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: A Tartaruga ea Lebre (1934)
1936: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Três Gatinhos Órfãos (1935)
1937: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Primo País (1936)
1938: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: The Old Mill(1937)
1939: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Ferdinando, o Touro (1938)
1939:Oscar honorário para: Branca de Neve e os Sete Anões (1937)
“Para Branca de Neve e os Sete Anões , reconhecido como uma inovação significativa tela que tem encantado milhões e foi pioneiro de uma nova área de entretenimento grande”(o prêmio foi uma estatueta e sete estatuetas em miniatura)
1940: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Patinho Feio (1939)
1941: Oscar honorário para: Fantasia (1940), compartilhada com: William E. Garity e JNA Hawkins.
“Por sua extraordinária contribuição para o avanço do uso do som no cinema através da produção de Fantasia”
1942: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Empreste uma pata(1941)
1943: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Fuehrer’s Face Der (1942)
1949: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Seal Island (1948)
1949: Thalberg Memorial Award Irving G. (Honorary Award)
1951: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Beaver Valley(1950)
1952: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Nature’s Half Acre (1951)
1953: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Aves de Água (1952)
1954: Oscar de melhor documentário para: Living Desert (1953)
1954: Oscar de melhor documentário de curta-metragem para: O esquimó do Alasca (1953)
1954: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Toot Whistle Plunk e Boom(1953)
1954: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Bear Country (1953)
1955: Oscar de melhor documentário para: Vanishing Prairie (1954)
1956: Oscar de melhor documentário de curta-metragem para: Homens Contra o Ártico
1959: Oscar de melhor curta-metragem em Live Action para: Grand Canyon
1969: Oscar de Melhor Curta-Metragem de Animação para: Ursinho Pooh e o dia tempestuoso

4021 – Indústria Cinematográfica – A Dublagem


É a substituição da voz original de produções audiovisuais (filmes, séries, desenhos animados, telenovelas, documentários, reality shows, etc) pela voz e interpretação de um ator de voz quase sempre noutro idioma. Há também dublagem no mesmo idioma, usada para melhorar a entonação do som original, algo utilizado principalmente em comerciais e musicais, ou quando há alguma falha na captação de som direto, nas produções audiovisuais.
A dublagem é feita em estúdios de dublagem, com profissionais diversos, dentre os quais os dubladores que são aqueles que com sua voz e interpretação, substituem as vozes de obras estrangeiras por uma versão nacional.
Os primeiros filmes sonoros apareceram em 1925, mas o cinema começou a “dublar” somente em 1927 com o filme “The Jazz Singer – O Cantor de Jazz” que incluía algumas falas, porém o primeiro filme totalmente dublado foi “Luzes de Nova York” lançado em 1929.
O advento do som causou uma revolução no cinema da Europa e Estados Unidos. As falas dos personagens, que até então eram representadas por cartelas e podiam ser traduzidas a todos os idiomas, enfrentaram o primeiro desafio. Como a legendagem, em princípio, não obteve bons resultados, pensaram até em filmar as cenas em vários idiomas com os mesmos atores ou com outros atores de diferentes partes do mundo. Esta solução, é claro, não era economicamente viável.
Mas em 1930 Jacob Karol inventou um sistema de gravação que permitia sincronizar áudio e imagem. Era o nascimento da técnica que seria chamada de dublagem.
O recurso da dublagem permitiu o aprimoramento da qualidade sonora dos filmes, visto que os equipamentos de filmagens eram extremamente barulhentos, o que nem sempre permitia uma boa captação do som. Foi também uma boa solução para as tomadas externas em condições adversas.
As vantagens da dublagem não se resumiram a questões técnicas. Os diretores encontraram um meio de poder elaborar melhor a interpretação vocal dos atores, sem aumentar os custos de produção com refilmagens.
A dublagem permitia regravar as cenas tantas vezes quanto fosse necessário até se chegar ao nível de interpretação imaginado pelo diretor do filme.
A maior vantagem do advento da dublagem talvez tenha sido a possibilidade que ela proporcionou aos artistas falarem em muitos idiomas, o que abriu um grande campo de trabalho para outros tantos artistas em muitas partes do mundo.
Primeiramente os desenhos animados começaram a ser dublados para o cinema, o que permitiu ao público infantil entender e se deliciar com as grandes obras do cinema de animação. No Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1938 começaram as gravações, nos estúdios da CineLab, em São Cristóvão, da dublagem do filme Branca de Neve e os Sete Anões, com intervenção direta na organização dos trabalhos dos profissionais de Walt Disney. Essa produção marcou o início das atividades da dublagem brasileira, seguido por outras criações do mesmo estúdio como Pinóquio, Dumbo e Bambi. Carlos de la Riva, proprietário da Delart Estúdios Cinematográficos, foi o primeiro técnico de áudio a trabalhar com dublagem no Brasil. Outra dublagem original marcante foi a do clássico …E o vento levou que aparece disponível no lançamento em blu-ray.
Em São Paulo foi fundada em 1958/1959 a Gravasom, uma associação da Screen Gems subsidiária da Columbia Pictures, representada por Hélios Alvarez, com Mário Audrá Jr. (sócio da Cinematográfica Maristela). Ford na TV que apresentava pequenos dramas de 30 minutos foi a primeira série dublada apresentada na TV Brasileira. Depois vieram Rin-Tin-Tin, Lanceiros de Bengala, Papai Sabe Tudo e outras. Até há pouco tempo, todo o elenco de dublagem de um filme trabalhava junto pois só havia um canal disponível para as gravações das vozes. Atualmente os dubladores atuam separadamente, conforme mostrado no Especial Dublagem HBO exibida em 2011.
O dublador brasileiro Orlando Drummond Cardoso que interpreta a voz de Scooby Doo permanece ligado ao personagem por mais de 30 anos e por isso entrou para o livro de recordes. Outros casos marcantes são o elenco principal da série Harry Potter, que permaneceu o mesmo desde o primeiro filme, com as vozes evoluindo ao mesmo tempo em que dubladores e atores foram crescendo. Conforme o citado especial da HBO, no início, adultos faziam as dublagens de crianças e dubladoras interpretavam os meninos. Atualmente, como no caso dos primeiros Harry Potter, Ben 10 ou o recente Karate Kid, dubladores-mirins são contratados.
Os primeiros elencos de dublagem foram integrados por rádio-atores. Eram vozes consagradas na época pelo sucesso das rádio-novelas. Alguns profissionais que não encontravam espaço para atuarem realizaram trabalhos marcantes na dublagem brasileira: Ida Gomes dublava Bette Davis enquanto Lima Duarte fez sucesso trabalhando com os desenhos da Hanna Barbera. Essas animações obtiveram grande sucesso na TV brasileira dos anos 60, tornando conhecidas vozes como a de Older Cazarré (Dom Pixote) e Roberto Barreiros (Jambo & Ruivão). Olney Cazarré que depois faria parte da Escolinha do Professor Raimundo dublava o Pica-Pau e os filmes de Jerry Lewis. Nas séries havia a voz de Borges de Barros (Moe em Três Patetas e Prof. Smith em Perdidos no Espaço). Dennis Carvalho trabalhou em Túnel do Tempo. Nos anos 1980, Garcia Júnior ficou conhecido pela dublagem de MacGyver e He-Man. A dublagem de Chaves feita pelo SBT que no início fora muito criticada, tornou-se cultuada pelos fãs e um dos pontos chaves do duradouro sucesso do programa na TV brasileira. Wendell Bezerra (voz de Bob Esponja) e Guilherme Briggs (Buzz Lightyear) estão entre os dubladores que ficaram conhecidos mais recentemente.
Atualmente existe muito interesse pelos dubladores brasileiros de animes, havendo eventos específicos em que os profissionais mais conhecidos são convidados a participar e se apresentarem aos fãs.
Na legislação brasileira, dubladores necessitam do registro profissional de ator para trabalharem com dublagem, porém:
Dos 16 aos 18 anos de idade, o registro profissional para dubladores fica condicionado à autorização dos pais ou responsáveis legais.
Até os 16 anos, a autorização do registro profissional para dubladores só é concedida mediante autorização do Juizado da Infância e da Juventude.
O registro profissional é expedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Mas pode ser requerido pelo SATED regional (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões), que emite um documento de capacitação profissional, o qual é acatado pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Para o registro no MTE, são necessários diploma ou certificados de conclusão de curso profissionalizante (técnico ou superior) reconhecido pelo MEC, ou o atestado de capacitação do sindicato.
O ator de voz, dublador ou dobrador é a pessoa que tem a função de ceder sua voz e interpretação, em idioma local, a um ou vários personagem(ns), a fim substituir a voz dos atores ou dubladores originais de filmes, animações, seriados, documentários, programas de televisão estrangeiros, etc. As falas de um dublador normalmente não são escritas por ele próprio, mas sim por um tradutor, que faz a adaptação da obra original ao idioma local.