12.967 – Acidente Aéreo – Encontradas as caixas pretas do voo da Chapecoense


tragedia-no-voo
A informação foi inicialmente divulgada pelo general José Acevedo Ossa, membro da polícia local e responsável pelo resgate, e foi posteriormente confirmada pelo prefeito de Medellín Federico Guitiérrez Zuluaga. Contudo, as autoridades colombianas ainda não localizaram todos os corpos, por isso, pode haver alteração no número de vítimas.
Sobreviveram os jogadores Alan Ruschel, Jackson Ragnar Follmann e Hélio Hermito Zampier Neto e o jornalista Rafael Henzel Valmorbida, além dos integrantes da tripulação Ximena Suárez e Erwin Tumiri.
As autoridades aeronáuticas colombianas inicialmente divulgaram uma lista com seis nomes que não incluía Zampier Neto -o jogador não havia sido encontrado pela equipe de resgate. Na listagem oficial, constava o goleiro Marcos Danilo Padilha que, segundo a Cruz Vermelha colombiana, havia sido resgatado, mas não havia sobrevido aos ferimentos. Contudo, a entidade voltou atrás e recolocou o atleta entre os feridos que seguem sob cuidados médicos.
Quatro pessoas que estavam na lista do voo não embarcaram
Inicialmente foi divulgada uma lista com 81 passageiros, mas quatro pessoas não embarcaram no voo por razões distintas: Luciano Buligon, prefeito de Chapecó (SC); Plinio de Nes Filho, presidente do Conselho Deliberativo do clube; Gelson Merisio (PSD), presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc); e Ivan Agnoletto, coordenador da rádio Super Condá.
Caixas pretas foram encontradas, diz diretor
De acordo com Alfredo Bocanegra Varón, diretor da agência de aviação civil colombiana, as duas caixas pretas da aeronave já foram encontradas.

caixa-preta-chapecoense-20161129-024

12.966 – Mega Almanaque Futebol – Mário Sérgio


Rio de Janeiro, 7 de setembro de 1950 – La Unión, 28 de novembro de 2016
Trabalhou como comentarista dos canais FoxSports de 2012 a 2016, e tinha um contrato com a emissora até a Copa do Mundo de 2018.
Mário Sérgio era um jogador reconhecido por sua grande habilidade e criatividade. Não por menos, ganhou o apelido de “Vesgo” pelo fato de olhar para um lado e dar o passe pelo outro. Porém, era também um jogador de muita personalidade, o que acabou por prejudicar sua carreira.
Tornou-se ídolo do Vitória-BA, e é considerado um dos melhores jogadores da história do clube. Não à toa, no dia 25 de agosto de 1991, quando o clube reinaugurou o estádio Barradão na partida contra o paraguaio Olímpia, então campeão da Libertadores, Mário Sérgio foi o escolhido para descer de helicóptero no campo para ser ovacionado pela torcida.
Seu nome aparece no livro “Os 100 melhores jogadores brasileiros de todos os tempos”, de Paulo Vinicius Coelho e André Kfouri.
Mario Sérgio deu seus primeiros passos como atleta na equipe de futsal do Fluminense-RJ. Segundo o próprio, “joguei futsal uns 7 anos e fui bicampeão brasileiro com a Seleção Carioca.”
O pai de Mário Sérgio era sócio do clube, por isso Mario podia jogar de graça.
Nessa época, Mario terminaria o curso científico ingressaria na curso superior em processamento de dados. Como o esporte ainda não lhe dava dinheiro, decidiu abandonar a carreira e foi trabalhar numa empresa de computadores.

Flamengo
Em 1969, após ser levado por amigos, fez um teste no Flamengo e foi contratado. Sua grande habilidade, proveniente de sua formação no futsal, foi motivo de preocupação para os treinadores das categorias de base do time da Gávea, que tiveram muito trabalho para lhe tirar o vício de “fominha”. Nesta época, recebeu apoio dos treinadores Modesto Bria e Jouber. Foi campeão dos aspirantes, e no ano seguinte, mais por imposição da diretoria do que pela vontade do técnico do time principal, Yustrich, foi profissionalizado.
Yustrich, que era um forte adepto do futebol força, não gostava dos cabelos longos e das roupas coloridas que Mário Sérgio usava. Era o auge da curtição hippy, coisa que Yustrich, obviamente, não entendia. Costumava provocar Mário Sérgio chamando-o de boneca.
Um dia, o técnico expulsou-o de um treino e ordenou que não fizesse declaração a imprensa: “Tem um clube de Salvador te querendo, não vai estragar o negócio”. Mário respondeu: “Não vou. Gosto do Rio e minha família mora aqui”. E Yustrich: “Então, azar o seu, porque você nunca mais vai ter chance comigo”.
Depois de uma atuação abaixo de sua média em uma partida, Mário Sérgio foi colocado no banco de reservas. Quando entrava em campo, continuava com seu individualismo, o que desagravada o técnico.
Até que um dia, durante um coletivo, cansado das broncas do técnico, Mário fez embaixadinhas e depois encheu o pé na bola. Em seguida, largou o treino e disse que no Flamengo não jogava mais!
“ “Yustrich era adepto do futebol força e tinha seus métodos rígidos e absurdos de preparação. Um dia, joguei mal e ele me tirou do time. Achei injustiça, mas continuei a treinar entre os reservas. Num coletivo, querendo me mostrar, recebi uma bola longa, me esforcei, alcancei a bola a um palmo da linha e parti para o gol; já dentro da área, quando ia marcar o gol, Yustrich apitou dizendo que a bola saiu. Ah, peguei a bola e zuei. Dei um chutão para o alto, e disse que ali não jogava mais.”

Vitória
Começou a jogar pelo clube em 1971, mas o destaque veio no ano seguinte com a conquista do Campeonato Baiano.
No clube baiano, segundo a revista Placar, Mário Sérgio formou, ao lado de André Catimba, a melhor dupla de ataque da história do clube.
Em 1972, no primeiro jogo da final do Baianao, contra o Bahia, Mario Sérgio fez o único gol da partida. Antes do segundo jogo da final, que o Vitória venceria por 3×1, deu a seguinte delcaração: “Se o Vitória vencer o jogo, vou dar todo meu material. Vou sair de campo de sunga. Só não saio nu porque complica”.
Em 1973, faturou a Bola de Prata da revista Placar jogando como ponta-esquerda.
Em 1974, mudou de posição, e passou a jogar como armador. Mesmo com a mudança, fez novamente um excelente Brasileirão. Tamanha foi a importância do Vesgo para o clube naquela competição, que o mesmo foi premiado com a Bola de Prata da Revista Placar.
Brilhante no Vitória BA, onde passou quatro temporadas, Mário Sérgio se tornou rei na Bahia e caiu nas graças do torcedor baiano.
Fluminense-RJ
Mario Sergio foi contratado pelo Fluminense em 1975 para fazer parte da 1a. versão da “Máquina Tricolor”, com Rivelino, Paulo César, Gil, Manfrini e Edinho. Já no seu primeiro ano conquistou um Campeonato Carioca sobre o Botafogo.
Mesmo com o título carioca de 1975, uma indisposição entre o presidente do Fluminense, Francisco Horta e o jogador, acabou com sua passagem pelas Laranjeiras. No início de 1976, o craque foi contratado pelo Botafogo.

Botafogo
No Botafogo, Mario jogou de 76 a 79, e fez parte do chamado “time do camburão”, apelido dado pelo botafoguense jornalista Roberto Porto.[15] Ele justifica: “um time que tinha Dé, Mário Sérgio, Renê, Paulo César, Perivaldo e Nilson Dias… todos com a chave da cadeia!”
Em 1978 Mário teve uma séria contusão no joelho, que o afastou dos gramados por quatro meses. Forçando para voltar rapidamente aos gramados, prejudicou definitivamente seus meniscos. Isso fez com que ele ficasse afastado por mais quase um ano. Neste ínterim, o craque ficou sem ambiente com alguns diretores e acabou negociado com o Rosário Central da Argentina no ano seguinte.

Rosário Central
Mario foi para a Argentina, e sua esposa, que cursava engenharia, não o acompanhou nessa breve permanência em território argentino.
“Minha mulher havia acabado de ingressar no curso de engenharia, e tinha de cursar elo menos um semestre para não perder a matricula.”
Este fato, aliado a seu temperamento forte, abreviaram sua passagem pelo clube.
Na equipe, Mario jogou ao lado de Edgardo Bauza.

Internacional-RS
No Internacional, Mário fez parte do time que conquistou o Brasileirão de 1979 de forma invicta. Permaneceu no Internacional até 1981, levantando a taça do Gauchão daquele ano.

São Paulo
Mario Sergio chegou ao São Paulo agosto de 1981 e estreou em 16 de agosto e ficou até o fim de 1982. Neste clube, ele ganhou o apelido de “rei do gatilho” após esvaziar o pente de seu 38, dando tiros para o alto para assustar torcedores do São José, no Vale do Paraíba, que se manifestavam na saída da delegação são-paulina do Estádio Martins Pereira. Na partida de volta, o placar do Morumbi anunciava “nº 11 Mário Sérgio, o Rei do Gatilho”!

Mais tarde, Mário afirmaria que as balas eram de festim e se disse arrependido.
No dia 4 de outubro de 1981, mais de 30 mil pessoas viram o show do “Vesgo”, na goleada do São Paulo de 6×2 sobre o Palmeiras, com dois gols de Mário.
Mesmo com boas atuações, Mário não se adaptava ao esquema tático do técnico José Poy. Além disso, na época surgiram boatos sobre seu envolvimento com drogas, o suficiente para que ele fosse parar na Ponte Preta por um breve período.

Ponte Preta
Em 1983, foi contratado pela Ponte Preta, e participou de um time de medalhões montado pelo então presidente pontepretano Lauro de Moraes. Na ocasião, os técnicos Dudu, Nicanor de Carvalho, Tim e Cilinho não conseguiram extrair grande coisa com os talentosos Mário Sérgio, Dicá e Jorge Mendonça juntos.

Grêmio e a Conquista do Mundo
Ainda em 1983, no final do ano, foi contratado pelo Grêmio, a pedido do técnico Valdir Espinosa, apenas para a disputa do Mundial Interclubes.
“Ninguém queria o Mário Sérgio no Grêmio. Eu que insisti. Na primeira vez que falei, todo mundo pipocou: ‘Ah, ele é isso, aquilo, é bagunceiro…’. Mas eu conhecia ele. Joguei com ele, morei com ele. Eu reconhecia nele a sua qualidade extraordinária. Jogar contra alemão só com força não adianta. Tem que ter técnica para contrapor. Precisávamos do Mário Sérgio.”
Valdir Espinosa, contando o porque da sugestão na contratação de Mario Sergio para a disputa do Mundial, em 1983.
Mário Sérgio teve um papel fundamental para a conquista. Ele ditou o ritmo da equipe durante os 120 minutos, fez lançamentos precisos e usou sua habilidade para deixar os marcadores desorientados.
Mesmo fazendo boa partida contra o Hamburgo, não teve seu contrato prolongado.

Segunda Passagem pelo Internacional
Após o Grêmio, voltou para o Internacional. Dessa passagem, Mario se lembra do o Gre-Nal das faixas, na abertura de 1984. Segundo ele, “na hora de trocarmos as faixas, pensei: ‘Poxa, alguém aí vai me vaiar, gremista ou colorado, não vai ter jeito’. No fim, eu, com a camisa do Inter e a faixa de campeão do mundo pelo Grêmio, acabei aplaudido pelas duas torcidas. Me emocionei barbaridade.”

Palmeiras
No Palmeiras, Mario jogou em 1984. Quando da efetivação de sua contratação, a manchete da edição nº 737 da Revista Placar (julho de 1984) dizia: “Mário Sérgio voltou. O futebol também”.
Mário conduzia o time ao tão sonhado título do Campeonato Paulista de 1984 até ter sido flagrado em um exame antidoping, realizado num clássico contra o São Paulo, que o deixou suspenso durante seis meses.
Sobre o doping, uma polêmica: o exame aconteceu após um jogo contra o São Paulo. O Palmeiras vinha muito bem no campeonato sendo dirigido pelo técnico Mario Travaglini. Na partida, houve uma briga entre os jogadores, e depois da briga, ainda dentro do campo, vários jornalistas presenciaram o Dr. Marco Aurélio Cunha, do São Paulo, oferecendo uma Soda limonada ao Mario Sergio. Depois, no exame antidoping, foi constatado cocaína na urina do jogador, e o Palmeiras perdeu os pontos no Campeonato Paulista. Mesmo com toda a imprensa falou da Soda limonada oferecida pelo médico do São Paulo, a diretoria do Palmeiras não tomou nenhuma providência a respeito do fato e o caso foi encerrado sem punição ao Dr. Marco Aurélio Cunha.
Mário ainda voltaria a jogar pelo clube após a suspensão, com o mesmo brilho e o mesmo terrível temperamento de sempre, até deixar o clube em 1985.

Botafogo-SP e Bellinzona-SUI
Após o Palmeiras, Mario ainda teve passagens pelo Botafogo de Ribeirão Preto e pelo Bellinzona da Suíça, ambas em 1986.

Bahia e o anuncio da aposentadoria
Em 1987, Mario Sergio já não jogava no ritmo dos companheiros. Na quinta rodada do Brasileirão daquele ano, porém, Mário Sérgio recebeu a camisa 10 do técnico Orlando Fantoni de presente e foi a campo. Jogou os primeiros 45 minutos com atuação extraordinária e desceu para o intervalo, antes de todo mundo, como protagonista da vitória parcial por 1 a 0 sobre o Goiás. Conforme relatos do meia Bobo, “quando chegamos ao vestiário, Mário Sérgio já estava trocado, perfumado. Fez um pronunciamento muito educado, agradeceu a todos nós e disse que não voltaria para o segundo tempo. No vestiário, ele anunciou o fim de sua carreira”, lembra Bobô.
Ao encerrar a carreira em 1987, tornou-se treinador.

Seleção Brasileira
Entre os clubes que passou, Mário colecionou a fama de indisciplinado, o que fatalmente o afastava da Seleção Brasileira, apesar das suas indefectíveis atuações.
Mesmo assim, ele quase jogou a Copa de 1982. Apesar de ter feito parte de toda a preparação da equipe para a disputa daquele torneio, ele foi cortado na última convocação, substituído por Eder, do Atlético-MG. Mesmo não aparecendo na relação final de 22 nomes para a Copa na Espanha, ele esteve na lista de espera, de 40 nomes, registrada na FIFA.

Corinthians
Em 1993, trabalhou no Corinthians-SP. iniciou sua carreira de treinador no Corinthians no dia 13 de agosto do referido ano. Após a perda dos títulos Paulista e do torneio Rio-São Paulo, ambos para o Palmeiras, o clube procurava um nome para substituir o técnico Nelsinho, que deixava o clube para treinar uma equipe da Arábia Saudita. Como treinador corintiano, quase levou o Timão para a final do Brasileiro, após fazer uma incrível campanha de 15 partidas sem derrotas. Naquele mesmo ano, ele revelou o volante Zé Elias, que tinha apenas 16 anos. No comando do Corinthians, em duas passagens (outra foi em 1995), Mário Sérgio dirigiu a equipe em 31 partidas (16 vitórias, 13 empates e duas derrotas). Apesar de gozar prestigio com os atletas e com a diretoria, Mário Sérgio pediu demissão. Conforme o jornal Folha de S.Paulo, a repentina saída de Mário Sérgio do comando técnico do Corinthians é explicada por dois fatores. Foram os atritos com os dirigentes corintianos e os convites das emissoras de televisão que fizeram o treinador/comentarista abandonar o time às vésperas do começo do Campeonato Paulista. O treinador teve receio de que o desgaste com a diretoria do clube e os jogadores pudesse prejudicar a sua carreira de comentarista.[28] Após a saída do Corinthians, voltou a trabalhar como comentarista na Tv Bandeirantes.

Em 2015, afirmou que o clássico Corinthians, x São Paulo, disputado em 1993, o Corinthians topou pagar o juiz da partida para ser ajudado, mas que desistiu na última hora. Coincidência ou não, apesar de ter vencido a partida por 2×0, o Corinthians reclamou um pênalti não marcado pelo juiz

São Paulo FC
Voltaria a trabalhar como técnico novamente em 1998. No comando do São Paulo, dirigiu a equipe somente em 10 jogos (três vitórias, um empate e seis derrotas).

Sua passagem pelo clube ficou marcada por ter sido o único treinador a vetar Rogério Ceni de cobrar faltas.
“Cheguei no São Paulo em 1998 e o Rogério tinha feito só quatro gols na carreira. E aí eu tinha o Dodô, o França, e outros jogadores habilidosos. Eu cheguei pro Rogério, conversei com ele e falei: Rogério, eu não preciso de um goleiro que bata falta, eu quero um jogador nessa posição que não deixe a bola entrar”.
Atlético Paranaense
Mário Sérgio foi treinador do Atlético no início da campanha que resultaria no título do Brasileirão de 2001
Mário Sérgio coleciona passagens conturbadas por todos os clubes por onde passa. E no Ceará não foi diferente. Em sua curta passagem pelo clube ficou marcado por uma frase em uma de suas entrevistas coletivas em Porangabuçu. O treinador afirmou que o time iria perder a maioria de seus jogos pois o elenco era limitado e fraco, o que causou grande descontentamento por parte de jogadores, diretores e torcedores.
Mário Sérgio foi uma das vítimas fatais da queda do Voo 2933 da Lamia, no dia 28 de novembro de 2016. A aeronave transportava a equipe do Chapecoense para Medellin, onde disputaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016.
Além da equipe da Chapecoense, a aeronave também levava 21 jornalistas brasileiros que cobririam a partida contra o Atlético Nacional (COL). Entre eles estava Mário Sérgio.

12.965 – Futebol – Comentarista e ex-atleta Mario Sérgio morre em acidente


mario-sergio
Entre as vítimas do acidente aéreo com o avião da Chapecoense estava o comentarista e ex-jogador da Seleção Brasileira Mario Sérgio. Confirmado na transmissão da Fox Sports, ele é um dos 21 profissionais de imprensa vítimas da tragédia.
Mario Sérgio Pontes de Paiva sempre foi polêmico, como jogador, técnico e comentarista esportivo. As declarações desconcertantes desse carioca nascido em 7 de setembro de 1950 o fizeram ser amado e odiado por companheiros e torcedores desde que começou a jogar bola, em 1969, no Flamengo. Mesmo assim, foi ídolo por onde passou: Fla, Botafogo, Fluminense, Grêmio, Internacional, Vitória.
Quando era jogador, em 1983, por exemplo, teve a oportunidade de jogar o Mundial Interclubes pelo Grêmio. O problema é que nenhum jogador queria Mario Sérgio no time, segundo conta o técnico Valdir Espinoza. “Eu é que insisti. Na primeira vez que falei, todo mundo pipocou: ‘Ah, ele é isso, aquilo, é bagunceiro…’. Mas eu conhecia ele. Joguei com ele, morei com ele. Eu reconhecia nele a sua qualidade extraordinária”, lembrou o treinador, em entrevista do Globoesporte.com. A aposta deu certo e a equipe gaúcha acabou campeã mundial contra o Hamburgo, da Alemanha.
Como técnico, por exemplo, deu declarações explosivas, responsáveis até por demissões, como ocorreu no Atlético-PR, em 2001. “Ou o Atlético acaba com a noite ou a noite acaba com o Atlético”, detonou certa vez, criticando o abuso das saídas e do álcool por parte dos jogadores do Furacão. Os jogadores não suportaram e pediram a cabeça de Mario Sérgio. Como comentarista, a língua ferina também não deu trégua. Desde 2012, assumiu o posto no Fox Sports. Lá, disse, por exemplo, que o esquema tático do supertécnico Pep Guardiola nunca daria certo no Brasil.
A unanimidade: foi um ótimo jogador e tinha um espírito guerreiro. Foi assim que sobreviveu a um assalto, no qual sofreu um atropelamento, em 2013. Parou na UTI, os médicos não acreditavam que ele sobreviveria por causa de uma infecção hospitalar. “Quase morri”, lembrou Mario Sérgio. Pois ele saiu do hospital e ainda teve uma crise de angina nas semifinais da Copa do Mundo do Brasil. Também se livrou dessa e continuou com seus comentários afinados e afiados.

12.964 – Educação – O Telecurso 2º Grau


telecurso
Telecurso é um sistema educacional de educação a distância brasileiro mantido pela Fundação Roberto Marinho e pelo sistema FIESP. Idealizado e criado pelo jornalista Francisco Calazans Fernandes, o programa consiste em teleaulas das últimas séries do ensino fundamental (antigo 1º grau, ou ginásio) e do ensino médio (2º grau, ou colégio) que podem ser assistidas em casa ou em telessalas. Também existe a modalidade profissionalizante em mecânica.
O programa era exibido na Rede Globo e oferecido às TVs educativas, como a TV Cultura, TV Brasil e o Canal Futura. As emissoras católicas TV Aparecida e Rede Vida também transmitem o Telecurso. As aulas são dividas por matérias. Cada teleaula tem uma duração de 15 minutos aproximadamente. Há material didático para cada disciplina. Na TV Cultura, o Novo Telecurso vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 5h.
O Telecurso 2º Grau foi criado em 1978 com uma parceria entre a Fundação Padre Anchieta – mantenedora da TV Cultura – e a Fundação Roberto Marinho. A Rede Globo também exibia os cursos. Em 1981 foi criado o Telecurso 1º Grau.
Em 1986 a Fundação Roberto Marinho criou o “Novo Telecurso 2º Grau” em parceria com a Fundação Bradesco, que obteve autorização para avaliar e certificar o curso com validade para prosseguimento de estudos em todo território nacional, em escolas e classes montadas em empresas.
Em 2 de janeiro 1995[3], a Fundação Roberto Marinho e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo lançaram o Telecurso 2000 visando uma parcela da população que não havia completado o ensino fundamental ou o médio. Junto com ele também foi criado o Telecurso 2000 Profissionalizante.
O Telecurso 2000 ficou no ar até 28 de março de 2008, quando os programas passaram por reciclagem, por causa do desgaste das aulas originais e da desatualização em alguns tópicos das aulas de Geografia e História, que já não iam mais ao ar na íntegra. Com isso foi criado o Novo Telecurso que inclui os programas do Telecurso 2000 e novas disciplinas como filosofia, artes plásticas, música, teatro, sociologia e espanhol.
No ano de 2009, o Telecurso passou a apresentar uma nova série do Telecurso Profissionalizante de Mecânica com o auxílio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI-SP).
Em 14 novembro de 2014 o Telecurso deixou de ser exibido na Rede Globo. A Fundação Roberto Marinho levou o Telecurso na íntegra para um novo portal gratuito na Internet, com todas as teleaulas.

http://educacao.globo.com/telecurso/

12.963 – Acidente Aéreo – Acidente com avião da Chapecoense deixa 75 mortos


acidente-grafico
A informação foi inicialmente divulgada pelo general José Acevedo Ossa, membro da polícia local e responsável pelo resgate, e foi posteriormente confirmada pelo prefeito de Medellín Federico Guitiérrez Zuluaga. Contudo, as autoridades colombianas ainda não localizaram todos os corpos, por isso, pode haver alteração no número de vítimas.
O voo da empresa Lamia, proveniente da Bolívia, transportava 9 tripulantes e 72 passageiros. Ao menos 22 jornalistas da Fox TV, da Globo, RBS e rádios estavam no voo. As autoridades colombianas informaram que havia seis sobreviventes -um não teve o nome divulgado.
Entre os sobreviventes estão: o jornalista Rafael Hensel da rádio Oeste Capital, os jogadores Alan Luciano Ruschel, Jackson Ragnar Follmann, Marcos Danilo Padilha e um tripulante Ximena Suárez. Eles foram encaminhados para hospitais da região, alguns em estado grave.
A Aeronave Avro RJ85, da LAMIA, que caiu na Colômbia deixando ao menos 75 mortos e que transportava o time da Chapecoense, estava em baixa velocidade no momento da queda.
Segundo o sistema de acompanhamento de aeronaves FlightRadar, no momento em que a aeronave deixou de emitir sinais, ela voava com velocidade de 142 nós (263 km/h).
Segundo o consultor em aviação Lito Sousa, uma velocidade tão baixa só é compatível com uma grande aproximação da pista de pouso, o que não era o caso. O avião estava a cerca de 30 km do aeroporto Internacional José Maria Córdova, em Rio Negro, ao lado da cidade de Medellín.
Segundo informações do sistema, antes da queda, a aeronave fez duas voltas no sentido anti-horário, o que pode indicar que o avião estava aguardando autorização para pousar.
O trajeto do avião não aponta para anormalidades. A manobra costuma ser feita quando uma aeronave aguarda a autorização para o pouso.
Durante a manobra, a velocidade da aeronave é constantemente reduzida, mas ainda não há indícios de problemas. Após realizar a segunda volta, a aeronave reduz ainda mais a sua velocidade: de 409 km/h para 263 km/h. Às 0h55, a aeronave emite seu último sinal antes da queda.
Ao menos 25 pessoas morreram e seis foram resgatadas com vida em um acidente na noite desta segunda-feira (28) na Colômbia com o avião que transportava a equipe da Chapecoense. O time disputaria nesta quarta (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional.
Autoridades que trabalham no local da tragédia falam em 76 mortos, número que ainda não foi confirmado oficialmente.
O trajeto do avião não aponta para anormalidades. A manobra costuma ser feita quando uma aeronave aguarda a autorização para o pouso.
Durante a manobra, a velocidade da aeronave é constantemente reduzida, mas ainda não há indícios de problemas. Após realizar a segunda volta, a aeronave reduz ainda mais a sua velocidade: de 409 km/h para 263 km/h. Às 0h55, a aeronave emite seu último sinal antes da queda.
Ao menos 25 pessoas morreram e seis foram resgatadas com vida em um acidente na noite desta segunda-feira (28) na Colômbia com o avião que transportava a equipe da Chapecoense. O time disputaria nesta quarta (30) a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional.
Autoridades que trabalham no local da tragédia falam em 76 mortos, número que ainda não foi confirmado oficialmente.

acidente-chapeco

acidente2

12.961 – Mega Sampa – Há 50 anos, Iguatemi tornou-se 1º shopping de SP


iguatemi
Então maior centro de compras da América do Sul, o Shopping Center Iguatemi foi inaugurado oficialmente no dia 27 de novembro de 1966, às 17h. Na ocasião, o cardeal arcebispo de São Paulo, dom Agnelo Rossi, celebrou uma missa, momento antes de o governador Laudo Natel e o prefeito Faria Lima, com outras autoridades, visitarem as dependências do local.
Naquele dia, um dos destaques da festa para o público de 5.000 pessoas foi uma série de apresentações musicais, realizada a partir das 19h, que contou com Chico Buarque, Nara Leão, Chico Anysio, Eliana, Booker Pittman e Caçulinha.
A construção do local já era anunciada desde 1964, quando, por meio de anúncios, o engenheiro-arquiteto civil Alfredo Mathias (1906-1982), que liderava construtora com seu nome e a Shopping Centers Reunidos do Brasil S.A., anunciava que o shopping seria “a mais importante concentração de varejo de São Paulo e forma nova e racional de aplicação imobiliária, que proporcionará rendimentos crescentes com absoluta segurança“.
Com o intuito de atrair investimentos e mostrar a viabilidade do lançamento, sucessivos anúncios foram publicados na Folha explicando o conceito de shopping center e quais as possibilidades de ganhos e os potenciais da região, além de convocar corretores e investidores.
Mathias, que se formou engenheiro-arquiteto e civil na Escola Politécnica de São Paulo (“Os Arquitetos da Poli – Ensino e Profissão em São Paulo”, de Sylvia Ficher, pela EdUSP, págs. 229 e 230), chegou a levar a promoção do shopping para a televisão, com um pronunciamento feito em cadeia pela TV Tupi, TV Record e TV Excelsior em 10 de junho de 1965.
Foram realizadas 14 pesquisas de mercado para assegurar que o lançamento nos bairros Pinheiros, Jardim América, Jardim Europa, Jardim Paulistano e proximidades tinha potencial para vender para 800 mil pessoas, cuja renda atingia Cr$ 54,5 bilhões.
O sucesso foi tanto que, após o lançamento da pedra fundamental em 3 de abril de 1965, o Shopping Center Iguatemi foi erguido em apenas 16 meses e contava à época de sua abertura com 23 mil donos, que compraram 60 mil cotas de participação no empreendimento.
Além de abrigar 72 lojas, o shopping gabava-se de contar com cerca de 1.000 vagas de estacionamento, prontas para atender a região que, apesar de contar com 20% da população paulistana, ostentava mais da metade dos carros da cidade.
Mathias tornou-se o primeiro administrador do local, com mandado de cinco anos. Nesse primeiro período à frente do shopping, ele viu o número de lojas saltar para 160, com um fluxo de quase 1 milhão de pessoas por mês.
O shopping, que desde 1966 chamou a atenção para campanhas natalinas, com triunfais chegadas do Papai Noel, chegou a sortear nos anos 90 um BMW para os consumidores durante as compras de Natal.
Foi também a partir de um incêndio no Cine Iguatemi, em 1994, que destruiu toda a instalação, que salas de cinema passaram a contar com instruções de segurança.
Hoje, em que ostenta um relógio d’água na entrada (foto no alto) –ele foi criado pelo francês Gitton Bernard e utiliza tubos de vidro e líquido colorido para marcar as horas e os minutos–, do qual existem apenas quatro no mundo, o shopping Iguatemi possui 314 lojas e registra mais de 1,5 milhão de visitantes por mês.
Em setembro deste ano, a revista sãopaulo publicou especial sobre shopping centers com 25 curiosidades sobre o “cinquentão” Iguatemi.
A publicação mostrou, por exemplo, que apenas 9 lojas continuam no local desde a inauguração: Giuliano Joias, AB Uniformes, Fotóptica, Jogê, Americanas, Pão de Açúcar, Renata, Sinhá e Drogaria Iguatemi.
Uma mostra de que as expectativas de Alfredo Mathias estavam corretas é que, de acordo com a consultora imobiliária Cushman & Wakefield, nos últimos anos o shopping figurou no ranking dos 20 endereços mais caros do varejo, ao lado de estabelecimentos famosos da 5ª Avenida (Nova York) e Champs-Elysées (França).

iguatemi2

12.960 – Psiquiatria – A cleptomania


cleptomania-trastorno-300x225
É um transtorno caracterizado pela impossibilidade repetida de resistir aos impulsos de roubar objetos. Os objetos não são roubados por sua utilidade imediata ou seu valor monetário; o sujeito pode, ao contrário, querer descartá-los, dá-los ou acumulá-los. Este comportamento se acompanha habitualmente de um estado de tensão crescente antes do ato e de um sentimento de satisfação durante e imediatamente após sua realização. O roubo não é cometido para expressar raiva ou vingança e não é uma resposta ao delírio ou a alucinação.
Este termo foi criado há mais de dois séculos para descrever o impulso de roubar objetos desnecessários ou de pequeno valor. Esquirol notou, em 1838, que o indivíduo frequentemente se esforça para evitar este comportamento, mas por sua natureza, isto é irresistível. Ele escreveu: “o controle voluntário é profundamente comprometido: o paciente é constrangido a executar atos que não são ditados nem por sua razão, nem por suas emoções. – atos que sua conciência desaprova, mas que ele não tem intenção.
Os indivíduos afetados frequentemente têm outros distúrbios mentais, tais como distúrbio bipolar, anorexia nervosa, bulimia nervosa, ou distúrbio da ansiedade. Adultos com cleptomania roubam porque isto oferece alívio ou conforto emocional. Poucas pessoas procuram tratamento até que são pegas roubando.

Qual a incidência de cleptomania na população geral?
Presume-se que a cleptomania seja um distúrbio raro, embora poucos estudos tenham sido feitos sobre sua prevalência na população em geral. Estudos feitos com ladrões de lojas sugerem que somente uma pequena parcela (de 1 a 8%) representam casos verdadeiros de cleptomania.
Na verdade, o roubo de lojas é extremante comum, de acordo com um estudo. Um pesquisador relatou que dos 263 clientes visitando lojas randomicamente, 27 (10%) foram observados roubando. Um estimou que correm aproximadamente 140 milhões de roubos por ano, mas que somente 4 milhões são pegos. Além disso, a incidência de roubos em lojas está aumentando.

Como distinguir um ladrão comum de um cleptomaníaco?
Não existem estudos controlados da psicopatologia da cleptomania, mas numerosos relatos de casos descrevem uma ampla extensão de sintomas psiquiátricos e distúrbios com aparente cleptomania. Os sintomas mais comuns associados parecem estar relacionados ao distúrbio do humor. A maioria dos estudos de “ladrões anormais” (pessoas que foram apreendidas roubando e encaminhadas para avaliação psiquiátrica) têm descrito taxas elevadas de sintomas depressivos e depressão em seus sujeitos. Dos 57 pacientes cleptomaníacos descritos na literatura, 57% mostraram sintomas afetivos e 36% provavelmente encontrariam um critério diagnóstico para depressão ou distúrbio bipolar.
Alguns pacientes com cleptomania e distúrbio comórbido do humor têm descrito uma relação entre seus sintomas afetivos e cleptomaníacos, declarando que seus impulsos de roubar ocorrem quando eles estão deprimidos.

Tratamento
Não existem estudos controlados de tratamentos somáticos ou psicológicos em cleptomania. Relatos de casos individuais, entretanto, sugerem que várias formas de terapia comportamental podem ser efetivas em alguns pacientes. Existem também relatos isolados do sucesso do uso de psicoterapia psicanalítica, mas existem também muitos relatos negativos.
Outros relatos de caso sugerem que medicamentos antidepressivos ou com propriedades estabilizadoras do humor podem ser efetivos na cleptomania.

12.959 – Nutrição – Os benefícios do jatobá


jatoba
Trata-se de uma árvore da floresta amazônica e da Mata Atlântica que não apodrece quando morre devido à sua natureza anti-fúngico. o Jatobá é uma árvore que chega a alcançar de 15 a 20 metros de altura, e seu tronco chega a ter um metro de diâmetro. Jatobá é um nome popular que se refere a árvores do gênero Hymenaea L. (Fabaceae – Caesalpinioideae). Jatobá também são conhecidas pelos nomes jataí, jutaí e pão-de-ló-de-mico. A fruta pode ser consumida e tem uma casca bem dura, composta de 40% de água.
O Jatobá é rica em Cálcio, Fósforo, Ferro, Potássio, Magnésio e Vitamina C. Ela possui mais potássio que a banana e mais cálcio que o leite!! Hoje em dia é considerada um energético natural.

O jatobá colabora para o fortalecimento do sistema imunológico
Jatobá tornou-se bastante eficaz no tratamento de infecções fúngicas, tais como pe de atleta e fungos nas unhas.
Os Benefícios do jatobá no alívio de problemas nas articulações devido a sua ação anti-inflamatória.
Benefícios do jatobá em proteger o fígado e condições estomacais.
Jatobá é eficaz na redução do açúcar no sangue.
Jatobá tem propriedades anti-inflamatórias, que tornam benéficos para tratar a inflamação das vias respiratórias, como a asma e bronquite.
Jatobá é bom para cólica.

12.958 – Mega Polêmica – Os pais devem passar sua religião para os filhos?


religiao
Argumento pró:
É natural que os pais transmitam sua cultura, seus valores morais e sua crença religiosa aos filhos.
A questão seria como isso deve ser feito. Deus não quer seres autômatos sem liberdade de escolha, ainda que a liberdade humana ofereça riscos.
Portanto os pais devem ensinar pelo exemplo, procurando cativar os filhos pelo amor e não por via do autoritarismo. Os pais podem exercer uma forte influência positiva sobre os filhos, que inspirados a seguir o mesmo caminho, decidiriam por si mesmos.]

Argumento contra:
Consideramos a escolha de um caminho espiritual como algo pessoal e um direito inalienável de cada um, portanto os filhos devem decidir por si só.
Entretanto, a religião tem também um papel social e educativo e que é praticamente inseparável da vida da família.
Privar os filhos de ter contato com a vida religiosa da família seria afastá-los de um alicerce importante para a sua formação, mas aq famólia deve também compreender que aq opção dessa criança de seguir o não a religião cabe somente a ela.

12.957 – O que é o C V V, Centro de Valorização da Vida?


cvv-logo
Fundado em São Paulo em 1962, o Centro de Valorização da Vida é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973, mantenedora e responsável pelo Programa CVV de Valorização da Vida e Prevenção ao Suicídio, desenvolvido pelos Postos do CVV em todo o Brasil.
Através dos Postos espalhados por todo o país, presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional, oferecido a todas as pessoas que querem e precisam conversar sobre suas dores e descobertas, dificuldades e alegrias.
Em 1977 começou a expandir-se para outras cidades do país, estando hoje em quase todas as capitais e diversas cidades do interior do Brasil. São aproximadamente 70 Postos e cerca de 2.000 Voluntários[1] que se revezam para o atendimento 24 horas por dia, inclusive aos domingos e feriados. Esse atendimento é prestado por telefone ( 141 para todo Brasil ou nos respectivos telefones de cada posto ), e-mail, pessoalmente nos postos e via chat, sendo a primeira entidade do gênero no mundo a prestar atendimento via chat.
O trabalho consiste no diálogo compreensivo e na doação incondicional do calor humano. O Voluntário trabalha no sentido de compreender a pessoa que procura o CVV, dessa forma, valorizando sua vida.
O atendimento é feito por telefone, pessoalmente, por correspondência, chat ou e-mail. A pessoa que procura o CVV tem o sigilo assegurado, a total privacidade e anonimato. O atendimento ocorre em clima de profundo respeito e confiança. Basta que a pessoa ligue para o telefone 141, ou acesse o site http://www.CVV.org.br para falar com o Posto CVV de sua região.
Pessoas com aptidões para o serviço voluntário que passam por um curso teórico e prático oferecido pelo Posto. Esse curso é gratuito e ministrado periodicamente com prévia divulgação na comunidade. São pessoas maiores de 18 anos, de boa vontade, que acreditam no valor da vida e dispostas a conversar com outras pessoas em seus momentos de vulnerabilidade emocional.

Quem mantém?
A instituição é mantida com as contribuições dos próprios Voluntários e também por doações feitas por pessoas e segmentos da sociedade que reconhecem a importância do trabalho.
Tem personalidade jurídica e não está vinculada a qualquer religião, governo ou partido político.
O CVV é hoje um dos serviços mais procurados do país, com uma média superior a um milhão de ligações por ano[1] .

Segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde, cerca de 3 mil pessoas por dia cometem suicídio em todo o mundo.
Segundo dados de 2015, 38 brasileiros tiram a própria vida por dia e outros cerca de 200 tentam o suicídio no mesmo período.
Organismos internacionais como a OMS e a AIPS-Associação Internacional para Prevenção do Suicídio reconhecem a importância de programas como o do CVV e, no Brasil, outras iniciativas foram criadas, inclusive pelo Ministério da Saúde.

No Brasil, o CVV é reconhecido como serviço de utilidade pública pelo Ministério da Saúde, pertencendo às organizações do terceiro setor.
Nos primórdios, o Programa CVV recebeu influência dos Samaritanos Internacionais, grupo fundado pelo Reverendo Chad Varah, em 1953 na Inglaterra.
Os atendentes do Programa CVV, todos voluntários, possuem as mais diversas formações. Enquanto em atividade no CVV, deixam ao lado seu ‘eu profissional’ (psicólogo, dona de casa, estudante, médico, professor, etc.) e focam apenas o seu ‘eu voluntário’.

12.956 – Depressão – Impacto e índice de morbidade


saude_mental_e_psiquiatria
Sutil e mais mortífera que câncer e AIDs, tem causado um alto custo social.
Estima-se que sua prevalência ao longo da vida, na população geral, situe-se em torno de 15%. Ou seja, entre 100 pessoas da população, 15 já apresentaram ou apresentam episódios depressivos durante suas vidas. É um transtorno que acomete mais frequentemente mulheres do que homens, numa proporção estimada em 2:1 (duas vezes mais mulheres do que homens). Sem um tratamento adequado, a depressão apresenta um curso crônico e recorrente. Estima-se que após o primeiro episódio o risco de recorrências seja de 50%; após o segundo episódio este risco se eleva para 70-80% e após três episódios depressivos, o risco de episódios seguintes é de 90%. O número de faltas ao trabalho ao longo de um período de 30 dias, entre pacientes deprimidos, chega a ser duas vezes maior, acarretando perdas salariais significativas.World Health Organization – WHO, 2001.
É também uma importante questão de saúde pública, pois está associada a altos índices de incapacitação, prejuízo no funcionamento global, elevados custos socioeconômicos, queda da qualidade de vida, maior risco de desenvolvimento de outras doenças de alta mortalidade (como por exemplo, diabetes, doenças cardiovasculares, câncer), piores índices de saúde geral e elevado risco de suicídio.
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão é a primeira causa de incapacitação entre todas as doenças médicas. Ocupa a quarta posição entre todas as causas que contribuem para a carga global de doenças, de acordo com o “Global Burden of Diseases Project” da OMS, correspondendo a 4,4% dos anos de vida vividos com incapacitação. Para os indivíduos que estão na faixa etária compreendida entre 15 e 44 anos, a depressão é responsável por 8,6% dos anos vividos com incapacitação.
Os custos socioeconômicos com a depressão são elevados. Podem ser relacionados em custos diretos (p. ex.: custos com médicos, medicamentos), indiretos (p. ex.: custos decorrentes da incapacidade ocupacional, de morte prematura) e intangíveis (p. ex.: piora da qualidade de vida). Para se ter uma estimativa da gravidade, no Reino Unido, por exemplo, o custo total com a depressão supera os custos somados de diabetes e a hipertensão. Os custos diretos, especialmente com internações, são elevados. Segundo dados do Ministério da Saúde, calcula-se que para cada paciente internado no estado de São Paulo com diagnóstico de algum transtorno do humor, por exemplo, o custo seja de cerca de R$ 1.000,00 (dados de novembro/2007).
Custos com consultas, exames laboratoriais e hospitalizações, por exemplo, chegam a ser desde duas até quatro vezes maiores entre os portadores de depressão. Cerca de 50% dos pacientes que buscam serviços primários de saúde por queixas físicas apresentam depressão e, entre estes, de 40% a 60% não têm o diagnóstico firmado por médicos não psiquiatras. Entre os custos indiretos, a perda de produtividade e as faltas ao trabalho podem corresponder a 60% dos custos totais com a depressão.
O maior risco de pacientes de doenças crônicas apresentarem depressão é bem conhecido. Diabetes, doenças cardiovasculares, doenças hematológicas, doenças autoimunes e moléstias inflamatórias intestinais, por exemplo, co-ocorrem frequentemente com a depressão. A vulnerabilidade genética comum a estas doenças pode explicar a elevada frequências com que ocorrem concomitantemente, em um mesmo indivíduo – ou seja, como comorbidades. Este é um tema que tem recebido particular atenção em pesquisas na área dos transtornos do humor.
Concluindo, a depressão é uma das doenças médicas mais frequentes, e acarreta importantes prejuízos pessoais, ocupacionais, econômicos e sociais, além de se relacionar à maior morbidade e mortalidade por outras doenças clínicas, se não tratada. Portanto, sua identificação precoce e a instituição de um tratamento adequado, que leve à remissão dos sintomas, é fundamental. A depressão é recorrente, a cada novo episódio a possibilidade de recorrências aumenta o que reforça a importância da eficácia dos tratamentos antidepressivos, e a adesão ao tratamento.

12.955 – Filantropia – Johns Hopkins


hopkins
Johns Hopkins (Condado de Anne Arundel, Maryland, 19 de maio de 1795 — Baltimore, 24 de dezembro de 1873) foi um rico empreendedor, filantropo e abolicionista estadunidense.
Lembrado principalmente pela criação das instituições que ostentam seu nome, tais como a Johns Hopkins University, Johns Hopkins Hospital e Johns Hopkins School of Medicine.
Quando Hopkins morreu sem deixar descendência em 1873, sua fortuna pessoal chegava a 7 milhões de dólares, principalmente em ações. Em seu testamento, feito em 1867, ele determinou que seu legado fosse utilizado para a criação de uma universidade e de um hospital – a Universidade e o Hospital Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland. Tratava-se, na época, da maior doação privada feita nos Estados Unidos.
Muitas vezes seu nome é, erradamente, grafado “John”. O peculiar prenome de Johns Hopkins é, na origem, o sobrenome da sua bisavó, Margaret Johns, que se casou com Gerard Hopkins. O casal batizou seu filho Johns Hopkins. O mesmo nome foi dado ao neto deste – o fundador da universidade.

12.954 – MIT cria músculos artificiais de nylon para robô


Pesquisadores do MIT conseguiram usar nylon para criar músculos artificiais que podem ser usados para dar mais capacidades de mobilidade a robôs. Esses “músculos de nylon” são mais baratos e fáceis de se produzir do que as tecnologias já existentes que têm essa mesma finalidade.
De acordo com o TechCrunch, o nylon foi escolhido por ter algumas propriedades características. Mais especificamente, quando o nylon é aquecido, ele diminui de comprimento mas seu diâmetro aumenta. Aquecendo diferentes partes de um filamento de nylon em sincronia, é possível fazer com que o material realize movimentos semelhantes aos de músculos humanos.
Os pesquisadores já conseguiram criar padrões de aquecimento que permitiam que o filamento realizasse movimentos complexos, como um círculo ou um “8”. A fonte de calor, por sua vez, pode ser qualquer uma, incluindo resistências elétricas, reações químicas e a exposição do material a raios concentrados de laser. Naturalmente, cada uma dessas formas de aquecimento pode ser útil para um movimento específico do material.

Robôs mais bolados, melhores calçados
Além de ser mais baratos e simples de se produzir, os músculos artificiais de nylon também têm maior durabilidade e velocidade. De acordo com os pesquisadores, as fibras aguentaram mais de 100 mil ciclos de contração e descontração sem perder sua durabilidade, e são capazes de se contrair/descontrair até 17 vezes por segundo.
Dentre as aplicações possíveis da tecnologia estão, obviamente, robôs com musculatura mais robusta e durável, além de mais capacidades de movimento. No entanto, Ian Hunter, um dos envolvidos na pesquisa, acredita que essa tecnologia também pode ser usada em catéteres biomédicos ou outros equipamentos da área da saúde,=.
Mais que isso, Hunter também vê uma aplicação possível para esses “músculos” em roupas: com fibras de nylon móveis que se ajustam por temperatura, seria possível criar roupas e calçados que se ajustam com perfeição aos corpos de seus diferentes usuários. Ao tocar na pele, a fibra esquentaria e relaxaria; a distância do corpo, por sua vez, faria com que o material encolhesse, ajustando-se melhor.

12.953 – Comércio – Black Friday ou Black Fraude?


black-friday
Comprar produtos eletrônicos na Black Friday nem sempre pode ser a melhor coisa a ser feita se o intuito é economizar algum dinheiro. Principalmente por algumas lojas ainda insistirem em uma prática que pode ser considerada bastante desonesta com o consumidor: aumentar o preço de seus produtos antes da sexta-feira para oferecer “descontos altos” no tal dia.
Em um levantamento realizado com alguns produtos, foi possível observar que o preço mais baixo encontrado na internet variou durante as últimas duas semanas, principalmente no produtos eletrônicos bastante procurados pelos internautas.
Para realizar a comparação dos preços, foi utilizada a ferramenta de histórico de valores do site Já Cotei. Para ela fosse justa, alguns critérios foram adotados como a data limite do dia 13/11, há dez dias da data de publicação desta reportagem, para considerar o aumento. Em alguns casos isso não foi possível já que não havia registros no site, então foi considerado o preço da data posterior.
É preciso destacar também que os preços abaixo são decididos pelas próprias lojas usando como base o preço oficial indicado pelas fabricantes. Os valores quebrados geralmente significam descontos por pagamentos à vista no boleto bancário.

Alguns Exemplos:
Notebook Samsung Expert X22 – alta de 35,5% desde o dia 16/11

Preço em 16/11: R$ 1.759,99
Preço atual: R$ 2.384,99
Maior preço: R$ 2.799,99 em 11/06
Menor preço: R$ 1.759,99 em 16/11
Observação: Esse é o maior preço registrado para o produto desde o dia 20/08 quando ele estava custando a partir de R$ 2.399,00
Notebook Lenovo Ideapad 310 – alta de 20,6% desde o dia 14/11

Preço em 14/11: R$ 1.495,12
Preço atual: R$ 1.804,05
Maior preço: R$ 1.804,05 em 23/11
Menor preço: R$ 1.495,12 em 14/11
Observação: Esse é o maior preço já registrado pelo produto
Notebook HP 14-AP020 – alta de 17,6% desde o dia 13/11

Preço em 13/11: R$ 1.399,99
Preço atual: R$ 1.699,99
Maior preço: R$ 2.279,05 em 28/05
Menor preço: R$ 1.399,99 em 13/11
Observação: Esse é o preço inicial mais alto desde 20/08 quando o aparelho estava R$ 1.899,05

12.952 – Longevidade – Europeus vivem cada vez mais, mas nem sempre com boa saúde


envelhecimento
A proporção de pessoas com mais de 65 anos na UE passou de menos de 10% em 1960 para cerca de 20% em 2015, e pode chegar a 30% em 2060, de acordo com as projeções.
Em 18 estados do bloco (só um deles do leste, a Eslovênia), a esperança de vida é de mais de 80 anos. Porém, isso nem sempre é sinal de boa saúde, visto que na UE há cerca de 50 milhões de pessoas com doenças crônicas, indica o relatório.
Além disso, cerca de meio milhão de europeus em idade ativa morrem a cada ano por doenças crônicas, o que gera cerca de 115 bilhões de euros em gastos públicos.
A UE também destina 1,7% do seu PIB por ano a ajudas para as pessoas com incapacidade laboral ou que estejam de licença, um montante maior que o dos subsídios ao desemprego.
O comissário europeu de Saúde, Vytenis Andriukaitis, citado em um comunicado, lamentou que “um grande número de pessoas morram a cada ano por doenças evitáveis relacionadas com fatores de risco como o tabaco ou a obesidade”.
Na UE, uma entre cada cinco pessoas é fumante, e 16% dos adultos são obesos, em comparação com 11% em 2000.
A obesidade, junto ao consumo excessivo de álcool, são problemas “cada vez maiores” em muitos países da UE, a região onde mais se consome álcool no mundo, indica o relatório.
Os gastos de saúde na UE representaram 9,9% do PIB em 2015, em comparação com 8,7% em 2005.

12.951 – Estranho fenômeno dos céus pode explicar mistério do Triângulo das Bermudas


triangulo-das-bermudas-koska_ill-shutterstock
Um grupo de cientistas teria descoberto o mistério por trás dos inexplicáveis desaparecimentos de navios e aviões no Triângulo das Bermudas.
Steve Miller, responsável pela pesquisa de um grupo de cientistas da Universidade do Colorado, explica que sua equipe conseguiu detectar nessa zona formações de nuvens hexagonais, capazes de produzir “bombas de ar” poderosas. Esse fenômeno pode causar ventos fortes de até 140 km/h e ondas de até 14 metros de altura, capazes de gerar desastres aéreos ou marítimos.
Nuvens com características similares também foram encontradas nos mares do norte. Os pesquisadores acreditam que as duas descobertas poderão estar relacionadas.
Dentre as centenas de casos de embarcações perdidas no Triângulo das Bermudas, destacam-se os desaparecimentos do navio de carga USS Cyclops, da marinha norte-americana, em 1918, do avião comercial British York, em 1952 (com 33 passageiros a bordo) e de um esquadrão de cinco bombardeiros e um barco enviado posteriormente para encontrá-lo em 1945.

12.950 – Neurologia – É melhor tirar um cochilo antes de uma prova do que se matar de estudar


neurociencia
Como gastar aquela hora livre antes de uma prova importante? Segundo uma pesquisa realizada por cientistas daDuke-NUS Medical School em Cingapura, talvez seja melhor tirar uma boa soneca em vez de se matar de estudar.
O estudo foi apresentado no Encontro Anual da Sociedade de Neurociência, que ocorreu em San Diego, nos Estados Unidos. Os pesquisadores contaram que realizaram dois experimentos nos quais 72 voluntários tiveram que assistir palestras de uma hora e vinte minutos de duração sobre 12 tipos diferentes de formigas e caranguejos.
Depois de acompanhar as explicações, os voluntários tiveram uma hora livre, durante a qual poderiam cochilar, assistir a um filme ou estudar o assunto das palestras, para então resolver uma prova de 360 perguntas. O grupo que preferiu cochilar foi o que teve as notas mais altas em ambos os experimentos.
Os cientistas afirmam que vão analisar o assunto mais a fundo para entender melhor os resultados, mas o pesquisador James Cousins adiantou na apresentação: “Os resultados podem indicar que estudar em cima da hora pode ser uma boa a curto prazo, mas os benefícios podem não ser grande coisa a longo prazo”.
Diversos estudos comprovam que uma boa noite de sono é uma excelente forma de memorizar novas informações. Isso acontece porque uma parte do cérebro chamada hipocampo “grava” essas novidades durante o sono. É bem possível que o cochilo, apesar de ter uma duração menor, tenha efeitos parecidos para quem está estudando.
Em entrevista à New Scientist, Cousins afirmou que a equipe vai se aprofundar no assunto, mas que já encoraja seus colegas a tirarem um cochilo no meio do expediente. “Não se estresse tentando memorizar várias informações. Tirar um cochilo pode te ajudar mais”.

12.949 – Desculpa de Bêbado 2 – Tomar cerveja todos os dias ajuda a prevenir doenças do coração


cerva
Um novo estudo da Universidade do Estado da Pensilvânia chegou à recomendação médica dos sonhos: beber cerveja todos os dias. Os cientistas comprovaram que o consumo moderado da bebida pode reduzir as chances de ter um infarto ou outras doenças do coração.
A pesquisa, apresentada em um encontro da Associação Americana do Coração, examinou 80 mil chineses adultos e saudáveis durante um período de seis anos e percebeu que o álcool reduziu o declínio natural dos níveis de HDL – conhecido como colesterol bom, que age como um “detergente natural” ao limpar as moléculas de gordura do sangue.
Ao longo da pesquisa, os participantes responderam questionários sobre seus hábitos alcoólicos e fizeram exames de sangue periodicamente para medir os níveis de colesterol. Aqueles que bebiam doses moderadas de álcool – duas por dia entre os homens e uma entre as mulheres – não viram seus percentuais de HDL despencar tão rapidamente (0.17mmol/por ano). Entre os voluntários mais boêmios ou abstêmios, essa manutenção das taxas de colesterol não foi percebida. As doses de cerveja foram medidas em “pints” (copo de 473 ml) – o volume de cerveja ingerido por um voluntário que bebe moderadamente não chega nem ao conteúdo de duas latas de cerveja.
Apesar dos cientistas terem feito a pesquisa com outras bebidas, os efeitos do consumo de cerveja foram mais perceptíveis. Os resultados do estudo são importantes, porque quanto maiores as concentrações de HDL, menores são as chances de desenvolver placas de colesterol “ruim” nas paredes das artérias e, consequentemente, obstruir o fluxo sanguíneo. Uma boa descoberta, visto que os problemas cardíacos estão entre as doenças que mais matam no Brasil e no mundo.
Mesmo assim, os pesquisadores afirmam que para determinar a relação colesterol bom–cerveja, são necessários outros testes em populações com hábitos diferentes da chinesa. Eles também alertam para os perigos que o excesso de álcool provoca no organismo, como aumento de peso, disfunções no fígado e o desenvolvimento de problemas no sistema nervoso. Ou seja, não é pedindo mais uma saideira que você vai evitar um possível infarto – mas talvez molhar o bico ajude.

12.948 – Nasa comprova: motor “impossível” funciona


foguete-nasa
É uma máquina simples: emite-se um feixe de microondas dentro de uma câmara de ressonância – um cone truncado de metal, fechado em todos os lados. Isso produz movimento na direção oposta da base do cone. Sem que nada saia dele, nem o feixe de microondas.
Não é preciso ser físico para ver como essa máquina parece absurda. Para que uma coisa se mova, é preciso que interaja com outra coisa. O jato move o avião forçando ar contra a atmosfera atrás dele. O foguete expele gases, exercendo força contra esses próprios gases – o que explica como funciona no vácuo.
É Terceira Lei do velho e bom Isaac Newton, uma parte de sua física que está longe de ser aposentada. A famosa ação e reação: o movimento é a reação que acontece ao se empurrar outra coisa – a ação.
Mas, como diria Galileu: “no entanto, se move”. A Nasa acaba de provar que o EmDrive produz uma força de 1,2 millinewtons por kilowatt no vácuo. Não é lá grandes coisas: o Hall Thruster, um foguete avançado de plasma, produz 60.
Mas o Hall Thruster precisa, como todo o foguete, de um propelente – isto é, gases a serem expelidos. E esses gases precisam ser carregados até o espaço, tornando o foguete mais pesado e exigindo mais gases ainda para sair da Terra. Esse é o maior custo e o maior empecilho para viagens espaciais, principalmente de longa distância. O EmDrive está em seus primeiríssimos passos: acabam de provar que ele existe. Talvez ele tenha um potencial bem maior, que ainda não conhecemos.
Então chegamos à pergunta de um milhão de dólares: como funciona? E a verdade é que ninguém faz a menor ideia. A Nasa tentou um palpite arriscadíssimo: a máquina está empurrando o vácuo, o que seria possível por meio de uma interação quântica.
O problema é que, para isso ser válido, seria preciso se adotar toda uma explicação heterodoxa para a física quântica, a teoria da onda piloto. Basicamente abandonada nos anos 1930, ela afirma que a incerteza quântica não existe. Isso vai de encontro a tudo o que se entende por física quântica, atirando pela janela o gato de Schrödinger e 80 anos de conhecimento.
O EmDrive não é só uma possível revolução em viagens espaciais, mas algo que está, já agora, só por existir, bagunçando o coreto aqui na bolinha azul.