13.544 – Folhas caídas no outono viram material de alta tecnologia para eletrônica e energia


mtitecnologia-folhas-viram-supercapacitores
Da biomassa à eletrônica

As estradas do norte da China estão cercadas por árvores kiri, ou paulônia imperial, que são decíduas, ou seja, perdem as folhas no outono. Essas folhas geralmente são aproveitadas pela população, que as queima na estação mais fria.
Hongfang Ma, da Universidade Qilu de Tecnologia, estava pesquisando essas folhas em busca de novas formas de converter a biomassa em materiais de carbono porosos que pudessem ser usados para o armazenamento de energia – em eletrodos de baterias, por exemplo.
Nessa busca, ele desenvolveu um método para converter a massa de resíduos orgânicos em um material de carbono poroso que pode ser usado para produzir equipamentos eletrônicos de alta tecnologia – e justamente para armazenar energia.

Supercapacitor de carbono
Ma usou um processo de várias etapas, mas bastante simples, para converter as folhas caídas das árvores em uma forma de carbono que pode ser incorporada nos eletrodos como materiais ativos.
As folhas secas foram primeiro moídas e a massa resultante foi aquecida a 220º C por 12 horas. Isso produziu um pó composto de pequenas microesferas de carbono. Essas microesferas foram então tratadas com uma solução de hidróxido de potássio e aquecidas por aumentos graduais da temperatura em uma série de saltos, de 450 a 800º C.
O tratamento químico corrói a superfície das microesferas de carbono, tornando-as extremamente porosas. O produto final, um pó de carbono preto, tem uma área superficial muito alta graças a esses poros minúsculos. E essa superfície proporciona ao produto propriedades elétricas extraordinárias.
As curvas de corrente-tensão do material mostraram que a substância poderia ser usada para construir um capacitor excelente. Testes posteriores mostram que, na verdade, o material produz supercapacitores, com capacitâncias específicas de 367 Farads por grama – isto é mais de três vezes mais do que a capacitância dos supercapacitores de grafeno.

Materiais supercapacitivos
Os capacitores são componentes elétricos presentes em toda a eletrônica, armazenando energia entre dois condutores separados um do outro por um isolante. Já os supercapacitores geralmente podem armazenar de 10 a 100 vezes mais energia do que um capacitor comum e podem carregar e descarregar muito mais rapidamente do que uma bateria recarregável típica.
Por isso, materiais supercapacitivos são altamente promissores para uma grande variedade de aplicações de armazenamento de energia, dos computadores aos veículos híbridos e elétricos.
O professor Ma e seus colegas pretendem a seguir melhorar ainda mais as propriedades eletroquímicas do material poroso de carbono, otimizando o processo de preparação e permitindo a dopagem do material, ou seja, a modificação de suas propriedades para aplicações específicas mediante a adição de pequenas quantidades de outros elementos, como se faz com os demais materiais utilizados na eletrônica.

Anúncios

13.532 – Hasta la Vista Baby – Inteligência Artificial pode substituir todos os Humanos Afirmou STEPHEN HAWKING


exterminador
Se as pessoas projetam vírus de computador, alguém projetará uma Inteligência Artificial que vai se aperfeiçoar e reproduzir a si própria.” Concretizar essa profecia feita pelo físico teórico em entrevista à revistaWired parece uma questão de tempo.
Um exemplo é o projeto AphaGo, do Google, que criou um robô capaz de vencer os melhores jogadores de GO, um antigo jogo chinês. Em seguida o projeto de inteligência artificial criou outro robô, que se treinou sozinho, e venceu 100 partidas consecutivas o primeiro robô. Por enquanto é só um jogo, em um ambiente (teoricamente) controlado como o laboratório do Google.
Diariamente, no entanto, surgem novas notícias da evolução da inteligência artificial. Caso essa tecnologia esteja disponível nas mãos de alguém sem tanta preocupação ética, dando liberdades de parâmetros e limites aos robôs, um cenário similar à Skynet de O Exterminador do Futuro não parece tão impossível. “Será uma nova forma de vida que supera os humanos”, alerta Hawkings. Podemos ficar obsoletos.
Não é a primeira vez que o físico alerta sobre os perigos da inteligência artificial. Em uma entrevista concedida à revista Times, em março deste ano, garantiu que o apocalipse robô era iminente, e a criação de algum tipo de governo mundial seria necessário para controlar a tecnologia. Ele destacou principalmente os empregos que serão perdidos para os robôs e a criação de armas militares providas de inteligência artificial.
Para o cientista, já atingimos um ponto sem volta. Como parece que nenhum governante esteja muito preocupado com as ameaças, a opção para Hawking seria a colonização de outros planetas. Mas tem de ser rápido, já que ele colocou um prazo de 100 anos para deixarmos a Terra.
O engenheiro chefe do Google, Ray Kurzweil, já afirmou que a singularidade — quando máquinas inteligentes criam máquinas ainda mais inteligentes — deverá acontecer dentro dos próximos 30 anos. Seja qual for o resultado, o quase ilimitado potencial da inteligência artificial, com capacidade para o bem ou para o mal, precisa ser desenvolvido com o máximo de cautela.

13.526 – App falso se passando pelo WhatsApp teve mais de 1 milhão de downloads


whats falso
Um aplicativo chamado “Update WhatsApp” publicado por um desenvolvedor chamado “WhatsApp Inc.” enganou pelo menos 1 milhão de pessoas.
Como você deveria suspeitar, não se trata do aplicativo verdadeiro do WhatsApp, mas algo que tenta enganar os usuários na loja do Google replicando tanto o nome do app quanto do desenvolvedor. Vale notar também que os criadores do app falso mascararam o título da “empresa” como “WhatsApp Inc.”, mas incluíram um símbolo unicode invisível após o nome para diferenciar da empresa original sem permitir que o usuário percebesse.
O app falso foi alvo de uma campanha de denúncias por parte de usuários do Reddit, que fizeram o caso ganhar notoriedade, o que forçou o desenvolvedor a se mexer e mudar o nome do aplicativo. O aplicativo passou de “Update WhatsApp Messenger” para “Dual Whatsweb Update”; o nome do desenvolvedor mudou para “Live Update Apps”. No entanto, o Google parece ter agido e agora o app está inacessível.
Depois de instalado, o aplicativo tenta se esconder no celular sem apresentar um título e ostentando um ícone em branco. Ele também é capaz de baixar um segundo APK, chamado “whatsapp.apk”, que provavelmente é um aplicativo funcional para o usuário conseguir acessar o serviço e não perceber seu engano.
Isso dito, o estrago que o app causa poderia ser maior. O aplicativo falso tinha como objetivo gerar receita para seus desenvolvedores por meio de publicidade, e não parece tentar roubar informações para desfalcar suas vítimas. Normalmente as pessoas que caem nesse tipo de golpe acabam tendo um destino muito mais complicado.

13.523 – Inteligência Artificial – Estes rostos não pertencem a pessoas reais


facesfalsas
Recentemente, um gerador de imagens que conseguia transformar o desenho mais grosseiro de um rosto em uma imagem de aparência mais realista fez sucesso na internet. O sistema usava um tipo novo de algoritmo, chamado de rede adversária generativa (GAN). Agora, a fabricante de chips NVIDIA desenvolveu um sistema que emprega um GAN para criar imagens muito mais realistas das pessoas.
As redes neurais artificiais são sistemas desenvolvidos para imitar a atividade dos neurônios no cérebro humano. Em um GAN, duas redes neurais são essencialmente opostas uma contra a outra. Uma das redes funciona como um algoritmo generativo, enquanto o outro desafia os resultados do primeiro, desempenhando um papel adversário.
Como parte de suas aplicações expandidas para inteligência artificial, a NVIDIA criou um GAN que usou o banco de dados da CelebA-HQ de fotos de pessoas famosas para gerar imagens de pessoas que na verdade não existem.
A ideia era que os rostos criados pela inteligência artificial pareceriam mais realistas se duas redes trabalhassem uma contra a outra para produzi-las. Primeiro, a rede generativa criaria uma imagem com uma resolução menor. Então, a rede oposta avaliaria o trabalho.
À medida que o sistema avançava, os programadores adicionaram novas camadas que lidavam com detalhes de alta resolução até que o GAN finalmente gerasse imagens de “qualidade sem precedentes”, de acordo com a equipe da NVIDIA.
Na verdade, essa linha entre o que é humano e o que é gerado por máquinas é um tema de muita discussão dentro do domínio da IA, e o GAN da NVIDIA não é o primeiro sistema artificial a imitar de forma convincente algo humano.
Uma série de IAs usam técnicas de aprendizado profundo para produzir uma fala humana. O DeepMind da Google tem a WaveNet, que agora pode copiar o discurso humano quase que perfeitamente. Enquanto isso, o algoritmo de inicialização do Lyrebird é capaz de sintetizar a voz de um ser humano usando apenas um minuto de áudio.
Ainda mais perturbador ou fascinante – dependendo da sua opinião sobre a inteligência artificial – são robôs que supostamente entendem e expressam emoções humanas. Exemplos disso incluem os robôs Sophia, da Hanson Robotics, e Pepper, da SoftBank.
Claramente, uma era de máquinas mais inteligentes já chegou. Conforme a capacidade da inteligência artificial de realizar tarefas que anteriormente apenas seres humanos poderiam realizar melhorar, a linha entre humanos e máquinas continuará a diminuir. A única questão é se ela acabará desaparecendo completamente. [Science Alert]

13.518 – Cidade islandesa possui faixa de pedestre em 3D que evita excesso de velocidade


faixa-pedestre-3d-1
Na pequena cidade de Ísafjörður, na Islândia, uma faixa de pedestres acabou de ganhar um toque de segurança inovador: foi pintada em 3D por meio de uma ilusão de ótica.
Tal design ilusionista dá aos pedestres a sensação de andar no ar, mas seu ponto forte vem na verdade do resultado que gera nos motoristas: eles certamente diminuem a velocidade para passar pela faixa, uma vez que suas listras parecem flutuantes.
O comissário ambiental da Islândia, Ralf Trylla, apelou para tal solução em Ísafjörður depois de ver um projeto semelhante ser realizado em Nova Deli, na Índia. Com a ajuda da empresa de pintura de rua Vegmálun GÍH, sua visão tornou-se realidade.
Abaixo, você pode conferir imagens dessa divertida e segura faixa de pedestre, feitas por Ágúst G. Atlason da Gústi Productions: [BoredPanda]

13.517 – Google em Marte


Os terráqueos que têm o hábito de brincar no Google Street View agora podem explorar um terreno bem mais interessante que a sua vizinhança. Criado em parceria com a Nasa, o mapa 3D AccessMars permite que você navegue pelo poeirão e conheça de perto cada cratera do planeta vermelho – sem precisar sair do conforto de sua cadeira. Todo o percurso é feito nas costas da Curiosity, sonda que a Nasa mantém em Marte, e pode ser melhorada com ajuda de óculos de realidade virtual ou fones de ouvido.
A Curiosity explora o planeta vermelho há cinco anos, doida para achar qualquer evidência que nos permita continuar sonhando com a colonização do território marciano. Não deixe esse aspecto de carrinho de controle remoto enganar você: a máquina tem cerca de 900 kg – mais ou menos do tamanho de um carro popular. Além disso, ela está equipada com 17 câmeras, estrategicamente posicionadas para gerar imagens de alta qualidade de seu entorno. Foi combinando essas imagens que o Google criou a nova ferramenta.
É possível navegar pelo desktop ou smartphone: basta sair deslizando o mouse (ou o dedo) no cenário, por onde sua intuição astronauta lhe guiar. Porém, em vez de se sujeitar à velocidade real de 3,8 cm por segundo da máquina, o usuário pode se deslocar bem mais rápido.
Com a ajuda de um mapa, é possível navegar 360º por vários pontos específicos, como o exato local onde o veículo aterrissou, no longínquo mês de agosto de 2012. É possível também, para aumentar o grau de realidade da experiência, que sua jornada parta da localização atual do Curiosity. Clicando em partes do veículo, por exemplo, é possível ouvir detalhes sobre seu design; apontando o curso para as vizinhanças, você recebe informações sobre a topografia e geologia do local.
Quem lhe acompanha pelo tour guiado é Katie Stack Morgan, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, e dona da voz que tece os comentários sobre a viagem. De acordo com o site Quartz, a Nasa costuma manter os dados da missão sempre atualizados, o que permite gerar novas imagens dentro de uma semana – mais rápido do que a sua rua muda no Street View.

13.512 – Mega Byte – Como bloquear o WhatsApp se seu celular for roubado ou perdido


whats desativar
Então você perdeu o acesso ao seu celular e ao seu chip. Não importa se ele foi roubado, furtado ou você simplesmente acabou perdendo o aparelho, é recomendável bloquear o acesso ao WhatsApp o quanto antes.
O aplicativo guarda algumas das conversas mais delicadas que uma pessoa pode ter, com dados privativos delicados, que podem causar estrago se caírem na mão de alguém com más intenções. Muita gente ainda usa o app para trabalho e pode ter informações delicadas de outras pessoas no aparelho.
Então, é sábio barrar o acesso ao WhatsApp no seu celular antigo o quanto antes. O problema é fazer isso sem acesso físico ao celular. O jeito mais fácil seria cadastrar o aplicativo em um novo celular com o seu número antigo, mas isso pode ser um problema por dois motivos: você pode demorar para conseguir um chip novo, ou você pode demorar para conseguir um celular novo.
O WhatsApp, no entanto, fornece uma outra opção, mas ela não é intuitiva. Depois de contatar a sua operadora para bloquear o seu chip, para que a pessoa com seu celular em mãos não tenha mais acesso a mensagens SMS, você deve seguir os passos abaixo:

1. Abra seu e-mail

2. Componha uma mensagem para o endereço support@whatsapp.com

3. Coloque “Perdido/Roubado: Por favor, desative minha conta” (sem as aspas) como assunto

4. No campo de texto, digite novamente “Perdido/Roubado: Por favor, desative minha conta” (sem aspas)

5. Inclua o seu número de telefone no formato internacional

O formato internacional de um número telefônico brasileiro é +55XXYYYYYYYYY, onde XX é o código de DDD da sua área e YYYYYYYYY é o seu número de telefone. Então, se você mora em São Paulo, e seu número de telefone é 99999-9999, o número deve ser digitado como +5511999999999.

13.506 – Inventor do Bina morre aos 77 anos


inventor bina
O engenheiro eletrotécnico Nélio José Nicolai, inventor do sistema identificador de chamadas por telefone mais conhecido como Bina, morreu na quarta-feira, 11 de outubro de 2017, em Brasília, aos 77 anos. Nicolai apresentou complicações pulmonares enquanto estava se recuperando de um AVC (acidente vascular-cerebral).
Além do Bina, invento pelo qual ele brigou na justiça por mais de 20 anos pelo reconhecimento de direito de uso, o engenheiro tem 41 produtos INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).
icolai detalhou algumas das dezenas de tecnologias que inventou. Um dos exemplos é o sistema de mensagem instantânea de movimentação de cartão de crédito e débito, atualmente usado por bancos e empresas de pagamento.
“Apresentei isto ao Bradesco e Unibanco em 1992, época que registrei a carta patente, mas eles lançaram o serviço sem falar comigo. Hoje o mundo inteiro está usando e as companhias me disseram que eu devo recorrer à justiça”, comentou.
Segundo Nicolai, o mesmo ocorreu com o telefone fixo celular. Em 2004, ele registrou sua ideia no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), assim como fez com todas suas invenções, mas, as operadoras como a Tim, Claro e Vivo passaram a oferecer o serviço de telefone residencial com as mesmas características do celular, a partir de 2010. Outras tecnologias que o mineiro afirma ter inventado são o ‘Salto’, aviso sonoro que indica que a pessoa está recebendo outra chamada, e o ‘Bina Lo’, que registra chamadas perdidas.
“A patente é um patrimônio do país e não das empresas. Elas estão roubando isto do povo. O INPI que decide se a patente é válida e isso não pode mudar. Um juiz não pode contestar o que o instituto faz e uma empresa não pode ignorar uma carta patente”, comentou relembrando o caso do Bina, em que ele assinou contratos de licença de exploração da patente com a Ericsson, mas afirma não ter tido o devido reconhecimento.

13.502 – Física – A Bomba de Antimatéria


antimateria
O mundo foi testemunha do terrível poder destrutivo das bombas nucleares durante a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos as utilizaram sobre Hiroshima e Nagasaki. Até hoje, mais de 70 anos depois, as consequências dessas bombas continuam se manifestando.
Mas nesse meio tempo, as potências nucleares criaram artefatos centenas de vezes mais poderosos. A Rússia, por exemplo, tem em seu poder a Tsar, cujo poder destrutivo é três mil vezes maior que o da bomba de Hiroshima.
Ainda assim, a Tsar parece fichinha perto desta que, se fosse produzida, chegaria a ser cinco vezes mais poderosa que a russa. A bomba em questão utilizaria a “antimatéria”, que, assim como a matéria, teve sua origem no Big Bang. São partículas com propriedades exatamente contrárias à matéria. Sabe-se que, quando uma partícula e uma antipartícula interagem, é causada uma destruição entre elas e ambas são aniquiladas.
Se os cientistas conseguirem criar e conservar átomos de antimatéria nas condições necessárias para ser utilizadas, seus efeitos seriam catastróficos para a vida do planeta Terra. Felizmente, as complicações para criar essa bomba são muitas, e a primeira é o seu valor: acredita-se que para obter 1 g de antimatéria seriam necessários algo em torno de 62,5 trilhões de dólares.

13.501 – Rede mesh: esta tecnologia pode melhorar o Wi-Fi da sua casa


A rede Mesh pode ser entendida como um Wi-fi inteligente distribuído de forma automatizada. Enquanto uma rede tradicional é composta por um roteador ao qual os usuários devem se conectar para trafegar, a rede Mesh é composta por diversos equipamentos similares aos roteadores que, unidos, funcionam como uma única rede. O usuário então pode se conectar a qualquer um dos pontos de acesso sem qualquer distinção…
Assim, o usuário conectado a uma rede Mesh pode se locomover no espaço entre os diferentes pontos de acesso sem perde a conexão ou sequer perceber qualquer mudança. Mas, mais do que isso, o grande trunfo das redes Mesh está na sua capacidade de roteamento automático do sinal.
O sistema faz uma análise instantânea das diversas possibilidades de rotas para o fluxo de informações. O algoritmo se responsabiliza por definir o melhor caminho para chegar até o usuário; sempre da forma mais rápida e com a menor perda de pacotes possível. Esta varredura é feita diversas vezes por segundo.
Há quem confunda a funcionalidade das redes Mesh com os já populares repetidores de sinal Wi-Fi. A história é outra: enquanto os repetidores apenas captam o sinal do roteador principal, amplificam e propagam este sinal, uma rede Mesh é capaz de cobrir uma cidade inteira. Outra diferença dos roteadores tradicionais é a capacidade de dispositivos conectados simultaneamente em uma mesma rede; na Mesh, até 100 equipamentos podem se conectar ao mesmo tempo com igual qualidade de navegação.
De pouco tempo para cá, o poder de processamento dos equipamentos que formam uma rede Mesh evoluiu bastante – o que tornou a solução ainda mais interessante não só para grandes empresas como para usuários domésticos também. Mais do que isso, a queda no preço desses equipamentos foi o que culminou com essa grande visibilidade das redes Mesh atualmente. Hoje, é possível, por exemplo, começar uma rede Mesh doméstica a partir de 500 reais. Ainda é mais caro que um roteador normal, mas as possibilidades de melhoria fazem o custo benefício ser bastante atraente.

 

13.497 – Cientistas criam cola cirúrgica capaz de fechar feridas em menos de um minuto


cola cirurgica
Os dias em que feridas graves exigiam que o paciente fosse costurado podem estar chegando ao fim. Pesquisadores da Universidade de Sydney, na Universidade Northeastern e da Faculdade de Medicina de Harvard desenvolveram uma cola cirúrgica capaz de fechar feridas desse tipo em menos de 60 segundos.
Segundo o artigo publicado pelos cientistas, a cola, que recebeu o nome de MeTro, é uma espécie de gel. Ela é feita com uma proteína humana modificada para reagir a luz ultravioleta. Ela é aplicada a uma ferida e, em seguida, exposta a esse tipo de luz. A luz agiliza a secagem da cola, o que, por sua vez, faz com que a ferida se feche.

A agilidade com a qual a cola se seca faz com que ela seja muito mais eficiente na selagem de feridas do que os tradicionais “pontos” que são usados em cirurgias atualmente. E como ela é feita com proteínas humanas, ela pode ser usada também em feridas em órgãos internos.
Por tratar-se de um gel, ela também é capaz de ser aplicada em tecidos flexíveis, como um coração ou pulmões, que precisam se expandir ou contrair com frequência. O tempo de degradação dela também pode ser modificado; assim, a cola pode ir se desfazendo automaticamente conforme o órgão vai se recuperando, e não é necessário, por exemplo, remover os pontos posteriormente.
Fora isso, de acordo a pesquisadora Nassim Annabi, uma das professoras de engenharia química associadas ao estudo, a cola “não é apenas um selante; ela também ajuda na regeneração dos tecidos”. Com isso, a MeTro poderia, por exemplo, ser aplicada diretamente em um coração logo após um ataque cardíaco.

Testes
No artigo, os pesquisadores descrevem o uso da MeTro nos pulmões de ratos. Durante os testes, eles reportaram que a cola funcionou melhor do que suturas e selantes já disponíveis. A principal vantagem dele era que ele permitia aos órgãos se mover de maneira mais natural durante o processo de recuperação.
Serão feitos ainda mais testes em animais antes de que os pesquisadores comecem a aplicar a MeTro em humanos. No entanto, o BGR estima que ella pode substituir técnicas tradicionais de selagem de feridas em hospitais ao longo dos próximos cinco anos.

13.483 – Mega Byte – Facebook pode usar reconhecimento facial para recuperação de contas


reconhecimento
O Facebook pode ser a próxima empresa a aderir ao reconhecimento facial. Segundo rumores, a rede social estaria testando a tecnologia para ajudar usuários a recuperar a sua conta. A novidade já estaria em testes para um pequeno número de usuários, facilitando a recuperação em casos de ataque de hackers ou esquecimento de senha.
O uso de reconhecimento facial foi reportado pelo editor do The Next Web Matt Navarra, mostrando uma tela do aplicativo do Facebook pedindo para que o usuário olhe para a câmera. Em seguida, questionada pelo TechCrunch, a rede social confirmou o experimento como uma alternativa mais rápida à autenticação de dois fatores por SMS. Além disso, a função será ativada somente em dispositivos em que o usuário já tiver feito login anteriormente.
Ainda não se sabe em detalhes como o Facebook fará o reconhecimento facial do usuário. Atualmente, a rede já possui um recurso usado na identificação de pessoas em fotos que pode servir como banco de dados na comparação do rosto da pessoa. É possível que a empresa de Mark Zuckerberg esteja verificando a confiabilidade da ferramenta antes de liberar para mais usuários.
Atualmente, o Facebook já oferece algumas alternativas para a recuperação da conta. Em alguns casos, a rede social pede para que o usuário aponte fotos de amigos para provar a sua identidade. Além disso, também é possível configurar contatos de confiança para liberar o acesso ao perfil caso a pessoa fique trancada fora dele. No entanto, a expectativa é que o reconhecimento facial agilize e aumente a confiabilidade desse processo.

13.476 – Sonda Ulysses Faz Uma Viagem Para o Inferno


 

ulysses
A estrela mais próxima da Terra não é ainda totalmente conhecida. E precisa ser porque da energia que ele emite depende o controle das naves e estações orbitais que voam nesse espaço. Este ano, uma frota de sondas sobe ao céu para tentar diminuir nossa ignorância
Nunca ele foi focalizado por tantos telescópios e detectores. A sonda Ulysses, solta no espaço desde 1990, agora busca o melhor ângulo para fotografar o seu pólo norte. E, nada menos que oito novos satélites vão subir ao céu. A diferença entre todos esses novos aparelhos e a Ulysses é que eles ficarão em órbita da Terra. A Ulysses gira em torno do centro do Sistema Solar. Mas a missão de todos é uma só: olhar para o Sol.
Ao todo, elas leverão mais de trinta instrumentos espaciais para estudar, principalmente, como a energia solar flui para o nosso planeta. “Estamos aperfeiçoando os nossos sistemas de previsão do tempo no espaço”, disse o astrofísico Richard Marsden, chefe do projeto Ulysses, no Centro Europeu de Tecnologia e Pesquisa Espacial da ESA (Agência Espacial Européia), na Holanda. Com a curiosa expressão “previsão do tempo no espaço”, o cientista se refere à previsão das explosões solares e outras descargas de energia. “Isso é importante para operar com segurança aeronaves, como satélites e estações orbitais, e para conhecermos melhor a influência do Sol sobre a Terra.”
O tema mais importante das pesquisas é o vento solar — a “chuva” de partículas que jorra constantemente da estrela e varre o espaço, envolvendo todos os planetas. Várias das novas sondas fazem parte de programas conjuntos das maiores agências espaciais do mundo, como a ESA e a Nasa.
A Ulysses, um dos projetos das agências americana e européia, tem a tarefa de desbravar os pólos solares, nunca observados antes. Ela passou sobre o pólo sul solar em setembro de 1994 e já enviou novidades. Em maio, deve alcançar o pólo norte.
Aqui você vai ver o que os satélites estão vasculhando no Sol: como ele funciona por dentro, os sinais das atividades nucleares internas, visíveis na sua superfície, e os fenômenos solares que mais interferem no cotidiano terrestre.
O primeiro satélite que a Nasa colocou em órbita da Terra para estudar o Sol foi o Observatório Solar Orbital, em março de 1962. Foram anos importantes para a astronomia solar. Naquela época descobriu-se que o astro não é um corpo estático, mas pulsa, oscilando em tamanho.
Foi também na década de 60 que se chegou a uma segunda descoberta: parte da energia solar é liberada no espaço como neutrinos — partículas subatômicas sem carga elétrica e provavelmente sem massa, que mexem muito pouco com a matéria comum. Para os neutrinos, mesmo os grande corpos como os planetas, não são obstáculo. Eles atravessam todos numa velocidade bem próxima à da luz.
As duas descobertas abriram para a astronomia novas possibilidades de mergulhar no interior do Sol. Medidos aqui da Terra, o fluxo de neutrinos solares se tornou uma forma de calcular as reações nucleares dessa imensa usina. E acabaram levantando novos mistérios.
As pulsações, por outro lado, são usadas hoje pelos astrofísicos como espelhos que refletem diretamente o que acontece nas camadas internas do Sol. É por meio delas que a sonda Soho (sigla em inglês para Observatório Solar e Heliosférico), da Nasa e da ESA, vai acompanhar, a partir deste ano, a viagem da energia pelo interior da estrela, do núcleo até a superfície.
A Soho vai ser seguida, ainda este ano, pela Cluster. Não é uma única, mas, na verdade, quatro sondas que operam simultaneamente. Elas vão analisar o vento solar, montando um mosaico em três dimensões.
Dentro da imensa usina atômica que é o Sol, a cada segundo, 657 milhões de toneladas de hidrogênio são transformados em 652,7 milhões de toneladas de hélio. Os 4,5 milhões de toneladas que faltam na reação são liberados na forma de pura energia. A produção do Sol é um absurdo: 383 bilhões de bilhões de Megawatts. Sim, é impossível imaginar o que isso significa. Mas dá para fazer uma idéia distante: o Sol libera, num único segundo, o equivalente a 13 milhões de vezes toda a energia elétrica que os Estados Unidos consomem num ano inteiro (2,8 bilhões de kilowatts-hora).
Não é preciso chegar muito perto para sentir os efeitos dessa superpotência energética — afinal, essa energia viaja por todo o sistema solar e, portanto, não está restrita à superfície do Sol. Assim, muitas sondas fazem uma boa cobertura dos fenômenos solares permanecendo em órbita da própria Terra. Daqui mesmo, a nave japonesa Yohkoh, entre outras, consegue mostrar toda a violência das explosões solares por meio de fotos da atmosfera solar em raio X.
A Wind, lançada no final de 1994, é outro satélite que não deixa as vizinhanças do planeta. A uma distância máxima de 1,6 milhão de quilômetros da Terra, ela capta as partículas do vento solar antes que elas atinjam o campo magnético terrestre. A segunda etapa da missão será cumprida a partir de dezembro deste ano por outra sonda da Nasa, a Polar, que leva onze instrumentos. Os outros satélites prontos para subir este ano são os americanos Spartan-3, Fast e UV-Star. Também a Argentina vai lançar uma sonda: a SAC-B.
O Sol pode estar muito longe, nas escalas terrestres. Mas 150 milhões de quilômetros não significam nada para a energia. As partículas do vento solar, por exemplo, envolvem todos os planetas, de Mercúrio a Plutão, e vai ainda além. Na Terra, elas criam efeitos como tempestades magnéticas e auroras boreais.
Também para os modernos sistemas de observação, distância não é documento. Tanto é que a sonda Ulysses, a vedete da temporada solar, passou sobre o pólo da estrela em setembro passado, a 345 milhões de quilômetros — quase 2,5 vezes a distância entre o Sol e a Terra — e já apresentou resultados que entusiasmaram a comunidade científica internacional.
Algumas medições confirmaram o que os astrofísicos já sabiam por cálculos: nos pólos, as partículas de matéria são expelidas a 2,7 milhões de quilômetros por hora — quase duas vezes a velocidade registrada no equador. Outros dados são mais surpreendentes: ao contrário do que acontece na Terra, onde a força magnética é mais forte nos pólos do que no equador, o campo magnético do Sol não varia.
Isto é o que o astrofísico Richard Marsden, chefe do projeto Ulysses na ESA, chama de “surpresas e sucessos da missão”. Ele explica que o projeto vai indo tão bem que, em vez de terminar com a passagem pelo pólo norte, em setembro deste ano, a sonda pode permanecer em órbita até o ano 2001. “Aí então, ela pegará o Sol em grande atividade, com imensas erupções jogando mais energia e matéria para o espaço do que o normal”, diz Marsden. “Se compararmos os dois períodos de observação, vamos aprender muito mais.”

Ulysses
A sonda da Nasa e da ESA é a primeira a estudar o espaço interplanetário sobre os pólos do Sol — quer dizer, longe da região da órbita dos planetas. Lançada em 1990, ela coletou dados sobre o pólo sul, em setembro de 1994. Em maio de 1995, deve observar o pólo norte. Pequena, com 3,20 metros de comprimento e menos de 370 quilos, está programada para passar quatro meses fazendo observações.

A sonda Ulysses, lançada em 1990, está estudando pela primeira vez os pólos solares. Ela já sobrevoou o pólo sul e, este ano, vai alcançar o pólo norte.

Traduzindo em números

Apesar de ser uma estrela de tamanho médio, o Sol está entre os 5% dos astros mais brilhantes da Via Láctea.
Distância da Terra: 150 milhões de quilômetros
Diâmetro: 1,4 milhão de quilômetros
Massa: 333 000 vezes a da Terra
Densidade média: 1,41 (a da água é 1, a da madeira, 5, e do ferro, 10)
Período de rotação: 25 dias no equador e 34 dias nos pólos
Força de gravidade: 28 vezes maior do que a da Terra
Temperatura interna: 14,25 milhões de graus centígrados
Temperatura da superfície: entre 3 800 e 6 000 graus centígrados
Composição no núcleo: 64% hélio, 35% hidrogênio e 1% outros elementos
Composição nas demais camadas: 75% hidrogênio, 24% hélio e 1% outros elementos
A terra sente a força de longe
Nosso planeta é como é por causa da energia solar. Mas, além da luz, ela nos chega de outras formas

O gigantesco “saiote” magnético
Por trás da emissão de energia do Sol sobre a Terra está seu campo magnético. Esse íma gigantesco “segura” e vai acumulando as partículas do vento solar até que a imensa pressão cria as erupções. Elas caracterizam períodos de grande atividade do Sol. Os astrônomos costumam comparar seu campo magnético com uma “saia de bailarina”. A rotação faz o saiote ondular. O campo magnético chega a 1 bilhão de quilômetros de distância do Sol. Ou seja, até perto de Saturno.

As explosões e o clima
Houve épocas em que o Sol ficou bem mais fraco e isso pode ter dado origem às eras glaciais. Hoje se sabe que, a cada 22 anos, imensas erupções liberam quantidades anormais de energia. A última tentativa de explicar como as variações de humor do Sol influem no clima da Terra diz que, nesses períodos, a luz visível varia em apenas 0,1%, mas os raios ultravioleta aumentam muito mais. Assim, aquecem a atmosfera da Terra e aumentam a temperatura global.

Luminosa matéria supersônica
As transmissões de rádio, volta e meia, são perturbadas por tempestades magnéticas cuja origem está no Sol. Elas se devem à influência do vento solar, que é formado por partículas com carga elétrica, como elétrons e prótons. Essas partículas invadem a alta altmosfera terrestre a mais de 1,4 milhão de quilômetros por hora e emitem luz, criando as auroras boreais e austrais, e interferindo nos sistemas de comunicação e de navegação das aeronaves. Somente com elas, o Sol perde um milhão de toneladas de matéria por segundo.

Mistérios solares
A estrela que melhor conhecemos ainda esconde muitos segredos.

Quanto mais quente, mais complicado
Um dos mistérios está nos gases da chamada coroa. Como eles podem ser muito mais quentes do que a superfície do Sol? De 13 000 graus, a temperatura salta de repente para mais de 500 000 graus, podendo chegar a 1,5 milhão de graus, na parte mais luminosa da coroa. Tudo indica que a força magnética que impulsiona os jatos de gases também os aquece. Pelos cálculos, porém, a força seria insuficiente para aquecer tanto a coroa. A incerteza, portanto, persiste.

Cadê os neutrinos daqui?
De acordo com a quantidade de radiação que escapa do Sol, sua temperatura interna deveria ser de 15 milhões de graus. Mas, medindo a emissão de neutrinos — partículas subatômicas que fogem do núcleo do Sol em menos de três segundos —, a temperatura não passa dos 14,25 milhões de graus. Mas, se fosse mais frio, o Sol deveria ser menor e brilhar menos. A única explicação é ainda hipótese: apenas parte dos neutrinos seriam captados na Terra. O engano no número de neutrinos emitidos levaria a uma avaliação errada da temperatura.

A impossível pulsação radial
A teoria garante: todos os 10 milhões de tipos de oscilação de tamanho do Sol são caóticos, desordenados. Não há oscilação radial, que atinja a estrela por inteiro, em toda a sua circunferência. Mas o astrofísico Nelson Vani Leister, do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo, mede o diâmetro solar há mais de vinte anos. E garante: o Sol cresce e encolhe 150 quilômetros a cada 1 000 dias. Astrônomos do Observatório de Côte d’Azur, na França, confirmam a observação do brasileiro. “Estamos fazendo um levantamento histórico das pulsações, para ver a que tipo de fenômeno elas podem estar associadas.”

Pulsando como um tambor
O Sol está sempre oscilando. Os gases em ebulição são como ondas acústicas que abalam a superfície — do mesmo modo que a pele de um tambor é abalada com a pulsação do ar em seu interior. Os astrônomos já registraram mais de 10 milhões de pulsações diferentes. Eles conseguem “ouvi-las” com aparelhos chamados espectrógrafos. Nas imagens criadas em computador, as regiões vermelhas estão “afundando” e as azuis, “subindo”.

Soho
O Observatório Solar e Heliosférico (Soho) é um projeto conjunto entre a Nasa e a ESA. Ele vai levantar vôo em outubro na ponta de um foguete Atlas II-AS e deverá orbitar a Terra a cerca de 1,5 milhão de quilômetros. Seus doze detectores vão mandar dados sobre a coroa, o vento solar, as ondas acústicas do Sol, o movimento dos gases da superfície e as variações de radiação.

Cluster
A sonda da Agência Espacial Européia (ESA) vai estudar principalmente os efeitos do vento solar sobre os pólos terrestres. São quatro naves voando juntas. Elas vão carregar instrumentos idênticos que podem mostrar a estrutura e os movimentos das partículas solares que envolvem o planeta, e montar um mosaico em três dimensões. A Cluster entra em órbita da Terra ainda este ano, levada por um foguete Ariane-5.

Yohkoh
O satélite nipo-anglo-americano entrou em órbita terrestre em 1991. Carrega dois telescópios que captam as ondas de raio X. Esse tipo de radiação é emitida por material aquecido a centenas de milhares de graus. A Yohkoh (palavra japonesa para “raio de sol”) tem a grande novidade de bater as “fotos” do Sol a uma velocidade nunca conseguida. Assim, enviadas à Terra, elas se transformam em filmes que mostram detalhes das tremendas tempestades de energia.

Wind
Sua principal missão é analisar o vento solar. Lançado no final de 1994, esse laboratório espacial é projeto conjunto da Nasa e da ESA. Mede 2,40 metros de diâmetro e 1,80 metro de altura. Pesa cerca de 900 quilos. Foi desenhado para permanecer em atividade por três anos, numa órbita entre 29 000 e 1,6 milhão de quilômetros em torno da Terra. A ideia é colher dados sobre o vento solar antes que ele atinja o campo magnético do nosso planeta.

ulysses_orbit

13.473 – ‘Apagão’ momentâneo prejudica semáforos e eletrônicos em São Paulo


sampa hj
Se você teve problemas com seus eletrônicos ou viu a luz da sua casa ou trabalho falhar na manhã desta terça-feira, 26, em São Paulo, aqui está a explicação. Uma falha momentânea de energia deixou um rastro de problemas na capital paulista.
De acordo com informações da BandNews FM, a Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP) confirmou que houve uma pane na distribuição de energia da subestação Milton Fornasaro. O que causou a pane, porém, não foi divulgado.
O problema gerou um pico de energia e um blecaute que durou poucos minutos, mas deixou diversos semáforos inoperantes pela capital paulista. Linhas do Metrô e da CPTM também viram atrasos e interrupções de circulação devido à falha.
Nas redes sociais, diversos usuários relataram PCs desligando sozinhos, falhas no Wi-Fi de locais públicos e outros eletrônicos parando de funcionar repentinamente. Por enquanto, porém, apesar da aparência, nada indica que tenha sido obra de um hacker.

13.471 – Novo supercomputador funciona com “pó mágico” composto de luz e matéria


superpc2
Durante anos, os supercomputadores trouxeram a esperança de resolver alguns dos problemas mais misteriosos e aparentemente insolucionáveis da ciência. O avanço contínuo da computação quântica renovou a expectativa dos cientistas, mas um estudo recente de pesquisadores do Reino Unido e da Rússia leva esse potencial um passo adiante, combinando luz e matéria para formar o que é conhecido como “pó mágico”.
Pesquisadores de universidades em Cambridge, Southampton e Cardiff, no Reino Unido, e no Instituto Skolkovo de Ciência e Tecnologia, na Rússia, demonstraram que uma combinação mágica poderia potencialmente permitir a superação de capacidades mesmo dos supercomputadores mais avançados. As partículas quânticas conhecidas como polaridades, que são luz e matéria, foram capazes de “iluminar o caminho” para soluções simples quando havia problemas complicados. Os resultados do estudo, conforme relatado na revista Nature Materials, acabariam eventualmente levando os cientistas a resolver o que hoje ainda não tem solução.
Misturando matéria

Ao calcular uma solução matemática para um problema complexo com aplicações do mundo real, é essencial garantir o número mínimo de etapas possíveis. O caminho mais direto para uma resposta mantém um baixo risco de confusão ou erros, mas na abordagem dos problemas mais intrincados do nosso universo conhecido, isso se torna uma tarefa aparentemente impossível. “Este é exatamente o problema a enfrentar quando a função objetiva a ser minimizada representa um problema da vida real com muitas incógnitas, parâmetros e restrições”, disse uma das autoras do artigo, a professora Natalia Berloff, do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica de Cambridge e do Instituto Skolkovo de Ciência e Tecnologia.
Berloff, junto com sua equipe, projetou esse uso do “pó mágico” sob um ângulo bastante criativo. Assim como o fogo-fátuo ilumina o caminho para viajantes no folclore escocês, os polaritons atuam como marcadores facilmente detectáveis, orientando cientistas rumo a uma solução. Os átomos selecionados, como o gálio, o arsênico, o índio e o alumínio são dispostos em uma pilha e recebem o direcionamento de um laser. Os elétrons, nessa mistura de matéria leve, absorvem a luz e a emitem em cores diferentes. Dez mil vezes mais leves do que elétrons, os polaritons poderiam atingir densidades que o tornariam um condensado de Bose-Einstein, um novo estado de matéria em que as fases quânticas desses polaritons se sincronizariam e criariam um objeto quântico macroscópico detectável com fotoluminescência. Os cientistas estão, literalmente, criando faróis de luz.
O co-autor do estudo, professor Pavlos Lagoudakis, chefe do laboratório de fotônica híbrida da Universidade de Southampton e do Instituto Skolkovo de Ciência e Tecnologia (onde os experimentos foram realizados), expôs: “Estamos apenas no início da exploração do potencial dos gráficos de polaridade para resolver problemas complexos … Atualmente expandimos nosso dispositivo para centenas de nódulos, enquanto testamos o fundamento de seu poder computacional. O objetivo final é um simulador quântico de microchip que opere nas condições ambiente. ”
Não são apenas as profundidades da astrofísica que contêm problemas insolúveis. A biologia, as finanças, as viagens espaciais e outras áreas do saber têm nascentes profundas de questões não respondidas. São perguntas que um supercomputador, usando poeira mágica para iluminar o caminho até uma solução simples, pode ser capaz de responder. [Futurism]

13.470 – O Exterminador Chegou – PELE ARTIFICIAL AUTORREGENERATIVA SÓ SERVE PARA AS MÁQUINAS – POR ENQUANTO!


exterminador
O avanço tecnológico é vertiginoso em todas as áreas, e a robótica não é exceção. Hoje, os robôs são capazes de perseguir alvos, disparar, pular, correr e, até mesmo, aprender com suas ações, por meio da chamada Inteligência Artificial.
A última novidade no assunto se deu graças a uma conquista da equipe científica da Universidade Livre de Bruxelas, que desenvolveu uma pele artificial autorregenerativa para revestir diferentes modelos de robô.
Desse modo, os robôs equipados com essa pele seriam capazes de se regenerar em caso de cortes, como os produzidos por esfaqueamentos. Naturalmente, essa descoberta remete a robôs como os do cinema, especialmente o lendário “Exterminador do Futuro”.
“Os polímeros são substâncias formadas por muitos ‘fios’. Quando expostos ao calor, são reorganizados e se ligam entre si sem deixar pontos fracos”, afirmou Bram Vanderborght, responsável pela pesquisa que descobriu esse novo tipo de pele artificial.
Com o objetivo de realizar testes, os especialistas criaram uma pinça, uma mão robótica e, inclusive, um músculo artificial – todos fabricados a partir de polímeros da borracha, parecidos com uma gelatina. Quando eles sofrem algum tipo de corte, utiliza-se um pouco de calor para a regeneração.

13.469 – Especialistas afirmam que é seguro deixar a bateria do celular carregando durante toda a noite


smartphone-carregando-durante-a-noite
Embora muitas pessoas o façam de qualquer maneira, o mito sugere que carregar um telefone que já está completamente carregado tem implicações na capacidade da vida útil da bateria. Contudo, segundo Kyle Wiens, chefe da empresa iFixit, com sede na Califórnia e conhecida por criar guias sobre reparação de aparelhos para os consumidores, não é isso que acontece. Com informações da Business Insider.
“Deixar seu telefone conectado à noite não diminui a bateria“, explica. “É tudo sobre uma questão de contagem de ciclos, de como você realmente usa a bateria e o quanto a está fazendo trabalhar”.
A contagem de ciclos é o numero de recargas completas que um smartphone pode ter antes que sua bateria esteja completamente degradada. Por exemplo, se você drena pela metade a bateria de um telefone em carga completa e então recarrega essa capacidade meio vazia, completará meio ciclo.
Segundo Wiens, uma bateria de smartphone comum pode atingir até 400 ciclos de carga, o que provavelmente compreende um ano e meio de uso do dispositivo. Tenha em mente que não é incomum que alguns durem além disso e que as pessoas costumem manter seus aparelhos por mais do que um ano meio.
“Em termos de erosão gradual da vida da bateria, o que se deve ser entendido é que elas estão sempre em declínio”, explica um representante Anker, uma fabricante de acessórios de baterias e carregadores. “Dormir com o telefone carregando durante a noite não fará diferença notável no processo”. Segundo ele, isso ocorre porque os smartphones modernos são projetados para evitar serem carregados para além do que precisam. Em outras palavras, eles sabem a hora de parar.
“Os smartphones, como o nome sugere, são inteligentes”, disse o representante. “Toda unidade possui um chip incorporado que impedirá o carregamento uma vez que a capacidade atinja os 100%. Portanto, desde que o aparelho em questão seja adquirido de um vendedor legítimo, não deve haver perigo em carregá-lo durante toda a noite”.
Wiens acredita que a ideia de que a ação seja prejudicial está relacionada à experiência das pessoas aos celulares mais antigos, com baterias removíveis – que não são mais comuns em aparelhos mais modernos.
Contudo, há um perigo que deve ser considerado durante este carregamento, que é a temperatura. Conforme a própria Apple adverte em seu site, as baterias de lítio utilizadas nos smartphones mais modernos podem ser degradadas pelo calor extremo. No entanto, isto é algo que deve ser observado independentemente do celular estar carregando ou não.

13.459 – Cientistas conectam cérebro humano à internet pela primeira vez


Pesquisadores das escolas de biomedicina e engenharia da Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, na África do Sul, revelaram um feito inédito nesta semana. Os cientistas dizem ter conseguido conectar um cérebro humano à internet pela primeira vez.
O projeto, reportado pelo Medical Xpress, ganhou o nome de “Brainternet”. O líder da pesquisa é o engenheiro Adam Pantanowitz, que, junto a um time multidisciplinar de cientistas, pretende acelerar a coleta de informações sobre o cérebro humano. Basicamente, a ideia é transformar o cérebro em um dispositivo de internet das coisas em estudos específicos.
O Brainternet funciona da seguinte maneira: um voluntário no estudo usou durante dias um headset sem fio de eletroencefalografia (EEG), fabricado pela norte-americana Emotiv, capaz de captar oscilações neurais, também conhecidas como “ondas cerebrais”, isto é, as ordens que circulam de um lado para o outro no nosso cérebro.

O headset então transmite, sem fios, os dados captados para um Raspberry Pi, um minicomputador alimentado por uma bateria portátil e que, por sua vez, roda um software que interpreta esses dados. O Raspberry Pi é então ligado ao Wi-Fi e disponibiliza, em tempo real, todas as informações captadas das ondas cerebrais do voluntário em uma página da web.
O diferencial do estudo é que, neste caso, a comunicação entre o cérebro e a internet não é de via única. O site (Brainternet.me, que já está fora do ar), além de mostrar em tempo real a atividade em diferentes partes do cérebro, também permite certo nível de interatividade. É possível selecionar dados específicos de uma determinada ação, como “erguer o braço esquerdo”. É o que se vê no vídeo logo abaixo, por exemplo, publicado pela equipe de Pantanowitz.
Por enquanto, o projeto é apenas uma prova de conceito e não tem como objetivo ser explorado livremente, e muito menos comercialmente. A expectativa dos pesquisadores, porém, é de que, no futuro, essa tecnologia acelere estudos sobre o cérebro humano, fornecendo uma interface de fácil acesso para cientistas do mundo todo estudarem, pela internet e em tempo real, as ondas cerebrais que comandam nossos pensamentos.

14.458 – Mega Byte – Recurso do WhatsApp é um alívio para celulares com pouca memória


aplicativo-whatsapp-20121220-01-1-original
O APP tem um novo recurso que pode ser uma alívio para o seu smartphone com pouco espaço na memória. Agora, os usuários de celulares com sistema Android podem ver facilmente quanto espaço as mídias, como fotos e vídeos, recebidas no app ocupam no aparelho.
O recurso não é novo para usuários de iPhones, que receberam a novidade antes.
No Android, o caminho é o seguinte: configurações>uso de dados e armazenamento>uso de armazenamento. Ali, você verá todas as suas conversas, listadas da que tem mais mídias ocupando espaço para a que tem menos.
Ao tocar em uma delas, você poderá selecionar a opção gerenciar e escolher excluir as imagens e vídeos compartilhadas naquela conversa.
A novidade deve ajudar especialmente quem tem smartphones com 16 GB de armazenamento ou menos, já que o sistema Android ocupa grande parte desse montante, deixando pouco espaço realmente disponível para o uso.

14.455 Mega Byte – Como não ser Hackeado


download
É importante aplicar as atualizações disponibilizadas pelas empresas dos softwares instalados em sua máquina, principalmente quando falamos de updates para o sistema operacional ou navegador web. Esses patches trazem muitas correções para falhas de segurança e até mesmo de desempenho, que podem ser exploradas por pessoas mal-intencionadas.
Porém, antes de procurar a versão mais recente de um software, lembre-se de que muitos projetos preferem disponibilizar duas versões de atualização: uma oficial, para quem prefere estabilidade, e outra ainda em desenvolvimento (Beta), para quem prefere ter acesso às últimas novidades. Caso o seu propósito seja aumentar a segurança do PC, opte sempre pela versão estável, deixando os pacotes Betas para máquinas de testes.
Boa parte das ameaças virtuais é instalada em seu computador por meio de cliques em anúncios de sites e produtos obscuros. Os chamados spywares não apenas se instalam em sua máquina como também acompanham sua atividade na internet, enviando dados para quem os desenvolveu.
Sendo assim, para combater essa praga e, de quebra, ainda ganhar mais privacidade, tenha sempre instalada alguma extensão que bloqueie esse tipo de anúncios, como a Adblock e a Adblock Plus. Se você deseja saber mais sobre as atividades que o navegador web pode estar executando silenciosamente, instale o Ghostery para Google Chrome.

Um browser para cada ocasião
Conhece aquelas pessoas que usam um carro para o trabalho e deixam outro, mais bonito, na garagem, para uso exclusivo nos fins de semana? Pois a ideia desta dica é a mesma: usar um browser para navegar à toa na internet e deixar um de uso exclusivo para o acesso a internet bankings, compras e outros tipos de operações que exigem mais segurança.
Porém, há algumas regras que devem ser seguidas. Evite, por exemplo, acessar sites de bancos por meio de links ao usar o seu navegador de “final de semana”. É importante acessar o site diretamente, pois, assim, você se livra da possibilidade de cair em um link malicioso, que redirecionará a conexão para um site falso e de aparência semelhante, preparado para capturar seus dados. Se preferir, faça seus próprios favoritos.

Cuidado redobrado com downloads
Boa parte dos programas maliciosos é instalada pela própria vítima. A razão disso é o fato de esses softwares estarem, normalmente, disfarçados de antivírus, jogos ou fotos da festa, uma armadilha que pega muitos desavisados ou desatentos. Por isso, antes de instalar algo, analise bem a origem do pacote: se achar que o site é estranho, não confie.
Outro problema é confiar demais. Desconfie sempre dos anexos enviados por amigos por email, afinal, eles podem não ter tomado os mesmos cuidados que você. Portanto, só faça o download daquilo em que você confia. E, mais importante ainda, só instale softwares que vieram de locais muito confiáveis!

Não acesse a conta do banco em PCs públicos
Evite ao máximo acessar serviços importantes, como a conta bancária, nos computadores de lan houses, escolas, bibliotecas ou hotéis. Lembre-se de que você não tem certeza de que essas máquinas estão livres de programas que podem estar capturando os dados de login e senha que você possa digitar. Se não tiver escolha, tente emprestar o computador de uma pessoa de confiança.

Fique esperto com Wi-Fi público
alvez você tenha pensado que pode acessar, sem medo, sua conta do banco a partir de um telefone ou notebook próprio. Em tese, isso é verdade, mas há mais uma etapa a seguir: por mais que use seus próprios equipamentos, lembre-se de que as suas informações também trafegam pela rede que liga ao site, com ou sem saldo.
Portanto, se estiver conectado pela rede de uma cafeteria ou de outro estabelecimento desconhecido, evite a todo custo o acesso a esse tipo de serviço. Pode ser que softwares estejam monitorando e capturando todos os dados que transitam por essa rede aberta.

hacker larapio

O logout é seu amigo
Depois de usar um computador compartilhado, não se esqueça de se desconectar dos serviços em que você está logado. Não há nada pior do que deixar um computador com inúmeras sessões abertas, como Facebook e internet banking. Se isso acontecer, uma pessoa mal-intencionada não pensará duas vezes antes de roubar seu perfil ou senha.
Como alternativa, você pode limpar todos os dados de configuração do navegador antes de deixar a máquina. Isso é feito de maneira simples por meio do próprio browser, que normalmente conta com funções específicas de privacidade. Outra funcionalidade que pode ajudar é o de aba anônima de navegação, que não grava dados de quem estiver navegando.

Senhas e backups
Se alguém sabe o seu email e conhece bem a sua personalidade e preferências, essa pessoa pode tentar adivinhar a senha dos serviços em que você está cadastrado. Por isso, tente sempre misturar letras (maiúsculas e minúsculas) e números, de um jeito que seja fácil de lembrar.
Outra prática que não pode faltar é o famoso backup, uma cópia de segurança dos arquivos mais importantes, sempre guardada em uma máquina diferente e, se possível, na nuvem. Assim, mesmo que aconteça algo de ruim com seus dados, você poderá recuperá-los facilmente.