10.738 – Noite Branca em Sampa – Lâmpadas de LED podem provocar impacto ecológico


Av 23 de Maio
Av 23 de Maio

No início de outubro, o prefeito de São Paulo anunciou uma Parceria Público-Privada (PPP) para modernizar toda a iluminação pública da capital. Fernando Haddad pretende, por meio de edital, definir um consórcio para substituir cerca de 600 mil lâmpadas, em sua maioria de vapor de sódio (amarelas) ou de vapor de mercúrio (brancas), por modelos de LED branco de última geração. Com um investimento inicial de R$ 1,8 bilhão, o parceiro escolhido deverá otimizar e gerir todas as instâncias do sistema ao longo de 24 anos. A prefeitura afirma que a tecnologia irá aumentar a eficiência da rede e proporcionar maior segurança aos paulistanos; por outro lado, especialistas chamam a atenção para o relativo desconhecimento de possíveis impactos ecológicos resultantes desta transição, que vem sendo implantada em grande escala em cidades do mundo inteiro.
Um estudo publicado em outubro no periódico Ecological Applications alerta que o processo pode levar a um potencial agravamento na infestação de insetos voadores nos ambientes urbanos, quadro que poderia resultar em uma cadeia de desequilíbrios na fauna e na flora. Os animais são mais intensamente atraídos pelo diodos emissores de luz (LED, na sigla em inglês) do que pelas lâmpadas amarelas. Os pesquisadores do centro de pesquisa Scion, da Nova Zelândia, descobriram que a atração aumenta 48% quando comparada com a taxa relacionada às lâmpadas de vapor de sódio.
A causa, segundo eles, tem a ver com a evolução biológica dos receptores de luz das espécies, responsáveis pela orientação espacial em situações noturnas. “O receptor mais comum tem sensibilidade ao ultravioleta, ao azul e ao verde, o que explica o motivo de os insetos serem mais atraídos pelos comprimentos de onda azuis, que compreendem uma proporção muito menor do total de luz que emana de lâmpadas amarelas”, diz o entomologista Steve Pawson, um dos autores da pesquisa. E azul é justamente a cor primária dos diodos emissores de luz branca produzidos industrialmente.
O tom aparentemente branco é adquirido a partir de um revestimento de fósforo que absorve os comprimentos de onda azuis mais curtos, e os reemite em comprimentos maiores, fazendo com que a luz pareça branca aos olhos humanos. Na tentativa de amenizar o efeito nos insetos, os cientistas aplicaram filtros para “esquentar” a temperatura da cor, ou seja, torná-la mais avermelhada. Ao contrário das expectativas, os resultados mostraram que a atração dos animais não é substancialmente reduzida com este procedimento. “Nós suspeitamos que a razão para isso seja que cada LED branco que testamos fosse baseado em um azul, portanto mesmo LEDs brancos quentes possuem uma significativa emissão na região azul do espectro visível”.
A invenção do diodo azul representou o pontapé inicial para a produção industrial do LED branco, que permitiu o desenvolvimento de grandes projetos de iluminação pública como o do prefeito Haddad. A descoberta foi tão celebrada que rendeu o Nobel de Física 2014 para os físicos japoneses Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura. A Fundação Nobel julgou pertinente laurear os pesquisadores por terem criado a chave para uma alternativa mais sustentável e eficiente às velhas fontes luminosas – além de emitirem uma quantidade maior de luz, gastam cerca de metade da energia e duram até três vezes mais do que os modelos mais antigos. “Lâmpadas incandescentes iluminaram o século XX; o século XXI será iluminado por lâmpadas de LED”, prenuncia a organização.
No entanto, de acordo com Alessandro Barghini, especialista em impacto da radiação eletromagnética sobre a biosfera pelo Instituto de Biologia da USP, a ampla adoção dos diodos traz um impasse a partir do ponto de vista ambiental. “O aumento da eficiência de um processo leva a um aumento do uso do mesmo processo: a disponibilidade de iluminação artificial mais eficiente corre o risco de aumentar ainda mais desnecessariamente o fluxo luminoso”, explica. E se os impactos ecológicos da poluição luminosa já são consideráveis atualmente, podem se tornar ainda maiores com o crescente deslumbramento pelo LED.
A PPP anunciada pela prefeitura de São Paulo é, de longe, o mais ambicioso projeto do gênero de que se tem registro – em parte porque a metrópole está entre as dez maiores do mundo e pretende atualizar toda a sua infraestrutura elétrica. Outras cidades já promoveram, ou estão promovendo, programas de substituição de luzes antigas por modelos de diodo, mas em nenhum lugar houve a iniciativa de trocar 600 mil lâmpadas como aqui. Londres, por exemplo, pretende substituir a iluminação de 35 mil postes até 2016, enquanto grandes capitais como Milão, Los Angeles, Houston e Nova Iorque fizeram a opção de implantar em suas ruas entre 150 e 250 mil LEDs nos próximos anos.
Quem mora na capital e transita regularmente pela Avenida 23 de Maio deve ter reparado que desde abril deste ano as lâmpadas nos postes são de diodo branco. O secretário de serviços Simão Pedro defende que a transição trouxe melhorias significativas ao tráfego. “Dois anos de gestão no Ilume nos mostrou que a melhor iluminação diminui os acidentes em grandes vias. Estamos para apresentar um estudo da CET [Companhia de Engenharia de Tráfego] para verificar o quanto diminuíram os problemas de trânsito na região da 23 de Maio entre o aeroporto e o Anhangabaú”, comenta. Outras áreas também já contam com a luz branca do LED, como o Parque Ibirapuera e algumas localidades do centro. “Ninguém nunca questionou, pelo contrário, a população tem gostado muito”, pontua.
Pawson enxerga a medida como uma chance de ouro para os pesquisadores brasileiros empreenderem estudos que avaliem o antes e o depois da transição e, assim, descobrirem de forma mais contundente se existe ou não um lado negro no LED branco. “Eu encorajo os cientistas locais a trabalharem em conjunto com os oficiais do governo para desenvolver um estudo que mensure o escopo e a magnitude de qualquer efeito ambiental deste plano tão ambicioso, de forma que possa ser útil ao processo de tomada de decisão de outras cidades”.

av._23_de_maio_led

10.737 – “Maria vai com as outras” – Eleições brasileiras batem recorde de interações no Facebook


Face "falta de assunto"
Face “falta de assunto”

O período eleitoral no Brasil gerou 674,4 milhões de interações no Facebook, um novo recorde para eleições nos registros da rede social, segundo informou a empresa nesta segunda-feira.
As conversas sobre as eleições brasileiras envolveu 48,3 milhões de pessoas, o equivalente a 54% de todos os usuários ativos do Facebook no país.
O número é nada menos que o triplo do recorde anterior para um período eleitoral, as 227 milhões de interações registradas no pleito da Índia neste ano, um país com 1,252 bilhão de habitantes, seis vezes mais que o Brasil, e com o dobro de internautas, segundo a rede social.
O diretor de relações institucionais do Facebook no Brasil, Bruno Magrani, disse à Agência Efe que as eleições brasileiras foram “um dos maiores eventos vividos na plataforma neste ano”.
“Estamos muito felizes que a plataforma possa contribuir como um importante espaço para a conversa política na internet”, afirmou Magrani.
O evento que mais provocou a participação dos usuários do Facebook na história da rede social foi a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, com três bilhões de interações.
Interações são publicações de textos, fotos, curtidas, comentários e qualquer conteúdo compartilhado. Os dados da rede social sobre a disputa eleitoral começaram a ser calculados desde o início da campanha, em julho.
Dilma Rousseff (PT) foi reeleita no segundo turno das eleições com 51,64% dos votos, contra 48,36% de Aécio Neves (PSDB), segundo dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral após 99,99% da apuração.

10.736 – Essa não!! Ele voltou…- Alemanha “reconstrói” Muro de Berlim para comemorar 25 anos da unificação do país


Marreta nele
Marreta nele

Durante 30 anos, o muro que dividia Berlim em dois representava a tensão da Guerra Fria. Não era apenas a capital alemã que estava partida em dois. O mundo se dividia entre países socialistas, encabeçados pela União Soviética, e capitalistas, ao lado dos Estados Unidos. Em novembro de 1989, com o fim da Guerra Fria, a separação da União Soviética e a predominância dos EUA, o muro foi derrubado. Mas agora, 25 anos depois, ele será reconstruído.
Mas, calma, isso não significa a volta da Guerra Fria e muito menos a transformação da Alemanha em um país comunista. A reconstrução do muro será simbólica: em vez de arames, concreto e vigilância militar, ele será feito de balões de luz. Isso aí. 8 mil balões vão dividir a capital alemã em dois, seguindo a mesma linha do muro, por 16 km.
A ideia de reerguer a barreira foi do artista Christopher Bauder e do cineasta Marc Bauder. Os balões vão cruzar Berlim do dia 7 ao dia 9 de novembro. Ao longo da linha, serão projetadas imagens que mostram como era a Alemanha na época da Guerra Fria e contam histórias de pessoas que tiveram suas vidas separadas pelo muro.
Voluntários também poderão escrever mensagens nos balões biodegradáveis da Lichtgrenze (alemão para “fronteira de luz”) e depois soltá-los no ar.

Karte_berliner_mauer_en

10.735 – Automóvel – Freios: Do tambor ao ABS


freios

Nas últimas décadas, a indústria automobilística evoluiu bastante o sistema de freio dos automóveis. Mas antes de chegar ao patamar tecnológico, vamos conhecer como eram os freios até pouco tempo atrás.
O primeiro e mais antigo tipo, ainda hoje utilizado nas rodas traseiras de alguns modelos mais populares é o freio a tambor. Totalmente mecânico, ele funciona com um cilindro hidráulico que aciona as sapatas de freio para que elas gerem atrito com o tambor e pare o veículo. Além da manutenção complicada, o freio a tambor já não é mais eficiente para os carros atuais.
Em um automóvel, apenas 30% da força de frenagem é feita nas rodas traseiras. Isso explica porque alguns modelos ainda utilizam o freio a tambor atrás. Nas rodas dianteiras, já também há bastante tempo, o que se vê são os freios a disco – responsáveis por 70% da força de frenagem. O sistema de disco também é mecânico: uma pinça hidráulica é acionada quando o motorista pisa no freio e o atrito com o disco faz o carro parar.
Os discos evoluíram com o passar do tempo. Sua maior eficiência em comparação com os freios a tambor se devem principalmente a uma característica…
Mecanicamente, o que evoluiu nos freios a disco foi o material. No automobilismo, os carros de corrida utilizam discos de carbono para aumentar a performance do sistema de frenagem. Mas a maior evolução nos freios a disco não foi mecânica e, sim, eletrônica. A chegada do ABS nos anos 90 foi um avanço enorme na segurança dos automóveis.
ABS é abreviação de “Antilock Brake System” ou Ssistema Antibloqueio de Frenagem. Durante a frenagem de emergência, o ABS evita o travamento de uma ou mais rodas. O ABS funciona com um conjunto de sensores de velocidade instalados em cada roda. Quando o pneu perde aderência com o solo, o ABS alivia automaticamente a pressão hidráulica na roda em travamento evitando a derrapagem.
A partir do ABS, a tecnologia chegou com força total para deixar os sistemas de freios ainda mais seguros e modernos. Uma série de siglas surgiu para classificar os tipos de ABS. Uma das primeiras a aparecer foi o EBD, sigla para “Electronic Brakeforce Distribution” ou Sistema de Distribuição Eletrônica de Frenagem. A grande maioria dos carros com ABS também têm EBD atualmente. Trata-se de um dispositivo eletrônico que distribui a frenagem entre os eixos em situações normais; como dissemos o início, 30% no eixo traseiro e 70% no dianteiro.
Em conjunto com o ABS, outra tecnologia embarcada nos freios a disco é o BAS, sigla para “Break Assist System”. Este é um sistema inteligente de auxílio para a frenagem de emergência que entende por uma série de condições que aquela é uma situação crítica e aumenta a força de frenagem.
Outro dispositivo que aumenta a segurança e eficiência do ABS é o AFU, abreviação do francês para “Aide au Freinage d´Urgence” ou Auxílio à Frenagem de Urgência. Em situações de emergência, a forte trepidação do pedal gerada pelo ABS pode fazer com que o motorista alivie a pressão, minimizando ou até mesmo anulando o efeito do ABS. O AFU corrige esta falha. O sistema é capaz de detectar a velocidade com que o freio foi acionado e se considerar que foi uma frenagem de emergência, aplicar uma força extra ao freio para que o ABS continue funcionando.
A maioria das tecnologias voltadas para performance e segurança nos automóveis veio das pistas. A grande evolução sempre vem do automobilismo. Interessante é que a evolução dos freios é tamanha que a maioria dessas tecnologias foi banida das corridas porque ela acaba tirando a emoção das provas. Carros esportivos de luxo como as Ferraris, por exemplo, trazem tudo que foi desenvolvido para o automobilismo para as ruas.
Recentemente, você viu aqui no Mega uma reportagem sobre o futuro dos carros autônomos, nos quais os motoristas serão meros passageiros. A evolução dos freios vai exatamente nesta direção. Alguns carros mais modernos já possuem sistemas de sensores que brecam o carro automaticamente em caso de emergência ou falha do motorista. Ou seja, se hoje o sistema de frenagem mais moderno ainda depende do motorista, isso não será assim para sempre.

10.734 – Cardiologia – Pela primeira vez, médicos transplantam coração sem batimento


MEDICINA simbolo

Cirurgiões australianos anunciaram nesta sexta-feira que conseguiram, pela primeira vez, transplantar um coração que já havia deixado de bater, avanço que pode revolucionar a técnica de doação de órgãos.
Até agora, médicos utilizavam apenas corações que permaneciam com batimentos, procedentes de doadores com morte cerebral, para realizar transplantes. No entanto, os especialistas do Hospital Saint Vincent, na Austrália, conseguiram desenvolver uma técnica para “ressuscitar” órgãos cujos batimentos ficaram parados por até 20 minutos.
“Nós já sabíamos que, até certo tempo, o coração pode ser reanimado, assim como outros órgãos. Agora, conseguimos fazer isso com a ajuda de uma máquina”, diz o cirurgião Kumud Dhital, professor da Universidade de New South Wales, em Sydney, e um dos membros da equipe.
A técnica consiste em transferir o coração do doador a uma máquina portátil. Nela, o órgão é mantido em uma inovadora solução que o conserva e o reanima, e permanece aquecido e com seus batimentos normalizados até o momento do transplante.
A equipe australiana aplicou a técnica em três pacientes. Dois deles se recuperam com normalidade e um está na unidade de terapia intensiva do hospital australiano.
“É um grande passo para reduzir a escassez de órgãos doados”, disse, em comunicado, Peter MacDonald, diretor do Hospital Saint Vicent. “Eu me atreveria a dizer que, nos próximos cinco anos, veremos cada vez mais transplantes com o novo método.”

10.733 – Lugares Exóticos – Zhangye Danxia


Parque geológico
Parque geológico

É um parque geológico que está localizado no sudoeste da China e contém algumas características muito particulares. Provavelmente, o mais surpreendente são as montanhas multicoloridas conhecidas como acidentes geográficos Danxia. A coloração surreal vem de arenito vermelho e depósitos minerais naturais que se formaram ao longo de 24 milhões de anos. Cada “faixa” é constituída de um mineral diferente e, ao longo dos tempos, elas formam diversas camadas, resultando em um paisagem que se parece com um arco-íris.
A China é o único lugar no mundo com este tipo de formação mineral, e inclusive algumas das formas terrestres tornaram-se Patrimônio Mundial da UNESCO.

10.732 – Mega Sampa – YouTube abre estúdio gratuito em SP


you tube

O Google escolheu um local modesto em Bom Retiro, no centro de São Paulo, para instalar o que a empresa chama de centro de produção de conteúdo para audiovisual, o YouTube Space. É o quinto do tipo do mundo–os outros estão em Nova York, Los Angeles, Tóquio e Londres.
A ideia é oferecer espaço e estrutura básica com equipamentos de filmagem, luz e som para que canais brasileiros do YouTube que tenham entre mil e 10 mil inscritos produzam e melhorem seus próprios vídeos.
O espaço começa a funcionar para convidados nesta segunda (27de out), e a previsão é que ele seja aberto ao público no fim de novembro. O aluguel dos equipamentos será feito por meio da web; o usuário acessará o sistema com as credenciais do YouTube e escolherá o que precisa para fazer o vídeo: tipos de câmeras, microfones, guias e luz.
A ambição da maior plataforma de vídeos é clara: ter conteúdo original que dê força o suficiente para, um dia, concorrer com canais de TV.
O YouTube é o segundo maior mecanismo de busca do mundo, atrás somente do próprio Google. Tem 1 bilhão de visitantes únicos por mês –quase 40% de todas as pessoas que estão na internet.
Mais de 6 bilhões de horas de vídeo são vistas por mês no YouTube, e a plataforma recebe cerca de 300 horas de novos vídeo por minuto.
No Brasil, o segundo maior país em número de pessoas que acessam o YouTube, são mais de 60 milhões de visitantes mensais, segundo dados da comScore. Os brasileiros conectados assistem a uma média de oito horas por semana de vídeo on-line.
Além de estrutura audiovisual, o YouTube também oferecerá cursos, de edição e produção, além de dicas sobre a própria plataforma –por exemplo, sobre como aumentar o número de visualizações e como ganhar dinheiro com os vídeos.
Desde a inauguração do primeiro YouTube Space, em 2012, mais de 30 mil pessoas já participaram de 450 workshops; mais de 6.000 vídeos foram criados, acumulando 750 milhões de visualizações.

10.731 – Programa Espacial Chinês – China lança primeira missão de ida e volta à Lua


foguete chines

A China lançou a primeira sonda espacial de ida e volta à Lua, mais uma etapa de um ambicioso programa espacial que pretende enviar astronautas ao satélite da Terra. “A primeira fase da viagem foi um sucesso”, anunciou a Administração Estatal de Ciências, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional (SASTIND) em um comunicado.
O lançamento da missão Chang’e-5-T1 ocorreu na base espacial de Xichang, ao sudoeste da província de Sichuan. A sonda deve chegar à Lua, dar a volta no satélite e retornar à Terra em nove dias. No total, a sonda deve percorrer 413.000 quilômetros da Terra até o ponto mais distante em oito dias de missão. O pouso está previsto para a região chinesa da Mongólia interior, segundo a agência estatal Xinhua.
Esta é a primeira vez que os cientistas chineses têm como meta o retorno de um módulo orbital, que precisará resistir na reentrada da Terra, em particular às elevadas temperaturas provocadas pela fricção do contato com a órbita terrestre. A nave atingirá no retorno à Terra uma velocidade de 11,2 quilômetros por segundo, antes de reduzir a aceleração. A missão pretende testar a tecnologia que será utilizada na missão prevista para 2017, que deseja coletar mostras da superfície lunar.
Meio século depois do programa Apollo dos Estados Unidos, a China tem a Lua como objetivo.O desejo de Pequim é ser o primeiro país asiático a enviar um ser humano ao satélite natural, provavelmente depois de 2025. Em dezembro de 2013, o país conseguiu levar a sonda Chang’e-3 a pousar na Lua e deixar na superfície lunar um veículo teleguiado batizado de “Coelho de jade”, uma missão que foi considerada um êxito total.

Coelho de Jade
Coelho de Jade

10.730 – Lugares Exóticos – Pamukkale


pamuke

Um dos pontos turísticos mais exclusivos do mundo é, sem dúvida, o local conhecido como “as piscinas de travertino de Pamukkale”, localizado na Turquia. O travertino é um tipo de calcário encontrado em uma série de fontes termais do mundo. Quando a primavera chega, o travertino se solidifica em estruturas escalonadas que seguram a água nascente. O resultado são camadas cristalinas empilhadas em cima umas das outras.
Pamukkale era o antigo local da cidade grega de Hierapolis, e seu nome significa “Castelo de Algodão”. De fato, à distância, é absolutamente isso que parece.

10.729 – Acredite se Quiser – Novo Plano Diretor de SP pode combater a desigualdade


Planeta Verde

Não é fácil criar um Plano Diretor para uma cidade com 12 milhões de habitantes, cerca de 10 milhões de imóveis, circulação diária de cinco milhões de veículos e uma economia municipal que corresponde a 12% da nacional, sendo a 10ª. maior metrópole do planeta e coração financeiro da América Latina. As aspirações de crescimento se não são proporcionais ao seu tamanho, são maiores. “Assim como não é um desafio pequeno combinar tantos interesses e mitigar a desigualdade pelo planejamento urbano”, explica Nabil Bonduki, vereador e relator do novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo (Lei nº 16.050/14), sancionado no final de julho deste ano pelo prefeito Fernando Haddad.
Pelos próximos 16 anos, São Paulo se lança a um novo desafio, segundo Bonduki. Trata-se de organizar, com maior participação popular possível, sua expansão por diretrizes sustentáveis, socialmente justas e economicamente viáveis para a habitação, a mobilidade urbana e a criação de mais áreas verdes. Ao todos são sete princípios que prezam por:
1. Função Social da Cidade,
2. Função Social da Propriedade Urbana,
3. Função Social da Propriedade Rural,
4. Equidade e Inclusão Social e Territorial,
5. Direito à Cidade,
6. Direito ao Meio Ambiente Ecologicamente Equilibrado e
7. Gestão Democrática.

Entre os pontos mais importantes dos 316 artigos na lei do Plano estão:
– o adensamento de imóveis próximos aos sistemas de transporte público,
– o aumento em 117% das áreas voltadas para moradia popular com criação de Zonas Especiais de Interesse Social para famílias que ganham até dez salários mínimos,
– a destinação de 30% do Fundo de Desenvolvimento Urbano para obras de mobilidade,
– a regulação do crescimento vertical máximo nos centros dos bairros,
– a extinção do mínimo de vagas de estacionamento para novos empreendimentos
– a revitalização da zona rural da cidade e novas zonas de proteção ambiental,
– “Além de 164 novos parques, que aumentarão para 82 milhões os atuais 42 milhões de metros quadrados de área verde na cidade”, ressalta Bonduki.
“Sob a nova Lei também será mais caro construir prédios não residenciais no centro expandido, que concentra 67% dos empregos da cidade e conta com apenas 20% dos moradores paulistanos. Se não reduzimos a desigualdade na distribuição de empregos pelas regiões, não teremos uma cidade competitiva e inclusiva”, conta o vereador. A lógica é reduzir os congestionamentos do tráfego pendular, que custam R$ 69 bilhões de reais ao ano para cidade em custos de oportunidade, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas. Ao mesmo tempo, o objetivo é conter em São Paulo um crescente déficit de habitação de 670 mil domicílios, de acordo com dados da Prefeitura.
A dificuldade para desatar o nó que se tornou São Paulo fica mais evidente quando olhamos o processo de aprovação da lei. Desde que foi apresentada à Câmara a reformulação do Plano Diretor pela prefeitura, a tramitação de um substitutivo levou quase 10 meses de debates com 117 emendas apresentadas ao projeto pelo poder legislativo da cidade. “Ao todo, foram 58 consultas públicas intensas e quase mil propostas do setor privado e da sociedade civil organizada mediante a sistematização do processo participativo, a adequação de cartografias e geração de análise de dados pelo Centro de Estudos da Metrópole da Universidade de São Paulo”, conta Bonduki.
O resultado, até então, é positivo. O novo Plano Diretor da cidade foi reconhecido pela ONU como um exemplo a ser seguido globalmente. Recentemente, foi agraciado com o MobiPrize, prêmio da Universidade de Michigan, nos EUA, que prestigia projetos com plataformas participativas no avanço de soluções sustentáveis para a mobilidade urbana. Agora, com base no Plano Diretor, o próximo passo é a discussão de novas leis de ocupação e uso do solo, os planos estratégicos regionais e um novo código de obras e edificação.
Não à toa, a agenda de Bonduki se tornou concorrida desde a aprovação do Plano Diretor. O vereador dá de seis a sete entrevistas por dia, além de receber diversos movimentos sociais em seu gabinete. Professor do departamento de Planejamento da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, foi superintendente de habitação popular da prefeitura de São Paulo no governo de Luiza Erundina (1989-1992), coordenando a construção de mais de 10 mil moradias populares. Em 2011, exerceu a função de secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, quando coordenou a implementação da Lei Nacional de Resíduos Sólidos. Em 2012, foi eleito para a Câmara com 42.411 votos na cidade.
“Primeiro, precisamos pensar em como remunerar também aqueles que são agentes ambientais de proteção por seus serviços. Dessa forma evita-se também a ocupação agora que a prefeitura tem um plano de aquisição. A criação de um fundo de aquisição de parques com participação popular vai se concretizar. A intenção é dobrar os parques, mas tudo depende de como proprietários e a participação popular funcionarão por meio de um conselho municipal ativo com membros da sociedade civil. O Plano prevê a possibilidade de a prefeitura remunerar os proprietários de imóveis urbanos ou rurais para que mantenham ou recuperem ecossistemas com recursos do Fundo Municipal de Meio Ambiente. Existem ecossistemas que precisam ser conservados e seus proprietários necessitam ser incentivados a promover ações de manutenção ou recuperação.”

10.728 – Lugares Paradisíacos – Panjin Red Beach


pajin

Esta paisagem estonteante está localizada na China, perto da cidade de Panjin. Fica no meio de uma imensa área de zonas úmidas no delta do rio Liaohe, mas é a única parte da zona que assume esta coloração vibrante. Ao invés de areia, a praia é coberta com um solo altamente alcalino, necessário para a maioria das plantas sobreviver. Isso deixa bastante espaço e pouca concorrência para Suaeda, uma espécie de alga que tomou completamente os 1,4 milhões de hectares que compõem Red Beach.
No verão, a alga fica com uma coloração verde escura, que não é exatamente de tirar o fôlego. Mas, no outono, as plantas ficam com esse vermelho incrível que você pode admirar na foto acima. A praia é transformada em um verdadeiro espetáculo, estrelado pela natureza local. O único detalhe é que a maior parte da praia é fechada para os visitantes, em um esforço para proteger o ecossistema delicado. Mas há sim uma pequena parte que permanece aberta aos turistas que tiverem o privilégio de conhecer tal região.

10.727 – Mega Byte – Google lança serviço para revolucionar caixa de e-mails


cel e mail

O Google anunciou um serviço de gerenciamento de e-mails chamado Inbox, que tenta organizar a caixa de entrada de seus usuários de uma forma mais inteligente.
O serviço estará disponível na web, exclusivamente pelo navegador Chrome, ou como aplicativos para o iOS (versão 7 ou superior) e Android (versão 4.1 ou superior). Versões especiais para tablets também estão em desenvolvimento.
Por enquanto, o serviço é restrito e, bem à moda Google, exige convites para que o usuário se registre. Você pode pedir para um amigo, ou então solicitá-lo diretamente ao Google enviando um e-mail inbox@google.com.
O serviço parece uma mescla entre o Mailbox, aplicativo de gerenciamento de e-mails que se tornou bem popular e foi comprado pelo Dropbox, e o Google Now, assistente pessoal do Google.
O Inbox é bastante diferente do Gmail, e o Google planeja que as coisas permaneçam deste jeito. O Gmail continuará funcionando do jeito que sempre funcionou, e o Inbox será apenas uma coisa nova, que a empresa define como “algo novo; uma forma melhor de voltar ao que realmente importa”.
Organização por assuntos
O Gmail lançou no ano passado as categorias, que dividem os tipos de mensagens em determinadas abas específicas. Agora o Inbox tenta expandir o conceito para manter a caixa de entrada ainda mais organizada, agrupando recibos de compras, por exemplo, em um lugar só. O usuário pode “ensinar” o Inbox o jeito certo de gerenciar mensagens para que o app junte as mensagens que devem ser unidas.

Informações destacadas
Determinadas mensagens podem ter um cabeçalho que resuma as informações importantes dos e-mails, como o itinerário de um voo, informações sobre um evento ou fotos e documentos enviados por amigos e familiares. O serviço poderá até mesmo mostrar informações que estão na web, mas não estão diretamente na mensagem, como rastreamento de pacotes ou situação de voos.

Lembretes inteligentes
O serviço permite a inclusão de lembretes, parecido com o que você vê no Google Now. Além disso, uma ferramenta chamada “Assists” oferecerá informação relevante à sua lista de afazeres. Por exemplo: ao criar um lembrete para passar na loja de ferramentas, o Assists oferece o telefone da loja e informará se ela está aberta.
O mesmo vale para os seus e-mails. Ao fazer uma reserva em um restaurante, o e-mail de confirmação mostrará um mapa para chegar ao local. Ao comprar uma passagem de avião, o Inbox mostrará o link para check-in, e etc.
Por fim, o sistema também inclui um botão “Soneca”, que permite que você silencie um lembrete até que ele seja conveniente. Você pode pedir para voltar a ser notificado em um determinado horário, ou quando chegar em algum local, como no trabalho ou em casa.

10.726 – Mega Sampa – Trianon, cantinho verde no meio da poluição


Placa_Trianon

O Parque Tenente Siqueira Campos, mais conhecido como Parque Trianon ou Parque do Trianon, foi inaugurado em abril de 1892 com a abertura da Avenida Paulista na cidade de São Paulo. Foi projetado pelo paisagista francês Paul Villon.
O nome Trianon veio do fato de, naquele tempo, existir no local onde hoje se situa o Museu de Arte de São Paulo, em frente ao parque, um clube com o nome Trianon. O arquiteto Ramos de Azevedo desenvolveu o projeto de (1911-1914), na administração do Barão de Duprat, do chamado Belvedere Trianon, construído em 1916 e demolido em 1957 para dar lugar ao museu.
Em 1924, o parque foi doado à prefeitura, e, em 1931, recebeu sua denominação atual em homenagem a um dos heróis da Revolta Tenentista, Antônio de Siqueira Campos.
O parque foi inaugurado em 3 de abril de 1892 e deve ter seu surgimento entendido no contexto do processo de urbanização da cidade de São Paulo daquela época. No ano anterior ocorrera a inauguração da Avenida Paulista. Naquela época, o ambiente cultural da aristocracia cafeeira era dominado por influências do romantismo europeu do século XIX e, dessa forma, o parque acabou ganhando ares de um jardim inglês, apesar de sua exuberante vegetação tropical, remanescente da Mata Atlântica da região do alto do Caaguaçu, atual espigão da Paulista.

Até hoje, firme, forte e reformado túnel da 9 de julho
Até hoje, firme, forte e reformado túnel da 9 de julho

O responsável pelo projeto paisagístico foi o francês Paul Villon, motivo pelo qual o parque às vezes ser citado, nos textos antigos, como Parque Villon. O nome Trianon veio do fato de, naquele tempo, existir no local onde hoje se situa o Museu de Arte de São Paulo em frente ao Parque da Avenida, um restaurante/bar no sub-solo e um mirante no nível da Avenida com o nome Trianon (administrado pelo senhor Vicente Rosati, o mesmo que gerenciava o bar do Theatro Municipal), onde foi construído de (1914-1916) o chamado belvedere da Avenida com projeto do arquiteto Ramos de Azevedo.
Na avenida entre ambos ocorria a largada de várias corridas de automóveis e em 1924, ocorreu a primeira Corrida de São Silvestre, largando desse mesmo lugar. Ainda nesse ano foi doado à Prefeitura da cidade e em 1931 o parque recebeu seu nome atual em homenagem ao tenente Antônio de Siqueira Campos, um paulista de Rio Claro, herói do Movimento Tenentista de 1924.
A partir de 1968, na gestão do prefeito Faria Lima, o parque passou por várias mudanças que tiveram a assinatura do paisagista Burle Marx e do arquiteto Clóvis Olga. E em data recente o parque foi tombado pelo CONDEPHAAT e pelo CONPRESP.
Atualmente o Parque Trianon possui em seu interior, além da única reserva remanescente de mata atlântica da região, outros atrativos como a estátua do Fauno de Vítor Brecheret, um viveiro de aves, fontes, chafarizes, locais de recreação infantil, sanitários públicos e centro administrativo, tornando-se um refúgio de lazer e descanso no meio da agitada Avenida Paulista.

Pq_SiqueiraCampos

10.725 – Lugares Exóticos – Spotted Lake


spotek

O Vale Okanagan está na fronteira sul da província canadense chamada Colúmbia Britânica. Por milhares de anos, as tribos indígenas viveram e lutaram neste vale, e suas histórias deixam o lugar ainda mais charmoso. Uma de suas lendas mais famosas é sobre as propriedades de cura do lago, que são anunciadas até hoje.
Ele também conta com grandes concentrações de 11 minerais diferentes, incluindo cálcio e sulfato de magnésio, e alguns vestígios de titânio e prata. No verão, quando parte da água do lago evapora, os minerais precipitam em espécies de “buracos” arredondados. Cada buraco assume uma cor diferente, dependendo de quais minerais estão em maior concentração em cada um deles.

10.724 -☻Mega Byte – Brasil teve 43 milhões de ataques de malware no primeiro semestre


_virus

O termo “malware” é proveniente do inglês “malicious software” (“software malicioso”); é um software destinado a infiltrar-se em um sistema de computador alheio de forma ilícita, com o intuito de causar alguns danos, alterações ou roubo de informações (confidenciais ou não). Vírus de computador, worms, trojan horses (cavalos de troia) e spywares são considerados malwares. Também pode ser considerada malware uma aplicação legal que, por uma falha de programação (intencional ou não) execute funções que se enquadrem na definição supra citada.
Os programas antivírus e antispyware são algumas das ferramentas mais comuns para prevenir que estes tipos de programas entrem no computador e o danifiquem. O utilitário analisa um programa de computador antes de executá-lo e encerra-o se reconhecer uma “assinatura” de um código mal-intencionado. Muitos antivírus também avaliam os programas para determinar se eles contêm quaisquer características relacionadas a vírus.
Vírus é um programa de computador malicioso que se propaga infectando, ou seja, inserindo cópias de si mesmo e se tornando parte de outros programas e arquivos de um computador. O vírus depende da execução do arquivos hospedeiros para que possa se tornar ativo e continuar o processo de infecção. Muitas vezes, recebemos um ou mais e-mails de empresas (pessoas) que não conhecemos: nunca devemos abrir esses e-mails, pois podem conter vírus e, uma vez abertos, o vírus automaticamente propaga-se por todo o computador.
Worm é um programa capaz de se propagar automaticamente através de redes, enviando cópias de si mesmo de computador para computador. Diferente do vírus, o worm não embute cópias de si mesmo em outros programas ou arquivos e não necessita ser explicitamente executado para se propagar. A sua propagação dá-se através da exploração de vulnerabilidades existentes ou falhas na configuração de softwares instalados em computadores;
Trojan (Cavalo de Troia): programa que se passa por um “presente” (por exemplo, cartões virtuais, álbum de fotos, protetor de tela, jogo etc.) que, além de executar funções para as quais foi aparentemente projetado, também executa outras funções normalmente maliciosas e sem o conhecimento do usuário. Um exemplo típico é o Cavalo de Troia;
Keylogger é um programa capaz de capturar e armazenar as teclas digitadas pelo usuário no teclado de um computador. Normalmente, a ativação do keylogger é condicionada a uma ação prévia do usuário, como, por exemplo, após o acesso a um site de comércio eletrônico ou Internet Banking, para a captura de senhas bancárias ou números de cartões de crédito;
Screenlogger é a forma avançada de keylogger, capaz de armazenar a posição do cursor e a tela apresentada no monitor, nos momentos em que o mouse é clicado, ou armazenar a região que circunda a posição onde o mouse é clicado;
Spyware é a palavra usada para se referir a uma grande categoria de software que tem o objetivo de monitorar atividades de um sistema e enviar as informações coletadas para terceiros. Podem ser usadas de forma legítima, mas, geralmente são usadas de forma dissimulada, não autorizada e maliciosa;tem com principal ferramenta (URL falso);
Adware, do Inglês Advertising Software. Software especificamente projetado para apresentar propagandas. É muito comum aparecerem na hora de instalar um programa. Sua inclusão tem como objetivo o lucro através da divulgação;
Backdoor é um programa que permite a um invasor retornar a um computador comprometido. Normalmente, este programa é colocado de forma a não ser notado;
Exploits é um programa malicioso projetado para explorar uma vulnerabilidade existente em um software de computador;
Sniffers é usado para capturar e armazenar dados trafegando em uma rede de computadores. Pode ser usado por um invasor para capturar informações sensíveis (como senhas de usuários), em casos onde esteja sendo utilizadas conexões inseguras, ou seja, sem criptografia. Deixa a placa de rede em modo promíscuo;
Port Scanners é usado para efetuar varreduras em redes de computadores, com o intuito de identificar quais computadores estão ativos e quais serviços estão sendo disponibilizados por eles. Amplamente usados por atacantes para identificar potenciais alvos, pois permite associar possíveis vulnerabilidades aos serviços habilitados em um computador;
Bot é um programa que, além de incluir funcionalidades de worms, sendo capaz de se propagar automaticamente através da exploração de vulnerabilidades existentes ou falhas na configuração de softwares instalados em um computador, dispõe de mecanismos de comunicação com o invasor, permitindo que o programa seja controlado remotamente. O invasor, ao se comunicar com o Bot, pode orientá-lo a desferir ataques contra outros computadores, furtar dados, enviar spam etc;
Rootkit é um conjunto de programas que tem, como fim, esconder e assegurar a presença de um invasor em um computador comprometido. É importante ressaltar que, apesar do nome, “rootkit” não é usado para obter acesso privilegiado (root ou Administrator) em um computador, mas sim para manter o acesso privilegiado em um computador previamente comprometido.
Quantum cria site falso para implantar sistemas – usado pelo GCHQ na Vigilância de Computadores e Redes.

10.723 – Psicologia – Introvertidos ficam mais inibidos após um cafézinho


Santo cafezinho
Santo cafezinho

Depois de algumas xícaras de café, extrovertidos conseguem realizar suas tarefas mais eficientemente, enquanto os introvertidos pioram seu rendimento”, afirma o escritor da obra “Me, Myself, and Us: The Science of Personality and the Art of Well-Being”, Brian Little. No novo livro, ele conta como as pessoas introvertidas devem evitar café antes de momentos importantes
Segundo o psicólogo, isso se deve a ideia de que introvertidos e extrovertidos possuem níveis diferentes de estimulação do neocórtex, no cérebro. “Em outras palavras, isso significa o quão alerta você está em seu ambiente”. De acordo com essa teoria, os mais reclusos costumam possuir níveis ótimos e os extrovertidos mais baixos.
Para o autor, o problema do café está no fato de ele ser um estimulante natural. Ou seja, após sua ingestão ele pode elevar os níveis de atenção dos introvertidos demasiadamente. Assim como outros alimentos que possuem tal fator, o café acaba por atrapalhar – por excesso – aqueles que já estavam preparados. O contrário ocorre com os extrovertidos, que se aproveitam muito da cafeína.
E para concluir, Little também conta aos introvertidos qual o momento ideal para aquele cafezinho: “Tente não tomar antes de grandes reuniões ou momentos muito importantes. A melhor coisa a se fazer é tomar uma xícara no fim da tarde”.

10.722 – Astronomia – Chuva de meteoros do cometa Halley poderá ser vista a olho nu na noite de hoje


meteoro

O cometa Halley passa pelos céus terrestres em média a cada 75 anos, mas o nosso contato com ele é bem mais frequente do que isso: anualmente, nos meses de maio e outubro, a Terra atravessa regiões do espaço repletas de detritos que se desprenderam do núcleo do astro. Quando cruzamos com estes rastros do Halley, os fragmentos se incineram na nossa atmosfera e o resultado são belas chuvas de meteoro, como a que terá seu pico de atividade nas noites desta segunda-feira (20/10) e terça-feira (21/10).
As Orionídeas poderão ser vistas a olho nu de todo o país, se as condições climáticas de sua cidade colaborarem e se o local não apresentar muita poluição luminosa. O horário ideal para a observação começa na noite de hoje, às 23h, e se estende até pouco antes do amanhecer desta terça-feira. Segundo a NASA, a madrugada oferecerá as melhores oportunidades de visualização dos meteoros, que podem aparecer a uma taxa de 20 a 30 por hora. O fenômeno deve continuar nas próximas noites, só que com uma intensidade cada vez menor.
Para apreciar este tipo de evento, não é necessário nenhum tipo de equipamento astronômico, como binóculos ou telescópios: por cruzarem o céu muito rapidamente, as estrelas cadentes devem ser vistas a olho nu. Uma boa notícia é que a lua não atrapalhará as Orionídeas deste ano, já que se encontra em quarto minguante, quase atingindo a fase nova, quando não reflete luz e, portanto, não compromete a visibilidade do céu noturno.
Quem quiser observar o fenômeno deve olhar para a direção leste e encontrar a constelação de Órion, onde estará localizado o radiante da chuva – ponto do qual os meteoros parecem se originar. Uma boa referência são as populares Três Marias, que na verdade são o cinturão de Órion, estrelas que ficam próximas ao radiante.

10.721 – Surfe – Lei que cria ônibus para transportar pranchas de surf é aprovada no PR


prancha06

Os deputados estaduais do Paraná aprovaram um projeto de lei para obrigar as empresas de ônibus que atendem ao litoral do estado para que coloquem suportes para transportar pranchas de surf nos veículos. A mudança passou em segunda discussão na Casa e segue para o governador, que pode decidir pela sanção ou veto ao projeto.
Conforme o texto original, as empresas que operarem linhas nessas cidades devem reservar, no mínimo 10% da frota com o equipamento. De acordo com o texto, além das pranchas para a prática de surf, os suportes devem ser capazes de transportar também pranchas de bodyboard, longboard e stand up surf.
O projeto de lei garante ainda que o transporte das pranchas deve ser gratuito, desde que limitado a uma prancha por passageiro. Outra medida prevista é que os ônibus com o suporte devem ser identificados pelo nome “Surf Bus”.

10.720 – Anatomia – Para que servem as amígdalas?


amigdalas

Elas nos ajudam a criar anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Devido à sua localização estratégica – na encruzilhada entre a boca, o nariz e a garganta -, as amígdalas acabam percebendo e processando todas as bactérias que invadem o organismo, pelo ar ou pelos alimentos. “Sua principal função é desenvolver anticorpos para combater bactérias específicas, para que o corpo consiga se defender rapidamente e crie imunidade caso seja atacado pela mesma bactéria numa próxima vez”, afirma o otorrinolaringologista Luc Weckx, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Até o final da década de 70, quando ainda se desconhecia a utilidade das amígdalas, era comum a cirurgia para retirá-las. O objetivo era livrar-se das amigdalites: inflamações corriqueiras, causadas pelas próprias bactérias com que as amígdalas entravam em contato para defender o organismo. Em certas pessoas, isso pode se tornar constante, o que os médicos chamam de amigdalite recorrente.
Outra enfermidade comum é a hiperplasia, quando as amígdalas crescem demais, dificultando a respiração e a ingestão dos alimentos. “Hoje em dia, os antibióticos dão conta de grande parte das amigdalites. Por isso, a remoção só ocorre quando há realmente necessidade”.
Existem três tipos de amígdalas para nos proteger das bactérias
Como está implícito em seu nome, a amígdala rino-faríngea fica entre a faringe (início da garganta) e o canal que leva ao nariz As amígdalas palatinas ficam no fundo do céu da boca, também chamado de palato As amígdalas linguais ficam, obviamente, na língua – mais precisamente em sua base.

10.719 – Atmosfera – A Nuvem Cúmulo Nimbo


Eu acho que vem água por aí...
Eu acho que vem água por aí…

Um cúmulo-nimbo ou, em latim cumulonimbus , é um tipo de nuvem caracterizada por um grande desenvolvimento vertical. Tipicamente, surge a partir do desenvolvimento de cúmulos que, por ação de ventos convectivos ascendentes, ganham massa e volume e passam a ser cumulus congestus e, no auge de sua evolução, torna-se um cúmulo-nimbo, quando atingem mais de quinze quilômetros de altura. Uma de suas principais características é o formato de bigorna que forma-se em seu topo, resultado dos ventos da alta troposfera.
Tipicamente produzem muita chuva, principalmente durante os meses mais quentes do ano. Nuvens isoladas possuem ciclo de vida médio de uma hora. Classificam-se em dois tipos principais, cuja diferença é o seu formato superior, enquanto que características peculiares ganham denominações especiais.
Este tipo de nuvem frequentemente associa-se a eventos meteorológicos extremos, como a ocorrência de tempestades com muitos raios e chuva volumosa, além de granizo e neve. Podem ocorrer isoladas, em conjunto (formando multicélulas) ou associadas à frentes. Um cúmulo-nimbo, ao atingir o extremo de seu desenvolvimento, forma uma supercélula que, por sua vez, é responsável por eventos extremos, como fortes chuvas de granizo, muitos raios e tornados.
Uma nuvem cúmulo-nimbo em seu ápice de desenvolvimento apresenta uma forma primariamente vertical, cuja altura se estende por mais de quinze quilômetros, especialmente nas regiões tropicais, embora possa ocorrer em praticamente todo o mundo. Logo abaixo de sua base, devido a sua grande espessura, manifesta-se grande escuridão pelo bloqueio da luz solar. O que caracteriza um cumulonimbus maduro na maioria das vezes é a formação de uma estrutura em seu topo com textura fibrosa ou estriada, cuja forma lembra a de uma bigorna, enquanto que, em sua base, tipicamente encontram-se nuvens com forma de bulbos ou cúmulos menores.2 Estas nuvens podem manifestar-se isoladamente ou em grupos.
Ocorrem tipicamente nos meses mais quentes do ano, durante o período da tarde ou também associadas a frentes frias. Podem surgir também próximo a cadeias montanhosas em função da formação de ventos orográficos que possibilitam seu desenvolvimento vertical.
Em seu interior, os ventos podem chegar a mais de 150 quilômetros por hora. Sua base é formada por gotículas de água enquanto que, conforme a altitude aumenta, formam-se mais cristais de gelo que, no topo, são o componente principal. Tempestades provocadas por cumulonimbus podem ter várias formas de precipitação, com gotículas de água, neve e granizo.
O cumulonimbus desenvolve-se a partir da nuvem cumulus congestus, oriundos do desenvolvimento dos cúmulo que, por sua vez, têm início a partir de ventos ascendentes ricos em vapor de água. A altitude da base da nuvem está diretamente relacionada com a quantidade de vapor disponível, sendo que em regiões tropicais, onde a umidade é tipicamente maior, as nuvens são mais baixas comparadas com regiões áridas. O desenvolvimento deve-se aos ventos convectivos que levam umidade para cima, impulsionando seu crescimento vertical e ganho de volume.
Os cúmulo-nimbos são a fonte primária da ocorrência de raios na atmosfera. Entretanto, nem todas as nuvens deste tipo produzem descargas elétricas. A atividade elétrica da nuvem deve-se ao processo convectivo que a formou em que, de acordo com o modelo mais aceito, as partículas de gelo com diferentes propriedades intrínsecas chocam-se e, consequentemente, surgem cargas elétricas que distribuem-se por toda sua extensão, criando um campo elétrico e permitindo a ocorrência das descargas. Quando a atividade elétrica é intensa, a nuvem passa a ser conhecida também como trovoada.
Em uma nuvem com desenvolvimento típico, a chuva inicia-se de forma súbita pouco depois de sua transição de cumulus congestus para cumulonimbus. Nota-se que, conforme os ventos deslocam a nuvem, esta deixa um traço de chuva na área sobre a qual passou. Tal traço pode estender-se de alguns quilômetros a até cem quilômetros da origem da tempestade. A chuva proveniente do núcleo da nuvem possui grande intensidade, enquanto que a água proveniente das regiões mais altas da bigorna evapora-se antes mesmo de atingir o solo. O ciclo de vida de um cúmulo-nimbo é de aproximadamente uma hora.
A previsão de chuvas deste tipo é extremamente difícil, pelo fato de serem eventos localizados. Comumente, o volume acumulado de chuva encontra-se entre um e dez milímetros.

Pileus3-saarburg