13.916 – Zoologia – O Voo das Aves


albatroz
Só para de voar para reproduzir

A capacidade de voar das aves é totalmente dependente de uma série de adaptações que permitiram a conquista do ambiente aéreo. No sistema respiratório pulmões alveolares são combinados com sacos aéreos que não participam das trocas gasosas, mas criam um fluxo de ar contínuo e em uma única direção nos pulmões. Esses sacos aéreos possuem aproximadamente nove vezes o volume dos pulmões, ocupam a maior parte da cavidade dorsal do corpo e se estendem por cavidades internas dos ossos, formando os ossos pneumáticos que são leves e resistentes. Além disso, o fluxo de ar de sentido único maximiza a eficiência das trocas gasosas, permitindo o voo em altas altitudes, e dissipam o calor produzido pelos altos níveis de atividade muscular durante o voo através dos fluxos de corrente cruzada de ar e sangue nos pulmões.
Além dos ossos pneumáticos, algumas características dos órgãos internos das aves também reduzem sua massa corpórea. Elas não têm bexiga urinária e a maioria das espécies tem somente um ovário. As gônadas, tanto de machos quanto de fêmeas, são geralmente pequenas e regridem ainda mais quando a época de reprodução termina. Por outro lado, os corações são grandes e a velocidade de fluxo sanguíneo é alta para garantir a demanda de oxigênio durante o voo.
As penas também são estruturas protagonistas do voo, em especial as rêmiges (penas da asa) e as rectrizes (penas da cauda). Ao contrário de um avião, nas aves as asas não só promovem estabilidade durante o voo, mas também fazem a propulsão do animal. As rêmiges primárias, inseridas nos ossos da mão, são responsáveis pela maior parte da propulsão quando a ave bate suas asas, e as secundárias, inseridas no antebraço, fornecem a força de ascensão. Com a mudança da forma e da área das asas, assim como sua disposição em relação ao corpo, a ave consegue controlar a velocidade e a força de ascensão, o que permite a realização de manobras, mudança de direção, aterrissagem e decolagem. Aves que levantam vôo rapidamente têm asas largas e arredondadas, que lhes dão aceleração. Já as aves que voam por um longo período têm asas longas. Aquelas que voam em alta velocidade (aves de rapina, por exemplo) possuem asas longas e curvas com extremidades pontiagudas, para reduzir o atrito com o ar, e as aves que realizam muitas manobras de mudança de direção terão, por sua vez, caudas profundamente bifurcadas.
Obviamente, a capacidade de voo desenvolvida pelas aves é muito vantajosa evolutivamente, pois se mantém até hoje. Porém, como toda atividade desenvolvida por qualquer organismo vivo, gera um custo energético, o qual neste caso é muito alto. Por esse motivo, é tão comum vermos as aves que voam longas distâncias voarem em grupos, geralmente em uma formação específica. Pelicanos, por exemplo, quando voam em formação, alternam entre si o batimento das asas e planeio em uma sucessão regular. Dessa forma, esses animais aumentam seu tempo planando e, consequentemente, diminuem sua frequência cardíaca e seu gasto energético em comparação com o voo individual.

13.886 – Zoologia – O Jaguarundi


jaguarundi
(Felis iaguarundi)

Um felino de cauda longa e membros curtos, cujo porte lembra uma grande doninha. A coloração do pelo vai do vermelho ferruginoso ao cinza. Habita campos do sudoeste dos EUA até a Argentina, alimentando-se de pequenas presas e frutas.
Por causa de seu tamanho reduzido e à ausência de pintas ou listras que tornam visados os felinos maiores e mais carismáticos, o jaguarundi é pouco conhecido.
A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) atualmente coloca o jaguarundi na categoria “Pouco Preocupante” (Least Concern) globalmente, mas os pesquisadores não sabem se a população está estável ou em declínio.
O jaguarundi pode ser encontrado desde o sul do Texas até o centro-sul da Argentina. É semelhante ao gato doméstico, mas tem o dobro do tamanho, cara achatada e orelhas arredondadas. É ágil como uma fuinha e tem a cauda longa como a de uma lontra, o que lhe rendeu os apelidos de “gato-fuinha” e “gato-lontra”. Embora seja geralmente considerado o gato mais comum no hemisfério ocidental, um novo estudo na revista científica Mammal Review revela que tanto os biólogos como o público em geral sabem muito pouco acerca deste enigmático carnívoro – e que este pode estar muito mais ameaçado do que se pensava.
“Com base naquilo que hoje sei e suspeito sobre a distribuição do jaguarundi, eu defenderia um aumento das medidas de conservação de vários habitats neotropicais ameaçados”, disse Anthony Giordano, autor do estudo e fundador da SPECIES (Sociedade para a Preservação de Carnívoros Ameaçados & para o seu Estudo Ecológico Internacional). Para esse relatório, Giordano conduziu uma revisão meticulosa da bibliografia disponível, incluindo artigos não publicados e relatórios revisados, avistamentos documentados e relatados pessoalmente, e levantamentos de campos sobre mamíferos.
A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) atualmente coloca o jaguarundi na categoria “Pouco Preocupante” (Least Concern – LC), mas os pesquisadores não sabem se sua população está estável ou em declínio. Devido à sua coloração castanha, parda ou acinzentada, o jaguarundi escapou à devastação que ocorreu com outras populações de felinos malhados, perseguidos pelo comércio de peles. Embora não sejam caçados frequentemente, há ocorrências em alguns locais, e estas podem aumentar à medida que outros predadores vão desaparecendo da paisagem.
De acordo com Giordano, vários fatores contribuem para o baixo nível de prioridade de conservação que se atribui ao jaguarundi. Sua distribuição norte-sul é relativamente vasta – depois do puma (Puma concolor), trata-se do felino com maior distribuição no hemisfério ocidental – sendo localmente comum em certas áreas. São ativos durante o dia; por isso, são avistados mais frequentemente por pesquisadores de campo e pelo público. Ainda assim, o jaguarundi não é muito conhecido, devido ao seu pequeno tamanho e à ausência de pintas ou listras que tornam visados os felinos selvagens maiores e mais carismáticos.
O jaguarundi ocupa uma grande variedade de habitats nas Américas, desde os campos de vegetação baixa na fronteira entre os Estados Unidos e o México, passando por todas as principais ecorregiões do Brasil até chegar ao centro-sul da Argentina. A maior parte do seu habitat preferencial – as planícies tropicais – está ameaçada.
A espécie está classificada como “Em Perigo” (Endangered – EN) nos Estados Unidos desde 1976. Em algumas regiões dos Estados Unidos, como Texas, Arizona e Flórida, são frequentes relatos equivocados envolvendo o jaguarundi. “É altamente improvável que os animais avistados [fora das áreas de distribuição conhecidas] sejam realmente jaguarundis”, diz Giordano. Num estudo anterior, ele reviu todas as observações documentadas de jaguarundis no Big Bend National Park. Esses avistamentos, que descrevem o inconfundível personagem como “gato-lontra”, sugerem fortemente que ainda pode existir uma população, mas os biólogos têm de conduzir mais levantamentos de campo para haver uma confirmação. Seu status nos Estados Unidos está ainda para ser determinado.
Giordano começou a ficar intrigado com o jaguarundi enquanto estudava jaguares e outros grandes carnívoros.

“Seu comportamento é decididamente diferente do dos outros [gatos] que partilham os seus habitats”, disse Giordano. Ele é ativo durante o dia e descansa à noite, mantendo um horário oposto ao da maioria dos outros carnívoros. Esse comportamento pode ser uma adaptação recente à coexistência com outros carnívoros, como o ocelote, o jaguar e o puma, que ocupam posição semelhante na cadeia alimentar. A perda de habitat, a maior ameaça para o jaguarundis e todos os outros gatos neotropicais, também podem fazer com que a competição seja um fator determinante sobre sua distribuição geográfica.
Os jaguarundis habitam sobretudo planícies de florestas tropicais úmidas, onde, apesar de serem trepadores e saltadores habilidosos, passam a maior parte do tempo no chão. Uma cobertura vegetal baixa e densa é essencial em seu habitat preferencial, pois abriga sua dieta regular de de roedores e outros pequenos mamíferos, bem como aves, répteis e insetos. Também habitam matos baixos e florestas espinhosas, estepes e florestas de galeria – as faixas de árvores situadas ao longo dos rios em paisagens pouco arborizadas. Relatórios indicam que também utilizam florestas fragmentadas ou secundárias e paisagens agrícolas onde os ratos são abundantes – outra razão pela qual a espécie é considerada relativamente comum. Segundo Giordano, a realização de mais estudos sobre a forma como os jaguarundis utilizam as florestas de galeria e pequenas manchas de floresta fragmentada pode ajudar na elaboração de planos de gestão e na identificação de corredores de conservação para unir habitats fragmentados para outros gatos e carnívoros.

13.801 – Mega Memória – O Caso da Elefanta Tyke


elef tyke
Tyke, um elefante africano pertencente ao Circo Internacional de Honolulu que no dia 20 de agosto de 1994, após fugir durante uma apresentação no Neal Blaisdell Center, morreu ao ser acertada 86 vezes pela polícia.
O animal conseguiu fugir depois de atacar fatalmente seu treinador e ferir gravemente outro funcionário do circo. Tyke saiu do picadeiro em direção ao centro da cidade de Honolulu, ferindo um jornalista e após 30 minutos de perseguição, a polícia local disparou 86 tiros, matando a elefante.
Com a morte de Tyke, o animal tornou-se símbolo para os direitos dos animais e o episódio transformou-se emblemático, para os casos de tragédias circenses, pois foram constatados inúmeros ferimentos no elefante decorrentes de maus tratos. Nas investigações, constataram que o treinador possuía várias queixas contra abuso de exercícios, além de que, na autópsia do treinador, foram encontrados traços de cocaína e álcool.
Com este incidente, alguns estados americanos, como a Califórnia e o Hawaii, aprovaram leis proibindo o uso de animais em apresentações circenses.
Tyke no Cinema
“Tyke Elephant Outlaw” é o novo documentário que conta a vida de Tyke, a elefante que fez história ao ser brutalmente morta no Havaí, em 1994.
Ela era explorada pelo Circo Internacional de Honolulu, onde realizava performances forçadamente, como todo animal no universo dos circos. No dia 20 de agosto de 1994, Tyke teve um acesso de fúria durante uma apresentação, matando o seu treinador e ferindo gravemente um outro funcionário do circo. Após o incidente, ela saiu do picadeiro em direção à cidade e foi perseguida pela polícia por 30 minutos, até ser derrubada e morta com uma enxurrada de balas.
O filme teve a sua estreia mundial no Festival de Cinema de Sarasota, na Flórida (EUA), pouco mais de dois anos após Blackfish ter estreado no Festival de Sundance e ter acendido uma luz sobre o tema das orcas em cativeiro, contando a história de sofrimento da orca Tilikum, entre outros animais.
As metas já estão altivamente definidas, e as esperanças são de que Tyke faça para os circos o que Blackfish tem feito para os parques marinhos – que estão perto de seu fim. Como Tilikum, Tyke era explorada para entretenimento humano. Como Tilikum, Tyke rebelou-se, e matou o seu treinador.
O filme fala com ex-treinadores, manipuladores, ativistas e pessoas de dentro da indústria do circo, bem como aqueles que testemunharam a carnificina.
Dirigido e produzido por Stefan Moore e Susan Lambert, Tyke tem uma contraparte ficcional. “Como o clássico animal King Kong, Tyke é a protagonista central do drama trágico, mas redentor, que combina trauma, indignação, percepção e compaixão”, diz o site do filme. “Em última análise, este documentário levanta questões fundamentais sobre a nossa ligação profunda e misteriosa a outras espécies”.
Em 20 de agosto de 1994, a elefanta africana Tyke, usada no Circo Internacional de Honolulu, Havaí, atacou e matou seu treinador durante uma apresentação.
A história começa em 1973, quando Tyke foi capturada ainda bebê em Moçambique, seu habitat natural, no qual vivia com sua família. A partir daí, começou a ser treinada para se apresentar em circos — um treinamento que envolve espancamento com um objeto pontiagudo chamado bullhook. Além do treinamento brutal, Tyke vivia acorrentada no picadeiro.
Em abril de 1993, Tyke tentou escapar do circo; três meses depois, repetiu o ato, mas sem sucesso . Até que em agosto de 1994, após anos de sofrimento e abuso, Tyke conseguiu fugir do circo. Durante uma apresentação no Neal Blaisdell Center, uma arena usada para shows e exposições do Havaí, ela atacou e matou seu treinador Allen Campbell.
Na época, ativistas tentaram proibir o uso de animais em circos no Havaí, mas não conseguiram porque a indústria circense alegou que era possível tratar os animais “humanitariamente” nesse caso, convencendo os senadores a votarem contra o projeto de lei.
A luta contra animais em circos nos Estados Unidos continua. Até hoje, a prática não é proibida no país.
As imagens digulgadas pelos noticiários de TV da época chocaram o mundo

 

“Não é possível tratar humanamente um animal selvagem na indústria do entretenimento.”
– Pam Burns, Hawaiian Humane Society

13.781 – O gene zumbi que protege os elefantes do câncer


elefante velho
Um elefante africano, em cativeiro, vive uns 70 anos. Mais ou menos o mesmo que um ser humano.
Um elefante africano pesa 6 mil kg. Mais ou menos 100 vezes o que pesa um ser humano.
Um corpo que pesa 100 vezes mais que o nosso, naturalmente, contém 100 vezes mais células, cada uma com sua própria cópia do DNA do animal. Isso significa que o elefante também está sujeito a um risco 100 vezes maior de sofrer um dano no DNA. Um erro que pode causar câncer.
Apesar disso, só 5% dos gigantes acinzentados morrem por causa de tumores, contra 17% dos Homo sapiens. O que os torna tão resistentes à doença? Bem-vindo ao paradoxo de Peto – batizado em homenagem ao biólogo Richard Peto, de Oxford, autor do primeiro texto que apontou essa anomalia estatística, de 1977.
Há três anos, em 2015, pesquisadores das universidades de Chicago e Utah deram um passo importante na solução do problema. Eles descobriram que os elefantes têm inacreditáveis 20 cópias de um gene chamado TP53. Já o ser humano tem só uma. E essa é uma daquelas situações em que 1 é bom, 2 é ótimo e 20 é excelente: a função do TP53 é justamente identificar que há um trecho de DNA danificado em uma célula – e consertá-lo antes que ela se multiplique e cause mais problemas. Quanto mais guardiões desses um animal tem, melhor.

13.681 – Cangambá, o Comedor de Jararacas


O veneno da jararaca pode ser terrível, mas não para o cangambá.

Cangambá
O cangambá é uma animal pertencente ao Filo Chordata, a Classe Mammalia, de ordem Carnívora e da Família Mustelidae . Esse animal é confundido geralmente com o gambá, tanto por expelir odor quando se sente ameaçado e pela semelhança fonética. Ele é encontrado na América do Norte, desde o Canadá até o México. São encontrados geralmente em bosques e campinas. Há espécies similares aqui no Brasil como o zorrilho e a jaratataca que possuem glândulas anais que produzem a substância de mau cheiro.
Possuem uma pelagem brilhante e com tonalidade geralmente escura, algumas espécies vêm acompanhadas por duas listras no dorso, que se estendem desde a cabeça e indo em direção ao rabo ou ainda a terminação da listra ocorre antes mesmo de chegar na cauda. Possui um peso médio de um a quatro quilogramas, medindo de cinquenta e cinco a setenta e cinco centímetros de comprimento. Seu corpo é longo, e possui uma cauda grande e peluda. Sua cabeça e olhos são pequenos e suas orelhas são arredondadas.

Dieta e Reprodução do Cangambá
Sua alimentação é composta por insetos e vermes, também incluem pequenos vertebrados, sendo um animal tipicamente carnívoro. Os machos apenas procuram pelas fêmeas na época do cio. Elas se reproduzem durante o inverno, sendo bem semelhante com seu ‘parente’, o zorrilho. Cada fêmea passa o inverno com apenas um macho da sua espécie. É nessa época que o animal diminui suas atividades, ficando somente na toca. Seu período de gestação é de sessenta e três dias, dando a luz uma vez ao ano, sua cria é de geralmente quatro a cinco filhotes. Vivendo em selva duram de dois a três anos e em cativeiro vive até quinze anos. A sua expectativa de vida é relativamente baixa, pois noventa por cento desses animais não sobrevivem ao primeiro inverno.
Hábitos
O Cangambá vive em tocas, em buracos ou rochas. Por desenvolver atividade noturna, durante o dia ele costuma descansar na toca. Embora haja uma contradição de ideias esse animal é bem limpinho, pois a cada refeição feita, ele costuma limpar a boca. Por ser um animal de pequeno porte costuma ser lento ao andar, então esse animal é bem conhecido pela sua arma de defesa, que realmente é muito fedida. Esse animal tem ótimos métodos de defesa. Quando se sente em perigo, tem uma arma química, uma substancia volátil e com muito mau cheiro. A glândula responsável pela produção do líquido se localiza na parte externa do ânus. Mesmo com esse mecanismo de defesa não garante a proteção contra aves predatórias. Uma curiosidade é que esse animal não é predado por outros mamíferos. Esse líquido não é produzido constantemente, somente há produção em último caso, e além do mau cheiro proporciona ardência nos olhos e narinas.
Jararaca
O gênero Bothrops (jararaca, jararacuçu, urutu, caiçaca) representa o grupo mais importante de serpentes peçonhentas, com mais de 60 espécies encontradas em todo território brasileiro (incluindo os gêneros Bothriopsis e Bothrocophias). As principais espécies são: Bothrops atrox: é o ofídio mais encontrado na Amazônia, principalmente, em beiras de rios e igarapés; Bothrops erythromelas: abundante nas áreas litorâneas e úmidas da região Nordeste; Bothrops jararaca: tem grande capacidade adaptativa, ocupa e coloniza áreas silvestres, agrícolas e periurbanas, sendo a espécie mais comum da região Sudeste; Bothrops jararacussu: é a espécie que pode alcançar maior comprimento (até 1,8m) e a que produz maior quantidade de veneno dentre as serpentes do gênero, predominante no Sul e Sudeste; Bothrops moojeni: principal espécie dos cerrados, capaz de se adaptar aos ambientes modificados, com comportamento agressivo e porte avantajado; e Bothrops alternatus: vive em campos e outras áreas abertas, desde a região Centro-oeste até a Sul.
Imunidade
Alguns animais são imunes ao veneno de serpentes. É o caso do gambá. Com essa proteção fisiológica, ele consegue enriquecer seu cardápio com cobras, como as jararacas (Bothrops sp.), cascavéis (Crotalus spp.) e corais (Micrurus spp.). Mordem a região da cabeça ou da garganta desses animais e começam a ingeri-los pela mesma. Segundo SOERENSEN, B. & et ali – UNIMAR, houve apenas morte aguda, em um experimento com gambás, com uma dosagem de 660 mg de veneno, o que corresponde a uma dose 4.000 vezes superior à suportada por bovinos de 400 kg.
Pelo fato destes animais serem de hábitos noturnos, é muito difícil encontrá-los em jardins zoológicos, pela inatividade durante o dia.

13.637 – Implacável Seleção Natural – Filhotes que começam a vida matando os irmãos


☻Mega Arquivo – 30º Ano
Águia Real

A postura da águia real, semelhante à maioria das aves de rapina, é geralmente de dois ovos por ninho. Muitas vezes, um ovo eclode alguns dias antes. Isso dá ao filhote primogênito uma enorme vantagem, ele cresce mais rápido e mais forte do que o irmão mais novo, ganhando facilmente a briga pela comida. Se o alimento for pouco, o caçula morrerá de fome. Se a falta de comida for extrema, o filhote mais velho matará o mais novo e o devorará, os pais não farão nada para impedir o fratricídio. Os cientistas estimam que 80% dos filhotes da águia real morrem dessa maneira.

Hiena Malhada

hiena_malhada_thumb1
A maioria dos mamíferos predadores, como os grandes felinos, nascem com os olhos fechados e sem dentes, ou seja, completamente inofensivos. No entanto, esse não é o caso das hienas malhadas. Elas nascem com olhos bem abertos, já em alerta e com dentes afiadíssimos. Os filhotes da hiena malhada começam a lutar cedo para estabelecer o domínio. Os filhotes maiores mordem brutalmente os irmãos mais fracos e mesmo que os adultos os separem, tão logo fiquem sozinhos na toca, voltam a brigar. As batalhas entre hienas filhotes podem durar semanas.
Há relatos em que os filhotes cavam tocas menores dentro da toca comunitária, onde eles podem brigar sem a interferência dos adultos. Em alguns casos, os mais fracos morrem por causa dos ferimentos, mas geralmente, o destino deles é ainda pior: após serem implacavelmente intimidados pelos irmãos mais fortes, eles ficam tão amedrontados que sequer ousam sair da toca quando a mãe chega para alimentá-los, morrendo assim de fome.

Louva-a-deus
Esses insetos predadores são conhecidos por seus hábitos sexuais de causar pesadelos, a fêmea frequentemente devora o macho depois do sexo, ou até mesmo durante o ato sexual, geralmente começando por arrancar a cabeça do infeliz amante.
Esta tendência canibal não é exclusividade dos adultos. A fêmea deposita os ovos num casulo endurecido e o prende à uma folha ou a um caule. Nascerão de 100 a duzentos louva-a-deuses, todos ao mesmo tempo. Muitas vezes, a primeira refeição desses filhotes é um dos próprios irmãos. Tal comportamento é mais comum quando pequenos insetos são escassos ao redor da área em que os filhotes nasceram.

Garça Branca
As garças são conhecidas pela bela aparência e pelo voo elegante, e ninguém as considera como animais brutais. No entanto, elas são uma das espécies mais propensas ao fratricídio. Normalmente as garças põe três ovos. Os dois primeiros ovos recebem uma carga elevada de hormônios dentro do corpo da mãe, o terceiro ovo só recebe metade dessa carga. O filhote nascido com menos hormônios terá um comportamento menos agressivo, quando o alimento é escasso, os dois filhotes mais violentos o atacam e matam-no, e o jogam para fora do ninho. Isso significa mais comida para os irmãos assassinos.

Salamandra Tigre
Como a maioria dos anfíbios, as salamandras tigres começam a vida como girinos. Diferente das outras espécies, porém, os ovos da salamandra tigre podem se desenvolver em dois tipos diferentes de girinos: o normal e o canibal. O girino canibal é maior e tem os dentes mais desenvolvidos, geralmente ele só aparece quando a lagoa em que os ovos foram colocados começa a secar ou quando a comida é escassa. Eles comem os girinos menores e se desenvolvem mais rapidamente, se transformando mais depressa em adultos. Essa estratégia permite que as salamandras tigres perpetuem a espécie mesmo em condições desfavoráveis. O mais surpreendente porém, é que os girinos canibais parecem reconhecer seus irmãos e evitam matá-los. Estudos mostram que até mesmo os primos são poupados quando as circunstâncias permitem. Mas se a fome apertar, tanto irmãos como primos entram no cardápio do dia.

Cuco Comum
O cuco comum, geralmente não mata os irmãos de sangue, mas sim os irmãos adotivos. A fêmea adulta dessa espécie se parece muito com um gavião. Ela usa essa semelhança para afastar outros pássaros que estejam com ovos no ninho. Enquanto o ninho é abandonado, ela come um dos ovos e o substitui com um dos seus próprios, então, voa para longe.
Quando os donos do ninho voltam, não percebem a diferença e continuam a cuidar da prole. Mas o filhote do cuco geralmente nasce antes e ainda cego e sem penas, começará imediatamente a jogar os ovos ou os irmãos adotivos para fora do ninho, empurrando-os para a morte. Aos pais adotivos, incapazes de impedir o crime, só resta a alternativa de criar o cuco como se fosse o próprio filhote.

Cuco Manchado
Se você acha que o cuco comum é ruim, espere até conhecer o seu primo um pouco maior, o cuco manchado, encontrado em partes da Europa e Ásia. A fêmea dessa espécie coloca seu ovo (geralmente um, mas às vezes dois) em um ninho de pega rabuda. Os filhotes do cuco manchado não tem o impulso de jogar os outros ovos e filhotes para fora do ninho, mas eles geralmente se desenvolvem mais rápido que seus infelizes irmãos adotivos, e eles têm enormes e coloridas bocas escancaradas que parecem ser irresistíveis para a pega rabuda. O resultado é que as pegas alimentam-os com mais frequência do que aos seus próprios filhotes. Mesmo quando os filhotes do cuco deixam o ninho, ainda voltam para serem alimentados pelos pais adotivos. Esta é uma desgraça para os filhotes da pega, que muitas vezes morrem de fome, abandonados em seu próprio ninho.

Abelha Rainha
Como todos sabem, as abelhas vivem em colônias compostas de uma rainha, alguns zangões (abelhas macho, cuja única função é fecundar a rainha), e as operárias, que são fêmeas estéreis e fazem basicamente todo o trabalho na colônia, encontram néctar para a produção de mel, fabricam a cera e são responsáveis por uma substância especial chamada geleia real, que é produzida por uma glândula na cabeça das operárias jovens.
A geleia real é um alimento altamente nutritivo. É o alimento para a Rainha e para todas as larvas em desenvolvimento na colônia. No entanto, quando a rainha começa a envelhecer e seu poder reprodutivo diminui, as operárias selecionam umas poucas larvas, levam-nas para células especiais longe das outras e começam a alimentá-las com quantidades enormes de geleia real.
Como a larva da rainha se desenvolve pendurada de cabeça para baixo, as operárias tampam a célula com cera. Quando pronta para emergir, a nova rainha faz um corte circular ao redor da cobertura da célula. Células abertas ao lado indicam que a nova rainha foi, provavelmente, morta por uma rival. Quando uma jovem rainha emerge, ela irá perseguir e tentar matar suas rivais. Ao contrário das outras abelhas, o ferrão da rainha não é ciliado. Ela pode picar o quanto quiser sem morrer por causa disto. Em certas circunstâncias, como durante a cisão de uma colônia, as operárias podem isolar as rainhas para impedir um confronto, permitindo a formação de uma nova colônia.

Copidomopsis Floridanum
Copidomopsis floridanum é uma vespa parasitoide, um dos exemplos mais extremos de fratricídio do mundo. A vespa adulta encontra uma lagarta e a ferroa, fazendo com que ela fique completamente paralisada. Em seguida, ela injeta dois ovos no corpo da lagarta, um dos ovos é do sexo masculino, outro do sexo feminino. Mas eles não dão origem a um irmão e uma irmã. Em vez disso, os ovos rapidamente clonam a si mesmos, em um processo conhecido como poliembrionia, e logo a lagarta, ainda viva, mas completamente impotente; é o berçário para 200 larvas do sexo masculino, e mais de 1.200 larvas fêmeas.
Entre as fêmeas, aproximadamente umas 50 começam a crescer mais rapidamente que os seus irmãos, desenvolvendo mandíbulas enormes, entretanto, não desenvolvem órgãos sexuais. Outrora pensava-se que o papel dessas larvas monstros era proteger os irmãos menores, comendo os ovos de outras vespas que porventura os colocassem na lagarta já ocupada. No entanto, sabe-se agora que este não é o caso, pois elas devoram a maioria de seus irmãos machos. Os machos fertilizam suas irmãs ainda no interior da lagarta, e somente um ou dois deles são suficientes para fertilizar todas as fêmeas. Portanto, eliminando o excesso de machos, as larvas canibais garantem que haverá mais comida (o corpo da infeliz lagarta) para suas irmãs férteis, aumentando suas chances de sobrevivência. Esta função é apenas da larva canibal.

Tubarão Cinza
O tubarão cinza, apesar da aparência feroz, geralmente é inofensivo para o homem. A fêmea do tubarão cinza tem dois úteros, cada um deles produz muitos ovos. Os ovos eclodem ainda dentro do úteros. Os embriões logo desenvolvem dentes afiados e começam a matar e a comer seus irmãos e irmãs, e todos os ovos não fecundados, até que reste apenas um embrião vivo em cada útero.
Como resultado, a mãe dá à luz a dois filhotes , os sobreviventes de cada útero, e uma vez que eles se alimentaram fartamente dentro do corpo da mãe, já estão enormes quando nascem, medem cerca de um metro de comprimento!
O tubarão cinza é, portanto, o fratricida nesta lista que começa a matar os irmãos antes de nascer. No momento de seu nascimento, já é um assassino experiente. Esta estratégia de sobrevivência brutal é conhecida como canibalismo intrauterino, e foi descoberto em 1948, quando um cientista que estava sondando o ventre de um tubarão cinza, foi mordido na mão por um dos embriões. O canibalismo intrauterino tem sido relatado em outras espécies de tubarões, incluindo o grande tubarão branco e até mesmo o tubarão-frade (um plácido e inofensivo comedor de plâncton quando adulto), estes, porém, se alimentam apenas de ovos não fertilizados. O tubarão cinza é o único que devora outros embriões.

tubarão cinza_thumb[1]

13.536 – Curiosidades sobre sexo no Reino Animal


Já ouviu falar que as fêmeas das abelhas só ferroam uma vez? Ao picar alguém, o ferrão da doce ofensora se desprende do corpo, causando sua morte. A natureza foi cruel com o gênero feminino, mas espere até ficar sabendo o que acontece com o macho. Dica: ele não tem ferrão, mas tem um orgão reprodutor. Acertou quem imaginou que o sexo entre abelhas não termina bem – ao se afastar do corpo da fêmea após a penetração, o macho perde seu aedaegus (equivalente a um pênis), que permanece dentro do corpo da companheira. Seu fim não poderia ser mais trágico: ele sangra até a morte. Não está fácil pra ninguém.

Ácaros (Red Velvet Mites)
Sexo é um ato solitário (e esquisito) para os ácaros Trombidiidae. O macho procura o ninho perfeito para o acasalamento, com muitas folhas e galhinhos, para criar a perfeita atmosfera para o casal. E então, ele espalha seu sêmem por todo o lugar. Depois de completar o serviço, o próximo passo é atrair uma fêmea – com suas fezes. Ela segue o rastro deixado pelo macho e, chegando ao ninho “cuidadosamente” preparado, deve se virar sozinha para ser inseminada.

Antequino-Marrom
O vício em sexo não é um problema enfrentado apenas por humanos. A condição também atinge esse pequeno marsupial. O Antequino-Marrom é tão frenético que, durante o período reprodutivo, chega a passar até 12 horas se acasalando com apenas uma parceira. Como é insaciável, passa de fêmea pra fêmea, até seu sistema imunológico começar a falhar. Ele geralmente desenvolve úlceras graves e contrai infecções de parasitas, e morre não muito tempo depois da sessão de acasalamento.

Argonautas
Os argonautas são um gênero de polvo bastante comum, que habita águas tropicais e subtropicais de todo o mundo. Seu momento de reprodução, no entanto, está longe do “regular”: a fêmea desenvolve uma concha gigante para abrigar e proteger os ovos e embriões, enquanto os machos – que também possuem uma concha, mas em tamanho significativamente menor – começam a acumular uma bola de espermatozóides em um tentáculo especial. Quando, passeando por aí, o macho encontra uma fêmea por quem se interessa, o tentáculo se destaca do corpo e sai nadando sozinho até a fêmea.

Caracóis
O caracol é um dos favoritos na disputa de localização mais bizarra do pênis: seu órgão reprodutivo fica no pescoço. Os caracóis são hermafroditas e precisam de um companheiro para conseguirem se reproduzir. E para convencer o parceiro, eles costumam “flertar” apunhalando um ao outro com dardos constituídos de carbonato de cálcio ou quitina e usados para injetar no receptor hormônios que estimulam os órgãos genitais femininos.

caracol

Hienas
As fêmeas representam o gênero dominante entre as hienas. Mais agressivas que os machos, no momento de escolher um parceiro elas não dão bola para os esquentadinhos, preferindo aqueles que se mostram mais submissos. O companheiro terá então um desafio à frente: habilidosamente inserir seu pênis no pseudo-pênis da fêmea, que esconde sua vagina. Contorcionismo no mundo animal.

Hipopótamo
O hipopótamo macho possui uma forma bastante diferente de chamar a atenção de uma fêmea. Ele se coloca em lugar de destaque, defeca em si mesmo e utiliza a sua cauda como uma espécie de hélice, espalhando as fezes por todos os lados na tentativa de encontrar uma parceira. E o mais incrível: a nojeira funciona.

Macaco-rhesus
O primata, também conhecido como Reso, tem muitos motivos para ser um tanto paranoico. No Reino Animal é bem comum que as disputas entre os machos por uma companheira acabem sendo um tanto violentas. Mas poucas espécies são tão cruéis (e, ao mesmo tempo, espertas): os macacos-rhesus atacam seus oponentes no momento em que eles estão tendo um orgasmo. Sim, é isso mesmo. Um estudo da University of Utrecht apontou que mais da metade dos encontros sexuais dos macacos reso terminam com o macho sendo brutalmente atacado. Até 9 macacos podem se aproveitar da vulnerabilidade do coleguinha para tentar roubar sua fêmea.

Marreca-pé-na-bunda
A marreca-pé-na-bunda, também conhecida como Oxyura vittata, possui orgãos reprodutores mais estranhos do que seu nome. Além de ser dono de um pênis de aproximadamente 40 centímetros de comprimento, o orgão do macho tem formato de saca rolhas e possui uma espécie de ~pincel~ na ponta. A vagina da fêmea também é em espiral, mas no sentido oposto – o que permite o encaixe. Durante o ato sexual, o macho utiliza a sua “escova” para remover qualquer esperma deixado por um macho anterior.

Morcegos (Chinese Fruit Bat)
Cientistas do Guangdong Entomological Institute in Guangzhou, na China, descobriram que os morcegos da espécie Cynopterus sphinx usam o sexo oral para prolongar o ato sexual. A descoberta é um tanto inusitada, já que se pensava que somente humanos tinham essa prática. Mas o que é ainda mais curioso é que, através de um grande contorcionismo, a fêmea consegue agradar o macho enquanto ainda estão envolvidos no ato sexual. Provavelmente não é seguro tentar isso em casa.

Peixe actinopterígeo
Estes peixes, que habitam exclusivamente ambientes marinhos, redefinem o conceito de namorado folgado. Alguns machos do subgênero, bem mais franzinos que suas companheiras de espécie, nascem com sistema digestivo rudimentar, que logo passa a dificultar sua alimentação. Para contornar este problema quase-fatal, os peixes usam de seu olfato apurado para encontrar uma fêmea no oceano. No primeiro encontro, nada de rituais de acasalamento: o macho logo morde a fêmea e libera uma enzima digestiva que corrói a pele de sua boca e o corpo da companheira, fundindo o par para toda a vida. Conectado ao sistema circulatório da fêmea, o corpo do macho se atrofia. Sua única função agora é liberar esperma sempre que hormônios na corrente sanguínea de sua “parceira” indicam que ela está ovulando. Ah, o amor… Não bastasse apenas um namorado parasita, é comum que a fêmea da espécie seja mordida por múltiplos machos.

Peixe-palhaço
Descobrir a verdade sobre a reprodução dos peixes-palhaço vai ajudar a entender melhor o filme Procurando Nemo. Em um núcleo familiar, a fêmea é sempre o maior membro do grupo. Quando ela morre, o maior macho assume seu lugar – literalmente. Como estes peixes são hermafroditas, isso significa que o macho muda de papel. Ou seja: o pai de Nemo, na verdade, passaria a ser a mãe do Nemo.

peixe-palhac3a7o1

Percevejos
A reprodução dos percevejos pode ser comparada a um ato de violência sexual. Os machos das espécies costumam possuir um pênis tão afiado que, na hora de se reproduzirem, praticamente dão diversas “facadas” no corpo da fêmea até conseguirem depositar o seu esperma. Já que a espécie não está em extinção, presume-se que a fêmea sobrevive ao traumático ataque.

12.451 – Biologia – Répteis têm atividade cerebral típica de sonhos humanos


biologia-a-cincia-da-vida-1-728
Trata-se do chamado sono REM (sigla inglesa da expressão “movimento rápido dos olhos”), que antes parecia ser exclusividade de mamíferos como nós e das aves. No entanto, a análise da atividade cerebral de um lagarto australiano, o dragão-barbudo (Pogona vitticeps), indica que, ao longo da noite, o cérebro do animal fica se revezando entre o sono REM e o sono de ondas lentas (grosso modo, o sono profundo, sem sonhos), num padrão parecido, ainda que não idêntico, ao observado em seres humanos.
Liderado por Gilles Laurent, do Instituto Max Planck de Pesquisa sobre o Cérebro, na Alemanha, o estudo está saindo na revista especializada “Science”. “Laurent não brinca em serviço”, diz Sidarta Ribeiro, pesquisador da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e um dos principais especialistas do mundo em neurobiologia do sono e dos sonhos. “Foi feita uma demonstração bem clara do fenômeno.”
A metodologia usada para verificar o que acontecia no cérebro reptiliano não era exatamente um dragão de sete cabeças. Cinco exemplares da espécie receberam implantes de eletrodos no cérebro e, na hora de dormir, seu comportamento foi monitorado com câmeras infravermelhas, ideais para “enxergar no escuro”. Os animais costumavam dormir entre seis e dez horas por noite, num ciclo que podia ser mais ou menos controlado pelos cientistas do Max Planck, já que eles é que apagavam e acendiam as luzes e regulavam a temperatura do recinto.
O que os pesquisadores estavam medindo era a variação de atividade elétrica no cérebro dos dragões-barbudos durante a noite. São essas oscilações que produzem o padrão de ondas já conhecido a partir do sono de humanos e demais mamíferos, por exemplo.
Só foi possível chegar aos achados relatados no novo estudo por causa de seu nível de detalhamento, diz Suzana Herculano-Houzel, neurocientista da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e colunista da Folha. “Estudos anteriores menos minuciosos não tinham como detectar sono REM porque, nesses animais, a alternância entre os dois tipos de sono é extremamente rápida, a cada 80 segundos”, explica ela, que já tinha visto Laurent apresentar os dados num congresso científico. Em humanos, os ciclos são bem mais lentos, com duração média de 90 minutos.
Além da semelhança no padrão de atividade cerebral, o sono REM dos répteis também tem correlação clara com os movimentos oculares que lhe dão o nome (os quais lembram vagamente a maneira como uma pessoa desperta mexe os olhos), conforme mostraram as imagens em infravermelho.

DORMIR, TALVEZ SONHAR
A primeira implicação das descobertas é evolutiva. Embora dormir seja um comportamento aparentemente universal no reino animal, o sono REM (e talvez os sonhos) pareciam exclusividade de espécies com cérebro supostamente mais complexo. “Para quem estuda os mecanismos do sono, é um estudo fundamental”, afirma Suzana.
Acontece que tanto mamíferos quanto aves descendem de grupos primitivos associados aos répteis, só que em momentos bem diferentes da história do planeta – mamíferos já caminhavam pela Terra havia dezenas de milhões de anos quando um grupo de pequenos dinossauros carnívoros deu origem às aves. Ou seja, em tese, mamíferos e aves precisariam ter “aprendido a sonhar” de forma totalmente independente. O achado “resolve esse paradoxo”, diz Ribeiro: o sono REM já estaria presente no ancestral comum de todos esses vertebrados.
O trabalho do pesquisador brasileiro e o de outros especialistas mundo afora tem mostrado que ambos os tipos de sono são fundamentais para “esculpir” memórias no cérebro, ao mesmo tempo fortalecendo o que é relevante e jogando fora o que não é importante. Sem os ciclos alternados de atividade cerebral, a capacidade de aprendizado de animais e humanos ficaria seriamente prejudicada.
Tanto Ribeiro quanto Suzana, porém, dizem que ainda não dá para cravar que lagartos ou outros animais sonham como nós. “Talvez um dia alguém faça ressonância magnética em lagartos adormecidos e veja se eles mostram a mesma reativação de áreas sensoriais que se vê em humanos em sono REM”, diz ela. “Claro que os donos de cachorro têm certeza que suas mascotes sonham, mas o ideal seria fazer a decodificação do sinal neural”, uma técnica que permite saber o que uma pessoa imagina estar vendo quando sonha e já foi aplicada com sucesso por cientistas japoneses.

12.382 – Grandes Felinos – Onça-parda ou sussuarana (Felis concolor)


suçu
Classe: Mammalia

Ordem: Carnivora

Família: Felidae

Nome científico: Felis concolor

Nome vulgar: Onça-parda ou sussuarana

Categoria: Ameaçada

Características: A Suçuarana é um animal solitário e prefere viver em um lugar de difícil acesso como florestas, desertos e montanhas. Geralmente caça ao entardecer. O carneiro selvagem, o veado e o caititu constituem suas presas habituais. Os adultos se comunicam por meio de uma espécie de silvo estridente. A fêmea tem a cria em cavernas ou em cepos ocos. Os filhotes abrem os olhos com dez dias e ficam com a mãe até os 20 meses. Período de vida 12 anos. Maturidade sexual de 2 para 3 anos. Gestação de 90 a 96 dias. Números de filhotes: de 01 a 04, nascem pintados com manchas escuras no corpo.

Hábitos: Crepuscular, noturno, arborícola e terrestre. Hábitos alimentares carnívoros e ictiófago.

Habitat: campo, floresta e montanha. Comportamento solitário em par e sedentário. Seu pêlo é em geral bege rosado, mais pode ser cinza, marrom ou cor de ferrugem. O comprimento do pêlo varia conforme o habitat, vai de curto a muito longo. A sussuarana está a vontade em cima das árvores; equilibra-se com a cauda felpuda ao saltar de galho em galho.

Altura: Aproximadamente 63 cm

Peso: Até 100 kg

Comprimento: 1.20 de corpo e 65 cm de cauda

Ocorrência Geográfica: América do Norte, América do Sul e América Central. No Brasil, é encontrada em todos os Biomas

Categoria/Critério: Espécie ameaçada de extinção de acordo com a lista oficial do IBAMA. Apêndice I da CITES. Ameaçada criticamente em perigo-destruição de habitat, caça, populações pequenas, isoladas e em declínio.

Observações adicionais: Conta-se que uma só sussuarana matou 15 carneiros selvagens durante uma saída para caçar. Por outro lado, ela raramente ataca o homem e tem tanto medo de cães que sobe em árvores para escapar deles quando acuada.

sucuarana_199-21suçu2

12.354 – Mega Gráficos – Biologia


Grafico2

 

Quando não compensa ser original

Borboletas imitadoras não são um caso isolado na natureza; o colorido brilhante da cobra coral é quase sempre suficiente para afastar inimigos. Quando isso não funciona, se fingem de mortas. Moscas parecidas com vespas fazem os predadores se afastarem em busca de alimentos menos picantes.

A Arte do disfarce

Borboletas são conhecidas por possuírem desenhos nas asas que lembram um grande par de olhos. Pousadas em um galho, dão impressão de serem animais muito maiores.

O louva deus se disfarça de galhos. Tais formas de autoproteção são conhecidas como camuflagem. As listras da zebra por exemplo, são muito mais úteis na sombra de uma árvore, a leoa pode ter dificuldade em vê-la, já alguns animais como o camaleão, alteram a cor.

 

12.284 – Biologia – Os animais podem ter sentimentos mais complexos que os humanos


elefante
Se você convive com um bichinho de estimação, sabe que, de alguma forma, eles percebem quando os humanos estão tristes ou felizes. Mas esse tipo de comportamento não se restringe aos gatos e cachorros: estudos mostram que os cavalos conseguem entender algumas emoções dos humanos e que os corvos conseguem “ler os pensamentos” de outros animais da espécie – coisa que até então se acreditava que só os humanos eram capazes de fazer.
Essa crença fez com que a pesquisa relacionada aos sentimentos dos animais ficasse estagnada. Ao supor que determinadas emoções eram restritas aos humanos, os cientistas deixaram de fazer perguntas (e, consequentemente, pesquisas) relevantes sobre como são os sentimentos no mundo animal.
Carl Safina, professor da Universidade de Stony Brook, nos Estados Unidos, foi contra a corrente e começou a levantar questionamentos sobre o assunto. As perguntas o levaram a realizar uma pesquisa que, por sua vez, resultou no livro Beyond Words: What Animals Think and Feel, lançado em julho de 2015.
“Acho importante sabermos com quem estamos na Terra. Nós discutimos a conservação de animais em números, mas eles não são só números”, disse o pesquisador em entrevista à National Geographic. “Tenho observado animais durante toda a minha vida e sempre fico impressionado com as semelhanças entre eles e os humanos.”
O professor acredita que o debate em relação à possibilidade de os animais terem sentimentos ou não nem deveria existir. “Se você observar mamíferos ou até mesmo aves, verá como eles respondem ao mundo. Eles brincam. Eles ficam com medo quando estão em perigo, relaxam quando as coisas estão bem”, diz. “Não parece lógico pensar que os animais não estejam experimentando emoções como o medo e a o amor.”
Quando os elefantes asiáticos veem outro animal da espécie bem agitado, tendem a tocá-lo até ficar mais tranquilo. “É uma espécie de ‘shh, está tudo bem’, muito parecido com o que os humanos adultos fariam para tranquilizar um bebê”, explica o cientista Joshua Plotnik em entrevista ao Discovery.
Existem estudos que conseguiram confirmar, por meio do teste do espelho, a capacidade de algumas espécies de reconhecerem a si mesmos. Trata-se de um experimento bastante utilizado por cientistas em que os animais são colocados em frente a um espelho. Para “passar” no teste, os animais têm que ficar envolvidos com seus próprios reflexos, examinando a imagem de seus corpos, o que indica que reconheceram suas representações. Animais como macacos e golfinhos estão entre os que passaram na experiencia.
Safina aponta ainda que pesquisadores que passam bastante tempo em campo conseguem perceber traços de personalidade nos animais que estão estudando. Assim como os humanos, os animais têm personalidades diferentes. De acordo com o professor, alguns são tímidos, outros agressivos ou tranquilos.

12.280 – Cientistas aguardam nascimento raro de ‘dragões’ em caverna na Eslovênia


dragao
Em uma caverna visitada por um milhão de turistas todos os anos, um anfíbio pouco estudado colocou ovos que estão causando grande expectativa.
Acredita-se que o Proteus anguinus, o proteus, uma salamandra cega encontrado em rios de cavernas nos Bálcãs, viva por mais de cem anos, mas se reproduza apenas um ou duas vezes por década.
Uma fêmea em um aquário da caverna Postojna, na Eslovênia, colocou entre 50 e 60 ovos – e três estão mostrando sinais de crescimento.
O proteus é uma espécie de ícone na Eslovênia, onde aparecia em moedas antes da chegada do euro. Há centenas de anos, quando enchentes expulsavam as criaturas para fora das cavernas, eram tidas como bebês de dragões.
Ninguém sabe quantos filhotes irão sair dos ovos e nem sequer quanto tempo isso vai levar.
Ele e seus colegas tiraram fotos com exposição muito alta na escura caverna para reunir indícios de que os pequenos ovos estão se desenvolvendo.
“Ela começou a colocar ovos em 30 de janeiro. Ela ainda está colocando um ou dois ovos por dia, e eles precisam de cerca de 120 dias até o animal nascer.”
Essa estimativa por alto, explica ele, é baseada no conhecimento adquirido com uma colônia dos anfíbios estabelecida na década de 1950 em um laboratório subterrâneo nos Pirineus franceses para estudar aspectos da vida biológica em cavernas.
Mas lá eles vivem um uma água uma pouco mais quente, com temperatura de 11º C.
“Na nossa caverna é um pouco mais frio, 9º C, então tudo vai durar mais.”
É uma oportunidade única de observar o enigmático proteus se reproduzindo na mesma caverna onde morou por milhões de anos.
“É muito significativo porque não há muitos dados sobre a reprodução deste grupo de animais”, disse Dusan Jelic, pesquisadora do programa Edge da Sociedade Zoológica de Londres que estuda proteus mergulhando em cavernas na Croácia.
Em 2013, outro proteus de Postojna colocou ovos, mas nenhum deles vingou e muitos foram comidos por outros proteus do tanque.
Desta vez, precauções foram tomadas. Todos os animais, exceto a mãe, foram removidos e o aquário está protegido da luz. Oxigênio extra está sendo adicionado de forma artificial.
“Agora cabe a eles”, diz Weldt.
Uma câmera infravermelha transmite imagens a uma tela próxima para que a equipe da caverna, assim como os turistas, possam ver o que acontece.
Quase não há movimento, mas às vezes a fêmea proteus se mexe para checar os ovos, colocar mais um ou se proteger de anfípodes – crustáceos pequenos e famintos que ela não pode ver, mas que detecta usando órgãos eletrossensíveis em seu focinho.
Nas últimas semanas, a “mãe dragão” do Postojna virou uma celebridade e, agora, leva uma grande expectativa em seus pequenos ombros.
Mas o peso também é sentido pelos biólogos da caverna.

12.268 – Biologia – Qual pássaro voa mais alto?


Ganso-indiano
O ganso indiano voa a 9 mil metros, a mesma altura de jatos comerciais. Ele passa o inverno no nordeste da Índia, ao nível do mar. Na primavera migra para os lagos do Tibete, onde choca seus ovos. O problema é que no meio do caminho tem a cordilheira do Himalaia, a mais alta cadeia de montanhas do mundo.
Um abutre encontrado nas planícies e nos desertos do continente africano, numa vasta área delimitada por países como Eritréia, Sudão, Tanzânia e Guiné. Ele atende pelo nome científico de Gyps rueppellii e já foi visto voando a incríveis 11 278 metros. Você pode estar se perguntando: mas que maluco conseguiu flagrar a ave nessa altitude? Simples: um desses abutres colidiu, no dia 29 de novembro de 1973, com um jato comercial que passava sobre Abidjan, na Costa do Marfim. O Gyps rueppellii pesa até 6,5 quilos e tem uma envergadura de 2,4 metros. Graças à grande abertura de suas asas, ele consegue planar durante horas e pegar correntes de ar quente que o levam sempre para cima. A ave, chegada a uma boa carcaça, tem uma excelente visão e é capaz de encontrar objetos de até 15 centímetros distantes a 2 500 metros! Outro recordista de vôo nas alturas, como citamos, é o ganso-indiano (Anser indicus), capaz de atingir 9 mil metros. Ele já foi avistado voando acima do monte Everest, que alcança a marca de 8 848 metros. Os gansos-indianos passam o inverno no nordeste da Índia, ao nível do mar, e migram para os lagos do Tibete, onde chocam seus ovos. No meio do caminho, precisam atravessar a gigantesca cordilheira do Himalaia e por isso voam tão alto. Para suportar a falta de oxigênio do ar rarefeito das grandes altitudes, essas duas espécies de aves têm um metabolismo acelerado, que produz muita energia em pouco tempo. Além disso, seus aparelhos respiratórios permitem que elas tenham ar nos pulmões o tempo todo.

12.020 – Barbárie – Zoológico sacrifica até 30 animais saudáveis por ano


zoo-mata-cerca-30-animais-saudaveis-por-ano
Administradores do Zoológico de Copenhague, na Dinamarca, ficaram surpresos com a comoção internacional, quando eles esquartejaram um filhote de girafa em frente a uma plateia com crianças e usaram a carcaça para alimentar leões, leopardos e tigres. Marius, de um ano e meio, tinha perfeita saúde, mas foi sacrificado porque seus genes eram parecidos com os de outras girafas do zoológico, o que poderia aumentar a incidência de doenças genéticas em seus descendentes.
Uma petição online com mais de 30 mil assinaturas pedia que o zoológico não matasse o bicho. Manifestantes de direitos animais acusaram o parque de barbárie e falta de ética. Nos últimos dias, a página do zoológico no Facebook tem sido palco de um acalorado debate entre milhares de pessoas de vários países contrárias à medida e uma minoria favorável.
Sacrificar animais saudáveis é comum nos zoológicos europeus. Quando os genes de um animal não são considerados bons para o cruzamento, a prática é abatê-los, como no caso de Marius. O diretor científico do Zoológico de Copenhague, Bengt Holst, afirmou à rede britânica BBC que o parque sacrifica de vinte a trinta animais por ano para garantir uma população geneticamente saudável.
A decisão foi apoiada pela Associação Europeia de Zoológicos e Aquários (Eaza), que congrega 345 instituições em 41 países. Seu site informa: “A Eaza apoia plenamente a decisão do zoológico de humanamente sacrificar o animal e acredita na necessidade de gerenciar genética e demograficamente a população de animais em cativeiro”.
Em entrevista à rede americana CNN, Bengt Holst disse entender a consternação pública. “Isso acontece por uma causa assustadora: as pessoas se distanciaram tanto da natureza que acreditam que ela é uma Disneylândia, onde tudo é muito legal e os animais só nascem, nunca morrem.”
Ele explicou por que a necropsia foi feita aos olhos do público: “Como o animal é grande, a necropsia precisou ser realizada ao ar livre. Decidimos convidar os visitantes para eles poderem ver quão fantástica é uma girafa por dentro. Os veterinários não apenas dissecaram o animal, mas explicaram as maravilhas das girafas. Essa é a proposta o zoológico: educar”. Quando perguntado sobre quantas crianças caíram no choro diante do exame cadavérico, Holst respondeu: “nenhuma”. “As pessoas podiam escolher se queriam ver ou não. As crianças fizeram muitas perguntas e tiveram boas respostas. Elas voltaram para casa com mais informações sobre girafas do que tinham antes de sair.”

11.649 – Biologia – Índia reduz velocidade de trens para evitar atropelamento de leão raro


panthera_leo_persica_m
A companhia de ferrovias da Índia decidiu reduzir a velocidade dos trens no entorno do parque Gir, o principal santuário do leão asiático. A ideia é evitar atropelamentos dos poucos exemplares desta subespécie.
O Departamento de Florestas do estado de Gujarat, no oeste do país, trabalha em conjunto com a companhia estatal Western Railways para preservar estes animais ameaçados, contou um de seus oficiais, R.L. Meena. Pelo menos quatro destes felinos já morreram atropelados por trens nas áreas menos arborizadas pelas quais a ferrovia cruza os arredores do santuário, segundo ele. As mortes ocorrem principalmente no distrito de Amreli, por onde passam adultos com filhotes.
Felizmente, a população da espécie aumenta. Há poucos anos ela estava em risco de extinção, e este aumento representa mais leões que vagam pela reserva e seus arredores.
Além de reduzir a velocidade na passagem pelos pontos de maior risco de atropelamento, os responsáveis pela conservação do leão asiático em Gir solicitaram uma mudança de horários à Western Railways. O objetivo é fazer com que os trens de carga que passam pela região evitem o amanhecer e o entardecer, quando estes animais tendem a se deslocar.
Os condutores dos trens conhecem, graças às instruções que receberam de conservacionistas, as horas em que os leões costumam se deslocar e por quais lugares o fazem em busca de água ou comida. A redução da velocidade e a modificação de horários dos comboios de mercadorias são medidas paralelas a outras, como a instalação de cercas com arame farpado, para dissuadir os animais a cruzar as vias.
Outras soluções, neste caso a cargo das ferrovias estatais, são as passagens subterrâneas, para que os leões e outras espécies se acostumem a utilizá-las sem passar sobre os trilhos.
O parque nacional Gir é o último reduto do leão asiático em liberdade, com uma população em torno de 400 exemplares, o dobro da que havia na década de 1970.
Pelo menos outros cem destes grandes felinos transitam fora do parque no distrito, enquanto em zoológicos de diferentes países, segundo dados da National Geographic, calcula-se que haja cerca de 200.
A reserva foi declarada zona protegida em 1965 devido ao alarmante declínio da população do leão asiático em liberdade e ocupa pouco mais de 1.400 quilômetros quadrados, destinados a preservar a subespécie, de nome científico Panthera leo persica.

11.628 – Biologia – Pererecas usam cabeçadas para envenenar inimigos


Trata-se de uma descoberta importante, pois faz com que duas espécies nacionais, conhecidas como pererecas-de-capacete, devam mudar de categoria: de animais venenosos para peçonhentos.
O trabalho, já aceito para publicação na revista “Current Biology”, é uma parceria entre o Instituto Butantan e a Universidade de Utah.
Venenosos são aqueles organismos –como taturana, sapos, algumas plantas e o baiacu– que produzem veneno mas não têm um mecanismo capaz de injetá-lo.
Já os organismos peçonhentos –como aranha armadeira, jararaca, arraias e água-viva– têm essa capacidade para agredir quem incomoda.
Os animais do primeiro grupo têm a chamada defesa passiva. O segundo grupo, ativa.
Até então, as pererecas ficavam teriam defesa passiva porque, como os sapos, apresentam glândulas de veneno na pele, que só com um evento físico (como uma mordida) afetavam o predador.
A mudança de categoria das pererecas-de-capacete veio de uma experiência bastante real, sofrida pelo biólogo Carlos Jared, pesquisador do Instituto Butantan e um dos autores do estudo.
As espécies –Corythomantis greeningi e Aparasphenodon brunoi– foram descritas há mais de um século, mas até então o comportamento de dar cabeçadas não havia sido documentado.
A flexibilidade dos bichos é descomunal: mesmo com o corpo imobilizado, conseguem mexer o pescoço em grandes amplitudes, permitindo golpes venenosos.
As cabeças são úteis tanto para defesa quanto para evitar perda de umidade. A C. greeningi (da caatinga, também conhecida como jia-de-parede) se esconde em buracos em troncos de árvores e entre pedras, deixando só a cabeça para fora. As cabeçonas vedam os buracos, mantendo os bicho hidratados.
As A. brunoi são da mata atlântica e tem aparência menos enrugada que os animais da caatinga; seu veneno é 25 vezes mais potente que o da jararaca (o da C. greeningi é só duas vezes mais potente).
“Esse estudo, entre outras coisas, serve para o público e os biologistas perceberem que pererecas nem sempre são tão gentis quanto pensamos”.

11.616 – Genoma de rinoceronte-negro será sequenciado para evitar a extinção da espécie


genetica-voto
Esta não é a primeira tentativa de salvar rinocerontes-negros. Das oito subespécies originais, três já foram completamente extintas. Na esperança de proteger os indivíduos restantes, os cientistas usaram guardas armados e drones para proteger os rinocerontes de caçadores, e pesquisadores nos EUA conseguiram modificar geneticamente um chifre de rinoceronte na busca de evitar que eles chamem a atenção de caçadores do mercado negro.
Mas este novo projeto tem uma abordagem diferente, por descobrir mais sobre como as espécies evoluíram ao longo de milhões de anos, e como podemos ajudá-las a sobreviver, agora. “Com o genoma do rinoceronte-negro, seremos capazes de responder às perguntas: Como é que o rinoceronte-negro evolui para uma subespécie? Quais loci do genoma do rinoceronte-negro mostram a suscetibilidade à doença?”, escreveu a equipe, liderada pelo biólogo Charles Chuck Murry, da Universidade de Washington, na página de crowdfunding.
A equipe conseguiu levantar US$ 17 mil dólares (cerca de R$ 53 mil reais) para a primeira fase de seu projeto, usando a quantia para sequenciar o genoma de um rinoceronte-negro chamado Ntombi. Tendo a sequência genética de Ntombi, eles vão alinhar este genoma ao do rinoceronte-branco do sul para descobrir onde as duas espécies divergem. Todo o projeto será de acesso livre, e a equipe pretende publicar os resultados na imprensa. Eles também têm algumas metas mais ousadas além da conservação, na esperança de que o sequenciamento genético possa ajudá-los a trazer algumas das subespécies extintas de volta à vida.
“Temos a intenção de usar este projeto como um catalisador para sequenciar todas as subespécies de rinocerontes-negros e entender a divergência genética dentro e entre espécies de rinocerontes”, explica a equipe. “Esta pesquisa poderia fazer com que um futuro pesquisador ajude a trazer as três subespécies atualmente extinta de volta à existência”.

11.553 – Chinês cuida de “cães” por 2 anos até perceber que eles eram, na verdade, ursos negros


urso negro
Os ursos negros asiáticos estão listados na Classe II de espécies protegidas e não são domésticos.
Wang Kaiyu, é dono de uma fazenda de bananas em Jinchang Town, perto da fronteira do Vietnã. Ele contou em uma entrevista à imprensa local, que há dois anos atrás, um vietnamita estava passando pela área com dois filhotes de cão de “boa aparência”, e Wang decidiu comprá-los.
Por dois anos, ele carinhosamente criou os “cães”, dando banho, brincando e fazendo carinho todos os dias. Wang disse que os animais eram bem-comportados, mas que a fome dos animais estava aumentando rapidamente. “Certa vez eles chegaram a invadir o galinheiro e devorar algumas das galinhas da fazenda”, contou Wang.
Um dia, Wang viu um cartaz sobre a proteção dos animais selvagens em uma exposição organizada pela polícia florestal, e ‘sua ficha’ começou a cair. O fazendeiro percebeu que tinha comprado e criado, acidentalmente, duas espécies protegidas de ursos.
Depois de ponderar muito, ele decidiu que deveria entregar os ursos à polícia florestal, em Maguan, para que eles pudessem ser realocados a um habitat adequado.
Em 30 de junho, a polícia florestal entrou em contato com a Wildlife Rescue and Rehabilitation Centre, da província de Yunnan, e os dois ursos foram enviados para uma área de preservação.