13.363 – Instituições de Ensino – Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo


Faculdade_de_Direito_da_USP
Também conhecida como Faculdade de Direito do Largo de São Francisco ou ainda “Arcada” (em alusão a sua Arquitetura), é uma instituição de ensino superior integrante da Universidade de São Paulo, cujas principais atividades são o Ensino e a Pesquisa na área do Direito.
A Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo formou inúmeras personalidades importantes da História do Brasil.
A Ideia acerca da criação de um curso jurídico no Brasil surgiu em 1822, com José Feliciano Fernandes Pinheiro, o Visconde de São Leopoldo, membro do Parlamento. Até então, os que desejavam estudar direito deveriam deslocar-se até Coimbra, em Portugal.
A Faculdade de Direito, a mais antiga Instituição do gênero no Brasil — juntamente com a Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco —, deve a sua origem a um decreto imperial assinado em 1827. Estas destinavam-se a formar governantes e administradores públicos, sendo fundamental para a consolidação e para o desenvolvimento do país independente.
Em princípio chamado simplesmente “curso jurídico”, teve sua aula inaugural dada em São Paulo no 1 de março de 1828, pouco antes do curso de Olinda.
Desde o início, a Faculdade de Direito pertenceu ao Governo central, passando do monárquico ao republicano, e em agosto de 1934 a Faculdade foi incorporada à Universidade de São Paulo por Getúlio Vargas.

Com a Revolução Constitucionalista de 1932, alguns alunos da Faculdade de Direito morreram lutando contra a Ditadura de Getúlio Vargas. Assim, ergueram em Homenagem a estes o “Monumento ao Soldado Constitucionalista”, situado na área interna do Prédio Histórico. Encontra-se, também, umTúmulo, construído em 1842, em homenagem a Julius Frank, um Professor de História e Geografia fundador de uma sociedade secreta de jovens, “Burschenschaft”. Esta teria influenciado, principalmente os jovens, durante muitos anos na história da política brasileira.

Em 1973, a criação dos cursos de Pós-graduação, teve como consequência a diminuição do espaço acadêmico disponível. Cogitou-se, então, a transferência do “campus” para a Cidade Universitária, na Zona Sul de São Paulo, porém muitos alunos e professores foram contrários a essa mudança devido a localização de toda a infraestrutura jurídica estar concentrada no centro de São Paulo (escritórios de advocacia e tribunais). Além significação da Faculdade estar localizada a mais de um século no Largo São Francisco. Diante disto, fora colocada uma pedra fundamental para o pretenso da nova localização do “Campus” da faculdade, porém estudantes a retiraram da Cidade Universitária e a levaram para o Largo de São Francisco, instalada (até hoje) na calçada em frente à escola. Nela, gravaram a seguinte frase: “Quantas pedras forem colocadas, tantas arrancaremos. 30-X-1973”.
A Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo é comandada pela Diretoria. A Congregação é o seu máximo órgão colegiado e é composta pelo Diretor, Vice-diretor, Presidentes das Comissões (de Graduação, de Pós-Graduação, Pesquisa e Cultura e Extensão Universitária), Chefes de Departamento, todos os Professores Titulares, alguns dos Professores Doutores e dos Professores Associados, o representante dos Professores Assistentes, os quatro representantes dos discentes e três dos servidores não-docentes.
A Faculdade conta com outros colegiados, como a Comissão de Pesquisa, a Comissão de Graduação, o Conselho Técnico-Administrativo, a Comissão de Pós-Graduação e a Comissão de Cultura e Extensão Universitária. Além destes, ela é dividida em nove departamentos.
Fundado em 1903, o Centro Acadêmico XI de Agosto, ou XI (como é chamado de maneira mais afetiva) é a entidade máxima de representação dos estudantes e um órgão ativo nas transformações políticas e sociais do País.
Em 106 anos de existência, o XI de Agosto sempre foi, e ainda é, um centro de difusão de ideais republicanos e de Igualdade, concretizados na resistência à Ditadura de Getúlio Vargas e nas Escolas Proletárias do XI. Foi palco de diversas conquistas, como o Sufrágio feminino e do Voto secreto, e envolveu-se em várias campanhas, como “O petróleo é nosso!”, “Diretas Já!”, “Sou da paz” e “Fora Collor”.
Considerada a primeira Biblioteca pública da cidade de São Paulo, criada em 1825 no Convento de São Francisco, é especializada em Direito e serve ao corpo discente e docente da faculdade, além de poder ser utilizada pelo público em geral para consulta.
Dom Manuel da Ressurreição, terceiro Bispo de São Paulo, colocou um Acervo de 2.000 exemplares disponibilizados para membros do Clero e para os estudantes. Com a fundação da faculdade de Direito de São Paulo, a biblioteca herda aproximadamente mais 5.000 volumes para sua coleção.
Em 1934, a faculdade passa por uma reforma completa, onde a biblioteca passa a localizar-se em suas atuais dependências, ocupando uma considerável parte do primeiro pavimento do prédio do Largo de São Francisco, e, a partir de 1982, esta passa a integrar o Sistemas de Bibliotecas da USP (SIBi), visando atender as necessidades de informação do coletivo da universidade.
A Faculdade de Direito da USP possui programa de Pesquisa, coordenado por uma Comissão composta por seis membros titulares e por presidente e vice-presidente, eleitos pelos próprios membros. A função da Comissão de Pesquisa é traçar as diretrizes para as linhas de pesquisa da faculdade, seguindo o estatuto da USP.
Alunos regularmente matriculados na graduação podem participar do programa de Iniciação Científica, que é promovido pela Comissão de Pesquisa da Faculdade de Direito em conjunto com a Pró-Reitoria da Universidade de São Paulo. O aluno desenvolverá um trabalho de pesquisa seguindo alguma das linhas de pesquisa dos departamentos da faculdade, sendo orientado por um docente-pesquisador, que seja doutor na área em estudo. O estudante que desenvolver a pesquisa pode ter o seu trabalho realizado no seu diploma, além de ser contemplado com uma bolsa de estudos, de acordo com o órgão em que se inscrever na Iniciação Científica.
Em 1969 foi criada a Pós-Graduação da Universidade de São Paulo, com o intuito de proporcionar oportunidades de evolução educacional e de aplicação da formação acadêmica, oriunda em grau de graduação. Stricto Sensu.
A Pós-Graduação Stricto Sensu, de origem mais erudita e destinada para o desenvolvimento da consciência, se designa à constituição de pesquisadores com vasto âmbito de sua área de conhecimento. Abrange um aglomerado de ações planejadas, desenvolvidas e especificadas, orientadas por um dirigente, que englobam e priorizam a docência e a pesquisa, buscando sempre pela incorporação do saber teórico. Detém dois níveis finais, o mestrado e o doutorado, divergentes conforme a imensidade e profundeza dos estudos.

Universidade_de_São_Paulo_(Revista_jurídica)

 

11.445 – Curso de astronomia da USP para a terceira idade atrai curiosos


Universidade de São Paulo
Universidade de São Paulo

Alunos atentos, fazendo perguntas, tomando notas e até cochilando. A cena poderia descrever qualquer aula para adolescentes, mas, nesse caso, é do curso de astronomia para a terceira idade, no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP.
São dez aulas ao todo, que acontecem duas vezes por semana, e são voltadas para o público a partir dos 50 anos.
O curso, anual, começa em fevereiro e conta com cem alunos –capacidade máxima do auditório –, que devem se inscrever pelo site do IAG.
Eles aproveitam todos os momentos para tirar dúvidas. Seja durante o intervalo ou depois da aula, os alunos vão até o professor para conversar sobre o tema da palestra.
Mas a conversa esquenta mesmo quando o professor abre alguma brecha para a discussão sobre a possibilidade de vida extraterrestre.
Os alunos inundam o professor de perguntas sobre a viabilidade de os humanos visitarem planetas fora do Sistema Solar e de eles abrigarem vida. A resposta? Sim, eles podem abrigar vida, mas não necessariamente inteligente, e as viagens são inviáveis por ora.
A sala é composta por pessoas que têm alguma formação na área –um dos alunos fabrica espelhos para telescópios– e até por gente que quer fugir do alzheimer.
A maioria, porém, está ali por mera curiosidade.
É o caso do engenheiro elétrico aposentado João Monetti, 59. Assíduo dos cursos de astronomia, diz que gosta de estar na USP em contato com os colegas.
Um dos objetivos do curso é apresentar uma visão geral da astronomia, a partir dos principais assuntos na área: a Terra, o Sistema Solar, as galáxias, a era dos grandes telescópios.
O curso também inclui observação noturna do céu com os telescópios do IAG –na semana em que a reportagem acompanhou as aulas, porém, a atividade foi cancelada por causa do céu nublado, para a frustração dos alunos.
Os veteranos dos cursos livres, que querem aproveitar o tempo ocioso pós-aposentadoria, são outro.

10.842 – O Retorno do “Elefante Branco” – USP pode voltar a usar navio de pesquisas


navio-usp-alpha-crucis-20120530-18-size-598

O navio de pesquisas Alpha Crucis, da Universidade de São Paulo (USP), pode voltar a operar, após ficar mais de um ano atracado no Porto de Santos. O Instituto Oceanográfico (IO USP) anunciou recentemente que conseguiu contratar um serviço de inspeção obrigatória do navio, após duas tentativas frustradas de licitação.
Considerado a maior e mais sofisticada embarcação para estudos oceanográficos da academia brasileira, o navio estava parado por falta da inspeção, impedindo o início de estudos e ameaçando a conclusão de projetos já iniciados, segundo o diretor do IO, Frederico Brandini. A licitação, concluída em novembro de 2014, foi vencida pelo estaleiro Indústria Naval do Ceará (Inace) por 2,6 milhões de reais. Segundo Brandini, o navio deverá retomar as operações em março.
O barco é um antigo navio usado pela Universidade do Havaí, nos EUA, desde a década de 1970. A Fapesp desembolsou 4 milhões de dólares pela compra do casco e dividiu com a USP a reforma (3 milhões de dólares na conta da fundação e 4 milhões de dólares desembolsados pela universidade).

10.607 – USP e Unicamp firmam parceria com grande plataforma de cursos online


Campus da USP no Butantã, São Paulo
Campus da USP no Butantã, São Paulo

Desde que foi criada na Universidade de Stanford em abril de 2012, a plataforma de cursos online gratuitos Coursera cresceu vertiginosamente: partindo de uma experiência com três cursos realizada poucos meses antes, que abrangia algumas centenas de pessoas, em pouco mais de dois anos a ferramenta está oferecendo 760 cursos, elaborados por 110 instituições de ensino e atingindo 9 milhões de estudantes do mundo todo.
O problema é que apenas 28 destes cursos foram legendados em português por 300 tradutores voluntários, e a maior parte do conteúdo do site está em inglês. Se alguém tivesse interesse em se inscrever em um dos programas, provavelmente teria que ter fluência no idioma – mas mesmo com as dificuldades, os usuários brasileiros chegam a 300 mil. “O Brasil demonstra ter uma forte paixão pela educação, mas ainda assim muitos não têm acesso a um conteúdo de qualidade. Por isso acreditamos que aqui é um lugar chave para se promover um grande impacto”, explica Daphne Koller, que já foi professora de ciência da computação em Stanford antes de ajudar a fundar o Coursera.
Para fortalecer ainda mais sua presença no país, a empresa anunciou oficialmente nesta quarta-feira (17/9) que as duas maiores universidades brasileiras, a USP e a Unicamp, vão começar a produzir cursos em língua portuguesa especialmente para o serviço. “Ninguém sabe exatamente qual é a direção que os cursos online vão tomar, cada faculdade faz de um jeito. Mas ninguém tem dúvida de que vão ser importantíssimos”, disse o empresário Jorge Paulo Lemann na cerimônia de lançamento. A Fundação Lemann, que fomenta a educação no Brasil, é a apoiadora oficial do projeto por aqui.
Tanto para a Universidade de Campinas quanto para a de São Paulo, a parceria é estratégica por três motivos: se alinha à busca comum de ambas por métodos de seleção alternativos ao vestibular, possibilita o acesso à enorme base de dados do serviço e também amplia o alcance do conteúdo acadêmico não apenas no Brasil, mas em toda a população lusófona. “Hoje queremos abrir o leque e buscar os melhores alunos, fabricá-los e contribuir na formação deles. Nós não vamos reinventar a roda, o Coursera é quase uma fábrica para se saber o que funciona ou não”.
A USP já soma quatro cursos agendados, três deles sobre finanças e negócios, e um sobre astronomia – “Origens da Vida no Contexto Cósmico”. A Unicamp conta com dois, nas áreas de computação e empreendedorismo. Apesar da data inicial ainda não estar marcada, a estimativa é que as atividades se iniciem no início do ano que vem. A expectativa das instituições é altíssima: o pró-reitor Meyer comparou o ingresso na plataforma com a simbólica superação do Cabo Bojador pelos portugueses. “Nós vamos descobrir Angola, chegar a Moçambique e dizer para o Cabo das Tormentas que ele é o cabo da Boa Esperança”.

10.372 – Parado há mais de cinco anos, navio da USP deve ser doado ao Uruguai


Primeiro navio brasileiro a participar de uma operação na Antártida e uma das embarcações com mais história na oceanografia nacional, o Professor W. Besnard deve virar, em breve, propriedade do Uruguai. A reitoria da USP já está analisando a doação para o governo do país vizinho.
Sem condições físicas e de segurança para navegar após ser atingido por um incêndio no fim de 2008, a embarcação, construída em 1966, está parada há mais de cinco anos no porto de Santos.
Desde então, estuda-se o que fazer com o navio que, mesmo parado, gera custos com manutenção e com sua tripulação, que permanece recebendo salário.
Em 2009, a então reitora da USP, Suely Vilela, liberou R$ 2 milhões para o conserto da embarcação. Segundo o pedido de verba feito pelo Instituto Oceanográfico, o dinheiro serviria para reparos e aquisição de equipamentos.
O montante, porém, nunca chegou a ser usado no Besnard. Segundo a assessoria de imprensa da USP, o dinheiro serviu para reformas na embarcação mais nova da USP, o Alpha Crucis, e em equipamentos para um barco menor, o Alpha Delphini.
Apesar de ter usado a verba do Prof. Besnard, o próprio Alpha Crucis também enfrenta problemas.
Em maio,revelou que o novo navio, que recebeu um investimento de cerca de R$ 23 milhões, com verbas da USP e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), estava parado havia mais de seis meses também no porto de Santos, com problemas para voltar a realizar atividades de pesquisa.
O orçamento oficial da USP prevê gastos de mais de R$ 800 mil com as embarcações neste ano.
Entre as opções de destino do navio estava sua conversão em museu, uma doação e até mesmo um afundamento controlado, para fazer dele um recife artificial.
No entanto, o que prevaleceu foi a vontade de alguns setores, que preferiam a doação para o Uruguai. Fontes ligadas ao Instituto Oceanográfico disseram que a transferência para o Uruguai foi discutida em reunião da congregação do instituto.
A razão da escolha do país vizinho e outros pormenores técnicos não foram explicados pela USP.
Em maio, no entanto, Mahiques já havia mencionado a predileção pela doação. “Desde 2010, têm sido feitas gestões para um fim nobre para o Besnard e estamos tentando conseguir viabilizar, juridicamente, uma doação”, disse em um e-mail.
A assessoria da USP confirma que a universidade está analisando a doação para o governo do Uruguai.
“Processos desse gênero precisam passar pela aprovação das comissões do Conselho Universitário e, posteriormente, do próprio Conselho Universitário. No momento, a doação do navio está sendo analisada na Comissão de Orçamento e Patrimônio e não há prazo para conclusão do processo”, afirmou.
Apesar da concentração aparente de muita ferrugem e de outros pequenos danos no casco, a USP nega que o navio esteja abandonado.
A Prefeitura de Santos, que já disse querer ficar com o navio para transformá-lo em museu, afirmou que ainda tem interesse na embarcação e busca recursos e parcerias para viabilizar o projeto.

7579 – Instituições de Ensino – Em 1934, USP nasceu para formar a elite intelectual brasileira


Usp Campus

A USP nunca foi para pobres.
Nasceu em 1934 com o objetivo principal de educar filhos de políticos, advogados, engenheiros, médicos e fazendeiros de café -a elite paulista. Um decreto reuniu sob um mesmo nome a Faculdade de Direito, de 1827, a Escola Politécnica, de 1893, e a Faculdade de Medicina, de 1912.
Segundo pesquisadores, mais de 90% dos primeiros alunos tinham concluído o ensino básico na rede pública. “Colégio particular era para os menos inteligentes”, o oposto do que acontece hoje.
Se em 79 anos esse índice caiu de mais de 90% para menos de 30% é porque a USP se tornou, ao longo das décadas, um reflexo do próprio sistema educacional brasileiro.
Os especialistas não sabem precisar quando o ensino público passou a perder do ensino particular -nem quando houve o aumento de alunos da USP egressos de particulares. Mas, para Shozo Motoyama, doutor em história social pela USP e autor de “USP 70 anos” (2006), os anos sob a ditadura (1964-1985) foram determinantes.
Com o intuito de fazer propaganda do progresso nacional, o regime militar investiu para ampliar o acesso ao ensino superior. Ao mesmo tempo, explica José Sérgio de Carvalho, professor da Faculdade de Educação da USP, as bases da educação ficaram de lado.
O mercado viu, então, oportunidades na criação de escolas pagas. “As particulares eram, na maioria, confessionais [ligados a igrejas].
Após a década de 1960, a educação básica virou um negócio. Com a escola pública oferecendo formação ruim, famílias com condições financeiras buscaram uma alternativa.
O perfil dos uspianos sofreu a maior mudança de sua história –em 2012, vale lembrar, 28% dos matriculados concluíram a educação básica em colégios públicos.
Mesmo com mais repasses do governo, que garantiam mais vagas, a USP não conseguia dar conta da demanda. Veio, então, a necessidade de criar um mecanismo que restringisse o acesso: o vestibular.
Considerado o embrião da Fuvest, o Cescem (Centro de Seleção de Candidatos às Escolas Médicas) passou a recrutar alunos em 1964. Outros dois órgãos de seleção de universitários surgiram em 1967 e 1969.
Os três foram responsáveis pelo processo seletivo da USP até dezembro de 1976, data da primeira prova da Fuvest. A partir daí, a fundação assumiu o vestibular. No último exame registrou mais de 159 mil inscritos para menos de 11 mil vagas.
A alta concorrência na Fuvest e a baixa qualidade da educação pública criaram um abismo entre a universidade e os alunos da rede pública.
“A maioria dos alunos da rede pública ou não coloca a USP no horizonte ou sabe que, pela trajetória, será quase impossível”, resume Wilson Mesquita, 36, doutor em sociologia pela USP e autor do livro “USP para todos? Estudante com desvantagens socioeconômicas e educacionais e fruição da universidade pública”, de 2009.