14.046 – Mega Projeções – Ninguém mais vai usar smartphone em cinco anos, diz Samsung


O lançamento do Galaxy Fold tem sido um grande desafio para a Samsung, mas isso não fez que a empresa mudasse sua visão sobre o dispositivo. Para a companhia, o hardware dobrável é uma espécie de ponte para um futuro sem smartphones
“O design do smartphone atingiu um limite e, por isso, projetamos um modelo dobrável”, diz Kang Yun-Je, chefe da equipe de design da empresa. “Além disso, estamos nos concentrando em outros dispositivos que já começam a causar um impacto mais amplo no mercado, como fones de ouvido inteligentes e smartwatches. Em cinco anos, as pessoas nem perceberão que usam telas.”
“O design do smartphone atingiu um limite e, por isso, projetamos um modelo dobrável”, diz Kang Yun-Je, chefe da equipe de design da empresa. “Além disso, estamos nos concentrando em outros dispositivos que já começam a causar um impacto mais amplo no mercado, como fones de ouvido inteligentes e smartwatches. Em cinco anos, as pessoas nem perceberão que usam telas.”
Para assistir a vídeos, ouvir música, visualizar e responder mensagens, “pode-se ter a mesma experiência em qualquer lugar”. “O dobrável vai durar anos”, estima Cibils. “Uma vez que o 5G e a internet das coisas estejam disponíveis [juntos], em vez de smartphones haverá dispositivos inteligentes. Eles podem diminuir, mas novos aparelhos surgirão.”

13.506 – Inventor do Bina morre aos 77 anos


inventor bina
O engenheiro eletrotécnico Nélio José Nicolai, inventor do sistema identificador de chamadas por telefone mais conhecido como Bina, morreu na quarta-feira, 11 de outubro de 2017, em Brasília, aos 77 anos. Nicolai apresentou complicações pulmonares enquanto estava se recuperando de um AVC (acidente vascular-cerebral).
Além do Bina, invento pelo qual ele brigou na justiça por mais de 20 anos pelo reconhecimento de direito de uso, o engenheiro tem 41 produtos INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).
icolai detalhou algumas das dezenas de tecnologias que inventou. Um dos exemplos é o sistema de mensagem instantânea de movimentação de cartão de crédito e débito, atualmente usado por bancos e empresas de pagamento.
“Apresentei isto ao Bradesco e Unibanco em 1992, época que registrei a carta patente, mas eles lançaram o serviço sem falar comigo. Hoje o mundo inteiro está usando e as companhias me disseram que eu devo recorrer à justiça”, comentou.
Segundo Nicolai, o mesmo ocorreu com o telefone fixo celular. Em 2004, ele registrou sua ideia no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), assim como fez com todas suas invenções, mas, as operadoras como a Tim, Claro e Vivo passaram a oferecer o serviço de telefone residencial com as mesmas características do celular, a partir de 2010. Outras tecnologias que o mineiro afirma ter inventado são o ‘Salto’, aviso sonoro que indica que a pessoa está recebendo outra chamada, e o ‘Bina Lo’, que registra chamadas perdidas.
“A patente é um patrimônio do país e não das empresas. Elas estão roubando isto do povo. O INPI que decide se a patente é válida e isso não pode mudar. Um juiz não pode contestar o que o instituto faz e uma empresa não pode ignorar uma carta patente”, comentou relembrando o caso do Bina, em que ele assinou contratos de licença de exploração da patente com a Ericsson, mas afirma não ter tido o devido reconhecimento.

13.123 – Chamadas de telefone fixo para móvel ficam mais baratas


A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) anunciou que as chamadas de telefone fixo para móvel devem ficar mais baratas a partir de 25 de fevereiro.
A redução deve ser de 16,49% a 19,25%, de acordo com cada empresa de telefonia fixa. As ligações interurbanas também devem cair entre 7,05% e 12,01%.
O reajuste vale para ligações entre operadoras diferentes —do fixo da Telefônica para um celular da Claro, por exemplo.
Os assim chamados “valores de interconexão”, o valor que uma empresa cobra de outra pelo uso da rede, vão continuar caindo paulatinamente até 2019, conforme decisão da Anatel de 2014.

12.849 – Inventor do telefone celular revela a próxima revolução tecnológica


Teléfono-Celular-Gr
Marty Cooper, inventor do telefone celular, crê que a necessidade de carregar constantemente a bateria é um grande inconveniente e ele já vislumbra uma solução para o problema.
A medida, aparentemente, é simples: criar aparelhos que são carregados sem a necessidade de serem ligados na tomada.
“A necessidade de ter sempre um carregador à mão é um transtorno e acredito que será um problema cada vez maior”, afirmou o inventor em uma entrevista, antecipando todos os tipos de tecnologias móveis que, em breve, estaremos vestindo no corpo, como relógios, óculos e roupas. “Será muito incômodo ter que tirá-los o tempo todo para carregá-los. Por isso, eles têm de ser capazes de se autocarregar permanentemente”, explicou Cooper.
O pai da telefonia móvel é membro do conselho da Energous, uma empresa dedicada a transformar as ondas de rádio em energia para carregar baterias – tecnologia que permitirá que aparelhos sem fio se recarreguem constantemente, sem a necessidade de cabos.
Não é ficção científica. A Energous apenas espera a aprovação do seu transmissor em miniaturada pela Comissão Federal de Comunicação. Com ele será possível carregar aparelhos especialmente equipados com o WattUp Miniature, como é chamado o transmissor que poderá alimentar aparelhos auditivos, dispositivos médicos e outros pequenos equipamentos sem fios.

12.281 – Alívio pro seu Bolso – Ligações de telefone fixo para celular ficam mais baratas em todo o Brasil


fone fixo
O governo federal oficializou na última sexta-feira, 26 de fevereiro, uma nova tabela de tarifas telefônicas que reduz o preço das ligações de telefone fixo para celulares em todo o Brasil. Não só ligações locais, mas também as interurbanas ficarão entre 15% e 22% mais baratas com a nova determinação.
Com a unificação das tarifas, uma ligação feita a partir de um telefone fixo para uma linha móvel de longa distância terá o mesmo custo de uma chamada local. Segundo a gência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a nova regra vale para todas as operadoras.
O volume da redução, porém, vai depender de alguns fatores técnicos. Em média, a queda nos preços ficará assim:

Telefônica/Vivo – 14,95%
Sercomtel – 17,80%
Brasil Telecom – 18,52%
Algar Telecom – 19,25%
Telemar Norte Leste – 22,35%
Já em casos de ligação interurbana em que o primeiro dígito do DDD discado é igual ao número de origem – por exemplo, chamadas de São Paulo (DDD 11) para Campinas (DDD 19) – a redução no valor da tarifa é um pouco menor. A queda no preço, nesse caso, será a seguinte:

Telefônica/Vivo – 9,15%
Brasil Telecom – 9,79%
Claro – 9,91%
Sercomtel – 10,38%
Telemar Norte Leste – 13,06%
Algar Telecom – 14,04%
Quando o primeiro dígito do DDD do número a ser telefonado for diferente – uma ligação de São Paulo (11) para Salvador-BA (71), por exemplo – a redução do preço será maior. Desse modo, ligar para locais mais distantes do Brasil será mais barato do que ligar para cidades vizinhas. Veja de quanto será a queda nesse caso:

Telefônica/Vivo – 7,73%
Brasil Telecom – 8,32%
Claro – 8,37%
Sercomtel – 8,86%
Telemar Norte Leste – 11,05%
Algar Telecom – 11,80%

10.852 – Telefonia e Internet Móvel – Igreja Assembleia de Deus vai lançar operadora de celular


celular

Igreja que tem uma rede de filiadas pelo Brasil e alcança cerca de 18 milhões de fiéis, deve lançou uma operadora de celular no dia 01 de outubro. A “Mais AD”, como deverá se chamar o serviço, vai utilizar a estrutura da Vivo para funcionar.
“Mais AD” será a terceira operadora virtual de rede móvel do país, ou seja, prestará serviços de telefonia móvel através do uso da rede de uma operadora tradicional, sem precisar ter rede própria. A operação da rede virtual não interfere no serviço tradicional. Vodafone e Porto Seguro também correm na mesma esteira e lançaram recentemente serviços semelhantes.
Raul Aguirre, diretor-geral da companhia, afirma que o serviço será “voltado ao público cristão”, com distribuição de conteúdos aprovados por líderes evangélicos. O valor do investimento não foi divulgado, mas tem como patrocinadores executivos que já foram ligados à Brasil Telecom.

11.680 – Por que os teclados de orelhões e telefones fixos possuem letras entre os números?


Os telefones mais velhos eram movidos pela própria linha telefônica e só podia discar números e ligar para outras pessoas. Um telefone tocava até quem ligou desligasse, mesmo que ele tenha esperado vinte minutos para a outra pessoa atender. Não havia recursos como correio de voz. Se o telefone estava em uma chamada com outro interlocutor, havia um sinal de ocupado. Não havia nenhuma chamada em espera, nem encaminhamento de chamadas. Nenhum identificador de chamadas, nem pré-visualização do número.
O fato dos números terem letras associadas a eles é um padrão mundial. Essas letras servem como armazenamento de contatos e para ativar outras funções no telefone. Em alguns países, é possível até mesmo enviar mensagens a partir das letras nos telefones públicos, da mesma maneira como se faz com os celulares.
Houve uma grande preocupação das pessoas por conta da dificuldade de lembrar números de telefone quando tinham mais do que quatro ou cinco dígitos. Assim, os dígitos de 2 a 9 foram atribuídos a três letras. Isto costumava compor 24 das 26 letras do alfabeto, com Q e Z omitido. Hoje, essas letras são atribuídas aos números 7 (PQRS) e 9 (WXYZ). Muitas empresas ainda usam as letras em vez de números para soletrar uma ou mais palavras, o que torna mais fácil para as pessoas lembrarem o número.
No final de 1980 e início de 1990, aparelhos de fax e quadros de avisos de computador, juntamente com casas com duas linhas de telefone, exigiram mais e mais números de telefone para as pessoas. Celulares eram pouco disponíveis em meados da década de 1990, mas com o tempo eles se tornaram cada vez mais populares, por conta da demanda desenfreada de linhas de telefone.
Com os smartphones, nós nem sequer pensamos duas vezes sobre números de telefone. Quase não se disca números hoje: nós só escolhemos o número na agenda e clicamos em “chamar”.
É difícil para a maioria das pessoas lembrar números, porque eles conseguem todos eles pela sua lista de contatos. Isto é, mal chegam a ligar exatamente: a grande maioria das pessoas utiliza a mensagem de texto como forma rápida de comunicação.

11.327 – Agora Vai…Google lança seu próprio serviço de telefonia móvel


google-lifi-li-fi-internet

Na última quarta-feira, dia 22 de abril, a Google lançou seu próprio serviço móvel sem fio nos EUA, com potenciais grandes economias para os clientes que utilizam seus aparelhos em casa e em viagens internacionais. No momento, o serviço chamado “Projeto Fi” está disponível apenas por convite e para o smartphone Google Nexus 6.
O serviço irá usar hotspots Wi-Fi, juntamente com as redes móveis das operadoras dos EUA Sprint e T-Mobile, e pode ser usado em 120 países sem tarifas de roaming. Ele será oferecido a um custo mensal de US$ 20 para serviço básico mais US$ 10 por mês para cada gigabyte de dados utilizados. Os clientes só pagam pelos dados que usam, ao contrário dos pacotes oferecidos por algumas operadoras no país.
Segundo a gigante da tecnologia, o serviço conecta-se automaticamente a mais de um milhão de hotspots de Wi-Fi abertos e já verificados nos quesitos de velocidade e confiabilidade. “Quando você não está no Wi-Fi, nós o transferimos para aquela de nossas redes parceiras que esteja entregando a velocidade mais rápida, de modo a obter 4G LTE em mais lugares”.
As conexões serão criptografadas e o número de telefone ficará na nuvem, de modo que o usuário possa falar e mandar mensagens com o seu número em praticamente qualquer telefone, tablet ou laptop. Para viagens globais, o Projeto Fi permitirá chamadas de baixo custo em muitos países e acesso a dados em velocidades 3G sem encargos adicionais.
O novo serviço poderia dar um impulso para a linha de aparelhos Nexus da Motorola, que foi vendida pela Google no ano passado à Lenovo e, eventualmente, para outros telefones equipados com sistema operacional Android.
Revolucionário ou não, o anúncio do Projeto Fi foi suficiente para fazer com que as ações da Google subissem logo depois da novidade ser dividida com o mundo.

11.230 – Tecnologia – Congresso aprova lei que acelera instalação de antenas de telefonia


Mais Antenas e Menos Burocracia

Foi aprovada no Congresso Nacional a Lei Geral das Antenas, nova regulamentação aguardada pelo setor de comunicações desde 2012, quando foi proposto. O texto agora vai para aprovação da presidenta Dilma Rousseff.
A legislação tem como objetivo e agilizar a burocracia por trás da instalação de antenas de telecomunicações, criando regras que determinam como é o processo de licenciamento e o que deve ser observado em relação a preservação de patrimônios históricos e paisagísticos, a saúde da população e do meio ambiente.
Segundo o Sinditelebrasil, sindicato que representa as operadoras de telefonias nacionais, a legislação é fundamental para simplifciar e unificar as orientações. Estima-se que havia cerca de 270 leis municipais diferentes para determinar áreas onde era permitido instalar antenas.
As empresas explicam que a nova lei, por facilitar a instalação de antenas, pode ajudar a ampliação da área de cobertura e fortalecer o sinal de telefonia e Internet móvel no país já que padroniza as exigências feitas, permitindo melhoria de infraestrutura.
O texto também prevê que estados e municípios tenham um prazo pré-determinado de 60 dias para analisar e aprovar projetos de instalações de antenas. Depois do limite, a Anatel terá a obrigação de analisá-los, mas não poderá vetá-los, determinando apenas os ajustes que devem ser feitos.

10.865 – Telefonia Móvel- Venda de chips de celular pode ser suspensa no Ceará


chip de cel

Geralmente essas medidas são por um prazo curtíssimo.

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE) ajuizou ação civil pública contra a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e as empresas de telefonia móvel Claro, Oi, TIM e Vivo para que apresentem, no prazo de 90 dias, planos de melhoria da qualidade do serviço prestado no estado. Na ação, a procuradora da República Nilce Cunha pede que as quatro operadoras deixem imediatamente de vender chips, novos acessos e novos planos pelo prazo mínimo de 180 dias, sob pena de multa diária de R$ 50 mil.
A ação, encaminhada à Justiça Federal, é baseada no relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada na Assembleia Legislativa para investigar a prestação dos serviços da telefonia móvel no estado. Entre as deficiências apontadas estão a ausência de investimentos das operadoras em relação ao crescimento da demanda, a ausência de sinal, queda nas chamadas, lentidão na internet, cobranças indevidas, dificuldade de acesso à banda larga móvel, preços exorbitantes e dificuldades para cancelar o vínculo com as prestadoras.
O MPF quer o detalhamento dos valores investidos e das medidas a serem adotadas pelas operadoras para suportar a demanda e superar as deficiências e falhas no serviço. Também pede a fixação de um cronograma com início imediato e prazo máximo de dois anos para conclusão das medidas de melhoria. A procuradora também sugere que a Anatel analise os planos apresentados, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. A ação busca ainda a condenação das empresas operadoras à indenização por danos morais coletivos.
A operadora Vivo disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que a empresa não foi incluída no relatório final da CPI, pois demonstrou que atende às metas estabelecidas pelo regulamento do setor. “A área jurídica da empresa já está em contato com o Ministério Público para esclarecer os fatos”, informou. As empresas TIM, Claro e Oi informaram que não foram notificadas da ação. A Anatel disse que irá responder no âmbito do processo.

10.407 – Mega Techs – Brasileiros criam antena que faz celular funcionar mesmo sem sinal


btouch

Agora você não vai mais estar “num mato sem cachorro”, como diz o dito popular.
Dois irmãos brasileiros que moram nos Estados Unidos lançaram um dispositivo capaz de fazer o celular funcionar em condições adversas, sem depender do sinal telefônico ou da internet – nem o “modo avião” é obstáculo.
É a goTenna, que se conecta ao aparelho via Bluetooth e é controlada por um aplicativo disponível para Android e iOS. Ela usa ondas longas de rádio (de 151 a 154 MHz) para estabelecer uma comunicação entre duas pessoas – por isso o dispositivo é vendido em pares.
O aparelho tem um alcance de 80,4 km e pode ser usado, por exemplo, em florestas, praias, ilhas ou em grandes eventos que costumam congestionar as operadoras por causa do excesso de acessos.
É possível enviar e receber mensagens gratuitamente, além de compartilhar a localização em um mapa offline, seja entre duas pessoas ou em grupo, tudo criptografado e com função de autodestruição que mantém a comunicação privada.
A goTenna é ideia de Daniela e Jorge Perdomo, que pensaram no produto após verem os estragos causados pelo furacão Sandy, que em outubro de 2012 deixou milhões de pessoas sem comunicações ao longo de dez Estados dos EUA.
Como está em fase de pré-venda, o produto é vendido por US$ 150, valor que subirá em breve para US$ 300.

10.232 – É um celular ou um tablet? Sony lança o Xperia T2 Ultra Dual com tela de 6 polegadas


celular sony

Um dia depois de lançar seu novo smartphone top de linha no Brasil, o Xperia Z2, a Sony apresenta hoje um outro modelo. Com tela de 6 polegadas (resolução de 720 p), o T2 Ultra Dual chega ao país por R$ 1.300, com suporte para dois chips e Android 4.3 Jelly Bean de fábrica.
Com sensor Exmor RS, a câmera traseira do aparelho tem 13 megapixels, e a frontal é de 1,1 MP. O processador é o Snapdragon 400 (o mesmo utilizado no Moto G) de 1,4 GHz, com quatro núcleos, 1 GB de RAM e 8 GB de armazenamento, com slot para cartão de memória de até 32 GB.
A bateria, de 3.000 mAh, vem com o modo Stamina, que desliga automaticamente algumas funções para economia de energia, reiniciando-as assim que o usuário ativar o funcionamento do smartphone. A espessura do celular é de 7,6mm e seu peso, 173 gramas.

9228 – Panorama Científico da Humanidade no Final do Século 19


Exclusivo para o ☻ Mega

Os meios de comunicação sofreram uma grande revolução com os serviços postais, graças aos progressos da física. A invenção do telégrafo eletrônico por Samuel Morse no século 19 e por Gauss, o americano Graham Bell em 1896, inventou o telefone, tornando possível a transmissão da palavra à grandes distâncias. A telegrafia sem fio surgiria em 1896, junto com o Cinema, a obra dos Irmãos Lumiere em 1895 e ainda o fonógrafo, o tataravô das pick-ups, inventado por Thomas Edison em 1878; a televisão nascia na Escócia em 19256 com Baird. O cinema sonoro, produto de vários inventores teve a sua primeira película rodada em 1926, sob o título de D Juan, sendo este o 1° filme falado.

telafone antigo

O telefone, este objeto que fascinou o mundo, no final do século XIX e hoje parece tão familiar, é o resultado de muitos esforços e invenções para conseguir que a voz humana fosse transmitida através de longas distâncias. Sua história teve início na oficina de Charles Williams, localizada na cidade de Boston, e onde também trabalhava Tomas A. Watson, pessoa que sentia entusiasmo e simpatia por coisas novas, e se dedicava, em tempo integral, à invenção e ao aperfeiçoamento de aparelhos elétricos. Foi nesta mesma oficina que se deu o encontro entre Watson e Alexander Graham Bell, que havia estudado na Universidade de Boston, era professor de fisiologia vocal, e tinha se especializado no ensino da palavra visível (sistema inventado pelo seu pai, com a finalidade de que uma pessoa surda pudesse aprender a falar). Bell tinha a intenção de aperfeiçoar seu “telégrafo harmônico”, aparelho com o qual pretendia transmitir em código Morse de seis a oito mensagens simultâneas. Foi assim que Graham Bell chegou àquela oficina, procurando suporte tecnológico para sua invenção, e começou a trabalhar com Watson. Mais adiante, Bell disse a Watson estas palavras: “Se eu pudesse fazer com que uma corrente elétrica variasse de intensidade da mesma forma que o ar varia ao se emitir um som, eu poderia transmitir a palavra telegraficamente.” Esta foi a chave do invento que viria a se chamar telefone.Depois de muitas tentativas, em 1876, o sonho de Bell se tornou possível. Através de um aparelho, entre um cômodo e outro, Watson ouviu Bell dizendo: “Sr. Watson, preciso do senhor, venha.” Nascia, assim, o telefone. A nova invenção foi apresentada na Exposição do centenário de Filadélfia. Desde então foram grandes e impactantes os avanços da telefonia até o que hoje chamamos de telefones celulares.

8198 – Monitoramento de epidemias pelo celular


Pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, em Boston, criaram uma estratégia de combate à malária com base em torres de transmissão de sinal de celular. Dessa forma eles descobriram, por exemplo, que pessoas que faziam ligações ou enviavam mensagens perto da torre de transmissão da cidade de Kericho, no Quênia, faziam viagens para fora da região 16 vezes mais do que a média, e também eram três vezes mais propensos a visitar a região do Lago Vitória, um dos grandes lagos africanos, identificado como um dos principais focos da doença. A causa de tanta movimentação foi identificado por imagens de satélite: uma plantação de chá que tinha muitos migrantes ficava próxima à torre de Kericho.
Essa pesquisa pode ajudar a detectar os principais focos nos quais a doença deve ser combatida prioritariamente, além de ser uma feramente útil para controle de movimentação de pessoas, uma vez que muitos países mais pobres não conseguem fazer essa contagem de forma eficiente.
Esse tipo de informação também pode ajudar em campanhas de prevenção baratas, como por exemplo, enviar mensagens de texto a pessoas que entram na zona de cobertura da torre de Kericho alertando sobre o uso de mosqueteiros. A estratégia ainda tem a vantagem de funcionar com diversos tipos de telefone, inclusive aqueles mais simples, que só fazem ligações e mandam mensagens.

7508 – Como funciona o identificador de chamada nos telefones?


O segredo de um identificador de chamada é o modem que ele possui, dispositivo que converte pulsos telefônicos em dados digitais e vice-versa. Quando você faz uma ligação, seu aparelho de telefone transforma em sinais elétricos dados como a sua voz e o número do seu telefone. Esses sinais elétricos viajam por uma complexa rede de cabos até chegar ao telefone chamado. Se ele tiver um identificador de chamadas – o popular Bina – o modem do aparelho irá transformar as freqüências em que foram emitidos esses sinais elétricos em linguagem binária (seqüências de algarismos “0” e “1”):
• Freqüência de 2,2 kHz – Representa “0”
• Freqüência de 1,2 kHz – Representa “1”
Como cada seqüência de “0” e “1”pode indicar um número – o “5”, por exemplo, é “101” na linguagem binária – fica fácil para o bina apontar de onde vem a chamada. Uma última curiosidade: o nome Bina é uma sigla para a expressão “B identifica A”. Ela indica que o aparelho é capaz de decodificar os sinais do telefone de quem fez a chamada (A) e exibi-los no visor do telefone de quem a recebeu (B).

7344 – Como funciona o identificador de chamada nos telefones?


O segredo de um identificador de chamada é o modem que ele possui, dispositivo que converte pulsos telefônicos em dados digitais e vice-versa. Quando você faz uma ligação, seu aparelho de telefone transforma em sinais elétricos dados como a sua voz e o número do seu telefone. Esses sinais elétricos viajam por uma complexa rede de cabos até chegar ao telefone chamado. Se ele tiver um identificador de chamadas – o popular Bina – o modem do aparelho irá transformar as freqüências em que foram emitidos esses sinais elétricos em linguagem binária (seqüências de algarismos “0” e “1”):
• Freqüência de 2,2 kHz – Representa “0”

• Freqüência de 1,2 kHz – Representa “1”

Como cada seqüência de “0” e “1”pode indicar um número – o “5”, por exemplo, é “101” na linguagem binária – fica fácil para o bina apontar de onde vem a chamada. Uma última curiosidade: o nome Bina é uma sigla para a expressão “B identifica A”. Ela indica que o aparelho é capaz de decodificar os sinais do telefone de quem fez a chamada (A) e exibi-los no visor do telefone de quem a recebeu (B).

7106 – Mega Byte – Vem aí o 4G


A quarta geração da telefonia celular, que garante o acesso à internet em uma velocidade até dez vezes maior do que a oferecida atualmente pelas operadoras, deve chegar ao Brasil em abril de 2013. A implementação dessa tecnologia promete mudar os rumos do setor nos próximos anos. A expansão do serviço, no entanto, já enfrenta algumas barreiras. A primeira delas é o preço dos aparelhos.
queno, tornando o preço elevado”, explica Eduardo Tude, presidente da Teleco. A boa notícia é que a chegada do serviço não impedirá o funcionamento das gerações de telefonia anteriores. Pelo contrário, o 4G será um estímulo à melhora da qualidade do sinal da rede 3G. De acordo com a advogada do Instituto de Defesa do Consumidor Veridiana Alimonti, a tendência é de que os consumidores enfrentem no início os mesmos problemas da telefonia 3G, já que a implementação da nova rede representa um avanço para a transferência de dados, mas não interfere na área de cobertura.

6763 – Como funciona o cartão telefônico?


Veja alguns cartões

O verso do cartão contém microfusíveis distribuídos simetricamente ao longo da sua superfície. Eles vão sendo apagados à medida que se gasta tempo nas ligações. Quando o cartão é introduzido no orelhão e a chamada telefônica é iniciada,o aparelho recebe o impulso de tarifação da central telefônica. Para cada impulso recebido, o aparelho comanda a queima de um microfusível específico, por meio de correntes eletromagnéticas. A central telefônica determina a freqüência de queima de unidades do cartão, que pode ser, conforme a distância de uma unidade a cada 3 minutos (ligações locais) até de unidades a cada 30 segundos (ligações de longa distância).

Um Pouco +
O cartão telefônico é uma tecnologia surgida no final do século XX que veio substituir as moedas e, no Brasil, as antigas fichas telefônicas, nos aparelhos de telefonia pública.
A opção por essa tecnologia foi impulsionada pelas pesquisas acerca de dinheiro eletrônico (créditos).
O primeiro cartão telefônico público foi lançado na Itália, em 1976, e era magnético.
Ao contrário dos selos e das moedas, os cartões telefônicos admitem a exploração promocional das imagens neles estampadas.
Em 1978 Dalson Artacho financiou e depositou a primeira patente do invento no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), antes mesmo que Bardini, o idealizador maior do invento, entrasse para o CPqD da Telebrás, que trabalhando em seu laboratório num pequeno quarto de sua casa fabricou de forma totalmente artesanal os primeiros cartões indutivos de leitura estática do mundo. Aliás início muito comum a inventos de grande criatividade, ou seja longe de grandes centros de pesquisa de grandes corporações, e parecido com a origem de diversas empresas inovadoras tal como a Apple, HP, entre outras que como Bardini, também iniciaram suas pesquisas em pequenos laboratórios caseiros, ou mais precisamente na garagem de suas casas como Steve Jobs e Steve Wosniak ou mesmo Bill Hewlet e David Packard por exemplo.
Posteriormente, já trabalhando na Telesp e em seguida na Telebrás, Bardini tentou convencer sem sucesso diversos superiores e colegas da aplicação prática no país, de seu invento.
Descontente com o aparente desinteresse do CPqD da Telebrás, Bardini desligou-se daquele centro em 1987, passando a trabalhar junto à empresa Signalcard visando o aprimoramento da tecnologia dos cartões e leitoras indutivas. Já naquele mesmo ano, mais específicamente em novembro de 1987, Bardini juntamente com a empresa Signalcard, empresta para uma outra empresa a Icatel da capital de SP, um protótipo de telefone público para que a empresa paulistana o expusesse em seu estande na “TELECOM 1987” em Genebra na Suíça, o que acabou chamando enorme atenção, não apenas dos visitantes europeus do evento, mas também de muitos brasileiros inclusive da Telebrás ali presentes que até então não acreditavam na tecnologia.
Concluído o licenciamento, já em 1992, durante o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, em Interlagos, foi apresentado o primeiro telefone público brasileiro, que foi oficialmente implantado na ECO-92, a Conferência Mundial da ONU sobre o meio ambiente, em Junho do mesmo ano.
Alguns anos após, a Signalcard e a Telebrás voltaram a negociar visando o aprimoramento comum da tecnologia brasileira, e assinaram um convênio de cooperação técnica, inclusive objetivando futuras negociações de patentes.
Atualmente, o uso de cartões é obrigatório em todos telefones públicos brasileiros.
Os cartões possuem no mínimo vinte créditos. O preço de venda do cartão é determinado pela quantidade de créditos, as operadoras devem vender estes créditos pelo valor estabelecido pela Anatel, mas os revendedores não possuem esta obrigação. Cada crédito permite dois minutos de conversação para um telefone fixo local.

5119 – Por que acontecem as linhas cruzadas?


Você está fazendo alguma revelação íntima pelo telefone e aparece mais alguém na linha. Pior, o intruso resolve se intrometer na sua conversa. A confusão ocorre quando as ondas eletromagnéticas vindas de dois aparelhos se sobrepõem. É que a voz, antes de ser transmitida, é transformada em um sinal elétrico que viaja em forma de onda por um fio até chegar ao outro telefone. Lá ele é convertido outra vez em som. O problema é que as ondas são mais largas do que o diâmetro do fio e, às vezes, atingem um condutor vizinho. “Quando dois fios estão muito próximos ou danificados, as ondas de ambos podem se misturar”. Aí, o sinal de um viaja pelo outro, provocando a linha cruzada.