13.628 – Mega Byte – Uber acumulou prejuízo de US$ 4,5 bilhões em 2017


Uber
A Uber é uma empresa multinacional, com presença em múltiplas cidades no Brasil, uma frota gigante de motoristas parceiros e impacto global, o que pode dar a impressão de que a companhia lucra fortunas. Essa última parte, no entanto, não é verdade: a empresa teve prejuízo de US$ 4,5 bilhões durante o ano de 2017, segundo relatório apresentado aos investidores.
O resultado assustador pode ser atribuído a dois motivos. O primeiro é a estratégia ultra-agressiva de expansão da empresa, que investe pesado para estar no máximo de lugares possível. O segundo foi o péssimo ano da empresa como um todo, cheio de crises incluindo acusações de sexismo interno, vazamento de dados de milhões de clientes e até uma rede de espionagem criada para bloquear remotamente computadores e celulares da empresa e impedir investigações por parte de autoridades.
Foi por causa dessa cultura tóxica da empresa que o fundador Travis Kalanick foi afastado do cargo de CEO para dar lugar a Dara Khosrowshahi. Se ele não vai mudar a estratégia de expansão, que têm custado fortunas, ao menos ele têm a missão de começar a limpar a imagem da empresa, o que pode ajudar a conter os prejuízos.
Como informa a Bloomberg, A perda de US$ 4,5 bilhões também mostra que a empresa está aumentando seu ritmo de perdas rapidamente, já que o prejuízo de 2017 é cerca de 60% maior do que o visto em 2016, quando a empresa queimou US$ 2,8 bilhões.
Como a empresa pode se manter no topo perdendo tanto dinheiro?”, você pode se perguntar. A Uber segue queimando o dinheiro de investidores como a Softbank, que recentemente aportou mais de US$ 1 bilhão na empresa de transporte para que a Uber consiga manter sua estratégia de expansão para atropelar concorrentes no mundo inteiro.
No entanto, mesmo diante dessa perda colossal, a Uber ainda tem alguns destaques positivos do ano. Suas receitas subiram em 61% no último trimestre de 2017, chegando a US$ 2,22 bilhões, com um faturamento total de US$ 7,5 bilhões. Além disso, a companhia também tem gastado seu dinheiro de forma mais eficiente em áreas como suporte, vendas e marketing.

Anúncios

13.626 – Google prepara recurso para envio de SMS no Android pelo navegador do PC


google de olho
Vai dar para enviar mensagens de texto pelo navegador, caso você seja usuário do Android. Códigos encontrados dentro do aplicativo Android Messages do Google indicam que a empresa planeja disponibilizar essa funcionalidade no futuro.
O pessoal dos sites XDA Developers e Android Police vasculharam os dados da versão mais recente do app Android Messages, que o Google disponibiliza para gerenciamento de mensagens SMS no Android. E eles encontraram algumas coisas bastante interessantes escondidas no código do arquivo APK.
Referências a um recurso indicam que, em breve, vai dar para mandar mensagens a partir do navegador. A ferramenta funcionaria com o pareamento do smartphone a um site na web a partir de um código QR. A partir daí, é só digitar no teclado o que o usuário quer que seja enviado para seus contatos.
O recurso foi parcialmente implementado na versão 2.9 do Android Messages, mas não é possível enviar mensagens no momento.
Outro recurso que pode ser incluído no futuro é uma forma de enviar dinheiro para amigos via SMS a partir do Google Pay. O Google também está preparando uma ferramenta parecida com as respostas inteligentes de apps como Gmail, Allo e Inbox.
Até agora, no entanto, não há nenhuma informação por parte da empresa em relação à disponibilidade das novas funções. Referências a um recurso em um arquivo APK não significa necessariamente que ele vai existir um dia, mas é um indício de que o Google ao menos estuda expandir as funcionalidades de SMS no Android.

13.624 – Projeções – A Transferência Mental


projetoavatar
Em teoria por enquanto:

Acredita-se que uma pessoa possa transformar a sua personalidade, memória e emoção em dados de computador. Sendo assim, essa pessoa poderia viver eternamente caso algo acontecesse ao seu corpo orgânico dentro de um sistema de computação. Uma pessoa pode carregar sua consciência para um computador ou a mente de um bebê recém-nascido. O bebê, então, iria crescer com a individualidade da pessoa anterior e não poderia desenvolver sua própria personalidade.
Futuristas como Moravec e Kurzweil propuseram que, graças ao crescimento exponencial do poder da computação, um dia será possível fazer o upload da consciência humana para um sistema informático e viver indefinidamente em um ambiente virtual. Isso poderia ser conseguido através de avanços da cibernética, quando o hardware seria inicialmente instalado no cérebro para ajudar a memória a digitalizar ou acelerar os processos de pensamento. Componentes seriam adicionados gradualmente até que as funções do cérebro da pessoa fossem inteiramente dispositivos artificiais, evitando transições radicais que poderiam levar a problemas de identidade.
Após esse ponto, o corpo humano poderia ser tratado como um “acessório opcional” e a mente poderia ser transferida para qualquer computador suficientemente potente. Pessoas nesse estado seriam, então, essencialmente imortais, a menos que a máquina (ou o segundo corpo) que as mantém seja destruida. A pessoa poderia criar varias cópias de arquivo e guardá-las em vários locais (ou jogá-las na Internet), garantindo assim vida eterna absoluta.

Uso Militar
Essa tecnologia poderia ser usada como uma forma de armazenar dados das mentes de soldados. Esses dados ficariam em um local seguro e, caso esses soldados fossem mortos em guerra, com sua essência eles poderiam ser revividos, assim evitando o sofrimento da morte para a familia.
Outro uso é que a inteligência artificial poderia ser usada para o combate direto. Com a captação de dados, seria possivel replicar o sistema criando seres artificiais baseados na personalidade da pessoa que foi sublimada. Ex.: pilotos de caça criados artificialmente (homúnculos ou inteligências de computador) poderiam entrar em combate, a mente desenvolvida poderia tomar decisões sozinha e assim poderia ser criado o livre-arbitrio artificial, criando uma espécie de guerra robótica em que seres humanos não precisariam mais arriscar suas vidas para o combate e, sim, homúnculos ou inteligências artificiais, capazes de tomar as suas próprias decisões e, quem sabe, possuir sentimentos e essências baseados no ser humano.

Onde entra a ética?
É evidente que essa questão gera muita polêmica. Como ainda não existe uma legislação especifica para esse caso, uma pessoa sublimada não teria nenhum impedimento para praticar muitos crimes, como assassinato por exemplo (já que homicidio é qualificado como um humano matando outro e, de certo ponto de vista, o individuo deixa de ser humano).
Outro ponto a ser comentado é a questão de o homem se tornar uma especie de deus, já que, com uma análise detalhada de dados, podemos até criar um homúnculo (ou uma consciência artificial) baseando-se em tais dados; o que poderia levar a máquina (ou o homúnculo) dotada de livre-arbítrio a cometer crimes e ficar impune. Apesar de existirem as três leis da robótica, o ser citado acima, por possuir livre-arbitrio, poderia se negar a seguir tais leis, o que cientificamente seria absurdo de se aceitar. Isso sem contar a questão da imortalidade já citada acima.
Com isso surgiriam questões do tipo: é etico ser imortal? Seria injusto não aplicar as mesmas leis humanas a robôs? Seria injusto exclui-los do mesmo código de ética, mesmo sabendo que eles devem ser uma espécie de escravos do ser humano e não poderiam seguir o seu livre-arbitrio tão livremente assim?

13.622 – SpaceX vai lançar seu primeiro foguete Falcon Heavy destinado a Marte


falcon-heavy
O Falcon Heavy vai ser lançado da mesma plataforma utilizada pela maioria das missões Apollo, destinadas à lua, e terá a maior capacidade de elevação de qualquer espaçonave americana desde a Saturn V, da Apollo.
O atual foguete da companhia, Falcon 9, lança cargas para a Estação Espacial Internacional e coloca satélites em órbita. Os primeiros estágios do foguete frequentemente são reutilizados em outros lançamentos.
O novo Falcon Heavy é uma versão extrema deste foguete, construída para suportar mais carga e ir mais longe: os três primeiros estágios do Falcon 9 irão impulsionar o Heavy para o espaço, e a SpaceX tentará pousar todos os três. Dois serão colocados em terra, enquanto o central, que irá viajar mais longe, pousará em uma grande barca no mar.
O Heavy tem 70 metros de altura e será o foguete operacional mais poderoso do mundo, capaz de levantar cargas úteis de até 57 toneladas métricas em órbita. Para este lançamento, no entanto, terá uma carga útil menor: o carro de Elon Musk, um Tesla Roadster vermelho. Além de CEO da SpaceX, Musk também é CEO da empresa de automóveis elétricos Tesla.
Se tudo der certo, o carro acabará em uma órbita em torno do sol longe o suficiente para alcançar Marte, e vai levar câmeras que devem fornecer “vistas épicas”.

Alto risco
Musk enfatizou que este é um lançamento de alto risco, estabelecendo expectativas baixas para um voo inaugural bem-sucedido.
Os 27 motores do primeiro estágio do veículo terão que acender no momento certo, por exemplo, e o primeiro estágio central sofrerá muito estresse durante o lançamento.
Dito isso, o Falcon Heavy já fez um teste de fogo dos seus motores bem-sucedido, no qual todos do primeiro estágio se acenderam por cerca de 10 segundos na plataforma de lançamento.
“Se algo der errado, espero que vá mal no meio da missão, para pelo menos aprendermos tanto quanto for possível ao longo do caminho. Eu consideraria uma vitória se simplesmente não explodisse no lançamento”, Musk afirmou.
Reconstruir a plataforma de lançamento demoraria de 8 a 12 meses, o que seria um fator limitante para realizar um novo teste rapidamente. “Vamos nos divertir, não importa o que aconteça. Será emocionante de uma forma ou de outra – ou um sucesso emocionante ou um fracasso emocionante”, disse Musk. [Space.com, SpaceX]

Últimas Notícias
O evento foi visto por milhões de pessoas na internet e chegou a derrubar o site da companhia.
O palco principal foi a plataforma 39A, do Centro Espacial Kennedy, da Nasa, a agência espacial dos EUA. De lá, desde 1973 não subia um lançador com capacidade comparável à do Falcon Heavy.
Com efeito, o único a batê-lo em poder de inserção orbital em toda a história do programa espacial americano foi o Saturn V, que levou o homem à Lua nos anos 1960 e 1970.
Uma diferença fundamental separa os dois lançadores, contudo: enquanto o venerável foguete projetado por Wernher von Braun para bater os soviéticos na corrida espacial do século passado foi financiado por um brutal aporte de recursos governamentais – a Nasa então consumia cerca de 5% de todo o orçamento federal -, o Falcon Heavy foi desenvolvido pela SpaceX com dinheiro privado, e seu custo é uma fração do que consumia seu predecessor.
A diferença poderia ser tida como um sinal dos tempos, mas não é só a evolução tecnológica que explica a mudança. Atualmente, a mesma Nasa desenvolve um foguete de alta capacidade similar ao Saturn V, o SLS, e seu custo estimado é de cinco a dez vezes maior que o do Falcon Heavy.
Enquanto um lançamento do novo foguete da SpaceX pode sair por US$ 90 milhões (custo mínimo), um SLS (ainda sem preço exato definido) está mais perto de US$ 1 bilhão.
Essa é a medida do quanto a SpaceX está mudando a noção do custo de acesso ao espaço e incomodando a concorrência, nos EUA e fora dele. De onde vem a diferença? A palavra-chave é inovação, e é o que explica os eventos testemunhados nesta terça na Flórida.

MUDANDO AS REGRAS
O Falcon Heavy tem três propulsores no primeiro estágio, e um no segundo. Todos são baseados nos sistemas desenvolvidos para o Falcon 9, o foguete “velho de guerra” da SpaceX. Na verdade, a melhor definição para o primeiro estágio dele seria a de três primeiros estágios do Falcon 9 amarrados.
Pois bem, esses propulsores não só sobem ao espaço com uma potência incrível como retornam a pousam suavemente após cumprirem sua missão.
Com isso, podem ser reutilizados, algo que inverte completamente a lógica de como transporte espacial tem sido feito até hoje, e o aproxima mais de outras modalidades de transporte criadas pelo ser humano. Ninguém joga fora um helicóptero depois de um único voo. O mesmo se aplica a um avião. Por que jogariam fora um foguete após um único voo?
Musk estava determinado a provar que era possível recuperar as partes do lançador descartadas durante a subida e reutilizá-las. Isso está mais que cabalmente demonstrado a essa altura.

Por sinal, os dois propulsores laterais do Falcon Heavy vieram de missões anteriores do Falcon 9. Fizeram duas viagens ao espaço, portanto, a segunda nesta terça. E pousaram suavemente, ao mesmo tempo, em plataformas em solo. Feito inédito.
O propulsor central do primeiro estágio desceu numa balsa no oceano, mas não conseguiu fazer um pouso suave e terminou seu voo num evento que Musk costuma descrever como RUD, sigla para “Rapid Unscheduled Disassembly”, ou “Desmontagem Rápida Não Agendada”. Eufemismo para destruição completa (e geralmente explosiva).
De toda forma, o segundo estágio já confirmou os dois disparos necessários para colocar numa órbita alta ao redor da Terra. Uma terceira queima, marcada para a 1h de quarta-feira, colocaria o carro Tesla Roadster de Elon Musk e um boneco chamado Starman, em homenagem à música de David Bowie, a caminho de uma trajetória interplanetária na direção da órbita de Marte.
“Reinício do estágio superior normal, apogeu atingido de 7.000 km”, escreveu Musk no Twitter pouco após o lançamento. “Ele vai passar 5 horas sendo banhado pelos cinturões [de radiação] de Van Allen e então tentará o disparo final para Marte.”
Enquanto isso, a SpaceX transmitia imagens ao vivo pelo YouTube do veículo cor cereja da meia-noite girando pacificamente ao redor da Terra — que acabou de ficar um pouquinho menor e menos isolada no Universo depois deste lançamento.

13.621 – Polícia chinesa adota óculos com reconhecimento facial


policia chinesa
A polícia chinesa encontrou uma nova forma vigiar ainda mais os cidadãos. Conforme relata o The Wall Street Journal, os policiais locais estão usando óculos equipados com câmeras de reconhecimento facial para detectar criminosos que estejam tentando fugir principalmente pelas estações de trem.
A tecnologia usa uma base de dados de identificação do governo para verificar cada pessoa. Além disso, os dispositivos permitem que as autoridades rastreiem locais que as câmeras fixas não conseguem monitorar e de forma mais rápida, sendo que em testes o equipamento identificou indivíduos em um banco de dados de 10 mil suspeitos em apenas 100 milissegundos.
Segundo a publicação, os óculos já ajudaram a polícia ferroviária a capturar sete pessoas ligadas a casos criminosos e outros 26 que estavam viajando com identidade de outras pessoas.
No entanto, especialistas estão preocupados com que os óculos sejam usados também para identificar dissidentes políticos, minorias étnicas ou então exibir informações pessoais sobre endereço ou situação econômica das pessoas.

13.606 – Os Robôs Estão Chegando – Automação vai mudar a carreira de 16 milhões de brasileiros até 2030


emprego3
Além das já conhecidas ameaças geopolíticas e ambientais, as transformações do mercado de trabalho também ganharam lugar de destaque na agenda do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.
Só no Brasil, 15,7 milhões de trabalhadores serão afetados pela automação até 2030, segundo estimativa da consultoria McKinsey.
No mundo, no período entre 2015 e 2020, o Fórum Econômico Mundial prevê a perda de 7,1 milhões de empregos, principalmente aqueles relacionados a funções administrativas e industriais.
A avaliação de especialistas da área é que o mercado de trabalho passa por uma grande reestruturação, semelhante à revolução industrial. A diferença é que agora tudo acontece muito mais rápido: desde 2010, o número de robôs industriais cresce a uma taxa de 9% ao ano, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).
No Brasil, cerca de 11.900 robôs industriais serão comercializados entre 2015 e 2020, segundo a Federação Internacional de Robótica.
A Roboris, que tem entre seus clientes a Embraer, é uma das fornecedoras que atuam no país. Segundo o presidente da empresa, Guilherme Souza, 30, o interesse da indústria brasileira pela automação vem crescendo.
No mundo, entre 400 milhões e 800 milhões serão afetados pela automação até 2030, a depender do ritmo de avanço tecnológico, segundo a McKinsey. Isso equivale a algo entre 11% e 23% da população economicamente ativa global, calculada pela OIT em 3,5 bilhões de pessoas.
Isso não significa que todos perderão o emprego, mas que serão impactados em algum grau, que vai de desemprego a ter um “cobot” (colega de trabalho robô com quem divide as funções).
O Fórum Econômico Mundial, por exemplo, projeta um aumento na demanda nas áreas de arquitetura, engenharia, computação e matemática, entre outras.
Esse incremento de vagas, contudo, não será suficiente para absorver quem perdeu o trabalho em outros setores, além de exigirem alta qualificação, avalia a organização.
Nesse cenário de extinção grande de trabalhos que exigem pouca qualificação e criação de um número menor que exige muita, a tendência é de aumento da desigualdade, alerta a OIT.
O fim de funções hoje exercidas pela população de baixa e média renda vai gerar desemprego e pressionar para baixo o salário das que restarem, diante da massa de pessoas buscando trabalho.
Mesmo quem tem uma visão mais positiva sobre o futuro, como a McKinsey, sugere a criação de uma renda básica universal (principal bandeira do petista Eduardo Suplicy) como uma opção diante do enxugamento de vagas de menor qualificação.
Um sintoma já perceptível desse processo é a queda ou estagnação da renda fruto de salários e capital em dois terços dos lares das economias avançadas entre 2005 e 2014, maior retrocesso desde os anos 1970, diz a consultoria.
Um caminho para contornar o problema é treinar a força de trabalho para que aqueles de menor qualificação profissional não fiquem para trás, diz o diretor da OIT.
Estudo na Unicef divulgado em dezembro alerta para o risco da tecnologia digital transformar-se em um novo motor de desigualdade. Embora 1 em cada 3 usuários da internet seja uma criança, há ainda 346 milhões de jovens sem acesso ao mundo digital.
Segundo pesquisa feita pelo Fórum Econômico Mundial com diretores das áreas de recursos humanos em empresas de 15 países, 44% deles acreditam que o maior impacto no mercado hoje vem das mudanças no ambiente de trabalho, como home office, e nos arranjos flexíveis, como contratação de pessoas físicas para trabalhar por projeto (a chamada “pejotização ). O percentual é semelhante entre os brasileiros (42%).
Outra forma emergente de trabalho são os relacionados à “gig economy”, como plataformas online e aplicativos –programadores freelance e motoristas de Uber entram nessa categoria.
A tendência é de que as empresas reduzam ao máximo o número de empregados fixos dentro do contrato tradicional, terceirizando para consultores o que for possível como forma de redução de custos e ganho de eficiência, segundo o Fórum Econômico Mundial.
Assim, embora a tecnologia gere uma demanda por novas atividades altamente qualificadas, como programação de um aplicativo, a probabilidade é que as empresas terceirizem a função, em vez de contratar diretamente esse profissional.
Um desafio extra para o Brasil é que ele precisa começar a lidar com essas questões novas ao mesmo tempo em que ainda não resolveu problemas antigos, como o alto índice de informalidade, que voltou a subir durante a crise e hoje atinge 44,6% dos trabalhadores, segundo o IBGE.
É preciso estender a cobertura da legislação ao “velho” e ao “novo” mercado, Salazar-Xirinachs, diretor regional da OIT para a América Latina e Caribe.

emprego2

emprego grafico

13.596 – Cadê o Nosso Trem Bala? Veja como era o cronograma “furado”


Edital-do-trem-bala
Movido a energia elétrica, ele poderá ter um traçado com 518 quilômetros e fazer a viagem entre Rio de Janeiro e São Paulo em cerca de uma hora e meia. Nome oficial ele até já tem: Trem de Alta Velocidade (TAV), mas falta o governo federal fechar seu projeto definitivo. Depois, ainda é preciso abrir uma licitação para escolher as construtoras que farão a obra e muita paciência para vê-lo finalmente correndo pelos trilhos. Na melhor das hipóteses, uma pequena parte do trajeto entraria em operação apenas em 2014. Com base em alguns detalhes divulgados pelo governo e de projetos já estudados pelo Ministério dos Transportes, dá para ter uma ideia de como o nosso trem-bala poderá ser.

POR QUE É RÁPIDO?
Movido a energia elétrica, o trem-bala é uma variação sofisticada dos trens comuns que já circulam no país. O que o ajuda a ser mais veloz é principalmente o traçado especial (mais reto, com curvas mais abertas) e o menor número de paradas.

PONTES E TÚNEIS
Para o trem-bala ser rápido, ele precisa de um traçado o mais reto possível. E para conseguir isso é bem provável que haja muitos túneis e pontes. Um dos projetos já estudados previa que 26% do trajeto seria feito em viadutos ou pontes e 33% em túneis!

SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS
A energia elétrica necessária para alimentar a linha do trem viria de subestações elétricas espalhadas ao longo de todo o trajeto. Alguns projetos falam em pelo menos 11 subestações. Além delas, seria preciso uma rede de cabos de alta tensão suspensos.

CUSTO DA OBRA
A previsão oficial do governo é que o trem-bala custe 11 bilhões de dólares, ou cerca de 25 bilhões de reais! Para ter uma ideia, isso é equivalente ao PIB anual do Mato Grosso do Sul, ou seja, tudo o que o estado produz de bens e serviços em um ano.

27 bilhões de dólares: Usina Hidrelétrica de Itaipu

11 bilhões de dólares: trem-bala

2,1 bilhões de dólares: 12,8 KM de metrô em SP

VELOCIDADE MÉDIA
Ainda estão sendo estudados modelos de trem-bala de vários países. O japonês N700, um dos mais modernos em operação, tem média de velocidade de 270 km/h. Mas os planos do governo são ambiciosos: fala-se em pelo menos 285 km/h de média!

VAGÕES E PASSAGEIROS
Tudo vai depender do tipo de trem escolhido pelo governo. Mas, tomando como exemplo o modelo japonês N700, cada trem seria capaz de levar 546 passageiros em oito vagões, três vezes a capacidade do avião mais usado no Brasil.

PREÇO DA PASSAGEM
Por enquanto, só dá para estimar usando um projeto – da empresa Italplan – aprovado pelo Ministério dos Transportes em 2004, mas depois deixado de lado. Por esse projeto, a passagem sairia por 120 reais.

Cronograma Furado
Veja comom era
CRONOGRAMA DO PROJETO

Confira a previsão do governo para as obras do trem-bala

1º TRIMESTRE DE 2009

Final dos estudos técnicos

ABRIL DE 2009

Divulgação do projeto definitivo

2º SEMESTRE DE 2009

Licitação da obra

2010

Início das obras

2014

Conclusão da primeira fase das obras

Como estão as coisas hoje
A construção do Trem de Alta Velocidade, conhecido como trem-bala, que ligaria São Paulo ao Rio de Janeiro, não está entre as prioridades do governo neste momento. Segundo o diretor-presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), José Carlos Medaglia Filho, da forma como o projeto foi concebido, com altos investimentos públicos, o projeto não é viável atualmente.

Segundo Medaglia, a única forma de trazer de volta a ideia da construção do trem-bala seria por meio de uma concessão à iniciativa privada. “Reestudando trechos, prazos de implantação, buscando uma equação financeira que não conte exclusivamente com recursos públicos e, provavelmente, mobilizando outros meios para dar atratividade, como desenvolvimento imobiliário ao longo do trecho, que são coisas mais modernas, utilizadas em outros países”, explica.
Mesmo assim, o diretor-presidente afirma que o governo não abandonou a ideia de ter um trem de alta velocidade ligando São Paulo e o Rio de Janeiro. “Não quer dizer que a gente não possa, a qualquer momento, trazer de novo para o topo dos nossos estudos. Nós, absolutamente, não abandonamos esse plano, mas dentro daquele critério de maturidade ele hoje não tem uma equação viável”, diz Medaglia.
A EPL foi criada em 2012, originalmente com a finalidade de cuidar da implantação do trem-bala no Brasil. Com o adiamento do projeto, a empresa está agora vinculada ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e cuida dos estudos para embasar as decisões do governo sobre as concessões no setor de logística.

13.595 – Inteligência Artificial na Medicina


ia na medicina
A Microsoft em parceria com a empresa Adaptive Biotechnologies pretende para usar a inteligência artificial para mapear e decodificar o sistema imunológico humano.
Segundo o vice-presidente corporativo da Microsoft IA e Pesquisa, Peter Lee, o objetivo é criar um exame de sangue universal que leia o sistema imunológico de uma pessoa para detectar uma grande variedade de doenças, incluindo infecções, cânceres e transtornos autoimunes em seu estágio inicial, quando podem ser mais efetivamente diagnosticados e tratados.
A resposta do sistema imunológico à presença de doença é expressa na genética de células especiais, chamadas células T e células B, que formam o comando distribuído e o controle para o sistema imune adaptativo. Cada célula T possui uma proteína de superfície correspondente chamada receptor de células T (TCR, na sigla em inglês), que possui um código genético que visa um sinal específico de doença ou um antígeno.
Mapear TCRs para antígenos é um desafio enorme, exigindo tecnologia de inteligência artificial muito profunda e recursos de aprendizado de máquina, juntamente com pesquisas emergentes e técnicas de biologia computacional aplicadas à genômica e ao imunosequenciamento.
Com o sequenciamento do sistema imunológico é possível descobris as doenças com as quais o corpo está lutando ou já lutou. “O potencial para ajudar clínicos e pesquisadores a conectar os pontos e entender a relação entre os estados da doença pode eventualmente levar a uma melhor compreensão da saúde humana em geral”, afirma Lee.

13.583 – Mega Techs – Entenda como funcionam os celulares à prova d’água


celular a prova
Hoje em dia tem um monte de celular que é à prova d´água, mas não vai pensando que você pode fazer uma aula de natação com o aparelho no bolso! Vem cá ver algumas orientações que eu separei para você entender como funciona essa proteção:
Olha só, a proteção contra água e poeira do celular é medida através da escala de IP (que significa “Ingress Protection”, ou Proteção de Entrada, em tradução livre). Acontece que tem diferentes níveis de proteção:

Grau de proteção contra sólidos

0 – Sem proteção
1 – Proteção contra sólidos cujo diâmetro seja maior do que 50 mm
2 – Proteção contra sólidos cujo diâmetro seja maior do que 12,5 mm
3 – Proteção contra sólidos cujo diâmetro seja maior do que 2,5 mm
4 – Proteção contra sólidos cujo diâmetro seja maior do que 1 mm
5 – Proteção contra o acúmulo de poeira e contato com partes internas do equipamento
6 – Proteção total contra a entrada de poeira

Grau de proteção contra água

0 – Sem proteção
1 – Proteção contra queda vertical de gotas de água
2 – Proteção contra queda de gotas de água a uma angulação de 15 graus
3 – Proteção contra queda de gotas de água a uma angulação de 60 graus
4 – Proteção contra água borrifada em qualquer uma das direções
5 – Proteção contra jatos de água mais leves
6 – Proteção contra maresia intensa, contra grande acúmulo de líquidos ou contra jatos de água com pressão
7 – Proteção contra imersão temporária de até 1 metro e por um período de até 30 minutos
8 – Proteção contra submersão completa, contra imersão prolongada em situações sob pressão

você só precisa olhar a numeração. Por exemplo, se o celular tiver uma proteção IP54, significa que ele tem “proteção contra o acúmulo de poeira em partes internas do equipamento” e “proteção contra água borrifada em qualquer uma das direções”. O mais resistente é o IP68, tá? Para você saber qual é o nível de proteção do seu celular, é só olhar nas especificações do aparelho, que ficam no manual, caixa ou site da fabricante.
Gente, essa proteção pode ser feita de dois jeitos: uma é através de tampas de borracha ou silicone nas entradas USB e para fone de ouvido. Então, você precisa tampar essas entradas antes de molhar o celular, mesmo se tiver o celular mais resistente! Se o seu celular não tiver as tampas, é porque os componentes internos, como processador e memória RAM, são selados para não correr o risco de molharem.
Em geral, os aparelhos aguentam até 30 minutos submersos por até 1 metro de profundidade. Mesmo os com IP68, que tem proteção contra submersão completa e imersão prolongada em situações sob pressão, não podem ficar muito tempo embaixo d’água! Por isso que você não pode ficar abusando da sorte: esse tipo de celular é feito para ser usado na chuva, para aguentar por algum acidente, mas evite ficar entrando na piscina ou usar durante o banho!

Algumas funções do smartphone podem não funcionar ou apresentar alguns problemas enquanto ele está embaixo d’água. Você pode ter dificuldades, por exemplo, para usar a tela touchscreen e rede Wi-Fi. Além disso, veja as orientações da fabricante, pois muitas pedem para que você não carregue o celular logo depois de ele cair na água, pois o excesso de umidade pode causar curto-circuito.

13.580 – Seu Futuro decidido por um Robô – Programa de inteligência artificial encontra candidatos para vagas


Desde pequena, Marcela Ponzini, estudante de Economia e Administração, nunca parou quieta. Gostava de aprender e descobrir coisas novas — duas características marcantes da personalidade dela. Hoje, passa o tempo livre lendo os livros de Sri Prem Baba, um brasileiro popstar do hinduísmo.
Em uma disputa de emprego tradicional, essas curiosidades poderiam passar em branco. Afinal, o que mais conta, nas primeiras etapas, são histórico escolar e experiências anteriores. Não dá para chamar a atenção dos recrutadores de outra forma que não apenas com o currículo — exceto em processos que envolvem o Kenoby, software de recrutamento e seleção, custos e tempo gasto nos processos seletivos com auxílio do Watson, plataforma de inteligência artificial da IBM.
E Ponzini encarou uma dessas seleções. Ela participou de quatro provas online: inglês, conhecimentos gerais, conhecimento cultural e motivacional. Mas o programa de inteligência artificial da Kenoby não avalia apenas os resultados: analisa as respostas com cuidado e revela alguns detalhes da personalidade. Nessa busca, indica aos recrutadores — em um tempo bem mais ágil — quais são os melhores candidatos para a vaga. “Dá mais segurança e não sofre influência de preconceitos”, diz Marcel Lotufo, CEO e sócio-fundador do empreendimento.
Ponzini não passou no teste final, mas superou quase mil candidatos. E pôde, pelo menos, mostrar mais que o currículo.

13.572 – Mega Byte – Google abre laboratório de inteligência artificial na China


google de olho
O Google não pode operar nenhum dos seus principais serviços na China, mas isso não impede que a empresa invista no país. Agora o Google abriu um laboratório voltado para inteligência artificial para competir com nomes locais como Baidu, Tencent e Alibaba.
De acordo com o Google, o laboratório será o primeiro do tipo na Ásia e foi criado a partir de uma pequena equipe que trabalhava em pesquisas básicas relacionadas a inteligência artificial, segundo a Reuters.
A expectativa do Google é atrair grandes mentes chinesas da área para contribuir com o desenvolvimento das tecnologias de aprendizado de máquina. Os trabalhos serão feitos em conjunto com outros laboratórios abertos em Nova York, Toronto, Londres e Zurique.
Apesar de não autorizar a operação dos serviços do Google no país alegando que eles ferem ideais socialistas, o governo chinês vê com bons olhos as pesquisas relacionadas a inteligência artificial, o que faz com que muitas empresas chinesas já tenham estudos avançados na área – o Baidu, por exemplo, está desenvolvendo um carro autônomo próprio.

13.570 – Tecnologia – Reator de Fusão Nuclear


O tão esperado Reator Experimental Termonuclear Internacional (ITER, no original inglês “International Thermonuclear Experimental Reactor”), com potencial para liderar uma nova era de energia limpa a partir da fusão nuclear, atingiu um marco chave, com metade da infraestrutura necessária agora já construída.
O ITER fica na França e é uma parceria de projetos entre Europa, EUA, China, Índia, Japão, Rússia e Coreia do Sul.
Até agora, ninguém construiu um reator de fusão que poderia alimentar seque uma cidade pequena, quem dirá um estado ou país.
O ITER é a esperança para mudar isso. A colaboração internacional iniciou o projeto há dez anos com planos para alcançar a fusão total em 2023. Atrasos maciços têm empurrado esse objetivo para 2035.
O projeto já ultrapassou em quatro vezes seu orçamento original, com alguns críticos dizendo que não está claro se a tecnologia sequer irá funcionar. A máquina deverá custar, no total, mais de US$ 20 bilhões.
Porém, Bernard Bigot, diretor-geral do ITER, disse que a conclusão da metade do projeto significou que o esforço está se reerguendo e poderia produzir energia a partir de 2025.
A fusão nuclear é o fenômeno natural que alimenta o sol, convertendo hidrogênio em átomos de hélio através de um processo que ocorre em temperaturas extremas.

Replicar esse processo na Terra não é uma tarefa simples.
O projeto visa usar a fusão de hidrogênio, controlada por grandes ímãs supercondutores, para produzir energia de calor, de forma semelhante às usinas de carvão e gás de hoje. A diferença é que seria livre de emissões de carbono, e potencialmente de baixo custo, se funcionar em grande escala.
Por exemplo, de acordo com os cientistas do ITER, uma quantidade de hidrogênio do tamanho de um abacaxi poderia ser usada para produzir tanta energia quanto 10.000 toneladas de carvão.
Enquanto a fusão nuclear tem sido objeto de diversas pesquisas científicas desde a década de 1940, até hoje não descobrimos um meio de fazê-la funcionar em condições controláveis na escala necessária.
O ITER foi descrito como o esforço científico mais complexo da história humana. O projeto exige que plasma de hidrogênio seja aquecido a 150 milhões de graus Celsius – 10 vezes mais quente que o núcleo do sol. Um reator em forma de rosca chamado “Tokamak” seria cercado por ímãs gigantes para retirar o plasma superaquecido das paredes metálicas do recipiente. Isso requer que os ímãs sejam arrefecidos até menos 269 graus Celsius.
Os EUA são responsáveis por 10% do orçamento do projeto, enquanto a União Europeia fornece 45% do custo, com o restante sendo de responsabilidade dos outros parceiros principais.

Bigot visitou Washington DC para tentar quebrar o impasse, afirmando ao portal The Guardian estar confiante de que o conflito poderia ser resolvido.
Outra boa notícia é que o Google também está trabalhando atualmente na energia de fusão nuclear, sendo o primeiro grande setor privado a investir na tecnologia. O gigante da internet anunciou que formou uma parceria com a Tri Alpha Energy, apoiada pelo cofundador da Microsoft Paul Allen, para gerar novos algoritmos computacionais que poderiam testar os conceitos por trás dos esforços de engenharia da fusão nuclear. [BusinessInsider, TheGuardian]

13.569 – Física – O que são máquinas moleculares?


nanomaquinas
É definida como um número discreto de componentes moleculares que desempenham movimentos mecânicos (output) em resposta a estímulos específicos (input).
Geralmente a expressão é aplicada a moléculas que simplesmente imitam funções que ocorrem a nível macroscópico.
O termo também é comum em nanotecnologia e várias máquinas moleculares altamente complexas já foram propostas para o objectivo de construir um montador molecular.
As Máquinas Moleculares podem ser propostas em duas grandes categorias: sintéticas e biológicas.
Aqui estão duas experiências de pensamento que formam a base histórica para máquinas moleculares: o demônio de Maxwell e Ratchet de Feynman (ou catraca browniano). Demônio de Maxwell é bem descrita em outro lugar, e uma interpretação ligeiramente diferente da catraca de Richard Feynman é dado aqui.

Imaginemos um sistema muito pequeno (ver abaixo) de duas pás ou engrenagens ligadas por um eixo rígido e que é possível manter estas duas pás a duas temperaturas diferentes. Uma das engrenagens (em T2) tem uma lingueta que está retificando o movimento do sistema, e, portanto, o eixo só pode se mover em uma rotação no sentido horário, e ao fazê-lo, poderia levantar um peso (m) para cima em cima de catraca. Agora imagine se o remo na caixa T1 estava em um ambiente muito mais quente do que a engrenagem na caixa T2; seria de esperar que a energia cinética das moléculas de gás (círculos vermelhos) que atingem a pá em T1 seria muito mais elevada do que as moléculas de gás que atingem a engrenagem em T2. Por conseguinte, com menor energia cinética dos gases no T2, haveria pouca resistência das moléculas ao colidirem com a engrenagem na direcção oposta estatisticamente. Além disso, o roquete iria permitir a direcionalidade, e lentamente ao longo do tempo, o eixo de roquete iria rodar e, levantando o peso (m).
Como descrito, este sistema pode parecer uma máquina de movimento perpétuo; No entanto, o principal ingrediente é o gradiente térmico dentro do sistema. Esta catraca não ameaça a segunda lei da termodinâmica, porque este gradiente de temperatura deve ser mantida por alguns meios externos. O movimento Browniano das partículas de gás fornece a energia para o aparelho, e o gradiente de temperatura permite que a máquina para conduzir o sistema ciclicamente afastamento do equilíbrio. Em catraca de Feynman, o movimento browniano aleatório não é combatido, mas em vez disso, aproveitado e retificado. Infelizmente, os gradientes de temperatura não pode ser mantida ao longo de distâncias à escala molecular, porque a vibração molecular de redistribuição da energia a outras partes da molécula. Além disso, apesar da máquina de Feynman fazendo um trabalho útil para levantar a massa, usando o movimento browniano para alimentar uma máquina de nível molecular não fornece qualquer visão sobre como o poder (ou energia potencial do peso levantado, m) pode ser usado para executar tarefas em nanoescala.
Diferentemente movimento macroscópico, sistemas moleculares estão constantemente passando por movimentos dinâmicos significativos sujeitos às leis da mecânica brownianos (ou movimento browniano) e, como tal, aproveitando o movimento molecular é um processo muito mais difícil. Ao nível macroscópico, muitas máquinas operam na fase gasosa, e, muitas vezes, a resistência do ar é desprezada, como é insignificante, mas analogamente para um sistema num ambiente molecular Browniano, movimento molecular é semelhante “a uma curta em um furacão, ou natação em melaço. “O fenômeno do movimento browniano (observado por Robert Brown (botânico), 1827), foi posteriormente explicado por Albert Einstein em 1905. Einstein descobriu que o movimento browniano é uma consequência da escala e não a natureza do entorno. Contanto que a energia térmica é aplicado a uma molécula, ele irá sofrer movimento Browniano com a energia cinética adequada para essa temperatura. Portanto, como estratégia de Feynman, ao projetar uma máquina molecular, parece sensato para utilizar o movimento browniano em vez de tentar lutar contra isso.
Como máquinas macroscópicas, máquinas moleculares normalmente têm partes móveis. No entanto, enquanto as máquinas macroscópicas cotidianas podem servir de inspiração para máquinas moleculares, é enganoso desenhar analogias entre sua estratégia de design; a dinâmica das escalas de comprimento pequenas e grandes são simplesmente demasiado diferente. Aproveitando o movimento browniano e fazer máquinas nível molecular é regulada pela segunda lei da termodinâmica, com suas conseqüências, muitas vezes contra-intuitivo, e como tal, precisamos de outra inspiração.
Apesar de ser um processo desafiador para aproveitar o movimento browniano, a natureza nos proporcionou vários projetos para o movimento molecular realizar trabalho útil. A natureza criou muitas estruturas úteis para compartimentar sistemas moleculares, criando, portanto, as distribuições não-equilíbrio distintas; a membrana celular é um excelente exemplo. Barreiras lipofilias fazer uso de uma série de diferentes mecanismos de movimento de alimentação de um compartimento para outro.

13.562 – Automóvel – UPi da VW com motor turbo


vw_up_motor_tsi
Em 2014, quando foi lançado, o Volkswagen Up! mostrou uma nova história para carros 1.0, com melhorias na dirigibilidade, segurança e tecnologia, mas não “estourou” nas bilheterias – foi o 16º no geral e 4º na categoria naquele ano, segundo a federação dos concessionários, a Fenabrave.
Mesmo assim, a fabricante continua apostando no subcompacto e o escolheu para estrear o motor TSI – o primeiro 1.0 com turbocompressor e injeção direta de combustível que aceita tanto gasolina ou etanol. É como se um bom filme de aventura ganhasse versão em 3D.
As sensações a bordo do carro foram realçadas, com mais potência e torque, sem perder no consumo de combustível. Pelo contrário: por incrível que pareça, o motor turbo consome menos que a versão “normal”.
A parte ruim é que o “ingresso” – que muitos consumidores já achavam caro – para ver este bom “filme” em 3D aumentou. A partir da versão intermediária, Move, a diferença é de R$ 3,1 mil e pode extrapolar os R$ 50 mil.
Roteiro
A estrutura do Up! é praticamente a mesma que recebeu 5 estrelas para proteção de adultos e 4 para crianças na avaliação de segurança do Latin NCap. A Volkswagen espera que o TSI repita a nota, que só foi superada entre os carros nacionais neste ano pelo Jeep Renegade.
Por fora, o visual só foi alterado por um para-choque 4 centímetros mais avantajado, que só é percebido por espectadores bem atentos.
Mas qual é a graça de ter um carro mais potente se os outros não sabem disso? Para se diferenciar da outra versão, que continuará em produção normalmente, todos os modelos com motor TSI terão a tampa do porta-malas traseira pintada em preto. O interior é exatamente o mesmo: confortável para 4 pessoas, mas sofrível para 5.
Sem enrolar muito na apresentação dos personagens, a grande atração é mesmo o novo motor 3 cilindros com turbo. Ele faz parte de uma “nouvelle vague” (nova onda), que começou na Europa, com objetivo de reduzir o consumo de combustível e, por consequência, as emissões de gases que provocam efeito estufa.
Mas como no Cinema Novo brasileiro, quando Glauber Rocha superou diretores europeus e levou o prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes de 1969, o time brasileiro da Volkswagen conseguiu uma obra tão boa ou melhor que a dos alemães.
Na Europa, o motor 1.0 TSI é oferecido para os modelos Polo e Golf, com potências maiores que os 105 cavalos do Up! brasileiro, é verdade, mas movido apenas a gasolina. Por aqui, ele aceita também etanol, o que torna o carro ainda mais sustentável.
Na cidade, a autonomia do Up! TSI melhorou para 13,8 km/l (gasolina) e 9,6 km/l (etanol), enquanto o MPI registra 13,5 km/l e 9,2 km/l. Já na estrada, a versão turbo obteve 16,8 km/l (gasolina) e 11,1 km/l (etanol). O consumo energético só perde para modelos híbridos como Ford Fusion, Toyota Prius e Lexuc Ct200h, entre 607 carros testados pelo Inmetro neste ano.
No escurinho
No cinema, é raro, quase impossível, um “remake” (um filme refeito, anos depois) ser melhor que o original. Mas no caso do Up! é isto que acontece.
Mas o que há no escurinho, debaixo do capô, para o carro ser tão diferente agora? O turbocompressor, que dá aquela “sensação de 3D”, com mais oxigênio para a combustão, e a injeção direta, que aumenta a pressão com que o combustível é vaporizado dentro do cilindro. A alquimia deste “casal” de protagonistas gerou maior potência (105 ante 82 cv) e torque (16,8 ante 10,4 kgfm).
Estar no banco do motorista do Up! TSI é como um bom thriller de ação. Nada de drama, mesmo em situações delicadas para um motor 1.0. Os acréscimos de torque e de potência garantem bom desempenho em subida, o cenário mais temidos por donos de “carro mil”.
Na estrada, as retomadas fazem o motorista se sentir em um filme de aventura, em que o protagonista magro e com aparência de intelectual supera desafios quando confrontado. O Up! TSI pode surpreender rivais até de motor 1.8, com retomadas rápidas e agilidade.
E o melhor de tudo é que as explosões do motor soam bem baixinhas para quem está dentro do carro – ninguém quer sistema de som surround para ouvir o barulho que vaza do capô. Neste sentido, as rotações menores do motor turbo ajudam bastante, principalmente para um 3 cilindros.
De acordo com a fabricante, a aceleração de 0 a 100 km/h é feita em pelo menos 9,1 segundos, contra 12,4 segundos do modelo aspirado. A velocidade máxima subiu de 165 km/h para 184 km/h, em medições feitas com etanol, mas, chegando perto deste limite, o Up! perde estabilidade, possivelmente por ser muito leve (a partir de 950 kg).
Pela alta tecnologia e pelo desempenho, o motor TSI deve ser indicado a diversos prêmios neste ano, antes mesmo de encontrar uma maior audiência em outros modelos da Volkswagen: a expectativa é que o 1.0 turbo equipe também Gol, Fox e Saveiro.
No entanto, um sucesso de crítica não significa necessariamente grande bilheteria. No Oscar, por exemplo, “Guerra ao terror” levou a estatueta de melhor filme em 2010, desbancando a produção de maior bilheteria em toda história do cinema, “Avatar”.
Embora o Up! tenha crescido gradualmente em vendas (foi o 14º no geral de janeiro a junho), é improvável que uma versão mais cara ajude a elevar os emplacamentos, mas ela marca o início de uma nova geração no Brasil. Uma geração com mais tecnologia e menos consumo de combustível, que pode ser reconhecida futuramente.

speed_up_14

13.552 – Primeiro modem comercial 5G da Intel já está sendo desenvolvido


modem 5g
A empresa anunciou o desenvolvimento do seu primeiro modem 5G comercial, que deve ser lançado no mercado nos próximos anos.
O XMM 8060 é o primeiro modem 5G da Intel. Ele tem capacidade de funcionar em redes 5G, 4G, 3G e 2G. A expectativa da Intel é que os primeiros dispositivos com o chip cheguem às lojas em meados de 2019. Isso inclui smartphones, computadores, veículos e mais.
A expectativa é que as conexões 5G atinjam velocidades superiores a 5 Gbps. Além da Intel, outra empresa que trabalha na área é a Qualcomm, que já realizou uma conexão 5G que bateu a marca de 1 Gbps – ainda longe do potencial real da tecnologia.
O 5G só deve começar a operar comercialmente em 2020, e ainda assim deve demorar bastante até que as redes com a quinta geração de internet móvel estejam disponíveis para muita gente. Até lá, a Intel trabalha para ser um nome forte na área.

13.534 – Novo golpe de WhatsApp promete maquiagem de O Boticário de graça


golpe whats4
O novo golpe do WhatsApp com a falsa promoção de O Boticário está se espalhando rapidamente entre os internautas brasileiros. Prometendo um lápis de maquiagem da linha Make B, a mensagem leva os usuários a se cadastrar em serviços de SMS pagos e a baixar aplicativos maliciosos para o smartphone. De acordo com a PSafe, mais de meio milhão de pessoas teriam sido alvo da armadilha.
Na suposta página promocional, o usuário se depara com as perguntas “Você já fez compras no Boticário?”, “Gosta de produtos da O Boticário?” e “Você recomendaria O Boticário a um amigo ou membro da família?”. Em seguida, independentemente das respostas dadas, o internauta é encaminhado para uma página onde deve encaminhar a mensagem da promoção para 10 amigos no WhatsApp para ter acesso ao prêmio.
Após encaminhar a mensagem, o internauta é redirecionado para uma página onde deve se cadastrar em um serviço de SMS pago ou baixar aplicativos falsos. Essas ameaças podem deixar o celular da vítima infectado ou vulneráveis a outros tipos de ameaças, como crimes e prejuízos financeiros, de acordo com o DFNDR Lab.

Golpe simula promoção já encerrada
O golpe que circula entre os usuários brasileiros trata-se de uma versão falsa da promoção “Desejos de Make” de O Boticário, que já foi encerrada pela empresa. O link encaminhado junto à mensagem, inclusive, simula a página oficial da ação. No entanto, a farsa pode ser facilmente desmascarada por conta da má construção do site e por causa de o domínio do link ser “makesx” ao invés da marca “Make B.” ou o do próprio O Boticário, por exemplo. Outro ponto é a propaganda de uma empresa concorrente à marca.

golpe botica

13.532 – Hasta la Vista Baby – Inteligência Artificial pode substituir todos os Humanos Afirmou STEPHEN HAWKING


exterminador
Se as pessoas projetam vírus de computador, alguém projetará uma Inteligência Artificial que vai se aperfeiçoar e reproduzir a si própria.” Concretizar essa profecia feita pelo físico teórico em entrevista à revistaWired parece uma questão de tempo.
Um exemplo é o projeto AphaGo, do Google, que criou um robô capaz de vencer os melhores jogadores de GO, um antigo jogo chinês. Em seguida o projeto de inteligência artificial criou outro robô, que se treinou sozinho, e venceu 100 partidas consecutivas o primeiro robô. Por enquanto é só um jogo, em um ambiente (teoricamente) controlado como o laboratório do Google.
Diariamente, no entanto, surgem novas notícias da evolução da inteligência artificial. Caso essa tecnologia esteja disponível nas mãos de alguém sem tanta preocupação ética, dando liberdades de parâmetros e limites aos robôs, um cenário similar à Skynet de O Exterminador do Futuro não parece tão impossível. “Será uma nova forma de vida que supera os humanos”, alerta Hawkings. Podemos ficar obsoletos.
Não é a primeira vez que o físico alerta sobre os perigos da inteligência artificial. Em uma entrevista concedida à revista Times, em março deste ano, garantiu que o apocalipse robô era iminente, e a criação de algum tipo de governo mundial seria necessário para controlar a tecnologia. Ele destacou principalmente os empregos que serão perdidos para os robôs e a criação de armas militares providas de inteligência artificial.
Para o cientista, já atingimos um ponto sem volta. Como parece que nenhum governante esteja muito preocupado com as ameaças, a opção para Hawking seria a colonização de outros planetas. Mas tem de ser rápido, já que ele colocou um prazo de 100 anos para deixarmos a Terra.
O engenheiro chefe do Google, Ray Kurzweil, já afirmou que a singularidade — quando máquinas inteligentes criam máquinas ainda mais inteligentes — deverá acontecer dentro dos próximos 30 anos. Seja qual for o resultado, o quase ilimitado potencial da inteligência artificial, com capacidade para o bem ou para o mal, precisa ser desenvolvido com o máximo de cautela.

13.528 – Mega Byte – Brecha no Tor, o navegador da Deep Web, vazava IPs reais dos usuários


thor
O Tor é um navegador criado para navegação anônima, protegendo o usuário de ser identificado tanto para fins nobres (denúncias contra governos autoritários, por exemplo) quanto para fins criminosos (tráfico de drogas e pedofilia, por exemplo). Então, é compreensível que a comunidade tome um susto com um bug que estava vazando os IPs reais dos usuários.
A falha, batizada como “TorMoil” (um jogo de palavras com o nome do browser que pode ser traduzido como “turbulência”), foi identificada nas versões de macOS e do Linux. Ela se apresenta se o usuário tenta acessar um tipo específico de link, que comecem com “file://” em vez dos mais comuns “http://” ou “https://”, como explica o Ars Technica.
A vulnerabilidade foi descoberta por uma empresa de segurança chamada We Are Segment, que relatou a brecha diretamente para os desenvolvedores do Tor, que distribuíram uma correção temporária que soluciona o problema enquanto uma solução definitiva não fica pronta. Na prática, é a famosa “gambiarra”.
“A correção que distribuímos é uma solução alternativa que impede o vazamento. Como resultado, navegar por URLs com ‘file://’ podem não funcionar conforme o esperado”, dizem os representantes do Tor Project. Desta forma, ao clicar em links com esse prefixo ou digitá-los na barra de endereço, o navegador simplesmente não será capaz de abri-los. A alternativa oferecida pelos desenvolvedores é arrastar o endereço com o mouse para a barra de endereços ou para uma nova aba.
Vale notar que a falha não atinge usuários do Tor no Windows. Além disso, o comunicado do Tor diz que não há evidências de que a brecha tivesse sido explorada durante o tempo em que esteve aberta. Isso dito, a falta de provas não significa que a vulnerabilidade jamais tenha sido aproveitada, então usuários do navegador no Linux e no Mac devem atualizar o navegador o quanto antes.

13.526 – App falso se passando pelo WhatsApp teve mais de 1 milhão de downloads


whats falso
Um aplicativo chamado “Update WhatsApp” publicado por um desenvolvedor chamado “WhatsApp Inc.” enganou pelo menos 1 milhão de pessoas.
Como você deveria suspeitar, não se trata do aplicativo verdadeiro do WhatsApp, mas algo que tenta enganar os usuários na loja do Google replicando tanto o nome do app quanto do desenvolvedor. Vale notar também que os criadores do app falso mascararam o título da “empresa” como “WhatsApp Inc.”, mas incluíram um símbolo unicode invisível após o nome para diferenciar da empresa original sem permitir que o usuário percebesse.
O app falso foi alvo de uma campanha de denúncias por parte de usuários do Reddit, que fizeram o caso ganhar notoriedade, o que forçou o desenvolvedor a se mexer e mudar o nome do aplicativo. O aplicativo passou de “Update WhatsApp Messenger” para “Dual Whatsweb Update”; o nome do desenvolvedor mudou para “Live Update Apps”. No entanto, o Google parece ter agido e agora o app está inacessível.
Depois de instalado, o aplicativo tenta se esconder no celular sem apresentar um título e ostentando um ícone em branco. Ele também é capaz de baixar um segundo APK, chamado “whatsapp.apk”, que provavelmente é um aplicativo funcional para o usuário conseguir acessar o serviço e não perceber seu engano.
Isso dito, o estrago que o app causa poderia ser maior. O aplicativo falso tinha como objetivo gerar receita para seus desenvolvedores por meio de publicidade, e não parece tentar roubar informações para desfalcar suas vítimas. Normalmente as pessoas que caem nesse tipo de golpe acabam tendo um destino muito mais complicado.

13.523 – Inteligência Artificial – Estes rostos não pertencem a pessoas reais


facesfalsas
Recentemente, um gerador de imagens que conseguia transformar o desenho mais grosseiro de um rosto em uma imagem de aparência mais realista fez sucesso na internet. O sistema usava um tipo novo de algoritmo, chamado de rede adversária generativa (GAN). Agora, a fabricante de chips NVIDIA desenvolveu um sistema que emprega um GAN para criar imagens muito mais realistas das pessoas.
As redes neurais artificiais são sistemas desenvolvidos para imitar a atividade dos neurônios no cérebro humano. Em um GAN, duas redes neurais são essencialmente opostas uma contra a outra. Uma das redes funciona como um algoritmo generativo, enquanto o outro desafia os resultados do primeiro, desempenhando um papel adversário.
Como parte de suas aplicações expandidas para inteligência artificial, a NVIDIA criou um GAN que usou o banco de dados da CelebA-HQ de fotos de pessoas famosas para gerar imagens de pessoas que na verdade não existem.
A ideia era que os rostos criados pela inteligência artificial pareceriam mais realistas se duas redes trabalhassem uma contra a outra para produzi-las. Primeiro, a rede generativa criaria uma imagem com uma resolução menor. Então, a rede oposta avaliaria o trabalho.
À medida que o sistema avançava, os programadores adicionaram novas camadas que lidavam com detalhes de alta resolução até que o GAN finalmente gerasse imagens de “qualidade sem precedentes”, de acordo com a equipe da NVIDIA.
Na verdade, essa linha entre o que é humano e o que é gerado por máquinas é um tema de muita discussão dentro do domínio da IA, e o GAN da NVIDIA não é o primeiro sistema artificial a imitar de forma convincente algo humano.
Uma série de IAs usam técnicas de aprendizado profundo para produzir uma fala humana. O DeepMind da Google tem a WaveNet, que agora pode copiar o discurso humano quase que perfeitamente. Enquanto isso, o algoritmo de inicialização do Lyrebird é capaz de sintetizar a voz de um ser humano usando apenas um minuto de áudio.
Ainda mais perturbador ou fascinante – dependendo da sua opinião sobre a inteligência artificial – são robôs que supostamente entendem e expressam emoções humanas. Exemplos disso incluem os robôs Sophia, da Hanson Robotics, e Pepper, da SoftBank.
Claramente, uma era de máquinas mais inteligentes já chegou. Conforme a capacidade da inteligência artificial de realizar tarefas que anteriormente apenas seres humanos poderiam realizar melhorar, a linha entre humanos e máquinas continuará a diminuir. A única questão é se ela acabará desaparecendo completamente. [Science Alert]