13.935 – Preso no passado ou aberto ao futuro? Socialismo Permanece Ainda como Alternativa contra o Capitalismo Selvagem


capitalismo-selvagem-no-brasil-7
Em certo momento, a alternativa socialista parecia invencível, destinada à vitória universal. Não foi o que aconteceu. Ao contrário: o socialismo, embora ainda vivo, está moribundo. Pode-se considerá-lo uma perspectiva, uma experiência aberta para o futuro da humanidade?
O socialismo contemporâneo surgiu na esteira das revoluções americana e francesa, em fins do século XVIII. “Todos os homens nascem livres e iguais e têm o direito de lutar pela felicidade” – a frase revolucionária suscitou um tsunami político e social. Entretanto, permaneceram as desigualdades sociais, de gênero e a escravidão. Milhões de seres humanos continuaram sendo considerados inferiores, destinados a serem “civilizados” ou vítimas de genocídio, como aconteceu com os povos nativos da América, da África e da Ásia. À aristocracia do sangue, fundada na hereditariedade, sucedeu uma outra, burguesa, baseada na propriedade privada dos bens de produção. Foi da esperança de vencer a burguesia que nasceu o socialismo.
Mas nem todos os socialistas defendiam as mesmas propostas. Surgiram duas grandes vias, a da revolução e a da reforma, embora não houvesse muralhas intransponíveis entre elas. Na perspectiva revolucionária, os privilegiados haveriam de resistir pela força, e somente por ela seriam vencidos. A partir daí, bifurcavam-se novamente os caminhos. Para uns, como Mikhail Bakunin (1814-1876), tratava-se de incentivar a mudança social. Ela viria como uma “destruição criadora”, suscitando a Anarquia, uma ordem baseada na inexistência do Estado. Em outro registro, defendido por nomes como Gracchus Babeuf (1760-1797) e Auguste Blanqui (1805-1881), propunha-se uma organização clandestina capaz de, num momento de convulsão social, tomar o Estado e transformar a sociedade através de uma ditadura revolucionária. Com o tempo, as liberdades seriam estendidas a todos.
A perspectiva reformista não acreditava na eficácia da violência: as ideias socialistas avançariam devagar, ganhando as consciências. As lutas sindicais e a universalização do voto ocupariam um lugar central. A primeira demonstração desta proposta foi o Movimento Cartista, na Inglaterra, nos anos 1840.
Em 1848, uma onda revolucionária percorreu a Europa, suscitando as questões da independência nacional, da democracia e do socialismo. Surgiu, então, uma nova tendência, liderada por Karl Marx (1818-1883). Compartilhava a ideia da violência e da tomada do poder do Estado para aplicar o programa revolucionário, mas apresentava uma novidade: considerava-se portadora de um novo tipo de socialismo, científico. A associação entre ciência e política tinha uma evidente lógica autoritária, mas isto só se tornaria claro mais tarde.
Naquele momento, explicitou-se o caráter internacional do capitalismo, da burguesia triunfante e de sua ideologia, o liberalismo. O socialismo também definia-se como internacional. Em 1864, formou-se a Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT), que durou pouco tempo, minada pelas querelas entre Marx e Bakunin, pela repressão desencadeada após a derrota da Comuna de Paris, em 1871, e pela força do nacionalismo, que empolgava as camadas populares.
Nas últimas décadas do século XIX, o capitalismo internacional mudaria de patamar, através de uma grande revolução científica e tecnológica. Liderados pelos bancos (capitalismo financeiro), apareceram os grandes monopólios, concentrando imensos contingentes de trabalhadores. Surgiu o proletariado, que se tornaria a principal base social e política das propostas socialistas. Formaram-se partidos de massa, muitos referenciados nas ideias de Marx. Tratava-se de combinar, de forma original, reforma e revolução, lutas nacionais e articulação internacional, socialismo e democracia. Tomou corpo, então, a social-democracia, estabelecendo um sinal de igualdade entre as duas ideias: só haveria socialismo com democracia. À nova Internacional Socialista, fundada em 1889, caberia o papel de coordenar os diversos partidos nacionais.
Entretanto, a social-democracia foi capturada pelo nacionalismo e pelo reformismo. Sob sua liderança, os trabalhadores ganharam proteção social, direito de voto e liberdades democráticas, integrando-se como cidadãos às instituições políticas e sociais. Daí veio a concepção reformista de que o socialismo se imporia através de uma transição pacífica, por efeito da força crescente das organizações sindicais, das políticas social-democratas e das sucessivas crises econômicas geradas pelo capitalismo. O socialismo triunfaria nos centros capitalistas importantes – a Europa e os Estados Unidos – e depois se estenderia para o resto do mundo, sob a liderança do proletariado internacional e de suas organizações. A eventual irrupção de uma guerra apressaria o advento do socialismo, pois os partidos social-democratas se levantariam contra ela, realizando a esperada revolução.
A Primeira Grande Guerra, entre 1914 e 1918, dissolveria estas esperanças. Salvo exceções, os partidos proletários socialistas aderiram à defesa dos respectivos Estados nacionais. O internacionalismo e a revolução saíram do radar. No entanto, a partir de 1917, depois de milhões de mortos, começaram a eclodir revoltas entre trabalhadores e soldados, exigindo o fim do conflito. O processo tomou força na Rússia, que já era uma potência, ainda que essencialmente agrária. O desastre provocado pelo confronto alcançou ali proporções devastadoras, impulsionando a revolta social.
Em fevereiro de 1917, em Petrogrado, capital da Rússia, manifestações contra a autocracia e pelo fim da guerra levaram à queda do tsar. Instaurou-se um governo provisório e abriu-se uma conjuntura de efervescência social. Trabalhadores e soldados organizaram-se em conselhos, os sovietes. Camponeses formaram comitês agrários. As nações não russas oprimidas revoltaram-se. A convergência destes múltiplos movimentos ensejou uma outra revolução, em outubro. Vitoriosa em Petrogrado, estendeu-se pelo país.
Várias tendências socialistas participaram do processo, mas destacou-se uma ala do partido social-democrata russo: os bolcheviques, discípulos de Marx e liderados por Lenin (1870-1924) e Trotsky (1879-1940). Mais bem organizados, ousados e determinados, apostando que uma revolução vitoriosa na Rússia empolgaria o continente europeu, estabeleceram um novo governo, apoiado nos sovietes urbanos e nos comitês agrários. Seguiu-se uma guerra civil, entre 1918 e 1921, ao fim da qual venceram os revolucionários. Mas o país ficou inteiramente destruído e, para piorar, a experiência não se estendeu à Europa.
A revolução não surgiu onde os socialistas a esperavam – nos principais centros capitalistas, com fortes classes operárias, sindicatos, partidos socialistas de massa e tradições de liberdade. Venceu num país que, embora relativamente forte do ponto de vista militar, era ainda agrário e atrasado em relação às grandes potências europeias, arrasado pela guerra, sem valores democráticos e governado por um pequeno partido, centralizado e militarizado que, para se manter no poder, recorreu à ditadura revolucionária.
A certeza de que eram os únicos a ter a compreensão científica da História, combinada com tradições místicas do messianismo russo, fez dos bolcheviques uma eficiente e temível máquina política. Sem contar com apoio internacional, empreenderam, a partir de 1929, uma nova revolução, através do Estado e sob liderança de Joseph Stalin (1878-1953): pela violência, coletivizaram a terra, que fora distribuída pelas famílias camponesas depois da revolução, e industrializaram o país de maneira planificada, universalizando os serviços de educação e saúde. A ditadura revolucionária radicalizou-se, alcançando com prisões, deportações e execuções todos os que se opuseram (ou foram acusados de se opor) aos desígnios do Estado.
Ao longo dos anos 1930, enquanto os países capitalistas afundavam na crise econômica iniciada em 1929, a União Soviética conhecia um gigantesco desenvolvimento, tornando-se uma potência econômica e militar. A Segunda Guerra Mundial confirmaria esta mutação. O nazi-fascismo seria vencido por uma Grande Aliança, mas o papel da URSS foi decisivo, tendo ela suportado os maiores custos materiais e humanos provocados pelo conflito. Em 1945, no fim da guerra, era imenso o prestígio da União Soviética. Sua economia planificada inspirava políticas em todo o mundo. Muitos criticavam o Estado ditatorial, até entre os socialistas, mas havia no ar expectativas de aberturas democráticas.
A URSS já não se encontrava isolada: o socialismo estendera-se por quase um terço do mundo. Na Europa central, foi implantado pela ocupação dos exércitos soviéticos. No Extremo Oriente, as guerras nacionais camponesas, dirigidas pelos comunistas contra os exércitos japoneses, impuseram o socialismo na China, no norte da Coreia e do Vietnã. Repetia-se, numa escala mais vasta, o que já se verificara com a revolução russa: o socialismo aparecia num contexto de guerras, em sociedades agrárias e empreendido por ditaduras revolucionárias.
Seguiu-se, entre 1946 e 1991, a bipolarização do mundo, na chamada Guerra Fria. Nos anos 1970, a URSS parecia um ator incontornável nas relações internacionais. Mas já então se avolumavam críticas à sua economia: ineficiência, excessivo centralismo e estatismo, despesas militares exageradas. Do ponto de vista político, a ditadura perdia legitimidade. O socialismo ainda era capaz de mobilizar tanques e aviões, mas já não inspirava a própria população, sobretudo os jovens. A tentativa de autorreforma, nos anos 80, conduziu, de modo fulminante e inesperado, ao fim do socialismo soviético e à desagregação do país.
Era o fim de um ciclo. A China se afastou radicalmente do socialismo: a combinação que ali se efetua, entre capitalismo e dirigismo estatal, com a manutenção de uma rigorosa ditadura política, causa perplexidade e é um desafio à imaginação. O mesmo se verifica, em menor escala, no Vietnã, unificado em 1975, depois de uma longa e devastadora guerra. A Coreia do Norte é uma sinistra caricatura. E Cuba conserva sua independência muito mais pelas reservas nacionalistas de sua revolução do que pelas aspirações e pelos valores socialistas. O nacionalismo radical na África, no mundo muçulmano e na Ásia, perdendo o grande aliado, desagregou-se ou se orientou em outras direções, distantes das concepções inspiradas na experiência soviética.
O modelo socialista soviético está bem morto e é difícil imaginar sua ressurreição. Pela grandeza que chegou a assumir, sua derrocada provocou uma profunda crise de credibilidade nos valores socialistas, não apenas entre os adeptos, mas também entre os críticos.
Como aventura humana, porém, o socialismo não necessariamente se encerrou. Tem a seu favor as contradições agudas que o capitalismo continua a operar, evidenciando desigualdades gritantes e destrutivas. Elas são uma fonte recorrente de estímulo para que sejam pensadas alternativas que valorizem a igualdade e a liberdade.
Estão dadas as bases para pensar o socialismo como uma experiência aberta para o futuro da humanidade. Superadas as ilusões cientificistas, ela pode ser empreendida através da luta política, que é sempre imprevisível mas da qual os socialistas dependem para persuadir as gentes, democraticamente, a respeito da validade e da superioridade de suas propostas.
Neste sentido, continuam vigentes as referências das grandes revoluções de fins do século XVIII, quando esta aventura humana teve início. Se os homens não foram livres e iguais nos padrões do socialismo soviético, nunca poderão ser livres e iguais sob regimes capitalistas.

13.823 – O Socialismo Científico


socialismo

O Socialismo é um sistema político-econômico ou uma linha de pensamento criado no século XIX para confrontar o liberalismo e o capitalismo. A ideia foi desenvolvida a partir da realidade na qual o trabalhador era subordinado naquele momento, como baixos salários, enorme jornada de trabalho entre outras.
Nesse sentido, o socialismo propõe a extinção da propriedade privada dos meios de produção e a tomada do poder por parte do proletariado e controle do Estado e divisão igualitária da renda.
Os precursores dessa corrente de pensamento foram Saint-Simon (1760-1825), Charles Fourier (1772-1837), Louis Blanc (1811-1882) e Robert Owen (1771-1858), conhecidos como criadores do socialismo utópico.
Outros pensadores importantes que se enquadram no socialismo científico são os conhecidos Karl Marx e Friedrich Engels.
Apesar das idéias socialistas terem sido criadas ainda no século XIX, foram somente no século XX colocadas em vigor. O primeiro país a implantar esse regime político foi a Rússia, a partir de 1917, quando ocorreu a Revolução Russa, momento em que o governo monarquista foi retirado do poder e instaurado o socialismo. Após a Segunda Guerra Mundial, esse regime foi introduzido em países do leste europeu, nesse mesmo momento outras nações aderiram ao socialismo em diferentes lugares do mundo, a China, Cuba, alguns países africanos e outros do sudeste asiático.
Diante de todas as considerações, a seguir os principais aspectos do socialismo que deixam claro a disparidade com o sistema capitalista.

• Socialização dos meios de produção: todas as formas produtivas, como indústrias, fazendas entre outros, passam a pertencer à sociedade e são controladas pelo Estado, não concentrando a riqueza nas mãos de uma minoria.
• Não existem classes, ou seja, existe somente a classe trabalhadora e todos possuem os mesmos rendimentos e oportunidades.

• Economia planificada: corresponde a todo controle dos setores econômicos, dirigidos pelo Estado, determinando os preços, os estoques, salários, regulando o mercado como um todo.
O socialismo que foi desenvolvido no decorrer do século XX e que permanece em alguns países até os dias atuais é conhecido por socialismo real, em outras palavras foi executado de forma prática.
Por outro lado, o socialismo ideal é aquele desenvolvido no século XIX, que pregava uma sociedade sem distinção e igualitária, que acabava com o capitalismo. Os pensadores dessa vertente socialista eram em sua maioria anarquistas.
O principal pensador do socialismo foi Karl Marx, para ele esse regime surgiu a partir do capitalismo e seus meios de produção, tendo seu controle desempenhado pelo proletário, assim como o Estado, que posteriormente seria extinto, dando origem ao comunismo que corresponde a uma sociedade sem governo, polícia, forças armadas entre outros, além de não possuir classes sociais e economia de mercado.
Após o declínio do socialismo, a partir de 1991 com a queda da União Soviética, o sistema perdeu força no mundo, atualmente poucos países são socialistas, é o caso da China, Vietnã, Coréia do Norte e Cuba.

13.716 – História Contemporânea – FARC


FARC
No pós-Segunda Guerra, a construção de um mundo bipolarizado pareceu traçar um conjunto de transformações que rompia os limites dos territórios nacionais. O conflito de interesses entre o bloco capitalista e comunista nos dava uma impressão de que as instituições, práticas, econômicas e, até mesmo, concepção de mundo atravessavam a bifurcação destes caminhos distintos.
Na disputa travada por Estados Unidos e União Soviética, o mundo perdia seu aspecto diverso para se curvar à ingerência das duas grandes potências. Nesse contexto, a América seria um campo de homogênea dominação do bloco capitalista. No entanto, todo esse esforço em prol do total alinhamento político nas Américas sofreu grandes resistências. A iniciativa de grupos políticos comunistas e nacionalistas frente a presença imperialista dos Estados Unidos manifestou-se em varias nações latino-americanas.
A mobilização oposicionista chegou a tal ponto que a imposição de ditaduras foi a única estratégia viável para se conter algum tipo de manifestação divergente à doutrinação da ordem bipolar. Em alguns casos, os movimentos revolucionários e as guerrilhas foram algumas vias de mobilização pela qual as oposições políticas nacionais. O caso mais famoso de ação guerrilheira conhecido foi constituído na Colômbia no final dos anos 60.
A luta das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) iniciada da mobilização de camponeses comunistas liderados por Manuel Marulanda, o Tiro Certo, estende-se até os dias de hoje. Esse grupo inconformado com a penosa situação econômica e social da Colômbia decidiu, ao longo de 40 anos de luta, controlar o território sul do país, criando esferas de poder paralelo. No entanto, é importante lembrar que a Colômbia não abriga somente esse grupo guerrilheiro. Outros grupos de orientação diversa também se instalaram no território colombiano.
Atualmente, muitos criticam as FARC como sendo um grupo de ação terrorista e sustentado pelo tráfico de drogas. A natureza combatente das FARC e a disputa entre os outros grupos paramilitares e guerrilheiros do país impedem algum tipo de julgamento preciso sobre os “verdadeiros” objetivos e práticas do grupo. No entanto ficam em evidência os seqüestros, mortes e pressões diplomáticas associadas ao grupo.
De fato, as diferenças dos grupos armados presentes na Colômbia demonstram a fraqueza das instituições políticas dentro do país. As FARC são desdobramentos de uma história política latino-americana onde há a falta de representatividade de suas instituições incitam certas parcelas da população, independente de sua orientação marxista ou conservadora, a pegarem em aramas e garantirem seus interesses.
Nos anos 80, a guerrilha tentou as vias representativas oficias com a criação da União Patriótica. Não obtendo grandes conquistas retornaram ao uso da guerrilha para sustentarem seu projeto revolucionário. No fim dos anos 90, durante o governo do presidente Pastrana, tentou-se uma negociação pacífica capaz de dar fim ao problema causado pelas mortes e o desgaste militar entre o Estado e os grupos armados.
Em 2000, os Estados Unidos decidiram interferir na questão criando um plano de cooperação com a Colômbia. O Plano Colômbia instituiu fundo de ajuda através do qual os Estados Unidos enviaria recursos e tecnologia militar contra os guerrilheiros. Ainda assim, as FARC sobrevivem hoje às pressões que rondam o seu projeto de tomada do poder na Colômbia.

13.374 – Literatura e Socialismo – Quem foi Helen Keller?


Helen-Keller
(Tuscumbia, 27 de maio de 1880 — otawa, 1 de junho de 1968) Escritora e conferencista. Foi a primeira pessoa surda e cega a conquistar um bacharelado.
A história sobre como sua professora, Anne Sullivan, conseguiu romper o isolamento imposto pela quase total falta de comunicação, permitindo à menina florescer enquanto aprendia a se comunicar, tornou-se amplamente conhecida através do roteiro da peça The Miracle Worker que virou o filme O Milagre de Anne Sullivan (1962), dirigido por Arthur Penn (em Portugal, O Milagre de Helen Keller). Seu aniversário em 27 de junho é comemorado como o Helen Keller Day no estado da Pennsylvania e foi autorizado em nível federal por meio da proclamação presidencial de Jimmy Carter em 1980, no centenário de seu nascimento.
Tornou-se uma célebre e prolífica escritora, filósofa e conferencista, uma personagem famosa pelo extenso trabalho que desenvolveu em favor das pessoas com deficiência. Keller viajou muito e expressava de forma contundente suas convicções. Membro do Socialist Party of America e do Industrial Workers of the World, participou das campanhas pelo voto feminino, direitos trabalhistas, socialismo e outras causas de esquerda. Ela foi introduzida no Alabama Women’s Hall of Fame em 1971.
Nascida na cidade de Tuscumbia, Alabama, em 27 de junho de 1880, Helen ficou cega e surda aos 19 meses de idade, devido a uma doença diagnosticada então como “febre cerebral” (hoje acredita-se que tenha sido escarlatina ou meningite). Já nessa época ela conseguia comunicar-se com a filha da cozinheira da família, através de sinais. Aos 7 anos, Keller já tinha mais de 60 sinais com os quais se comunicava com sua família.
estreou na literatura publicando sua autobiografia A História da Minha Vida. Depois iniciou a carreira no jornalismo, escrevendo artigos no Ladies Home Journal. A partir de então não parou de escrever.
Graduou-se bacharel em filosofia pelo Radcliffe College, instituição que a agraciou com o prêmio Destaque a Aluno, no aniversário de cinquenta anos de sua formatura.
Ao longo da vida foi agraciada com títulos e diplomas honorários de diversas instituições, como a universidade de Harvard e universidades da Escócia, Alemanha, Índia e África do Sul. Em 1952 foi nomeada Cavaleiro da Legião de Honra da França. Foi condecorada com a Ordem do Cruzeiro do Sul, no Brasil, com a do Tesouro Sagrado, no Japão, dentre outras.
Foi membro honorário de várias sociedades científicas e organizações filantrópicas nos cinco continentes.
Era filiada ao Partido Socialista da América (SPA), onde desenvolveu uma intensa luta pelo sufrágio universal, ou seja, pelo direito a voto às mulheres, negros, pobres etc. Em 1912 se filiou à Industrial Workers of the World (IWW ou “os Wobblies”), passando a defender um sindicalismo revolucionário.

Optimismo – um ensaio
A Canção do Muro de Pedra
O Mundo em que Vivo
Lutando Contra as Trevas
A Minha Vida de Mulher
Paz no Crepúsculo
Dedicação de Uma Vida
A Porta Aberta
A História da minha vida

9945 – Por que o Socialismo não deu certo?


socialismo

O Socialismo nunca foi posto em prática.
Não no modelo original, e principalmente, sem corrupção.
Os críticos do Socialismo costumam referir-se a uma rotina de violências que teria predominado sobre o processo de consolidação política dos bolcheviques na Rússia, mas é preciso analisar isso com calma, à luz das circunstâncias. Em 1917 era fazer a Revolução ou tolerar uma Ditadura que sacrificava o povo russo há várias gerações. Lênin e Trotsky tinham perfeita consciência de que não estavam dadas as condições para a deflagração da Revolução, mas não havia como deixar de enfrentar todo o atraso material do país, e ainda fazer o processo político avançar. Depois veio a guerra de 1939, com milhões de mortos, onde as decisões eram tomadas em meio ao fogo dos incêndios e dos bombardeios. Os muitos erros que foram cometidos na Rússia, nessa primeira metade do século 20, foram fruto de situações desesperadas. Nessas circunstâncias você não pode prever exatamente as consequências de muitos dos seus atos.

O socialismo é estruturalmente mais justo que o capitalismo. Porém, em suas experiências reais não soube equacionar a questão da liberdade individual e corporativa. Cercado por nações e pressões capitalistas, o socialismo soviético cometeu o erro de abandonar o projeto originário de democracia proletária, baseado nos sovietes, para perpetuar a maldita herança da estrutura imperial czarista da Rússia, agora eufemisticamente denominada “centralismo democrático”.
Para ser estruturalmente mais justo que o capitalismo, o socialismo deveria ter outra concepção dos fundamentos econômicos e da melhor forma de se gerir a economia. O problema é que se reformulasse tais fundamentos e certezas deixaria de ser socialismo. Temos, então, um dado concreto. A economia socialista é planificada, ou seja, controlada por um poder centralizado. Somente dessa forma é possível garantir, no plano teórico, a distribuição eficiente a abrangente da renda e a promoção da justiça social. É um mecanismo que pretende extinguir a produção orientada para o lucro e instituir a produção destinada ao consumo, segundo explicou F. Hayek (O Caminho da Servidão, p. 60).

A economia planificada, inevitavelmente, exige o controle rígido de todos os processos e agentes econômicos. Essa exigência conduz à opressão e tirania, que não se limita à economia e se espalha para os demais segmentos e atividades da vida em sociedade. No plano moral, há um deslocamento brutal de entendimento sobre o indivíduo que faz os tiranos acreditarem na legitimidade de suas crueldades. Se o indivíduo é um mero consumidor daquilo que o Estado provê, então, é moral e economicamente inferior àqueles que provêm as suas necessidades.
O que deu errado e o que deu certo para o socialismo no século XX? Qual foi o real significado da queda do Muro de Berlim e do colapso da URSS? Estas são as perguntas que fazem muitos daqueles que se empenharam na tentativa de construção de uma sociedade superior ao capitalismo no século passado e observam nas últimas duas décadas o retorno dos países chamados socialistas a esse sistema.
A crise econômica global irrompida em 2008 e a iminente ameaça de colapso ambiental, que revelam mais uma vez a disfuncionalidade e a irracionalidade deste sistema, trarão de volta sem dúvida a discussão do socialismo como alternativa. Entretanto, pesa sobre este uma enorme carga de descrédito, por razões até agora aparentemente pouco compreendidas pelo próprio movimento socialista.

9138 – História – Allende, a queda de um socialista


Médico, socialista e maçom. Esse foi o perfil de um dos maiores emblemas chilenos, o ex-presidente Salvador Allende Gossens, deposto por um golpe militar em 1973. Nascido em 26 de junho de 1908, em Valparaíso, Allende veio de uma família de classe média alta. Seus pais foram o advogado Salvador Allende Castro, militante do Partido Radical, e Laura Gossens Uribe. Aos dez anos, foi levado pelo pai para o Instituto Nacional, em Santiago. Em 1920, de volta a Valparaíso, iniciou seus estudo no Liceo Eduardo de La Parra, onde conheceu Juan Demarchi, um velho anarquista italiano que teve grande influência em sua formação política. Após prestar o serviço militar em 1925, ingressou na escola de Medicina da Universidade do Chile. Lá tornou-se presidente do Centro Acadêmico e formou um grupo de discussões sobre marxismo.
Em 1929 foi incorporado à Maçonaria, no mesmo ano em que fundou, com companheiros da universidade, o grupo político Avance. No ano seguinte, então no cargo de vice-presidente da Federação dos Estudantes, acabou preso por se opor à ditadura de Carlos Ibañez del Campo. Aos 25 anos, participou da fundação do Partido Socialista e foi eleito primeiro-secretário-geral. Aliando a medicina social com a política, publicou diversos trabalhos sobre saúde pública. O primeiro mandato de deputado viria em 1937. Dois anos depois, durante o governo de Pedro Aguirre Cerda, da Frente Popular, foi nomeado Ministro da Saúde e Assistência Social. Em 1940, casou-se com Hortensia Bussi, uma professora de História e Geografia. Os dois se conheceram no dia 25 de janeiro de 1939, por ocasião do terremoto de Chillán.
Allende foi eleito senador em 1945. Manteve o cargo por 25 anos, apesar de ter disputado a presidência em 1952, 1958 e 1964. Em 1970, em sua quarta candidatura, finalmente obteve maioria nas urnas e conquistou a Presidência. Pela primeira vez na história do país, um socialista chegava ao poder democraticamente. A vitória fora obtida com o apoio de uma coalizão de partidos de esquerda, a União Popular. Quando assumiu o cargo, no dia 3 de novembro, Allende disse uma de suas frase mais célebres: “Não posso e nunca poderei esquecer que tudo o que fui e tudo o que sou eu devo ao meu partido”.

Allende chegou a ser visto, sobretudo entre os europeus, como o sinal de que era possível conciliar socialismo com democracia. O cenário doméstico era bem mais obscuro. Como recebeu apenas um terço dos votos em 1970 – sua vantagem foi de apenas 40.000 votos – Allende prometeu controlar a esquerda radical para receber o aval do Congresso, ao qual cabia decidir na falta de um vencedor majoritário. Não cumpriu a promessa. Iniciou um processo exacerbado de nacionalizações e permitiu que grupos de extrema esquerda invadissem fábricas e fazendas. O Chile viu-se engolfado pelo caos econômico e pela tensão política.
A forte oposição ao socialismo no contexto da Guerra Fria acabou por derrotar Allende. Boicotes econômicos dos Estados Unidos e financiamentos de greves gerais pela CIA foram decisivos na queda do governo da União Popular. Por fim, no dia 11 de setembro de 1973, um golpe de estado encabeçado pelo general Augusto Pinochet destituiu Allende. As imagens do bombardeio do Palácio de La Moneda, transmitidas pela televisão, ainda cintilam na memória dos que acompanharam a crise. Allende tinha escolhido Pinochet para o comando do Exército dezoito dias antes do golpe exatamente porque se tratava de um general obscuro, intelectualmente limitado e sabidamente apolítico. “Quem é Pinochet?”, perguntou o ex-presidente Eduardo Frei no dia da queda de Allende.
Às 9h10 da manhã, o presidente dirigiu suas últimas palavras à nação através da Rádio Magalhães, a única emissora de esquerda que ainda não havia sido ocupada pelos militares. Por volta das 14 horas, antes da invasão dos soldados à sede do governo, Allende, que resistia junto aos seus partidários, suicidou-se com um tiro de metralhadora. Em seu último discurso, disse: “Tenho fé no Chile e em seu destino. Outros homens superarão esse momento cinzento e amargo em que a traição pretende se impor. Fiquem sabendo que muito antes do que imaginam, novamente se abrirão as grandes alamedas por onde passa o homem livre para construir uma sociedade melhor”.

8833 – História Contemporânea – A Queda do Muro de Berlim


Era o maior símbolo da divisão do mundo entre bloco ocidental e oriental. O primeiro, liderado pelos Estados Unidos, tinha o capitalismo como sistema econômico. Já o segundo, encabeçado pela antiga URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), era adepto do socialismo.
Esta configuração do mundo formou-se após o término da Segunda Guerra Mundial, que durou de 1939 a 1945. Ao final da guerra, dois países saíram fortalecidos: os EUA e a URSS. Com a polarização destas potências, são iniciados confrontos indiretos e disputas estratégicas entre as duas nações. Este fenômeno ficou conhecido como Guerra Fria.
Desta forma, diversas alterações no panorama geopolítico começam a surgir, pois os dois países soberanos tentavam ampliar sua influência em todas as nações. Neste contexto, o muro de Berlim foi construído no ano de 1961 através da Alemanha Oriental, separando a Alemanha Ocidental (capitalista). Porém, tal estrutura não separou somente o território alemão, mas dividiu famílias. Além do aspecto ideológico da construção, havia o objetivo de impedir a fuga de cidadãos para a Alemanha Ocidental, que recebeu mais de dois milhões de pessoas do lado socialista entre 1949 e 1961.
O muro de Berlim tinha 156 km de extensão e cerca de trezentas torres militares para observação do movimento nos arredores. Fora isso, era protegido por cães policiais e cercas eletrificadas. De acordo com alguns historiadores, o número estimado de pessoas que morreram tentando passar de um lado para o outro é 80.
Da mesma forma que foi o símbolo do começo da Guerra Fria, também foi ícone do seu fim. Nos últimos anos da década de 80, a URSS entrou em colapso e diversas manifestações começam a surgir nas duas partes da Alemanha, reivindicando a destruição do muro de Berlim. Naquele mesmo ano, populares portando marretas e outras ferramentas derrubaram o muro em um protesto televisionado para o mundo todo. Com a queda da barreira geográfica, inicia-se um processo que termina na reunificação da Alemanha no mês de outubro de 1990.
A importância da história do muro de Berlim foi retratada por diversos cineastas. Uma obra interessante sobre o assunto é o longa-metragem Adeus, Lênin, de 2003. Na história, uma mulher entra em coma poucos dias antes da queda do muro e acorda após a vitória do capitalismo na Alemanha. Seu filho, para evitar que os problemas da mãe piorem com a brusca mudança do cenário político, conspira com amigos e familiares com o objetivo de criar uma falsa realidade para a mulher, na qual o país continua separado.

6317 – O Capitalismo vai Acabar?


Veja algumas opiniões:

“Existe vida após o capitalismo. Nós podemos criar culturas e instituições justas, sustentáveis e um mundo de compaixão com que sonhamos. E é nosso dever fazer isso.”
David C. Korten, autor de Life After Capitalism (“Vida Depois do Capitalismo”), em que defende o fim das corporações, para uma economia solidária.
“O capitalismo global não tem rivais sérios. Mas ele poderá destruir a si mesmo.”
Timoth Garton Ash, jornalista britânico, autor de Nós, o Povo, em artigo sobre a falta de sustentabilidade do atual modelo de capitalismo.
“O fim do capitalismo está definido pela chamada 3ª Revolução Industrial – a revolução tecnológica, eletrônica. Uma grande quantidade de força de trabalho é expulsa da produção industrial e não consegue ser reabsorvida. Não há um processo de compensação, mas um processo de expulsão contínua.”
Robert Kurz, sociólogo alemão marxista, autor de O Colapso da Modernização, para quem o capitalismo está numa crise sem precedentes desde 2001.
“Apesar de tudo, (o capitalismo) é o sistema que até hoje melhor conseguiu atender ao tríplice objetivo da liberdade política, eficiência econômica e progresso social.”
Roberto Campos, economista brasileiro morto em 2001, em artigo publicado em 1995 no jornal O Estado de S. Paulo.

Miséria e Socialismo


Karl Marx, economista e filósofo - maio de 1818 - março de 1883

Idéias socialistas afirmam: lutar contra a miséria é lutar pelo socialismo. No futuro, o socilaismo acabaria com a miséria, ao fim de um período de convivência inevitável. Restaria denunciar o capitalismo como responsável pela produção da miséria. De um lado, senhores, proprietários, doutores. Do outro, índios, escravos, trabalhadores pobres. Produzir riqueza produz pobreza. A indústria brasileira é moderna na tecnologia e atrasada nas relações do trabalho e não encurtou o abismo entre os ricos e pobres. Os escravos viraram trabalhadores, mas continuaram morando em senzala, em dormitórios feitos para isolar o pobre depois do serviço. No Brasil temos uma minoria rica, branca e sofisticada, formando uma sociedade mais ou menos comparável á do Canadá. A maioria é pobre, negra, silenciosa e resignada, do tamanho do México. São 32 milhões de indivíduos paupérrimos ou indigentes, tratados como indesejáveis ou quase inimigos, equivalente a uma Argentina. Nossa produção agrícola atual poderia alimentar 300 milhões de pessoas. Nada impede que sejam gerados pelo menos 9 milhões de empregos de emergência. Se a posse da terra fosse democratizada de maneira rápida e decidida, abriria espaço para 12 milhões de famílias. Naufrágio social, farsa econômica e desastre político, esse era o quadro há poucos anos atrás e não mudou muito. É improvável que explosões sociais de oprimidos mude o futuro, afinal, sempre que preciso, a polícia os torturou e matou. As forças armadas reprimiram o início de revoltas contra as classes dominantes e as igrejas ensinam resignação em vez do horror a injustiça. O estado só tem sentido se for o instrumento de garantias sociais.

Mega Massacre II – Regime comunista implantado de modo equivocado?


Não funcionou e ainda levou á morte 100 milhões de pessoas

A ideologia era carregada de promessas de igualdade e justiça, mas custou a vida de 100 milhões de pessoas. Uma obra escrita por 11 historiadores intitulada “O livro Negro do Comunismo” é o mais completo estudo sobre o ponto de vista de suas atrocidades. Os comunistas, porém, não foram os únicos responsáveis pelas catástrofes humanas. Os nazistas tentaram moldar a geografia da humanidade segundo critérios raciais. Na China, presume-se que houveram 65 milhões de mortos, a maioria dizimada pela fome, desencadeada a partir do “Grande salto para a frente”, o desastroso projeto de auto-sustentação, implantado por Mao Tsé-Tung, em meados dos anos 50. Mas os números do livro são duvidosos e o capitalismo selvagem, por sua vez. pode ter levado a um número ainda maior de vítimas.