6225 – Século 20 – História e Ciência


Exclusivo para o ☻ Mega

A explosão da 1ª bomba de hidrogênio no sul do Pacífico deu sequência a escalada nuclear que simbolizou a política anti-comunista do senador Joseph Mc Carthy dos EUA. A bomba H, símbolo apocalíptico detonado a 1° de novembro de 1952 esquentou a guerra fria. A derrubada do muro de Berlim a golpes de foice e martelos da liberdade em 9 de novembro de 1989 sepultou o 17 de agosto de 1961, data em que foi construído. Alguns anos depois, muitos alemães, se pudessem reergueriam a muralha, não por motivos políticos, mas por motivos sócio-econômicos; o oriente pesou demais na balança financeira do ocidente. Contraditório, o homem sempre matou ao mesmo tempo que tentava vencer a morte. Enquanto sofistica em guerras, inova no campo da Ciência. O 1° transplante de coração em um ser humano foi em 2 de dezembro de 1967 por um médico sul-africano.
Poucas tragédias mobilizaram tanto a humanidade quanto o acidente nuclear de Chernobil que matou 31 pessoas e contaminou milhares de outras.

4955 – Genética no Século 20


Quando o nosso século começou, até mesmo os mais instruídos acreditavam que os traços hereditários como a estatura, a cor dos olhos e o tipo de cabelo eram transmitidos pelo sangue, ou seja, pela mistura dos líquidos do pai e da mãe. Já se conhecia o DNA desde 1869, mas ninguém sabia para que poderia servir. A idéia do parentesco entre o homem e o macaco ainda era motivo de chacota. E os dinossauros, tidos como bichos que não conseguiram lugar na Arca de Noé. Para você ter uma medida do quanto a ciência ampliou seu conhecimento sobre o homem e a natureza nestes 100 anos, é só observar os temas que os cientistas de hoje estão discutindo – vida em outros planetas, terapia genética, plantas e animais transgênicos. Já se pensa até em clonar gente! O século XX ficará registrado como aquele em que mais se descobriu sobre o que aconteceu em todos os que o antecederam nos 4,6 bilhões de anos do planeta. O que será que nos reserva o século XXI?

3005 – Avanços do Século 20 – Capítulo 2


A válvula eletrônica, invenção do início do século 20, obsoleta para uso geral, porém, ainda imbatível em alta fidelidade para amplificadores de som

Na Medicina
Insulina artificial para o tratamento do diabetes, descoberta dos glóbulos brancos do sangue, utilizado extrato de fígado para tratar a anemia, Sir Alexander Fleming (1881-1955) descobriu a penilicina em 1928. Isolada a estrona e desenvolvida a vacina contra a febre amarela. Em 1921 foi inaugurada a peleontologia geneticamente orientada. Isolada a vitamina B e descoberta a vitamina K em 1929.
Desenvolvimento tecnológico
O relógio de pulso automático foi inventado em 1922 por John Harwood. Lee de Forest, o criador da válvula, criou também o processo de sonorização do cinema em 1923. Vladimir Kosmazworrikin, um americano de origem russa, nascido em 1889, construiu o iconoscópio, o antecessor do tubo de imagens da TV, em 1924. Ainda nesse ano, foram fabricados nos EUA, os 1°s inseticidas a base de rotenona, um pó encontrado nas raízes de Nikoe, planta originária do Suriname. A Kodak produziu na Alemanha a 1ª película de 16mm em 1926 e Albert Hell aperfeiçoou a lâmpada fluorescente e Baird fazia a primeira demonstração de sua TV em cores em 1928.
George Eastman (1854-1932) exibia o primeiro filme em cores e foi instalado no Times Building de NYC o primeiro anúncio luminoso em movimento. Fritz, um alemão criou ainda em 1928, baseado em pesquisas de um cientista inglês Oberlin Smith, a fita magnética e conseguiu que a AEG Telefunken e a Basf desenvolvessem o projeto. O primeiro relógio a quartzo foi construído em 1929.
Em 1932 foi construído o primeiro microscópio eletrônico. A indústria Marconi Phone construiu o primeiro rádio com válvulas totalmente metálicas. Robert Watson Watt (1892 – 1973) construiu o primeiro radar e no salão do rádio em Berlim a Telefunken e a Basf expuseram o primeiro gravador de rolo. Frank Wittle projetou e construiu o primeiro motor a jato. Igor Sikorski (EUA, 1889 – 1972) constuia o 1° helicóptero em 1939 e no ano seguinte foi inventado o processo de transmissão em FM.
Física
Em 1936 foi observada a subpartícula méson e em 1938, foi descoberta a fissão nuclear por Otto Halan e Fritz Strasmann; foi obtido isótopos de bário bombardeando urânio com nêutrons. Em 1940, a Universidade da Califórnia construiu um gigantesco cicloton para produzir mésons a partir do núcleo atômico.
Química Terapeutica
Em 1934 foi isolada a androsterona, o hormônio masculino; 1935 foi criado o prontosil, a 1ª droga da linha das sulfas para o tratamento de infecções estreptococicas. Alexis Carrel desenvolveu o primeiro coração artificial; Sir Howard Florey (australiano, 1898 – 1968) converteu em 1940 a penilicina em um antibiótico de uso prático. Um suíço isolou a vitamina A em 1931, Harold Hurey (EUA, 1893 -1981) descobria no mesmo ano o hidrogênio pesado (deutério), descoberta a riboflavina; em 1932 foi a vez da sulfonamida ser descoberta e o suiço Reichstein sintetizou a vitamina C.
Com a sintetetização do DDT em 1939, ficaram obsoletos os outros inseticidas a base de rotenona.
Mais Tecnologia
Descoberto o DNA como material genético em 1944; a primeira bomba atômica foi detonada pelos EUA em Alamogordo, Novo México, em 16/07/1945 e pouco depois em agosto, seriam lançadas em Hiroxima e Nagasaki. Em 1946 a bomba foi testada no Atol de Biquini e a URSS testava a sua 1ª bomba atômica em 1949.

Transístor, sem ele não seria possível os rádios à pilha, computadores e muito menos viagens espaciais

O Transístor
Bardeen, Bratain e Shockey, todos americanos, construíram os primeiros modelos de transístores, revolucionando a eletrônica. Com eles foi possível diminuir consideravelmente o tamanho e consumo de energia dos dispositivos eletrônicos.
O transistor foi inventado nos Laboratórios da Beel Telephone em dezembro de 1947 ( e não em 1948 como é freqüentemente dito) por Bardeen e Brattain.
Descoberto por assim dizer, ( visto que eles estavam procurando um dispositivo de estado sólido equivalente à válvula eletrônica ), acidentalmente durante os estudos de superfícies em torno de um diodo de ponto de contato.
Os transistores eram portanto do tipo “point-contact”, e existe evidência que Shockley, o teorista que chefiava as pesquisas estava chateado porque esse dispositivo não era o que estava procurando. Na época, êle estava procurando um amplificador semicondutor similar ao que hoje chamamos de “junção FET”.
O nome transistor foi derivado de suas propriedades intrínsecas “resistor de transferência”, em inglês: (TRANsfer reSISTOR). Os Laboratórios Bell mantiveram essa descoberta em segredo até junho de 1948 ( daí a confusão com as datas de descobrimento ).
Com uma estrodosa publicidade, eles anunciaram ao público suas descobertas, porem poucas pessoas se deram conta do significado e importancia dessa publicação, apesar de ter saido nas primeiras páginas dos jornais.
Embora fosse uma realização científica formidável, o transistor não alcançou, de imediato, a supremacia comercial. As dificuldades de fabricação somadas ao alto preço do germânio, um elemento raro, mantinham o preço muito alto. Os melhores transistores custavam 8 dólares numa época em que o preço de uma válvula era de apenas 75 cents.
O primeiro transistor de junção fabricado comercialmente era primitivo em comparação aos modernos dispositivos, com uma tensão máxima entre coletor-emissor de 6 volts, e uma corrente máxima de poucos miliamperes.
Particularmente notável, foi o transistor CK722 da Raytheon de 1953, o primeiro dispositivo eletrônico de estádo sólido produzido em massa disponível ao construtor amador. Vários tipos de transistor foram desenvolvidos, aumentando a resposta de freqüência diminuindo os níveis de ruido e aumentando sua capacidade de potência.
Na Inglaterra, duas empresas mantiveram laboratórios de pesquisa não tão adiantadas quanto na américa: Standard Telephones and Cables (STC) e a General Electric Company of England “GEC”, ( não tem telação com a GE americana).
Foram feitas pesquisas na França e Alemanha sem efeitos comerciais.
Em 1950, um tubarão entra nessa pequena lagoa: a PHILIPS holandesa através da Mullard, sua subsidiaria inglesa, com uma planta completa para industrializar o transistor.
A meta da Philips era dominar 95% do mercado europeu, alcançando esse objetivo em poucos anos. A série “OC” de transistor dominou a europa por mais de 20 anos.
Os antigos transistores eram feitos de germânio, um semicondutor metálico, porem logo se descobriu que o silício oferecia uma série de vantagens sobre o germânio. O silício era mais difícil de refinar devido ao seu alto ponto de fusão, porem em 1955 o primeiro transistor de silício já era comercializado.