10.197 – Budismo – A Vida é Feita de Sofrimento (?)


Revista de Estudios Budistas n.3

Algumas ideias de Buda foram enraizadas em crenças difundidas na Índia no século 6 aC. Para o Bramantismo, religião que deu origem ao Hinduísmo, a alma de cada ser humano carregava o conjunto de ações da vida anterior, boas ou más. Isso determina como seria o seu presente e definiria o destino. Quanto pior alguém se comportasse, maior seria seu sofrimento na reencarnação seguinte. Se, por outro lado, procurasse praticar o bem, teria recompensas. Tal conceito recebeu o nome de carma e explicava por que as pessoas viviam em condições diferentes. Os seres humanos, estariam assim, sujeitos a uma repetição de dores da existência. Quem se afastasse do mal, poderia melhorar seu carma, mas a salvação seria só para quem atingisse o supremo grau de conhecimento da natureza de si mesmo. Mas, Gautama não ficou satisfeito com esse modelo. Ele enxergava uma sensação de impotência diante do hoje, causada por tais conceitos. Como ser feliz se ações de uma encarnação anterior nos condenavam a uma série de dificuldades, tragédias e até morte? Buda sabia que existiam momentos bons, mas o que o intrigava era o motivo pelo qual eles não duravam.

7568 – Religião – O que é Macumba?


É uma espécie de árvore africana e também um instrumento musical utilizado em cerimônias de religiões afro-brasileiras, como o candomblé e a umbanda. O termo, porém, acabou se tornando uma forma pejorativa de se referir a essas religiões – e, sobretudo, aos despachos feitos por alguns seguidores.
Na árvore genealógica das religiões africanas, macumba é uma forma variante do candomblé que existe só no Rio de Janeiro. O preconceito foi gerado porque, na primeira metade do século 20, igrejas neopentecostais e alguns outros grupos cristãos consideravam profana a prática dessas religiões. Com o tempo, quaisquer manifestações dessas religiões passaram a ser tratadas como “macumba”.

Entenda as diferenças entre os cultos de origem africana:

Gira no Congá

Cerimônia da umbanda começa com defumação e termina com desincorporação dos médiuns

Para entrar no congá – onde rolam as cerimônias da umbanda -, o público deve tirar os sapatos em respeito ao solo, que é sagrado. A cerimônia, chamada de gira, começa à noite, por volta das 20 h, e, quando os fiéis chegam, os médiuns já estão lá, incluindo o sacerdote.

A preparação do congá, local onde ocorrem as incorporações das entidades, começa com a defumação: ervas como alecrim são queimadas num braseiro. O ritual, que purifica e passa energia, é acompanhado de ponto cantado – todas as cantigas são chamadas de pontos na umbanda.

Em seguida, o sacerdote ministra um tema de reflexão para o dia, como faz o padre em uma missa católica. Também ocorrem a oração de abertura, os pontos de abertura (que saúdam a umbanda), cânticos ao orixá regente (cada orixá tem seu dia da semana) e a apresentação da linha de trabalho do dia.

O passo seguinte é a saudação aos guardiões (Exu) e guardiãs (sua versão feminina). Nesse momento, todos viram-se em direção à tronqueira, o “altar” de Exu, do lado de fora do congá. Os fiéis saúdam, reverenciam e pedem proteção aos guardiões que protegem o templo.

Começa a batida dos atabaques e são entoados os pontos de chamada, cânticos que invocam a linha de trabalho do dia. O sacerdote é o primeiro a incorporar o orixá e, depois que tiver recebido sua entidade, comandará os trabalhos, conduzindo a incorporação dos médiuns.

Cada médium incorpora só uma entidade (entre orixás e humanos, como o Preto Velho e o Caboclo), mas a mesma entidade pode se repetir – é possível ter dezenas de Pretos Velhos num mesmo terreiro. Após todos incorporarem, ocorre o atendimento ao público.

Ao final do atendimento, é entoado o ponto de subida, canto que embala a desincorporação dos médiuns. Em seguida, é feita uma prece final de encerramento, e a gira termina por aquela noite.

Despacho na encruzilhada

Nem sempre oferenda é indício de magia negra

Os despachos nos cruzamentos ganharam fama de “macumba” porque são uma das expressões mais visíveis dessas religiões fora dos templos. Mas, na verdade, eles são oferendas para o orixá Exu, geralmente pedindo proteção. São colocados em encruzilhadas porque esses lugares representam a passagem entre dois mundos. Existem, sim, despachos feitos para fazer mal aos outros (mais no candomblé, onde não existe distinção entre o bem e o mal, diferentemente da umbanda), mas nenhuma das religiões incentiva essa prática.

Aprendiz de umbanda

Entenda como uma pessoa comum pode se tornar médium e incorporar entidades

Quem tem interesse em ser mais que um observador da umbanda pode ir às giras e esperar que a entidade incorporada o identifique. A entidade aponta a “vocação” da pessoa: médium de incorporação, ogã (quem toca os instrumentos) ou um cambone (auxiliares dos médiuns)
Os que serão médiuns frequentam as giras de desenvolvimento mediúnico, sessões de iniciação fechadas ao público, nas quais os ogãs entoam cânticos chamando a entidade espiritual. O iniciante medita sobre as vibrações do dia e realiza banhos de ervas e oferendas para o orixá.

Quando o iniciante começa a incorporar, ele entra na “fase de firmeza”, em que, incorporado, risca símbolos no chão, acende velas e conversa com o sacerdote sobre sua forma de trabalho.
Agora o iniciante já pode aplicar “passes energéticos” em roupas e objetos e imantar água. Em seguida, ele passa a poder aplicar os passes em crianças e, enfim, é inserido na linha de atendimento das giras públicas. Em geral, a iniciação termina depois de alguns meses.