13.756 – Mega Tour – Península de Maraú – Bahia


maraufora-550x480
É difícil de chegar na Península de Maraú. Os guardas de Florença jamais encontrariam Romeu e Julieta por lá. A não ser que eles tenham quadriciclos motorizados. Este é um dos meios de transporte mais comuns da península, já que as ruas não são pavimentadas, e vocês poderão rodar abraçadinhos. A natureza está quase totalmente intocada nessa região e o destaque não são só as praias, mas as piscinas naturais de água quentinha, melhor que qualquer jacuzzi. Na mais famosa delas, a de Taipu de Fora, vocês poderão nadar ao lado dos peixes. Para terminar o dia, que tal ver o pôr do sol do alto do Morro do Farol?
Kiaroa Eco-Luxury Resort tem até prêmio quando o assunto é preservação: este hotel está entre os 25 mais sustentáveis do mundo. Além disso, oferece recepção VIP no Aeroporto Internacional de Salvador, o que resolve na hora a dificuldade em acessar a península. Nas acomodações, alguns pequenos luxos que fazem a diferença: piscina com borda infinita, travesseiros de plumas de ganso e produtos de banho L’Occitane e Bulgari.
Maraú é um município do estado da Bahia, no Brasil. Sua população estimada em 2013 era de 21 016 habitantes.
A cidade, inicialmente chamada de Mayrahú, tem sua origem numa aldeia indígena denominada Mayra. Foi descoberta em 1705 por frades capuchinhos italianos que lhe deram o nome de São Sebastião de Mayrahú. Em 1717, foi elevada a freguesia, e, em 1761, a vila e sede de concelho. Em 1938, tornou-se cidade.
Os padroeiros do município são São Sebastião e Nossa Senhora da Conceição do Cambuízo, que têm, como data festiva, 20 de janeiro e 8 de dezembro, respectivamente.
Com uma cultura riquíssima e quase totalmente preservada, essa cidade atrai cada vez mais turistas de todas as partes do mundo.
Chamada pela mídia de “Polinésia Baiana” devido à sua rara beleza e transparência de suas águas, Maraú possui belíssimas praias distribuídas entre seus vários povoados, além de dezenas de ilhas, cachoeiras, manguezais e quilômetros de Mata Atlântica totalmente preservados. Seus povoados costeiros mais conhecidos são: Barra Grande, Saquaíra, Taipus de Fora e Algodões. Maraú faz parte da Costa do Dendê, uma das regiões mais belas da Bahia. Lá, também, fica localizada a terceira maior baía do país, a Baía de Camamu, onde desagua o rio Maraú. Recentemente, a Península de Maraú começou a ser descoberta por baianos e turistas. Os moradores mais antigos contam que Maraú já foi visitada até pelo escritor e aviador francês Antoine de Saint-Exupéry, autor de “O Pequeno Príncipe”, que teria permanecido no povoado o tempo suficiente para ali manter uma residência.
A importância da cidade de Maraú em séculos passados se revela hoje nos prédios de arquitetura antiga, inclusive alguns com características de estilo e gosto portugueses do século XVIII.
Do mirante na cidade alta, consegue-se uma bela vista do estuário de Maraú e da cidade baixa, podendo-se observar a ampla área de feira e as embarcações no atracadouro. O coco, a piaçava e a madeira são os principais materiais para a confecção do artesanato da região. No município, também são cultivados seringueira, dendê (introduzido em fins do século XIX), cravo-da-índia, pupunha, cacau, guaraná e pimenta-do-reino. Uma feira livre movimenta a cidade aos sábados e a pesca é importante fonte de renda para a cidade.
iscinas naturais e praias quase desertas fazem da Península de Maraú (BA) um refúgio imperdível
A Península de Maraú fica na Costa do Dendê, ao sul da Bahia, entre Morro de São Paulo e Itacaré. Só pela referência aos dois paraísos naturais vizinhos já é possível imaginar a riqueza das paisagens e ecossistemas da região.
São mais de 40 km de praias praticamente desertas o ano todo. Mesmo no verão, quando as pousadas ficam lotadas, as praias parecem vazias porque os turistas se dispersam pela vasta costa coberta de coqueirais.
Na maré baixa formam-se dezenas de piscinas naturais, lotadas de peixes, que surgem entre labirintos de arrecifes. Aliás, é importante consultar diariamente a tábua de marés porque as paisagens são capazes de se transformar completamente com as mudanças da lua e das marés.
A praia de Taipu de Fora é considerada uma das mais belas do Brasil porque tem uma piscina natural de um quilômetro de extensão com peixes de todas as cores. No verão, são feitos mergulhos com lanternas para observar a fauna marinha noturna. Já no inverno, as chuvas são mais freqüentes, mas os passeios acontecem normalmente e os períodos de lua nova e lua cheia, quando a maré está seca, são ideais para o mergulho.
Barra Grande é a maior vila da península e ainda preserva a simplicidade caiçara, apesar de abrigar as principais pousadas, bares e restaurantes da região.
Em quase todas as praias há pousadas com veículos 4×4, lanchas, catamarãs e bom atendimento, que organizam passeios para toda a região. Um dos mais conhecidos é feito de barco pelas ilhas da península. Ao chegar na ilha do Sapinho para o almoço, a melhor pedida é o guaiamum, um caranguejo azul catado na hora. Outro passeio famoso é para a bela cachoeira do Tremembé, a única no Brasil que deságua no mar. O barco chega tão perto da queda que é possível tocá-la antes de desembarcar.

resort-aerea-ilha

13.089 – Praia da Sereia no Espírito Santo


sereia-praia
Praia de pequena extensão, localizada entre a Praia da Costa e a Praia do Governador. Ela adquiriu este nome, pois no local existe uma escultura de uma sereia. Apresenta um larga faixa de areia grossa de cor creme que na alta temporada fica lotada de visitantes, em busca dos quiosques com suas barracas e cadeiras. Suas águas são calmas e transparentes, ideais para os banhistas com crianças. Na extremidade onde se encontra com a Praia da Costa existe uma pequena formação rochosa e uma ilha de pedra ao lado. Os frequentadores poderão realizar passeios com caiaque. Além disso, existe uma praça com espaço para caminhadas e academia ao ar livre.

Praia da Sereia 2
Endereço Av Atlântica Guarapari
Localizada na divisa de Vila Velha com Guarapari, a Praia da Sereia leva esse nome devido à escultura da mítica figura no local. A estátua foi feita por um morador da região para homenagear a família e as belas mulheres que frequentam a praia. Com dunas e muita restinga, o atrativo é frequentado tanto por surfistas, quanto por famílias. Há pontos na praia de ondas fortes e de águas calmas e nas épocas de maré baixa, ficam visíveis as famosas piscinas de corais.

p-da-sereiaes-vila-velha-praia-da-sereia-010

9790 – Altair, o navio encalhado


navio altair

Pego por uma forte tempestade, que o fez naufragar ao sul do litoral gaúcho, no inverno de 1976, o Navio Altair permanece encalhado a cerca de 12 quilômetros à direita da avenida Rio Grande, a principal do balneário, constituindo hoje em mais uma das atrações turísticas da Praia do Cassino.
Se pouco restou da imponência do Altair, abandonado pela proprietária de linhas de navegação Libra e saqueado num primeiro momento, o navio é hoje o habitat para muitas espécies. A ferrugem, nas últimas três décadas, já corroeu boa parte da estrutura do Altair, mas o limo – que se torna visível quando a maré está baixa, dando nova dimensão ao navio – é uma rica alimentação para a mais variada gama de animais marinhos.
O local é considerado excelente para a pesca e a prática de esportes náuticos, especialmente o surfe, abrigando também rica fauna marinha. A área em questão é rodeada por dunas de areia e sangradouros, onde podemos encontrar diversas aves migratórias e residentes: gaivota do manto negro, gaivota capuz de café, maçaricos, gaviões, pernaltas, etc.

altair2

O cargueiro Altair vinha do Prata, no dia 06 de junho de 1976, com sua carga de 6.000 tons de milho , naufragou após ter enfrentado uma grande tempestade na costa sul do nosso estado (praia do Cassino, Rio Grande-RS), onde ondas com até seis metros passavam sobre seu convés, infiltrando-se nos porões e ameaçando partir suas anteparas, e ainda por cima já sem máquina auxiliar e a principal falhando, o Comandante decidiu leva-lo em direção à praia visando evitar uma tragédia maior.
Pescadores auxiliaram no resgate de todos seus tripulantes.Alguns aparelhos e outros objetos do navio foram igualmente resgatados. Atualmente, bem destruído pelo tempo e erosão, o Altair se vai findando aos poucos sem antes marcar a história do Cassino tornando-se um ponto turístico e suas fotos sempre são vistas em banners pelas ruas de Rio Grande.

nav6

9789 – Mega Tour – Praia do Cassino, a maior do mundo


A Praia laranjal está localizada na cidade de pelotas, no estado do Rio Grande do Sul. Com mais de cem anos, é considerado o balneário marítimo (na costa oceânica) mais antigo do Brasil (1890). Dista 18 quilômetros do centro da cidade do pelotas (RS).
Criada para ser um centro de turismo pela Companhia de Bondes Suburbanos da Mangueira, subsidiária da Companhia Carris Urbanos, tomando vantagem da linha férrea entre Bagé e Rio Grande, que foi depois expandida até a então Costa da Mangueira.
O diretor da companhia, Antônio Cândido Sequeira, buscou investidores entre os membros da sociedade do Rio Grande e, com apoio do governo estadual, conseguiu desapropriar as terras do local, visando criar um balneário nos moldes dos que existiam na Europa e no Uruguai. Ao ser inaugurada em 26 de janeiro de 1890, abrangia três quilômetros ao longo da costa por dois quilômetros de largura, cortados ao meio por uma linha férrea que levava ao Centro do Rio Grande. Mais tarde, recebeu a denominação de Villa Sequeira, em homenagem ao seu idealizador.
O bairro-balneário tornou-se o centro de lazer de grandes empresários – em geral descendentes de alemães, portugueses, ingleses ou italianos que vinham com muito dinheiro para o Hotel Atlântico.
Cerca de 2 kilômetros passando o navio encalhado, existem ruínas daquele que, segundo os moradores mais antigos, viria a ser um imenso cassino que, devido à perseguição a italianos e alemães durante a Segunda Guerra Mundial e a proibição do jogo de roleta em 1946, causaram danos à economia local e o abandono da construção. Existem ruínas de outra construção similar indo na direção dos molhes da barra, onde é possível localizar ao visualizar uma caixa d’água abandonada a m eio caminho dos molhes. Atualmente, ambas as ruínas estão semi-cobertas pela areia, quase desaparecidas.
Há muitos anos, o bairro-balneário conseguiu reverter a má situação com uma série de atrações e curiosidades turísticas.
Em 12 de novembro de 1966, foi cenário de lançamentos de foguetes da NASA, durante um eclipse total do Sol, reunindo cientistas e populares. Dezenas de técnicos e cientistas norte-americanos, japoneses e europeus desembarcaram em Rio Grande, transformando-a na primeira cidade brasileira usada para lançamento de foguetes da agência espacial norte-americana.
Consta no Guiness Book (Livro dos Recordes) como a maior praia em extensão do mundo – tendo assim mais de 254 km de comprimento, se estendendo desde a cidade do Rio Grande até o Chuí.
Muitas pessoas referem-se ao Cassino erroneamente como sendo apenas balneário, porém, o Cassino também é bairro pertencente ao Município do Rio Grande, não tendo portanto, prefeitura e sim uma autarquia2 , que foi extinta e reestruturada em 25 de novembro de 2003 recebendo o nome SEC (Secretaria Especial do Cassino), que é uma uma extensão da Prefeitura do Município do Rio Grande. Por ser dependente financeiramente do Centro do Rio Grande e por não possuir uma prefeitura própria, a nomenclatura correta a ser usada é bairro-balneário e não apenas balneário.

As ruínas localizadas entre os molhes da Barra e a entrada do bairro-balneário, conhecidas como Terminal Turístico, faziam parte de um antigo terminal de ônibus de turismo, com estrutura para vestiários e restaurantes. O local hoje é ponto de referência entre os veranistas que, mesmo fora das grandes cidades, buscam agito na beira da praia.
No ponto extremo da praia, foi construído com toneladas de pedras que invadem o mar aberto. Sua formação, junto com o Molhe Leste, do outro lado do canal de navegação, protege a entrada e saída de navios para o Rio Grande. No Molhe Oeste é possível pegar uma vagoneta, movida à vela, que desliza lentamente pelos trilhos oceano adentro até chegar na torre do farol. A viagem leva cerca de 20 minutos e percorre uma extensão de 4 quilômetros (com sua reforma de 2009 agora terá 4,3 quilômetros), no trajeto pode-se ainda ter a sorte de ver golfinhos e mergulhões.
Dezesseis quilômetros do centro do Cassino em direção ao Chuí, encontra-se encalhado, na beira da praia, o navio Altair desde junho de 1976, após enfrentar uma forte tempestade.

8658 – De ☻lho no Mapa – Estado do Piauí tem o menor litoral do Brasil


litoral do Piauí

O Piauí é o estado marítimo de menor litoral, apenas 66km de extensão. Isto deve – se ao sistema de colonização adotado em nosso estado, do interior para o litoral e as questões de fronteiras que tivemos com os vizinhos: Estado do Maranhão e Ceará.
Durante muito tempo o Piauí foi um estado sem litoral. Somente no século passado, o estado fez uma troca com o Ceará, cedendo os municípios de príncipe Imperial, hoje Crateús – Ce e Independência que permanece com o mesmo nome naquele estado, conseguindo em 1880, o território de Amarração; com os mesmos limites estabelecidos pelo Ceará.
O litoral é pouco recortado, apresentando costas baixas e arenosas, nas quais observa-se a existência de dunas que resultam de ação do vento sobre a areia das praias. Os 66km do litoral que possuímos estão divididos em duas partes:
– 30km na Ilha Grande de Santa Isabel.
– 36km na parte continental.

Mapadodelta_g

Extensão:
O litoral piauiense começa na Barra das canárias – na fronteira com o Maranhão e segue pela Ilha Grande de Santa Isabel, passando pelo farol e praia da Pedra do Sal, vai até a Barra da Timonha – na foz do rio São João da Praia, na fronteira com o Ceará.
O principal acidente do litoral piauiense é o delta do rio Parnaíba, que só nos pertence em parte, o restante pertence ao Estado do Maranhão.

Barra das Canárias:
Um dos braços formadores do delta do Parnaíba, que serve de divisa entre o Piauí e o Maranhão.
Barra do Iguaçu:
Outro braço formador do delta do Parnaíba que pertence ao Piauí.
Barra da Timonha:

Acidente do litoral piauiense onde encontramos a importante Ilha do cajueiro que pertence ao Piauí. Na barra da Timonha desembocam os rios: São João da Praia ou Ubatuba e o Timonha, no local onde termina o litoral do Piauí e começa o litoral cearense.
Ilhas:
Todas as ilhas do Delta do Parnaíba pertencem ao município de Parnaíba. As principais são:
Ilha de Santa Isabel:
A maior e mais importante ilha do delta do Parnaíba, fica situada entre a Barra das Canárias e a Barra do Iguaçu. Nela encontramos o ponto extremo norte do Piauí. Outras ilhas Batatas, Trindade, Estevão e Morros.

Canais:
Canárias – com o farol. Morros, Trindade, Iguaçu e o canal de São José. Este último, artificia, cortando a ilha de Santa Isabel, tem por finalidade encurtar a distância entre Parnaíba e o Porto de Tutóia no Maranhão.
Pontas:
Itaqui, do Anel e Pedra do Sal.
Baías:
Canárias – na foz do Parnaíba, entre o Piauí e o maranhão, ponta do Anel, Amarração, Barrinha e Timonha.

Praias:
Pedra do Sal: na ilha Grande de Santa Isabel, no município de Parnaíba.
Atalaia: a mais freqüentada, já urbanizada e com pista asfáltica, onde encontramos um farol e alguns hotéis. No município de Luís Correia.
Praia do Coqueiro: com linda paisagem onde predomina coqueiros (coco da praia), local de grande atração, devido a pesca. Localizado no município de Luís Correia. Nossas praias oferecem ótimas condições de turismo, devido suas belezas naturais.

Lagoas:
No município de Luís Correia, estão quatro lagoas litorânicas: Sobradinho, Santana, São Bento e Alagadiço, sendo as duas primeiras de grande importância econômica, pela sal que acumulam.

Porto:
O único porto marítimo do Piauí é o de Luís Correia, antiga Amarração, fundado em 1820 na foz do Iguaçu, pelo governo do Ceará.
Atualmente, há no Piauí dois municípios litorâneos – Parnaíba e Luís Correia, ambos integrantes da micro – região do Litoral Piauiense, cujo o pólo é a cidade de Parnaíba.
O clima do litoral piauiense é quente e úmido, com chuvas de verão e temperaturas médias anuais em torno de 26ºC e os totais pluviométricos estão por volta dos 1.200mm.
A vegetação é constituída de mangues, vegetação de dunas e cerrados, também existem coqueiros que se espalham por todo o litoral. Nas partes baixas e úmidas, aparecem a carnaúba e o buriti.
A pesca é a mais importante atividade econômica do litoral. Também merecem destaque as grandes reservas de sal e a Indústria de turismo.
O transporte marítimo é muito precário, por que o Porto de Amarração precisa ser ampliado e aparelhado para receber navios de grande calado.

barra grande

7545 – Mega Tour – Malibu


malibu

É uma influente cidade em frente a praia, localizada no noroeste do Condado de Los Angeles, na Califórnia, costa oeste dos Estados Unidos. Foi incorporada em 28 de março de 1991.
Apelidado de “o Bu” por surfistas e moradores locais, a comunidade é famosa por suas praias de areia quente, e por ser o lar de muitas estrelas de cinema de Hollywood e outros associados à indústria do entretenimento.
Se espalha por uma faixa costeira de 43 km do Oceano Pacífico, famosa por suas praias de areias quentes propícias aos esportes de verão e ao surf e por ser a moradia de diversas celebridades ligadas à indústria do entretenimento de Hollywood e da Califórnia. Uma popular placa da cidade estampa: “Malibu: A Way of Life” (em português: Malibu: Um Estilo de Vida).
A cidade é cortada pela Pacific Coast Highway, a mais importante auto-estrada expressa da Califórnia, que cruza as famosas praias de Escondido, Zuma, Surfrider e Paradise. No limite oeste da linha costeira encontra-se Pirate’s Cove, assim nomeada por contrabandistas de rum durante a Lei Seca, que a usavam para descarregar suas mercadorias vindas por via marítima para a Califórnia. Devido a este isolamento, a área hoje foi transformada em área de nudismo.
De acordo com o United States Census Bureau, a cidade tem uma área de 51,4 km², onde 51,2 km² estão cobertos por terra e 0,1 km² por água.
Segundo o censo nacional de 2010, a sua população é de 12 645 habitantes e sua densidade populacional é de 246,83 hab/km². Possui 6 864 residências, que resulta em uma densidade de 133,98 residências/km².

malibu2

7455 – Mega Sampa – Praia em São Paulo?


Quase…
Um decreto do ex-prefeito Gilberto Kassab de 14 de novembro de 2012, oficializou e regulamentou o uso de 18 praias na represa do Guarapiranga. Com o reconhecimento da prefeitura, serão fiscalizadas pela Marinha e deverão receber placas de sinalização turística e medição da qualidade de suas águas. Veja a lista a seguir:
Praia Rivieira -2 km de extensão
Praia São Francisco – 850 metros
Praia Guaraci – 260 metros
Praia Ilha da Formiga – 275 metros
Praia dos Funcionários – 1,3 km
Praia Dedo de Deus – 1 km
Praia Golfe Clube – 1,9 km
Praia Palmeiras – 3,6 km
Praia Terceiro Lago – 1,2 km
Praia Pública 3° Lago – Não há faixa de areia – Infreestrutura – Banheiros
Praia Messiânica – 475 metros
Praia Paulistana – 3,2 km
Praia Parque 9 de Julho – 400 metros
Praia Parque Náutico – 300 metros – Rampa para embarcações, banheiros
Praia Guarujapiranga – 500 metros – Restaurantes e banheiros
Prainha do Restaurante – 125 m – Restaurante
Praia do Sol – 1,2 km – Pista de caminhada, futebol de areia, campos de futebol, playground, ciclovia, equipamentos para exercícios, restaurantes e banheiros.
Praia Parque da Barragem – 300 metros – Pista de caminhada, futebol de areia, campos de futebol, playground, ciclovia, equipamentos para exercícios, restaurantes.

Guarapiranga vista da Av Robert Kennedy
Guarapiranga vista da Av Robert Kennedy

Responsável por abastecer cerca de 3,5 milhões de habitantes, a Guarapiranga deverá receber sinalização de trânsito semelhante a de outros pontos turísticos da capital, como os parques Ibirapuera e Anhembi.

7335 – De ☻lho no Mapa – Onde fica Muriqui?


mapa

É um distrito do município de Mangaratiba, situado no litoral da região Metropolitana do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro, Brasil, acessível pela BR-101. É vizinho à localidade de Itacuruçá.
A praia de Muriqui é extensa e apresenta muitos quiosques em sua orla. O mar é calmo e raso, apropriado para crianças. Algumas pessoas dizem, equivocadamente, que suas águas não são limpas. Na verdade, tal confusão se deve ao fato de que a faixa de areia coberta pela água é típica da região: fina e brilhosa como purpurina, apresentando coloração grafite, cor refletida na água.
O distrito e a praia ficam bastante agitados no verão e nos feriados. A noite é animada por músicas na orla e gastronomia variada na praça principal.
Também se destaca a feira de artesanato, presente nos verões.
O clima é típico das praias da chamada “Costa Verde” do Estado do Rio: quente e úmido, com chuvas comuns e um pouco mais frio no inverno.
Muriqui é o Distrito mais jovem do município e o mais populoso. Em meados dos anos 50 iniciaram-se os loteamentos na região que antes consistia de propriedades rurais e uma pequena vila de pescadores. Inicialmente a região pertencia ao distrito de Itacuruçá, mas logo após o loteamento foi desmembrado. Tendo seu nome originado do macaco mono-carvoeiro, que era abundante em suas matas, e hoje em dia se torna raro. Várias cachoeiras se escondem por sua serra e desembocam em dois rios, um em cada extremidade da praia. A praia tem a extensão de 1200 metros (parte urbanizada), sendo que após a cada rio, há trechos de praias não urbanizadas. Tendo o seu fundo um pouco lodoso, e tendo suas águas bastantes frequentadas, este lodo se mistura com a água, tornando-a escura, o que faz com que erroneamente digam que é suja. Apesar de seus rios sofrerem com o despejo clandestino de esgoto, a praia em sua maioria das vezes se encontra própria para banho.

Muriqui, orla
Muriqui, orla

5510 – Cidades Brasileiras – Guarapari ES


Guarapari, o paraíso é aqui!!

É um município brasileiro do estado do Espírito Santo. Sua população estimada em 2004 era de 108.120 habitantes. A distância de Vitória é 51 km, do Rio de Janeiro 474 km e de Belo Horizonte, 516 km.
A vila foi criada em 1679, com o nome da padroeira, cuja festa se comemora em 8 de dezembro. Tornou-se cidade em 1891. ‘Guara””Parim”(garça manca,em linguagem indígena),a antiga vila fundada pelo Padre José de Anchieta em 1585 é hoje o principal pólo turístico do Espírito Santo.
Na forma como é escrito hoje Guarapari significa Guará (pássaro) e Pari (armadilha), desta forma armadilha de pássaro.
Em meados dos anos 1960/1970 Guarapari tornou-se nacionalmente famosa em decorrência das propriedades medicinais de suas areias monazíticas. Por este motivo houve uma onda turística crescente em torno da cidade.
A cidade assim como toda a região central do Espírito Santo, possui vários afloramentos graníticos e possui muitas enseadas e baías protegidas. A sede da cidade é a nível do mar, mas graças à proximidade com a região serrana do estado, alguns distritos da cidade chegam a 1000 metros de altitude.
Parque Estadual Paulo César Vinha
Situado no extremo norte do município, na faixa litorânea, o parque possui 1.500 ha de área, protegendo o ecossistema restinga, uma rica flora composta por orquídeas, bromélias, clúsias e outras espécies típicas de restinga. Conta com uma fauna variada: de pererecas endêmicas a saguis-da-cara-branca, cotias,jiboias, quatis, tamanduás e veados. Possui três lagoas de águas avermelhadas, mas somente uma, a Lagoa de Caraís, é aberta a visitação.O Parque possui também duas trihas para visitação que é: Trilha da Clúsia – Trilha que possibilita ao visitante um contato mais intimo com a natureza, da uma impressão que está dentre uma mata fechada. Trilha da Restinga – Uma trilha relativamente maior, com grau de dificuldade fácil, está trilha leva o turista até a Lagoa de Caraís, ela possui 1,5km de extenção. Recebeu esse nome em homenagem ao biólogo Paulo C. Vinha, assassinado cruelmente nos limites do parque, enquanto fazia um levantamento fotográfico sobre líquens e fungos. Sua sede fica próxima ao bairro de Setiba, onde conta com guardas-parque e uma estrutura básica de apoio ao turista.

Principal cidade turística do Espírito Santo, Guarapari atrai diversos turistas do mundo inteiro graças às suas belezas naturais e às areias monazíticas (radioativas), com virtudes alegadamente terapêuticas, apesar dos benefícios no tratamento de artrite ou reumatismo não terem comprovação científica.
Com mais de 30 praias e boa rede hoteleira, chega a atrair 700 mil turistas no verão, sendo que em 1994, a cidade recebeu 1,5 milhões de turistas, enfrentando graves problemas no abastecimento de energia e água.
O município possui ótimos clubes aquáticos, além de aquários, exposições marinhas e belas praias. Passeios de mergulho.
Conjunto de pequenas praias separadas por rochedos, praticamente sem ondas, com areia fina e escura. A água é esverdeada e transparente, boa para mergulho e pesca submarina. Possui um extensa área de lazer, sombreada por árvores e coqueiros. O acesso é feito de carro ou a pé,e não é preciso pagar. Há estacionamento mas são proibidas as práticas de camping e uso de churrasqueiras.
Praia de Meaípe
Esta aldeia de pescadores é hoje um dos lugares mais badalados do Estado. A 6 km do centro do município, com acesso pela Rodovia do Sol (ES-60), esta praia já foi considerada uma das dez mais bonitas do Brasil pela Revista Quatro Rodas. As ondas são fracas e a areia grossa é contornada por castanheiras.Lugar bom para se passar as férias, Meaípe tem “barraquinhas” na beira das praias, onde você encontra vários petiscos para passar uma perfeita estadia na praia.Point dos modismos de verão, a vida noturna é agitada. Os restaurantes do local preparam os melhores frutos do mar do município. As mulheres do vilarejo, em sua maioria esposas de pescador, fazem as rendas de bilro, artesanato característico do município. Panos, caminhos de mesa, golas, rendas de metro em bico e entremeios são produzidos por encomenda. Os trabalhos estão expostos na Casa das Rendeiras, na orla marítima de Meaípe.

Esta belíssima praia é visitada por milhares de turistas no verão

5280 – Perigo na praia: Bombardeio de ultra-violeta


Ultravioleta castiga o "paraíso"

Quer aproveitar o resto do verão numa bela praia? Não se esqueça de levar na bagagem um bom protetor solar.
Pesquisa realizada em novembro pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em parceria com a Nasa, revelou que a bela cidade de Natal é a cidade brasileira onde há maior incidência de raios ultravioleta do Sol, algo só comparável ao que ocorre na Antártida, o continente polar localizado exatamente abaixo do buraco na camada de ozônio da atmosfera. Portanto, sem proteção natural contra aquele tipo de radiação. Numa escala que vai de zero a 16, a capital do Rio Grande do Norte chegou a registrar índice 11 por volta do meio-dia. Isso significa que quem se expõe ao sol ali, nesse horário, tem três vezes mais chances de adquirir um melanoma, o câncer de pele (ou outra doença da pele), em comparação com alguém que está pegando uma cor em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, onde o índice de radiação é 4. Os raios ultravioleta também aceleram o envelhecimento. Localizada próximo à linha do equador, uma área alcançada por intensa luminosidade solar, há três anos Natal foi apontada pela Nasa como o lugar de ar mais puro da América do Sul. Agora, a descoberta de que os raios nocivos do Sol atingem em cheio a cidade deixou os natalenses preocupados.

4070 – Praia Seca – Um pequeno paraíso



É um distrito de Araruama que está localizada no Rio de Janeiro, na Restinga de Massambaba, entre a Lagoa de Araruama e o Oceano Atlântico. A Restinga de Massambaba é um terreno arenoso de 12 km, entre Saquarema e Arraial do Cabo. Por ser uma lugar de praias extremamente bonitas, a prefeitura de Araruama apelidou a cidade de “A Cancun Brasileira”.
Nela também está localizada a Área de Preservação Ambiental de Massambaba em função da raridade de espécies vegetais, animais e ambientes ecológicos ali existentes.

O colonizador português ao chegar nessa região, encontrou uma vasta área recoberta de sal entre a lagoa e o oceano e concluiu equivocadamente que naquela região o mar havia secado.Por isso o nome desse local virou Praia Seca.
Praia Seca sediou vários eventos esportivos em 2010, tais como windsurf e canoagem, atraindo inúmeros turistas para a região.
Como chegar na Praia Seca?
Se você vem para Praia Seca de carro a partir:
Rio de Janeiro ou Niterói: há duas opções …
Via Lagos – RJ124 com acesso por Itaboraí/Rio Bonito, possui duas pistas e um pedágio em Rio Bonito. Logo após o pedágio há um atalho asfaltado até a Bacaxá, de onde se pode prosseguir até a entrada de Praia Seca.
Rodovia Amaral Peixoto – RJ106 com acesso por Niterói/Maricá/Saquarema, possui duas pistas de Niterói à Maricá, no restante, já não é bem sinalizada, possui muitas curvas e alguns radares eletrônicos.
Macaé/Rio das Ostras/Búzios/Cabo Frio:
Siga em direção à São Pedro D’Aldeia e depois prossiga pela Rodovia Amaral Peixoto – RJ106 em direção à Araruama, quando lá chegar irá encontrar um trevo, você deverá continuar na RJ106 passando por Araruama e seguindo em direção à Saquarema até encontrar a entrada de Praia Seca.
Se você vem para Praia Seca de ônibus . . .
Você poderá pega-lo nas rodoviárias de Araruama (circular), Rio de Janeiro, Cabo Frio e Arraial do Cabo (circular).
Para chegar a Araruama você pode pegar um ônibus a partir de:
Pela Macaense:
Rio de janeiro, Niterói, Macaé, Nova Iguaçú, Conceição de Macabu e Rio das Ostras
Pela Autoviação 1001:
Arraial do Cabo, Cabo Frio, Campos, Macaé, São Pedro da Aldeia, Niterói, Rio de Janeiro