9094 – Odontologia – Placa bacteriana cresce no Espaço


Como os especialistas da NASA bem sabem, longas temporadas no espaço podem trazer conseqüências desagradáveis à saúde dos astronautas. São conhecidos os relatos de americanos e soviéticos que mencionam enjôos, vertigens, atrofia muscular e até irregularidades cardíacas. Como se isso não bastasse, o odontólogo americano John Suzuki, da Universidade de Maryland, constatou que os astronautas sofrem mais do que na Terra de doenças periodontais causadas pela placa bacteriana formada entre a gengiva e os dentes. Suzuki, que participou do XIII Congresso Internacional de Odontologia do Rio de Janeiro, explicou o problema pela ausência de gravidade, “que diminui a circulação sanguínea e conseqüentemente a capacidade imunológica, deixando o organismo assim mais exposto a doenças causadas por bactérias”.

8316 – Odontologia – Como é feito o clareamento dental?


Logo odonto

Com substâncias químicas que reagem com a sujeira que escurece os dentes. O processo é simples e consiste em aplicar um gel e deixá-lo agir por alguns minutos. É possível fazer o clareamento inteiramente com o dentista, combinar sessões no consultório com outras em casa ou fazer tudo apenas em domicílio. Para ter resultados melhores, vale a pena fazer várias aplicações leves ao longo de bastante tempo (30 em um mês, por exemplo). Pessoas com gengivas especialmente sensíveis ou com problemas no esmalte devem falar com o dentista antes de tentar o clareamento, pois pode haver contraindicações. O procedimento também tem menos efeito sobre manchas causadas pelo uso de antibióticos.

Preto no branco
Escurinho causado por acúmulo de restos é eliminado com gel abrasivo;

O dente é formado por várias camadas sobrepostas. A mais superficial é o esmalte, que é naturalmente porosa. Ao longo do tempo, pedacinhos de comida entram por essas microfissuras e se depositam na camada abaixo do esmalte, a dentina. É o acúmulo desse material que escurece o dente.
Antes de realizar o procedimento, é preciso fazer uma limpeza básica na estrutura dentária. O dentista usa uma ferramenta chamada cureta para limpar a placa bacteriana e o tártaro. Esse processo aumenta a eficácia do clareamento e evita dor e danos a alguma área especialmente sensível.
É preciso também proteger a gengiva. Se a aplicação for no consultório, o mais comum é cobri-la com um líquido protetor, que depois é exposto a um feixe de luz que o deixa mais rígido, como uma borracha. Em casa, como a substância clareadora é aplicado num molde, ela não chega a tocar as gengivas
O dentista aplica o gel clareador nos dentes com uma seringa. Em todos os casos, o ingrediente ativo é o peróxido de hidrogênio (a popular água oxigenada) ou o peróxido de carbamida (o mais usado). Ambos causam uma reação de oxidação e quebram moléculas orgânicas, como as derivadas dos alimentos
O gel penetra nas fissuras e reage com as substâncias. A reação faz com que as moléculas das manchas sejam decompostas em pedaços menores, como amônia (NH3), gás carbônico (CO2) e oxigênio (O2). Elas se soltam da dentina e são expulsas do dente. Como o processo é lento, várias sessões são necessárias
Em casos nos quais se deseja acelerar o resultado, pode-se usar uma fonte potente de luz para estimular a reação do peróxido com as manchas. Isso produz mais oxigênio, o principal agente “limpador”. No entanto, alguns estudos questionam a real eficácia dessa técnica
Em cada sessão no consultório, o paciente fica de 20 a 30 minutos com o gel na boca. Para limpar o dente, o dentista apenas esguicha-o com água, eliminando as sobras das reações químicas. Em casa, são seis horas com o gel, que podem ser durante o sono, e o produto é retirado com escovação.

7741 – Odontologia – A Placa Bacteriana


placa

É uma película pegajosa e incolor, formada por açúcares e bactérias, que se forma sobre os dentes. Por termos bactérias presentes a todo instante na nossa boca, é impossível após uma refeição e sem a devida limpeza não sentir uma camada sobre os dentes.
As bactérias aproveitam os restos de alimentos, que permanecem sobre os dentes e saliva, e retiram deles os nutrientes que precisam para se desenvolver. A placa, por sua vez, libera um ácido que ataca o dente deixando-o sem proteção e de fácil acesso à carie.
Para evitar a placa bacteriana é necessário usar fio dental, para remover a sujeira que a escova não alcança, e sempre escovar os dentes após uma refeição. Se a placa não for retirada, ela irrita a gengiva, causa inflamação, inchaço, sangramento e até gengivite.
A PLACA BACTERIANA é formada de microorganismos que constituem a microflora normal da cavidade bucal. Estes microorganismos podem até serem benéficos, por agirem como inibidores do estabelecimento de doenças ou de micróbios oportunistas. Quando do nascimento, a cavidade bucal é estéril, mas dentro de poucas horas os microorganismos aparecem.
Na época da erupção dos dentes decíduos (de leite), uma flora complexa está presente. As bactérias estão localizadas na saliva, na língua, nas bochechas, superfícies dentárias; especialmente nos sulcos dos dentes (oclusal-parte achatada dos dentes) e no sulco gengival. Os microorganismos predominantes são os streptococos, o número e as espécies variam de pessoa para pessoa, de uma parte da boca para outra e mesmo em diferentes superfícies de um mesmo dente, antes e depois da alimentação e escovação. Estes por sua vez, podem ser ativados por vários fatores determinantes, para formação da placa bacteriana: idade, dieta, pH, composição salivar e seu fluxo, defesa imunológica e outros. Assim como fatores sistêmicos também podem influenciar a flora bucal.
Após a profilaxia dos dentes, seja por higienização normal ou em consultório, em um tempo curto, aparece uma fina camada de proteína salivar, composta inicialmente por glicoproteínas; camada lisa , sem cor e translúcida .
Por ser livre de bactérias, possuem uma função protetora, pois as glicoproteínas salivares e fosfato de cálcio salivar são absorvidos na superfície do esmalte e ajudam a reduzir o desgaste do dente.
Contém fatores antibacterianos que incluem os anticorpos (Ig G, Ig A, Ig M), ou seja, há neutralizadores dos ácidos dos alimentos e das bactérias na saliva.
Rapidamente após o depósito da PELÍCULA SALIVAR, ocorre a colonização bacteriana. Nos povos primitivos com dieta natural de alimentos fibrosos e duros, em locais de difícil higienização, os depósitos de bactéria eram mínimos.
Com a dieta de alimentos refinados da “civilização”, o acúmulo de bactérias em regiões aonde os tecidos moles (língua e bochecha) não alcançam é muito mais intensa. Principalmente na região interdental, abaixo da área de contato, onde as placas são bastante espessas (entre os dentes, próxima à gengiva).
Depois de algumas horas há uma multiplicação bacteriana, de diferentes espécies, aderindo à película adquirida, formando a PLACA BACTERIANA, a qual cresce sem controle e por alguns dias, promovendo a inflamação gengival.
A Placa Dental é uma camada mole não-calcificada de bactérias, que se acumulam e aderem ao dente e a outros materiais na boca, como por exemplo: restaurações, próteses totais, removíveis e cálculos.
Pode se apresentar em fina camada, raramente visível, só sendo identificada por evidenciador de placa ou em camadas grossas, com aspecto amarelada, cinza, só sendo removida por escovação.
O conteúdo de placa é maior na superfície dos dentes anteriores inferiores (face lingual).
A placa forma-se mais rapidamente durante o sono, do que após as refeições, por causa das ações mecânicas da mastigação que promovem uma estimulação do fluxo salivar, causando uma movimentação da placa.
A quantidade de placa formada vai depender da freqüência das refeições e da quantidade de alimento ingerido.
O carbohidrato mais comum produzido pelas bactérias é o dextrano.
As bactérias utilizam nutrientes que podem ser facilmente aderidos pela placa, por exemplo:
açúcares solúveis
sacarose
frutose
glicose
maltose
lactose
amido
Recomenda-se após às refeições, quando possível, substituir a sobremesa doce por alimentos duros, densos e fibrosos, como; maçã, cenoura, laranja. Pois fornece uma mastigação vigorosa, promovendo uma limpeza natural dos dentes, principalmente entre os dentes.
Matéria Alba – Placa produzida pela péssima higienização, apresenta cor amarelada, esbranquiçada e mole.

Tártaro ou Cálculo – Placa calcificada que se forma e adere à superfície do dente, restaurações, próteses. Encontram-se acima da linha da gengiva (supra-gengival) ou abaixo, internamente no sulco gengival (sub-gengival). Este cálculo é a Placa Bacteriana mineralizada ou não. Este depósito de cálcio, liga-se ao dente e à gengiva. Este por sua vez é aderido à película adquirida, às irregularidades do dente ou via microorganismos que penetram na superfície do cemento que recobre a raiz.
O depósito de Placa Bacteriana e Cálculo, em decorrência pode destruir o sulco gengival, destruindo os tecidos de sustentação do dente, como; ligamento periodontal, cemento (camada que reveste a raiz, assim como o esmalte reveste a coroa do dente), em grau de inflamação menor, apenas se instala uma gengivite. Porém em grau maior de inflamação, com destruição de cemento, ligamento periodontal e osso alveolar, promovendo em alguns casos até a mobilidade dos dentes, chega-se à uma periodontite (inflamação dos tecidos que circundam os dentes). Estas doenças periodontais, apresentam bolsas sub ou supra-gengivais, com o acúmulo de depósitos de bactérias.
Existe a decorrência de outras doenças periodontais bucais e sistêmicas mais graves. A partir de uma simples gengivite, pode-se chegar à uma PERIOCARDITE – uma inflamação no coração, ocasionada pela contaminação bacteriana na boca, que se transporta através da corrente sanguínea até o coração.