12.958 – Mega Polêmica – Os pais devem passar sua religião para os filhos?


religiao
Argumento pró:
É natural que os pais transmitam sua cultura, seus valores morais e sua crença religiosa aos filhos.
A questão seria como isso deve ser feito. Deus não quer seres autômatos sem liberdade de escolha, ainda que a liberdade humana ofereça riscos.
Portanto os pais devem ensinar pelo exemplo, procurando cativar os filhos pelo amor e não por via do autoritarismo. Os pais podem exercer uma forte influência positiva sobre os filhos, que inspirados a seguir o mesmo caminho, decidiriam por si mesmos.]

Argumento contra:
Consideramos a escolha de um caminho espiritual como algo pessoal e um direito inalienável de cada um, portanto os filhos devem decidir por si só.
Entretanto, a religião tem também um papel social e educativo e que é praticamente inseparável da vida da família.
Privar os filhos de ter contato com a vida religiosa da família seria afastá-los de um alicerce importante para a sua formação, mas aq famólia deve também compreender que aq opção dessa criança de seguir o não a religião cabe somente a ela.

Anúncios

12.163 – Mega Polêmica – Internet, propaganda indiscriminada de besteira(?)


internet
Ocorre que os gurus da nova era – Nicholas Negroponte, do MIT, para ficar com um exemplo célebre – afirmam, com razão, que a internet não tem centro.
Surge daí outra grande bobagem que se tem divulgado não só por fibra ótica, mas também por meio do velho e sujo papel de imprensa: a Internet democratiza o conhecimento. Se o leitor me perdoa a etimologia rasteira, direi que na verdade a rede tem muito demos para pouco cratos. Que poder efetivo uma página pessoal representa para seu autor? Na falta de um centro, somos todos periferia.
A pretensa “teia do conhecimento” (expressão de Negroponte no livro A Vida Digital) é também um amontoado caótico da ignorância. Substância e trivialidade já conviviam no jornal, que na mesma edição pode abrigar o horóscopo prevendo um dia auspicioso para os nativos de Virgem e o artigo de fundo de um cientista sobre o Projeto Genoma. A dispersão da Internet, porém, anula uma dimensão que o jornal abrigou em tempos pretéritos: o confronto. Israelenses e palestinos, petistas e tucanos, pornógrafos e evangélicos, gremistas e colorados, punks e skin-heads – todos podem ter seu site. O internauta surfa – isto é, passa pela superfície – por todos sem que isso implique o mínimo compromisso ou mesmo interesse. A “harmonia mundial” (Negroponte, mais uma vez) que essa diversidade sugere é enganosa.
Querem nos fazer crer que a velocidade das mudanças nunca foi tão rápida que agora o segundo vale pelo século. Nem mesmo essa sensação é nova: Flaubert, já no século XIX, dizia-se incapaz de entender a paisagem que via da janela de um trem. As novas tecnologias, por mais sofisticadas que sejam, não produzem mais tamanha perplexidade. A velocidade traduz-se simplesmente na histeria do upgrade – todos temos aquele amigo que nos humilha semanalmente com o último e mais rápido processador, a maior memória RAM, o modem mais veloz, o HD de maior capacidade. E que no entanto faz downloads cada vez mais demorados.
Fico com as velhas bibliotecas de papel, cujo autoritarismo secular pelo menos não vende ilusões de igualdade tecnopopulista.

Texto de um Jornalista, mestre em Teoria da Literatura pela PUC/RS, autor da novela As Horas Podres (Artes e Ofícios, 1997)

8907 – Mega Opinião – Linchamento: Diga não a essa barbárie!


Práticas de tempos pré-históricos ainda permanecem nos dias de hoje. Nem toda a tecnologia disponível é suficiente para fazer sucumbir ideias retrógradas…Parte da Imprensa também é responsável por difundir ideias de ódio na opinião pública.

O que diz a Lei:
O Direito Penal tem por finalidade essencial proteger os valores mais importantes dos indivíduos e da sociedade em geral. Tais valores são chamados bens jurídicos penais, entre os quais se destacam: vida, liberdade, propriedade, integridade física, honra, patrimônio público etc.
Essa proteção se dá com a incriminação de determinadas condutas: quando o art. 121 do Código Penal (CP) diz “Matar alguém” está implícita a norma “É proibido matar”. Da mesma forma, o art. 135 do CP, que trata da omissão de socorro, tem a regra implícita: “É obrigatório que se socorra pessoas que estejam em situação de perigo”. Este é o preceito primário da norma penal.
Portanto, quando alguém desobedece a norma “É proibido matar” deverá ser submetido a uma pena de reclusão que varia entre 6 e 30 anos, dependendo das circunstâncias do crime. Este é o preceito secundário da norma penal.
Por que essa sanção é aplicada pelo Estado e não pelas próprias vítimas ou seus parentes? Por duas razões: essas pessoas, por seu abalo emocional, não se motivariam por questões de justiça ou de proporcionalidade entre a pena e a infração, mas de pura vingança. Boa parte das pessoas assaltadas ou estupradas, por exemplo, matariam, se pudessem, seus agressores
O interesse maior da punição não é retribuir o mal causado, mas, por meio do sofrimento do condenado, mostrar aos potenciais criminosos que não se deve cometer crimes. Vê-se, assim, que o interesse é muito mais social do que individual.
Pode-se argumentar: e a legítima defesa (CP, art. 25)? Quando está ocorrendo uma agressão injusta atual ou iminente, teria o agredido o direito de punir? A resposta é não. Como o próprio nome diz, o direito é de se defender do ataque, na medida do necessário, não de punir o agressor. Assim, se A tenta matar B e este fere A para se defender, B não responderá por crime algum, pois agiu em legítima defesa e A deverá ser devidamente julgado e condenado pela tentativa de homicídio.

A pessoa que se achar vítima de algum crime deve sempre buscar o poder do Estado para que o culpado seja punido e os prejuízos ressarcidos. Caso resolva fazer “justiça com as próprias mãos” incorrerá nos crimes previstos nos arts. 345 e 346 do CP:

Exercício arbitrário das próprias razões

Art. 345 – Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite:

Pena – detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência.

Parágrafo único – Se não há emprego de violência, somente se procede mediante queixa.

Art. 346 – Tirar, suprimir, destruir ou danificar coisa própria, que se acha em poder de terceiro por determinação judicial ou convenção:

Pena – detenção, de seis meses a dois anos, e multa.
Por fim, deve se atentar para o fato de que o direito de punir deve ser exercido pelo Estado de forma totalmente vinculada às leis. Assim, ao mesmo tempo em que nosso ordenamento jurídico dá ao Estado o direito de punir, também limita esse direito, que só pode ser exercido nas condições e limites estabelecidos nas normas penais e processuais penais. Nesse sentido, não se pode condenar alguém por difamação (CP, art. 139) a dois anos de prisão, pois a pena máxima é de um ano, e não se pode condenar alguém por homicídio doloso sem se obedecer ao procedimento do Tribunal do Júri (CPP, arts. 406-497).

8415 – ☻ Mega Opinião – Desigualdades Sociais


Protestos
Há anos, nós do ☻ Mega viemos gritando contra as desigualdades sociais no mundo e principalmente no nosso país. Já dissemos que o modelo sócio-econômico mundial é arcaico e não evoluiu na mesma proporção que os avanços tecnológicos. O PIB de alguns países as vezes cresce, mas os pobres continuam pobres e os ricos cada vez mais ricos.
Atualmente há protestos generalizados no Brasil contra aumento de tarifas. Mas isso pode ter sido apenas o estopim de uma bomba, de um problema que vai muito além de alguns centavos de real.

Anos 90
Desigualde de rendimento entre a população e as regiões

Elevada ocorrência de doenças

Desigualdade de esperança de vida entre as classes sociais

Apesar do paradoxo da obesidade, e de programas sociais, precárias condições de alimentação de uma parcela significativa da população

Grande deficit habitacional

Alto índice de evasão escolar

Insegurança geral

Junho de 2013 Folha de São Paulo
protestos junho2013

Muitas pessoas sem ligação com o Movimento Passe Livre ou outros movimentos também decidiram aderir ao protesto contra o aumento das passagens de ônibus, metrô e trens nesta segunda-feira (17-6-2013). O grupo se concentrou no largo da Batata, na região de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, antes de sair em passeata.

“Sou do movimento Tenho Consciência”, brinca a professora de história, Daniela Oliveira, que participa do protesto contra as tarifas pela segunda vez. Na semana passada, ela foi atingida por uma bala de borracha –a marca permanece ainda nesta segunda-feira, mostra ela, que também apontou ser contrária ao envolvimento de partidos políticos na manifestação.

Protesto
Cerca de 30 mil pessoas, segundo estimativa da PM, se concentraram no largo da Batata, na região de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, antes de seguirem em passeata pela região. O grupo, no entanto, se dividiu em três blocos, seguindo um para a marginal Pinheiros, sentido Brooklin, pela av. Faria Lima e outra em direção a av. Paulista.
As últimas manifestações do grupo foram marcadas por confrontos com a Polícia Militar. O último caso ocorreu na quinta-feira (13-06), quando houve confusão na rua da Consolação, na região central. Segundo organizadores, ao menos cem pessoas ficaram feridas e mais de 200 foram detidas.

8108 – Mega Polêmica – A Internet estaria prestes a fracassar?


Embora a questão pareça absurda, é defendida por um especialista de uma importante publicação científica nacional.

Uma tecnologia que chegou para ficar, como poderia entrar em declínio? Vejamos suas idéias:

É inegável que a Internet mudou as pessoas e continua mudando, só que de forma diferente. No início, quando a tecnologia era mais rudimentar e ainda havia uma certa aura de mistério envolvendo a nova invenção, estar online significava o início de uma fascinante jornada de investigação. Agora as pessoas encontram tudo o que querem em poucos segundos. A Web de hoje está longe de ser um caminho alternativo para mudarmos o que está ao nosso redor. Virou apenas uma nova janela para o velho mundo de sempre. Para que a Internet passasse a ser usada para desenvolver novos valores e relações humanas, seria preciso utilizar novas interfaces, mais complexas e bem diferentes dos twitters e facebooks atuais, que não foram criados para promover este tipo de evolução humana. Algumas pessoas trabalham juntas em grandes grupos virtuais, o problema é que não se deram conta de que estão a serviço de grandes companhias que não gastam um tostão.

Rushkoff – Prof. da Universidade New School, EUA.

6963 – Mega Polêmica – A Responsabilidade dos Cientistas


Um julgamento iniciado em setembro na Itália vem gerando repúdio da comunidade científica mundial. Seis cientistas e um funcionário público são acusados de negligência ao avaliar os riscos de um terremoto que deixou 309 mortos e 1500 feridos na cidade de L’aquila, em 2009. Os 7 acusados integravam um conselho consultivo do governo e estão sendo processados por homicídio culposo. Segundo a promotoria, eles poderiam ter emitido um alerta adequado que salvaria muitas das vítimas.
Não acho que os cientistas cometeram um crime, então não deveriam ir para a cadeia. Mas acredito que eles atuaram de forma irresponsável ao não alertar a população sobre os riscos do terremoto. Assim, eles deveriam ser repreendidos por meio de ações de acordo com a lei italiana. Cientistas a serviço do governo que agem de maneira irresponsável devem pagar de alguma forma por seus erros – tal como acontece com um policial, por exemplo.
O texto, com mais de 5 mil membros da comunidade científica, afirma que eles estão sendo julgados por não preverem um terremoto – sendo que antecipar um evento assim é tecnicamente impossível. Ora, esse não é o ponto. Não se pode mesmo prever um terremoto. O problema foi a mensagem que os cientistas mandaram ao público. Nas semanas anteriores à tragédia, uma sequência de pequenos tremores atingiu a região.
A população ficou nervosa, e muita gente decidiu dormir fora de casa. É o que costuma fazer quem mora em áreas de risco quando a terra começa a tremer. Os moradores receberam ainda a informação de um técnico (que não fazia parte do conselho do governo) de que o solo da região emitia altos níveis do gás radônio – o que pode ser indício de um grande tremor. Assim, quando as pessoas perguntaram ao governo o que estava acontecendo, o porta-voz do conselho de cientistas (o 7º acusado) disse que a situação sísmica era “normal” e que o panorama era até favorável.
Não podemos dizer que um terremoto vai ocorrer, mas tampouco podemos dizer que ele não vai ocorrer. A mensagem correta seria: “A informação que temos é incompleta. Talvez haja um terremoto, talvez não. Você pode dormir fora de casa se quiser. Se for ficar dentro, lembre-se: ao sentir vibrações, proteja-se debaixo de algo como uma cama, mesa ou o batente de uma porta. Armazene água e comida; provavelmente vai faltar eletricidade”. Medidas assim salvam vidas. Crianças japonesas as aprendem desde os 3 anos. Mas nada disso foi dito.

Um sismólogo brasileiro para o ☻ Mega

6653 – Minhas Explanações


Recebi algumas críticas por conta do meu editorial de introdução ao ☻ Mega Arquivo.

As pessoas de um modo geral, nao querem ler ou ouvir lamúrias, reclamaçoes. Mas a vida não e só flores. Quanto as críticas, isso foi uma constante em toda a minha vida. Por isso, não mais as aceitarei de agora em diante. Está na hora dos elogios.
Meu autodidatismo, uma característica não tão comum, e que nem todos possuem, não me trouxe grande vantagem prática até agora. O fato de saber um pouco mais em sala de aula, por enquanto só tem alimentado ódio e inveja.
A criatura humana e a animal também possuem grandes semelhanças. Entre elas o instinto de competição, que não raro alimenta imperfeições como o egoísmo, a arrogância, a inveja, a discriminação e o preconceito.
Por outro lado, há também bons exemplos a serem seguidos. Nosso bom Deus também colocou aqui na Terra alguns anjos sob a forma humana, para servirem de modelo e zelarem pelo bem estar dos homens. Sua presenca e atitudes sutis muitas vezes os fazem passar despercebidos. Agradeço a Deus por colocar em meu caminho, vez por outra, alguns desses anjos.
Quando a Ciência chega no seu limite maximo de explicação, não podendo mais realizar experiências para provas concretas, entra em cena a Filosofia, na qual se inclui as religiões, por isso, tenho o meu lado místico, acreditando na existência de um Deus que criou este e outros universos e na vida após a morte (vida espiritual e não fisica).
Hoje sou espírita Kardecista, mas ja fui adepto do Catolicismo e da Igreja Mórmon. Encontrei no Kardecismo melhores explicações para o sentido da vida e dos fatos que aconteceram comigo desde o meu nascimento até o momento que escrevo estas linhas no meu tablet. Resolvi escrever tais explanações por saber da brevidade de nossa existência e acreditar que o Mega Arquivo seja o meu grande e único legado que devo deixar para a posteridade. Não creio que deixarei sucessores para o meu trabalho propriamente dito. Hoje, por motivos alheios a minha vontade tenho pouco contato com meus filhos, que por sua vez, não herdaram a característica da sede pelo conhecimento da qual eu possuo. Deixo então a cargo de outros intelectuais a sequência de um trabalho semelhante ao meu.
A todos que me conheceram ou não, ainda que superficialmente, me considerem como alguém que tentou fazer algo de positivo na vida, lutando sem recursos contra todas as adversidades, remando contra a maré em duríssimas batalhas.

Por Carlos Rossi

6317 – O Capitalismo vai Acabar?


Veja algumas opiniões:

“Existe vida após o capitalismo. Nós podemos criar culturas e instituições justas, sustentáveis e um mundo de compaixão com que sonhamos. E é nosso dever fazer isso.”
David C. Korten, autor de Life After Capitalism (“Vida Depois do Capitalismo”), em que defende o fim das corporações, para uma economia solidária.
“O capitalismo global não tem rivais sérios. Mas ele poderá destruir a si mesmo.”
Timoth Garton Ash, jornalista britânico, autor de Nós, o Povo, em artigo sobre a falta de sustentabilidade do atual modelo de capitalismo.
“O fim do capitalismo está definido pela chamada 3ª Revolução Industrial – a revolução tecnológica, eletrônica. Uma grande quantidade de força de trabalho é expulsa da produção industrial e não consegue ser reabsorvida. Não há um processo de compensação, mas um processo de expulsão contínua.”
Robert Kurz, sociólogo alemão marxista, autor de O Colapso da Modernização, para quem o capitalismo está numa crise sem precedentes desde 2001.
“Apesar de tudo, (o capitalismo) é o sistema que até hoje melhor conseguiu atender ao tríplice objetivo da liberdade política, eficiência econômica e progresso social.”
Roberto Campos, economista brasileiro morto em 2001, em artigo publicado em 1995 no jornal O Estado de S. Paulo.

5880 – Mega Polêmica – Felicidade em excesso pode fazer mal


Ser feliz é uma das maiores preocupações de nossa sociedade hoje. Ela se manifesta na cultura popular, em livros de autoajuda, terapias e palestras de motivação. Não é para menos. Há fortes evidências sobre os benefícios de ter mais emoções positivas, menos emoções negativas e de estar satisfeito com a vida – os 3 pilares da felicidade. No entanto, essa história também tem dois lados. Se for vivida em excesso, na hora errada e no lugar errado, a felicidade pode levar a resultados indesejados. E, inclusive, não ser saudável.
É o que indicam estudos recentes. Níveis moderados de emoções positivas favorecem a criatividade, mas níveis altos não. Crianças altamente alegres estão associadas com o maior risco de mortalidade na idade adulta por seu envolvimento em comportamentos arriscados. Isso porque uma pessoa muito feliz teria menos probabilidade de discernir as ameaças iminentes. Aqui, na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, fizemos uma pesquisa com 20 mil participantes saudáveis de 16 países. E encontramos os maiores níveis de bem-estar naqueles que tinham uma relação moderada entre emoções positivas e negativas em sua vida diária. Também vimos que níveis moderados (não extremos) de sentimentos positivos estão ligados à redução de sintomas de depressão e ansiedade, além do aumento da satisfação pessoal.
Como você pode perceber, felicidade não é uma só. Ela vem em diferentes sabores. Varia, por exemplo, segundo a dimensão do estímulo (excitação x calma) ou do engajamento social (compaixão x orgulho). Certos tipos de felicidade são muito autofocados e, por isso, acabam sendo mal-adaptados. É o caso do orgulho, geralmente ligado às conquistas e ao status social. O orgulho pode ser bom em certos contextos, mas também tem sido associado à agressividade e ao risco de desenvolver transtornos de humor, como a mania.
A própria busca por ser feliz também pode ser contraproducente. Muitas vezes, aliás, quanto mais as pessoas procuram a felicidade, menos parecem capazes de obtê-la. A razão é simples: elas concentram tanta energia e expectativa nesse esforço que os eventos felizes, como festas e encontros com amigos, acabam sendo decepcionantes. Em adultos jovens e saudáveis, essa busca incessante pela felicidade tem sido ligada ao maior risco de mania e depressão.
O que fazer então? É impossível ser feliz o tempo todo ou em todo lugar. Não vale a pena nem tentar. Pense na situação em que você deseja (ou é mais relevante para você) ser feliz. E não se esqueça: não desmereça os sentimentos negativos. A tristeza, por exemplo, é parte da experiência humana e não necessariamente é ruim. Ela até nos ajuda a manter os pés no chão.
Tentar maximizar emoções positivas e minimizar as negativas, portanto, nem sempre é uma boa. O equilíbrio é fundamental.

5365 – Bobos da Corte – Leis absurdas


Há leis ridículas espalhadas pelas constituições e pelos códigos de países do mundo inteiro. Algumas delas são relíquias caducas que perderam o sentido há séculos mas ninguém lembrou de revogar. Outras são excentricidades de algum parlamentar esquisito que foram aprovadas sabe Deus como. Os Estados Unidos, com seu sistema federativo no qual os Estados e até os municípios têm bastante autonomia para fazer legislações próprias, é recordista absoluto em normas absurdas. Mas nenhum país do mundo escapa, nem mesmo a racional França, país que leva o Direito e os direitos muito a sério. Claro que o Brasil não seria exceção. Com vocês, as leis mais idiotas do mundo.
A cidade de Miami, na Flórida, Estados Unidos, não sabe o que fazer com suas buzinas. Uma norma de 1967 estabelece que “nenhuma pessoa deve operar uma bicicleta que não esteja equipada com um sino ou equipamento capaz de produzir um sinal audível a pelo menos 100 pés (30 metros) de distância”. Outra lei, de 1980, proíbe os ciclistas de utilizar esses mesmos equipamentos de alerta sonoro. Ou seja, lá todo mundo tem que ter buzina mas ninguém pode usar.
Uma lei do Estado americano do Tennessee determina que é proibido praticar caça esportiva sobre qualquer veículo em movimento. O regulamento faz exceção para apenas um tipo de animal: as baleias. Detalhe: o Tennessee tem um litoral tão extenso quanto o de Minas Gerais – a praia mais próxima está a 500 quilômetros.
Garantir a sobrevivência dos animais não basta: é preciso também defender o seu bem-estar. Em 1980, o Estado do Wyoming proibiu que se tirem fotografias de coelhos entre janeiro e abril sem uma licença oficial. Os zelosos legisladores queriam proteger a privacidade dos bichinhos em sua época de acasalamento. Já na cidade de Pacific Grove, na Califórnia, os deputados determinaram multas de até 500 dólares para pessoas que molestarem ou ameaçarem borboletas. Alguém aí sabe como se “ameaça” uma borboleta? E em Nova Orleans, Louisiana, é ilegal amarrar um jacaré a um hidrante.
Não é piada
Vou roubar você amanhã
Para diminuir a violência crescente em seu território, o Estado de Washington formulou uma lei que obriga motoristas com intenções criminais a pararem nos limites da cidade, ligarem para o chefe de polícia e avisarem que estão chegando. O Estado do Texas foi ainda mais longe. Segundo uma lei feita pelo deputado Jim Kaster, os candidatos a criminosos precisam notificar suas futuras vítimas do crime que irão cometer com 24 horas de antecedência. O comunicado deve também informar à vítima que, em algumas circunstâncias, é permitido o uso de armas letais para se defender. Não há registro de nenhum criminoso que tenha seguido essa lei.
Uma lei que todos gostariam de cumprir: É proibido morrer
Em setembro de 1999, Jose Rubio, prefeito de Lanjaron, Espanha, proibiu a morte em seu município. O cemitério da cidade estava lotado e, enquanto a prefeitura procurava um terreno para construir outro, os 4 000 habitantes deveriam cuidar da saúde para não falecer. Os infratores teriam que responder por seus atos. Soa bizarro para nós brasileiros, mas, pasme, a idéia é familiar para os franceses. O prefeito de Le Lavandou, no sul da França, formulou uma lei idêntica depois que a assembléia vetou a construção de um novo local de descanso para os mortos.
A Suprema Corte de Apelações da França inventou neste ano o “direito de não nascer”. Ele estabelece que uma pessoa nascida com uma deficiência grave tem o direito de ser recompensada caso sua mãe não tenha tido a chance de abortar. A regra é válida mesmo quando se considera que, caso não houvesse infração, a vítima nunca teria existido. Muitas associações de deficientes se revoltaram contra a decisão.
O município de Chico, na Califórnia, formulou uma lei que determinava uma multa de 500 dólares para quem explodisse uma bomba nuclear em seu território. A medida, feita para conter o terrorismo, esqueceu de especificar quem sobraria para cobrar o dinheiro do infrator.
Em meados da década de 90, a dona de um restaurante no interior da França foi acusada de assédio sexual por dez empregados da sua cozinha. No tribunal, ela alegou que estava protegida por uma norma – datada da Idade Média – que autorizava os proprietários de terra a seduzir quem trabalhasse em seu terreno. Os juízes, depois de se assegurarem que a lei medieval jamais fora revogada, tiveram que inocentar a gulosa restaurantrice.
Leis de outro mundo
A cidade de Chateauneuf-du-Pape, França, famosa por seus vinhos, proibiu, em 1954, que discos voadores pousassem sobre suas vinícolas. Só sobre as vinícolas! Caso isso acontecesse, o “veículo” deveria ser imediatamente recolhido para um depósito. A medida, que obteve sucesso em afastar os OVNIs, foi revogada poucos anos depois. No Brasil, os alienígenas seriam mais bem-vindos. O munícipio de Barra do Garças, no Mato Grosso, criou, em 1995, uma área de 5 hectares destinada ao pouso de objetos voadores não-identificados.

3685 – Vale a pena mandar gente para o espaço?


“Não. Nenhum cientista coloca o dedo num líquido para saber se está quente. Usamos um termômetro. Então você não precisa ir a Marte para saber o que tem lá. Robôs fazem esse trabalho de forma esplêndida. E a 10% do preço de mandar uma pessoa.”
Bob Park,
Físico da Universidade de Maryland, EUA.
“Sim. Se você manda pessoas para outro planeta, tem uma missão maior, o que significa cobrir uma área maior e tomar decisões mais rápidas. Missões com robôs são baratas porque são pequenas. E isso traz limitações.”
Ian Crawford,
Cientista planetário da Universidade de Londres, Inglaterra, e membro da Sociedade Planetária, criada por Carl Sagan.
“Em termos. Neil Armstrong não foi à Lua pela ciência, e sim pelo modo de vida americano. A viagem espacial tripulada é uma forma de mostrar grandeza nacional, uma ferramenta de política externa.”
John Pike,
Foi diretor de Política Espacial da Federação dos Cientistas Americanos e é membro do Conselho de Relações Exteriores dos EUA.
“A coisa é que temos um profundo instinto de exploração. Há em nós uma grande necessidade de descobrir o que existe lá fora.”
Paul McCartney,
Depois de ter cantado Good Day Sunshine, dos Beatles, numa transmissão ao vivo para os tripulantes da Estação Espacial Internacional, em 2005.

3665 – Mega Polêmica – Quem matou Marilyn Monroe?


Em agosto de 1962, Marilyn Monroe foi encontrada na cama de seu quarto com overdose de barbitúrico, substância encontrada em soníferos. Ela nunca mais acordaria. Tão logo as investigações apontaram suicídio, várias teorias conspiratórias apareceram. Um dos principais céticos da versão oficial foi John Miner, procurador do caso.Miner revelou um texto que seria a transcrição de uma das últimas conversas entre Marilyn e seu psiquiatra, Ralph Greeson. Nele, a estrela comenta planos e amizades e não apresenta qualquer sinal de uma personalidade suicida. Miner teria sido o único a ouvir a fita antes de o próprio Greeson destruí-la. Mas, mesmo não comprovada, a transcrição deu força às evidências que Miner vem coletando ao longo de 40 anos. Uma delas é o sumiço do diário de Marilyn logo após a morte. Outra é a forma um tanto estranha como ela teria se suicidado. Não havia água nem copos onde ela faleceu, e no estômago da atriz não foram encontrados traços da substância. Segundo a autópsia, o barbitúrico foi introduzido pelo reto, com injeções ou supositórios.
A repercussão do texto fez Miner solicitar à Justiça a exumação da atriz. “Se ainda existirem tecidos conservados – menciona-se que partes do intestino e do estômago foram guardadas –, será possível fornecer respostas confiáveis sobre a morte de Marilyn”, diz um especialista da Unicamp em cromatografia a gás, a técnica que será usada para detectar barbitúrico nos restos mortais. Uma concentração muito grande da substância será um indício de que Marilyn foi assassinada – afinal, envolveria pílulas demais. Daí a questão passa a ser: quem é o assassino? Para uma mulher que se supunha estar envolvida com o então presidente americano John F. Kennedy e seu irmão, o senador Bob Kennedy, não é difícil bolar grandes conspirações.

Bem Vindo a Este Vasto Universo: ☻Mega Arquivo


mega2

      Em março de 2017 o ☻ Mega Arquivo completou seu 29º ano, tudo começou em 1988, com simples anotações em um caderno. Foram mais de 10 mil textos resumidos de conclusões de livros e artigos dos mais diversificados, além de algumas explanações próprias minhas. Aqui no WordPress em breve estaremos atingindo marcas impressionantes.

 

      Nossa meta ainda está longe de ser alcançada porque apesar dos meus esforços com a qualidade, quantidade e diversidade de assuntos, a repercussão na rede é ainda tímida.

 

      Deixe seu comentário pertinente no espaço reservado, de preferência em português. Comentários em inglês serão traduzidos e editados, comentários em outros idiomas ou sem sentido, serão descartados.

 

      A partir do post 10.000, o ☻ Mega Arquivo vai iniciar uma nova fase onde será reduzido o número de publicações, sem prejudicar a qualidade. Entendemos que já concluímos o nosso objetivo inicial e uma vez que precisamos de tempo para buscar fundos para manter o próprio site, então reduziremos as postagens.

Por Carlos Rossi

Se as pesquisas de aristóteles sobre animais marcavam o início de uma ciência autônoma entre os gregos, a descoberta de Pitágoras foi decisiva para o espírito científico grego e para toda a ciência ocidental. Depois de Einstein passamos a compreender melhor que todos os fenômenos físicos nada mais são que manifestações de uma energia idêntica e que a própria massa tem uma relação bem estreita com a energia; segundo a clássica fómula E=MC܆². Os grandes problemas que agitam a conciência humana não podem e nem poderão jamais ser resolvidos pela ciência, por exemplo, o problema das origens, do sentido da vida, da ação, da culpa, da salvação, do amor e das relações sociais, do sofrimento e da morte, os problemas do além, bem como do sentido absoluto da vida humana. Isso porque, quanto mais faltar uma base experimental, tanto mais impossível há de ser, pois a ciência é experimental. A psicologia e a sociologia, já adentraram também pelos domínios da ciência, inspirando-se em seus princípios básicos, em pressupostos filósofos e se dispersando em diversas escolas inconciliáveis. Se o mundo fosse totalmente absurdo, as leis cósmicas não significariam nenhum conhecimento apreciável; se o mundo não pudesse ser conhecido por via experimental, a ciência seria um jogo totalmente vão. Portanto são imensos os domínios que escapam à ciência.

O ☻ Mega não tem fins lucrativos, entretanto, se você simpatiza com a nossa causa e possui recurso financeiro, suas doações serão bem vindas.

Se você quer doar e é do Brasil:

Conta: 14421-2 AG 4010 OP 013 Caixa Econômica Federal

Pra quem é de fora do Brasil:
Pay Pal – rossi.car2000@gmail.com

☻ Mega Opinião – Minorias exigentes


Feministas, negros e homossexuais fazem reivindicações retrógradas e exigem privilégios—As feministas querem ampliar o conceito de estupro e considera-lo crime de gravidade infinitamente maior do que o real. A definição nova inclui o estupro marital e estende-se ao sexual (molestamento ) . trata-se então de todos os homens contra todas as mulheres, já que na dúvida, condena-se o réu. O estupro é tradicionalmente considerado crime hediondo, embora não cause mais danos que outros tipos de agressão. Tal gravidade era em função de concepções morais de honra feminina e que só se confirmavam no caso de “mulher honesta” ( solteira virgem) , casada fiel ou viúva casta, caso a vítima não preenchesse tais requisitos, persistia o crime, mas perdia a gravidade, nesse vago conceito de honra.
__ Os negros vem exigindo não só a igualdade de direitos, como direitos extras dados só a eles como por ex. a implantação de quotas mínimas nas universidades ou empresas, independentemente dos méritos acadêmicos ou profissionais dos candidatos e querem também uma indenização pelos anos de escravidão de seus ancestrais e por terem sidos seqüestrados da África. Culpam os americanos pela escravidão, mas essa já era praticada pelos árabes, em particular o Islã, centena de anos antes da descoberta das Américas e certos países árabes estiveram entre os últimos a aboli-la. Durante séculos, nativos foram capturados escravizados e vendidos aos traficantes brancos, principalmente por outros negros. Parte substancial da população das
Américas chegou após a abolição e além disso, os proprietários de escravos eram classe pequena e restrita.

Comportamento- Homossexualismo
Poucos grupos foram maltratados e humilhados quanto tais de ambos os sexos . Sua conduta é considerada imoral e depois de séculos de vilipêndio, sem direito a resposta é compreensível que tenham sua imagem posta em questão. Sua plena aceitação é quase impossível, mesmo que abolida a discriminação, continuarão constituindo uma minoria á parte, se não vista com preconceito, no mínimo com estranheza. Caso a improvável hipótese seja confirmada, de que os praticantes têm componente genético ou congênito, se verificando através de exames pré-natais, pais heterossexuais poderão optar pelo aborto, já que a maioria preferirá não Ter filhos homossexuais. Eles não podem se contrapor ao aborto e se lhes interessa a vida de uma geração seguinte de homossexuais, terão que arcar com os custos, seja praticando sexualidade reprodutiva, seja financiando bebês de proveta e barrigas de aluguéis.

Engenharia Genética – Opositores


Escaldados com o desenvolvimento da energia nuclear, os adversários das experiências com bagagem genética de seres vivos querem que elas sejam suspensas, ou na melhor das hipóteses, submetidas a estrita regulamentação. Ecologistas se preocupam com possíveis efeitos adversos da liberação do ambiente de bactérias geneticamente alteradas com o objetivo de torna-las inseticidas vivos. Mas a maior controvérsia diz respeito a manipulação genética de organismos ditos superiores como um porco que recebeu gene de vaca. Eles se inquietam com a possibilidade de que os avanços no setor acabem propiciando a criação de seres humanos ao gosto de freguês, em tal cenário de ficção, os pais ou o Estado escolheriam não só o sexo , mas a cor dos olhos ou quaisquer outra característica hereditária dos filhos. Essa fantasia misturada com lembranças do nazismo é de arrepiar. Mas há também polemicas de fundo ético-religioso provocadas pelo advento de bebês de proveta e mães de aluguel do qual ainda falaremos.