13.887 – Jade


jade
Jadeíta : NaAl (Si2O6)
Nefrita : Ca2 (Mg, Fe)5((OH,F)Si4O11)2
Propriedades físicas
Densidade 3,34
Dureza 6,5 – 7
É o nome dado a dois tipos de minerais que geralmente são alvacentos e tendem para o verde escuro. o jade chinês é o mais raro, é um silicato de sódio e alumínio encontrado não apenas no oriente, mas também na Guatemala. Possui um brilho ligeiramente cintilante e é dura e fibrosa. A nefrita é proveniente em sua maior parte da Nova Zelândia, América e Rússia, sendo cintilante e quebradiça. O jade indiano, aventurina, é uma espécie de quartzo.
Jade é um nome que era aplicado às pedras ornamentais que eram trazidas à Europa da China e da América central. Somente em 1863 se percebeu que o termo “jade” estava sendo aplicado a dois minerais diferentes. A jadeíta quase nunca é encontrada em cristais individuais e é composta dos cristais bloqueando microscópicos que produzem um material muito resistente. Nefrita é realmente um não-mineral, mas uma variedade da actinolita mineral.

A variedade de nefrita é composta de cristais fibrosos entrelaçados em uma massa compacta resistente. Outras variedades de actinolita são completamente diferentes da nefrita.
A dureza do jade é notável. Tem uma resistência maior do que o aço e é posto para trabalhar por muitas civilizações adiantadas para machados, facas e armas. Estava mais atrasado que o jade se transformou uma pedra simbólica usada nos ornamentos e outros artefatos religiosos durante os éons.

10.760 – Minerais Perigosos – Fenaquita (BeSiO4)


fenaquita

A fenaquita tem um grande valor tanto como pedra preciosa quanto por seu teor de berílio. O berílio já foi matéria-prima para muitos materiais cerâmicos, até que as pessoas descobriram que a inalação de seu pó pode causar uma doença crônica como a silicose, só que muito mais grave.
O que torna a situação ainda mais problemática é que uma pessoa não pode se recuperar dessa doença simplesmente minimizando sua exposição ao berílio. É uma condição para a vida toda. Basicamente, o que acontece é que os pulmões se tornam hipersensíveis a substância, o que provoca uma reação alérgica que cria pequenos nódulos chamados granulomas. Estes granulomas tornam a respiração extremamente difícil e podem inclusive provocar doenças como a tuberculose.

10.752 – Minerais Perigosos – Fluorita (CaF2)


Fluorita não é esmeralda
Fluorita não é esmeralda

Esse mineral verde e lindo é chamado de fluorita. Ele é composto de fluoreto de cálcio, que é comumente encontrado em veias de outros minérios como ferro, carvão e cobre. A fluorita pode ser usada em um fluxo de fundição, mas é mais frequentemente vista em joias e em lentes de telescópios. Quando misturada com o ácido sulfúrico, produz fluoreto de hidrogênio, um importante precursor químico industrial.
No entanto, a fluorita pode ser muito perigosa tanto para aqueles que lidam direta e regularmente com ela quanto para aqueles que simplesmente vivem perto de sua mina. Ela contém flúor, um mineral solúvel que prontamente lixivia em fontes subterrâneas e pode ser absorvido pelos pulmões se for moído em pó ou queimado em um fogão a carvão.
E a presença do flúor no organismo provoca a fluorose, uma doença dolorosa que enfraquece os ossos e causa danos às articulações. Muitas comunidades rurais em toda a Índia, China e no sudeste da Ásia têm sido assoladas por surtos da doença devido a pessoas que bebem água contaminada, ou pela inalação do mineral em forma de partícula fina. Estima-se que cerca de 10 milhões de pessoas podem ter sido atingidas por essa doença só na província de Guizhou, na China.

10.747 – Minerais Perigosos – Pirita (FeS2)


pirita

Tanto o enxofre quanto o ácido sulfúrico são usados extensivamente na indústria. O enxofre pode ser encontrado em tudo, desde fósforos e pneus a fungicidas e fumigantes, enquanto o ácido sulfúrico é um componente vital de muitos processos industriais de pigmentos a explosivos. Mas onde a pirita entre nessa história? Bom, a pirita, um mineral composto formado a partir de ferro e enxofre, era a única fonte para obtê-los.
Isso levou a grandes esforços de mineração de pirita, que por sua vez levaram a danos ambientais devastadores. Os dejetos da mina, por exemplo, acabaram acidificando águas subterrâneas e córregos próximos. Além disso, a pirita tem um péssimo hábito de combustão espontânea quando é misturada em camadas de carvão e exposta ao ar, liberando metais altamente tóxicos (como o arsênico) para a atmosfera conforme oxida. É por isso que muitas minas de carvão recebem pulverização de calcário em pó em áreas recém-escavadas. Isso costuma retardar a reação de oxidação exotérmica do minério e é suficiente para impedi-lo de explodir.
A pirita não é mais comercialmente minerada, pois a indústria percebeu que o enxofre pode ser facilmente coletado como um subproduto do gás natural e do processamento de petróleo. Hoje, esse mineral raramente é escavado, a não ser que seja para a fabricação de peças de amostra.

10.739 – Bioquímica – Minerais Perigosos, Mantenha a Distância


cinábio

Os minerais preciosos fazem o mundo moderno girar em torno deles. Isso porque são matéria-prima para a construção de inúmeras coisas que vão desde placas de circuitos a utensílios em geral.
O único detalhe é que eles também são alguns dos materiais mais tóxicos conhecidos pela ciência. Ao serem escavados e estudados, eles provaram ser realmente muito perigosos ao longo dos anos, tanto que alguns foram retirados da produção industrial por completo.
Cinábrio (HgS)
O sulfeto de mercúrio, mais comumente conhecido como cinábrio, tem sido a nossa principal fonte de mercúrio elementar desde os primórdios da civilização humana. O mercúrio, por sua vez, tem sido tradicionalmente usado como pigmento para cerâmica e tatuagens, embora na idade moderna também seja empregado em uma grande variedade de equipamentos científicos, como termômetros e barômetros, bem como na indústria pesada, como na recuperação de metal e produção de cloro, sem contar os interruptores de mercúrio que ajudam o trabalho eletrônico moderno. Tudo lindo até aqui.
No entanto, quando oxidado, este elemento produz metil-mercúrio e dimetil mercúrio, dois compostos tóxicos que causam danos irreparáveis no sistema nervoso das crianças. É absolutamente mortal em pequenas concentrações e pode ser absorvido através da vias respiratórias, intestinos ou pele. Devido a isso, quase todos os setores que mencionamos acima ou já eliminaram sua utilização ou estão em vias de fazer isso.

5245 – Nutrição – Queijo combate a cárie?


Pedaços de queijo ajudam a garantir um sorriso livre de cáries, segundo pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá. Durante um ano eles acompanharam alunos do primário divididos em 2 classes. Em uma delas os pais foram orientados a oferecer 5 gramas de queijo aos filhos depois das refeições, ou um cubo um pouco maior que um dado. Ao pasarem no consultório dentário, foi verificado que aquelas que comiam queijo regularmente, apresentavam um número de cáries 2 vezes menor do que os outros. Notaram que certos queijos como o suíço, aumentam a quantidade de cálcio na saliva, que no caso é o caminho oposto da cárie, que aparece quando os dentes perdem minerais. O queijo não dispensa a escova de dentes, mas é uma boa arma.