13.801 – Mega Memória – O Caso da Elefanta Tyke


elef tyke
Tyke, um elefante africano pertencente ao Circo Internacional de Honolulu que no dia 20 de agosto de 1994, após fugir durante uma apresentação no Neal Blaisdell Center, morreu ao ser acertada 86 vezes pela polícia.
O animal conseguiu fugir depois de atacar fatalmente seu treinador e ferir gravemente outro funcionário do circo. Tyke saiu do picadeiro em direção ao centro da cidade de Honolulu, ferindo um jornalista e após 30 minutos de perseguição, a polícia local disparou 86 tiros, matando a elefante.
Com a morte de Tyke, o animal tornou-se símbolo para os direitos dos animais e o episódio transformou-se emblemático, para os casos de tragédias circenses, pois foram constatados inúmeros ferimentos no elefante decorrentes de maus tratos. Nas investigações, constataram que o treinador possuía várias queixas contra abuso de exercícios, além de que, na autópsia do treinador, foram encontrados traços de cocaína e álcool.
Com este incidente, alguns estados americanos, como a Califórnia e o Hawaii, aprovaram leis proibindo o uso de animais em apresentações circenses.
Tyke no Cinema
“Tyke Elephant Outlaw” é o novo documentário que conta a vida de Tyke, a elefante que fez história ao ser brutalmente morta no Havaí, em 1994.
Ela era explorada pelo Circo Internacional de Honolulu, onde realizava performances forçadamente, como todo animal no universo dos circos. No dia 20 de agosto de 1994, Tyke teve um acesso de fúria durante uma apresentação, matando o seu treinador e ferindo gravemente um outro funcionário do circo. Após o incidente, ela saiu do picadeiro em direção à cidade e foi perseguida pela polícia por 30 minutos, até ser derrubada e morta com uma enxurrada de balas.
O filme teve a sua estreia mundial no Festival de Cinema de Sarasota, na Flórida (EUA), pouco mais de dois anos após Blackfish ter estreado no Festival de Sundance e ter acendido uma luz sobre o tema das orcas em cativeiro, contando a história de sofrimento da orca Tilikum, entre outros animais.
As metas já estão altivamente definidas, e as esperanças são de que Tyke faça para os circos o que Blackfish tem feito para os parques marinhos – que estão perto de seu fim. Como Tilikum, Tyke era explorada para entretenimento humano. Como Tilikum, Tyke rebelou-se, e matou o seu treinador.
O filme fala com ex-treinadores, manipuladores, ativistas e pessoas de dentro da indústria do circo, bem como aqueles que testemunharam a carnificina.
Dirigido e produzido por Stefan Moore e Susan Lambert, Tyke tem uma contraparte ficcional. “Como o clássico animal King Kong, Tyke é a protagonista central do drama trágico, mas redentor, que combina trauma, indignação, percepção e compaixão”, diz o site do filme. “Em última análise, este documentário levanta questões fundamentais sobre a nossa ligação profunda e misteriosa a outras espécies”.
Em 20 de agosto de 1994, a elefanta africana Tyke, usada no Circo Internacional de Honolulu, Havaí, atacou e matou seu treinador durante uma apresentação.
A história começa em 1973, quando Tyke foi capturada ainda bebê em Moçambique, seu habitat natural, no qual vivia com sua família. A partir daí, começou a ser treinada para se apresentar em circos — um treinamento que envolve espancamento com um objeto pontiagudo chamado bullhook. Além do treinamento brutal, Tyke vivia acorrentada no picadeiro.
Em abril de 1993, Tyke tentou escapar do circo; três meses depois, repetiu o ato, mas sem sucesso . Até que em agosto de 1994, após anos de sofrimento e abuso, Tyke conseguiu fugir do circo. Durante uma apresentação no Neal Blaisdell Center, uma arena usada para shows e exposições do Havaí, ela atacou e matou seu treinador Allen Campbell.
Na época, ativistas tentaram proibir o uso de animais em circos no Havaí, mas não conseguiram porque a indústria circense alegou que era possível tratar os animais “humanitariamente” nesse caso, convencendo os senadores a votarem contra o projeto de lei.
A luta contra animais em circos nos Estados Unidos continua. Até hoje, a prática não é proibida no país.
As imagens digulgadas pelos noticiários de TV da época chocaram o mundo

 

“Não é possível tratar humanamente um animal selvagem na indústria do entretenimento.”
– Pam Burns, Hawaiian Humane Society

13.246 – Mega Sampa – Rua 24 de Maio


ultralar
Rua tradicinal do centro de São Paulo e que já teve lojas famosas como a Ultralar e a Mesbla, uma danceteria famosa dos anos 70 e popular galeria da 24 de maio onde há artigos para surfistas, vinil importado para djs, tatuadores e etc. Para jovens e mais velhos a galeria da não perdeu espaço mesmo com a vinda dos Shoppings.

galeria-do-rock-interna

Lado obscuro
Com 450 lojas divididas por sete andares, a Galeria do Rock, na Rua 24 de Maio, é um centro conhecido na cidade pela concentração de lojas de roupa e de disco. Tão antigo quanto a tradição do endereço nessa área é o problema da venda de drogas nas suas imediações. “Na década de 80, era mais maconha, na sombra da noite”, lembra Manoel Camassa, de 73 anos, delegado aposentado e síndico do complexo na época.
Hoje, o comércio envolve também cocaína, LSD e outras substâncias mais pesadas.
A atuação dos marginais amedronta os lojistas, que reclamam da intimidação da clientela do prédio, frequentado por 25 000 pessoas diariamente. “Eles formam uma verdadeira barreira na entrada, precisamos escoltar alguns jovens até o metrô porque eles se sentem inseguros”, diz Antonio de Souza Neto, administrador da galeria. Há na vizinhança alguns prédios residenciais. Os moradores, como o representante comercial Alberto Gattoni, também relatam temor. “Meus irmãos e sobrinhos têm pavor daqui e evitam me visitar”, afirma ele.

A repressão da polícia existe, mas parece insuficiente para pôr ordem na região. Imagens de 16 de fevereiro mostram um homem de camiseta cinza sendo abordado por um PM, em diálogo que dura aproximadamente sete minutos. Ele é revistado e, em seguida, liberado. Seis dias depois, as câmeras mostram a mesma pessoa de novo no lugar, repassando a clientes pequenos pacotes. O suspeito é mais uma vez revistado por um guarda e solto na sequência. No outro dia, volta ao expediente na rua, usando a mesma bermuda quadriculada da véspera, e fica um tempo de bate-papo com Puro Ódio, o apelido do traficante mais conhecido da área.
A polícia diz que está atenta ao movimento. “Nós fazemos de quatro a cinco flagrantes de tráfico por mês na 24 de Maio, que é uma zona de preocupação, pois os registros são maiores que nas outras vias”, afirma o tenente-coronel Francisco Cangerana, do 7º Batalhão da PM. “Mas, quando tiramos alguns deles de circulação, logo surgem outros para ocupar o espaço”, diz Cangerana.
De acordo com as estatísticas do 3º Distrito Policial, responsável pela área, as ocorrências de venda e porte de drogas aumentaram de 46 para 267 casos entre o primeiro bimestre de 2015 e o mesmo período deste ano (uma evolução de 480%). Em dezembro, foram apreendidos 20 quilos de cocaína, avaliados em 200 000 reais, que abasteceriam a Rua 24 de Maio e as redondezas. “As investigações estão em andamento para identificarmos os chefes do crime organizado”, garante Luis Roberto Hellmeister, titular do 3º DP. Enquanto isso não acontece, a feira da droga continua na porta da Galeria do Rock.

mesbla

12.683 – Teledramarturgia – O Ator Sérgio Cardoso


marco_nanini_sergio_cardoso_fixed_big
Sérgio Fonseca de Mattos Cardoso, mais conhecido como Sérgio Cardoso (Belém, 15 de março de 1925 — Rio de Janeiro, 18 de agosto de 1972), foi um ator brasileiro.
Formou-se em Direito no Rio de Janeiro e sonhava com o Itamarati, queria ser diplomata. Despertou para o teatro ao conhecer o Teatro Universitário do Rio de Janeiro, e sua estreia foi no papel-título de Hamlet, de Shakespeare. O sucesso foi tão grande que contribuiu para sua decisão de seguir a carreira de ator. Foi para o Teatro Brasileiro de Comédia, de São Paulo, onde fez peças importantes, como: Entre Quatro Paredes, A Ópera dos Três Vinténs, Do Mundo Nada se Leva, Seis Personagens à Procura de um Autor, Convite ao Baile, A Falecida, A Raposa e as Uvas e A Ceia dos Cardeais.
Em 1949 fundou sua própria companhia teatral, o Teatro dos Doze, em sociedade com a atriz Nydia Lícia, com quem foi casado e teve uma filha, Silvia.
Na TV Tupi, Sérgio Cardoso fez várias telenovelas de sucesso: O Sorriso de Helena, O Cara Suja, O Preço de uma Vida, O Anjo e o Vagabundo, Somos Todos Irmãos e Antônio Maria — esta última escrita por Geraldo Vietri, na qual contracenou com Aracy Balabanian. Em 1968, atuou em O Santo Mestiço, novela sobre a vida de São Mantinho de Porres, além de aparecer no filme A Madona de Cedro, no papel do sacristão aleijado Pedro. Foi o protagonista de Os Herdeiros, filme de Cacá Diegues produzido entre 1968-1969.
A partir de 1969 participou de diversas novelas da TV Globo, dentre elas A Cabana do Pai Tomás, Pigmalião 70 e A Próxima Atração. O Primeiro Amor foi seu último trabalho: o ator faleceu devido a um ataque cardíaco a apenas 28 capítulos do desfecho da trama e seu personagem foi então interpretado por Leonardo Villar.
Mais de vinte mil pessoas acompanharam o enterro do ator em São Paulo. Após sua morte, houve rumores de que Sérgio havia sido enterrado vivo, fato enfaticamente negado por parentes e amigos.
No local onde ele fundou a companhia de teatro, no bairro da Bela Vista, hoje existe o Teatro Sérgio Cardoso

Um pouco mais:
Uma das lendas mais famosas dos anos 1970 envolveu a morte do ator Sérgio Cardoso. Um dos grandes nomes do teatro e da televisão brasileira nos anos 1950 e 1960, ele morreu em consequência de um ataque cardíaco no dia 18 de agosto de 1972, no Rio de Janeiro, aos 47 anos.
A morte do ator comoveu todo o Brasil. Mais de 15 mil pessoas, de acordo com reportagens da época, compareceram ao enterro no cemitério São João Batista. Pouco tempo depois, surgiu um boato, repercutido em toda a mídia brasileira, de que o ator sofria de catalepsia, uma doença rara que deixa os membros rígidos por horas, como se a pessoa estivesse morta. Por causa da doença, Sérgio Cardoso teria sido enterrado vivo.
A história dizia que a família teria pedido que o corpo fosse exumado. Ao abrir o caixão, Sérgio Cardoso estaria virado de bruços, com arranhões no rosto. O fato sempre foi negado pelos familiares do ator. Durante muitos anos a lenda foi contada, com diferentes versões, causando medo principalmente em familiares de pessoas vítimas de ataques cardíacos.
Além de diversos papeis marcantes no teatro, Cardoso fez muito sucesso na novela Antônio Maria, da Rede Tupi, em 1968. Na Globo, protagonizou A Cabana do Pai Tomás, em 1969; Pigmalião 70, em 1970: e A Próxima Atração, em 1971.
Quando morreu, vivia o professor viúvo Luciano em O Primeiro Amor, novela das 19h da Rede Globo. Faltavam apenas 28 capítulos para o desfecho da trama. Ele teve que ser substituído por Leonardo Villar, que entrou em cena após um texto lido por Paulo José.
Catalepsia patológica é uma doença rara em que os membros se tornam moles, mas não há contrações, embora os músculos se apresentem mais ou menos rijos, e quem passa por ela pode ficar horas nesta situação.
No passado já existiram casos de pessoas que foram enterradas vivas e na verdade estavam passando pela catalepsia patológica. Muitos especialistas, contudo, afirmam que isso não seria possível nos dias de hoje pois já existem equipamentos tecnológicos que, quando corretamente utilizados, não falham ao definir os sinais vitais e permitem atestar o óbito com precisão.
O estado de morte aparente pode surgir em casos de asfixia, intoxicação, soterramento, afogamento, enfarte fulminante ou hipotermia.
Nem a falta de respiração ou batimentos cardíacos significa, necessariamente, ausência de vida. Místicos e faquires indianos que praticam a postura Khé-chari-mudra (suspensão da respiração perceptível) permanecem muitas horas nesse estado. Também na índia, cardiologistas descobriram que certas posições iogas permitem paralisar o coração.
Um exame confiável para reduzir as chances de erro é a realização de exames com eletrocardiograma e eletroencefalograma.
No Vietnã “milhões de pessoas já foram enterradas vivas por ausência constatada dos chamados sinais vitais”, afirma o médico francês Perón Autret. Após um profundo estudo sobre a morte ele publicou na década de 70 o livro Os enterrados vivos com revelações assustadoras sobre o assunto.
Cita a estatística levantada pelo exército norte-americano durante a guerra do Vietnã. Quando os soldados mortos eram repatriados, a lei obrigava as autoridades abrirem os caixões.
Graças a isso, constatou-se que quatro por cento dos soldados aparentemente foram encaixotados vivos. Alta patente militar chegou a propor que os combatentes fossem enterrados com frascos de clorofôrmio ao alcance da mão para abreviar o sofrimento.
A causa de tanto infortúnio são ataques catalépticos mal diagnosticados.
Em séculos passados, quem “resolvesse” se levantar da tumba era tomado por vampiro e ganhava esse estigma da sociedade.
O mais célebre caso foi o de Lázaro, salvo por Jesus Cristo. Quando ele adoeceu, Jesus disse: “Esta enfermidade não é de morte”. Porém, na volta do Messias a Betânia, Lázaro, irmão de Marta e Maria, já havia sido sepultado há quatro dias. Ao saber das más notícias, pelas irmãs inconsoláveis, Jesus pediu para ser conduzido à caverna onde jazia o corpo de Lázaro. Mandou que retirassem a pedra da entrada. Gritou: “Lázaro, sai!”. E o morto saiu, ainda com as ataduras e o sudário.
Lenda urbana: Velório do ator Sérgio Cardoso
Quando se fala em casos de gente enterrada viva, o nome do ator Sérgio Cardoso está na ponta da língua. Falecido em 18 de agosto de 1972, seu corpo foi enterrado no cemitério São João Batista o enterro foi acompanhado por mais de dez mil pessoas, que choravam e gritavam.Na época surgiu uma LENDA URBANA de que Sérgio Cardoso tinha sido enterrado vivo . O boato surgiu em parte porque Sérgio Cardoso tinha “um aspecto bem disposto durante o velório”.
Segundo notícias da época, conta que Erik, o maquiador da emissora (TV GLOBO), confessou mais tarde ter caprichado em sua arte para dar vida ao rosto do falecido durante o velório.
Levantada a suspeita, nada ficou comprovado até hoje. Porém, em dezembro de 1979, uma edição do programa Fantástico colocou Sérgio Cardoso entre os exemplos dramáticos de morte aparente.
Diz ainda a LENDA URBANA, de que o corpo de Sérgio Cardoso havia sido exumado e estaria deitado de bruços no caixão. Mas uma exumação envolve uma burocracia enorme e só pode ser realizada em presença de alguém da família. Como isso foi feito e ninguém ficou sabendo?

12.502 – Mega Memória – O Eterno Albert Einstein


Albert_Einstein_Head
Albert Einstein, 2 prêmios Nobel, cientista alemão

18-04-1955 D.C.

Após ser diagnosticado com uma hemorragia, em 16 de abril de 1955, o físico Albert Einstein disse: “Quero ir embora quando tiver que ir. É de mau gosto prolongar artificialmente a vida. Eu fiz minha parte, é hora de partir. E eu o farei com elegância”.
Ele morreu no Hospital de Princeton, nas primeiras horas de 18 de abril de 1955, aos 76 anos.
Na sua escrivaninha, ele deixou o rascunho do discurso que daria a milhões de israelenses pelo sétimo aniversário da independência de Israel.
Começava assim: “Hoje, eu me dirijo a vocês não como cidadão norte-americano nem como judeu, mas como ser humano”.
Seu corpo foi cremado naquela mesma tarde, antes que a maior parte do mundo soubesse da notícia.
Durante a autópsia, o patologista Thomas Stoltz Harvey extraiu seu cérebro para conservá-lo, com a esperança de descobrir o que fez com que Einstein fosse tão inteligente.
Até agora, o único dado científico obtido foi que a parte do cérebro relacionada à capacidade matemática era maior que o normal.

Mega Memória – O Eterno Albert Eintein
18-04-1955 D.C.

Após ser diagnosticado com uma hemorragia, em 16 de abril de 1955, o físico Albert Einstein disse: “Quero ir embora quando tiver que ir. É de mau gosto prolongar artificialmente a vida. Eu fiz minha parte, é hora de partir. E eu o farei com elegância”.
Ele morreu no Hospital de Princeton, nas primeiras horas de 18 de abril de 1955, aos 76 anos.
Na sua escrivaninha, ele deixou o rascunho do discurso que daria a milhões de israelenses pelo sétimo aniversário da independência de Israel.
Começava assim: “Hoje, eu me dirijo a vocês não como cidadão norte-americano nem como judeu, mas como ser humano”.
Seu corpo foi cremado naquela mesma tarde, antes que a maior parte do mundo soubesse da notícia.
Durante a autópsia, o patologista Thomas Stoltz Harvey extraiu seu cérebro para conservá-lo, com a esperança de descobrir o que fez com que Einstein fosse tão inteligente.
Até agora, o único dado científico obtido foi que a parte do cérebro relacionada à capacidade matemática era maior que o normal.

11.301 – Mega Memória – Morre o físico Albert Einstein em 18-04-1955


Jornal noticia a morte de Albert Einstein em abril de 1955
Jornal noticia a morte de Albert Einstein em abril de 1955

No dia 18 de abril de 1955 morria, em Princeton (EUA), por conta de um aneurisma, o físico Albert Einstein. Considerado um dos maiores cientistas do século XX, ele é conhecido pela fórmula E=mc², que descreve a relação entre massa e energia. Ele foi ganhador Prêmio Nobel de Física, em 1921, por seu trabalho com física quântica. Suas teorias fundamentaram as bases para o desenvolvimento da mecânica quântica. Nascido no dia 14 de março de 1879, em Ulm, na Alemanha, Einstein publicou em 1915 a teoria geral da relatividade, onde tentava incluir a gravidade como o novo marco relativista que propôs na teoria especial, e desenvolveu a noção da gravidade, como resultante da curvatura do tempo-espaço. Com sua teoria, derrubou o conceito da invariabilidade do tempo e demonstrou que as observações sempre dependiam do marco de referência no qual se situavam e da velocidade do observador. Diante da provável subida de Hitler ao poder na Alemanha, Einstein decidiu imigrar para os Estados Unidos, em 1932, onde trabalhou como professor em Princeton. Ali, dedicou-se a uma teoria completa para unificar a gravidade com as forças eletromagnéticas. O físico, contudo, não conseguiu completar a tarefa antes da sua morte, em 1955, em Princeton, nos EUA.

Além de grande cientista, Albert Einstein é autor de diversas frases e pensamentos que nos fazem refletir.

“Penso 99 vezes e nada descubro. Deixo de pensar, mergulho no silêncio, e a verdade me é revelada.” Fica claro o que ele quis dizer?

Embora  não seja o termo exato,  a técnica é bastante conhecida como meditação. O dicionário define meditar como pensar, refletir sobre algo. Mas para fazer com que a consciência flua pelo veículo intuicional é preciso neutralizar o organismo mental, ou seja, parar de pensar.

Você já tentou ficar 10 segundos sem pensar em absolutamente nada?

Se tentou, sabe quão dificil foi. Isto acontece porque a natureza de nossa mente é ser inquieta, como uma criança que precisa de novidades e agitação o tempo todo.

A não ser que você seja Einstein ou algum outro super humano, para conseguir parar a mente é necessário treinamento.

Ele consiste em concentrar-se sobre uma imagem fixa ou um som contínuo e não pensar em nada, não analisar o objeto da concentração, mas simplesmente pousar a mente nele até que ela se infiltre no objeto.É importante permanecer lúcido e principalmente acordado!

Faça esse treinamento ao acordar e antes de dormir, você vai se surpreender!

11.200 – Mega Memória – Desmoronamento em Angra


angra

Todos os anos, chuvas de verão derrubam pontes, fecham estradas, deixam milhares de brasileiros desabrigados, matam. Em seguida, autoridades partem em romaria para os locais afetados, fazem discursos compadecidos e prometem verbas ou obras emergenciais, como se tivessem sido colhidas de surpresa pela catástrofe. nessa ocasião, 126 pessoas morreram no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Rio Grande do Sul, os estados mais atingidos. O número de desabrigados passava de 3 000, e 39 municípios decretaram estado de emergência ou calamidade pública. Entre eles, Angra dos Reis foi o caso mais dramático e, também, o retrato mais preciso do conjunto de fatores que desencadeia esse tipo de tragédia. Ali, morreram 52 pessoas, na virada do ano, vítimas de deslizamentos de encostas. Tudo era previsível. Na bela região em torno da Baía de Angra, com suas 365 ilhas e mais de 2 000 praias, chove quase o dobro da média do Rio de Janeiro, e a instabilidade das encostas é conhecida. Em 2002, 39 pessoas morreram em Angra num deslizamento com características semelhantes às de 2010. Apesar disso, nunca foi feito um mapa geológico para verificar quais terrenos são impróprios para construção. A ocupação do solo é regida por regras municipais, estaduais e federais que se sobrepõem, e ninguém as cumpre. Como se não bastasse, existe um impressionante histórico de corrupção nos órgãos responsáveis pela fiscalização em Angra.
É verdade que, do começo de dezembro até a primeira semana de janeiro, caiu o dobro de água do que se esperava. Foi o maior índice em dez anos. Só nos dois últimos dias de 2009, desabaram sobre Angra 220 bilhões de litros de água, o suficiente para encher 116 000 piscinas olímpicas. Mas não é essa a principal explicação para o que aconteceu na cidade, que experimentou um vertiginoso crescimento populacional a partir dos anos 1970. A construção da Rodovia Rio-Santos aumentou o fluxo de turistas, e grandes obras, como a usina nuclear de Angra 1, levaram multidões de trabalhadores à região. A população do município, que era de 40 000 habitantes na década de 70, dobrou em 1990 e triplicou em 2000, quando 5,5% já moravam em favelas. É um crescimento de quase três vezes a média brasileira no período. E num local onde o problema de espaço é crônico. Espremida entre a serra e o mar, a cidade não tem para onde crescer. Casas e casebres foram se aglomerando no pé dos morros e, quando não havia espaço, em cima deles. Hoje, 60% dos moradores vivem em áreas de encosta. E as características do relevo da região tornam tudo mais perigoso.
Na Enseada do Bananal, na Ilha Grande, morreram 31 pessoas soterradas. Elas estavam na pousada Sankay e em cinco outras residências engolidas por uma avalanche na madrugada do dia 1º. A pousada tinha licença de funcionamento da prefeitura, mas não a licença ambiental do estado. Mesmo se tivesse, o risco de deslizamento da encosta não teria sido analisado. As casas atingidas no Morro da Carioca, no centro de Angra, onde morreram 21 pessoas, tampouco tinham licença. Antes da tragédia, porém, a prefeitura dispunha de um programa para levar saneamento e iluminação pública para aquela área, como se não houvesse um grave problema de segurança. Em Angra sempre foi mais fácil construir e depois conseguir licença, fosse por acordo, fosse simplesmente comprando uma autorização. Entre 2006 e 2007, 44 funcionários da prefeitura de Angra, do governo estadual e do Ibama foram presos por vender pareceres técnicos favoráveis às construções. A situação chegou a tal ponto que, em junho do ano passado, o governador Sérgio Cabral assinou um decreto autorizando retroativamente a construção em áreas que antes não eram edificáveis na zona de proteção ambiental, como se legalizar o que foi feito na marra fosse solução. Cabral, aliás, não visitou a região imediatamente, como era seu dever.
A tragédia expôs os problemas de um dos destinos mais visitados do país. Angra recebe 1,2 milhão de turistas por ano. Durante o verão, 3 milhões de reais diários entram na economia local, graças ao turismo. De Tom Cruise a Madonna, as celebridades internacionais também costumam bater ponto por lá. Cerca de 100 000 estrangeiros passam anualmente pela cidade. No réveillon, Pierre Sarkozy, filho mais velho do presidente da França, estava entre os hóspedes da Ilha dos Porcos Grande, do cirurgião plástico Ivo Pitanguy. A chuva causou dois deslizamentos de terra, que abriram um gigantesco clarão na propriedade. “Em quarenta anos na ilha, nunca vimos nada parecido”, diz Helcius Pitanguy, filho do cirurgião.
Não é a chuva que mata, mas o descaso. E ele é nacional. Dos 645 milhões de reais previstos no Orçamento da União em 2009 para ações de prevenção de desastres, apenas 135 milhões foram utilizados. Para o Rio de Janeiro estavam previstos 160 milhões de reais, mas foi empregado menos de 1% do total. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), responsável pela manutenção da estrada Rio-Santos, estava licitando no ano passado obras para contenção de onze pontos críticos da rodovia, que vive interrompida por queda de barreiras. Com as chuvas, caíram 34 pontos. Como se não bastasse a pífia execução do Orçamento, gasta-se mal. Em 2009, o país destinou dez vezes mais em ações de resposta a desastres do que em programas de prevenção. No mundo civilizado, são tomadas providências para que a população viva segura em locais onde as condições naturais são adversas. Resta saber até quando o Brasil vai preferir pagar a conta dos desastres anuais. Este último já custa, por baixo, 1,2 bilhão de reais.

Veja

angra2

10.866 – Mega Memória de Elefante -Memorize o que Você Aprende


estudo1

Pesquisas mostram que nos lembramos apenas de 10% daquilo que aprendemos. Os outros 90% são esquecidos rapidamente, logo depois que a gente aprende.
Infelizmente, não dá pra escrever esse argumento no vestibular e passar na faculdade, ou então dizer pro professor e esperar aprovação na prova. Especialmente no ensino tradicional, que quase sempre avalia a capacidade de reproduzir conteúdo, a memória é fundamental. Por isso, se você conhecer algumas técnicas que te ajudem a memorizar as coisas que você aprende, pode sair na frente.
A melhor maneira de aprender é discutindo em grupo ou ensinando o que se está tentando aprender. É que se concentrar é muito mais fácil (mandatório, até) quando você está conversando com alguém sobre um tema ou explicando aquilo. Ler ou ouvir alguém falando é muito mais suscetível a distrações e interrupções no seu processo de concentração.
É mais fácil lembrar de algo do seu interesse do que de algo que não lhe interessa – óbvio. É por isso que, se você gosta de uma matéria, provavelmente tem muito mais facilidade em aprendê-la. Tente achar um enfoque dentro de um assunto que não te interesse tanto, um recorte ou uma abordagem que tenha mais apelo pro seu gosto pessoal. Depois, na vida adulta, se possível, estude só o que você gosta. A vida vai ser mais fácil.
Concentre-se
Deixe de lado as notificações do celular e foque no que está estudando. Se você estiver cansado ou distraído, é muito mais difícil para o cérebro fixar o conteúdo com o qual você está tomando contato.
Há horas melhores e piores para se lembrar de algo que você aprendeu (e o resgate desse conteúdo ajuda você a fixar as coisas na memória). Se você precisa fixar algum conteúdo, a dica é: estude, estude de novo dali uma hora e depois de 24 horas. Ou use o SuperMemo, um site que calcula o tempo exato em que você vai se esquecer de algo e te ajuda a lembrar imediatamente antes de esquecer.
Descanse
Faça pausas entre os estudos. Não dá pra saber exatamente quanto e como você deve parar porque isso varia de indivíduo para indivíduo, mas uma boa técnica é estudar por 45 minutos, que é o tempo máximo que alguém consegue se focar em uma tarefa, na média, e dar uma pausa de 15 a 20 minutos antes de recomeçar. De novo, isso pode variar, então fique atento aos sinais da sua mente.
Aprender é um processo conectado, e não individual. Uma maneira excelente de fixar algo novo é conectando isso com algo que você já saiba ou conheça. Por exemplo: ao aprender uma palavra nova em outra língua, você pode tentar conectá-la com um som com que ela se pareça em uma língua que você já conheça, por exemplo.
Reserve 15 a 20 minutos entre cada sessão de estudo pra refletir sobre o que você acaba de aprender. Essa reflexão sobre o conteúdo, que provavelmente vai fazer você questionar e correlacionar o aprendizado com coisas que já sabe, também ajuda a fixar coisas na memória.

10.346 – ☻Mega Memória – O que aconteceu em 4 de Julho


Nascido em 4 de Julho

Nascido a 4 de julho filme
Ron Kovic (Tom Cruise) é um rapaz idealista e cheio de sonhos, que deixa a namorada (Kyra Sedgwick) e a família para ir lutar no Vietnã. Já na guerra, ele é ferido e fica paraplégico. Ao voltar aos Estados Unidos é recebido como herói, mas logo se vê confrontando com a realidade do preconceito aos deficientes físicos, mesmo aqueles considerados heróis de guerra. Ron decide então se juntar a outros para lutar pelos seus direitos, agora negados pelo país que os enviara para a guerra.

1776
• EUA: Congresso da Filadélfia aprova a Declaração de Independência das 13 colônias da União.
1830
• Argélia: Conquista do país africano pela França.
1933
• Índia: Prisão do líder pacifista Mahatma Gandhi, acusado de incitar a desobediência civil.
1942
• Estado Novo: Manifestação da União Nacional dos Estudantes contra os integralistas, no Rio.
1994
• Ruanda: Tomada da capital Kigali pela Frente Patriótica tutsi.
1997
• Espaço: Sonda não tripulada Pathfinder, dos EUA, pousa em Marte e envia imagens do planeta.

9976 – Mega Sampa – A Antiga Rodoviária


O Terminal Rodoviário da Luz foi o principal terminal rodoviário da cidade de São Paulo até o ano de 1982, quando foi construído o Terminal Rodoviário Tietê. Ficava localizado na Praça Júlio Prestes, na região da Luz, no centro de São Paulo.

rodoviária da duque

Havia intenção, no início dos anos 1950, de se fazer uma estação rodoviária em São Paulo na região da Luz, mas em pleno Parque da Luz, ideia que acabaria rejeitada. O terminal de passageiros da Luz, com dezenove mil metros quadrados , foi inaugurado em 25 de janeiro de 1961, próximo às estações ferroviárias da Luz e Júlio Prestes, centralizando o transporte intermunicipal da cidade na mesma região. A obra foi construída durante a gestão do governador Ademar de Barros, pela parceria dos empresários Carlos Caldeira Filho e Octávio Frias de Oliveira com a prefeitura de São Paulo. Destacavam-se em sua arquitetura o chafariz no hall central e as pastilhas coloridas nas paredes internas, que foram eliminados quando o local foi reformado para abrigar um shopping, anos mais tarde. A rodoviária foi um dos primeiros locais na cidade a receber aparelhos de televisão em cores, na primeira metade dos anos 1970, o que atraiu muitos interessados em assistir a jogos de futebol.
Já no primeiro mês de funcionamento moradores do bairro de Campos Elísios, no entorno da estação, reclamara de um suposto aumento na criminalidade da região e do “trânsito infernal”. Os 2,5 mil ônibus que passavam diariamente pela rodoviária chegavam a levar até uma hora para percorrer um trecho que não chegava a ter duzentos metros. Para aliviar o trânsito da região, em outubro de 1977 a CMTC transferiu diversos pontos de ônibus que ficavam na Praça Júlio Prestes para o Terminal Princesa Isabel, a duas quadras da estação.”O terminal urbano da Praça Júlio Prestes afetava diretamente a circulação dos ônibus de transporte intermunicipal e interestadual”, explicou à época o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de São Paulo. Dois meses depois houve outra tentativa de aliviar o trânsito na região, com a abertura de uma rua particular que dava aos ônibus acesso direto às plataformas 21 a 25.
Para o urbanista Jorge Wilheim, em entrevista publicada no Jornal da Tarde em 2010, faltou planejamento: “Historicamente, rodoviárias já contribuem pela degradação da região. Depois, com a desativação, houve uma estrutura ociosa de hotéis e bares que se tornaram alvo fácil para a degradação da área.” Com o crescimento da cidade e o aumento considerável do transporte rodoviário de passagem pela cidade, a Rodoviária da Luz tornou-se saturada. Assim, em 1977 foi inaugurado o Terminal Intermunicipal Jabaquara, para descentralizar as operações. Em 9 de maio de 1982 o governador Paulo Maluf inaugurou o novo terminal de passageiros, o Tietê, desativando o antigo. Após a desativação da estação o prédio foi vendido a um grupo de empresários e no local passou a funcionar a partir de 1988, o shopping popular Fashion Center Luz.
Em 2007 o governador José Serra anunciou que iria desapropriar o antigo prédio para a instalação de um centro cultural público, com a inclusão de um teatro e uma escola de dança. O projeto de construção do Complexo Cultural Luz, que já foi alvo de críticas do Instituto de Arquitetos do Brasil, é a principal obra com o objetivo de recuperar a região da Luz, conhecida como “Cracolândia”, tem orçamento de seiscentos milhões de reais — o dobro do custo inicial estimado — e abrigará o Teatro da Dança de São Paulo. O teatro deverá ter três teatros, incluindo um com capacidade para 1 750 pessoas e ainda será a sede do Centro de Estudos Musicais Tom Jobim e da São Paulo Companhia de Dança.
O prédio foi desocupado já em 2007, mas a demolição só começou em 12 de abril de 2010, e prevê-se que as obras começarão em janeiro de 2011, com inauguração do complexo em 2014. As obras ficaram interrompidas por cerca de um mês no segundo semestre, por causa de uma liminar impetrada por uma das empresas que perderam a licitação para a demolição.

O trânsito era ruim, mas a velha rodoviária dava “vida” ao centro que hoje se encontra deteriorado.

9926 – Mega Memória – Em 1979, avião desapareceu no Pacífico; destroços nunca foram encontrados


Fazia 33 minutos que o Boeing-707 da Varig havia deixado o aeroporto de Narita, no Japão, rumo a Los Angeles, nos EUA, quando a aeronave perdeu contato com o controle de tráfego aéreo.
Mais de 35 anos depois, isso é tudo o que se sabe do voo 967, um dos maiores mistérios da aviação mundial.
Presume-se que o avião, um cargueiro, tenha caído em algum lugar do Pacífico próximo ao Japão, em uma área de mar profundo. Os corpos dos seis tripulantes nunca foram encontrados, tampouco os destroços da aeronave.
Não foi muito distante de onde desapareceu o avião da Malaysia Airlines, observa a médica Maria Letícia Chavarria, 62, de Goiânia.
O avião havia decolado às 20h23 de Narita e fez o último contato com o controle de tráfego aéreo às 20h55. Um novo contato previsto para as 21h23 não ocorreu, indício de que havia algo estranho.
Tentou-se contato com o avião, mas ninguém respondeu. Pela rota, o voo deveria passar por Honolulu (Havaí) e Anchorage (Alasca), mas a aeronave não estivera lá.
Na manhã seguinte, começaram as buscas no Japão. Avisada pela Varig, Maria Letícia foi com dois irmãos a Los Angeles, para acompanhar a tentativa de resgate.
Aviões americanos e embarcações japonesas vasculharam a área onde o avião provavelmente caiu. Uma semana depois, o resgate foi encerrado, sem êxito.
Ronaldo Jenkins era major da Aeronáutica na ocasião, a serviço do Departamento de Aviação Civil. Ele participou da investigação do acidente e foi a Los Angeles e Tóquio acompanhar as tentativas de localização da aeronave.
“Foi um acidente aeronáutico presumido, porque não havia evidência; não se achou o avião”, afirma ele, hoje diretor técnico da Abear.
Na história da aviação, 109 aviões desapareceram, segundo a Aviation Safety Network –não houve nenhum outro caso com aeronave do porte do Boeing da Varig.
O relatório sobre o acidente foi inconclusivo. Maria Letícia ouviu da Varig que uma das hipóteses foi que o avião pode ter se despressurizado em voo, o que levou a tripulação a perder a consciência aos poucos –o avião, por essa versão, voou no piloto automático até o combustível acabar. Então, caiu no mar.
Outras teorias surgiram, como a de que a aeronave havia sido abatida ao entrar em espaço aéreo soviético.
A aeronave saiu do Japão com 20 toneladas em cargas como peças para computador e 53 obras do artista Manabu Mabe (1924-1997), avaliadas à época em US$ 1,2 milhão. Deveria ter passado por Los Angeles, Panamá e Rio.

acidente aviao varig

Coincidência?
Foi o segundo desastre com o comandante Gilberto. Seis anos antes, ele havia conseguido pousar outro Boeing-707 da Varig em uma plantação de cebolas perto do aeroporto de Orly, na França.
A aeronave, com 123 passageiros, pegou fogo pouco antes de pousar, provavelmente por um cigarro aceso deixado no banheiro, o que mudaria as regras de aviação quanto ao fumo a bordo.
Houve 11 sobreviventes, dos quais só um passageiro –a maior parte morreu asfixiada. A destreza de Gilberto em pousar um avião em chamas lhe rendeu condecorações no Brasil e na França.
O piloto deixou sete filhos, um deles comandante da Gol.

7836 – Teste De Memória – Essas profecias viraram disparates…


O jornal La Justice decretava em 1882:
“Perigoso, fedorento, desconfortável, inegavelmente ridículo e destinado ao rápido esquecimento, assim é o automóvel apresentado na Alemanha pelos srs Daimler e Benz”. Em 1941, o prof Campbell da Universidade de Alberta, Canadá, afirmava que uma viagem de ida e volta à Lua estava fora de cogitação, ja que seria necessário 1 milhão de toneladas de combustível para transportar cada 453 gramas de carga útil. O número correto, como se verificou mais tarde seria 1 milhão de vezes menor. Previsõs corretas já existiram, embora raras. Foi previsto por exemplo, a possibilidade do cinema falado e de uma esperança de vida de 50 anos.

8277 – Mega memória Áudio – A Revista Som Três de Dezembro de 1980 já antecipava o CD


Apesar de comprovadamente o som digital não ter sido “tudo aquilo que foi alardeado”, e há quem prefira discos de vinil,executados em um bom sistema de áudio; é interessante acompanhar a visão que se tinha desse novíssimo sistema – Tão recente, que fazia menos de um ano que tinha sido “inventado”, e nesta época a industria recém havia saído da fase de “prancheta” e dos protótipos, para lançar os primeiros modelos voltados ao mercado consumidor. No Brasil, o CD ainda levaria mais 7 anos para chegar aos consumidores, de forma tímida.. E pelo menos 14 anos até tornar-se mais “popular” (1994).
O som em formato digital do CD seria um pré-cursor do formato mp3, um sistema revolucionário que viria a desbancar tecnologias que predominavam absolutas há décadas. Mas, como dissemos, pra esquentar essa mega polêmica, há quem prefira o vinil e também quem prefira o som dos amplificadores valvulados.

somtres-dez80-p1

somtres-dez80-p2

somtres-dez80-p3

somtres-dez80-p4

7524 – Mega Memória Música – Alone Again, 40 anos


Gilbert+OSullivan+gilbert2

Esta música que está fazendo 40 anos e foi top da Bilboard tem muita história pra contar.
Em 1972 o cantor irlandês Gilbert O’Sullivan chegou ao primeiro lugar na Billboard com o hit “Alone Again (Naturally)”. Vendeu 2 milhões de cópias e foi indicado a 3 prêmios Grammy.
A música tem letra depressiva. Fala da noiva que o deixou esperando na igreja e também da morte de seus pais. Gilbert O’Sullivan nega que a canção seja autobriográfica, mas declarou que não permitiria que fosse usada comercialmente. Não foi exatamente o que aconteceu.
Em 1991 o rapper Biz Markie fez um sample de “Alone Again”, que foi incluído sem autorização em seu disco I Need A Haircut. O caso parou nos tribunais e Gilbert O’Sullivan ganhou a ação. A Warner Bros., gravadora de Biz Markie, foi obrigada a retirar o disco de circulação.
A partir de então, as gravadoras tiveram que “limpar” todos os samples antes de lançar um disco de hip-hop.

Gilbert O’Sullivan (Waterford, 1 de Dezembro de 1946), nome artístico de Raymond Edward O’Sullivan, é um cantor e compositor irlandês.
Teve como seus maiores sucessos os hits do início dos anos 70 “Alone Again (Naturally)”, “Clair” e “Get Down”

7433 – Mega Memória – O Ano de 1979


Um ano inesquecível para quem viveu. Minha idade na época: 15 anos
Foi declarado pela ONU como o “Ano Internacional da Criança e Ano Internacional de Solidariedade com o Povo da Namíbia” e corresponde, no ciclo de doze anos que forma o calendário chinês a um ano do signo “Cabra”.
Um ano de excelentes produções musicais, científicas, cinematográficas e etc, além de importantes acontecimentos políticos.
Fevereiro
• 22 de Fevereiro – Independência de Santa Lúcia.
Março
• 15 de Março – O general João Baptista Figueiredo substitui o general Ernesto Geisel no posto de presidente do Brasil.
Maio
• 10 de Maio – Os Estados Federados da Micronésia se tornam auto-governantes.
Julho
• 12 de Julho – Independência de Kiribati
• 16 de Julho – O Presidente Iraquiano Hasan al-Bakr renuncia e o Vice Presidente Saddam Hussein o substitui.
Setembro
• 21 de Setembro – José Eduardo dos Santos, tomou posse como Presidente da República de Angola
Datas desconhecidas
• Luís Herrera Campíns substitui Carlos Andrés Pérez no cargo de presidente da Venezuela.
• Mikhail Gorbachev é eleito para o Politburo do PCUS.

Nascimentos
• 3 de janeiro – Paulo Vilhena, ator, diretor e repórter brasileiro.
• 7 de fevereiro – Fábio Azevedo, ator, diretor, produtor, dublador e apresentador brasileiro.
• 12 de abril – Jennifer Marie Morrison, atriz e modelo estadunidense.
• 14 de abril – Rebecca DiPietro, modelo estadunidense.
• 21 de abril – James McAvoy, ator escocês.
• 25 de junho – Busy Philipps, atriz estadunidense.
• 15 de setembro – Dave Annable , ator norte-americano.
• 27 de setembro – Danilo Gentili, humorista brasileiro.

Falecimentos
• 7 de Fevereiro – Josef Mengele, criminoso de guerra alemão (n. 1911).
• 30 de março – José María Velasco Ibarra, presidente do Equador de 1934 a 1935, de 1944 a 1947, de 1952 a 1956, de 1960 a 1961 e de 1968 a 1972 (n. 1893)
• 15 de julho – Gustavo Díaz Ordaz Bolaños, presidente do México de 1964 a 1970 (n. 1911).
• 10 de Setembro – Agostinho Neto, nacionalista e escritor angolano, foi Presidente de Angola de 1975 a 1979 (n. 1922).
• 14 de setembro – Nur Mohammad Taraki, presidente da República Democrática do Afeganistão de 1978 a 1979 (n. 1917)
• 29 de setembro – Francisco Macías Nguema, presidente da Guiné Equatorial de 1968 a 1979 (n. 1924).
• 26 de Outubro – Park Chung-hee, presidente da Coreia do Sul de 1963 a 1979 (n. 1917).
• 27 de Dezembro – Hafizullah Amin, presidente da República Democrática do Afeganistão em 1979 (n. 1929)

Prêmio Nobel
• Física – Sheldon Glashow, Abdus Salam, Steven Weinberg[
• Química – Herbert C. Brown, Georg Wittig
• Medicina – Allan M. Cormack, Godfrey N. Hounsfield.
• Literatura – Odysseus Elytis.
• Paz – Madre Teresa de Calcutá.
• Economia – Theodore W. Schultz e Sir Arthur Lewis.

Novelas: Dancin Days e Pai Herói (Globo)
Acontecimentos
30 de Janeiro – O cargueiro Boeing 707-323C prefixo PP-VLU operado pela Varig desapareceu sobre o oceano Pacífico trinta minutos após ter partido de Tóquio. Era pilotado pelo mesmo comandante do vôo 820. Nenhum sinal da queda (destroços ou corpos) jamais foi encontrado. A aeronave estava transportando 153 pinturas no valor de USD 1,24 milhões.
28 de novembro – O Voo Air New Zealand 901 terminou quando o avião colidiu com o Monte Erebus, na Ilha de Ross (Oceano Antártico), matando todas as 257 pessoas a bordo, sendo 237 passageiros e 20 tripulantes.

Música Disco – Em plena atividade, um ano de grandes produções, como esta do Chic:

chic

• 13 de Janeiro – A ACM processa o Village People por difamação por causa de sua música YMCA.
• 29 de Março – O Supertramp lança seu álbum de maior sucesso Breakfast in America, que passou 26 semanas na lista da Billboard Top 200, dessas, 5 no primeiro lugar.
• Michael Jackson lança seu primeiro álbum em carreira solo em fase adulta: Off the Wall, com aproximadamente 20 milhões de cópias vendidas, até hoje é o álbum de música Black mais vendido da história.
• Forma-se a banda Cockney Rejects.
• Novembro – O Pink Floyd lança o álbum The Wall
• Bee Gees lança seu álbum de mais sucesso Spirits Having Flown que lhe rendeu grammys pelas músicas e por sua turnê de 38 shows.
• A cantora Simone é escolhida para interpretar Começar de novo, canção-tema da série de TV Malu Mulher, da Rede Globo e maior sucesso daquele ano.

Cinema:
• 10, de Blake Edwards, com Dudley Moore, Julie Andrews e Bo Derek
• 1941, de Steven Spielberg, com Dan Aykroyd, John Belushi e Toshirô Mifune
• Alien, de Ridley Scott, com Sigourney Weaver, Harry Dean Stanton e John Hurt
• Allegro barbaro, de Miklós Jancsó
• The Amityville Horror, de Stuart Rosenberg, com James Brolin e Margot Kidder
• L’amour en fuite, de François Truffaut, com Jean-Pierre Léaud
• And Justice for All, de Norman Jewison, com Al Pacino, Jack Warden e Lee Strasberg
• Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola, com Martin Sheen, Marlon Brando e Robert Duvall
• Being There, de Hal Ashby, com Peter Sellers e Shirley MacLaine
• Die Blechtrommel, de Volker Schlöndorff
• Calígula, de Bob Guccione, com Malcolm McDowell, Teresa Ann Savoy, Helen Mirren e Peter O’Toole
• Cristo si è fermato a Eboli, de Francesco Rosi, com Gian Maria Volonté
• Die dritte Generation, de Rainer Werner Fassbinder
• Die Ehe der Maria Braun, de Rainer Werner Fassbinder, com Hanna Schygulla
• Don Giovanni, de Joseph Losey
• Escape from Alcatraz, de Don Siegel, com Clint Eastwood
• Hair, de Milos Forman, com John Savage, Treat Williams e Beverly D’Angelo
• Hardcore, de Paul Schrader, com George C. Scott
• L’ingorgo – Una storia impossibile, de Luigi Comencini, com Marcello Mastroianni, Gérard Depardieu, Patrick Dewaere e Stefania Sandrelli
• Kramer vs. Kramer, de Robert Benton, com Dustin Hoffman e Meryl Streep
• Life of Brian, de Terry Jones, com Eric Idle, Terry Gilliam, John Cleese, Graham Chapman e Michael Palin
• La luna, de Bernardo Bertolucci
• Mad Max, de George Miller, com Mel Gibson
• Rocky II, de e com Sylvester Stallone
The Warriors, de Walter Hill, com Michael Beck e James Remar

7326 – Mega Memória – O Eclipse do Sol de 3 de Novembro de 1994


eclipse1994

Este dia foi diferente em Foz do Iguaçú, no Paraná. Durante 4 minutos, das 10:44 às 10:48 a cidade ficou escura. A Lua entrou na frente do Sol e impediu que a luz atingisse parte da superfície da Terra. A palavra eclipse significa “encobrir”, ocultar. Tal sombra teve 200 km da largura e atravessou o Brasil dividindo-o em 2. Veio do Paraguai, entrou na Foz do Iguaçú e saiu por Criciúma, alcançando o Oceano Atlântico. Nesta faixa, o eclipse foi total e o dia virou noite por alguns minutos. Na grande sampa o eclipse foi parcial (86%).
No dia 03 de novembro de 1994 aconteceria no Sul do Brasil o último eclipse total do século, transformando aquela manhã de primavera em uma noite de quatro minutos. Uma gigantesca sombra com 200km de diâmetro, situada na faixa da totalidade, viaja a uma velocidade de 3.000km por hora, entra pelo pacífico passa pelo Chile e Bolívia e Paraguai, entra pelo Oeste de santa Catarina passando pelas cidades de Chapecó, Lages, Criciúma e vai em direção ao oceano atlântico.
O eclipse ocorreu em uma quinta-feira, tendo a totalidade começado exatamente às 10:44h, durando um pouco mais de quatro minutos, apresentando o Sol uma coroa muito espigada e ativa, com cerca de quatro grandes faixas de projeção coronal. Convém ressaltar que o sol encontrava-se em um final de máxima atividade Solar com muitas de manchas solares, que teve seu pico em 1991.

7306 – Mega Retrospectiva – Aconteceu em Dezembro


3 de dezembro
1967 – O cirurgião sul-africano Christian Barnard realiza o primeiro transplante de coração. A operação deu certo mas o paciente morreu de pneumonia 18 dias depois, enfraquecido pelas drogas que buscavam evitar a rejeição do órgão.

5 de dezembro
1877 – O inventor americano Thomas Edison apresenta a primeira gravação sonora, obtida com uma agulha que convertia as vibrações do som em sulcos num cilindro metálico.

7 de dezembro
1941 – Tropas japonesas bombardeiam a base americana de Pearl Harbor, no Havaí. O ataque fez com que os Estados Unidos entrassem na Segunda Guerra Mundial
8 de dezembro.

1980 – O ex-Beatle John Lennon é assassinado a tiros em frente ao prédio onde morava, em Nova York. Mark David Chapman, o perturbado fã autor dos cinco disparos, não tentou fugir e foi preso logo após.

11 de dezembro
1844 – O americano Horace Wells é a primeira pessoa a ter um dente arrancado com anestesia. O dentista sortudo aspirou uma dose de gás hilariante e não sentiu nada quando um colega tirou-lhe um molar infeccionado.

14 de dezembro
1911 – A expedição do explorador norueguês Roald Amundsen é a primeira a chegar ao Pólo Sul, depois de 99 dias cruzando mais de 3 mil quilômetros de neve.

21 de dezembro
1988 – O seringueiro e ecologista Chico Mendes é assassinado em Xapuri, no Acre, pelo fazendeiro Darcy Alves da Silva, que queria expulsar os seringueiros de suas terras. Um ano antes, Mendes havia sido condecorado pela ONU por sua luta ambientalista

23 de dezembro
1947 – Os cientistas John Bardeen, Walter Brattain e William Shockley apresentam o transistor, componente eletrônico que substituiu a válvula e abriu caminho para a microinformática. A invenção lhes valeu o Prêmio Nobel de Física de 1956.

25 de dezembro
336 – Em Roma, é celebrado pela primeira vez o nascimento de Jesus. Ninguém sabe ao certo por que o Natal passou a ser comemorado nessa data – provavelmente para coincidir com a festa romana do solstício de inverno, dia do ano com menos horas de sol no hemisfério norte.

21 de dezembro
1937 – Walt Disney lança o primeiro desenho animado de longa metragem: Branca de Neve e os Sete Anões. O filme tornou-se um sucesso instantâneo de crítica e público e inaugurou uma nova era na animação.

7293 – Mega Memória – O Naufrágio do Ferry Estônia


Estonia sinking

Era um barco de cruzeiro construído em 1979/80, no estaleiro alemão Meyer Werft em Papenburg . O navio afundou em 1994 no Mar Báltico em um dos piores desastres marítimos do século 20. É o mais mortífero desastre naufrágio ter ocorrido no mar Báltico, em tempo de paz, que custou 852 vidas.
O navio foi originalmente encomendado a partir de Meyer Werft por uma companhia de navegação norueguesa liderada por Augustsen Parley com o tráfego previsto entre Noruega e Alemanha. No último momento, a empresa retirou a sua ordem e que o contrato foi para Rederi Ab Sally , um dos parceiros da Viking Line consórcio ( SF linha , outro parceiro no Viking Line, também havia se interessado pelo navio).
Era o maior navio para servir nessa rota na época. Tal como acontece com muitos navios, Sally Viking sofreu alguns percalços durante o seu serviço Viking Line, sendo fundamentada na Åland Arquipélago maio 1984 e sofrendo alguns problemas hélice em abril do ano seguinte. Em 1985, ela também foi reconstruído com um “rabo de pato”. Em 1986, Reijo Hammar , um criminoso infame finlandês, estrangulado e esfaqueado um empresário no navio.
O desastre ocorreu na Estónia em Quarta, 28 Setembro de 1994, entre cerca de 00:55 – 01:50. Como o navio estava atravessando o Mar Báltico , em rota de Tallinn , Estónia, de Estocolmo . A Estónia foi em um cruzamento agendada com partida às 19:00 de 27 de Setembro. Esperava-se, em Estocolmo, na manhã seguinte às 09:30. Ela estava carregando 989 pessoas: 803 passageiros e 186 tripulantes.
Tal naufrágio pode ter sido provocado por uma explosão de uma mina marítima. Havia cerca de 40 minas abandonadas que flutuavam em águas próximas à Ilha Osmussaar, podendo ser essa a explicação, segundoo diretor da empresa de navegação operadora do barco que matou 910 pessoas.
As péssimas condições meteorológicas verificadas a seguir no Mar Báltico não permitiram a utilização de robôs submarinos que deveriam filmar o Ferry -Boat naufragado.
O primeiro sinal de problemas a bordo da Estónia foi quando um estrondo metálico foi ouvido, causada por uma onda pesada de bater as portas de proa volta das 01:00 h, quando o navio estava nos arredores do arquipélago de Turku , mas uma inspeção limitada à verificação da luzes indicadoras para a rampa e viseira mostrou não haver problemas.
O naufrágio foi examinado e filmado por operados remotamente veículos submarinos e mergulhadores de uma empresa norueguesa, Rockwater A / S, contratada para o trabalho de investigação.
O relatório foi crítico de ações da tripulação, especialmente por não reduzir a velocidade antes de investigar os ruídos provenientes do arco, e por não ter conhecimento de que a lista estava sendo causado pela entrada de água no convés de veículos.
Houve também críticas gerais de os atrasos na soar o alarme, a passividade da tripulação e da falta de orientação da ponte.
Recomendações para as modificações a serem aplicadas a navios semelhantes incluído separação dos sensores de condição dos mecanismos de trava e dobradiça.
Como mencionamos anteriormente, existem algumas teorias alternativas, envolvendo transporte secreto de equipamento militar, que tentam explicar o desastre.
No outono de 2004, um ex-funcionário da alfândega sueca afirmou no programa de televisão sueco granskning Uppdrag que a Estónia tinha sido usada para o transporte de equipamento militar em setembro de 1994.
Em 1999, a Comissão de Investigação de Acidentes Conjunto respondeu a rumores na mídia de bombas de ter causado o acidente. No relatório original, eles já haviam descartado vestígios de explosão na viseira, mas após uma análise dos vídeos onde suspeita-bomba como os objetos tinham sido vistos, uma explosão como uma possível causa ou fator que contribuiu para o acidente foi totalmente descartada.

Estônia jaz no fundo do Mar Báltico
Estônia jaz no fundo do Mar Báltico

Em 2000, a americana Bemis Gregg aventureiro e sua equipe mergulhou (ilegalmente) e filmou os danos. Stephen Davis, escrevendo no New Statesman em maio 2005, afirmou que testes de laboratório confirmaram indícios de explosão no metal. Davis afirmou ainda que o navio estava transportando uma carga secreta de equipamento militar contrabandeadas dos russos pelos britânicos MI6 , em nome da CIA , como parte dos esforços em curso para monitorar o desenvolvimento de armas da Rússia, e que isso explicaria assinatura da Grã-Bretanha da Estónia Acordo.
Mas, os membros finlandeses da Comissão Mista de Investigação de Acidentes novamente rejeitaram a possibilidade de uma explosão, alegando que os vestígios encontrados no metal foram causados ​​pelos golpes pesados ​​da viseira saindo, citando resultados inconclusivos de outro laboratório.

7043 – Mega Memória – Notícias da Virada do Século


Neandertais próximos
Os neandertais se extinguiram há 28 000 anos e não há 33 000, como indicavam os registros fósseis até setembro. A nova datação foi feita em fósseis achados na Croácia por antropólogos americanos e ingleses. A novidade reforça a hipótese de que houve um longo convívio entre aquela espécie e o Homo sapiens. Esses dois tipos humanos podem ter até se misturado, como já foi sugerido.

O maior dinossauro
Encontrados em Oklahoma, nos Estados Unidos, fósseis de um dinossauro que pode ter sido o maior de todos os tempos. Batizado de Sauroposeidon por seu descobridor, o paleontólogo Richard Cifelli, o animal teria 60 toneladas de peso e 18 metros de altura.

Explorador pé-frio
Não foi só o mau planejamento que matou o explorador inglês Robert Falcon Scott em sua malfadada expedição ao Pólo Sul em 1912. O frio ajudou. A região, nesse ano, ficou 12 a 25 graus Celsius abaixo dos 30 graus negativos que normalmente fazem por lá. A revelação é da climatologista Susan Solomon.

Memória revelada
Cientistas suíços fizeram a primeira imagem de uma dupla conexão entre neurônios no cérebro. Normalmente há só uma conexão, pela qual as células trocam mensagens químicas. Com dois canais de comunicação, a ligação entre elas fica mais forte, e é assim, segundo os pesquisadores, que se formam as lembranças. Sempre que um neurônio é acionado, ele ativa seu companheiro, criando um circuito fechado no cérebro.

Gene da morte
Uma equipe de médicos italianos anunciou a descoberta de um gene que diminui o tempo de vida dos ratos. Animais de laboratório criados sem ele viveram 30% mais que o normal. Os cientistas ainda não sabem se o gene correspondente em seres humanos tem o mesmo efeito.

5974 – Mega Memória – Donna Summer no Fantástico


Em 1979, já consagrada, Donna Summer chamava a atenção do Fantástico, que resolveu fazer uma reportagem sobre o seu sucesso, afinal tratava-se de um grande fenômeno mundial.
A história das discotecas (atuais danceterias) está intimamente ligada a carreira de Donna Summer, ela foi uma grande percursora e o dedo do tecladista Giorgio Moreder também não pode ser esquecido.
A batida Disco foi aos poucos sendo substituída pela batida House, mas Donna Summer ainda sobreviveria por mais 30 anos e fazendo sucesso no mundo das baladas.

4655 – Mega Memória Quadrinhos – Disney Especial “As Bruxas”


Eram gibis periódiocos lançados pela Editora Abril, este, o 2° da série trazia histórias só com bruxas.
As Melhores histórias com As Bruxas

Publicado em: outubro de 1972
Editora: Abril
Licenciador: Walt Disney
Categoria: Revista Periódica
Gênero: Infantil
Status: Fora de circulação
Número de páginas: 296
Formato: (13,5 x 20,5 cm)
Colorido/Lombada quadrada
Preço de capa: Cr$ 5,00
A bruxa adormecida no bosque
Personagens: Mickey, Coronel Cintra, Mancha Negra, Madame Min, Pluto
Argumento: Bob Ogle
Arte: Paul Murry
A Madame Min ajuda o Mancha Negra a cometer crimes com seus poderes mágicos.
Bruxarias douradas
Personagens: Tico, Teco, Coelho Quincas, Bruxa Má
Arte: Jack Bradbury
A Bruxa Má joga uma poção no lago que transforma todos os animais da que bebem nela em ouro.
Madame Min encontra os Irmãos Metralha
Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha, Professor Ludovico
Arte: Tony Strobl
A Madame Min ajuda os Irmãos Metralha a roubarem um invento secreto do Prof. Ludovico
A festa das bruxas
Personagens: Bruxa Vanda, Bruxinho Peralta
Arte: Tony Strobl
O bruxinho peralta vem passar uns dias na casa da sua tia Bruxa Vanda.
O reino enfeitiçado
Personagens: Madame Min, Merlin
Arte: Tony Strobl
Madame Min se aproveita de uma viagem de Merlin ao futuro (pra assistir futebol) para recuperar sua coroa de rainha, há muito tomada pelo mago.
A bruxa do bosque
Personagens: Lobão, Lobinho, Três Porquinhos
Arte: Jack Bradbury
O Lobão pede a Bruxa Má que torne o Lobinho mau.
As mil faces de Maga Patalójika
Personagens: Maga Patalójika, Tio Patinhas, Pato Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho
Argumento: Carl Barks
Arte: Carl Barks
Maga cria uma poção que faz com que quem estiver sob seu efeito assuma a cara de qualquer um que vir pela frente, para forçar o Tio Patinhas a lhe entregar a moedinha n°1.
O azar do felizardo
Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha
Arte: Tony Strobl
A Madame Min recebe a visita do seu primo felizardo, que dá um azar danado pra todo mundo que está por perto, principalmente para os Irmãos Metralha que tentam aproveitar-se dele em seus golpes.
Diamantes para uma bruxa!
Argumento: Carl Fallberg
Arte: Paul Murry
A Bruxa Má faz uma poção a base de pó de diamante para acelerar sua vasoura mágica.
A poção da generosidade
Personagens: Maga Patalójika, Madame Min, Tio Patinhas
Argumento: Carl Fallberg
Arte: Tony Strobl
Maga pede ajuda a Madame Min para ajudá-la na criação de uma poção que torne o Tio Patinhas generoso.
Bruxarias a jato
Personagens: Zé Carioca, Professor Pardal, Sete Anões
Arte: Jorge Kato
O Zé Carioca vai visitar seu amigo Amadeu e acaba capturado pela Bruxa Má por ser amigo dos Sete Anões.
Inocentemente culpados
Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha
Arte: Tony Strobl
A Madame Min ganha uma “bolada” num concurso e os Irmãos Metralhas estão doidos pra botar a mão nela.
O sumiço do Timóteo
Personagens: Dumbo, Timóteo, Tico, Bruxa Má
Arte: Jack Bradbury
Tico e Teco ajudam Dumbo a encontrar seu amigo Timóteo.
Os estraga-concursos

Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha
Arte: Tony Strobl
Os Metralhas tentam “ajudar” a Madame Min a ganhar um concurso com seu gato de estimação.

Vassourada na Bruxa
Personagens: Três Porquinhos, Bruxa Má
Arte: Jack Bradbury
Prático herdou uma fábrica de vassouras de um tio e a Bruxá Má enfeitiça seus irmãos para conseguir vassouras novas para ela e suas amigas bruxas.
Um dia de feitiçaria
Personagens: Lalá Lelé e Lili, Margarida, Maga Patalójika
Arte: Tony Strobl
A Margarida sem querer troca seu livro de receitas com o livro de bruxarias da Maga.

O roubo do robô

Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha, Huguinho, Zezinho, Luisinho, Tio Patinhas, Pardal
Arte: Tony Strobl
A Madame Min pede ao Prof. Pardal que faça um robô para ajudá-la nas tarefas de casa.

Uma bruxa em crise

Personagens: Bruxa Vanda, Pateta, Professor Ludovico, Pluto
Arte: Tony Strobl
A bruxa Vanda resolve alugar quartos para levantar uma grana extra.

A máquina do tempo

Personagens: Irmãos Metralha, Madame Min, Professor Ludovico
Arte: Tony Strobl
Os Metralhas convencem a Madame Min a ajudá-los a roubar uma máquina do tempo inventada pelo Prof. Ludovico.

A corrida atrás do arco-íris

Personagens: Tio Patinhas, Pato Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho, Maga Patalójika
Arte: Tony Strobl
O Tio Patinhas manda seus sobrinhos atrás do pote de ouro no fim do arco-íris.

Os milhões dos Irmãos Metralha

Personagens: Irmãos Metralha, Madame Min, Tio Patinhas
Arte: Tony Strobl
Os Irmãos Metralha tentam usar a Madame Min para roubar o Tio Patinhas.

Não creio em assombrações, mas…

Personagens: Pato Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho, Bruxa Má
Argumento: Vic Lockman
Arte: Tony Strobl
Donald tenta provar aos sobrinhos que não acredita em assombrações
Os aprendizes de bruxaria
Personagens: Irmãos Metralha, Bruxa Vanda, Tio Patinhas, Huguinho, Zezinho, Luisinho
Argumento: Vic Lockman
Arte: Tony Strobl
Os Irmãos Metralha se matriculam na escola noturna de bruxaria da Bruxa Vanda.
O encanto do príncipe
Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha
Arte: Tony Strobl
A Madame Min resolve fazer dos Metralhas seus “sete anões”.
Tico e Teco e a bruxa
Personagens: Tico, Dumbo, Timóteo, Bruxa Má, Bambi
Arte: Dick Moores
Tico e Teco ajudam Timóteo a salvar Dumbo das mãos da Bruxa Má.
O mágico de Bahs
Personagens: Margarida, Pluto, Bruxa Má, Professor Pardal, Pateta, Sete Anões
Argumento: Vic Lockman
Arte: Tony Strobl
Um furacão leva a casa da Margarida para uma terra distante, onde ela ajuda os sete anões a se libertarem da Bruxa Má.
Substituta de Cinderela
Personagens: Madame Min, Irmãos Metralha
Arte: Tony Strobl
A Madame Min usa os Metralhas para viver sua própria história de Cinderela.
A ilha dos gansos de ouro
Personagens: Tio Patinhas, Pato Donald, Huguinho, Zezinho, Luisinho, Maga Patalójika, Irmãos Metralha
Argumento: Carl Barks
Arte: Carl Barks
Tio Patinhas parte em busca da ilha dos gansos de ouro.

☻ Baixe “As Bruxas”no link abaixo.
Obs: Para poder visualizar a imagens é preciso ter instalado o CDisplay, um programinha que você encontra no site Baixaqui

http://www.4shared.com/file/VlaWH25z/Disney_Especial_Reedio__2.html