7740 – A Maior escavadeira do mundo


Se você acha que as maiores máquinas já feitas pelo homem são navios ou aviões, está enganado. Uma das maiores construções da história está em terra firme, e se encontra na Alemanha. Estamos falando da Bagger 293, o maior veículo terrestre do mundo — reconhecido pelo Guinness Book.
O veículo em questão é uma escavadeira, e foi construída pela empresa alemã TAKRAF, em 1995. Atualmente, o Bagger 293 é utilizado pela segunda maior produtora de energia da Alemanha, a RWE Power AG, na enorme mina de carvão a céu aberto Hambach, no mesmo país.
Além do tamanho — 95 metros de altura por 225 metros de comprimento –, a escavadeira traz outros números impressionantes. Pesando cerca de 14,2 mil toneladas de puro aço, a máquina requer cinco operadores muito bem treinados para funcionar.
O Bagger 293 pode mover cerca de 240 mil metros cúbicos de solo e carvão por dia, tanta eficiência graças a uma roda de 70 metros de diâmetro e 20 caçambas que giram continuamente, revirando tudo que estiver pela frente. Cada caçamba é responsável por movimentar 15 metros cúbicos de material.
Embora os números acima sejam impactantes, o Bagger 293 tem um ponto fraco: a velocidade. A escavadeira levou mais de três semanas para realizar um trajeto de 22 km — o que é compreensível, já que a máquina teve que vencer vários obstáculos, como rodovias, ferrovias e rios, que tiveram de ser aterrados.

1bagger1

7510 – Como funciona a britadeira hidráulica?


Passo a Passo:
Um tubo leva óleo hidráulico em alta pressão para dentro da britadeira – são 25 litros por minuto! ele desce por um caminho interno até chegar a uma câmara que envolve o pistão, a peça de metal responsável por transmitir o movimento à barra perfuradora. O óleo empurra o pistão para cima.
O pistão vai subindo até que o óleo encontra um escape pelo lado direito. ele então sai por esse caminho, fazendo com que o pistão deixe de ser pressionado para cima. após escapar, o líquido vai seguir seu caminho para a parte de cima da máquina, onde colidirá com um cilindro que fica na horizontal.
Na parte de cima, o óleo empurra o cilindro para a esquerda. ao se mover, essa peça abre uma passagem para que uma nova dose do líquido faça pressão sobre o pistão, forçando-o rapidamente para baixo contra a barra perfuradora. a barra é capaz de furar um bloco de asfalto em até 20 segundos.
O óleo que continua a entrar na britadeira força o cilindro de volta para a direita, fechando a passagem. a dose que é enviado para a parte de baixo empurra o pistão para cima novamente, expulsando o óleo do ciclo anterior para fora por outro tubo. Todo o percurso se repete 42 vezes por segundo.
– Embora “britadeira” seja mais conhecido,o nome técnico do aparelho é “rompedor”
– A britadeira hidráulica é mais eficiente e cara do quea mais comum no brasil, a pneumática, que funciona parecido, mas usa ar pressurizado.

6804 – Ciclomotor – A Bike com Motor



O ciclomotor é um tipo de bicicleta motorizada bastante popular nos anos 70 e 80. No Brasil, foi fabricado em maior escala pela Caloi e Monark. Possuía um motor monocilíndrico de 2 tempos, de 49cc. A partida era a pedal, como em uma bicicleta. Não existia câmbio. A transmissão era por uma embreagem centrífuga, que alongava a relação de acordo com a rotação do motor.
Para a Convenção sobre Trânsito Viário de Viena (1968), bem como para o Código de Trânsito Brasileiro, o ciclomotor é um veículo de duas ou três rodas, provido de um motor de combustão interna, cuja cilindrada não exceda a cinqüenta centímetros cúbicos (3,05 polegadas cúbicas) e cuja velocidade máxima de fabricação não exceda a cinqüenta quilômetros por hora.
Mobilete é uma marca de ciclomotor que existiu no Brasil, no final do século XX, posteriormente foi adquirida pela Caloi. Junto à Garelli, e outras produzidas por fábricas de bicicletas como Caloi e Monark, estes ciclomotores tinham sua potência até 49,9 cilindradas para evitar a exigência de habilitação e emplacamento de veículo, pela legislação brasileira de trânsito.
Possuía motor a dois tempos, sistema automático de embreagem feito por correias a polia cônica similar ao CVT, sistema de partida no pedal, movida a gasolina à qual era misturada 3% de óleo 2 tempos para a lubrificação, colocada num tanque com capacidade para três litros.

6790 – Máquinas Motorizadas – O Quadricliclo


O termo quadriciclo (usualmente chamado de moto quatro em Portugal) ou ATV (“All-Terrain Vehicle” em inglês) é utilizado geralmente para descrever um pequeno veículo motorizado aberto com quatro rodas, desenhado para uso off-road. Todavia, o American National Standards Institute (ANSI) define um ATV como um veículo que se movimenta sobre pneus de baixa pressão, com um assento onde se instala o operador e um guidom para controle de direção. Pela definição corrente do ANSI, o veículo é destinado a um único ocupante, embora uma mudança para dois assentos já tenha sido implantada pelos principais fabricantes, que na maioria das vezes oferecem os quadriciclos em 2 versões.
O condutor opera estes veículos como uma motocicleta, mas as rodas extras lhe dão mais estabilidade em baixa velocidade. Embora tipicamente sejam equipados com três ou quatro rodas, existem modelos com seis rodas para aplicações especializadas. A capacidade dos motores que equipam os ATV vendidos hoje em dia (2012) no Brasil, varia de 50cc a 1000cc.
Versões de quatro rodas são comumente denominadas “quadriciclos” no Brasil. Em Portugal, apesar da denominação técnica legal ser também “quadriciclo”, em liguagem corrente é usado normalmente o termo “moto quatro”. A expressão inglesa ATC (de “All-Terrain Cycles” ou “Motocicleta Todo-o-Terreno”) é utilizada para modelos com três rodas (designados “triciclos” no Brasil e em Portugal).
Os ATV também podem ser considerados veículos off-road, da mesma forma que motocicletas, jipes e outros veículos utilitários.
Os ATV já eram fabricados nos Estados Unidos uma década antes de veículos de 3 e 4 rodas serem introduzidos pela Honda e outras empresas japonesas. Durante os anos 1960, numerosos fabricantes ofereciam pequenos veículos off-road similares, desenhados para flutuar e capazes de atravessar pântanos, lagoas e cursos d’água, bem como terra seca. Tipicamente construídos com uma “banheira” de plástico resistente ou fibra de vidro, tinham geralmente seis rodas – todas manobráveis – com pneus-balão de baixa pressurização (cerca de 3 PSI), nenhuma suspensão (além da oferecida pelos pneus) e barras de direção deslizantes. Estes ambiciosos primeiros modelos anfíbios foram os veículos todo-o-terreno originais – ou ATV. Contrariamente à definição moderna do ANSI para ATV, eles foram planejados para vários ocupantes sentados em seu interior e eram controlados por volantes ou manches, em vez de guidões de motocicleta, como na definição em vigor hoje em dia.
Após o advento dos ATV “montáveis”, com três ou quatro rodas, estes mais ou menos se apropriaram do termo, deixando que a variedade flutuante 6X6 e 8X8 se tornasse conhecida como ATV Anfíbio. Marcas modernas destas máquinas incluem Argo e MAX. Embora não tão rápidas quanto os outros ATV, elas podem ser operadas com precisão em baixas velocidades, e efetivamente, possuem a capacidade de flutuar. O giro dos pneus é suficiente para impelir o veículo através da água, embora de maneira lenta. Motores de popa podem ser utilizados para incrementar o uso aquático.
A Honda produziu os primeiros triciclos em 1970, os quais estrearam num filme de James Bond, “Diamonds Are Forever”. Apelidado de US90 e posteriormente – quando a Honda comprou a marca registrada do termo.
A Suzuki foi líder no desenvolvimento de ATV de quatro rodas. Ela vendeu o primeiro quadriciclo, o QuadRunner LT125 de 1983, um veículo recreativo para principiantes.
Em 1985, a Suzuki apresentou ao mercado o primeiro quadriciclo de alta performance, o Suzuki LT250R QuadRacer. Esta máquina permaneceu em produção até 1992, e durante este período, passou por três grandes processos de reengenharia. Todavia, as principais características básicas foram mantidas: uma suspensão sofisticada, um motor de dois cilindros refrigerado à água e uma transmissão manual de cinco marchas nos modelos 1985-1986 e uma transmissão de seis marchas para os modelos de 1988 a 1992. Era uma máquina desenhada exclusivamente para corridas, nas mãos de pilotos altamente experientes. A Honda deu a resposta um ano depois com o FourTrax TRX250R – uma máquina que não replicada. A Kawasaki respondeu com seu Tecate-4 250. Em 1987, a Yamaha apresentou um tipo diferente de máquina de alta performance, a Banshee 350, que apresentava um motor de dois cilindros refrigerado à água, reaproveitado da motocicleta urbana RD350LC. Pesada e mais difícil de dirigir na terra do que as 250, a Banshee tornou-se um veículo popular entre aqueles que gostavam de pilotar sobre dunas, graças à sua grande potência. A Banshee ainda goza de grande popularidade, mas devido ao controle de emissões da EPA, 2006 foi o último ano em que pode ser vendida nos Estados Unidos. No Canadá, todavia, a Banshee 2007 ainda é comercializada com o mesmo motor paralelo de 350 cc que fez a sua fama.
Problemas de segurança com ATV de três rodas fizeram com que todos os fabricantes mudassem para os modelos de quatro rodas em fins da década de 1980; os triciclos pararam de ser produzidos em 1987. O peso mais leve dos triciclos os tornaram muito populares entre alguns pilotos experientes. Fazer curvas num triciclo é mais desafiante do que em máquinas de quatro rodas, porque se inclinar na curva é muito mais importante. Os pilotos podem virar se não tiverem cuidado. A parte frontal dos triciclos obviamente tem uma única roda, tornando-a mais leve, e tombar para trás é um risco potencial, especialmente quando subindo uma duna ou colina. Tombamentos também podem ocorrer ao descer uma ladeira íngreme. As restrições legais no mercado estadunidense expiraram em 1997, permitindo que os fabricantes voltassem a fabricar modelos de três rodas. Todavia, existem poucos sendo comercializados nos dias de hoje.
Ainda hoje, os modelos continuam a ser divididos em mercados esportivo e utilitário. Os modelos esportivos são geralmente pequenos, leves, com tração em duas rodas e rápida aceleração, transmissão manual e velocidades de até 145 km/h. Os modelos utilitários são geralmente maiores, possuem tração nas quatro rodas e atingem um máximo de 104 km/h. Possuem a capacidade de arrastar pequenas cargas em reboques ou mesmo pequenos trailers. Devido aos pesos diferentes, cada tipo é mais eficiente num determinado tipo de terreno.
Modelos de seis rodas também podem apresentar pequenos reboques com um par extra de rodas na traseira para aumentar a capacidade de carga. Eles podem ter tração nas quatro rodas traseiras ou em todas as seis.
Em Maio de 2006, o inventor neozelandês Alan Gibbs – presidente e fundador da Gibbs Technologies – apresentou o Quadski, um protótipo de um quadriciclo anfíbio. Ao contrário dos primeiros ATV, ele é montado e controlado como os quadriciclos modernos, e oferece a habilidade única de “planar” sobre a água, possibilitando atingir velocidades de barco a motor na água.
Desde o início dos anos 1990, o uso dos quadriciclos triplicou através dos Estados Unidos. Isto levou a grandes conflitos entre os usuários de quadriciclos e defensores da segurança infantil, proprietários rurais, amantes da natureza e ambientalistas.
O foco mudou desde que as normas restritivas terminaram e estão agora voltadas para a relação entre o tamanho da máquina e a idade do piloto. Muitos estados norte-americanos decretaram leis específicas relativas ao uso dos ATV, categorizadas por faixas de idade e capacidade de deslocamento – que seguem a linha dos regulamentos federais. Os ATV são obrigados a serem rotulados pelo fabricante indicando que o uso de máquinas de mais de 90cc por usuários abaixo de 16 anos é proibida. Os críticos apontam que políticas abrangentes relativas à idade não são suficientes e freqüentemente citam como exemplo que adolescentes do sexo masculino são fisicamente maiores e mais fortes do que muitas mulheres que pilotam. Algumas localidades ou baniram leis restritivas quanto ao uso de ATV por menores de 16 anos ou estão considerando tal legislação. Defensores dos ATV argumentam que começar cedo aumenta a segurança. Recomendam que as crianças possam desenvolver o necessário expertise começando tão cedo quanto 6 anos de idade, em vez de esperar até os 16. O CPSC aprovou o uso de ATV de menos de 50cc a partir de 6 anos de idade.
Em 1988, o All-terrain Vehicle Safety Institute (ASI) foi formado para fornecer treinamento e educação para pilotos de ATV. O custo de participar do treinamento é mínimo e é grátis para compradores de máquinas novas. A conclusão bem-sucedida do treinamento é, em muitos estados norte-americanos, o requisito mínimo para que um menor de idade tenha autorização para dirigir.

6056 – Tecnologia na Agricultura – COLHEITADEIRA – 1834


Facilitou muito o trabalho na lavoura

Foi criada pelo americano Hiram Moore e deu o empurrão decisivo para a mecanização agrícola – que passou a gerar comida suficiente para alimentar bilhões de pessoas e permitiu a explosão da população humana nos últimos dois séculos.

TRATOR – 1892
Os primeiros usavam motores a vapor, que eram fracos, e tinham rodas fininhas, que afundavam na terra. O trator moderno foi criado pelo americano John Froelich, que inventou o primeiro modelo a gasolina e o batizou de “máquina de tração”. Mas um revendedor não gostou do nome e inventou uma palavra: trator.

ORDENHADEIRA MECÂNICA – 1895
É difícil atribuir essa invenção a uma única pessoa – na segunda metade do século 19, mais de 100 patentes de ordenhadeira foram registradas nos EUA. Também pudera: com a máquina, é possível tirar até 233% mais leite de cada vaca.