13.968 – Fábrica de Bebes na China (?)


Para um país com quase 2 bilhões de habitantes, tal frase não seria novidade, porém esses bebes seriam modificados geneticamente.
Foi como se as páginas de uma ficção científica ou distopia aterradora tomassem de assalto o mundo real. Em uma entrevista concedida no fim do mês passado à agência americana de notícias Associated Press, o biólogo chinês He Jiankui afirmou ter criado em laboratório os primeiros bebês da história geneticamente modificados desde o estágio embrionário. Eles seriam as gêmeas apelidadas de Lula e Nana — o nome real dos bebês continua sob sigilo. O cientista declarou que, para obter o resultado, usou a técnica Crispr, que induz, quimicamente, alterações permanentes no DNA. O objetivo teria sido desativar o gene CCR5, responsável por deixar o corpo vulnerável ao HIV — as gêmeas, portanto, se tornariam imunes à aids.
“A sociedade decidirá o que fazer a seguir”, disse He Jiankui, que teria realizado seu experimento por meio de uma empresa própria, e não da Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China, da qual estava afastado. A instituição repudiou o trabalho, considerado antiético pela maior parcela da comunidade acadêmica, inclusive da própria China. Mais de 100 pesquisadores, a maioria em atuação naquele país, se uniram em uma carta pública de repulsa à suposta realização de He Jiankui. A grande questão trazida à tona pela experiência é que sua fórmula poderia servir para a escolha de outras características dos embriões — cor dos olhos, altura etc. —, o que abriria as portas para as aterradoras propostas eugenistas.
Ainda não se sabe até que ponto a notícia divulgada pelo biólogo é verídica. He Jiankui não apresentou seu experimento a periódicos científicos, como manda a boa prática. Ele prometeu que iria refazê-lo e o submeteria ao escrutínio de colegas. Mas, depois disso, desapareceu. Pode estar se escondendo do governo chinês, que condenou e interrompeu o estudo, ou até mesmo ter sido detido pelas autoridades para interrogatório.

13.866 – Embora ainda não alcançado, reversão do envelhecimento é cientificamente viável


Devido aos recentes avanços nas pesquisas genéticas, as alegações de três insiders e denunciantes do SSP-Secret Space Program (Programa Espacial Secreto) dos EUA, que dizem ter sofrido um processo de regressão (rejuvenescimento) de idade nos programas secretos espaciais, tornaram-se muito mais plausíveis.
Os denunciantes, Corey Goode, Randy Cramer e Michael Relfe, todos dizem que eles tiveram seu envelhecimento regredido para tornarem-se 20 anos mais jovens no final de seus respectivos tempo de serviço alistados em programas espaciais secretos dos EUA.
Recentemente, geneticistas identificaram os genes que controlam o processo de envelhecimento do corpo humano, e em experimentos impressionantes, cujos resultados foram publicados em revistas científicas revisadas por seus pares, demonstraram que foram capazes de reverter o processo de envelhecimento em vários graus de sucesso. Os resultados dessas experiências tornam plausível que os três denunciantes tenham realmente sofrido um processo de regressão de idade usando tecnologias médicas classificadas em programas secretos espaciais, como alegaram.
O principal cientista genético nos estudos de reversão de idade publicamente anunciados é o Dr. David Sinclair, que discutiu em uma entrevista os resultados de seus experimentos genéticos conduzidos pela primeira vez em ratos:
“Nós descobrimos genes que controlam como o corpo luta contra o envelhecimento e esses genes, se você ativá-los no caminho certo, eles podem ter efeitos muito poderosos, de mesmo reverter o envelhecimento – pelo menos em camundongos até agora … Nós lhes demos uma molécula que é chamado de NMN e este envelhecimento foi invertido completamente dentro de apenas uma semana de tratamento no músculo, e agora estamos procurando para reverter todos os aspectos do envelhecimento, se possível”.
Ele explicou como esse processo também poderia ser feito com segurança para os seres humanos:
“Nós fomos de ratos em primeiros estudos humanos na verdade. Houve alguns ensaios clínicos em todo o mundo, e estamos esperando nos próximos anos para saber se isso vai realmente funcionar em seres humanos também … Eles demonstram que as moléculas que prolongam a vida útil em ratos são seguras para uso nas pessoas”.
O Professor Sinclair passou a dizer em sua entrevista que as drogas baseadas na molécula Mononucleótido de Nicotinamida (NMN-Nicotinamide Mononucleotide) poderiam ser desenvolvidas com sucesso “para restaurar a juventude em células humanas.”
A opinião de Sinclair de que as drogas baseadas em NMN serão eventualmente desenvolvidas para uso seguro por seres humanos é impressionante em suas implicações. Ele pode muito bem estar no meio do desenvolvimento do lendário elixir da vida, o que o explica rapidamente sendo elevado às 100 pessoas mais influentes do mundo de acordo com a Time Magazine:
É importante ressaltar que a pesquisa genética pioneira da Sinclair é de código aberto e não classificada. Isto significa que é muito provável, se não quase certo, que a pesquisa classificada no campo da tecnologia de reversão / regressão de idade é muito mais avançada do que qualquer coisa conseguida por Sinclair e seus pares.
Em várias entrevistas particulares com William Tompkins, um engenheiro aeroespacial e ex-agente da Inteligência Naval dos Estados Unidos, que posteriormente trabalhou com importantes empreiteiros aeroespaciais por mais de quatro décadas, ele revelou que ele trabalhou em um estudo classificado como secreto desenvolvido pela empresa, TRW, em 1971.
Tompkins disse que ele se deparou pela primeira vez com o desenvolvimento de tecnologias de regressão de idade, quando participou das sessões informativas dos espiões da Marinha dos EUA que estavam implantados dentro da Alemanha nazista, de 1942 a 1945, na Estação Aérea Naval de San Diego. Esses espiões revelaram a existência de estudos de regressão de idade que estavam secretamente em andamento na Alemanha nazista.
Na época, o trabalho de Tompkins era distribuir pacotes de briefing para companhias e think tanks norte americanos com experiência nas áreas usadas pelos nazistas para desenvolverem suas tecnologias inovadoras. Tompkins disse que o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) foi um dos centros de pesquisa acadêmica que ele entregou pacotes de relatórios feitos por ele. Portanto, é possível que os cientistas do MIT tenham conhecimento dos estudos nazistas de regressão de idade desde 1942!
Significativa e sincronicamente, a descoberta de Sinclair em estudos de regressão de idade foi alcançada enquanto ele fazia um pós -doutorado no MIT sob supervisão do Dr. Leonard Guarente no MIT. Isso foi meramente uma “coincidência”, ou foi Sinclair foi ajudado e/ou encorajado enquanto desenvolvia seus insights no MIT sobre a potencial de manipulação genética da reversão de idade ?
Recentemente, Tompkins revelou-me, em particular, que foram desenvolvidas drogas classificadas como secretas de “regressão por idade”. Ele diz que essas drogas têm sido usadas por algum tempo nas regressões de “em torno de 20” anos do tempo de serviço em programas espaciais secretos. Isto é consistente com o processo de regressão de idade sofrido pelos insiders e informantes do Secret Space program descrito por Goode, Cramer e Relfe, que envolveu a medicação administrada a eles durante um período de duas semanas em que estavam fisicamente imobilizados.
Ainda mais recentemente, Tompkins diz que as drogas foram refinadas para que possam ser usadas para períodos de regressão de idade mais extensa. Por exemplo, reverter um ser humano com 90 anos de idade de volta para quando ele / ela tinha o corpo físico de um jovem de 27 anos agora é possível. Tompkins diz que há um processo secreto de divulgação sancionado da Marinha dos EUA em andamento para liberar essas tecnologias de regressão de idade para o setor público. É, portanto, possível que a pesquisa de Sinclair possa ter sido estimulada por esta iniciativa secreta da Marinha durante seu tempo de trabalho no MIT (Massachusetts Institute of Technology).

13.781 – O gene zumbi que protege os elefantes do câncer


elefante velho
Um elefante africano, em cativeiro, vive uns 70 anos. Mais ou menos o mesmo que um ser humano.
Um elefante africano pesa 6 mil kg. Mais ou menos 100 vezes o que pesa um ser humano.
Um corpo que pesa 100 vezes mais que o nosso, naturalmente, contém 100 vezes mais células, cada uma com sua própria cópia do DNA do animal. Isso significa que o elefante também está sujeito a um risco 100 vezes maior de sofrer um dano no DNA. Um erro que pode causar câncer.
Apesar disso, só 5% dos gigantes acinzentados morrem por causa de tumores, contra 17% dos Homo sapiens. O que os torna tão resistentes à doença? Bem-vindo ao paradoxo de Peto – batizado em homenagem ao biólogo Richard Peto, de Oxford, autor do primeiro texto que apontou essa anomalia estatística, de 1977.
Há três anos, em 2015, pesquisadores das universidades de Chicago e Utah deram um passo importante na solução do problema. Eles descobriram que os elefantes têm inacreditáveis 20 cópias de um gene chamado TP53. Já o ser humano tem só uma. E essa é uma daquelas situações em que 1 é bom, 2 é ótimo e 20 é excelente: a função do TP53 é justamente identificar que há um trecho de DNA danificado em uma célula – e consertá-lo antes que ela se multiplique e cause mais problemas. Quanto mais guardiões desses um animal tem, melhor.

13.619 – Governo inglês autoriza criação de bebês com duas mães e um pai


Uma agência reguladora do governo britânico autorizou a criação, por fertilização in vitro, de bebês com duas mães e um pai . O procedimento será aplicado para impedir que mulheres com uma doença hereditária grave transmitam o problema para seus filhos.
A epilepsia mioclônica com fibras rotas vermelhas (síndrome MERRF) costuma se manifestar ainda na infância e tem consequências graves. Causa crises epiléticas, problemas de coordenação motora, surdez e perda de memória. Uma de suas características mais curiosas é que ela não é causada por uma mutação no DNA comum – o que fica dentro do núcleo das células.
Toda célula tem um componente (no jargão técnico, organela) chamado mitocôndria, que funciona como uma usina de produção de energia. Por razões que ainda não foram completamente esclarecidas pela biologia evolutiva, as mitocôndrias tem um pedacinho de DNA só para elas. São 37 genes, que produzem 14 proteínas.
É pouco perto dos 24 mil genes que ficam no núcleo da célula, mas tamanho não é documento, e as proteínas codificadas por esses 37 genes solitários também são importante para nós. A síndrome MERRF é causada justamente por um problema em um deles.
Enquanto o DNA normal, que fica no núcleo das células, é uma mistura do DNA dos dois membros do casal, a mitocôndria e seu DNA são herdados só da mãe. A mitocôndria que será passada para o bebê já está no óvulo quando o espermatozoide chega lá para fertilizá-lo.
A ideia do tratamento inédito que será aplicado na Inglaterra – duas mulheres, que preferiram se manter anônimas, serão as primeiras beneficiadas – é pegar o óvulo da mãe, o espermatozoide do pai e colocar uma mitocôndria nova, tirada de um doador sem relação com o casal. Assim, a mutação sai de campo e uma mulher doente pode ter uma criança saudável. O bebê resultante tem duas mães e um pai do ponto de vista genético. As características hereditárias, porém, vão vir só dos pais de fato – o casal que participou com seu DNA “não-mitocondrial”. Ou seja: o bebê não vai ter o nariz ou os olhos de quem doou a mitocôndria.
Embora a primeira tentativa só tenha sido aprovada agora pela Human Fertilisation and Embryology Authority (HFEA), o procedimento é permitido por lei desde 2015, após uma decisão histórica do parlamento inglês – foram 280 votos a favor, e só 48 contra. “Famílias que sabem como é cuidar de uma criança com uma doença devastadora é que tem que decidir se uma doação de mitocôndria é a opção certa”, afirmou na época Jeremy Farrar, da Universidade de Newcastle – justamente onde o procedimento será feito. A data e os demais detalhes foram mantidos em sigilo a pedido das pacientes.

13.480 – Genética – Chineses mudam uma única ‘letra’ de DNA – e consertam mutação


dna2
Pesquisadores da Universidade de Sun Yat-sen, na China, curaram parcialmente um embrião com talassemia beta – doença hereditária que tem consequências similares às da anemia – mudando uma única base nitrogenada de seu DNA. As bases são a menor unidade que compõe nosso código genético, representadas pelas letras A, T, G e C. Cada cromossomo contém vários milhões delas, enfileiradas em uma ordem precisa – e várias síndromes são causadas por pequenas alterações nessa ordem.
A técnica de edição de material genético usada desta vez é um pouco diferente do já conhecido CRISPR/Cas9, que também estreou na China, em 2015, e saiu em todos os jornais desde então. Em 2016, os chineses já haviam tentado curar a talassemia usando CRISPR, mas não deu certo – por isso a mudança de estratégia.
Para tornar o experimento possível, o primeiro passo foi pegar células da pele de pessoas que já têm talassemia, retirar o DNA delas e colocá-lo, em laboratório, no lugar do DNA de um óvulo. O óvulo, então, começa a se multiplicar e dá origem a um embrião que, naturalmente, carrega a mutação genética responsável pela doença.
A delicada ‘cirurgia’ no DNA desse embrião é feita com um método similar ao CRISPR/Cas9.
A diferença é que, em vez de cortar fora um pedaço inteiro da sequência e substituí-lo, os chineses alteraram apenas uma letra ‘G’ (a guanina), que em uma pessoa saudável seria um ‘A’ (adenina). Grosso modo, é como a diferença entre copiar e colar uma palavra inteira no Word e corrigir um erro ortográfico mais simples, como ‘Fransa’.
A eficiência da correção de genes, segundo o artigo científico, foi de 23%. Ou seja: na prática, só um quarto do embrião foi curado. Além disso, a técnica às vezes só corrige o ‘erro de digitação’ em uma das duas cópias que temos de cada gene – embriões nessa situação são chamados ‘mosaicos’. Sinal de que o novo método, conhecido pela sigla BE (base editing), ainda precisa ser muito aperfeiçoado.
“É promissor, mas todos os embriões dos quais eles colheram informações eram claramente mosaicos, com algumas células ainda carregando os dois alelos mutantes”, afirmou ao The Guardian o geneticista Robin Lovell-Badge, do Instituto Francis Crick, que não participou do estudo.
É sempre bom lembrar que, além das deficiências técnicas que precisam ser superadas, também há muitas barreiras éticas ao tratamento de embriões de verdade por meio de técnicas de edição de material genético. Afinal, se é possível curar um problema mudando uma única letra do DNA, também é possível causar um problema ainda maior alterando a letra errada por acidente.

13.390 – Engenharia Genética – Google quer liberar 20 milhões de mosquitos nos EUA


mosquitos-transgc3aanicos-nos-eua
A empresa Verily, que pertence ao Google (e até 2015 se chamava Google Life Sciences) pretende soltar 20 milhões de mosquitos em Fresno, cidade de 500 mil habitantes no sul da Califórnia – e, com isso, interromper a disseminação dos vírus da dengue, zika e chikungunya no local. A Califórnia começou a sofrer com esse problema em 2013, quando foram detectados os primeiros mosquitos Aedes aegypti por lá.

Os mosquitos que serão soltos foram criados em laboratório pela Verily, e também são da espécie A. aegypti, mas com uma diferença crucial: eles foram propositalmente infectados com uma bactéria, a Wolbachia pipientis, que os torna estéreis. A ideia é que eles acasalem com as fêmeas de A. aegypti na natureza. Além de não gerar descendentes (já que os mosquitos são inférteis), isso também impediria que os Aedes machos saudáveis se reproduzam – já que as fêmeas estarão ocupadas com os outros mosquitos. Com o tempo, isso levaria à extinção da espécie.
No Brasil, há um projeto similar. Ele é capitaneado pela empresa inglesa Oxitec, que desde 2014 produz mosquitos transgênicos estéreis em Campinas, no interior de São Paulo, e já os utilizou em testes pelo país.

13.388 – Engenharia Genética – Cientistas criam banana transgênica


banana-transgc3aanica
A banana foi desenvolvida pela Universidade de Queensland, na Austrália, e contém 20 vezes mais betacaroteno do que as bananas tradicionais. Essa molécula (naturalmente presente em alimentos como cenoura, espinafre e ervilha) é essencial para o bom funcionameno do corpo humano, pois é transformada pelo organismo em vitamina A. Em crianças pequenas, com menos de cinco anos, a falta de vitamina A é especialmente grave – pois pode prejudicar o sistema imunológico, levando a infecções graves. Acredita-se que, a cada ano, de 600 mil a 750 mil crianças morram por problemas de saúde relacionados à deficiência de vitamina A.
A maioria dos casos acontece na África, em países como Uganda – onde a banana cozida é um elemento central da alimentação. Os cientistas australianos receberam US$ 10 milhões da Fundação Bill & Melina Gates para criar a banana transgênica, que foi batizada de “banana dourada”. Ela é uma banana do tipo Cavendish, o mais comum (inclusive no Brasil) que recebeu genes de outra espécie de banana: a Fe’i, que é nativa de Papua Nova Guiné e conhecida por conter alto teor de betacaroteno.

O resultado do transplante genético foi a banana dourada, que contém muito mais betacaroteno que a Cavendish comum – e, por isso mesmo, é bem mais amarela. Após 12 anos de testes de laboratório e em plantações, os cientistas finalmente chegaram à nova espécie. Ela ainda tem de ser aperfeiçoada, ficando mais resistente e produtiva, para que possa ser cultivada em grande escala na África – o que, segundo os pesquisadores, pode acontecer até 2021. Veja, abaixo, um vídeo da nova banana:

13.279 – Biologia – Variante genética torna moradores de montanhas gregas mais saudáveis


Cientistas identificaram a razão pela qual as pessoas que vivem em aldeias isoladas na Grécia costumam ter uma vida longa e saudável.
Eles encontraram uma nova variante genética, comum entre os moradores, que protege o coração, reduzindo os níveis de gordura “ruim” e colesterol.
Apesar de manter uma dieta rica em gordura animal, a população de Mylopotamos, no norte da ilha de Creta, têm baixas taxas de doenças cardiovasculares. Mesmo apreciando imensamente seus queijos.
Mas o que há de especial nesses vilarejos gregos?
As aldeias isoladas de Zoniana e Anogia estão no alto das montanhas na ilha de Creta.
Poucas pessoas se mudam para dentro ou fora dessas regiões, e seus habitantes são conhecidos por terem uma velhice saudável.
Problemas cardíacos e acidentes vasculares cerebrais são raros, apesar de essas pessoas ingerirem uma quantidade abundante de carne de cordeiro e do queijo local, o cretan.
Além disso, essas vilas realizam um festival do queijo todos os anos.
Trata-se de um tipo de dieta que poderia causar muitas complicações de saúde. Isso porque comer alimentos que contêm gorduras saturadas aumenta o nível de colesterol no sangue. E altos níveis elevados de colesterol de lipoproteína de baixa densidade na corrente sanguínea aumentam as chances de uma doença cardíaca e derrame.
Mas a verdade é que os aldeões têm o nível de diabetes do tipo 2 na mesma taxa que a população grega em geral, e não parecem sofrer das consequências comuns, como a diabetes renal.
Isso é exatamente o que os pesquisadores do Wellcome Trust Sanger Institute, organização britânica que investiga o genoma humano, gostariam de saber.
A pesquisa deles, publicada na publicação científica “Nature Communications”, identificou uma nova variedade genética que tem características que protegem o coração desses indivíduos.
Ela está associada a níveis mais baixos de gorduras naturais “ruins” e colesterol “ruim” –o que é importante para diminuir o risco de doenças cardiovasculares.
A variante parece ser virtualmente única na população das duas aldeias das montanhas gregas. De milhares de europeus que foram submetidos ao sequenciamento do genoma, apenas uma outra pessoa na Itália possui algo similar, disseram os pesquisadores.
Os cientistas sequenciaram o genoma inteiro de 250 moradores desses vilarejos. Isso significa que eles retiraram amostras de sangue, extraíram o DNA –as instruções de funcionamento de cada um de nós, que determinam nossas características– e analisaram uma sequência de três bilhões de letras que compõem o genoma humano.
Em seguida, os pesquisadores usaram os resultados para obter uma visão mais detalhada de mais de 3 mil moradores das aldeias que já haviam sido genotipados (um atalho para a aquisição de informações genéticas).

A IMPORTÂNCIA DA DESCOBERTA
A pesquisa britânica não é um estímulo para que todos saiam consumindo gordura de origem animal livremente, simplesmente porque não temos a mesma variante genética que beneficia essa população grega.
Os cientistas ainda não conseguiram explicar por que essa característica está presente nessas pessoas –se tem relação com a forma como elas vivem, com o ambiente ou seria algo transmitido de geração para geração, por exemplo.
Mas os pesquisadores afirmam que podem usar essa descoberta para identificar quais variantes genéticas desempenham um papel importante na causa de doenças complexas.
Isso pode dar pistas sobre os motivos pelos quais algumas pessoas desenvolvem doenças cardíacas e outras não.
Há estudos similares sendo realizados com outras populações isoladas, como os amish (EUA), os inuit (norte da Gronelândia) e os orkney (Escócia).

13.127 – Genética – Edição de genoma cria porcos resistentes a vírus


super-heroi_-_superpoderes_-_mutacao_genetica_-_history_channel
Uma técnica de edição de genoma produziu porcos que poderiam ser resistentes a um vírus frequentemente fatal que custa aos criadores europeus US$ 1,6 bilhão por ano, disseram pesquisadores.
O processo consiste em cortar uma pequena parte do DNA dos porcos, usando um método conhecido como Crispr-Cas9, de acordo com o estudo publicado na revista “PLOS Pathogens”.
Testes com células dos suínos em laboratório mostraram uma resistência completa a dois subtipos principais da síndrome reprodutiva e respiratória suína (PRRS), uma doença que pode causar pneumonia em porcos jovens e morte fetal em porcas grávidas.
“Testes de laboratório com células de suínos com o gene CD163 modificado confirmaram que esta mudança no DNA do porco bloqueia a capacidade do vírus de causar infecção”, disse o estudo, liderado pelo Instituto Roslin da Universidade de Edimburgo.
O próximo passo é expor os porcos cujos genes foram editados ao vírus, para ver se ficam doentes.
O novo estudo é diferente de pesquisas anteriores que removeram o CD163, porque elimina apenas a seção do gene que interage com o vírus da PRRS.
De acordo com Ian Jones, professor de virologia na Universidade de Reading, a abordagem é uma forma “interessante” de combater um vírus para o qual não existe vacina.
“Os autores removeram parte do receptor do vírus, a porta celular que o vírus usa para iniciar a infecção. Se o vírus não pode entrar, então a doença é prevenida”, disse Jones, que não esteve envolvido no estudo.
“As desvantagens dessa abordagem são que todo o estoque comercial teria de ser criado para incluir essa mutação, o que exige tempo e aceitação do público, e sempre há a preocupação de que o vírus da PRRS mude para usar um receptor diferente e assim ganhar acesso por uma ‘porta de trás'”.
Outros estudos devem “ajudar a resolver se isso é provável ou não”, acrescentou.

12.943 – Gen(ética) – Nova técnica de edição de genes é testada em humanos pela 1ª vez


genetica2
Vimos em outro artigo do ☻Mega a respeito dessa técnica, que agora vai ser testada em seres humanos.

Um grupo de cientistas chineses tornou-se o primeiro a injetar, em um ser humano, células que contêm genes editados com a técnica CRISPR (pronuncia-se “crísper”), segundo a revista científica inglesa “Nature”.
O paciente tem câncer de pulmão, e a esperança é que as células de defesa modificadas combatam o tumor.
Esse sistema de edição de DNA é mais simples e preciso que os métodos tradicionais de manipulação do genoma e, por isso, se transformou na grande vedete das principais publicações científicas recentes.
No dia 28 de outubro, uma equipe da Universidade Sichuan, em Chengdu, fez a aplicação das células modificadas em um paciente com câncer de pulmão agressivo como parte do teste clínico no Hospital West China.
Os pesquisadores primeiro removeram as células de defesa do sangue do paciente e então desligaram um gene nelas usando o CRISPR. A técnica usa uma enzima que funciona como tesoura molecular, cortando o DNA. Um pequeno trecho de RNA (molécula “prima” do DNA) serve como guia, identificando onde o corte preciso tem que ser feito.
Os genes desligados fabricam a proteína PD-1, que normalmente freia a resposta imune da célula ao tumor, que por sua vez se aproveita dessa função para crescer.
A equipe chinesa então expandiu o número dessas células modificadas e as injetou novamente no paciente, que tem metástase de câncer de pulmão. Espera-se que, sem a proteína PD-1, as células editadas vão atacar e vencer o câncer.
O oncologista Lu You, que liderou o trabalho, afirmou à revista “Nature” que o tratamento ocorreu bem e que o paciente deve receber uma segunda injeção. A equipe planeja tratar dez pacientes, que receberão entre duas e quatro infusões das células. Eles serão monitorados por pelo menos seis meses para avaliação de efeitos colaterais.
Outros estudos que usaram células editadas com uma técnica diferente já haviam animado os pesquisadores. O uso do CRISPR provavelmente vai acelerar a corrida para usar células editadas em ensaios clínicos pelo mundo, segundo Carl June, especialista em imunoterapia da Universidade da Pensilvânia.
June também é consultor de um estudo americano que vai usar o CRISPR para selecionar três genes nas células dos voluntários, com o objetivo de tratar vários tipos de câncer. Ele espera que a pesquisa comece em 2017. No mesmo ano, outro grupo chinês espera começar três ensaios clínicos usando a técnica contra tumores de bexiga, próstata e rim.
Naiyer Rizvi, da Universidade Columbia, em Nova York, diz que a tecnologia é promissora, mas questiona o sucesso do estudo chinês, considerando que a técnica não é muito escalável, por ser personalizada. Ele duvida que o tratamento será superior ao dos novos imunoterápicos, que já usam como alvo a proteína PD-1 e têm obtido excelentes resultados.

12.921- Genética – Empresa de biotecnologia quer vender moscas transgênicas no Brasil


A gigante da área de biotecnologia Intrexon, que controla a Oxitec –famosa por causa dos mosquitos aedes transgênicos–, quer trazer mais um inseto geneticamente modificado para o país.
Trata-se de uma versão da mosca-do-mediterrâneo, popularmente conhecida como mosca-da-fruta, não à toa considerada a pior praga para o cultivo de frutas, com prejuízo anual mundial na casa dos US$ 2 bilhões.
A mosquinha transgênica possui um mecanismo de limitação do crescimento semelhante ao do aedes transgênico: seus filhotes não chegam à fase adulta.
A tática é liberar somente os machos nas áreas de cultivo de frutas como manga, uva, acerola, goiaba e laranja (para citar só algumas das 200 espécies afetadas) para que eles encontrem e copulem com as fêmeas selvagens. Como desse encontro não haverá filhotes, o tamanho da população diminui.
A Intrexon está celebrando a inauguração da biofábrica da Oxitec em Piracicaba, com capacidade para produzir 60 milhões de Aedes aegypti semanalmente. Para a produção das moscas-das-frutas modificadas, utiliza-se da mesma tecnologia.
Como a nova fábrica foi montada em apenas cinco meses, o mesmo tipo de planta pode ser facilmente replicado em outras partes do país, como o Vale do São Francisco, na região de Juazeiro, onde os produtores de manga sofrem com a peste.
Por lá já existe a Moscamed, Organização Social que produz insetos estéreis por raios X capazes de limitar o crescimento populacional, tal qual os transgênicos. Essa tecnologia usada ali é mais antiga e já está consolidada.
O problema na região é que não há verba governamental para que insetos possam ser produzidos e liberados, afirma o presidente da Moscamed, Jair Virgínio.
A mosquinha foi terrível na década de 1980, quando arrasou produção de frutas na Califórnia, nos EUA. Na época, houve grande resistência ao uso de inseticidas, pulverizados por helicópteros e aviões. No fim das contas, houve pulverização e posterior controle com o uso de insetos irradiados.
A área atualmente é considerada livre da praga. Mesmo assim, ainda hoje são utilizados insetos irradiados para prevenir o retorno das moscas.
No Brasil, o Vale do São Francisco não é considerado uma região livre da mosca. Lá, as mangas devem passar por um processo “hidrotérmico” para matar eventuais larvas –por afogamento e calor.

mosca-das-frutas

12.795 – Cientistas analisam código genético para regenerar corpo humano


genetica2
Há alguns séculos, a humanidade busca formas de substituir partes do corpo por variados motivos: falhas nos órgãos, deformações congênitas ou amputações.
Agora, cientistas do Laboratório Biológico de MDI, nos EUA, começaram a analisar o DNA de animais que possuem a habilidade de regenerar seus membros, como as salamandras.
“A regeneração de membros nos seres humanos pode parecer ficção científica, mas está dentro do possível”, explica um dos autores do estudo, Voot P. Yin. Graças a essa pesquisa, os especialistas encontraram os reguladores genéticos responsáveis por regenerar extremidades no axolote mexicano, do peixe-zebra indiano e do bichir-de-senegal, espécies que, quando perdem uma parte do seu corpo, geram uma massa de células que faz a regeneração celular e estrutural.
“Não esperávamos que os padrões de expressão genética fossem ser muito diferentes nas três espécies, mas ficamos surpresos em ver que eles eram consistentemente os mesmos”, afirma Benjamin L. King, coautor do estudo. Segundo os pesquisadores, ter encontrado a “assinatura genética” para que esse processo ocorra, sugere que outras espécies, como os seres humanos, poderão ser beneficiadas por esse dom natural.

12.735 – Criança de 2 anos é curada de paralisia cerebral após tratamento com células-tronco


menino-curado-de-paralisia-cerebral
O caso, segundo os médicos, é o primeiro do mundo.
De acordo com informações divulgadas em nota pelo hospital, o menino havia sofrido uma parada cardíaca ainda em 2008. Em consequência disso, ele acabou desenvolvendo danos cerebrais graves que o deixaram em estado vegetativo em com mínimas chances de sobrevivência.
A princípio, os médicos acreditavam que não haviam opções para o garoto, já que não existia nenhum tratamento conhecido para sua condição. Assim, eles começaram a pesquisar terapias alternativas.
Então, com a ajuda dos pais, que pesquisaram na literatura médica novos tratamentos, eles se abriram para a possibilidade da utilização do sangue do cordão umbilical da criança, que tivera sido congelado após o nascimento.
Logo, nove semanas após o acidente cerebral, em janeiro de 2009, os médicos iniciaram o tratamento com células-tronco, retiradas do cordão umbilical congelado, e injetadas via intravenosa. Todo o tratamento e progresso foram registrados pelos médicos. Apenas dois meses do início do tratamento, o menino já era capaz de falar frases simples e se mover. Eventualmente, cerca de 40 meses depois, ele já conseguia comer sozinho, andar e a formar frases curtas.
“Nossos resultados, juntamente com os de um estudo coreano, dissipam as dúvidas de longa data sobre a eficácia do novo tratamento”, disse o médico do caso, Dr. Arne Jensen, da área ginecológica do hospital.
Atualmente, o tratamento ainda está em andamento na clínica. A expectativa, segundo os relatores do caso reportado pela revista Transplantation, é que novos progressos sejam observados no garoto.
Os estudos com células-tronco (ou estaminais) já são velhos conhecidos da ciência. Esse tipo de célula é capaz de regenerar, no caso de L.B, o tecido cerebral danificado. Em estudos anteriores realizados com animais, pesquisadores revelaram que as células estaminais, dentro de apenas 24 horas após a administração, foram capazes de migrar para a área danificada do cérebro em grandes quantidades.

12.700 – Ciência – Quando o homem julga ser Deus


poeira_cosmica_580
Os últimos 300 anos marcaram a história da humanidade pelo desenvolvimento científico-tecnológico. Todo esse desenvolvimento trouxe inúmeros benefícios ao homem, mas trouxe também dilemas éticos.
Recriar a origem da matéria
Em 2014, a NASA se propôs a recriar as origens da matéria e, para isso, construiu uma câmara de vácuo absoluto com temperaturas extremas, nas quais era possível o surgimento de poeira estelar. Como resultado, foi possível criar alguns grãos de elétrons observáveis através por microscópios.
Dominar o clima
Geoengenharia é a ciência que estuda os meios de manipulação do clima através da tecnologia. Um de seus projetos é eliminar o dióxido de carbono e a radiação solar, manipulando tecnologicamente os processos ambientais. Os cientistas definem o projeto como “manipulação intencional do clima planetário em grande escala para combater o aquecimento global”.

Manipulação genética de insetos
Pesquisadores da Universidade da Califórnia Irvine manipularam geneticamente o mosquito que transmite a malária para que ele rejeitasse a bactéria. Caso bem-sucedida, esta técnica poderia ser usada com outros insetos que transmitem doenças às plantas, aos animais domésticos e a seres humanos. Mas essa intervenção genética poderia trazer consequências trágicas, como a criação de uma doença mais perigosa.

Produção de seres alienígenas
Outro momento crítico de “brincar” de Deus foi na criação de um ser vivo com DNA diferente da vida na Terra. Os cientistas adicionaram um pedaço extra de DNA a um micro-organismo, criado a partir de uma bactéria E.coli.

Criar vida artificial
Em 2010, a revista Science publicou um artigo que detalha como o Dr. Craig Venter e sua equipe conseguiram criar vida sintética a partir de substâncias químicas. Para isso, os cientistas copiaram o DNA de uma pequena bactéria e o reproduziram em uma célula esvaziada artificialmente.

12.674 – Células tronco revertem envelhecimento


fibroblastos-20110609-original2
Cientistas franceses conseguiram recuperar a juventude de células de doadores centenários, ao reprogramá-las ao estágio de células-tronco, demonstrando assim que o processo de envelhecimento é reversível. Trabalhos sobre a possibilidade de apagar as marcas do envelhecimento celular, publicados na edição desta terça-feira da revista especializada Genes & Development, marcam uma nova etapa na direção da medicina regenerativa com vistas a corrigir uma patologia, ressaltou Jean-Marc Lemaitre, do Instituto de Genômica Funcional (Inserm/CNRS/Université de Montpellier), encarregado destas pesquisas. Saiba mais CÉLULAS-TRONCO Também chamadas de células-mãe, podem se transformar em qualquer um dos tipos de células do corpo humano e dar origens a outros tecidos, como ossos, nervos, músculos e sangue. Dada essa versatilidade, vêm sendo testadas na regeneração de tecidos e órgãos de pessoas doentes. CÉLULA-TRONCO EMBRIONÁRIA Formada no blastocisto, aglomerado de células que forma o feto. Por ter o ‘objetivo’ de ajudar na criação e desenvolvimento de um novo organismo, pode se diferenciar em praticamente todos os tecidos do corpo. CÉLULA-TRONCO PLURIPOTENTE INDUZIDA Célula adulta especializada que foi reprogramada geneticamente para o estágio de célula-tronco embrionária. Pode se transformar em qualquer tecido do corpo. Segundo um cientista do Inserm, outro resultado importante destes trabalhos é compreender melhor o envelhecimento e corrigir seus aspectos patológicos. As células idosas foram reprogramadas in vitro em células-tronco pluripotentes iPSC (sigla em inglês para células-tronco pluripotentes induzidas – veja quadro ao lado) e, com isso, recuperaram a juventude e as características das células-tronco embrionárias (hESC). Estas células podem se diferenciar dando origem a células de todos os tipos (neurônios, células cardíacas, da pele, do fígado…) após a terapia da “juventude” aplicada pelos cientistas. Desde 2007 os cientistas demonstraram ser capazes de reprogramar as células adultas humanas em células-tronco pluripotentes (iPSC), cujas propriedades são semelhantes às das células-tronco embrionárias. Esta reprogramação a partir de células adultas evita as críticas ao uso de células-tronco extraídas de embriões. Até agora, a reprogramação de células adultas tinha um limite, a senescência, última etapa do envelhecimento celular. A equipe de Jean-Marc Lemaitre acaba de superar este limite. Os cientistas primeiro multiplicaram células da pele (fibroblastos) de um doador de 74 anos para alcançar a senescência, caracterizada pela suspensão da proliferação celular. Em seguida, eles fizeram a reprogramação in vitro destas células. Como isto não foi possível com base em quatro fatores genéticos clássicos de transcrição (OCT4, SOX2, C MYC e KLF4), eles adicionaram outros dois (NANOG e LIN28). Graças a este novo ‘coquetel’ de seis ingredientes genéticos, as células senescentes reprogramadas recuperaram as características das células-tronco pluripotentes de tipo embrionário, sem conservar vestígios de seu envelhecimento anterior. “Os marcadores de idade das células foram apagados e as células-tronco iPSC que nós obtivemos podem produzir células funcionais, de todos os tipos, com capacidade de proliferação e longevidade aumentadas”, explicou Jean-Marc Lemaitre. Os cientistas em seguida testaram com sucesso seu coquetel em células mais envelhecidas, de 92, 94, 96 até 101 anos. “A idade das células não é definitivamente uma barreira para a reprogramação”, concluíram. Estes trabalhos abrem o caminho para o uso de células reprogramadas iPS como fonte ideal de células adultas toleradas pelo sistema imunológico para reparar órgãos ou tecidos em pacientes idosos, acrescentou o cientista.

12.661- Turbinagem de célula de defesa cura doença autoimune em roedores


turbinagem celula
Uma nova técnica de turbinagem de células fora do organismo pode ser a cura de doenças autoimunes, condição em que o organismo é atacado pelo próprio sistema imunológico.
A novidade está em um estudo realizado na Universidade da Pensilvânia (EUA) e publicado recentemente pela revista científica “Science”.
Nas doenças autoimunes, as células de defesa passam a reconhecer componentes do próprio organismo como patógenos e atacá-los. Os tratamentos atuais requerem supressão de toda a imunidade, deixando o organismo suscetível a infecções.
O estudo foi baseado em uma doença chamada pênfigo vulgar, que causa bolhas na pele e nas mucosas (como boca e garganta), e que pode levar à morte. No Brasil, existe um tipo de pênfigo, conhecido como “fogo selvagem”.
Os pênfigos são doenças causadas pela alteração de um subgrupo de linfócitos B que, durante a condição, produzem anticorpos contra uma proteína que funciona como “cola”, a desmogleína. A consequência é o descolamento de porções da pele, fazendo com que apareçam as bolhas.
Com a nova técnica proposta, os pesquisadores reprogramam um grupo de linfócitos T para que eles reconheçam e eliminem especificamente as células B anormais. Dessa forma, o sistema imunológico passa a corrigir suas próprias falhas.
O tratamento para pacientes com doenças autoimunes ainda deve demorar para ser aplicado na prática. No estudo, a técnica foi testada apenas em camundongos.
“Nossa próxima meta é usar essa tecnologia para curar o pênfigo em cachorros”, diz uma das autoras da pesquisa, Aimee Payne. Poucos animais, além dos humanos, desenvolvem a doença.
“Se nós pudermos tratar e potencialmente curar esses cães, será um importante avanço na medicina veterinária, e também irá encorajar médicos e pacientes a fazerem testes clínicos dessa promissora técnica”, afirma.
Payne diz que, caso a tecnologia se mostre eficaz, poderá ser utilizada como tratamento para qualquer doença autoimune mediada por anticorpos. Ela cita como exemplos a miastenia grave (fadiga acelerada nos músculos) e a neuromielite óptica (inflamação do nervo óptico).
O mecanismo de “turbinagem” se assemelha à uma novas propostas de tratamento de câncer.

12.654 – Estudo descobre “genes zumbis” que são ativados após a morte


Um estudo inovador revelou a existência de “genes zumbis” que se mantêm com vida dentro do corpo humano até quatro dias após a morte.
A pesquisa foi realizada por cientistas norte-americanos, com o objetivo de descobrir o que acontece com o organismo quando morremos.
“O que é impressionante é que os genes do desenvolvimento se ativam depois do falecimento”, afirmou o microbiologista Peter Noble, da Universidade de Washington, nos EUA. Segundo sua pesquisa, a atividade dos genes e proteínas de peixes-zebra se acelera após a morte – e até nas células dos seus músculos, há genes que se ativam horas depois do óbito para reanimar o organismo.
Noble conseguiu perceber que os genes do desenvolvimento que formam um embrião e depois morrem são os que se reativam assim que o corpo deixa de funcionar. Essa descoberta pode ser um grande avanço para compreender como funciona a vida.
Já sua equipe descobriu que alguns dos genes que se ativam após a morte estão relacionados com o desenvolvimento do câncer, o que poderá explicar por que, às vezes, o transplante de órgãos cadavéricos pode produzir tumores malignos. E, graças a essa descoberta, será possível determinar com precisão se um órgão é bom ou não para ser transplantado.

12.621 – A Ciência da Imortalidade


-DNA
Há quem faça operações plásticas, quem tome antioxidantes e quem diminua a ingestão de calorias com o fito de rejuvenescer ou viver mais anos. Mas há quem vá ainda mais longe.
Considerando o envelhecimento como uma doença com tratamento e não como um processo natural, Aubrey de Grey sugere que as pessoas, atingindo uma determinada idade, sejam submetidas à inativação completa da telomerase. Como muitos cancros possuem telomerase activa, a sua inactivação permitiria prevenir os cancros.
No entanto, essa inativação iria impedir que as células estaminais se dividissem. Para evitar essa perda irreversível, o cientista propõe a administração regular de células estaminais como forma de tratamento. A solução, na sua opinião, iria promover um equilíbrio entre a telomerase e as células estaminais.
Já o cientista Ray Kurzweil acredita que a imortalidade será uma realidade daqui a 20 anos, graças ao conhecimento dos genes e à tecnologia informática, que permitirá ao ser humano reprogramar o seu organismo. O norte-americano crê mesmo que a nanotecnologia nos permitirá viver para sempre.
A verdade é que vários estudos sugerem que o potencial máximo de vida humana será de 120 anos, mesmo que consigamos combater as doenças, os acidentes, os homicídios e todas as causas de morte. O corpo humano parece condenado ao fim.
Há quem vá ainda mais longe e esteja disposto a gastar fortunas para se fazer congelar depois da morte, na esperança de que possa ser ressuscitado um dia. Outros pensam que os moribundos poderiam ser conservados num estado de hipotermia, colocando o seu metabolismo au ralenti, de modo a aumentar as hipóteses de sobrevivência no futuro. Perguntar-se-á: se a hibernação pode adiar a morte, a congelação poderá vencê-la?
Mesmo que fosse possível reprogramar o nosso corpo, será eticamente aceitável? Quantos poderiam beneficiar destes tratamentos, potencialmente muito dispendiosos? Que programas de saúde teriam de ser suspensos de modo a serem canalizados fundos para estas investigações e tratamentos? Poderá a ciência prolongar indefinidamente a vida humana, substituindo as peças avariadas por peças artificiais construídas em laboratório? Afinal, para onde caminha a investigação científica? Ficam as questões.
Impressão de órgãos 3D
Ao longo dos anos, a impressão 3D tem evoluído em diversos aspectos e atualmente é usada em inúmeras aplicações interessantes. Imprimir pizza e chocolate pode ser realmente incrível, mas a criação de órgãos vivos em impressoras 3D é algo completamente diferente. Como funciona? Essa aplicação específica da tecnologia de impressão 3D é chamada de bioimpressão e utiliza o tipo mais caro e avançado de máquina desse tipo já criada – isso porque a bioimpressão imprime, literalmente, células vivas. O método tem alguns pontos em comum com a impressão 3D comum, exceto pelo fato de que a estrutura do órgão desejado é impresso utilizando proteínas e, em seguida, os espaços são preenchidos com células-tronco que vão crescer e ocupar as lacunas. Para conseguir essa espécie de “tinta biológica” que alimenta a impressora 3D, cientistas colhem células humanas a partir de biópsias ou de células-tronco e, em seguida, permitem que elas se multipliquem numa placa de Petri (os conhecidos “pratinhos de vidro dos laboratórios”). Os médicos esperam que, quando colocadas no corpo, essas células impressas interajam com os tecidos já existentes.

Impacto na expectativa de vida do ser humano
Fígados e rins artificiais simples já foram criados usando a bioimpressão, mas os cientistas ainda têm um longo caminho a percorrer antes que eles fiquem bons o suficiente para substituir os órgãos originais. Porém, o progresso nessa área tem se mostrado assustadoramente rápido. Mas como isso poderia levar à vida eterna? Se você faz parte do grupo de pessoas que acredita que a mortalidade humana está relacionada simplesmente a deterioração dos órgãos ao longo do tempo, então a resposta é igualmente simples: substitua seus órgãos conforme eles se aproximam do colapso e você viverá para sempre. Seu cérebro pode ficar senil, mas seu corpo continuará firme e saudável. É claro que o discurso é muito mais fácil do que a prática. Para que isso se torne realidade é preciso reaplicar cada componente do corpo, incluindo ossos, pele, gordura e artérias. Mas logicamente falando, isso pode funcionar.

Sangue novo

Nos livros e filmes sempre ouvimos falar do “elixir da vida”. Mas e se essa fórmula mágica fosse nada mais do que o sangue da juventude? Calma. Não estamos falando de vampiros que precisam tomar sangue de jovens para manter sua vida eterna. De acordo com resultados de pesquisas realizadas no início do ano passado, o sangue jovem pode parar – ou até mesmo reverter – o processo de envelhecimento. Como funciona? A “mágica” acontece por meio de uma técnica antiga: a transfusão de sangue. O procedimento pode parecer algo extremamente simples, mas o resultado pode ser milagroso. Em 2005, cientistas demonstraram que o sangue de ratos jovens ajudava a regenerar tecidos musculares de ratos mais velhos em testes em laboratório. Mas em 2014, descobriram que ratos tratados com uma proteína isolada do sangue jovem demonstraram cognição e resistência melhoradas, além de uma significativa melhora no funcionamento de seus órgãos após transfusões de sangue. Essa foi a primeira demonstração de um fator de rejuvenescimento produzida naturalmente. O efeito surpreendente acontece graças a uma proteína conhecida por GDF11, que regula a atividade de células estaminais. Ratos jovens possuem essa célula em abundância, mas a sua presença vai diminuindo gradualmente com a idade, mas ninguém sabe ao certo por que isso acontece. Impacto na expectativa de vida do ser humano A pesquisa nessa área ainda está engatinhando, mas os resultados até agora são notáveis o suficiente para que os cientistas fiquem esperançosos, mas cautelosos. Muitos concordam que a GDF11 tem grande potencial terapêutico, mas é preciso ter cuidado até que se descubra mais sobre o mecanismo dessa proteína. Ainda assim, a equipe de Harvard responsável pela pesquisa antecipa que os testes clínicos de terapia em humanos utilizando a GDF11 podem começar dentro de um período de 3 a 5 anos, enquanto rumores apontam que a companhia já começou a preparar pequenos testes de transfusão de plasma em pacientes com Alzheimer. O GDF11 pode não ser a resposta oficial para a juventude eterna, mas um estudo mais aprofundado pode desbloquear novas descobertas sobre mecanismos de envelhecimento humano e como eles podem ser interrompidos ou até mesmo revertidos. Afinal, o que é a imortalidade se não a interrupção da deterioração orgânica?

Terapia genética
Uma pergunta interessante em relação à vida dos seres vivos é: por que os ratos têm uma vida útil de dois anos, canários vivem cerca de 15 anos, enquanto os morcegos podem viver até 50 anos? Qual é a grande diferença entre eles? De acordo com a bioquímica Cynthia Kenyon, o fator de diferenciação está escondido nos genes desses animais – e isso sugere que o envelhecimento é determinado (ou pelo menos influenciado) por um ou mais genes. Acompanhando essa linha de pensamento podemos acreditar que os cientistas devem encontrar os genes do envelhecimento e “desligá-los”. Esse tipo de modificação genética é chamado de “terapia genética”. Como funciona? A terapia genética pode ser descrita como algo que abrange qualquer estratégia de introdução de material genético com o intuito de modificar o curso de uma doença. Essa ainda é uma área ainda incipiente da medicina, praticada especialmente nos laboratórios de pesquisa fundamental, e sua aplicação ainda é estritamente experimental. Por meio de experimentações realizadas em lombrigas, a bioquímica Cynthia Kenyon descobriu que sua vida útil mais do que duplicou quando um determinado gene foi danificado: o gene DAF-2. Esse gene é responsável por controlar a integridade dos receptores de DAF-2 nas células, que, por sua vez, são responsáveis pela recepção de uma proteína chamada Fator de Crescimento semelhante à insulina tipo 1 (ou simplesmente IGF-1). O IGF-1 é um hormônio que influencia o crescimento na infância e o envelhecimento e o ato de danificar esse receptor significa interferir no processo de envelhecimento. Há uma sutil ressalva que precisa ser feita aqui: as lombrigas mutantes não viveram o dobro do tempo. Em vez disso, elas envelheceram mais vagarosamente. Ou seja, o envelhecimento do verme em 10 dias não foi o mesmo que o de uma lombriga normal; em vez disso, ela teve um envelhecimento correspondente ao de 5 dias de uma lombriga normal. Impacto na expectativa de vida do ser humano Algo realmente interessante sobre todo esse conceito é que não há evidências que sugiram que os seres humanos não estão isentos. Pesquisas realizadas com um grupo de judeus Ashkenazi mostraram que um número significante de pessoas que viveu até os 100 anos de idade ou mais possuíam mutações no gene DAF-2 que tornaram o hormônio IGF-1 menos “potente”. Ainda estamos longe de atingir a imortalidade com a ajuda da terapia genética, mas se os cientistas conseguirem descobrir os principais genes envolvidos no processo de envelhecimento e manipulá-los da maneira correta, é perfeitamente possível que os seres humanos superem o fenômeno do envelhecimento.

Reparação dos telômeros
Um elemento importante no envelhecimento celular é algo chamado “encurtamento de telômeros”. O teômero é uma espécie de contador da divisão celular que protege o organismo contra divisões fora de controle, como acontece no câncer. A presença dos telômeros impede que a extremidade de um cromossomo entre em fusão com outro. Quando uma célula se divide, seu DNA é replicado perfeitamente de ponta a ponta. Devido a isso, as cadeias de DNA (cromossomos) são encurtadas cada vez que a célula sofre uma divisão. Isso significa que eles vão sendo encurtados ao longo da vida até perderem sua funcionalidade e o resultado desse processo é o envelhecimento, pois células com telômeros encurtados acabam morrendo ou ficando mais vulneráveis a instabilidades genéticas. Basicamente, a preservação dos telômeros reduz o ritmo do envelhecimento Como funciona? A boa notícia é que as células jovens têm uma enzima chamada telomerase, que tem como função adicionar sequências específicas e repetitivas de DNA à extremidade dos cromossomos, onde se encontra o telômero. Porém, a telomerase é finita, o que significa que quando uma célula se divide várias vezes, já não há telomerase capaz de retardar o fim do telômero que se encurta cada vez mais. No entanto, pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford criaram um novo procedimento capaz de prolongar artificialmente os telômeros. “O processo envolve a utilização do ácido ribonucleico (ARN) modificado, que carrega instruções dos genes para máquinas de fabricação de proteínas da célula. O ARN específico utilizado pelos pesquisadores continha TERT, proteína que está envolvida na telomerase. Essa pesquisa recém-descoberta não só poderia ajudar a expandir o tempo de vida, mas também ajudar em uma variedade de doenças que afetam milhares de pessoas”. Impacto na expectativa de vida do ser humano Até agora, essa é apenas uma solução de curto prazo que causa um rápido aumento no crescimento dos telômeros durante 48 horas. Em seguida, a telomerase se esgota e os telômeros começam a se encurtar novamente. Se isso puder ser aplicado por tempo indefinido, há chances de que o processo de envelhecimento seja interrompido. A adulteração do encurtamento dos telômeros envolve alguns riscos. Isso porque se a divisão celular acontecer muito mais rápido do que a morte celular, é possível obter muito mais células do que o pretendido, o que poderia causar câncer.

Remédio antienvelhecimento

Imagine como seria ótimo (ou não) tomar apenas algumas pílulas por dia e se tornar imortal? As indústrias farmacêutica e de saúde já estão procurando maneiras de tornar esse sonho realidade. Uma das empresas envolvidas nisso é a Calico, criada pelo Google com o objetivo de criar tecnologias para tratar questões do envelhecimento e prolongar a vida dos seres humanos. Como funciona? Um fármaco chamado Sirolimus, também conhecido como rapamicina, originalmente é utilizado pela medicina como imunossupressor (para fins como transplantes de órgão), mas pesquisas recentes apontaram que seu uso pode ajudar a estender a expectativa de vida em vermes, camundongos e leveduras. O problema é que o Sirolimus tem muitos efeitos colaterais negativos, portanto nunca foi considerada uma solução ideal. No entanto, ele impulsionou a quantidade de pesquisas relacionadas a medicamentos antienvelhecimento e acabou levando a descoberta da substância Everolimus. Pesquisadores relataram que o Everolimus reverteu parcialmente a deterioração da imunidade que ocorre com o avanço da idade. O envelhecimento do sistema imunológico é uma das principais causas de doenças e mortes. É por isso que pessoas mais velhas são mais suscetíveis a infecções e possuem uma resposta fraca a vacinas. Impacto na expectativa de vida do ser humano Ainda é muito cedo para dizer se essas drogas podem ser refinadas e transformadas em algo capaz de proporcionar juventude eterna. Muitos estudos relacionado ao assunto demonstraram apenas um pequeno aumento no tempo de vida, até cerca de 14%. O interessante sobre esses fármacos é que os pesquisadores estão começando a dominar esse campo. Se os medicamentos descobertos até hoje já mostraram que podem causar impactos sobre a vida, imagine o que os compostos ainda não descobertos poderão fazer? Mais investimento financeiro nessa área poderia resultar em descobertas de novas drogas.

Transferência mental
Essa ideia ficou no final da lista, pois até o momento ela é pouco mais do que uma simples hipótese. Transferência mental diz respeito a noção de upload da sua consciência e memórias para um computador. Em outras palavras, significa que uma pessoa pode transformar sua personalidade, memória e essência em dados de computador. Como funciona? Atualmente, há dois métodos propostos para transformar esse conceito em algo real. O primeiro é o método de “cópia e transferência”, que envolve a digitalização e o mapeamento perfeito de todo o seu cérebro, até o último elétron, e, em seguida, a replicação desses dados em um dispositivo computacional. Essa é a forma mais “popular” de transferência mental. O segundo método é conhecido como “substituição gradual” que, como o próprio nome já diz, visa substituir gradualmente cada neurônio do seu cérebro por algo não biológico. A introdução gradual de sistemas não biológicos em nossos corpos e cérebros é apenas mais um exemplo da contínua rotatividade das peças que compõem o ser humano. Isso não deve afetar a nossa identidade mais do que a substituição natural de nossas células biológicas faz atualmente. De acordo com esse método, no futuro nossos pensamentos estarão, literalmente, na nuvem. Impacto na expectativa de vida do ser humano Para que isso seja possível, o computador precisa ser potente o suficiente para simular um cérebro humano real com a mesma velocidade de processamento de informações. Essa não é uma ideia tão absurda, considerando que o cérebro humano é apenas uma série de impulsos elétricos, mas chegar a uma “réplica computadorizada” é a parte mais difícil. Porém, se isso acontecer, alcançar a vida eterna será mais fácil. Dados são imateriais, por isso mesmo a unidade física que mantém “sua mente” gravada se deteriora. Com esses dados gravados seria possível passar essas informações de unidade para unidade conforme ela fosse se deteriorando. E se os dados da sua mente se tornarem imortais, então sua consciência também se tornaria. Atualmente, existem cerca de 10 mil laboratórios de neurociências em todo o mundo trabalhando em pesquisas relacionadas ao mapeamento cerebral e às conexões entre mente e máquina. É evidente que esse assunto gera muita polêmica e envolve uma série de questões filosóficas e éticas muito difíceis de resolver. Nós ainda seríamos considerados humanos após passar por procedimentos desse tipo? No caso da clonagem, qual deles seria o verdadeiro você? Se os cientistas vão conseguir descobrir o segredo da vida eterna, nós não sabemos. Mas fato é que a cada ano estamos fazendo avanços impressionantes que juntos podem resultar em algo incrível (e talvez assustador).

transferencia mental

12.618 – Experimentos usam células-tronco para criar animais com órgãos humanos


Criar porcos com órgãos humanos. Este é o objetivo de um grupo de cientistas do Instituto Salk para Estudos Biológicos, sediado na Califórnia, que atua num nascente e promissor campo que reúne modernas técnicas de edição genética e células-tronco. A ideia é sedutora, com potencial para acabar com as filas de transplante, mas enfrenta uma série de dilemas éticos. No fim do ano passado, o Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês) dos EUA suspendeu a concessão de novos financiamentos para experimentos que envolvam a injeção de células-tronco humanas pluripotentes (capazes de gerar qualquer tipo de tecido) em embriões de animais em estágio inicial. Mas estudos com financiamento privado prosseguem, a legislação só proíbe que a gestação seja completa.

Em comunicado sobre a decisão, o NIH destacou que trata-se de uma “área excitante da ciência que está em rápido progresso, mas que merece considerações sobre ética e bem-estar dos animais”. Além da questão sobre o possível uso de animais para fabricar órgãos, o maior temor é com a humanização, ou seja, que o animal resultante do experimento tenha características humanas, desde um simples pelo até um maior poder cognitivo.

Nos laboratórios do Instituto Salk, Jun Wu é um dos coautores de estudo publicado na “Nature” no ano passado que comprovou a possibilidade de cultivar células humanas em embriões de camundongos. Os pesquisadores desenvolveram um novo tipo de célula-tronco, batizada como rsPSC, criada a partir de qualquer célula adulta do doador. Dessa forma, será possível produzir órgãos e tecidos para transplante sem riscos de rejeição, caso os experimentos sejam bem-sucedidos. Atualmente, a equipe trabalha com porcos.

— Estamos tentando gerar órgãos e tecidos humanos funcionais usando um porco como hospedeiro. Usamos tecnologias de edição genética para desabilitar genes no embrião que são chave para o desenvolvimento de órgãos nos porcos e células-tronco humanas para “resgatar” essa deficiência, criando um porco com órgãos humanos — contou Wu. — Nós acreditamos que uma fazenda de órgãos será viável no futuro próximo. Agora existem alguns desafios técnicos , como a eficácia e a escolha do gene correto para modificar no porco, mas achamos que isso será rapidamente superado com o avanço nos campos da edição genética e de células-tronco.

CONSEQUÊNCIAS DESCONHECIDAS
Após a preparação, o embrião é implantado no útero de uma porca hospedeira, para dar início à gestação. O desenvolvimento é interrompido ainda nas primeiras semanas, mas os pesquisadores esperam ser possível observar sinais de órgãos formados por células humanas.
O procedimento de inserção de células humanas em embriões de animais é conhecido como quimerismo, em referência à figura mítica grega de uma besta cuspidora de fogo com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente. Na ficção, a hibridização de humanos com animais foi explorada por H. G. Wells, em “A ilha do dr. Moreau”. Para Wu, essas fantasias alimentam o temor sobre o futuro dessas tecnologias.
Além do Instituto Salk, pesquisas nessa linha estão sendo realizadas em Stanford e na Universidade de Minnesota. Estimativas apontam que ao menos 20 gestações de quimeras foram realizadas nos EUA no ano passado, mas os resultados ainda não foram publicados. Em carta publicada na revista “Science” em novembro, 11 pesquisadores, a maioria de Stanford, pediram pelo fim da moratória imposta pelo NIH. Além da possibilidade de cultivar órgãos humanos em animais, estudos com quimeras podem abrir portas para outras aplicações, como o cultivo de “órgãos em miniatura” para estudar o avanço de doenças in vivo, ou para modelos de testes de novas drogas, garantindo maior segurança antes dos testes clínicos.
O brasileiro Alysson Muotri, da Universidade da Califórnia em San Diego, é um dos pioneiros na produção de quimeras. Em 2005, ele provou que neurônios humanos derivados de células-tronco pluripotentes desenvolvidos em embriões de camundongos podem ser funcionais. Seus experimentos usaram embriões em estágio avançado, com a injeção das células-tronco na região do cérebro do feto — diferente dos estudos atuais, que usam embriões em estágios iniciais, nos quais a contribuição humana pode acontecer em qualquer região do organismo.
O pesquisador ressalta a importância desse tipo de abordagem científica. A sua descoberta, por exemplo, abriu caminho para uma série de pesquisas que estão em fase de ensaio clínico para novos tratamentos médicos. Mesmo assim, ele concorda com a moratória imposta pelo NIH.
A polêmica em torno da produção de quimeras usando embriões de animais em estágio inicial ainda não chegou ao Brasil. De acordo com a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), ligada ao Conselho Nacional de Saúde, ainda não foram submetidos pedidos de análise de projetos que tratem do assunto. Mas com o avanço dos estudos nos EUA e em outros países, é provável que a discussão chegue ao país em breve.

12.617 – Cientistas criam novo tipo de célula-tronco com apenas meio genoma


celulanature
Foi gerado pela primeira vez um tipo de célula-tronco embrionária que carrega uma única cópia do genoma humano, e não as costumeiras duas, um desdobramento que poderia levar ao avanço da pesquisa sobre edição genética, rastreio genético e medicina regenerativa.
Derivada do óvulo feminino, as células-tronco geradas pelos cientistas são as primeiras células humanas conhecidas capazes de divisão celular com apenas uma cópia do genoma da célula do progenitor, de acordo com um estudo publicado  no periódico “Nature”.
Espera-se que a descoberta reduza a complexidade para se identificar anormalidades genéticas, o que poderia levar a uma melhor compreensão de muitas doenças, afirmaram os pesquisadores.
Células humanas são consideradas diploides porque elas herdam dois conjuntos de cromossomos, 23 da mãe e 23 do pai. As células reprodutivas do óvulo e do esperma são conhecidas como haploides pois elas contém um único conjunto de cromossomos. Elas não podem se dividir para gerar mais óvulos e esperma.
“O que é fundamentalmente novo é que nós temos células que podem se dividir e se renovar com um único genoma. Isso é simplesmente sem precedentes”, declarou Dieter Egli, do Centro Médico da Universidade de Columbia em Nova York, autor do estudo junto com Nissim Benvenisty, da Universidade de Jerusalém.
Os pesquisadores, incluindo cientistas da Fundação de Células-Tronco de Nova York, identificaram células-tronco haploides capazes de se transformar em muitos outros tipos de célula, como células nervosas, do coração e pancreáticas, mantendo ao mesmo tempo um único conjunto de cromossomos.