9577 – Espionagem – Tem Alguém te Vigiando


Basic RGB

Você pode estar tendo seus e-mails rastreados, seus telefonemas grampeados e sua conta bancária investigada. Depois de tudo isso, se uma mínima sombra de suspeita pairar sobre você, ainda há a possibilidade de detenção sem motivo aparente. E, se você tiver o azar de ser imigrante, a deportação para seu país de origem é apenas uma questão de tempo.
Um pesadelo totalitário, não? Mas que pode virar realidade em muitos países – a começar pelos Estados Unidos, bastião das liberdades individuais no Ocidente. Desde os atentados terroristas de 11 de setembro, as autoridades americanas estão lançando várias novidades para vigiar e rastrear qualquer suspeito de algum ato de terror.
Muitos desses mecanismos de vigilância já existiam para uso restrito e com rigorosa observância da lei e de medidas judiciais. Mas agora começarão a ser utilizados de maneira generalizada, graças a um pacote de medidas que o governo do presidente George W. Bush conseguiu que fosse aprovado pelos congressistas – uma contrapartida doméstica à guerra americana travada contra o terrorismo no Afeganistão.

Está prevista a intensificação do uso do Carnivore, ferramenta que rastreia e-mails. Vários provedores americanos de internet já possuem sistemas de vigilância instalados pelo FBI para detectar correspondências eletrônicas com palavras normalmente usadas por terroristas.

Telefonia
Além da possibilidade do grampo telefônico sem ordem judicial, já existe o Echelon, sistema utilizado pela Nasa que intercepta e processa informações internacionais via satélite. Com estações em países de língua inglesa que mantêm convênio com os Estados Unidos, pode rastrear telefonemas, e-mails, faxes e pagers. Outro mecanismo, ainda em estudo, é o E911, que possibilita à polícia e aos bombeiros a localização dos celulares em caso de emergência.

Correio
Medidas de segurança foram incorporadas aos serviços de correio desde as primeiras descobertas de cartas com a bactéria anthrax. O medo de uma contaminação em massa via caixa postal está tornando o correio mais vagaroso. Contas bancárias O pacote antiterror implantado nos Estados Unidos aumenta o poder das autoridades no indiciamento e na interceptação de transações financeiras de suspeitos de bancar ações terroristas. Informações pessoais nos bancos, antes com privacidade resguardada, poderão ser devassadas pelos órgãos de investigação.

Direito de ir e vir
O nó aperta principalmente em relação aos imigrantes e cidadãos não naturalizados, que podem ser detidos sem justificativa por período indeterminado. A deportação dos suspeitos também será facilitada.

Identidade
Logo após os ataques terroristas, o presidente George W. Bush acenou com a possibilidade de criar uma carteira de identidade para os americanos – até hoje eles não precisavam carregar documentos, e isso era visto como uma conquista. Outros países, como Inglaterra e Canadá, que também não contam com esse recurso de identificação, estão repensando seus critérios.

8942 – Espionagem – A Agência Central de Inteligência (CIA)


CIA

CIA é a sigla em inglês para Agência Central de Inteligência, e tem como missão coletar, avaliar e distribuir informações que sejam de uso da administração norte-americana na tomada de decisões sobre segurança nacional. Ela também pode se engajar em ações secretas, a pedido do presidente, mas não lhe é permitido espionar as atividades domésticas dos americanos ou participar de assassinatos, apesar de já ter sido acusada de tais atos.
Nos EUA, as primeiras agências formais e organizadas não surgiriam antes dos anos 1880, quando são instituídos o Escritório da Inteligência Naval e a Divisão de Inteligência Militar do Exército. Por volta da Primeira Guerra Mundial, foi criada a Divisão de Investigação, precursora do FBI. A estrutura da inteligência continuou através de várias reestruturações.

Em 1947, o Presidente Harry Truman assina o Ato de Segurança Nacional, que criou a CIA. Apesar de a agência ter um histórico de envolvimento em falhas e escândalos de espionagem, o governo ainda depende muito desta para fornecer inteligência e segurança nacional.

A CIA responde tanto ao poder executivo como ao legislativo. Por muitos anos, a principal missão da agência era proteger os Estados Unidos contra o comunismo e a União Soviética durante a Guerra Fria. Atualmente, a agência tem um trabalho bem mais complexo: proteger os Estados Unidos das ameaças terroristas de todo o globo terrestre. A CIA está dividida em quatro equipes diferentes, cada uma com suas responsabilidades:

Serviço Secreto Nacional (National Clandestine Service)
Nele que atuam os chamados “espiões”, funcionários do NCS que, sob disfarce, coletam inteligência estrangeira (ou humana). Seus funcionários são pessoas com bom nível educacional, falam outros idiomas, gostam de trabalhar com pessoas de todo o mundo e podem se adaptar a qualquer situação, incluindo as que envolvem riscos. Familiares e amigos dessas pessoas jamais chegam a saber exatamente o que os funcionários do serviço secreto fazem.

Diretório de Ciência e Tecnologia
Tal equipe atrai os interessados em ciência e engenharia, sendo responsável pela coleta inteligência pública ou de fonte aberta (informação vinda da TV, no rádio, revistas ou jornais, fotografia eletrônica e de satélite).

Diretório de Inteligência
A informação recolhida pelas duas outras equipes é entregue ao Diretório de Inteligência, responsável por interpretar a informação e fazer relatórios sobre esta. Seus membros devem ter excelentes habilidades analíticas e de escrita, segurança na apresentação de informações para grupos e ter a capacidade de lidar com a pressão de prazos.

Diretório de Apoio
Equipe que fornece apoio para o resto da organização, além de lidar com contratações e treinamento. É a área dos especialistas em um determinado campo, como um artista ou funcionário de finanças, generalistas, com muitos talentos diferentes.

8754 – Mega Byte – Facebook, Google e Microsoft se encontram com políticos brasileiros para discutir espionagem


Representantes de gigantes da tecnologia e internet como Google, Facebook, Microsoft e Twitter vão se reunir na próxima quinta-feira com representantes da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) para discutir o impacto da rede de espionagem internacional do governo dos Estados Unidos no Brasil. A audiência, requerida pelo presidente da comissão, o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), tem como objetivo abrir as investigações sobre o papel dessas companhias no monitoramento de dados no país, como e-mails e ligações telefônicas.
Entre os representantes das empresas estão Bruno Magrani, gerente de relações governamentais do Facebook Brasil; Marcel Leonardi, diretor de políticas públicas do Google Brasil; Guilherme Ribenboim, diretor-geral do Twitter no Brasil; e Alexandre Esper, diretor-geral jurídico e de relações institucionais da Microsoft Brasil.

Na semana passada, a CRE ouviu o jornalista Glenn Greenwald, do jornal britânico The Guardian, responsável pelas matérias que revelaram a rede de espionagem. Ele reafirmou que o governo dos Estados Unidos monitora comunicações eletrônicas dentro e fora do país, com a justificativa de combater o terrorismo e garantir a segurança nacional. O objetivo, entretanto, de acordo com o jornalista, seria obter informações privilegiadas sobre acordos econômicos, estratégias políticas e competitividade industrial de outros países.

Durante a audiência pública, Greenwald disse aos parlamentares que as agências de inteligência americanas têm a capacidade de acessar todo o conteúdo das comunicações eletrônicas, como e-mails ou mensagens instantâneas. “O governo dos EUA quer eliminar a privacidade de todo o mundo”, disse o repórter na ocasião. As informações divulgadas foram obtidas com a ajuda do americano Edward Snowden, o ex-técnico da CIA responsável pelo vazamento de informações que trouxe à tona os programas secretos de vigilância do governo Obama que obteve asilo político na Rússia.
A reunião começa logo após a votação das emendas da CRE à Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014, marcada para as 10 horas.

Cronologia da Espionagem
O jornal britânico The Guardian revela que a Agência de Segurança Nacional americana (NSA, na sigla em inglês) teve acesso a dados de telefonemas de milhões de usuários da Verizon, uma das maiores companhias telefônicas dos Estados Unidos.
Os jornais The Guardian e Washington Post revelam que governo americano tem acesso direto aos servidores centrais de nove das maiores empresas de internet americanas: Microsoft, Yahoo!, Google, Facebook, YouTube, Skype, Apple, AOL, PalTalk. A inteligência americana pode consultar áudios, vídeos, fotografias, conteúdos de e-mails, arquivos transferidos e conexões dos usuários.
Barack Obama defende interceptações telefônicas para combater o terrorismo e diz que governo não tem acesso ao conteúdo dos telefonemas. “Ninguém está ouvindo suas ligações”, afirma.
Em entrevista ao Guardian, Edward Snowden admite ter vazado as informações sobre os programas secretos e diz que está em Hong Kong desde meados de maio. Snowden foi técnico da CIA e, nos últimos meses, trabalhou como consultor da NSA em um escritório no Havaí.
O jornal The Guardian revela informações sobre outro programa secreto de vigilância. Chamado XKeyscore, programa permite aos analistas da NSA vasculharem, sem autorização prévia, bases de dados contendo e-mails, chats on-line e históricos de milhões de pessoas.

8616 – Tem Boi na Linha – Espionagem dos EUA pela internet


Eles estão de olho em nós…!

Em junho de 2013, o profissional de informática da CIA, Edward Snowden, declarou em entrevista ao jornal South China Morning Post, que os EUA mantinha programa de vigilância digital para espionar a China e Hong Kong. Snowden era técnico da CIA e consultor da NSA , Agência de Segurança Nacional. Porém, as denúncias de espionagem norte-americana começaram a vazar em outros países.
Os programas de espionagem dos EUA permitiam consultar registros de usuários de mídias sociais, recolher informações on-line e até telefônicas. Aos 29 anos de idade, o profissional de informática passou a viver quase refugiado entre Hong Kong e o aeroporto de Moscou após ser considerado um “foragido” da justiça dos EUA. Snowden pediu asilo político a diferentes países, sendo convidado a se exilar na Venezuela pelo governo de Caracas.
Snowden comprovou suas acusações em documentos que comprovam atos de invasão por parte da NSA em computadores de Hong Kong, abrangendo mais de 60.000 operações de ciberataques. No dia 11 de julho de 2013, a FIDH (Federação Internacional dos Direitos Humanos) e a LDH (Liga de Direitos Humanos) anunciaram denúncias sobre invasão dos EUA nos sistemas da França, a Promotoria de Paris ficou encarregada de investigar os cinco possíveis delitos cometidos pelos EUA, incluindo atentado voluntário à intimidade da vida privada e pela captação de dados pessoais de forma fraudulenta, desleal e ilícita.
As invasões visavam servir a NSA e o FBI, incluindo os sistemas das principais empresas digitais dos EUA: Microsoft, Yahoo!, Google, Facebook, YouTube, AOL, Apple e Skype. Na América do Sul, o Brasil foi o primeiro a se declarar publicamente sobre possíveis invasões e recolhimento de informações sigilosas de internautas brasileiros, incluindo o grampo telefônico de representações do Brasil em Washington ,levando a questão para a ONU (Organização das Nações Unidas).
Segundo matéria publicada no jornal O Globo, a NSA também implementou atividades de espionagem digital na Colômbia, México, Argentina, Equador, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, Paraguai, Chile, Peru e El Salvador, além do Brasil. Todos os países exigiram explicações dos EUA. Para cada país ou grupo de países, o objetivo de espionagem seriam para interesses militares e para fortalecimento da política antiterror norte-americana.

7836 – A Nova Arma do Império


James Bond já era. A novidade agora é o robô voador GoldenEye. Miniaviões de espionagem não são novidade: aeromodelos com câmera embutida foram usados nas guerras do Iraque e do Afeganistão. A diferença é que o GoldenEye faz uma coisa que os outros não conseguem: fica parado no céu, só espionando o inimigo.
Aeronaves que fazem isso, como helicópteros, costumam ser relativamente lentas. Seriam alvos fáceis para a artilharia no pega-pra-capar de uma guerra. Mas o GoldenEye não. Na hora de voltar para a base, ele sai da posição vertical, em que fica estacionado no ar, e começa a voar na horizontal, como um avião. Desse jeito, ele chega a 300 km/h – quase o dobro da velocidade de um helicóptero.
Outra coisa que ajuda a despistar é o seu tamanho, pequeno até para o padrão dos aviões de espionagem: 1,70m e 68 quilos.
A cara tosca do bichinho faz qualquer um duvidar de que ele dê conta do serviço. Mas os testes com o GoldenEye, tocados pela empresa Aurora Flight Sciences, que constrói diversas naves espiãs para a Força Aérea dos EUA, têm dado certo. A idéia é que ele esteja pronto para ser usado já no ano que vem. Mais uma arma para Bush “defender a democracia no mundo”.

7228 – Conflitos – A Espionagem


Um grupo de agentes secretos de primeira linha do governo americano se reuniu num hotel de Washington para discutir o futuro da categoria. Preocupados com uma ameaça de cortes de verba pela Central Intelligence Agency (CIA), eles chegaram à conclusão de que pelo menos 20% dos profissionais da área correm risco de demissão. A saída para eles é se transferirem para a iniciativa privada. O que não é um mau negócio. As agências de detetives dos Estados Unidos recebem, em média, cerca de 900 pedidos de informações comerciais por mês. E o mercado está em franco crescimento.
Longe dos governos, o espião não é mais aquele. Seu inimigo prioritário não é o comunismo, é a empresa concorrente. Mesmo assim, ele ainda ainda tem um quê de 007. É superequipado e enfrenta uma contra-espionagem eficiente. E a sua rotina de trabalho continua bem arriscada.
A bisbilhotagem oficial também não acabou. Nem vai acabar. Apesar das ameaças, os Estados Unidos continuam gastando com espionagem cerca de 16 bilhões de dólares por ano, segundo um estudo de Steven Aftergood, da Federação de Cientistas Americanos, uma organização independente. Mas, com o encerramento da guerra fria, o fim da União Soviética e o desmoronamento dos regimes comunistas do Leste Europeu, a aplicação do dinheiro tomou outros rumos. Hoje, apenas 40% dele é destinado a xeretar a atividade dos russos, que já chegou a atrair quase 70% do total.
A aviação militar cubana derrubou dois aviões do grupo Irmãos para o Resgate (IR), que ajuda exilados cubanos em Miami. A queda dos aparelhos, que teriam invadido o espaço aéreo de Cuba, trouxe à tona mais um caso de espionagem internacional, envolvendo o suposto agente duplo Juan Pablo Roque. Ex-piloto militar cubano, Roque vivia nos Estados Unidos desde 1992 e trabalhava para o IR. No dia seguinte à queda dos aviões, ele deu entrevista à rede de TV americana CNN. Só que estava em Cuba, e dizendo que havia prevenido o FBI sobre o ataque. O FBI desmentiu, mas admitiu ter-lhe pago 6 700 dólares por informações sobre o IR. Depois disso, Roque desapareceu. Vá entender para quem ele trabalhava.
Embora ainda não tenha tido um desfecho, o caso mostra que o mundo continua cheio de gente que espiona por motivos políticos. Mas o que mais cresce é o mercado das outras modalidades de espionagem. “Nossa sociedade está cada vez mais centrada na informação. Todos espionam todos”, diz Harold Keith Melton, historiador militar americano especializado em espionagem. Escolas de detetives formam bisbilhoteiros de quinta categoria no mundo inteiro. Em geral, eles oferecem seus préstimos a gente desconfiada da fidelidade da cara-metade.
Eles ficaram com as maiores emoções (e a melhor tecnologia) da profissão. Os chamados espiões industriais vivem nas spy shops dos Estados Unidos. Nessas lojas eles encontram desde microfones disfarçados em canetas até detectores de bombas, passando por manuais antiguerrilha e carros blindados. No Brasil, coisas assim são menos comuns. Mas não é difícil achar, nas casas especializadas em produtos elétricos e eletrônicos, o famoso grampo, aparelho usado para interceptar ligações telefônicas. Basta chegar e pedir um gravador de entrevistas por telefone. Custa algo em torno de 100 reais.
A Associação Brasileira de Empresas de Vigilância e Segurança estima que as 500 maiores companhias instaladas no Brasil perdem até 17 bilhões de reais por ano em conseqüência de espionagem. Por isso, elas gastam cada vez mais em contra-espionagem. Até o começo desta década, o investimento em assessoria e equipamentos para tapar o buraco da fechadura não chegava a 20 milhões de reais ao ano. Hoje está perto dos 50 milhões. Nos Estados Unidos gasta-se quarenta vezes mais. Segundo conta Lucas Blanco, diretor de Desenvolvimento e Operações da Ensec, a maior empresa privada de sistemas de segurança do país, que tem entre seus clientes ninguém menos que a Casa da Moeda, isso ocorre porque lá quem tem um sistema de segurança eficiente pode ganhar, entre outras coisas, descontos no seguro.
Apesar de todo o cuidado, no entanto, os americanos se sentem ameaçados.“Empresas e governos estrangeiros economizam fortunas roubando projetos em fase final de desenvolvimento nos EUA”, diz o escritor Keith Melton. “A China envia estudantes para nossas universidades e algumas vezes eles voltam com produtos e idéias. Para a França, os próprios agentes de inteligência oficiais fazem o serviço.”

Invasão de Privacidade – Você está sendo vigiado


Cada vez, um número maior de pessoas vão saber mais sobre as outras e sua vida. Pouca gente tem consciência do volume de informações que o Estado, o sistema financeiro, o mercado e os patrões têm armazenado a respeito do indivíduo. Primeiro é o cartório de registro civil onde ficam arquivados os nomes dos pais e avós. Só para pagamentos de pensões a DATAPREV processava há 10 anos mensalmente os prontuários de 14 milhões de pessoas. O envolvimento em qualquer ato anti-social ficará documentado nos prontuários judiciários. Criado para atender as necessidades do Ministério da Fazenda, hoje o SERPRO atinge outras áreas do Governo Federal. Desenvolveu o RENAVAN (Registro Nacional de Veículos Automotores) uma ponte entre os DETRANS de 18 estados, tudo isso, disponível na tela do micro de qualquer delegacia. Em 1989, um repórter conseguiu ter acesso aos extratos do cartão de crédito do então Vice-Presidente dos EUA Dan Quayle. O monitoramento eletrônico diário de uma pessoa pode começar no momento em que acorda com o registro do serviço de despertador, nos computadores da Cia. Telefônica local prossegue durante o dia, com as consultas ao SPC ou ao telecheque quando fazem compras. Tais informações, quando analisadas em conjunto contam a vida de cada um em seus aspectos íntimos.
Você está sendo vigiado – Como o governo segue o cidadão
Ao nascer: a criança ainda está na maternidade quando é cadastrada no cartório de registro civil, e para os pais receberem o auxílio-natalidade, nos arquivos do INSS.
Na infância: Programas de amparo á infância, creches, rede pública de ensino, qualquer contato com os serviços públicos é a oportunidade de novo cadastramento.
Na juventude: Título eleitoral, carteira de motorista, cédula de identidade, serviço militar, carteira de trabalho. Aos 18 anos o Estado já tem as informações básicas.
Adulto: Cada ligação no celular feita e recebida é registrada e gravada na Cia. Telefônica. Por meio do CPF pode-se rastrear qualquer operação econômica.
Na Velhice: A previdência social processa todo o mês, 14 milhões de cadastros para pagamento de aposentadoria e auxílios por acidente e doença.