8942 – Espionagem – A Agência Central de Inteligência (CIA)


CIA

CIA é a sigla em inglês para Agência Central de Inteligência, e tem como missão coletar, avaliar e distribuir informações que sejam de uso da administração norte-americana na tomada de decisões sobre segurança nacional. Ela também pode se engajar em ações secretas, a pedido do presidente, mas não lhe é permitido espionar as atividades domésticas dos americanos ou participar de assassinatos, apesar de já ter sido acusada de tais atos.
Nos EUA, as primeiras agências formais e organizadas não surgiriam antes dos anos 1880, quando são instituídos o Escritório da Inteligência Naval e a Divisão de Inteligência Militar do Exército. Por volta da Primeira Guerra Mundial, foi criada a Divisão de Investigação, precursora do FBI. A estrutura da inteligência continuou através de várias reestruturações.

Em 1947, o Presidente Harry Truman assina o Ato de Segurança Nacional, que criou a CIA. Apesar de a agência ter um histórico de envolvimento em falhas e escândalos de espionagem, o governo ainda depende muito desta para fornecer inteligência e segurança nacional.

A CIA responde tanto ao poder executivo como ao legislativo. Por muitos anos, a principal missão da agência era proteger os Estados Unidos contra o comunismo e a União Soviética durante a Guerra Fria. Atualmente, a agência tem um trabalho bem mais complexo: proteger os Estados Unidos das ameaças terroristas de todo o globo terrestre. A CIA está dividida em quatro equipes diferentes, cada uma com suas responsabilidades:

Serviço Secreto Nacional (National Clandestine Service)
Nele que atuam os chamados “espiões”, funcionários do NCS que, sob disfarce, coletam inteligência estrangeira (ou humana). Seus funcionários são pessoas com bom nível educacional, falam outros idiomas, gostam de trabalhar com pessoas de todo o mundo e podem se adaptar a qualquer situação, incluindo as que envolvem riscos. Familiares e amigos dessas pessoas jamais chegam a saber exatamente o que os funcionários do serviço secreto fazem.

Diretório de Ciência e Tecnologia
Tal equipe atrai os interessados em ciência e engenharia, sendo responsável pela coleta inteligência pública ou de fonte aberta (informação vinda da TV, no rádio, revistas ou jornais, fotografia eletrônica e de satélite).

Diretório de Inteligência
A informação recolhida pelas duas outras equipes é entregue ao Diretório de Inteligência, responsável por interpretar a informação e fazer relatórios sobre esta. Seus membros devem ter excelentes habilidades analíticas e de escrita, segurança na apresentação de informações para grupos e ter a capacidade de lidar com a pressão de prazos.

Diretório de Apoio
Equipe que fornece apoio para o resto da organização, além de lidar com contratações e treinamento. É a área dos especialistas em um determinado campo, como um artista ou funcionário de finanças, generalistas, com muitos talentos diferentes.

8616 – Tem Boi na Linha – Espionagem dos EUA pela internet


Eles estão de olho em nós…!

Em junho de 2013, o profissional de informática da CIA, Edward Snowden, declarou em entrevista ao jornal South China Morning Post, que os EUA mantinha programa de vigilância digital para espionar a China e Hong Kong. Snowden era técnico da CIA e consultor da NSA , Agência de Segurança Nacional. Porém, as denúncias de espionagem norte-americana começaram a vazar em outros países.
Os programas de espionagem dos EUA permitiam consultar registros de usuários de mídias sociais, recolher informações on-line e até telefônicas. Aos 29 anos de idade, o profissional de informática passou a viver quase refugiado entre Hong Kong e o aeroporto de Moscou após ser considerado um “foragido” da justiça dos EUA. Snowden pediu asilo político a diferentes países, sendo convidado a se exilar na Venezuela pelo governo de Caracas.
Snowden comprovou suas acusações em documentos que comprovam atos de invasão por parte da NSA em computadores de Hong Kong, abrangendo mais de 60.000 operações de ciberataques. No dia 11 de julho de 2013, a FIDH (Federação Internacional dos Direitos Humanos) e a LDH (Liga de Direitos Humanos) anunciaram denúncias sobre invasão dos EUA nos sistemas da França, a Promotoria de Paris ficou encarregada de investigar os cinco possíveis delitos cometidos pelos EUA, incluindo atentado voluntário à intimidade da vida privada e pela captação de dados pessoais de forma fraudulenta, desleal e ilícita.
As invasões visavam servir a NSA e o FBI, incluindo os sistemas das principais empresas digitais dos EUA: Microsoft, Yahoo!, Google, Facebook, YouTube, AOL, Apple e Skype. Na América do Sul, o Brasil foi o primeiro a se declarar publicamente sobre possíveis invasões e recolhimento de informações sigilosas de internautas brasileiros, incluindo o grampo telefônico de representações do Brasil em Washington ,levando a questão para a ONU (Organização das Nações Unidas).
Segundo matéria publicada no jornal O Globo, a NSA também implementou atividades de espionagem digital na Colômbia, México, Argentina, Equador, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Honduras, Paraguai, Chile, Peru e El Salvador, além do Brasil. Todos os países exigiram explicações dos EUA. Para cada país ou grupo de países, o objetivo de espionagem seriam para interesses militares e para fortalecimento da política antiterror norte-americana.