13.150 – Espiritismo – Por que a Bíblia proíbe invocar os mortos?


espiritismo e biblia
O que diz os evangélicos:

A Bíblia é o livro, dentre outros, que nos dá a história do espiritismo. Em Êxodo ela mostra que os antigos egípcios foram praticantes de fenômenos espíritas, quando os magos foram chamados por Faraó para repetir os milagres operados por Moisés. Quando Moisés apareceu diante desse monarca com a divina incumbência de tirar o povo de Israel da escravidão egípcia, os magos repetiram alguns dos milagres de Moisés (Êx 7.10-12, 8.18).
Mais tarde, já nas portas de Canaã, Deus advertiu o povo de Israel contra os perigos do ocultismo. A mediunidade, por exemplo, era uma prática abominável aos seus olhos (Dt 18.9-12). O castigo para quem desobedecesse aos mandamentos de Deus nesse particular era a morte:
“Quando, pois, algum homem ou mulher em si tiver um espírito de necromancia ou espírito de adivinhação, certamente morrerá; serão apedrejados; o seu sangue será sobre eles”. (ACF) (Lv 20.27, ver também Êx 22.18).
A Bíblia também indica que as pessoas com ligações com espíritos familiares e feiticeiras são amaldiçoadas por Deus:
“Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o SENHOR”. (ACF) (Lv 19.31). Portanto, invocar espíritos é uma prática condenada na Bíblia.

O que diz o Espiritismo
O Espiritismo não tem nada a ver com adivinhação, feitiçaria ou encantamento. Quem prega essas coisas, atribuindo-as ao Espiritismo, age por ingenuidade, ignorância ou por absoluta má-fé
O Espiritismo não impõe os seus princípios. Convida os interessados em conhecê-los, a submeter os seus ensinos ao crivo da razão, antes do aceitá-los.
A mediunidade, que permite a comunicação dos Espíritos com os homens, é uma faculdade que muitas pessoas trazem consigo ao nascer independentemente da religião ou da diretriz doutrinária de vida que adote.
Afirmar que Deus proíbe a comunicação com mortos, como fazem os evangélicos, é DESCONHECER as Escrituras.
A proibição feita por Moisés tinha a sua razão de ser, porque o legislador hebreu queria que o seu povo rompesse com todos os hábitos trazidos do Egito e de entre os quais o de que tratamos era objeto de abusos.
Não se evocava então os mortos pelo respeito e afeição tributados a eles, nem com sentimento de piedade, mas, sim, como meio de adivinhar, como objeto de tráfico vergonhoso, explorado pelo charlatanismo e pela superstição;
nessas condições, Moisés teve razão de proibi-lo.
Se ele pronunciou contra esse abuso uma penalidade severa, é que eram precisos meios rigorosos para conter esse povo indisciplinado; também quanto à pena de morte, era pródiga a sua legislação.
Havia na lei moisaica duas partes:
1ª, a lei de Deus, resumida nas tábuas do Sinai; lei que foi conservada porque é divina, e o Cristo não fez mais que desenvolvê-la;

2ª, a lei civil ou disciplinar, apropriada aos costumes do tempo, e que o Cristo aboliu.

Hebreus 8 : 13 – Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer.
Exemplos de leis disciplinares de Moisés que Cristo aboliu:

Levítico 24 : 17, 19, 20

17 – Quem matar alguém será morto.

19 – Se alguém causar defeito em seu próximo, como ele fez, assim lhe será feito:

20 – fratura por fratura, olho por olho, dente por dente; como ele tiver desfigurado a algum homem, assim se lhe fará.

Mateus 5 : 38 – 40

38 – Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente.

39 – Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra;

40 – e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa.
Levítico 20 : 10 – Se um homem adulterar com a mulher do seu próximo, será morto o adúltero e a adúltera.

João 8 : 3 – 11

3 – Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério e, fazendo-a ficar de pé no meio de todos,

4 – disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério.

5 – E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes?

6 – Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo.

7 – Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.

8 – E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão.
9 – Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava.
10 – Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?
11 – Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.

12.920 – Religião – O Dogmatismo


McFarlane em seu artigo intitulado “A vida equilibrada: conciliando fé pessoal e vida prática” definiu o Dogmatismo como “a crença de que o conteúdo da fé é feito de afirmações que não podem ser alteradas”.
E justamente devido a Bíblia constituir um grande exemplo de dogmatismo, discorrendo sobre verdades absolutas que se tornaram conhecidas do senso comum, que foram traduzidas em quase todos os idiomas do globo (salvo raríssimos dialetos e culturas muitíssimo restritas do ponto de vista linguístico), afirmando por exemplo a certeza de que Jesus Cristo é o Messias, que veio à terra para expiar os pecados da humanidade; que encontramos atualmente farto material que analisa este conceito do ponto de vista cristão.
O nome vem do termo grego dogma, que significa opinião. Esta opinião não deve ser entendida em seu sentido comum, como uma afirmação impensada; podemos definir as opiniões de um filósofo como sua doutrina, ou seja, afirmações que se referem a princípios através dos quais é possível alcançar verdade e conhecimento absolutos. Já na filosofia, é o pensamento contrário ao ceticismo, que questiona a possibilidade de conhecimento total da verdade. É uma espécie de fundamentalismo intelectual, onde se expressam verdades que não são sujeitas a revisão ou crítica. Foi a posição assumida por vários filósofos ao longo da história da filosofia”.
O texto ainda apresenta Aristóteles como uma referencia de filósofo dogmático, cujas idéias eram aceitas pelos que tinham acesso a elas, e cita também o reflexivo Platão como dogmático; e exemplifica os pensadores Descartes e Kant como opostos a postura dogmática.
O dogmatismo é estabelecido na religião a partir do momento em que fiéis nas escrituras sagradas a reconheceram como revelação de Deus, através de diversos dogmas, e igrejas foram organizadas, num ambiente onde não há dúvida sobre a veracidade da existência de Deus, sobre a santíssima trindade, sobre a ressurreição de Jesus, entre outros dogmas.
Para os cristãos, uma passagem bíblica marcante do ponto de vista da certeza, está reproduzida a seguir:
“Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (João 8:31-36)

12.829 – Religião – Dogmas da Igreja Católica


Igreja Bieolo
Igreja na Bielorrússia

Na Igreja Católica Romana, um dogma é uma verdade revelada sobre a Fé.Absoluta, definitiva, imutável, infalível, inquestionável e absolutamente segura sobre a qual não pode pairar nenhuma dúvida.
Os dogmas têm estas características porque os católicos romanos confiam que um dogma é uma verdade que está contida, implicita ou explicitamente, na imutável Revelação divina ou que tem com ela uma “conexão necessária”. Para que estas verdades se tornem em dogmas, elas precisam ser propostas pela Igreja Católica diretamente à sua fé e à sua doutrina, através de uma definição solene e infalível pelo Supremo Magistério da Igreja (Papa ou Concílio ecuménico com o Papa e do posterior ensinamento destas pelo Magistério ordinário da Igreja. Para que tal proclamação ou clarificação solene aconteça, são necessárias duas condições:
o sentido deve estar suficientemente manifestado como sendo uma autêntica verdade revelada por Deus;
a verdade ou doutrina em causa deve ser proposta e definida solenemente pela Igreja como sendo uma verdade revelada e uma parte integrante da fé católica .
Mas, “a definição dos dogmas ao longo da his­tó­­ria da Igreja não quer dizer que tais ver­dades só tardiamente tenham sido re­veladas, mas que se tornaram mais cla­ras e úteis para a Igreja na sua progres­são na fé”. Por isso, a definição gradual dos dogmas não é contraditória com a crença católica de que a Revelação divina é inalterável, definitiva e imutável desde a ascensão de Jesus.

Os mais importantes dog­mas, que tratam de assuntos como a Santíssima Trindade e Jesus Cristo, “fo­ram definidos nos primeiros concílios ecuménicos; o Concílio Vaticano I foi o último a definir verdades dogmá­ti­cas (primado e infalibilidade do Papa)”. As definições de dogmas “mais recentes estão a da Imaculada Conceição […] (1854) e da Assunção de Nossa Senhora

Dogmas sobre Deus
A Existência de Deus: “A ideia de Deus não é inata em nós, mas temos a capacidade para conhecê-lo com facilidade, e de certo modo espontaneamente por meio de Sua obra.”
A Existência de Deus como Objeto de Fé: “A existência de Deus não é apenas objeto do conhecimento da razão natural, mas também é objeto da fé sobrenatural.”
A Unidade de Deus: “Não existe mais que um único Deus.”
Deus é Eterno: “Deus não tem princípio nem fim.”
Santíssima Trindade: “Em Deus há três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo; e cada uma delas possui a essência divina que é numericamente a mesma.”

Dogmas sobre Jesus Cristo
Jesus Cristo é verdadeiro Deus e filho de Deus por essência, sendo chamado em Isaías como “Deus Conosco” (Emanuel): “O dogma diz que Jesus Cristo possui a infinita natureza divina com todas suas infinitas perfeições, por haver sido engendrado eternamente por Deus.”
Jesus possui duas naturezas que não se transformam nem se misturam: “Cristo é possuidor de uma íntegra natureza divina e de uma íntegra natureza humana: a prova está nos milagres e no padecimento.”
Cada uma das naturezas em Cristo possui uma própria vontade física e uma própria operação física: “Existem também duas vontades físicas e duas operações físicas de modo indivisível, de modo que não seja conversível, de modo inseparável e de modo não confuso.”
Jesus Cristo, ainda que homem, é Filho natural de Deus: “O Pai celestial quando chegou a plenitude, enviou aos homens seu Filho, Jesus Cristo.”
Cristo imolou-se a si mesmo na cruz como verdadeiro e próprio sacrifício: “Cristo, por sua natureza humana, era ao mesmo tempo sacerdote e oferenda, mas por sua natureza Divina, juntamente com o Pai e o Espírito Santo, era o que recebia o sacrifício.”
Cristo nos resgatou e reconciliou com Deus por meio do sacrifício de sua morte na cruz: “Jesus Cristo quis oferecer-se a si mesmo a Deus Pai, como sacrifício apresentado sobre a ara da cruz em sua morte, para conseguir para eles o eterno perdão.”
Ao terceiro dia depois de sua morte, Cristo ressuscitou glorioso dentre os mortos: “ao terceiro dia, ressuscitado por sua própria virtude, se levantou do sepulcro.”
Cristo subiu em corpo e alma aos céus e está sentado à direita de Deus Pai: “ressuscitou dentre os mortos e subiu ao céu em Corpo e Alma.”

Dogmas sobre a criação do mundo
Tudo o que existe foi criado por Deus a partir do Nada: “A criação do mundo do nada, não apenas é uma verdade fundamental da revelação cristã, mas também que ao mesmo tempo chega a alcançá-la a razão com apenas suas forças naturais, baseando-se nos argumentos cosmológicos e sobretudo na argumento da contingência.”
Caráter temporal do mundo: “O mundo teve princípio no tempo.”
Conservação do mundo: “Deus conserva na existência a todas as coisas criadas.”

Dogmas sobre o ser humano
O homem é formado por corpo material e alma espiritual: “O humano como comum constituída de corpo e alma.”
O pecado de Adão se propaga a todos seus descendentes por geração, não por imitação: “Pecado, que é morte da alma, se propaga de Adão a todos seus descendentes por geração e não por imitação, e que é inerente a cada indivíduo.”
O homem caído não pode redimir-se a si próprio: “Somente um ato livre por parte do amor divino poderia restaurar a ordem sobrenatural, destruída pelo pecado.”

Dogmas marianos
A Imaculada Conceição de Maria: “A Santíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, foi por singular graça e privilégio de Deus omnipotente em previsão dos méritos de Cristo Jesus, Salvador do gênero humano, preservada imune de toda mancha de culpa original.”
A Virgindade Perpétua de Maria: “A Santíssima Virgem Maria é virgem antes, durante e depois do parto de seu Divino Filho, sendo mantida assim por Deus até a sua gloriosa Assunção.”
Maria, Mãe de Deus: “Maria, como uma virgem perpétua, gerara a Cristo segundo a natureza humana, mas quem dela nasce, ou seja, o sujeito nascido não tem uma natureza humana, mas sim o suposto divino que a sustenta, ou seja, o Verbo. Daí que o Filho de Maria é propriamente o Verbo que subsiste na natureza humana; então Maria é verdadeira Mãe de Deus, posto que o Verbo é Deus. Cristo: Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem.”
A Assunção de Maria: “A Virgem Maria foi assunta ao céu imediatamente depois que acabou sua vida terrena; seu Corpo não sofreu nenhuma corrupção como sucederá com todos os homens que ressuscitarão até o final dos tempos, passando pela decomposição.”

Dogmas sobre o Papa e a Igreja
A Igreja foi fundada pelo Deus e Homem, Jesus Cristo: “Cristo fundou a Igreja, que Ele estabeleceu os fundamentos substanciais da mesma, no tocante a doutrina, culto e constituição.”
Cristo constituiu o Apóstolo São Pedro como primeiro entre os Apóstolos e como cabeça visível de toda Igreja, conferindo-lhe imediata e pessoalmente o primado da jurisdição: “O Romano Pontífice é o sucessor do bem-aventurado Pedro e tem o primado sobre todo rebanho.”
O Papa possui o pleno e supremo poder de jurisdição sobre toda Igreja, não somente em coisas de fé e costumes, mas também na disciplina e governo da Igreja: “Conforme esta declaração, o poder do Papa é: de jurisdição, universal, supremo, pleno, ordinário, episcopal, imediato.”
O Papa é infalível sempre que se pronuncia ex cathedra: Sujeito da infalibilidade papal é todo o Papa legítimo, em sua qualidade de sucessor de Pedro e não outras pessoas ou organismos (ex.: congregações pontificais) a quem o Papa confere parte de sua autoridade magistral.”
A Igreja é infalível quando faz definição em matéria de fé e costumes.

Dogmas sobre os sacramentos
O Batismo é verdadeiro Sacramento instituído por Jesus Cristo: “Foi dado todo poder no céu e na terra; ide então e ensinai todas as pessoas, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”
A Confirmação é verdadeiro e próprio Sacramento: “Este Sacramento concede aos batizados a fortaleza do Espírito Santo para que se consolidem interiormente em sua vida sobrenatural e confessem exteriormente com valentia sua fé em Jesus Cristo.”
A Igreja recebeu de Cristo o poder de perdoar os pecados cometidos após o Batismo: “Foi comunicada aos Apóstolos e a seus legítimos sucessores o poder de perdoar e de reter os pecados para reconciliar aos fiéis caídos depois do Batismo.”
A Confissão Sacramental dos pecados está prescrita por Direito Divino e é necessária para a salvação: “Basta indicar a culpa da consciência apenas aos sacerdotes mediante confissão secreta.”
A Eucaristia é verdadeiro Sacramento instituído por Cristo: “Aquele que come Minha Carne e bebe Meu Sangue tem a vida eterna.”
Cristo está presente no sacramento do altar pela transubstanciação de toda a substância do pão em seu corpo e toda substância do vinho em seu sangue.
A Unção dos enfermos é verdadeiro e próprio Sacramento instituído por Cristo: “Existe algum enfermo entre nós? Façamos a unção do mesmo em nome do Senhor.”
Ordem é verdadeiro e próprio Sacramento instituído por Cristo: “Existe uma hierarquia instituída por ordenação Divina, que consta de Bispos, Presbíteros e Diáconos.”
O matrimónio é verdadeiro e próprio Sacramento: “Cristo restaurou o matrimónio instituído e bendito por Deus, fazendo que recobrasse seu primitivo ideal da unidade e indissolubilidade e elevando-o a dignidade de Sacramento.”

Dogmas sobre as últimas coisas
A Morte e sua origem: “A morte, na atual ordem de salvação, é consequência primitiva do pecado.”
O Céu (Paraíso): “As almas dos justos que no instante da morte se acham livres de toda culpa e pena de pecado entram no céu.”
O Inferno: “O inferno é uma possibilidade graças a nossa liberdade. Deus nos fez livres para amá-lo ou para rejeitá-lo. Se o céu pode ser representado como onde todos vivem em plena comunhão entre si e com Deus, o inferno pode ser visto como solidão, divisão e ausência do amor que gera e mantém a vida. Deve-se salientar que a vontade de Deus é a vida e não a morte de quem quer que seja. Jesus veio para salvar e não para condenar. No limite, Deus não condena ninguém ao inferno. É a nossa opção fundamental, que vai se formando ao longo de toda vida, pelos nossos pensamentos, atos e omissões, que confirma ou não o desejo de estar com Deus para sempre. De qualquer forma, não se pode usar o inferno para convencer as pessoas a acreditar em Deus ou a viver a fé. Isso favorece a criação de uma religiosidade infantil e puramente exterior. Deve-se privilegiar o amor e não o temor. Só o amor move os corações e nos faz adorar a Deus e amar o próximo em espirito e vida.”
O Purgatório: “As almas dos justos que no instante da morte estão agravadas por pecados veniais ou por penas temporais devidas pelo pecado vão ao purgatório. O purgatório é estado de purificação.”
O Fim do mundo e a Segunda vinda de Cristo: “No fim do mundo, Cristo, rodeado de majestade, virá de novo para julgar os homens.”
A Ressurreição dos mortos no Último Dia: “Aos que crêem em Jesus e comem de Seu corpo e bebem de Seu sangue, Ele lhes promete a ressurreição.”
O Juízo Universal: “Cristo, depois de seu retorno, julgará a todos os homens.”

12.671 – Religião – O que é um espírito?


espirito
A palavra espírito apresenta diferentes significados e conotações diferentes, a maioria deles relativos a uma substância não-corpórea em contraste com o corpo material. A palavra espírito é muitas vezes usada metafisicamente para se referir à consciência ou personalidade. As noções de espírito e alma de uma pessoa muitas vezes também se sobrepõem, como tanto contraste com o corpo e ambos são entendidos como sobreviver à morte do corpo na religião e ocultismo, e “espírito” também pode ter o sentido de “fantasma”, ou seja, uma manifestação do espírito de uma pessoa falecida.
O termo também pode se referir a qualquer incorpóreo ou ser imaterial, tais como demônios ou divindades, no cristianismo especificamente do Espírito Santo (embora com um “S”) vivido pelos discípulos no Pentecostes.
A declaração do apóstolo Paulo nas Escrituras de que `o espírito, alma e corpo´ devem ser `conservados íntegros´, expressa claramente que alma e espírito são coisas distintas. 1 Tessalonicenses 5:23.
A palavra espírito costuma ser usada em dois contextos, um metafísico e outro metafórico.
Não há uma única opinião sobre a natureza do homem entre os cristãos. Enquanto certos ramos do cristianismo defendem que `corpo´ e `espírito´ são partes integrantes do homem, e que este último, separa-se em caso de morte para receber sua recompensa (Céu ou Inferno) segundo as obras praticadas em vida; outros defendem que o homem é uma unidade indivisível de corpo, mente (alma) e espírito, e que este último, é somente um `vento´ ou `folego de vida´ soprado por Deus nas narinas do homem na Criação (Gênesis 2:7) e que não possui, em si, qualquer inteligência ou emoção após a morte (Eclesiastes 9:5,6 e 10), alcançando, o ser, sua recompensa (vida eterna ou morte eterna) em carne e osso.
Espírito é definido pelo conjunto total das faculdades intelectuais. Ele é frequentemente considerado como um princípio ou essência da vida incorpórea (religião e tradição espiritualista da filosofia), mas pode também concebido como um princípio material (conjunto de leis da física que geram nosso sistema nervoso).
Corpo e espírito
Em diferentes culturas, o espírito vivifica o ser no mundo. O espírito também permitiria ao ser perceber o elo entre o corpo e a alma. Entretanto, muitas vezes espírito é identificado com alma e vice-versa, sendo utilizados de forma equivalente para expressar a mesma coisa.
Segundo a teoria dualista de Descartes, o corpo e o espírito são duas substâncias imiscíveis, cada qual com uma natureza diferente: o espírito pertenceria ao mundo da racionalidade (res cogitans), enquanto o corpo às coisas do mundo com extensão (res extensa), i.e., ao mundo das coisas mensuráveis. Descartes acreditava que a função da glândula pineal seria unir a alma/espírito ao corpo. Sua visão do ser humano era mecanicista. O corpo era tratado como uma máquina de grande complexidade. Pensava em partes separadas, no que ligaria o que com o que, qual seria a função de cada parte, em suas relações etc.
Para algumas tradições religiosas, a morte separa o espírito do corpo físico, e a partir daí, o espírito passa a ser somente da esfera espiritual. Para estas, a morte parece não encerrar a existência de cada ser particular.
Na Bíblia, a expressão “espíritos” também se refere aos anjos que se rebelaram contra Deus (versículos 7 a 9 do capítulo 12 do Apocalipse). Na tradição judaico-cristã, são também chamados de “anjos decaídos” ou “demônios”. Eles subordinaram-se à liderança de um anjo rebelde que foi proeminente na hierarquia angélica, comummente denominado por Satanás e Diabo.
Segundo a Bíblia, estes “anjos decaídos” teriam grande força e influência sobre a mente e o modo de viver dos humanos (versículos 14 e 15 do capítulo 11 da Primeira Epístola aos Coríntios), operando grandes sinais de maneira que até fogo do céu fariam descer à terra diante dos homens (versículo 13 do capítulo 13 do Apocalipse). Teriam, ainda, capacidade de se incorporar em humanos e em animais e possuí-los (possessão).
No Novo Testamento, o uso do termo “demónio” (em grego, daimoníon) é limitado e específico em comparação com as noções dos antigos filósofos e o modo em que esta palavra era usada no grego clássico. Originalmente, o termo daimoníon designava as divindades, que podiam ser boas ou ruins.

Espiritismo
Segundo a Doutrina espírita, o espírito é a individualização do princípio inteligente do Universo. Quando encarnado – ou seja, vestido de um corpo humano – é chamado de alma, nesta situação alma e espírito são as mesmas coisas. A reencarnação, segundo o espiritismo, é o processo de autoaperfeiçoamento por que passam todos os espíritos.
Para os espíritas, o estado natural do espírito seria o de liberdade em relação à matéria, ou seja, a condição de desencarnado. Nesta situação, o espírito mantém a sua personalidade e suas características individuais.
Também segundo a doutrina espírita, a interação do espírito com o cérebro se dá através do perispírito. Este conecta a vontade que nasce no espírito com o estímulo que direciona o cérebro.
Para designar um espírito específico, os espíritas utilizam a inicial em maiúsculo, como por exemplo: “O Espírito Emmanuel”.

11.243 – Religião – O Dogma da Ressureição


quadro-a-ressureicao-piero-della-francesca-4x3_original

Disse o apóstolo Paulo, o grande disseminador das palavras de Jesus, em suas cartas aos coríntios, anotadas no Novo Testamento: “Se Cristo não foi ressuscitado, nós não temos nada para anunciar e vocês não têm nada para crer. (…) Se Cristo não foi ressuscitado, a fé que vocês têm é uma ilusão. (…) Se Cristo não ressuscitou, os que morreram crendo nele estão perdidos. (…) Se a nossa esperança em Cristo só vale para esta vida, nós somos as pessoas mais infelizes deste mundo”. A ideia da ressurreição foi a faísca do cristianismo, que então deixou de ser uma seita do Império Romano para se transformar na maior religião do planeta.
Três dias haviam se passado da morte agonizante de Jesus na cruz do Gólgota, ponto final do calvário. Era uma madrugada de domingo, Páscoa judaica. Ainda estava escuro, e Maria Madalena foi ao sepulcro ungir o corpo de Jesus com especiarias. Ao se aproximar, viu o túmulo aberto e saiu correndo para avisar os discípulos. Eles entraram e encontraram o sepulcro vazio. Apenas a mortalha que envolvia o corpo de Cristo estava lá. Maria Madalena, dizem os textos sagrados do cristianismo, permanecera distante, chorando, quando dirigiu o olhar em direção ao túmulo e avistou dois anjos, que lhe perguntaram: “Mulher, por que você está chorando?”. Ela respondeu: “Levaram embora meu Senhor e não sei onde o puseram”. Maria Madalena então olhou para trás e viu uma figura humana em pé que ela pensou se tratar do jardineiro, à qual se dirigiu: “Se o tirou daqui, diga onde o colocou e eu irei buscá-lo”. A resposta veio curta: “Maria”. Nesse momento ela reconheceu Jesus e respondeu: “Mestre”. Descrita no Evangelho de São João, essa história, tão singela quanto misteriosa, resistiu e se fortaleceu com a passagem dos milênios.
Para os cristãos, a ressurreição tem mais valor do que os sermões e os milagres de Jesus em vida. Como disse São Paulo aos coríntios, sobre ela foi erguida toda a catedral de fé do cristianismo. Sem ela, toda a esperança humana se resume aos limites da vida terrena. Com ela, a vida terrena é uma vida vicária, uma vida no lugar da verdadeira vida eterna. “Quem crê em mim, ainda que morra, viverá, e quem vive e crê em mim nunca morrerá”, disse Jesus.
Do ponto de vista do proselitismo religioso, do convencimento dos fiéis, a ressurreição é vital pela transcendência. Ela é a garantia de uma graça concedida a toda a humanidade – a da vida eterna. “Sob o aspecto antropológico da fé, a doutrina da ressurreição é a resposta à vontade mais primitiva do ser humano, a da imortalidade”, diz monsenhor Antonio Luiz Catelan Ferreira, teólogo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. O cristianismo conquistou o paganismo romano com a promessa da vida eterna, de mãos dadas com o Cristo ressurrecto. Nas palavras do filósofo marxista alemão Ernst Bloch (1885-1977): “Não foi a moralidade do Sermão da Montanha que permitiu ao cristianismo conquistar o paganismo romano, e sim a crença de que Jesus se erguera dos mortos. Numa era em que os senadores romanos competiam para ver quem tinha mais sangue de cordeiro na própria toga – acreditando que isso evitaria a morte -, o cristianismo competia pela vida eterna, e não pela moralidade”.

11.065 – Livre-arbítrio: ilusão ou realidade?


livre-escolha

Apesar de parecer algo um tanto óbvio, e sábio, esse tipo de conversa motivacional pode ter um fundo de mentira. Talvez as nossas escolhas não sejam nossas, nem mesmo quando a gente tem 100% de certeza que as tomou de forma consciente.
Infelizmente, ainda não podemos responder esse questionamento, porque ainda não há uma resposta absoluta. O que podemos fazer é pensar a respeito. Por exemplo: a natureza da consciência humana, o funcionamento interno do cérebro e as influências externas imensuráveis que todo ser humano recebe, todos estes fatores contribuem para a certeza de que o livre-arbítrio existe, sim. Afinal, eu, você e todo mundo escolhemos, por exemplo, ligar o computador todos os dias. Escolhemos entre chocolate branco ou ao leite. Escolhemos tomar café ou não.
Mas ao mudar ligeiramente a pergunta – podemos estar sempre 100% confiantes de nosso livre arbítrio, ou escolha? -, a resposta vira “quase com certeza não”.
A ciência e a filosofia concordam que o universo é previsível e segue um conjunto determinado de regras. Cada coisa no universo que temos observado até agora segue essas diretrizes específicas, e nada está isento da influência de forças externas. Então, por que nós – os produtos do universo – estaríamos isentos de influências do ambiente?
O livre-arbítrio sugere que nós, como uma entidade, somos capazes de tomar decisões absolutamente livres de qualquer influência externa. Mas certamente forças externas desempenham algum papel na nossa tomada de decisões.
Então, no final, a escolha depende de nós ou não?
A razão pela qual a intuição nos diz que temos um livre-arbítrio é, provavelmente, porque a sua mente não consegue identificar todos os fatores que afetam sua escolha e, então, o procedimento padrão é concluir que ela veio de você.
Por exemplo: você está em uma confeitaria e lá têm duas opções de doces: bolo de chocolate e bolo de cenoura. Você tem que escolher entre um dos dois, de forma que (vamos supor) não exista a possibilidade de escolher nenhum, nem os dois. A escolha é simples: é um ou o outro. Ainda assim, devemos considerar as influências externas que estão em jogo aqui. Talvez você odeie chocolate, e nunca em sua vida tenha gostado do sabor do chocolate. Este fator é bem fora do seu controle – você não acorda um dia e decide “odeio chocolate”.
O mesmo vale para o bolo de cenoura. E se você escolher o de chocolate em vez de cenoura? Talvez seja porque ele tem uma cobertura mais apetitosa. Ou talvez tenha chovido naquele dia e o cheiro de chuva provoca – por uma razão qualquer – uma memória de chocolate. Talvez você esteja enjoado de bolo de cenoura, porque comeu bolo de cenoura de sobremesa todos os dias daquela semana até sair pelos ouvidos. Ou talvez você escolha o oposto do que você normalmente escolhe apenas para me irritar e contrariar esse artigo. Mas se você não tivesse lido isso, também não sentiria essa necessidade.
Muitos, mas muitos fatores mesmo, entram em cena quando temos que tomar uma decisão. Até a mais simples das escolhas conta com fatores que não podemos sequer pensar em questionar, mas são muito reais.
Você diria que uma célula individual tem o livre-arbítrio? E um micróbio, teria? Ou uma árvore? E uma formiga, um cão, ou um chimpanzé – será que eles têm livre-arbítrio? Em que ponto a “complexidade” dessa ideia de liberdade para escolher surge em nós?
Para o biólogo Anthony Cashmor, acreditar que o livre-arbítrio existe é como acreditar em magia.
Em um estudo de 2008, voluntários foram convidados a escolher entre dois botões, e sua atividade cerebral poderia prever qual seria a escolha até 10 segundos antes dos participantes de fato apertá-los. Muitos veem esse estudo como uma evidência contra o livre-arbítrio, mas o filósofo Alfred Mele vê exatamente o oposto. Então eu pergunto: como podemos chegar a um consenso, se não conseguimos nem interpretar as evidências da mesma maneira?
Pois é, não podemos. Não até que algo mais sólido seja concluído a respeito desse tema.
O mais provável é que nunca tenhamos certeza se o livre-arbítrio existe ou não.

6996 – Mega Dogmas – O que significa ter o nome no Livro da Vida?


O que diz a Igreja Evangélica:

O “Livro da Vida” é mencionado várias vezes na Bíblia (veja Filipenses 4:3; Apocalipse 3:5; 13:8; 17:8; 20:12,15; 21:27). Paulo disse que as pessoas que cooperavam com ele no evangelho tinham seus nomes escritos no Livro da Vida (Filipenses 4:3). Jesus disse que os nomes dos vencedores que se mantêm puros não seriam apagados deste livro (Apocalipse 3:5). Em contraste, os que rejeitam a palavra de Deus e servem falsos mestres não têm seus nomes escritos no Livro da Vida (Apocalipse 13:7-8; 17:8).No julgamento descrito em Apocalipse 20:11-15, esses são condenados ao lago de fogo. Por outro lado, na cidade iluminada pela glória de Deus, somente entram aqueles cujos nomes são inscritos no Livro da Vida (Apocalipse 21:27).

Outras passagens não falam especificamente do Livro da Vida, mas claramente mostram a mesma idéia. Hebreus 12:22-24 descreve o povo de Deus como a “igreja dos primogênitos arrolados nos céus”. Assim, os servos de Deus têm sua pátria nos céus (Filipenses 3:20).

Não devemos imaginar que Deus precisa, literalmente, de um livro para escrever ou apagar os nomes de pessoas. Deus sustenta as aves do céu, e certamente cuida de cada um de seus servos (Mateus 6:26). Jesus, o bom pastor, conhece suas ovelhas por nome (João 10:1-15, especialmente versículo 14).
A figura de um livro serve para comunicar para cada pessoa a importância de seguir ao Senhor nesta vida. Deus é a fonte da vida, e ele mantém a lista das pessoas que continuarão vivas. Aqui, devemos observar dois fatos importantes:
Deus julga todos na sua justiça. Muitos procuram maneiras de negar a justiça de Deus e seu direito de nos julgar. Mas ele é o nosso Criador. Ele nos revelou a sua vontade, e ele nos julgará por ela. Jesus disse: “A própria palavra que tenho proferido, essa o julgará no último dia” (João 12:48). O julgamento dele não é arbitrário ou segundo capricho. Ele nos julga retamente, “para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo” (2 Coríntios 5:10).
 A vida está em Cristo. Jesus proclamou a palavra de Deus, que nos julgará, e afirmou: “E sei que o seu mandamento é a vida eterna” (João 12:50). Deus “ressuscita e vivifica os mortos” (João 5:21) através de Jesus, que é “a ressurreição e a vida” (João 11:25).
Quando servimos a Jesus, temos a confiança da vida eterna, porque ele é o caminho, a verdade e a vida, e o único acesso ao Pai e à vida eterna (João 14:6; Atos 4:12). Se continuarmos fiéis a ele, temos a certeza que os nossos nomes serão encontrados no Livro da Vida!

De um pastor evangélico para o ☻ Mega

5197 – Religião – As Cirurgias Mediúnicas


Depois de um breve discurso e de uma prece, ele pega uma tesoura longa em uma bandeja que está nas mãos do assistente. Sem nenhum tipo de anestesia e muito pouco delicadamente, empurra o instrumento para dentro do nariz da mulher. Ela levanta o braço com medo. Ele a tranqüiliza. Ouvem-se estalos. A mulher murmura, mas parece não sentir dor. O sangue começa a escorrer do seu nariz. Em segundos, o médium balança a tesoura no ar. Na ponta, um pedaço de carne esponjosa. “Carrega!”, grita, e dois homens retiram a mulher do recinto.
A platéia assiste extasiada ao espetáculo que acontece toda semana no galpão da Casa de Dom Inácio, em Abadiânia, interior de Goiás. O médium João Teixeira atrai gente de muitos lugares.
O centro Dom Inácio é visitado por centenas de estrangeiros todos os anos.
Usar o bisturi não é, no entanto, o procedimento-padrão das cirurgias mediúnicas. Normalmente o médium pergunta ao paciente: “Com ou sem corte?” Cada um decide o que vai ser.
Não pense que essa escolha envolve uma minuciosa avaliação sobre a possibilidade de a cirurgia trazer complicações. Em lugares assim, a limpeza é inadequada e o risco de infecção é muito grande. No entanto, o desleixo com as bactérias aparentemente não traz tantos malefícios quanto poderia.
A ausência de dor também intriga a ciência. O interior de Goiás é apenas um dos muitos lugares em que essas práticas acontecem. Onde quer que haja notícia de curas milagrosas, forma-se uma enorme fila. E em cada um desses lugares há uma maneira diferente de praticar esse estranho casamento entre a medicina e a fé. A Fundação Espírita Caminho de Luz, em Campos Gerais, no sul de Minas, é uma entidade espiritualista. Eles acreditam em espíritos, mas não seguem dogmas de religiões como o kardecismo ou a umbanda.
O Instituto Espírita Cidadão do Mundo, na capital paulista, só faz passes. O espírito que segundo o Instituto cura as pessoas é o do alemão Hoffman Belgrand. (É curioso que os espíritos sejam na maioria de médicos alemães).
É claro que a eficiência dessas práticas é controversa. Além da auto-sugestão, muitos acreditam em hipnose. “Pessoalmente, acho que essa seja a hipótese mais provável. A religião e as preces induzem ao transe hipnótico”, diz Sérgio Henriques, psiquiatra do Centro de Estudos da Dor, do Hospital das Clínicas de São Paulo. “Sob o comando do médium, o doente se sente melhor porque a mente dele aceita a idéia de que a dor passou.”
Mas há casos sem explicação: No Instituto Espírita Cidadão do Mundo, uma menina de apenas 4 anos, vítima de leucemia, teve uma melhora repentina logo depois do primeiro passe. “A médica ficou impressionada. Minha filha vivia doente, com febre contínua e, muitas vezes, estava tão debilitada que nem podia receber a quimioterapia”, conta a mãe, Rosa Pereira dos Santos. “A febre cedeu depois do primeiro passe e há um ano ela não deixa de fazer a quimioterapia na data marcada.” Uma criança dessa idade dificilmente ficaria auto-sugestionada por um passe.
Do médium para o médico
Mesmo sem sofrer uma incisão, alguns pacientes de tratamentos mediúnicos relatam ter sentido como se ela estivesse acontecendo. Em 1987, a jogadora de basquete Paula, a Magic Paula, recorreu a uma cirurgia espiritual sem corte para tratar um problema no joelho. Procurou o médium Waldemar Coelho, em Leme, interior de São Paulo. “Sentia como se abrissem minha pele e mexessem lá dentro. Só que não doía”, afirma. Dois anos depois, Paula teve problemas no outro joelho. Dessa feita os espíritos não conseguiram resolver e ela acabou no centro cirúrgico de um hospital.
A jogadora Virna, da Seleção Brasileira de Vôlei, também foi paciente de Coelho. “Em 1993, depois de um jogo em Cuzco, no Peru, minha mão direita começou a doer. A artéria que irriga a mão estava obstruída”, diz. De acordo com a jogadora, os médicos que a examinaram receitaram cirurgia. Apesar de ser católica, Virna resolveu seguir a indicação de colegas de equipe e procurou o médium. “Sabia que era uma operação sem corte, mas senti a pele abrir, o sangue escorrer. Senti até ele dar os pontos e não doeu nada”, diz. Sua mão ficou boa.
Dr Fritz, Alemão bom de faca
José Pedro de Freitas, ou Zé Arigó, foi um dos primeiros cirugiões-médiuns brasileiros famosos. Seus instrumentos eram facas, canivetes e serrotes, às vezes enferrujados. Suas curas eram atribuídas ao “Doutor Fritz”, o espírito de um médico alemão morto durante a Primeira Guerra. Arigó morreu em 1971, em um violento acidente de carro na Rodovia Fernão Dias. Durante trinta anos de operações, calcula-se que tenha atendido nada menos do que 2 milhões de pessoas.
Mesmo depois da morte de Arigó, o Doutor Fritz continuou operando. O ginecologista pernambucano Edson Queiroz, que passou a receber o espírito da entidade em 1981, como Arigó, sofreu diversos processos, chegando a perder o direito de exercer a profissão. Em 1991, morreu assassinado a facadas.
Rubens de Faria Júnior foi o último médium a atrair multidões com o nome de Doutor Fritz. Hoje, esse carioca de 43 anos não opera mais e também responde a vários processos. “Gasto os meus dias conversando com advogados”, conta. Rubens vive em um condomínio de luxo, na Barra da Tijuca, no Rio. Afirma sobreviver da ajuda de amigos e da remuneração por palestras e cursos que ministra em institutos internacionais de pesquisa sobre fenômenos paranormais. “Foram tantos os problemas que cheguei a pensar em me matar. Hoje só quero provar minha inocência”.
“Um sinal da seriedade de um Centro é não cobrar pelo tratamento”
“Os cortes ajudam as pessoas a acreditar que são curadas”