14.313 – Medicina – Em busca do comprimido de insulina


capsula-insulina-09022019110911744
Quando a insulina injetável foi desenvolvida por pesquisadores canadenses no início do século passado, muita gente achou que haviam encontrado a cura do diabetes. Embora a inovação não tenha erradicado o problema da face da Terra, não há como negar que representou um grande avanço. O tratamento com insulina fez aumentar (e muito) a qualidade e a expectativa de vida dessa população, que antes vivia refém de uma doença letal.
Décadas depois, apesar do surgimento de novos tipos de insulina, de agulhas de aplicação cada vez menores e menos dolorosas e das bombas de insulina, não é pequeno o número de diabéticos que gostariam de usá-la na forma de comprimidos. É um anseio antigo, com mais de 90 anos.
O grande desafio é que a insulina é uma proteína e, como tal, tende a ser digerida durante sua passagem pelo estômago e pelo intestino. Mas a ciência está de olho em uma possibilidade real.
Pesquisadores do Instituto Profil, na Alemanha, e do laboratório Novo Nordisk desenvolveram uma molécula de insulina oral que já está em fase de estudos com seres humanos.
Para impedir que ela seja destruída pelas enzimas do sistema digestivo e consiga ser absorvida convenientemente pela corrente sanguínea, os cientistas utilizaram uma espécie de envelope conhecido pela sigla GIPET (do inglês “Gastro-intestinal Permeation Enhancement Technology”).
A insulina oral é absorvida, então, no intestino, passa pelo fígado e ganha a corrente sanguínea para promover a redução da glicose no sangue. Vale lembrar que a insulina produzida pelo pâncreas de pessoas que não têm diabetes segue a mesma rota passando pelo fígado. Muitos estudiosos defendem que essa via é a mais adequada para a administração de uma insulina “artificial”.
Quando injetamos insulina na pele (como se faz usualmente), não ocorre tal passagem pelo fígado, o que ajuda a explicar o maior ganho de peso e o maior risco de hipoglicemia que vemos por aí.
A nova insulina oral tem ação média de 70 horas, sendo considerada uma insulina basal que deve ser tomada uma vez ao dia.
No último Congresso Europeu de Diabetes, ocorrido em Lisboa, Portugal, foram apresentados os primeiros estudos de segurança e eficácia com a medicação. As análises envolveram 50 voluntários com diabetes tipo 2 que usavam apenas medicamentos orais e ainda assim estavam descontrolados. Os pacientes tinham em média 60 anos de idade e diagnóstico de diabetes há mais de dez anos.
Metade das pessoas usou uma insulina injetável de longa duração bem conhecida e confiável – a insulina Glargina – e a outra metade usou a nova insulina oral. Num seguimento de oito semanas, os pacientes que usaram a versão oral da insulina conseguiram apresentar as mesmas reduções nos níveis de glicose sem maiores efeitos adversos. Inclusive, o número de episódios de hipoglicemia foi menor no grupo da insulina oral.
Podemos dizer que foi dado o primeiro passo para uma nova terapia promissora contra o diabetes. Essa pesquisa abre uma enorme avenida para o desenvolvimento de estudos mais completos para avaliar eficácia e segurança a longo prazo. Sem contar que há a perspectiva de testar a inovação em pessoas com diabetes tipo 1.
Mas isso são cenas dos próximos capítulos. Isso ainda faz parte do futuro do diabetes.

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusets (MIT) criaram um comprimido de insulina capaz de substituir as aplicações diárias de injeção entre diabéticos do tipo 1.A cápsula, entitualada aplicador de escala milimétrica auto-orientável (Soma, na sigla em inglês), possui o formato do casco da tartaruga leopardo, encontrada na África, para que, assim como o animal, seja capaz de se orientar nas paredes do estômago. Dentro da pílula existe uma agulha feita de insulina, que é presa por uma mola e é contida por um revestimento de açúcar.
Quando o comprimido é ingerido, o revestimento de açúcar se dissolve e a agulha se acopla na parede do estômago, liberando a substância. Depois, o restante do comprimido, feito de material biodegradável e componetes de aço inoxidável, passa pelo restante do sistema digestivo e é eliminada pelas fezes.
No estudo, os pesquisadores fizeram os testes em porcos, oferecendo 300 microgramas de insulina e, depois, cinco miligramas, dose equivalente a que um paciente de diabetes tipo 1 precisaria. Segundo os cientistas, demorou cerca de uma hora para que toda a insulina fosse injetada na corrente sanguínea.
Atualmente, o Brasil é o quarto país com maior número de diabéticos, segundo o IDF (International Diabetes Federation), ficando atrás da China, com 114 milhões de diabéticos, em seguida figura a Índia, com quase 73 milhões, e os Estados Unidos, com 30 milhões. De acordo com o Ministério da Saúde, 12,5 milhões de brasileiros são portadores da condição.
O diabetes é uma doença crônica que afeta cerca de 12,5 milhões de brasileiros, classificando o Brasil como o quarto com o maior número de casos. Em todo o mundo, 10% dos casos são de diabetes mellitus tipo 1, que está relacionado à genética e aparece entre a infância e adolescência, e 90% é de diabetes mellitus tipo 2, ligada à idade, obesidade e estilo de vida.

13.328 – Benefícios da atividade física para quem tem diabetes


diabetes-9-728
O exercício físico feito de maneira regular e bem orientado é hoje o principal fator na prevenção de diversas doenças como obesidade, hipertensão arterial, infarto do miocárdio, osteoporose e diabetes.
esmo para aqueles que já desenvolveram tais doenças, a atividade física em algum momento da evolução do paciente vai fazer parte do tratamento.
Especificamente em relação ao diabetes, o exercício físico melhora o aproveitamento da glicose pelos músculos, reduzindo muitas vezes as doses dos medicamentos utilizados e ajudando a prevenir problemas associados ao diabetes, como alterações na retina, vasos sanguíneos, nervos, rins e coração.
Num trabalho recente realizado no Centro Médico Universitário de Leiden, na Holanda, foi comprovada, através de ressonância magnética, uma redução da gordura ao redor de órgãos como coração, fígado e rins em 12 pacientes com diabetes tipo 2 (quando não há necessidade do uso de insulina para o controle da doença) secundária ao exercício físico. A redução deste tipo de gordura está associada a uma menor ocorrência de complicações do diabetes como o infarto do miocárdio. É importante que o diabético converse com seu endocrinologista sobre os exercícios que já realiza ou pretende iniciar, pois muitas vezes serão necessários ajustes na dosagem de insulina e dos medicamentos orais comumente utilizados.

Recomendações gerais
Se considerarmos o exercício físico como um “medicamento” a ser utilizado pelo diabético, ele terá uma “dose ideal” para cada pessoa. Genericamente recomenda-se que sejam realizados exercícios de 30 a 60 minutos por dia, cinco a seis vezes por semana, de intensidade leve a moderada. Esta intensidade normalmente é determinada através de uma consulta médica especializada e de um teste ergométrico (eletrocardiograma de esforço) para que sejam determinados limites adequados para cada indivíduo.
Dá-se preferência aos exercícios aeróbicos, aqueles que podem ser mantidos por um período de tempo relativamente longo e que movimentam grandes grupos musculares como os encontrados nas coxas, pernas e braços. São exemplos destes exercícios a caminhada, corrida, natação, hidroginástica e ciclismo. Esses exercícios além de melhorarem o aproveitamento da glicose reduzem a chamada gordura visceral que é aquela encontrada ao redor de órgãos como coração, fígado e rins.Dá-se preferência aos exercícios aeróbicos, aqueles que podem ser mantidos por um período de tempo relativamente longo e que movimentam grandes grupos musculares como os encontrados nas coxas, pernas e braços. São exemplos destes exercícios a caminhada, corrida, natação, hidroginástica e ciclismo. Esses exercícios além de melhorarem o aproveitamento da glicose reduzem a chamada gordura visceral que é aquela encontrada ao redor de órgãos como coração, fígado e rins.Dá-se preferência aos exercícios aeróbicos, aqueles que podem ser mantidos por um período de tempo relativamente longo e que movimentam grandes grupos musculares como os encontrados nas coxas, pernas e braços. São exemplos destes exercícios a caminhada, corrida, natação, hidroginástica e ciclismo. Esses exercícios além de melhorarem o aproveitamento da glicose reduzem a chamada gordura visceral que é aquela encontrada ao redor de órgãos como coração, fígado e rins.Dá-se preferência aos exercícios aeróbicos, aqueles que podem ser mantidos por um período de tempo relativamente longo e que movimentam grandes grupos musculares como os encontrados nas coxas, pernas e braços. São exemplos destes exercícios a caminhada, corrida, natação, hidroginástica e ciclismo. Esses exercícios além de melhorarem o aproveitamento da glicose reduzem a chamada gordura visceral que é aquela encontrada ao redor de órgãos como coração, fígado e rins.

Escola Paulista De Medicina

12.340 – Pulseira detecta nível de insulina dos diabéticos – e injeta remédio se for necessário


pulseira_diabetes_2
Há anos, os cientistas vêm tentando desenvolver formas menos invasivas e mais convenientes para as pessoas monitorarem a glicemia – o nível de açúcar no sangue. Foi com esse objetivo que um grupo de pesquisadores do Institute for Basic Science, de Seul, criou uma pulseira capaz de checar essa concentração de glicose, de aplicar a medicação quando necessário e, além disso, de gravar os dados para que a pessoa possa acompanhar a variação do açúcar no sangue ao longo de vários dias.
Funciona assim: a pulseira tem alguns sensores que percebem mudanças na temperatura da pele e no pH do suor do usuário, sinais que indicam uma alta na glicose. O dispositivo também tem micro agulhas que ficam protegidas por uma camada mais fina. Em situação de glicemia alterada, pequenos filamentos são aquecidos e derretem essa camada, liberando as agulhas que injetam um medicamento antidiabético na pessoa, a Metformina – droga que facilita a absorção da glicose pelas células, diminuindo sua concentração na corrente sanguínea. Essas agulhas são tão fininhas que as picadas são quase imperceptíveis.
O dispositivo é feito de grafeno, um material extremamente forte e flexível à base de carbono. Essa composição faz com que a pulseira seja super fina e confortável e, ao mesmo tempo, tão resistente quanto o diamante. O grafeno também conduz a eletricidade 100 vezes mais melhor do que o silício, que é a matéria prima da maioria dos chips de computador. Ainda não há informações sobre o custo dessas pulseiras.
O aparelho foi testado em ratos com diabetes e em dois homens adultos que também tinham a doença, e os resultados foram satisfatórios – ou seja, a concentração de açúcar no sangue foi controlada com sucesso pela pulseira. Mas antes que os cientistas possam continuar os testes em humanos, alguns problemas precisam ser resolvidos: em dias de muito calor, por exemplo, os sensores do dispositivo podem ser enganados. Outra complicação é que a dose de Metformina que é liberada precisa ser exata para cada pessoa, e isso ainda não foi acertado. Os estudos vão continuar até que esses ajustes sejam feitos, mas os cientistas estão otimistas: é um passo importante para facilitar a vida de quem sofre com diabetes, e evitar que elas precisem tomar injeções de insulina todos os dias, por exemplo.

12.216 – Diabetes – Causa e a cura da diabetes podem estar na sua barriga


diabetes

Segundo um novo estudo, ter o tipo errado de bactérias intestinais pode ajudar a causar diabetes tipo 1. Porém, uma forma geneticamente modificada de um micróbio encontrado em alguns produtos lácteos poderia induzir as células do intestino a produzir insulina.
A descoberta, feita por cientistas do Massachusetts General Hospital, em Boston, Estados Unidos, de que “as bactérias erradas” podem produzir diabetes tipo 1 vem de uma análise de 3 anos de 33 crianças finlandesas geneticamente consideradas mais propensas à doença.
Aos 3 anos, quatro dessas crianças tinham desenvolvido diabetes, em função da qual o corpo não consegue regular a glicose no sangue, já que não produz o hormônio insulina. O pesquisador Ramnik Xavier e sua equipe descobriram que elas tinham uma faixa mais estreita de bactérias em seus intestinos do que as outras crianças: normalmente em torno de 25% menos espécies.
As quatro crianças também tinham mais das espécies que são conhecidas por provocar inflamação do intestino, um possível prelúdio para diabetes tipo 1, em que o sistema imunológico do organismo produz erroneamente anticorpos que atacam e destroem as células beta do pâncreas, que normalmente fazem insulina.
Embora apenas quatro das crianças tenham desenvolvido diabetes durante o estudo, 11 tinham começado a produzir esses autoanticorpos. “Isso pode significar que, mesmo que os autoanticorpos estejam começando a ser feitos, é necessário um segundo fator ou sinal para levar os pacientes a desenvolverem a diabetes tipo 1, e a mudança no microbioma pode ser a culpada”, explica Xavier.
Isto significa que manter o microbioma estável pode ser uma forma de prevenir a doença. “Se você sabe o que os micróbios importantes fazem, você pode conseguir pensar em coquetéis de medicamentos contra esses micróbios ou seus metabólitos para manter a doença sob controle”, diz.
Imitando o pâncreas
Um tratamento potencial poderia ser com bactérias projetadas por uma equipe independente em Nova York. John March, da Universidade de Cornell em Ithaca, e sua equipe pegaram a bactéria Lactobacillus gasseri, que é encontrada em alguns iogurtes probióticos, e a equiparam com um gene humano para um hormônio chamado peptídeo similar ao glucagon tipo 1 (também conhecido por sua sigla em inglês GLP-1). Nos intestinos de ratos diabéticos, eles descobriram que o GLP-1 fazia com que algumas células se tornassem mais similares àquelas que fabricam insulina no pâncreas.
A insulina que estas células produziram atuou nos níveis de açúcar no sangue do mesmo modo que aquela fabricada pelo pâncreas. “Isso move o centro de controle da glicose do pâncreas para o intestino”, afirma March.
Depois de receber as bactérias diariamente por três meses, os níveis de glicose nos ratos diminuíram em 30%, em comparação com o grupo de controle. Após as refeições, esses ratos conseguiam reduzir os seus níveis de glicose no sangue tão rápido quanto ratos com um pâncreas saudável, enquanto as bactérias não tiveram impacto sobre a glicemia quando administradas a ratos saudáveis – o que sugere que a bactéria só incita a produção de insulina no intestino se o pâncreas do hospedeiro não estiver funcionando corretamente.
March está otimista de que os lactobacilos também vão funcionar em humanos, porque culturas de bactérias de laboratório foram expostas a células intestinais humanas saudáveis e também se transformaram em células produtoras de insulina.
O objetivo é desenvolver uma pílula contendo as bactérias que as pessoas com diabetes dos tipos 1 e 2 possam tomar diariamente. Segundo March, o medicamento poderia estar disponível dentro de dois anos.

12.066 – Remédio para diabetes será testado como antienvelhecimento em 2016


Metformina
Pesquisadores acreditam ter encontrado algo que poderia retardar o processo de envelhecimento de forma completa, utilizando um medicamento barato para diabetes, atualmente utilizado por milhões de pessoas.
Conhecido como a metformina, o medicamento existe no mercado há cerca de 60 anos, mas os cientistas voltaram a atenção para ele novamente ao observarem que a droga parece reduzir o risco de cânceres relacionados à idade. Os estudos também mostraram que os diabéticos que tomam metformina vivem mais tempo do que as pessoas que não têm diabetes, apesar da condição, normalmente, reduzir oito anos da expectativa de vida das pessoas.
“As pessoas que tomam metformina possuem, em média, 30% menos cânceres, de quase todos os tipos, exceto o de próstata. Há poucos estudos, mas há um sinal de que a metformina impede o declínio cognitivo. Além disso, há um estudo que sugere que as pessoas, quando começam a tomar metformina, são mais obesas e mais doentes do que as pessoas sem diabetes, mas sobrevivem mais que elas”, disse o coautor do estudo Nir Barzilai, da Universidade de Medicina Albert Einstein, nos EUA.
Com base nestas observações, a Food and Drug Administration (FDA), dos EUA, autorizou os testes do medicamento por suas propriedades antienvelhecimento, já no próximo ano. Caso isso seja comprovado, será a primeira vez que o FDA reconhece o envelhecimento, ao invés de uma doença específica, como um alvo de pesquisa de drogas.
O estudo é promissor, pois após testar o medicamento nas lombrigas C. elegans, pesquisadores na Bélgica constataram que os vermes não só envelheceram de forma mais lenta, como também permaneceram saudáveis ​​por mais tempo. Além disso, camundongos tratados com a droga tiveram seu tempo de vida aumentado em quase 40%, com sinais de que eles ficaram mais jovens por mais tempo. Calculando a proporção em seres humanos, poderíamos aumentar a expectativa de vida em uma taxa que pode variar entre 80 a 120 anos!
O medicamento pretende retardar o processo de envelhecimento para manter as pessoas saudáveis ​​por mais tempo. Acredita-se que ele aumenta o número de moléculas de oxigênio liberados em uma célula, embora os cientistas ainda não tenham certeza de como isso poderia ser suficiente para impedir o envelhecimento celular. Se a propriedade antienvelhecimento se comprovar no próximo teste, a compreensão do mecanismo será o próximo passo.
O teste será conhecido como ‘Estudo de Envelhecimento Segmentado por Metformina’ (TAME), e envolverá o consumo do medicamento e de um placebo, em comparação, para cerca de 3 mil pessoas idosas que sofrem ou têm um alto risco de condições de desenvolvimento, como o câncer, doenças cardíacas e Mal de Alzheimer.
Durante os próximos seis anos, os pesquisadores vão acompanhar como muitos pacientes passam a desenvolver novas condições relacionadas com a idade e se eles tomaram a droga ou não. A equipe também irá observar se a droga parece ter impactado a longevidade.
É importante ressaltar que ainda não se tem certeza dos efeitos da metformina, portanto, seu consumo antecipado ao estudo para tratar o envelhecimento não é recomendado, podendo causar riscos desconhecidos à saúde.

11.791 – Saúde – Composto pode “reiniciar” o sistema imunológico dos diabéticos, fazendo o corpo produzir novamente insulina


composto diabetes
É o que afirma uma recente pesquisa.
Os pesquisadores, da Universidade da Flórida, dizem que o tratamento é “como apertar o botão de reiniciar” e descrevem os resultados como aprofundados e bem sucedidos, embora só tenham testado em 17 pessoas. Eles esperam que essa medicação possa levar a um novo tratamento para as pessoas com diabetes tipo 1.
Dr. Michael Haller, um endocrinologista pediátrico, compara sua abordagem para o tratamento de diabetes tipo 1 como um jogo de polícias e ladrões. Em primeiro lugar, o ingrediente ativo ataca as células problemáticas do sistema imunitário, que podem estar por trás de uma incapacidade do paciente para produzir insulina, e é feita uma limpeza no organismo com um medicamento chamado timoglobulina, uma droga inicialmente desenvolvida para utilização em transplante de órgãos.
Em seguida, ele usa um medicamento chamado Neulasta, uma droga projetada para melhorar a vida de pessoas com certas formas de câncer, para estimular a produção de células imunes novas e potencialmente benéficas.
“Estamos tentando acabar com as células ruins e estimular as células boas ao mesmo tempo”, afirma Haller.
Haller tratou 17 adultos com diabetes do tipo 1 durante duas semanas com o coquetel e depois os acompanhou durante um ano. Outros oito pacientes receberam um placebo apenas. No final, os pacientes tratados tinham aumentado notavelmente sua capacidade para produzir insulina. Isto indica que o timoglobulina foi bem sucedida na morte de células ruins do sistema imune, e o Neulasta conseguiu com sucesso a estimulação de células imunitárias novas e saudáveis.
Os pesquisadores também disseram que a capacidade dos pacientes de produzir insulina indica que eles tiveram um aumento das células beta, que são responsáveis pela produção dela no pâncreas. “O tratamento parecia estimular a produção de insulina em pessoas com diabetes do tipo 1, estabelecendo um feito bastante otimista”, afirma Mark Atkinson, um co-investigador do estudo.
Os pacientes do estudo de Haller estavam convivendo com a diabetes tipo 1 entre quatro meses e dois anos. “O modelo tem sido principalmente para testar terapias destinadas à preservação de células beta em pessoas que acabaram de ser diagnosticadas”, disse Haller. “Nós estamos interessados em melhorar a vida desses pacientes”
O outro co-investigador, Dr. Desmond Schatz, disse: “Apesar de grandes avanços em nossa compreensão da história natural da diabetes tipo 1, ainda somos incapazes de curar e prevenir a doença”.

11.194 – Sem Saída (por enquanto) – Droga usada para combater o colesterol aumenta risco de diabetes


estatina

A conclusão é de um estudo que acompanhou 8.749 participantes ao longo de seis anos, todos homens finlandeses de 45 a 73 anos e inicialmente não diabéticos. Ele foi publicado no periódico científico “Diabetologia”, que é publicado pela Associação Europeia para o Estudo da diabetes.
Um pouco mais de 2.000 participantes começaram a usar estatinas, como a sinvastatina (como o Zocor), a atorvastatina (Lipitor) ou a rosuvastatina (Crestor).
Enquanto 11,1% dos pacientes que tomavam estatinas adquiriram diabetes, 5,8% dos que não tomavam (6.607) foram diagnosticados com a doença.
Ou seja, a chance de ficar com diabetes é quase o dobro em quem usa estatinas em comparação a quem não usa. No Brasil, estima-se que 8 milhões usem as drogas.
Outros fatores também contribuem para adquirir o diabetes como obesidade, histórico familiar da doença, fumo e uso de diuréticos e betabloqueadores (que combatem a taquicardia).
Mesmo quando descontados os efeitos dessas variáveis, o risco de se adquirir DIABETES ainda era 46% maior entre quem usava estatinas. Os pesquisadores ainda não sabem dizer por que ou como isso acontece.
Quem tomava esses medicamentos apresentou uma secreção 12% menor de insulina. Também houve uma perda na sensibilidade ao hormônio –ou seja, ele tem sua função prejudicada em pessoas que tomam estatinas.
“As estatinas são a ‘pedra fundamental’ da terapêutica preventiva. Talvez seja um preço a se pagar”, diz Raul Dias Filho, diretor da Unidade Clínica de Lípides do Incor (Instituto do Coração).
Outros médicos também dizem que os benefícios conseguidos com a medicação podem superar os riscos.
“Graças às estatinas nós obtivemos uma diminuição significativa na incidência de doenças cardiovasculares, principal causa de morte atualmente”, diz o médico e diretor da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Airton Golbert.
Antes consideradas “a nova aspirina”, as estatinas também têm outros riscos associados. Cerca de um terço das pessoas se queixam de dores ou desconfortos musculares e ainda há risco de mal funcionamento do rim e do fígado, por exemplo.
Apesar da pletora de riscos, até mesmo a classe médica abusa da droga, diz a cardiologista e especialista em colesterol e hipercolesterolemia familiar Tânia Martinez. “Tem gente que come churrasco e toma estatina depois [para evitar a formação de colesterol ruim], o que não é de forma alguma recomendável”.
Uma alternativa ao tratamento convencional com estatinas que vem sendo estudada por Dias Filho é a sua associação com a droga ezetimiba, medicamento que impede a absorção de gordura pelo intestino e, assim, também evita a formação de colesterol.
Outra alternativa, que está sendo estudada no exterior, é a injeção de anticorpos contra uma enzima chamada PCSK9, que atua na formação do colesterol ruim.

11.044 – Excesso de álcool na meia-idade aumenta risco de derrame


vodka

Beber mais de duas doses de álcool por dia na meia-idade, entre os 40 e os 60 anos, aumenta a probabilidade de sofrer um derrame mais do que fatores de risco tradicionais, como hipertensão e diabetes. A conclusão é de um estudo publicado na quinta-feira no periódico Stroke, da Associação Americana do Coração.
Pesquisadores analisaram dados de 11.644 gêmeos suecos, acompanhados por 43 anos. Eles compararam o impacto do álcool entre pessoas que bebiam pouco (menos de metade de uma dose por dia) a muito (mais de duas doses diárias).
Quase 30% dos participantes tiveram derrame. Entre gêmeos idênticos, aqueles que sofreram um AVC bebiam mais do que seus irmãos que não sofreram, sugerindo que o derrame não estava condicionado à genética e ao estilo de vida na infância e adolescência.
Os autores descobriram que os indivíduos que bebiam muito tinham 34% mais risco de sofrer um derrame do que aqueles que bebiam pouco. Para homens na meia-idade, o alto consumo de álcool também se mostrou um maior fator de risco para AVC do que hipertensão e diabetes. Por volta dos 75 anos, porém, a tendência se inverteu: o diabetes e a pressão alta passaram a ser os maiores vilões do derrame.

10.680 – Células Tronco – Produtoras de insulina para tratar diabetes


células tronco

Uma nova técnica criada por cientistas da Universidade Harvard obteve células humanas produtoras de insulina em quantidade suficiente para serem, um dia, usadas em transplantes para tratar diabetes tipo 1.
Liderados por Doug Melton, cujos filhos têm a doença, os pesquisadores partiram de células-tronco embrionárias ou células-tronco de pluripotência induzida (que não requerem o uso de embriões) para obter células do pâncreas maduras e sensíveis à glicose, de modo a produzir a insulina necessária para o organismo.
Trabalhos anteriores já tinham conseguido fazer as chamadas células beta em laboratório, mas não com essa sensibilidade nem nos números necessários para uso em transplante, afirma a equipe em artigo na revista “Cell”.
As células, no entanto, só foram testadas em roedores. Segundo Melton, experimentos em primatas não humanos estão em andamento. Ele espera realizar transplantes das células em humanos em poucos anos.
O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, na qual o próprio organismo destrói as células beta do pâncreas, responsáveis por produzir a insulina, que regula os níveis de glicose em circulação.
Os transplantes de células do pâncreas de doadores mortos já são usados em pequena escala, mas requerem o uso de remédios contra o ataque do sistema imune.
No caso das células obtidas pela equipe de Harvard, isso também seria necessário, mas a ideia é inserir cerca de 150 milhões delas no corpo dos doentes envoltas em uma cápsula, protegidas do ataque do sistema imune.

10.202 – Medicina – O que é Necrobiose Lipoídica?


Escola Paulista de Medicina

Trata-se de uma desordem crônica degenerativa do tecido conectivo dérmico, comumente ligada a pacientes que possuem diabetes, especialmente diabetes mellitus tipo 1, embora também possa afetar indivíduos que não sejam portadores dessa desordem.
Foi descrita primeiramente por Oppenheim , em 1929, e denominada dermatite atrofiante. Em 1932, esta desordem passou a ser chamada de necrobiose lipoídica diabeticorum, por Urbach. Em 1935, foram descritos casos de pacientes com este transtorno que não eram portadores da diabetes, gerando o termo utilizado atualmente, necrobiose lipoídica.
Os locais mais acometidos nesta desordem são os membros inferiores, especialmente a região pré-tibial, com padrões simétricos; todavia, também pode acometer os membros superiores. Clinicamente, esta condição apresenta-se com máculas ou placas de formato oval ou irregular, de crescimento centrífugo, que apresenta uma área central atrófica e/ou depressiva, com telangiectasias que, inicialmente, apresenta-se eritematosa e, com o tempo, torna-se amarelada. Na periferia da lesão, pode observar-se uma área de coloração castanho-avermelhada. Raramente pode haver prurido, dor, analgesia, hipo-hidrose e alopecia nos locais afetados.
O diagnóstico é alcançado por meio de uma biópsia de pele. O principal diagnóstico diferencial deve ser feito com o granuloma anular.
O tratamento é complicado e existe muita divergência entre os especialistas. Nos casos de pacientes diabéticos, o controle da glicemia mostra melhora no aspecto das lesões. O uso de corticoides tópicos e intralesional é a forma de tratamento mais utilizada, apesar de existir a chance de agravar a atrofia e/ou ulceração.

10.105 – Vacina contra o diabetes


mi_1793229315042499

Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, anunciaram um passo importante em direção à primeira vacina contra a diabetes. Os cientistas criaram um imunizante que se mostrou eficaz para controlar, em humanos, o tipo 1 da doença, que ocorre porque o sistema imunológico do próprio corpo passa a atacar as células beta, situadas no pâncreas, que fabricam a insulina. O hormônio permite a entrada, nas células, da glicose circulante na corrente sanguínea. Com menos insulina, há um acúmulo de açúcar no sangue, o que caracteriza a diabetes. O outro tipo, o 2, é resultado de alterações promovidas principalmente pela obesidade.
A vacina impediu o ataque de um tipo de célula CD8 – integrantes do sistema imunológico – às células beta (leia mais no quadro). “Estamos muito excitados com o resultado. Sugere que o sonho de interromper o ataque do sistema imunológico a células específicas pode ser realizado”, afirmou Lawrence Steinman, um dos líderes da pesquisa realizada com 80 pacientes. Os cientistas planejam expandir os experimentos para investigar a eficácia do remédio em mais indivíduos.
Interromper a destruição comandada pelo corpo é um dos objetivos perseguidos por cientistas em todo o mundo. Recentemente, a Diabetes UK, entidade inglesa de combate à doença, anunciou um ambicioso projeto de pesquisa em busca de uma vacina com esse propósito. Por essa razão, o feito dos americanos foi saudado. “Pela primeira vez temos evidência da eficácia de uma vacina em humanos. É um passo significativo em direção a um mundo sem diabete tipo 1”, afirmou Karen Addington, especialista inglesa.
Nos Eua, onde ocorreu o congresso da Associação Americana de Diabetes, anunciou-se entre os avanços a chegada de um pâncreas artificial, capaz de equilibrar os níveis de insulina no organismo. Produzido pela Medtronic, o aparelho está sob avaliação do Food and Drug Administration, órgão americano responsável pela liberação de aparelhos de saúde. “Essa tecnologia é um passo importante para a criação de um sistema de entrega de insulina mais inteligente”, disse Rich Bergenstal, investigador principal da pesquisa apresentada para a aprovação do dispositivo.
O pâncreas artificial é dotado de um sensor e um software acoplados a uma bomba de insulina e promove a liberação do hormônio de acordo com a necessidade. Dessa forma, diminui o risco de crises de hipoglicemia, um dos reveses mais comuns no controle da doença. “Alguns médicos até demoram a receitar a insulina, de tão complicado que pode ser sua aplicação”.

9758 – Medicina – O que é a Necrobiose Lipoídica?


MEDICINA simbolo

Consiste em uma desordem crônica degenerativa do tecido conectivo dérmico, comumente ligada a pacientes que possuem diabetes, especialmente diabetes mellitus tipo 1, embora também possa afetar indivíduos que não sejam portadores dessa desordem.
Foi descrita primeiramente por Oppenheim , em 1929, e denominada dermatite atrofiante. Em 1932, esta desordem passou a ser chamada de necrobiose lipoídica diabeticorum, por Urbach. Em 1935, foram descritos casos de pacientes com este transtorno que não eram portadores da diabetes, gerando o termo utilizado atualmente, necrobiose lipoídica.
Os locais mais acometidos nesta desordem são os membros inferiores, especialmente a região pré-tibial, com padrões simétricos; todavia, também pode acometer os membros superiores. Clinicamente, esta condição apresenta-se com máculas ou placas de formato oval ou irregular, de crescimento centrífugo, que apresenta uma área central atrófica e/ou depressiva, com telangiectasias que, inicialmente, apresenta-se eritematosa e, com o tempo, torna-se amarelada. Na periferia da lesão, pode observar-se uma área de coloração castanho-avermelhada. Raramente pode haver prurido, dor, analgesia, hipo-hidrose e alopecia nos locais afetados.
O diagnóstico é alcançado por meio de uma biópsia de pele. O principal diagnóstico diferencial deve ser feito com o granuloma anular.
O tratamento é complicado e existe muita divergência entre os especialistas. Nos casos de pacientes diabéticos, o controle da glicemia mostra melhora no aspecto das lesões. O uso de corticoides tópicos e intralesional é a forma de tratamento mais utilizada, apesar de existir a chance de agravar a atrofia e/ou ulceração.

9756 – Vai um “da-no-ninho” aí? – Iogurte pode ajudar a prevenir diabetes tipo 2


Uma nova pesquisa da Universidade de Cambridge, na Grã-Bretanha, sugere que o iogurte pode ser um aliado no combate ao diabetes tipo 2. O estudo comparou os hábitos alimentares de pessoas com e sem a doença e descobriu que a prevalência do diabetes é significativamente menor entre aquelas que consomem iogurte com baixo teor de gordura ao menos quatro vezes por semana.
Existem dois fatores capazes de aumentar o risco de diabetes tipo 2: o genético, ou seja, ter histórico da doença na família, e o ambiental, que são problemas como má alimentação, excesso de peso e sedentarismo. Não há nada que uma pessoa possa fazer em relação à sua predisposição genética para a doença, mas adquirir hábitos saudáveis podem diminuir consideravelmente as chances de ela se desenvolver.
Para realizar o estudo, os pesquisadores coletaram dados de um levantamento feito na Inglaterra. Eles compararam os hábitos alimentares de 753 pessoas com diabetes tipo 2 aos de 3 500 indivíduos livres da doença. Os resultados foram publicados na edição deste mês do periódico Diabetologia.
A pesquisa não identificou uma relação de causa e efeito entre o alimento e o diabetes – ou seja, não descobriu os mecanismos que podem fazer com que o iogurte diminua o risco da doença. Porém, os autores destacam que o iogurte contém nutrientes essenciais à saúde, como cálcio, vitamina D e ácidos graxos. Além disso, a equipe acredita que os probióticos – bactérias “do bem” presentes no alimento — tenham um papel fundamental nesse efeito benéfico. Estudos recentes já associaram os probióticos à redução de inflamações no intestino e de problemas como diarreia causada por antibiótico e complicações gastrointestinais em bebês.
O consumo de quatro copos de 125 gramas de iogurte por semana reduziria em até 28% o risco de diabetes tipo 2. O estudo também descobriu que, de maneira geral, outros laticínios com baixo teor de gordura, como queijo cottage, podem diminuir essas chances em até 24%. Os autores não encontraram relação entre a redução do risco da doença e o consumo de laticínios com maior teor de gordura.

9733 – Farmacologia – Laboratórios se unem contra diabetes e Alzheimer


farmacia-color

Uma parceria inédita firmada entre o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), dez grandes laboratórios farmacêuticos e sete entidades sem fins lucrativos pretende desenvolver novos medicamentos contra diabetes, mal de Alzheimer, artrite reumatoide e lúpus.
Durante cinco anos, os participantes do projeto estimado em 230 milhões de dólares compartilharão seus conhecimentos científicos e suas bases de dados com o objetivo de identificar biomarcadores importantes para criar maneiras de combater essas enfermidades. “Temos que trabalhar em conjunto para compreender o completo quebra-cabeça destas doenças e acelerar nossa capacidade de fornecer tratamentos para os pacientes”, disse Elias Zerhouni, médico encarregado das pesquisas do laboratório francês Sanofi, no comunicado.
Os laboratórios associados, segundo o acordo, se comprometem a não desenvolver seus próprios medicamentos a partir das descobertas feitas pelo projeto antes que elas sejam difundidas. A aliança inclui as farmacêuticas americanas Pfizer, AbbVie, Biogen Idec, Johnson & Johnson, Merck, Bristol-Myers Squibb e Lilly, além da britânica GlaxoSmithKline e da japonesa Takeda.
De acordo com o jornal The New York Times, o câncer foi considerado para a lista, mas abandonado porque as companhias consideraram que já há medicamentos promissores em andamento. Os cientistas também cogitaram estudar novos remédios para esquizofrenia. Desistiram por entender que mais informações sobre a moléstia são necessárias antes de discutir os alvos moleculares da doença.

9649 – Medicina tradicional chinesa diminui risco de diabetes


A medicina tradicional chinesa é promissora para evitar a progressão de um quadro de pré-diabetes para um de diabetes, revelou uma pesquisa que será publicada na edição de fevereiro do periódico Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism.
Pré-diabetes é uma condição presente em pessoas com alto índice de açúcar no sangue, mas abaixo do ponto de diabetes tipo 2. Pacientes pré-diabéticos correm não só mais risco de desenvolver diabetes tipo 2, como doenças cardiovasculares.
Na pesquisa, 389 participantes de onze institutos de pesquisa na China foram aleatoriamente divididos em dois grupos: um tomou uma cápsula com dez ervas medicinais chinesas, chamada Tianqi, e outro ingeriu placebo. Por um ano, os voluntários tomaram os comprimidos, receberam instruções sobre adaptações no estilo de vida e se consultaram com nutricionistas. A taxa de glicose deles foi medida a cada trimestre.
No fim do estudo, 36 participantes que ingeriram as ervas e 56 que tomaram placebo desenvolveram diabetes. Após agrupar os voluntários por idade e sexo, os pesquisadores concluíram que o risco de desenvolver a enfermidade foi 32% menor entre os voluntários que consumiram Tianqi, em comparação com os que ingeriram placebo.
A redução foi equivalente a de estudos que utilizaram medicamentos alopáticos para diabetes como arcabose e metformina, com a vantagem que o grupo que tomou as ervas chinesas reportou poucos efeitos colaterais.

9633 – Google desenvolve lentes de contato para diabéticos


gugol

O “Google lab” anunciou que desenvolve lentes de contato que ajudarão pessoas com diabetes a controlar seus níveis de açúcar.
“Estamos testando lentes inteligentes fabricadas para medir a taxa de glicose nas lágrimas”, explicaram os responsáveis pelo projeto, Brian Otis e Babak Parviz.
Estas lentes funcionam “utilizando um pequeno dispositivo conectado a um detector de glicose miniaturizado, que estão contidos em duas camadas do material com o qual são feitas as lentes de contato”.
Os testes clínicos estão em andamento, do mesmo modo que os procedimentos junto à agência de medicamentos dos EUA (FDA, sigla em inglês).
Os protótipos das lentes puderam determinar a glicose nas lágrimas a cada segundo e os pesquisadores analisam a possibilidade de integrar sinais luminosos para alertar sobre níveis perigosos.

9475 – A ameaça do diabetes


Além do tombo, o coice!

Os portadores do diabetes têm um risco maior de desenvolver câncer de mama e de cólon e de falecer em decorrência dessas doenças do que os não diabéticos. É o que sugere o resultado de uma análise de vinte pesquisas realizadas entre 2007 e 2012, divulgado no Congresso Europeu de Câncer. De acordo com os pesquisadores, os pacientes diabéticos que participaram dos estudos tiveram mais risco de desenvolver câncer de mama (23%) e de cólon (26%) do que os demais pacientes.

9404 – Matando dois coelhos com uma cajadada – Droga antidiabetes trata Alzheimer em roedores


Pesquisadores brasileiros deram um passo importante para mostrar que o mal de Alzheimer é uma espécie de “diabetes do cérebro” e poderia, inclusive, ser tratado com remédios para diabéticos.
A conclusão está na pesquisa que é a capa da revista científica “Cell Metabolism”, cujo primeiro autor é Mychael Lourenço, do Instituto de Bioquímica Médica Leopoldo de Meis, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
A equipe da universidade, liderada por Fernanda De Felice e Sérgio Teixeira Ferreira, já tem uma série de trabalhos mostrando as conexões entre alzheimer e diabetes.
Uma das pistas a esse respeito é o fato de que o hormônio insulina, mais conhecido por seu papel no controle dos níveis de açúcar no sangue, também atua no cérebro, ajudando a promover as conexões entre os neurônios e a própria sobrevivência deles.
A hipótese dos pesquisadores da UFRJ é que alterações na atuação da insulina no cérebro poderiam abrir caminho para as maçarocas de proteína beta-amiloide que destroem os neurônios no mal de Alzheimer.
No novo estudo, a equipe mostrou que essas maçarocas de beta-amiloide ativam algumas das mesmas moléculas que levam o organismo dos diabéticos a não responder mais à insulina. São moléculas ligadas a processos inflamatórios, as quais parecem estar por trás da perda de conexões entre neurônios.
A seguir, em camundongos, os cientistas viram o que acontecia se drogas usadas para diabetes, como a liraglutida, fossem dadas aos bichos. Aparentemente, o remédio protegeu as conexões cerebrais dos roedores e até as restaurou.
“Também conseguimos demonstrar esse efeito protetor em macacos”.
O próximo passo é testar a ideia em humanos, de preferência com drogas que atuem apenas no cérebro, para evitar efeitos colaterais.

9276 – Diabetes causa uma internação a cada 24 minutos em SP


salada-dieta-comida

É o que mostrou um levantamento da Secretaria de Saúde do estado divulgado no Dia Mundial do Diabetes.
De acordo com o órgão, entre janeiro em agosto deste ano, 14 222 pacientes foram internados na rede pública paulista por esse motivo, uma média de quase 60 pacientes ao dia. Em todo o ano de 2012, foram registradas 22 076 internações (61 por dia, em média) e, em 2011, 23 250 (64 por dia, em média).
Uma pesquisa recente mostrou que, no Brasil, 34% dos diabéticos não sabem se têm o tipo 1 ou 2 da doença. O dado é preocupante, uma vez que os problemas possuem causas, complicações e tratamentos diferentes.
O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune, que ocorre quando o corpo passa a atacar o próprio organismo. Nesses pacientes, o pâncreas deixa de produzir quantidade suficiente de insulina, o hormônio que ajuda a controlar a taxa de açúcar no sangue. Pessoas com a condição precisam medir seus níveis de glicose várias vezes ao dia e repor a insulina por meio de injeções. O tipo 2 da doença, por outro lado, é uma consequência principalmente do excesso de peso, mas o fator genético também aumenta o risco da condição. Manter um peso saudável, praticar atividades físicas e não fumar são as melhores formas tanto de diminuir o risco da enfermidade quanto de evitar que ela se agrave.

Evitando o Diabetes
Trate de perder a barriga
Um dos principais fatores de risco para o diabetes tipo 2 é o acúmulo da gordura visceral, ou seja, a gordura acumulada na região abdominal que também se concentra no fígado e entre os intestinos. “Essa gordura obriga o pâncreas a produzir cada vez mais insulina para que a glicose consiga entrar nas células. Esse excesso estimula uma série de mudanças no metabolismo, como aumento da pressão arterial e das taxas de colesterol no sangue”, explica Carlos Alberto Machado, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Portanto, o ganho de peso pode significar o aumento da gordura visceral e, consequentemente, do risco de diabetes tipo 2.

Faça 30 minutos de atividade física diária
Muitos estudos já relacionaram o exercício físico ao menor risco de diabetes tipo 2, assim como outras pesquisas mostraram que o sedentarismo pode levar ao desenvolvimento da doença. Em 2002, um estudo clássico sobre diabetes, o Diabetes Prevention Program (DPP), mostrou que uma mudança no estilo de vida é melhor para evitar a doença do que medicamentos como a metformina, que reduz a resistência à insulina. Essa mudança no estilo de vida significa 150 minutos de atividade física por semana, uma melhora na alimentação e a perda de 7% do peso corporal em seis meses. “Embora a pesquisa tenha sido feita há dez anos, seus resultados foram comprovados pelos estudos que vieram depois”, diz Carlos Alberto Machado, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

Cuidado com o sono
Um estudo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, que foi publicado neste ano mostrou que dormir mal — ou seja, pouco ou de forma inconstante — aumenta o risco tanto de obesidade quanto de diabetes. Isso ocorre porque noites mal dormidas alteram o relógio biológico e retardam o ritmo metabólico. Essa redução pode significar um aumento de 4,5 quilos ao ano sem qualquer alteração da prática de atividade física ou dos hábitos alimentares. Com isso, há o risco do aumento de glicose e resistência à insulina no organismo, fatores que podem levar ao diabetes.

Controle o stress
Por diferentes motivos, o stress pode elevar o risco de uma pessoa desenvolver diabetes tipo 2. Uma pesquisa feita no Canadá com mais de 7.000 mulheres, por exemplo, concluiu que o stress no trabalho chega a dobrar o risco de mulheres terem a doença. Os autores desse estudo mostraram que o problema emocional está ligado a um maior consumo de alimentos gordurosos e calóricos e a um maior sedentarismo, fatores que aumentam as chances de desenvolver a doença. Além disso, o trabalho sugeriu que o diabetes se favorece por perturbações geradas nos sistemas neuroendocrinológico e imunológicos, que provocam maior produção de hormônios como o cortisol e a adrenalina.

Coma pouco e devagar e não faça jejum
Comer muito, especialmente alimentos calóricos e gordurosos, aumenta o acúmulo da gordura abdominal, um fator de risco importante para o desenvolvimento do diabetes tipo 2. No entanto, não é só a qualidade e a quantidade do que se come que interfere nas chances da doença aparecer. De acordo com uma pesquisa apresentada no Congresso Internacional de Endocrinologia, em maio deste ano, na Itália, a incidência do diabetes é maior em pessoas que comem muito rápido em comparação com quem come mais devagar. O risco, segundo esse estudo, pode chegar a ser 2,5 vezes maior. A frequência com que comemos também interfere nessa probabilidade: uma pesquisa apresentada durante a FeSBE (Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia Experimental) de 2011, mostrou que intercalar períodos de jejum e comilança pode causar diabetes, perda de massa muscular e aumentar a produção de radicais livres.

Sempre que puder, evite comer gordura
A gordura abdominal favorece a resistência a insulina, quadro que está relacionado ao diabetes tipo 2. Portanto, alimentos gordurosos são fatores de risco para a doença, como provaram diversos estudos sobre o assunto. Pesquisadores da Harvard, por exemplo, concluíram que o risco de desenvolver diabetes tipo 2 aumenta 51% se forem consumidos 50 gramas de carne vermelha processada por dia, e 19% se forem ingeridos 100 gramas diárias de carne vermelha não processada. No entanto, algumas mudanças nos hábitos alimentares podem evitar a doença. No mesmo estudo, esses especialistas mostraram que se uma pessoa que consome 100 gramas de carne vermelha todos os dias substitui o alimento por frutas secas para obter a mesma quantidade de proteínas, o risco diminui em 17%. Este número aumenta para 23% se forem consumidos cereais integrais.

Prefira alimentos integrais
Os alimentos integrais, como pães e arroz, por exemplo, são excelentes alternativas para substituir alimentos que possuem farinha de trigo, como o pão francês. Esse tipo de comida é conhecida por elevar rapidamente as taxas de glicose no sangue, o que pode favorecer o surgimento do diabetes tipo 2, especialmente entre pessoas com maior risco da doença. Açúcar branco, frutas em calda enlatadas e batatas também possuem alta carga glicêmica. “Quanto menor o índice glicêmico, melhor para o paciente evitar a doença. Alimentos ricos em fibra e integrais são ideais para isso”, diz o médico Celso Cukier.

Coma frutas, mas não exagere
Frutas fazem parte de uma alimentação saudável e devem ser ingeridas todos os dias. Porém, há uma grande disparidade na quantidade de frutose, o açúcar das frutas e do mel, que elas contêm. Como ela é metabolizada diretamente pelo fígado, não precisa de insulina para sua quebra primária. Porém, isso não permite o seu consumo em excesso. “A fruta tem muito carboidrato e frutose, mas ela não pode ser eliminada da dieta. Por isso, pessoas predispostas ao diabetes tipo 2 devem evitar as mais adocicadas, como as uvas ou o caqui, ou então consumí-las de forma moderada.

Coma queijo e iogurte, mas não exagere
Duas fatias de queijo ou meio pote de iogurte (55 gramas) por dia podem reduzir o risco de diabetes tipo 2 em 12%. O restante dos laticínios, porém, não surtem o mesmo benefício, embora não aumentem o risco da doença. Essas foram as conclusões de um estudo holandês publicado em julho deste ano. Segundo os autores dessa pesquisa, como o queijo, além das gorduras saudáveis, também contenha gordura saturada, o excesso desse tipo de alimento não é recomendado. “Alguns estudos já mostraram que existe uma inteiração entre as células de gordura e o cálcio que ajuda a prevenir a obesidade. No entanto, é preciso tomar cuidado com os excessos”, diz Celso Cukier, nutrólogo do Hospital Albert Eistein.

Beba café descafeinado
Por causa do efeito da cafeína, o café nem sempre é recomendado a pessoas que apresentam tendência a ter doenças cardiovasculares. No entanto, um estudo americano publicado no início do ano mostrou que a bebida descafeinada, além de não provocar condições como pressão alta, pode proteger o organismo contra diabetes tipo 2. “Vários estudos mostraram que os antioxidantes presentes em bebidas como café e chá podem, de alguma forma, reduzir o risco do diabetes. O que falta sabermos é qual a quantidade e o tipo ideais da bebida que surtem tal efeito”.

Se beber, vá de vinho tinto
Várias pesquisas já provaram os benefícios do vinho tinto à saúde (desde que consumido moderadamente). Por isso é possível considerar uma taça ao dia como um aliado na diminuição do risco de diabetes tipo 2, como confirmaram os resultados de um estudo da Universidade de Recursos Naturais e Ciências da Vida, em Viena, na Áustria. Porém, além do teor alcoólico, o vinho também pode ser extremamente calórico. Portanto, o exagero não só não reduz as chances do diabetes, como também eleva o risco.

Coma amêndoas
Pelo menos de acordo com os resultados de um estudo americano publicado no final de 2010, as amêndoas são armas poderosas contra o diabetes tipo 2, especialmente entre pessoas que têm predisposição à doença — ou seja, com níveis de glicose no sangue acima do normal ou com histórico familiar da condição. Segundo a pesquisa, esses alimentos aumentam a sensibilidade à insulina e, consequentemente, reduzem os níveis de açúcar na corrente sanguínea.

8734 – Medicina – De ☻lho no Colesterol


colesterol droga

Ficando por dentro:

Colesterol é uma gordura fabricada no organismo e presente em alguns alimentos, principalmente os de origem animal.
Seu excesso pode se acumular nas artérias e provocar seu entupimento, a aterosclerose é responsável pelo enfarte e derrame cerebral.
O processo de obstrução do vaso sanguíneo se inicia e progride de forma semelhante ao que ocorre com canos de água de esgoto, que acumulam progressivamente sujeira em suas paredes e acabam entupindo.
A dieta ideal para evitar tal problema deve ser a base de verduras, carnes magras, peixes e aves sem pele. Evitar comer gema de ovo mais do que 3 vezes por semana e não reutilizar óleos.
Recomenda-se o aumento de atividade física, mas na medida certa, sem exageros.
A obesidade está diretamente relacionada a maior risco de doenças cardiovasculares, além de diabetes e hipertensão.