10.360 – Mega Massacre – Brasil é goleado pela Alemanha em pleno Mineirão


Irreconhecível e totalmente dominada, principalmente no primeiro tempo, a seleção brasileira foi massacrada pela Alemanha ao ser goleada por 7 a 1, nesta terça-feira (8), no Mineirão, pela semifinal da Copa do Mundo.
Os gols alemães foram marcados por Müller, Klose, Kroos (2), Khedira e Schürrle (2). O gol anotado por Klose foi o seu 16º em Copas. Com isso, passou Ronaldo e se tornou o maior artilheiro em Mundiais. O único gol brasileiro foi feito por Oscar aos 45 minutos do segundo tempo.
Desiludida, a torcida brasileira começou a deixar o Mineirão ainda durante a etapa inicial, quando o Brasil saiu de campo perdendo por 5 a 0.
Foi a pior derrota sofrida pela seleção brasileira em sua história centenária. Antes, a maior goleada sofrida foi para o Uruguai por 6 a 0 na Copa América de 1920. O Brasil também foi a primeira seleção a sofrer cinco gols em 29 minutos de jogo em um Mundial.
A goleada sofrida foi também a primeira derrota de Felipão no comando da seleção brasileira em Mundiais. Ele venceu os sete jogos na conquista do penta em 2002 e tinha três triunfos e dois empates em 2014. Ele ainda acumulava cinco vitórias no título da Copa das Confederações-2013.
Foi também o segundo confronto entre as duas equipes em Copa. No primeiro, a seleção brasileira venceu por 2 a 0 na conquista do pentacampeonato.
Com a vitória, a Alemanha volta a disputar uma final após cair na semifinal de 2006 e 2010. O time chega a oitava final em Copas e se isola como recordista. Os alemães superaram justamente o Brasil que tem sete decisões.
Na final, o time de Joachim Löw encara o vencedor do confronto entre Argentina e Holanda, que se enfrentam na quarta-feira (9), no Itaquerão. O jogo decisivo está marcado para domingo (13), às 16h, no Maracanã.
A equipe alemã busca o tetracampeonato e tenta se igualar a Itália. Os alemães foram campeões em 1954, 1974 e 1990. Por outro lado, perderam na decisão em 1966, 1982, 1986 e 2002.
Já o Brasil vai decidir o terceiro lugar no sábado (12), às 17h, em Brasília.
No confronto contra os alemães, a seleção brasileira entrou em campo com um time que nunca jogou junto. Sem Neymar, que fraturou a terceira vértebra lombar do lado esquerdo, Felipão optou pelo atacante Bernard.
Ele ainda promoveu o retorno do volante Luiz Gustavo na vaga de Paulinho. O setor ainda teve Fernandinho e Oscar. Hulk e Fred também iniciaram a partida. A defesa teve Dante no lugar de Thiago Silva, suspenso, e Maicon no lugar de Daniel Alves.
Com essa formação, a seleção brasileira foi totalmente dominada pela Alemanha. O time brasileiro trocava passes no campo de defesa, mas não conseguia sair jogando em virtude da marcação da seleção rival. O time de Joachim Löw marcava na intermediária e esperava o melhor momento para dar o bote.
Para piorar, a equipe de Felipão tinha um buraco na frente da zaga. Com isso, os alemães chegavam com facilidade a área brasileira.
O primeiro gol alemão foi marcado aos 11 minutos em uma falha do sistema defensivo. Após cobrança de escanteio, Müller apareceu sozinho e completou de pé direito para a rede.
O gol abateu os jogadores e a Alemanha manteve sua estratégia. Aos 23 minutos, Fernandinho não conseguiu fazer o corte, a bola chegou em Klose, que chutou duas vezes para marcar o segundo alemão e o seu 16º em Copas.
No minuto seguinte, Lahm cruzou da direita, a bola passou por toda a defesa e sobrou para Kroos finalizar no canto e ampliar. Aos 26, Fernandinho perdeu a bola na intermediária, Khedira tocou para Kroos, que só completou para o gol.
Três minutos depois, Khedira roubou a bola no meio, tabelou com Özil e colocou no canto de Júlio César.
Depois de a seleção não ver a cor da bola na etapa inicial, Felipão fez duas alterações: Paulinho entrou no lugar de Fernandinho, enquanto Ramires substituiu Hulk.
Com os alemães mais relaxados, a seleção brasileira criou oportunidades e parou no goleiro Neuer. Aos 6 minutos, Oscar chutou forte e o goleiro alemão fez bela defesa. Três minutos depois, Paulinho tentou duas vezes e Neuer fez excelentes defesas.
Nos contra-ataques, os alemães eram perigosos e ampliaram o marcador. Aos 24min, após nova excelente troca de passes, Lahm cruzou rasteiro para Schürrle fazer o sexto. Dez minutos depois, Schürrle marcou o sétimo.
Felipão ainda colocou Willian no lugar de Fred, que saiu vaiado de campo. O atacante anotou apenas um gol –contra Camarões– durante os seis jogos.
Com a goleada, a torcida gritou olé e aplaudiu a seleção alemã a cada troca de passes.

10.149 – Abertura da Copa de 2014 – Brasil X Croácia


copa arara

Quando e onde: 12/6, às 17 horas, no Itaquerão, em São Paulo.
Por que assistir: Abertura da competição e estreia do Brasil, com o mundo inteiro de olho no início da primeira Copa disputada no país do futebol desde 1950. Só deve perder para a final em audiência.
Fique de olho: Em Neymar, a chave para o sucesso do Brasil no Mundial.
Em quem apostar: No Brasil, que não perde jogando no país desde 2002 – e que sofreu sua última derrota numa partida oficial disputada em casa há quase quatro décadas, na Copa América-1975.

10.148 – Mega Almanaque Copa 2014 – Itália x Inglaterra: antes de Manaus, vantagem da ‘Azzurra’


confrontos clássicos

O primeiro duelo entre seleções campeãs mundiais na Copa de 2014 está marcado logo para o terceiro dia do torneio: Itália x Inglaterra, em 14 de junho, na Arena Amazônia, em Manaus. Curiosamente, as tradicionalíssimas equipes, que somam cinco títulos e trinta participações na competição, só se enfrentaram uma vez em Mundiais: foi na disputa de terceiro lugar da Copa de 1990, em Bari, com vitória dos donos da casa, 2 a 1. No retrospecto geral, muito equilíbrio: são 24 jogos com nove vitórias dos italianos, oito dos ingleses e sete empates. O “English Team”, apesar da desvantagem, marcou mais gols (30 contra 27) e venceu o duelo mais recente, há dois anos. Os rivais também duelaram em quatro partidas de Eliminatórias de Copa.

10.088 – Contradições – Copa explora tatu como mascote, mas não ajuda a conservar espécie


fuleco

Desde que virou mascote da Copa de 2014, o tatu-bola estampa o material promocional da Fifa e de seus parceiros, posa ao lado de celebridades e tem sua imagem comercializada em vários produtos. Tudo isso, porém, trouxe poucos resultados – e, principalmente, recursos- para a conservação da espécie, dizem ambientalistas.
Eles reclamam que a Fifa não repassa recursos para conservar a espécie, exclusiva do Brasil e classificada como vulnerável à extinção.
Também há reclamações da falta de divulgação, nas aparições e nos produtos vinculados a Fuleco, sobre as características naturais da espécie e as ameaças a seu habitat e conservação.
O tatu-bola vive sobretudo na caatinga e tem sofrido com a destruição de seu habitat. Nos últimos dez anos, houve um declínio de 30% na população.
Por meio de sua assessoria, a Fifa informou que se engaja nas questões ambientais e que admira e respeita o trabalho da ONG. Eles informaram que um dos parceiros da entidade, a Continental Pneus, já repassa recursos para a preservação do tatu-bola na Associação Caatinga.
Segundo o secretário da associação, esse é o único apoio recebido de um patrocinador da Copa até o momento, e o suporte foi apenas para 2013.
“Estamos em contato para verificar a possibilidade e interesse de apoio para 2014”, completou Castro. Ele lembra que outras empresas envolvidas com a Copa do Mundo, assim como a Fifa, não quiseram destinar recursos para proteger o tatu-bola.