14.014 – Parasita de 99 milhões de anos é encontrado intacto em âmbar


ambar
O fóssil de um piolho-de-cobra de 99 milhões foi encontrado preservado em uma pedra de âmbar, em Myanmar. O artrópode da classe diploide é tão único que os especialistas tiveram de criar uma subordem própria para ele. A espécie foi nomea da Burmanopetalum inexpectatum.
O exemplar é o primeiro fóssil de um milípede pertencente à ordem Callipodida já encontrado, e é menor do que seus parentes da mesma época — apenas 8,2 milímetros. A descoberta também ajuda na compreensão de quando a espécie apareceu, sugerindo que esse grupo de artrópodes deve ter evoluído há pelo menos 100 milhões de anos.
“Foi uma grande surpresa para nós que este animal não possa ser colocado na atual classificação de milípedes”, disse o principal autor do estudo, professor Pavel Stoev, em comunicado. “Apesar de sua aparência geral ter permanecido inalterada nos últimos 100 milhões de anos, como nosso planeta sofreu mudanças dramáticas várias vezes nesse período, algumas características morfológicas na linhagem Callipodida evoluíram significativamente.”
De acordo com o co-autor do estudo, Dr. Thomas Wesener, apenas 12 espécies de diplóides da Era Mesozoica — um período de 185 milhões de anos — foram encontradas até então, mas as expectativas crescem com novas descobertas.
Isso porque o âmbar em que Burmanopetalum inexpectatum foi encontrado contém mais 528 milípedes, que vem sendo investigados: “Nos últimos anos, quase todas as 16 ordens vivas de milípedes foram identificadas neste âmbar de 99 milhões de anos de idade. Os belos dados anatômicos apresentados por Stoev mostram que Callipodida agora se junta ao clube”, disse Wesener.

14.010 – História da Guerrilha – Surgia um Revolucionário


guerrilha
O que levou uma série de grupos de esquerda, nacionalistas e revolucionários, a empreenderem insurreições armadas no Brasil? E o que levou milhares de jovens a aderirem a um projeto de transformação radical do país?
Como consequência da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a década de 1960 vai ser uma época de reconstrução das nações e das instituições de relações internacionais. O fim deste conflito ocorreu com o avanço das tropas aliadas, capitaneadas pelos Estados Unidos, e das forças nacionais ou de resistência ligadas à União Soviética. Ambas se dirigiram para a Alemanha a fim de derrotar o nazismo e seus aliados fascistas. Berlim foi simbolicamente colocada no centro do encontro dessas grandes forças vencedoras, iniciando o período histórico conhecido como Guerra Fria. A Europa, então, se dividiu entre a parte ocidental – sob a hegemonia do bloco que defendia “a democracia e a liberdade” – e a oriental – “socialista”.
O termo Guerra Fria descreve bem aquele momento: oposição entre os dois blocos, mas sem ações militares diretas. Combates armados ocorriam somente em contextos locais ou nacionais. No imaginário das democracias liberais do ocidente, o inimigo encontrava-se dentro de seus territórios, alimentado pela denominada subversão comunista. A repressão aos movimentos revolucionários tornou-se prática constante nos países ocidentais, enquanto nos socialistas impunha-se o apoio ideológico e logístico às ações que visavam derrubar o regime capitalista.
Foi nas décadas de 1950 e 1960 que eclodiram golpes militares interrompendo projetos de reformas nacional-estatistas, como ocorreu com a derrubada de governos eleitos na Argentina (Perón, em 1955), Bolívia (Paz Entessoro,em 1964) e Brasil (João Goulart, em 1964), todos apoiados pelos norte-americanos sob a justificativa de bloquear a expansão do perigo comunista. Os países alinhados ao bloco capitalista substituíram as declarações de estados de exceção por ideologias de segurança nacional. Não bastava, como em momentos anteriores, incluir aspectos autoritários no ordenamento jurídico e na política das repúblicas liberais. Tratava-se, a partir de então, de instituir ditaduras com a justificativa de proteger a Nação contra seus inimigos, que encontravam-se no interior do país e eram constituídos pelos próprios cidadãos. No Brasil, a Doutrina de Segurança Nacional, política brasileira de caça aos inimigos internos, surge nas Forças Armadas a partir dos contatos com os militares norte-americanos, iniciado durante as ações da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Segunda Guerra. Sua elaboração e divulgação como discurso ideológico ficaram sob o comando da Escola Superior de Guerra (ESG), a instituição que mais formou militares para os principais postos de comando da ditadura. Antes do golpe de 1964, a ESG já fazia a ponte entre empresários e militares e a criação do Serviço Nacional de Informações (SNI), instituído em junho daquele ano. Assim fortalecia as estratégias de controle e repressão ao inimigo interno.
Em resposta à produção de ditaduras na América Latina, grupos de esquerda, em especial os partidos comunistas, passaram a debater sobre o melhor modo de continuar a luta política contra os regimes autoritários alinhados ao modelo político norte-americano. É quando um evento histórico tem forte impacto no imaginário daqueles grupos e de milhares de jovens: a Revolução Cubana, em 1959. Comandada pelo líder estudantil e popular Fidel Castro e pelo revolucionário itinerante argentino Che Guevara, o movimento vitorioso em Cuba instalou entre as esquerdas a discussão da alternativa da luta armada e da necessidade de organização do processo revolucionário.
Além da Revolução Cubana, os movimentos nacionalistas e de esquerda tomaram outros acontecimentos revolucionários como referência para a luta contra as ditaduras e pela revolução socialista na América Latina. Por exemplo, a conquista de independência da Argélia, em 1962, os movimentos anticolonialistas da África e do mundo árabe e a guerra do povo vietnamita contra a potência militar norte-americana.
Os anos 1950 foram tempos em que havia uma divisão forte na sociedade, um antagonismo crescente que iria estourar na década seguinte. De um lado, o Brasil vivia o otimismo de uma burguesia nacional, beneficiada pelos investimentos dos grandes países capitalistas, e de crescimento da classe operária e suas demandas por direitos. Do outro, espalhava-se pelas ruas a luta pela reforma agrária. Entre outros movimentos, surgiram as Ligas Camponesas em Pernambuco e ganhou força o Partido Comunista Brasileiro (PCB), especialmente no governo do presidente João Goulart.
Em 1964, com o apoio explícito do governo norte-americano e de parte de setores conservadores, como os partidos de direita e a Igreja Católica, além da grande imprensa, os militares associados a setores civis deram um golpe de estado derrubando João Goulart e encerrando os dezenove anos de democracia (1945-1964). A força da ideia de revolução era tamanha que mesmo o movimento golpista se autodenominou “revolucionário” [Ver RHBN nº 83]. O Ato Institucional nº 1, editado pelas Forças Armadas em 9 de abril de 1964, estabelece por decreto a relação entre o governo e a vontade da nação: “A revolução se distingue de outros movimentos armados pelo fato de que nela se traduz, não o interesse e a vontade de um grupo, mas o interesse e a vontade da Nação. A revolução vitoriosa se investe no exercício do Poder Constituinte. Este se manifesta pela eleição popular ou pela revolução. Esta é a forma mais expressiva e mais radical do Poder Constituinte. Assim, a revolução vitoriosa, como Poder Constituinte, se legitima por si mesma”.
À época já era clara a contradição entre o programa político dos partidos alinhados a Moscou, de cunho reformista – de conciliação com as burguesias nacionais e etapas democrático-capitalistas no caminho para a Revolução – e a prática dos militantes, envoltos na atmosfera revolucionária imediata. No Brasil, surgem novos agrupamentos políticos, alguns de origem marxista, outros nacionalistas, influenciados pelos ares da luta revolucionária. Diante do acirramento da repressão, que atingiria patamar inédito com a publicação do Ato Institucional nº 5, de 1968, ganha corpo a luta armada contra a ditadura.
O revolucionário comunista Carlos Marighella publica, em 1966, sua carta de rompimento com o PCB e dá o tom da opção pela luta armada: “Falta o impulso revolucionário, a consciência revolucionária, que é gerada pela luta. A saída do Brasil – a experiência atual está mostrando – só pode ser a luta armada, o caminho revolucionário, a preparação da insurreição armada do povo, com todas as consequências e implicações que daí resultarem”.
Construía-se, a partir dali, um “sujeito revolucionário”, cuja figura mais universal foi a de Che Guevara – representante daqueles que não aceitam viver sob a opressão de um regime autoritário ou diante de injustiças sociais. O que os fazia agir? O que os levou à luta armada, à revolução? Uma geração de jovens acreditou com todas as forças em um mundo igualitário e se dispôs, “com as consequências e implicações que daí resultarem”, a doar suas vidas por este imaginário. Enquanto os partidos queriam a tomada do Estado e a construção de outro regime político, o sujeito revolucionário não aceitava o papel que o mundo capitalista lhe propunha, e apostava na construção de outras formas de relação humana.
Consentir com o esquecimento dessas memórias leva à renúncia de valores que a ditadura se esforçou para destruir . O novo Estado de direito, cuja existência dependeu em boa parte daquela luta, ainda não fez o reconhecimento necessário.

13.901 – Universidades da Idade Média


No tramitar da Idade Média, uma grande parte da população não tinha acesso ao conhecimento, nem mesmo o básico que é ler e escrever, e não tinha nenhuma perspectiva na vida de reter tais conhecimentos.
O que ocorria neste período é o que ocorre nos dias atuais, as disparidades financeiras e de oportunidades. Na Idade Média ler e escrever eram privilégio de uma estreita parcela da população composta por integrantes da igreja e comerciantes.
As primeiras escolas medievais se instalavam e eram regidas pelas igrejas e mosteiros, a partir do século XII, houve uma conscientização acerca da educação, pois a formação se fazia importante no comércio, que utilizava a escrita e o cálculo, e nesse mesmo período surgiram escolas fora da igreja.
As universidades tiveram início no século XIII, como um tipo de associação de professores e alunos que se unia para questionar as autoridades, a universidade da França surgiu a partir de uma associação de professores e a da Itália foi composta por alunos.
As universidades da Idade Média permitiam dentro de suas dependências o livre pensamento e ideologias, nesta época existia faculdade de artes, medicina, direito e teologia, todas as aulas eram ministradas em latim assim como grande parte das obras escritas.
No século XI desenvolveu-se uma literatura variada: A poesia épica (falava sobre heróis e honra), a poesia amorosa (falava de amor e admiração à mulher) e Romance (guerra, aventura e amor).
No campo da filosofia, os principais eram Santo Agostinho e São Tomás de Aquino, o primeiro defendia a razão e o mundo espiritual como superior e o segundo afirmava que o homem não devia se apoiar na religião.

13.887 – Jade


jade
Jadeíta : NaAl (Si2O6)
Nefrita : Ca2 (Mg, Fe)5((OH,F)Si4O11)2
Propriedades físicas
Densidade 3,34
Dureza 6,5 – 7
É o nome dado a dois tipos de minerais que geralmente são alvacentos e tendem para o verde escuro. o jade chinês é o mais raro, é um silicato de sódio e alumínio encontrado não apenas no oriente, mas também na Guatemala. Possui um brilho ligeiramente cintilante e é dura e fibrosa. A nefrita é proveniente em sua maior parte da Nova Zelândia, América e Rússia, sendo cintilante e quebradiça. O jade indiano, aventurina, é uma espécie de quartzo.
Jade é um nome que era aplicado às pedras ornamentais que eram trazidas à Europa da China e da América central. Somente em 1863 se percebeu que o termo “jade” estava sendo aplicado a dois minerais diferentes. A jadeíta quase nunca é encontrada em cristais individuais e é composta dos cristais bloqueando microscópicos que produzem um material muito resistente. Nefrita é realmente um não-mineral, mas uma variedade da actinolita mineral.

A variedade de nefrita é composta de cristais fibrosos entrelaçados em uma massa compacta resistente. Outras variedades de actinolita são completamente diferentes da nefrita.
A dureza do jade é notável. Tem uma resistência maior do que o aço e é posto para trabalhar por muitas civilizações adiantadas para machados, facas e armas. Estava mais atrasado que o jade se transformou uma pedra simbólica usada nos ornamentos e outros artefatos religiosos durante os éons.

13.320 – Historia – Você Sabia Que..


nobreza

A nobreza medieval era proprietária das terras e os nobres tinham uma hierarquia de acordo com os seus domínios. Dessa forma, quanto maiores fossem as terras de um nobre, mais importância ele tinha nas relações sociais. Os castelões eram proprietários das terras em  torno do seus castelos; os barões dominavam pequenos territórios, com um ou mais castelos, chamados baronatos, a seguir vinham os condes, senhores dos condados terras de grandes extensões, que incluíam até cidades; os marqueses comandavam territórios de fronteira, os marquesados; depois vinham os duques, com autonomia administrativa nas grandes extensões territoriais que possuíam, os ducados. Acima de todos estavam os soberanos.

13.226 – Internet e Conhecimento – China lançará enciclopédia virtual para concorrer com a Wikipedia


enciclopedia virtual chinesa
O governo chinês chamou 20 mil cientistas e acadêmicos do próprio país para criar uma versão estatal da Wikipedia, a maior enciclopédia virtual do mundo. Segundo a agência estatal responsável, a obra ambiciosa, que terá conteúdo de mais de 100 áreas do conhecimento, entrará no ar em 2018.
A plataforma online é novidade, mas a enciclopédia em si, não. Essa é a terceira edição da Enciclopédia Chinesa, cuja primeira edição foi impressa em 1993 após 15 anos de trabalho. Ela tinha 74 volumes físicos.
O projeto prevê 300 mil verbetes de mil palavras cada um. Se tudo der certo, afirma o jornal neozelandês NZ Herald, o resultado final será duas vezes maior que a Encyclopædia Britannica. Do ponto de vista numérico, ela não chegará aos pés da Wikipedia chinesa, com 939 mil artigos.
Essas comparações, porém, são arriscadas. Desde 1974 a Britannica é publicada em três partes: a primeira é reservada a verbetes curtos, de consulta rápida. A segunda, a versões aprofundadas dos principais tópicos mencionados antes. A terceira, a índices e informações sobre os autores.
Essas diferenças tornam uma comparação direta muito difícil – critérios de contagem diferentes trarão resultados diferentes.
Além disso, tamanho não é documento. A padronização do conteúdo e a seleção de boas fontes e colaboradores são essenciais, e, nesse aspecto, a Wikipedia inevitavelmente perde para suas concorrentes de papel mais antigas.

 

13.149 – Física – Atingir o zero absoluto é matematicamente impossível (?)


zero-absoluto-entre-as-escalas-kelvin-celsius-1314021140
Se estivesse vivo, esse seria o momento em que Walther Nernst daria um daqueles sorrisinhos de canto de boca. Isso porque o principal princípio da terceira lei da termodinâmica, proposta pelo físico alemão há mais de cem anos, acaba de ser comprovada como matematicamente irrefutável. De acordo com um estudo desenvolvido na University College London, é impossível que algo chegue à temperatura de – 273,15 °C, o chamado zero absoluto, que é medido em Kelvin (K).
A termodinâmica, campo que estuda as trocas de calor, tem suas bases na física clássica. Isso indica que, apesar de muito estudada, tende a adotar algumas concepções questionáveis, especialmente quando se fala de partículas muito pequenas – do campo da física quântica. Houve várias tentativas de se provar que haveria um jeito de ultrapassar tal limite. A temperatura mais fria atingida, no entanto, ainda esteve algumas centenas de microkelvin de atingir o zero.
A tarefa de congelar algo até a menor temperatura possível é realizada em laboratório com o auxílio de ondas luminosas. Os fótons, partículas que compõem os feixes de luz, interagem com o material, “roubando” a energia de seus átomos. Essa energia é responsável pela agitação das moléculas. Com menos energia, os átomos ficam mais “parados” e portanto, o material tem menor temperatura. Aí que os pesquisadores acreditam que esteja a incoerência das tentativas.
Os fótons não têm como resfriar os átomos do material a uma temperatura menor do que zero simplesmente porque interagem com ele. Qualquer contato pode, por si só, criar alguma quantidade de calor. Havendo um mínimo de calor, portanto, a entropia do material será diferente de zero. Entropia é um conceito físico entendido como o máximo de energia que pode ser transformada em trabalho – no caso, calor.
Por meio de cálculos matemáticos, os pesquisadores concluíram que não existe a possibilidade de se construir um sistema possível para dar conta da tarefa. Poderíamos, portanto, apenas nos aproximar mais e mais do feito. Mas sem jamais alcançar a temperatura mínima.

13.090 – Mega Sampa Ecologia – A Serra do Mar


estrada-de-santos
Velha estrada de Santos abandonada

É um maciço rochoso que percorre quase toda a extensão do litoral sul e sudeste brasileiro. Segundo a geologia, a origem da Serra do Mar está relacionada ao evento geológico ocorrido a cerca de 130 milhões de anos atrás e que foi o responsável por separar o super continente da Gondwana formando a América do Sul e a África, e dando origem ao Oceano Atlântico.
Ao se separar do continente africano a placa tectônica sul-americana se chocou com a placa de nazca (do Oceano Pacífico) dando origem a cadeia andina e soerguendo a placa sul-americana na parte oriental, a costa brasileira. Esse soerguimento, ocorrido a cerca de 80 milhões de anos, foi o responsável por expor rochas muito antigas (cerca de 600 milhões de anos) dando início à formação do sistema Serra do Mar – Mantiqueira.
Os intemperismos físicos, químicos e biológicos e a continuação dos eventos geológicos (como o soerguimento do litoral brasileiro que ocorre até hoje) se encarregariam de continuar esculpindo a Serra do Mar.
Com uma extensão de cerca de 1.000 km, a Serra do Mar passa pelo litoral de São Paulo, Santa Catarina, Paraná e rio de Janeiro recebendo um nome variado em cada local: Serra do Mar, Juréia – Itatins ou Serra da Paranapiacaba em São Paulo, Serra do Itajaí ou Serra do Tabuleiro em Santa Catarina, Serra da Prata, Marumbi, Graciosa ou Ibitiraquire no Paraná e Serra da Bocaina ou dos Órgãos no Rio de Janeiro.
Devido à sua grande extensão e variação de altitudes (de 1200 a 2200 m acima do nível do mar), a Serra do Mar apresenta uma grande variedade de vegetações que vão desde a Floresta Ombrófila Densa até aos Manguezais. Infelizmente, a rápida ocupação do litoral brasileiro e o desenvolvimento das regiões sul e sudeste quase acabaram com essa riqueza de biodiversidade: só no Estado de São Paulo cerca de 90% da vegetação que cobria a Serra do Mar foi devastada.
Uma curiosidade sobre a Serra do Mar: ela continua crescendo. Estudos apontam que o movimento de soerguimento da costa brasileira atingiu uma elevação de 25 metros durante os últimos 300 mil anos.

grande-barreira-da-serra-do-mar-4

estrada-santos

12.932 – Chuva – Os Rios Voadores


Chuva sobre areas de cultivo de cana no interior de Sao Paulo.
A chuva é um fenômeno meteorológico que consiste na precipitação de gotas de água, no estado líquido, sobre a Terra. Em quase todos os casos, a chuva se forma nas nuvens, mas em certos lugares, também é possível cair chuva sem a presença de nuvens. E nem toda a chuva que sai das nuvens atinge o solo, pois algumas vezes, ela se evapora na atmosfera bem antes de cair sobre a superfície. Para que a gente possa entender melhor a chuva, vamos examinar o que são as nuvens.
As nuvens podem apresentar diversas formas, que variam dependendo da natureza, dimensões, número e distribuição espacial das partículas que a constituem e das correntes de ventos atmosféricos. Cada nuvem é um conjunto de partículas finas de água (em seu estado líquido) ou de gelo (água em estado sólido) que se encontram em suspensão na atmosfera, uma manifestação visível que resulta da condensação de vapor de água (água invisível, em seu estado gasoso). Uma nuvem pode conter partículas de água líquida ou de gelo em menores ou maiores dimensões, além de partículas procedentes, por exemplo, de vapores industriais, de fumaças ou de poeiras.

O que é precipitação? É diferente de chuva?
A precipitação é qualquer forma de água, seja líquida ou sólida, que cai do céu. Assim, além da chuva líquida que cai na maior parte do Brasil, inclui também granizo e neve.
A chuva se refere apenas à forma líquida das precipitações.
As gotas de chuva, que podem ter um diâmetro de até 6 mm, não seguem a mesma formação que as gotas de água que caem de uma torneira, por exemplo. As menores, com menos de 1 mm de raio, na verdade, são esféricas. As que crescem mais, começam a se deformar na parte inferior, porque a pressão do ar as puxa para cima durante a queda, momento em que começam a conseguir contrariar a tensão superficial que as mantém esféricas.
Quando o raio excede cerca de 4 mm, o buraco interior cresce tanto que a gota, antes de se partir em gotas menores, fica com uma forma que quase parece um paraquedas: a forma de um saco de paredes finas voltado para baixo, com um anel mais grosso de água em roda da abertura inferior. As gotas de chuva são muito maiores do que as gotículas das nuvens e podem ficar suspensas no ar por muito tempo. Como são muito maiores e mais pesadas, as gotas de chuva não ficam suspensas no ar e dão origem à chuva.
Dependendo da quantidade de água que chove e o tamanho das gotas, podemos descrever a chuva como chuvisco, garoa, aguaceiro, pé-d’água, dilúvio, pancada, etc.
O estado de São Paulo é conhecido como terra da garoa, ou do chuvisco, que é um tipo de precipitação que se caracteriza por ter um tamanho de gota de água pequeno, dando a impressão de que as gotas flutuam no ar em vez de caírem. O chuvisco se origina de nuvens relativamente baixas e de pouco desenvolvimento vertical, como as nuvens estratiformes.
Há dois tipos básicos de precipitação: estratiformes e convectivas. As precipitações podem estar associadas a diferentes fenômenos atmosféricos sob diferentes escalas de desenvolvimento temporal e espacial. Por exemplo:
chuvas frontais são causadas pelo encontro de uma massa fria (e seca) com outra quente (e úmida). Por ser mais pesado, o ar frio faz o ar quente subir na atmosfera. Com a subida da massa de ar quente e úmida, há um resfriamento da mesma que condensa e forma a precipitação.
chuvas de convecção são também chamadas de chuvas de verão na região Sudeste do Brasil e são provocadas pela intensa evapotranspiração de superfícies úmidas e aquecidas (como florestas, cidades e oceanos tropicais). Precipitação convectiva é comum no verão brasileiro, na Floresta Amazônica e no Centro-oeste. Na região Sudeste, particularmente sobre a Região Metropolitana de São Paulo e sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, também ocorrem tempestades convectivas associadas à entrada de brisa marítima ao final da tarde com graves consequências sobre as centenas de áreas de risco ambiental. Estas chuvas também são conhecidas popularmente como pancadas de chuva, aguaceiros ou torós.
chuvas orográficas são também chamadas de chuvas de serra, ou ainda, chuvas de relevo e ocorrem quando os ventos úmidos se elevam e se resfriam pelo encontro de uma barreira montanhosa, como é normal nas encostas voltadas para o mar. São comuns nos litorais paranaense, catarinense e na Serra do Mar.
A chuva tem papel crucial no ciclo hidrológico. A quantidade de chuva que cai é medida usando um instrumento chamado pluviômetro, de funcionamento simples: a boca de um funil de área conhecida faz a coleta das gotas de chuva e as acumula em um reservatório colocado abaixo do funil. Normalmente, esse recipiente está marcado com uma escala graduada, de forma que o observador pode medir o volume de água acumulado num determinado período, por exemplo, 25 mm por metro quadrado nas últimas 24 horas.
A manutenção do ciclo da água é fundamental para nossas vidas e para a natureza, pois promove a regularidade da temperatura e a água das chuvas abastece os nossos rios e lagos e penetra no solo para irrigar a vegetação. Ela permite a realização de atividades importantes para a sociedade humana, como a agricultura e a pesca, por exemplo.

12 929 – Cientistas tentam descobrir se elevou frequência de ressacas no Brasil


ressaca
Morar pertinho da praia pode ter inconvenientes bem piores do que a ferrugem nos móveis e eletrodomésticos, efeito da maresia. Volta e meia o mar se revolta e invade quiosques e avenidas com suas ondas, causando estragos consideráveis como os vistos recentemente no litoral do Sul e do Sudeste.
Ainda faltam métodos confiáveis de previsão das ressacas e dados que confirmem se elas estão ocorrendo com maior frequência. Por isso mesmo, o fenômeno oceano-meteorológico tem ganhado mais atenção e protagonismo nas discussões e pesquisas climáticas, numa tentativa de compreendê-lo melhor.
O problema é que não há um registro histórico detalhado nem muita informação a respeito das ressacas no litoral brasileiro, segundo Roberto Fontes, professor da Unesp de São Vicente. Daí a dificuldade em dizer se os fenômenos aumentaram em número e intensidade nos últimos anos –seja por causa do aquecimento global ou outras mudanças climáticas.
Uma estatística curiosa é o registro de que, entre eventos chamados de popularmente de “maré alta” e ressacas, 73% dos fenômenos se concentram na década de 2000, de acordo com uma pesquisa de 2008 baseada em acervos de jornais e em bancos de dados de desastres da cidade de Santos, no litoral de São Paulo. em 88 anos observados
Apesar de não existir uma capacidade observacional tão detalhada do clima para saber exatamente o que está acontecendo, para o estudioso do clima e professor da USP Paulo Artaxo o risco é claro. “Todos os modelos climáticos apontam claramente para um aumento contínuo nas ressacas e no nível do mar, que subiu 25 cm nos últimos cem anos.”
Para o físico e professor da USP Belmiro Castro, porém, é prematuro dizer que as mudanças climáticas estão causando um aumento na ressaca. Dentro do complexo sistema climático, o aquecimento global poderia até arrefecer as ressacas, caso reduzisse a intensidade das frentes frias, por exemplo.
A aparente indisciplina oceânica é produto da combinação de dois fatores: a presença de ventos fortes e da altura da maré –fenômeno determinado astronomicamente pelas posições relativas do Sol, da Lua e da Terra.
Os maiores efeitos (ou seja, maiores amplitudes de marés altas) acontecem quando os três astros formam uma linha reta, maximizando a ação da força gravitacional, que move as águas. Isso acontece nas fases de lua nova e de lua cheia.
Descontando os efeitos meteorológicos, a variação da altura do nível do mar é o que o cientistas chamam de um fenômeno determinístico, ou seja, é possível saber com certeza qual será a altura da maré a cada instante.
A preamar (pico da maré alta) e a baixamar (menor nível da maré baixa) se alternam em intervalos de um pouco mais de seis horas. A pior ressaca possível aparece principalmente quando há coincidência de ventos fortes, causados por frentes frias, com as marés cheias.
Para prever as ressacas, o difícil é saber quando a ventania virá. As massas geladas de ar que vão provar ressacas nas regiões Sul e Sudeste do Brasil se formam na Antártida, ao sul. Ao passarem próximos à costa com grande intensidade –fenômeno que recebe o nome de ciclone extratropical–, os ventos provocam a ressaca.
(Quando os ventos vêm do norte, o efeito geralmente é oposto, diminuindo o nível do mar na costa, explica Castro.)
Não dá para afirmar ao certo quando um ciclone desses passará próximo à nossa costa e quão intensa será a força desses ventos. O que se sabe é que o período de maior incidência é em torno do inverno.
A previsão só funciona bem quando o evento já está bem perto de acontecer, relata Castro, que coordena um laboratório que estuda o tema. Um dos resultados da pesquisa é um mapa de risco que consegue prever, com confiabilidade maior que 80%, uma ressaca com até dois dias de antecedência.

12.913 – Perspicácia – Autodidatismo é um dom?


autodidatismo-o-que-e
Autodidata é a pessoa que tem a capacidade de aprender algo sem ter um professor ou mestre lhe ensinando ou ministrando aulas. O próprio indivíduo, com seu esforço particular, intui, busca e pesquisa o material necessário para sua aprendizagem.
O termo vem do grego autodídaktos. Que ou quem aprendeu ou aprende por si, sem auxílio de professores.
Pessoas autodidatas em sua maioria normalmente enfrentam alguma dificuldade no início de seu processo de aprendizado, por falta de um professor ou mestre.Para se tornar um bem-sucedido autodidata é necessária uma grande carga de leitura e pesquisa sobre o tema estudado, suprindo assim a ausência de um professor ou mestre, o qual traria a resposta de forma mais fácil.
É as vezes confundido um autodidata com uma pessoa que gosta de estudar, mas ao contrário daqueles que tem prazer de estudar, o autodidata tem a preferência de estudar por conta própria. Para o autodidata, o processo de pesquisa tem mais valor que o próprio resultado, pois ao buscar uma informação, acaba se apropriando de vários outros conhecimentos.
O autodidatismo não é completamente um dom nato, ou seja, não necessariamente trata-se de uma capacidade inata; assim como o empreendedorismo qualquer pessoa pode desenvolver esta habilidade, basta conhecer os primeiros passos, a “ponta da linha” do fundamento inicial do conhecimento na área em que deseja. Entretanto, alguns nascem com o qual pode-se dizer “dom” para aprender, fazendo-os quase autodidatas natos. Há casos de pessoas que além de não necessitarem de um mestre, preferem realmente abdicar de ter tal ajuda para aprender sozinho, as vezes encarando-o como algo que não facilita seu meio de aprendizado, e apenas o torna sem tanto valor pois as respostas ficam sempre a mão.

12.343 – Conhecimento – Estudo aponta quais são os países mais ignorantes do mundo


bandeira-do-brasil-550x381
O povo brasileiro parece fazer parte de um gigante que conhece pouco sobre si, segundo um estudo chamado Perigos da Percepção.
O país ficou com a terceira pior colocação num raking que tinha por objetivo saber quanto um povo sabe sobre si mesmo. Os brasileiros mostraram ignorar muitos dados sobre sua própria população em aspectos como idades, índices de imigração e de acesso à internet entre outros, perdendo apenas para o o líder México e a Índia.
O estudo reuniu 33 nações de todos os continentes e foi feito com cerca de mil brasileiros. Para fazer o cálculo, a pesquisa do instituto britânico Ipsos MORo produziu 12 questões e comparou as suposições dos entrevistados com os dados reais. A pesquisa foi feita entre os dias 1 e 16 de outubro de 2015.

Os brasileiros erraram, especialmente, as perguntas relacionadas à idade da população. Os entrevistados acreditavam que a média de idade dos habitantes do próprio país é de 56 anos, mas o correto é 31. Outra pergunta que os entrevistaram erraram muito foi “a cada 100 pessoas, quantas você acha que têm 14 anos ou menos?”, a média dos palpites foi 39, porém o certo é 24.

O estudo também mostrou que o brasileiro imagina que há mais mulheres na política do que realmente existe. Numa média geral, os entrevistados disseram que 31% dos políticos são mulheres, mas esse número é bem inferior: 14%. Um grande erro foi sobre a porcentagem de imigrantes. As respostas apontavam 25%, mas somente 0,3% da população brasileira é de fora.

Na outra ponta, os países mais conscientes sobre o próprio povo são Coreia do Sul, Irlanda e Polônia.

Veja abaixo o ranking dos piores 20 colocados:

1) México

2) Índia

3) Brasil

4) Peru

5) Nova Zelândia

6) Colômbia

7) Bélgica

8) África do Sul

9) Argentina

10) Itália

11) Rússia

12) Chile

13) Grã-Bretanha

14) Israel

15) Austrália

16) Japão

17) Canadá

18) Alemanha

19) Holanda

20) Espanha

11.490 – Português – De onde vêm os termos magnífico, excelentíssimo e meritíssimo?


Do latim. Magnífico, que se refere aos reitores de universidades, vem de magnum – imponente, grandioso. Os juízes são tratados como meritíssimo, originário da palavra meritus, merecedor. Subentende-se que seja merecedor de confiança. Já excelentíssimo é um termo mais abrangente. Pode ser empregado para senadores, deputados e até para o presidente. A origem é o termo excellentem, traduzido como “aquele que eleva-se acima de”. Seria uma forma de distinguir alguns indivíduos no meio da multidão. O que não é possível precisar é a partir de quando essas palavras viraram uma forma de tratamento. É certo que foi em Portugal, mas não se sabe em que século. “Não existe dicionário histórico-etimológico da Língua Portuguesa”.

10.977 – Curiosidades – Como se acende a chama do palito de fósforo?


fosforo

O palito queima porque sua cabeça é feita de substâncias que fazem a faísca do atrito com a caixinha virar chama. Aí, o fogo consome a madeira do palito por uns 10 segundos. O processo é bem conhecido: a gente risca o palito na caixa e produz uma faísca, que faz as substâncias inflamáveis do palito entrar em combustão. Quem descobriu essas propriedades químicas foi o físico inglês Robert Boyle, em 1669. Mas o palito de fósforo só foi criado em 1826, quando surgiram uns palitões de 8 centímetros apresentados pelo químico inglês John Walker – tirando o nome, ele não tem nada a ver com o escocês que inventou o famoso uísque no século 19. Mas esses fósforos grandões tinham um grande inconveniente: todas as substâncias necessárias para a queima ficavam na cabeça do artefato. Aí, qualquer raspada dos palitos na calça fazia o troço pegar fogo. A solução surgiu em 1855, quando o industrial sueco Johan Edvard Lundstrom inventou os chamados “fósforos de segurança” que a gente usa até hoje. A sacada de Lundstrom foi colocar uma parte das substâncias para a queima no fósforo e outra na caixinha. É por isso que os palitos não se incendeiam quando você os raspa em qualquer lugar!
Um fósforo começa a queimar pela cabeça por causa do mix de substâncias que ela tem: a parte vermelha é o clorato de potássio, que libera bastante oxigênio para manter a chama acesa. Revestindo a cabeça, uma camada de parafina serve como combustível para alimentar a chama.
A caixinha, por sua vez, tem areia e pó de vidro, para gerar atrito, e fósforo (sim, o fósforo fica na caixa e não no palito!) para produzir calor intenso. Quando a gente risca o palito na caixinha, esse trio de substâncias ajuda a produzir uma pequena faísca.
Em contato com o palito, a faísca queima o clorato de potássio, que libera uma grande quantidade de oxigênio. Esse oxigênio reage com a parafina que reveste o palito. Essa combinação gera uma chama que consome a madeira do palito por mais ou menos 10 segundos.
Arrume dois pedaços de madeira – um plano e parecido com uma tábua e outro em forma de graveto – e um pouco de palha seca para pegar fogo.
Apoie o graveto na tábua e, com as mãos, comece a friccioná-lo sobre a tábua até gerar uma faísca. A fagulha vai aparecer se a fricção for bem rápida.
A palha vai ser a primeira a se incendiar. Quando ela estiver pegando fogo, leve-a até uma fogueira maior, com bastante palha para gerar uma grande chama.

10.976 – Não Confunda – Qual é a diferença entre Reino Unido e Grã-Bretanha? INGLATERRA


reinounidoxgrabretanha3

É um país que tem como capital a cidade de Londres. Ao longo da história, a Inglaterra conseguiu se impor politicamente sobre alguns países vizinhos e passou a controlar um Estado batizado de Reino Unido (veja a seguir). No século 19, com a Inglaterra à frente, o Império Britânico se tornou um dos maiores da história, com uma extensão territorial equivalente a um quarto do planeta!

GRÃ-BRETANHA
É o nome da grande ilha onde ficam três países: Inglaterra, País de Gales e Escócia. Com quase 230 mil km2 de área, ela tem perto de 1000 km de comprimento de norte a sul e pouco menos de 500 km de leste a oeste. O termo “Grã-Bretanha” muitas vezes é usado como sinônimo de “Reino Unido” – o que não é inteiramente correto, pois um dos países que formam o Reino Unido não fica nessa ilha.

BRETANHA
O nome deriva da grande ilha onde fica a Inglaterra, mas, quando alguém menciona apenas “Bretanha”, está se referindo não a um território inglês, mas a uma região na França. A província da Bretanha é a maior área costeira francesa e tem como capital a cidade de Rennes. Por volta do século 6, essa região foi invadida por habitantes da atual Grã-Bretanha, os bretões, dando origem ao nome em comum.

REINO UNIDO
É um Estado formado por quatro países: Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. A chefe de Estado é a rainha Elizabeth II e o de governo um primeiro-ministro, eleito por um Parlamento central, em Londres. Nas grandes questões de governo, como política econômica, quem manda é esse Parlamento. Mas Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte também têm assembleias nacionais, com certa autonomia para tratar de questões mais locais, como saúde.

ILHAS BRITÂNICAS
É um arquipélago formado por cerca de 5 mil ilhas. As duas maiores são a Grã-Bretanha e a ilha da Irlanda – onde ficam dois países, a Irlanda do Norte (membro do Reino Unido) e a República da Irlanda, também chamada de Eire (um Estado independente). Além das duas “grandalhonas”, fazem parte desse arquipélago milhares de ilhas menores, como as Órcades, Shetland, Hébridas, Man e ilhas do Canal (como Jersey).

9127 – Mega Ciência – A Arqueologia


É a ciência que se preocupa em estudar o modo de vida das pessoas em épocas passadas e surgiu no século 16 na Europa. Nessa época, porém, a Arqueologia consistia em apenas colecionar antiguidades, como objetos que assinalavam a presença do homem no mundo, desde a pré-história.
Dentro da arqueologia existem várias subdivisões ou campos de estudo que variam de acordo com o foco do que está sendo estudado ou mesmo da maneira como o estudo é feito. A etnoarqueologia, por exemplo, é um campo que estuda as sociedades atuais (indígenas, caiçaras, etc.) com o fim de compreender, através da observação destas, o modo de vida das sociedades extintas. Em locais como o Brasil e a África, onde ainda existem muitas comunidades tradicionais este campo de estudo da arqueologia é bastante desenvolvido. Outros campos da arqueologia são a arqueologia histórica, zooarqueologia, arqueologia pública, arqueologia de contrato, geoarqueologia, etc.
Ao contrário do que estamos acostumados a ver em filmes do Indiana Jones, ou no jogos da Lara Croft, a vida de um arqueólogo, embora possa ter bastante episódios inusitados, é um pouco mais calma. O profissional da arqueologia, o arqueólogo, costuma trabalhar através da investigação científica e muito estudo para tentar interpretar cada achado da forma correta. Via de regra, é necessário o conhecimento de outras áreas, ou então o trabalho em equipe com outros profissionais especializados em antropologia, paleontologia, história, química, botânica, biologia e até matemática.

O local onde o arqueólogo trabalha, escavando objetos, é chamado de “sítio arqueológico”. Um exemplo, bastante famoso é o Vale dos Reis, no Egito, onde foram encontrados túmulos de diversos faraós egípcios (aliás, o Egito é um imenso sítio arqueológico!).

A história da arqueologia começa com a curiosidade do homem no século XV e XVI, quando aparecem as primeiras escavações na Europa feita por clérigos e nobres que gostavam apenas de colecionar relíquias antigas. O primeiro grande feito da arqueologia foi a descoberta das cidades de Pompéia e Vesúvio (Itália) que haviam sido soterradas pela erupção de um vulcão em 79 a.C.. Depois disso, em 1822, o fato mais notável foi a tradução da “Pedra de Roseta” pelo francês Jean-François Champollion e, 100 anos depois, a descoberta do túmulo intacto de Tutancâmon, o faraó jovem, pelo inglês Howard Carter. Esses fatos deram um impulso à arqueologia, tornando-a conhecida no mundo inteiro. O primeiro constituiu o “ponta-pé” inicial para o estudo do Antigo Egito e o período apaixonado das grandes descobertas arqueológicas.
Mas, um aspecto ruim dessa popularização da arqueologia foi o tráfico de antiguidades. Em todas as localidades onde existiram civilizações importantes, principalmente no Egito, centenas de relíquias foram saqueadas por pessoas que não sabiam nem um pouco de seu valor histórico e estavam apenas interessados em conseguir um bom preço por elas. A maioria destes saqueadores são pessoas simples (“são” porque este costume existe até hoje, embora o Egito tenha criado leis para tentar impedir o tráfico de antiguidades), camponeses e suas famílias que transformaram o tráfico de antiguidades em uma forma de ganhar dinheiro. No Egito o saque aos túmulos dos antigos faraós são tão antigos quanto a existência deles. Por isso que a descoberta do túmulo de Tutancâmon causou tanto frisson. Era quase impossível encontrar um túmulo faraônico tal qual fora lacrado.

8246 – Quem conquistou mais territórios: Napoleão, Hitler, Gêngis Khan ou Alexandre?


Foi Gêngis Khan, título do chefe mongol Temujin, que conquistou quase 20 milhões de km quadrados. Em segundo lugar vem Alexandre, cujos domínios ultrapassaram 5 milhões de km2. O terceirão é Adolf Hitler, que no auge da expansão da Alemanha nazista chegou a controlar mais de 3 milhões de km2, ganhando de Napoleão Bonaparte, que conquistou cerca de 2 milhões de km2. Nessa lista, consideramos apenas os impérios construídos pela ação de um conquistador – um líder que geralmente usava a força de seus exércitos para dominar vastas porções de terra. Mas nem sempre um grande império nasce só do poderio militar. Foi o que rolou, por exemplo, no caso do Império Britânico, que no século 19 tornou-se o maior império já surgido, com 37 milhões de km2, um quarto do planeta! Na época governado pela rainha Vitória, o Império Britânico resultou mais de aquisições realizadas a partir do século 17 por empresários e companhias particulares do que de guerras vencidas pelos britânicos.

GÊNGIS KHAN

Área dominada – 20 milhões de km2

Território em relação ao Brasil – 2,3

Época – De 1200 a 1227

Trajetória – À frente de uma tribo mongol nômade, Gêngis Khan dominou pela força várias tribos rivais na Mongólia até 1206. Depois, partiu para a briga na Ásia Central: 1. Em 1211, atacou o Império Chin, no norte da China, e tomou a cidade mais importante, Pequim, quatro anos mais tarde. 2. Depois, expandiu seus domínios em direção ao oeste e conquistou boa parte do território asiático, chegando até as margens do mar Cáspio. Após a morte de Gêngis Khan, seus filhos e netos ampliaram ainda mais o Império Mongol.

Principal inimigo – Império Chin (chinês)

Que fim levou – Morreu em 1227, em circunstâncias desconhecidas. Algumas versões dizem que morreu depois de cair de um cavalo, durante uma caçada ou em meio a uma batalha.

ALEXANDRE

Área dominada – 5 milhões de km2

Território em relação ao Brasil – 0,6

Época – Entre 335 a.C. e 323 a.C.

Trajetória – Herdeiro do Império Macedônico, Alexandre comandou seu exército avançando contra os persas no território da atual Turquia, contornando a costa do Mediterrâneo e conquistando o Egito, no norte da África.
Depois, ele domina boa parte de Oriente Médio e oeste da Ásia, parando nas fronteiras ocidentais da Índia, pois seus soldados recusavam-se a seguir.

Principal inimigo – Império Persa

Que fim levou – Morreu de motivos incertos em 323 a.C. Seus domínios foram divididos entre seus generais, que entraram em luta entre si e desintegraram o império.

HITLER

Área dominada – 3 milhões de km2

Território em relação ao Brasil – 0,4

Época – Entre 1938 e 1945

Trajetória – 1. Hitler anexou com manobras políticas a Áustria em 1938 e 2. ocupou a Tchecoslováquia e a Polônia no ano seguinte, dando início à Segunda Guerra Mundial. 3. No conflito, dominou a França e uma porção do norte da África. 5. Seu avanço foi contido depois de invadir a União Soviética, em 1941.

Principal inimigo – Grã-Bretanha, União Soviética e Estados Unidos

Que fim levou – Suicidou-se em Berlim em 1945, no fim da Segunda Guerra.

NAPOLEÃO

Área dominada – 2 milhões de km2

Território em relação ao Brasil – 0,2

Época – Entre 1799 e 1815

Trajetória – 1. Em 1780, Napoleão derrotou os exércitos da Áustria e submeteu a Suíça e a Holanda, 2. além de anexar territórios da atual Itália. 3. Invadiu em seguida sua ex-aliada Espanha e tratou de consolidar seu império, que chegou a dominar boa parte da Europa. 4. Fracassou na tentativa de conquistar a Rússia, sendo derrotado definitivamente em 1815 por tropas lideradas pelos britânicos.

Principal inimigo – Grã-Bretanha e Rússia

Que fim levou – Exilado na ilha de Santa Helena, no sul do oceano Atlântico, morreu em 1821.