13.931 – História – A prostituição na Idade Média


Continuando com o bloco de História no ☻Mega Arquivo
Pecado ou necessidade? Esse era o grande dilema enfrentado pelos clérigos medievais ao se colocarem na difícil tarefa de converter a Europa bárbara e romana ao cristianismo. Sob o aspecto formal, as prostitutas infringiam um dos mais importantes tabus da Igreja ao praticarem a fornicação. Por outro lado, as demandas do mundo cotidiano reiteravam, vez após vez, que o banimento da prostituição era uma missão praticamente impossível.
Uma das justificativas mais comuns a manterem a prostituição ativa girava em torno do próprio controle de pecados observados como mais graves. O uso que os homens jovens faziam dos bordéis funcionava como meio para que as mulheres respeitáveis não fossem vítimas de sedução ardilosa e estupro. No fim das contas, seria menos grave violar os limites do corpo de uma mulher que já havia caído em pecado do que desgraçar uma casta seguidora dos princípios morais da Igreja.
O próprio Santo Agostinho advertia que o banimento da prostituição seria porta de entrada para outros pecados ainda mais controversos. Entretanto, alguns clérigos não poupavam esforços para que as prostitutas abandonassem sua vida de erros através do casamento ou ingressando na própria ordenação religiosa, na qualidade de freiras. No início da Idade Média, alguns romanos reagiam à conversão religiosa das prostitutas obrigando mulheres cristãs a tomarem o lugar da convertida.
Ao falarmos sobre o desenvolvimento de tal atividade, não podemos nos esquecer que a recorrência de tal prática está diretamente ligada aos ambientes urbanos da época. Não raro, costumava-se determinar o lugar das casas de prostituição nas ruas que levavam a palavra “rosa” no nome. Em algumas regiões, a expressão “arrancar uma rosa” fazia alusão ao ato de se servir da prostituição. Outro código de distinção comum era o uso de roupas e acessórios específicos como gorros, sinos e xales.
Uma das raras exceções conhecidas sobre essa relação entre a prostituição e as cidades aparece no Reino dos Francos, mais especificamente na dinastia carolíngia, entre os séculos VIII e IX. Em alguns feudos eram construídas as chamadas “casas das mulheres”, onde as servas se prestavam a um serviço bem distante da agricultura desenvolvida nos mansos. Similar aos dias atuais, essas “prostitutas feudais” tinham carreira curta e já eram consideradas velhas ao atingirem os trinta anos de idade.
Paralelamente, observamos que os medievais se valeram das mais variadas explicações para justificarem o fenômeno da prostituição. Alguns a relacionavam com a tendência natural que alguns têm à degradação moral, outros a ligavam à questão da miséria recorrente em alguns lugares ou à própria viabilidade econômica do ato. Em alguns casos, o concubinato impunha direitos e deveres entre uma prostituta e um terceiro interessado nos seus préstimos.

No final das contas, vemos que a prostituição medieval nos revela uma esfera que extrapolava a condição moral daquele tempo. Observando os critérios, medidas e noções sobre a “mais antiga das profissões”, vemos que a Idade Média não esteve incondicionalmente presa às supostas regras de comportamento da Igreja. É, no mínimo, instigante observar o choque entre a experiência terrena e as aspirações divinas ocorridas nesse terreno do cotidiano medieval.

13.591 – A partir desta idade, você é considerado velho demais para balada


Toco2
Chegar aos 37 anos é como receber uma segunda carta de Hogwarts. Mas ao invés da mensagem da coruja ser um convite para uma escola de magia, ela traz um aviso: já está na hora de parar com essa história de cair na noitada. Antes de sair esbravejando contra a ciência, saiba que as baladas que você frequenta provavelmente estão cheias de pessoas que pensam exatamente assim – ou vão pensar algum dia.
Ter pique para continuar frequentando casas noturnas aos 37 foi considerado “trágico” para boa parte dos 5 mil entrevistados de um estudo britânico. Segundo 37% das cobaias, não há nada mais deprimente do que ter mais de 40 e permanecer rodeado de jovens de 20 em bares ou pistas de dança.
A nova pesquisa demonstrou que, de acordo com os participantes, os 31 anos são a idade perfeita para começar a deixar de lado essa ideia de curtir a noite. Nessa época, o combo filme + cobertor pareceu mais atraente que qualquer outro programa para quase metade deles.
O fato dos passeios noturnos serem caros demais foi a desculpa preferida de 6 em cada 10 entrevistados. Preocupações como arranjar um meio de transporte e uma babá para cuidar dos filhos também foram listados entre os principais motivos.
Para quase 70% deles, arranjar uma alma gêmea elimina a necessidade de se frequentar esse tipo de local. E 29% tem um porquê ainda mais prático: não tem vontade nenhuma de lidar com a ressaca do dia seguinte. Optar pelo conforto do lar, dessa forma, seria a escolha perfeita para cortar o mal pela raiz.
Matt Walburn, da Currys PC World, que trouxe à público os resultados do estudo, deu uma explicação prática para a preguiça que chega com os 30. “É quase impossível ficar entediado em casa, com todo o conforto e toda a tecnologia que podemos contar”, disse em entrevista ao NME. Para Walburn, essas vantagens normalmente costumam superar os ganhos fora de casa. “Passar um tempo nas mídias sociais, fazendo compras online ou jogando em rede com amigos pode trazer satisfação maior”.
Então, é aquela velha história. É proibido frequentar baladas depois dos 37. Mas quem quiser – e não se importar com a opinião dos outros –, pode.

13.348 – Comportamento – O que é ser introspectivo?


introspecto
Pessoa retraida, que na maioria das vezes, fecha-se em seu mundo, deixando de interagir com o ambiente que integra e até corre o risco de tornar-se depressiva, pois na maioria das vezes, vive seu momento não dividindo nada com ninguém. Não generalizando, existem pessoas que preferem viver seu momento, pois só assim conseguem a paz que anseiam, até um momento para refletir, estar só consigo. Pessoas que preferem discutir seus problemas e anseios consigo mesma. Pessoas timidas e até em alguns momentos inseguras.
Pessoas que preferem ficar no anonimato, falam pouco, não gostam de ser notadas. Ex: Existem algumas donas de casas que preferem ser eternamente donas de casas, cuidar de seus afazeres domesticos, e não interagir com outras pessoas. Tambem existem pessoas quietas, que falam pouco, não se comprometem com nada, tudo está sempre muito bom e até aquele, que nunca sorrir, sempre seria.
Estar introspectivo é exercer a capacidade de refletir sobre sua própria condição, voltar-se para suas ações, avaliar os resultados e, com isso, poder tomar decisões, mudar caminhos ou continuar. Esse conceito deve estar ligado à capacidade de fazer uma análise íntima de suas vivências e experiências.
Entre as principais vantagens de um introspectivo, destacam-se duas: o relativo controle sobre as ações e a administração de suas consequências.
O introspectivo é um observador
Segundo a psicanalista e psicóloga Katya de Azevedo Araújo, o conceito equivocado da introspecção é comum, principalmente por que a pessoa vai permanecer isolada por um determinado período, parecer distante e estar mais observadora. “Por isso, a primeira impressão é de que se trata de tristeza ou até mesmo depressão”.
Dessa forma, é normal que os amigos mais próximos ou familiares se mostrem preocupados com o introspectivo. Mas o que deve ser levado em conta é o que pode ter desencadeado esse quadro, especialmente nas crianças.
Se o pequeno está pensativo e faz reflexões depois de ser alertado por uma professora, por exemplo, é saudável que ele busque formas de melhorar seu comportamento ou desempenho, se for o caso.
A questão pode ser motivo de preocupação se a criança não está conseguindo acompanhar a turma ou se comporta mal em sala de aula. Nesse caso, o problema é outro. Por isso, o olhar de quem está perto, o cuidado e a observação são tão importantes. O introspectivo pode se tornar alguém triste, mas é preciso enxergar bem mais além.

Ser introspectivo não é ser tímido
Um caso clássico é o da timidez, que também pode ser confundida com estados de introspecção. De acordo com Katya, a timidez pode ser reflexo da dificuldade que a pessoa tem de se relacionar. Também se apresenta a partir da incapacidade de agir, da inibição e da insegurança. “Já o introspectivo, vai ter a força e a condição de pensar sobre si”, diz Katya.
Por isso, se você percebe alguém capaz de buscar soluções e evoluir por meio da autoanálise e do silêncio, aprenda com essa pessoa. Acredite que esse quadro se traduzir em crescimento e não em preocupação.
Ao contrário do que se pode pensar, o introspectivo não necessita de ajuda psicológica, a não ser que a origem esteja em problemas bem sérios, ou se a introspecção estiver associada a algum tipo de isolamento afetivo bem importante.

O lado ruim da introspecção
Quando falamos em “desvantagens” da introspecção, logo é possível relacionar o entendimento errado por parte de outras pessoas em relação ao seu estado. O introspectivo vai passar, na maioria das vezes, a impressão de tristeza ou de alguém com problemas tão sérios que podem ser incapazes de dividir com outros de seu círculo familiar ou de amizades.
O essencial, de acordo com Katya, é aceitar que, de maneira natural, esse estado é benéfico em qualquer momento da vida, em toda idade. Ele é fundamental para traçar metas, avaliar conquistas e estratégias.

12.991 -Comportamento – Por que o ser humano se corrompe?


jean_jacques_rousseau_o_homem_e_bom_por_na_ol
O assunto é polêmico, divide opiniões
O homem nasce bom e a sociedade o corrompe ou o contrário?
Dentre os estudiosos que levantaram tal questão estão Rousseau e Hobbes;
ambos defendo uma perspectiva distinta. Grosso modo, Rousseau defendia que os homens nascem bons, mas em contato com a sociedade que é má, tornam-se igualmente maus. Essa perspectiva dialoga bem com a visão cristã, onde as crianças seriam tidas como puras e tornam-se pecadoras à medida que começam a perceber os males do mundo, os quais as envolvem. Por outro lado, Hobbes defendeu
que o homem nasce mau, com instintos de sobrevivência, e que devido a tais instintos é capaz de fazer qualquer coisa. Para Hobbes, a sociedade tem o papel de educá-lo, de humanizá-lo, de torná-lo sociável.
O homem não nasce nem bom, nem mau. Nascemos em uma sociedade marcada por regras historicamente construídas, inclusive definidora do que é bom ou ruim. Quando nascemos somos moldados de acordo com tais regras. A metáfora da “folha em branco” nos ajudará a pensar essa perspectiva. Segue:
Nascemos como “uma folha em branco”. Não temos história, apenas nossos instintos. Ao longo da vida vamos passando por experiências sociais, como se fossemos amassados. Isso seria as nossas experiências sociais. Por mais que buscamos desamassar uma folha, permanecerá nela marcas, umas mais profundas, outras menos.
Assim são nossas experiências sociais; a “vida” nos marca e são essas marcas que ficam registradas em nosso consciente e subconsciente, as quais nos propiciam predisposições para nossas ações. O fato é que, a folha inicialmente é lisa e só depois de amassada possuirá marcas, sejam elas feias ou bonitas; isso
quem vai julgar é o “medidor” social que varia de sociedade para sociedade, assim como de tempo em tempo. Desta forma, acredito que a classificação bom ou mau não está ligado ao homem, mas a ideia de mau e bom que cada sociedade possui.

12.926 – Psiquiatria – SÍNDROME DA ALTERAÇÃO DO HUMOR


psiquiatria

Rápida Introdução

Afetos e humores referem-se a diferentes aspectos da emoção. O afeto é comunicado através da expressão facial, inflexão vocal, gestos e postura. O afeto visa indicar se uma pessoa está satisfeita, aflita, desgostosa ou em perigo.
Portanto, alegria, tristeza, raiva e medo são afetos básicos que servem a uma função comunicativa em humanos, bem como em outros mamíferos.
Os afetos tendem a ser expressões de curta duração, refletindo contingências emocionais momentâneas. Os humores transmitem emoções mais prolongadas, sua natureza mais constante significa que eles são vividos por um tempo suficiente para serem sentidos internamente.
As emoções normais de tristeza e alegria devem ser diferenciadas das síndromes patológicas depressiva e maníaca. A tristeza, ou depressão normal, é uma resposta universal a derrotas, decepções ou adversidades. A alegria está predominantemente ligada a conquistas, ao sucesso.
Três grandes grupos de sintomas estão alterados nas síndromes depressiva e maníaca: afeto, cognição e percepção, atividade e comportamento. Destes é o afeto (humor) talvez o menos variável nos estados depressivos. Cognição e percepção mudam profundamente, bem como a atividade e o comportamento.

Afeto: Os estados mórbidos do humor são caracterizados pelos seguintes aspectos: (1) quando a intensidade é exagerada e está fora das proporções esperadas; (2) não respondem ao apaziguamento; (3) são mantidos por maior tempo do que o esperado; (4) tem efeito sobre o estado mental global, sendo o julgamento seriamente influenciado pelo humor; (5) são inadequados para a circunstância, assim: apatia, anedonia, insensibilidade para eventos agradáveis, hipersensibilidade para eventos desagradáveis, alegria excessiva.

Cognição e Percepção: Virtualmente toda a atividade mental está de forma marcadamente diminuída na depressão e aumentada na mania. Por definição, quando pacientes com depressão e mania apresentam obscurecimento da consciência, delírios e alucinações, fala-se que esses apresentam depressão com psicose ou mania com psicose. No entanto, pensamentos suicidas, ruminações mórbidas e pensamentos hipocondríacos são comuns nos estados depressivos. No estado maníaco, são características a onipotência no pensamento e a grandiosidade.

Atividade e comportamento: O pensamento e a expressão verbal, a atividade e o comportamento estão quase sempre lentificados na depressão. Fadiga, falta de atividade (adinamia), prejuízo na vontade de querer (avolia), e profundas alterações nos padrões de sono e alimentação podem estar presentes na síndrome depressiva. Na síndrome maníaca, há aceleração de todas as funções, o pensamento e a expressão verbal, a atividade e o comportamento estão acelerados.

12.901 – Comportamento Humano – Contar mentirinhas vicia o cérebro, revela estudo


pinoquio2
De acordo com um novo estudo realizado pela Universidade de Londres, contar mentirinhas leves provoca alterações físicas no cérebro, que se torna mais propenso a optar por mentiras em momentos importantes.
Quando contam alguma mentira, as pessoas geralmente se sentem um pouco mal. Essa reação é provocada pela amígdala, uma região cerebral que também é ligada às sensações de medo, e funciona como uma espécie de freio natural, limitando a quantidade de mentiras que as pessoas contam. Mas os cientistas descobriram que, se você contar uma sequência de pequenas mentiras, sem muita importância (na linha ‘o seu penteado ficou ótimo’ ou ‘não vi o email’), esse freio vai ficando mais fraco.
Para calcular isso, os pesquisadores reuniram 80 voluntários, e escanearam o cérebro deles enquanto jogavam um jogo. A brincadeira consistia em adivinhar quantas moedas havia em um pote e transmitir, por meio de um computador, a estimativa a outra pessoa. O jogo tinha várias modalidades. Numa delas, você era estimulado a dar uma mentidinha, superestimando a quantidade de moedas do pote – porque isso fazia você ganhar mais pontos, e a outra pessoa menos. Conforme o jogo avançava, os voluntários eram estimulados a mentir cada vez mais – e a atividade na amígdala se tornava cada vez menor. Era como se o cérebro estivesse se adaptando ao ato de mentir.
“A amígdala limita a extensão do quanto mentimos”, diz a psicóloga Tali Sharot, líder do estudo. “Mas essa resposta vai diminuindo conforme as mentiras ficam maiores. Isso pode levar a uma reação em cadeia, em que pequenos atos de desonestidade acabam levando a mentiras maiores”, acredita.
Para os pesquisadores, a capacidade que o cérebro tem de se acostumar não se aplica apenas às mentiras. “Nós só testamos a desonestidade das pessoas nesse experimento, mas o mesmo princípio talvez seja aplicável a outras ações, como se expor à riscos ou ter comportamentos violentos”, afirma o cientista Neil Garrett, co-autor do estudo.

12.733 – Acredite se Quiser – Estudo aponta que jovens de hoje preferem internet a sexo


Será mesmo? Essa é uma das conclusões de um estudo sobre o comportamento sexual dos jovens que nasceram entre 1980 e 2000.
Os Millenials ou “geração Y”, grupo de pessoas que nasceu entre 1980 e 2000, tem revelado um comportamento em relação ao sexo bem diferente das gerações anteriores. Segundo pesquisa publicada na revista Archives of Sexual Behavior, na média, os jovens preferem “gastar” seu tempo navegando na internet ou trabalhando a fazer sexo.
Mesmo na era das redes sociais, os Millenials têm o dobro de probabilidade de se abster de fazer sexo na casa dos 20 anos se comparados com a Geração X.
Menos parceiros e mais tarde
A pesquisa aponta ainda que os jovens de hoje têm menos parceiros sexuais que os Baby Boomers (nascidos entre 1940 e 1960) e a Geração X (nascidos entre 1960 e 1980). Além disso, a vida sexual tem iniciado mais tarde.
Stephanie Coontz, diretora de pesquisas do Council of Contemporary Families, acredita que o fato de as mulheres estarem começando a dizer “não” também pode ter influenciado no resultado desses estudos. O sexo consensual parece estar ganhando mais terreno, felizmente.
Alerta
Especialistas no assunto acreditam que o retardamento do início da vida sexual pode ser reflexo das dificuldades que os jovens de hoje em dia estão tendo em formar ligações românticas – e isso pode ser um problema. Além disso, a pressão social para obter sucesso, a vida social mais focada em smartphones e a espera do “príncipe encantado” podem ser motivos que explicam essa tendência.

12.726 – Pessoas inteligentes são mais preguiçosas (?)


É provavelmente culpa da falta de tédio: quem gosta de desafios mentais fica confortável perdido nos próprios pensamentos e acaba se mexendo menos.
Se você adora um desafio mental, é bem capaz que tenha mais preguiça de ir até a academia. Um estudo americano desvendou a relação entre atividade cognitiva e atividade física e concluiu que, pelo menos durante os dias úteis, as pessoas que usam mais o cérebro acabam exercitando menos o corpo.
O estudo analisou um grupo de voluntários para entender seu estilo de pensamento. Elas foram divididas entre pessoas que pensam mais e as que pensam menos, segundo a escala de Necessidade de Cognição. Esse ranking avalia o quanto as pessoas gostam de desafios mentais: os mais pensantes consideram divertido encontrar soluções lógicas para problemas complexos e tem uma tendência maior a ficar viajando em pensamentos abstratos. Do outro lado da régua, ficam as pessoas que não tem um prazer especial em pensar demais. Preferem pessoas a pensamentos (e, geralmente, são melhores para reconhecer emoções).
Os pesquisadores separaram mais pensantes e menos pensantes em grupos iguais de 30 pessoas. Cada um recebeu uma pulseira que acompanha a atividade física detectando os movimentos dos voluntários por 7 dias.
Depois de uma semana de testes, os cientistas concluíram que as pessoas que apreciam mais atividades cognitivas se exercitavam muito menos que as outras – contando não apenas uma corrida no parque ou uma sessão de musculação, mas também o tempo que passavam de pé e até as caminhadas para ir no banheiro.
Uma das possíveis explicações é que, segundo pesquisas anteriores, pessoas com baixa necessidade de cognição se entendiam mais facilmente. Com isso, elas tendem a mudar mais de ambiente para conseguirem variar os estímulos que recebem. Já os CDFs clássicos conseguem se distrair internamente por mais tempo.
O curioso é que a diferença de atividade física diminua durante os fins de semana. Os menos pensantes ainda se exercitavam mais, mas, especialmente aos domingos, o nível de exercício era quase igual. Aí entra a limitação da pesquisa: como os voluntários eram todos universitários, é possível que o estilo de vida típico dessa fase da vida influencie mais o comportamento do que as tendências cognitivas. Até os nerds estereotípicos podem estar mais dispostos a sair para uma cerveja no fim de semana, enquanto nem os mais entediados e ativos conseguiriam resistir à preguicinha de domingo.

12.652 – O segredo da produtividade, segundo a Nasa


nasa
A busca pela receita que te faz produzir mais chegou ao espaço. No início de 2015, a Nasa recrutou pesquisadores que pudessem colaborar com a saúde e o trabalho dos astronautas na Estação Espacial Internacional. Os primeiros resultados começaram a aparecer – e também dão pistas de como se tornar mais eficiente no planeta Terra.
O segredo da produtividade, segundo o pesquisador Jeffery LePine, não é trabalhar mais rápido – e sim fazer as tarefas na ordem certa. Sua equipe mediu a concentração, as emoções e o estresse dos astronautas no seu dia a dia. Eles perceberam que a grande armadilha para ser produtivo está nas transições entre as tarefas.
Quando terminamos uma obrigação e passamos para a próxima, existe um “engajamento residual”: na prática, um “resto” daquele compromisso anterior que continua grudado na mente. Ele pode aparecer na forma de animação (por ter conseguido terminar algo difícil), frustração (por ter falhado), distração ou teimosia – e esse estado de espírito permanece depois da transição de tarefas.
Para ultrapassar esse problema, a estratégia seria diminuir ao máximo o número de transições necessárias. A ideia é juntar as tarefas parecidas: juntar um bloco dos trabalhos que te fazem quebrar a cabeça, para aproveitar os resíduos de concentração, e fazer as mais rápidas e simples todas de uma vez. Assim, o seu mindset não precisa mudar tantas vezes e uma tarefa não “contamina” a outra.
Quando terminamos uma obrigação e passamos para a próxima, existe um “engajamento residual”: na prática, um “resto” daquele compromisso anterior que continua grudado na mente. Ele pode aparecer na forma de animação (por ter conseguido terminar algo difícil), frustração (por ter falhado), distração ou teimosia – e esse estado de espírito permanece depois da transição de tarefas.
Se a tarefa anterior era complexa e importante ou ficou incompleta, fica quase impossível “trocar de marcha” rapidamente, explica LePine ao site Quartz.
Para ultrapassar esse problema, a estratégia seria diminuir ao máximo o número de transições necessárias. A ideia é juntar as tarefas parecidas: juntar um bloco dos trabalhos que te fazem quebrar a cabeça, para aproveitar os resíduos de concentração, e fazer as mais rápidas e simples todas de uma vez. Assim, o seu mindset não precisa mudar tantas vezes e uma tarefa não “contamina” a outra.
Outro alerta dos cientistas é prestar a atenção nas emoções no momento de transição. Se existe uma tarefa diária que te deixa irritado – responder emails, retornar ligações, fazer reuniões – a proposta é se programar para resolver os compromissos mais complexos antes de passar por esse estresse.
E o que a Nasa tem a ver com isso? Na Estação Espacial, os astronautas fazem pesquisas incríveis e supercomplexas. Mas, como você e eu, ainda tem que brincar de casinha: não só varrer o chão, como fazer a manutenção dos sistemas de suporte de vida. A diferença é que, ao contrário de largar a louça suja na Terra, deixar de fazer tarefas domésticas no espaço pode ser fatal.
Além de variar sua mentalidade entre a de cientista e a de faxineiro, o astronauta ainda passa horas trabalhando sozinho para depois realizar tarefas totalmente dependentes do resto da equipe – e, no momento em que essas transições acontecem, LePine identificou um risco maior de distração, que pode eventualmente acabar em disastre.
Entender a melhor forma de organizar as tarefas e diminuir o estresse dessas transições é essencial para chegar em casa e ter a sensação de dever cumprido – seja depois de um longo dia de trabalho ou de seis meses flutuando ao redor da Terra.

12.526 – A psicologia explica como funciona a obsessão por celebridades


anna
Rodrigo Augusto de Pádua extrapolou todos os limites do fanatismo ao invadir o hotel onde a apresentadora Ana Hickmann estava hospedada em Belo Horizonte, Minas Gerais, e disparar tiros contra a família dela.
Dois dias depois, um homem de 25 anos se disfarçou e conseguiu entrar no condomínio onde mora a cantora Anitta, no Rio de Janeiro. Segundo a assessoria da artista, “um rapaz de fora do Rio de Janeiro conseguiu entrar no condomínio da cantora, se passando por funcionário e foi até a porta da casa dela. Aos gritos, começou a se declarar e depois xingar Anitta, dizer palavras desconexas, chamando a atenção da cantora, seus familiares e vizinhos”.
No caso da cantora, todos os envolvidos foram parar na delegacia. Já a ocorrência envolvendo Hickmann acabou com Pádua morto e a cunhada da apresentadora baleada.
As histórias de Ana Hickmann e Anitta não são exceções. Há registros de celebridades ao redor do mundo inteiro que já foram perseguidas ou até mesmo assassinadas por supostos fãs. Existe uma grande diferença entre admiração e obsessão, e ao longo dos últimos anos psicólogos e psiquiatras têm dedicado cada vez mais atenção ao estudo desse tópico.
Os comportamentos descritos acima fazem parte de uma síndrome chamada Síndrome de Adoração a Celebridades, também conhecida como “Doença do Ídolo Louco” (uma brincadeira com a Doença da Vaca Louca). Este último termo foi cunhado no estudo “A Clinical Interpretation of Attitudes and Behaviors Associated with Celebrity Worship” (Uma interpretação clínica das atitudes e comportamentos associados com o culto às celebridades, em tradução livre), publicado no início dos anos 2000 no periódico Journal of Nervous and Mental Disease.
Na pesquisa, os cientistas afirmam que existem três dimensões no relacionamento que as pessoas têm com as celebridades que admiram: a de entretenimento, em que os indivíduos se divertem e acompanham o trabalho dos artistas; a intensa e pessoal, na qual os indivíduos têm sentimentos compulsivos relacionados a alguém; e a quase patológica, em que demonstram comportamentos e fantasias incontroláveis relacionados a uma celebridade.
É na dimensão quase patológica em que há maior margem para a criminalidade, hipótese confirmada pelo estudo “Celebrity worship, addiction and criminality” (Adoração à celebridades, obsessão e criminalidade, em tradução literal), realizado na Universidade de Leicester, na Inglaterra. De acordo com psiquiatras, essa era a condição em que se encontrava Rodrigo Augusto de Pádua. Segundo os profissionais, ele teria erotomania, uma condição em que o indivíduo acredita que a pessoa pela qual é obcecada corresponde a seus sentimentos.
Vale ressaltar ainda que o gênero é um fator importante em ambos os casos tratados no texto. Muitas mulheres sofrem violência por não corresponderem aos sentimentos de um homem — seja ele parceiro, ex-namorado ou perseguidor. De acordo com o IPEA, uma mulher morre no Brasil a cada uma hora e meia por causas relacionadas à violência. São cerca de 5,6 mil mortes ao ano, em geral, causadas por homens, segundo o relatório.

12.525 – Psicologia – Homens ricos acham suas mulheres mais feias


Homens_ricos_acham_mulheres_mais_feias_0
Quem ganha dinheiro fica mais exigente e quer dar um upgrade em tudo – até na mulher. É o que mostra um novo estudo realizado em Hong Kong com estudantes universitários em relacionamentos sérios. E os pesquisadores tinham senso de humor.
Primeiro, convenceram os rapazes de que eles ganhavam muito mais que seus colegas. Depois, prometeram que se encontrariam com uma linda modelo. Era tudo pegadinha, mas os homens que passaram a se considerar ricos eram os mais insatisfeitos com as namoradas e estavam mais dispostos a flertar com outras mulheres atraentes.
O estudo foi dividido em dois testes. Os 182 participantes eram todos heterossexuais em relacionamentos sérios de 2 meses a 7 anos de duração. Os cientistas começaram o experimento manipulando um grupo a acreditar que era mais rico que os demais universitários, enquanto o outro tinha a sensação de ser relativamente pobre.
A farsa funcionava assim: os dois grupos respondiam a um questionário sobre sua situação financeira (cargo, salário, poupança). Mas as 7 opções de resposta eram diferentes para cada grupo. Os participantes ganhavam uma média de 1500 yuans. No questionário que fazia os jovens se sentirem ricos, as perguntas como ?quanto você ganha? tinham valores baixos nas opções de resposta: 1) De 0 a 250 yuans, ?, 7) Mais de 500 yuans. Assim, na maioria das vezes esses voluntários selecionavam a resposta mais alta.
No formulário que fazia com que eles se sentissem pobres, as faixas eram bem mais altas: 1) De 0 a 2.000 yuans, 7) Mais de 12.000 yuans. E a manipulação funcionou direitinho. Os cientistas confirmaram que a grande maioria dos participantes acreditava que as 7 opções que ele viu representavam o mínimo e o máximo que um universitário ganhava no seu setor – e quem marcou as opções mais altas saía satisfeito.
Depois que estavam convencidos da sua riqueza ou pobreza, os jovens tinham que avaliar o quão atraentes eram seus respectivos namorados ou namoradas. No caso dos homens, a riqueza (imaginária) sobe à cabeça: eles consideravam que suas namoradas estavam bem mais longe do seu ideal de beleza do que os homens ?pobres?. Já entre as mulheres, não houve nenhum efeito significativo – mulheres, sejam elas ricas ou pobres, conseguem avaliar racionalmente a aparência do parceiro.
O dinheiro também fez com que os jovens ricos se sentissem mais confiantes para abordar pessoas bonitas. No segundo teste, os pesquisadores recrutaram mais 121 universitários que namoravam sério. Aí, pediram que eles avaliassem fotos de pessoas lindas. Quando terminavam, eles anunciavam que queriam analisar a reação deles em um encontro face a face com um dos modelos fotográficos. De novo, não era verdade.
Os participantes foram enviados um de cada vez para uma sala com 6 cadeiras. Em um dos assentos, estavam pendurados um casaco, uma bolsa e um chapéu. Os pesquisadores avisavam que o convidado já estava voltando e pediam que o voluntário sentasse. Eles perceberam que homens e mulheres mais “ricos” tendiam a sentar mais perto de onde pensavam que o convidado bonito ia sentar. Já os que se consideravam mais pobres mantiveram uma distância maior. Na comparação entre os gêneros, os homens se aproximaram mais que as mulheres.
Os cientistas acreditam que esse cenário é uma boa indicação de quem está disposto a pular a cerca ou, pelo menos, a flertar com alguém atraente apesar de estar em um relacionamento.
O estudo reconhece que, por ser feito só com estudantes chineses, pode existir um fator cultural nos resultados. Mas eles estão bem certos de que uma tendência parecida aconteceria em qualquer parte do mundo, em maior ou menor grau. Isso porque associam a descoberta às nossas raízes evolutivas: os machos que se sentem ?por cima? com relação ao restante do bando têm um leque maior de opções de parceiras e podem ser exigentes sem o risco de ficar sem descendentes. Já as fêmeas comprometidas preferem manter sua estabilidade, o que aumenta as chances de ter um apoio paternal para os seus filhotes por mais tempo.

12.431 – Ateísmo – Não ter religião é a nova maior religião do mundo (?)


nao-ter-religiao
Não tanto aqui no Brasil, e mais em países como os Estados Unidos, o grupo de pessoas “sem religião” tem crescido substancialmente.
Os religiosamente não afiliados são o segundo maior grupo religioso na América do Norte e na maior parte da Europa. Nos Estados Unidos, compõem quase um quarto da população. Na última década, superaram católicos, protestantes e todos os seguidores de religiões não cristãs, por exemplo.
Há muito tempo existem previsões de que a religião perderia relevância conforme o mundo se modernizava. Porém, todas as pesquisas recentes estão descobrindo que isso está acontecendo surpreendentemente rápido.
A França terá uma população de maioria secular em breve. O mesmo acontecerá com Holanda e Nova Zelândia. O Reino Unido e a Austrália em breve perderão suas maiorias cristãs. A China também possui uma população bastante secularizada.
A religião está se tornando menos importante do que jamais foi, mesmo para as pessoas que vivem em países onde a fé afeta de tudo, desde o voto a governantes a fronteiras e arquitetura.
Mas muita calma nessa hora: os sem religião não estão herdando a Terra ainda. Em muitas partes do mundo – na África subsaariana, em particular -, a religião está crescendo tão rápido que a participação dos “sem religião” na população mundial deve de fato diminuir em 25 anos.
Dentro do grupo dos sem religião, as divisões são tão profundas como entre os religiosos. Alguns são ateus confessos. Outros são agnósticos. E muitos simplesmente não se importam o suficiente para indicar uma preferência religiosa (os famosos não praticantes?).
Apesar de unidos em torno do ceticismo em relação a organizações e por uma crença comum de que eles não acreditam, os sem religião são tão internamente complexos quanto outras religiões. E como acontece com elas, estas contradições internas poderiam manter novos seguidores longe.
Por que o mundo está ficando sem religião?

Existem algumas teorias sobre por que as pessoas tornam-se ateias em grandes números. Alguns demógrafos atribuem esse fato a segurança financeira, o que explicaria por que os países europeus com programas de segurança social mais fortes são mais seculares do que os Estados Unidos, onde a pobreza é mais comum e uma emergência médica pode levar à falência.
Medo da morte torna ateus inconscientemente mais receptivos à religião
O ateísmo também está ligado à educação, medido pelo desempenho acadêmico (ateus em muitos lugares tendem a ter diploma universitário) ou conhecimento geral das crenças ao redor do mundo (daí teorias de que o acesso à internet estimula o ateísmo).
Há alguma evidência também de que as religiões oficiais dos países afastam totalmente as pessoas de fé, o que poderia ajudar a explicar porque os EUA é mais religioso do que a maioria das nações ocidentais que, tecnicamente, têm uma religião de Estado, mesmo que raramente observada.
Apesar do grupo dos “sem religião” ter aumentado ao longo do tempo, o número correto de pessoas que não acreditam em Deus pode ser maior, porque elas ainda não assumem isso.
Mesmo brancos do sexo masculino e educados podem temer o estigma de ser rotulados como descrentes. Um dentista branco, por exemplo, não quis dar entrevista para a National Geographic por medo de que seus pacientes não gostassem que um ateu mexesse em seus dentes.

12.375 – Comportamento Humano – Por que amamos?


dia_dos_namorados-_data_comemorativa_-_ilolab_-_shutterstock

O ☻Mega buscou as respostas, escolha a sua:

Helen Fisher

Antropóloga da Universidade Rutgers, EUA, autora do livro Why we love? – the nature and chemistry of romantic love (“Por que amamos? – a natureza e a química do amor romântico”).

Porque somos biologicamente programados para amar. A necessidade de procriar é tão poderosa quanto a de se alimentar ou dormir, criando no cérebro uma energia dramática que abastece 4 sentimentos básicos: paixão, obsessão, alegria e ciúme

Frei Betto

Teólogo, escritor e ideólogo da teologia da libertação.

Porque fomos criados pelo Amor. Estamos apenas refletindo um atributo do nosso Criador, pois sem receber esse sentimento, nunca poderíamos manifestá-lo. Amamos porque é o fato de sairmos de nós mesmos que nos devolve ao que há de melhor em nós. Em tudo que fazemos, até o mal, buscamos ansiosamente o amor.

Dom Miguel Ruiz

Escritor mexicano, propagador da filosofia dos toltecas, povo que vivia na América antes da chegada dos astecas, e que defende o esforço de olhar o mundo de modo consciente.

Só amamos quando não temos o amor dentro de nós. E daí procuramos o amor de outros seres humanos que também não se amam e, por isso, estão à caça do amor. No fim, as pessoas não têm o amor de que precisamos, só nós mesmos.

12.335 – Riqueza não traz felicidade – Apontou um estudo


Ricos Choram Mais

Quando se tornou pai, Charles Darwin começou a se interessar pelas emoções humanas. Ele passou a tomar notas do desenvolvimento emocional de seus filhos, questionando a importância do clima e das circunstâncias nas alterações de temperamento das crianças.
O choro era o fator pelo qual Darwin mais se interessava. Segundo a revista 1843, a curiosidade do cientista aumentou após um incidente no qual um de seus filhos, então com dois meses de vida, se machucou. O bebê gritou, mas não chorou. A partir de então ele começou a estudar a possibilidade de o choro ser cultural, ou seja, de precisar ser aprendido e praticado.
Essas pesquisas resultaram no livro The Expression of the Emotions in Man and Animals (A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais), publicado em 1872. No volume Darwin sugere que as emoções são facilitadas pelo ato de expressá-las. Partindo desse pressuposto, as pessoas não chorariam por estarem tristes, suas lágrimas as informariam o fato de estarem tristes.
Estudos mais recentes questionam o ponto de vista darwiano no assunto, mas ele foi essencial para que mais pesquisas fossem realizadas à respeito do choro. Um estudo de 2011, por exemplo, reforça a ideia inicial de que o choro é um aspecto cultural. Em “Culture and Crying: Prevalences and Gender Differences”, os cientistas sugerem que “indivíduos que vivem em países mais prósperas, democráticas, extrovertidas e individualistas tendem a chorar mais”.
Ao longo da pesquisa foi observado que os moradores de países em que a vida é mais confortável são os que tendem a chorar mais. Dessa forma, o choro seria um indicador de privilégio.
Já em países com maiores índices de pobreza ou que vivem guerras, o choro surpreendentemente não é tão comum. A cientista Dorte Jessen, que fez parte desse estudo, passou um tempo em um campo de refugiados em Dadaab, na Quênia. Dorte viu uma mãe com duas crianças que não comiam há bastante tempo rasgando os pacotes e dando para os filhos assim que os recebeu. Nenhum dos três disse ou expressou nada durante esse período.
Como explica o Science of Us, situações como essa levaram os cientistas a acreditarem que alguém que vive em situações terríveis como as citadas anteriormente sabe que chorar não vai mudar nada – e há muito o que fazer para gastar tempo teorizando as emoções. É um lembrete para reavaliarmos nossos privilégios na próxima vez que uma coisa mundana der errado e bater aquela vontade de chorar.

12.305 – Pessoas com excesso de confiança tendem a ser menos inteligentes


Pelo menos é uma das conclusões de um estudo liderado pela pesquisadora Joyce Ehrlinger, da Universidade Estadual de Washington.
Segundo a pesquisa, pessoas com excesso de confiança tendem a se concentrar nas partes mais fáceis das tarefas, gastando menos tempo nas etapas mais difíceis e desafiadoras. Já aquelas que têm consciência de que a inteligência é mutável e que é preciso exercitá-la, passam mais tempo nas etapas difíceis das tarefas e, consequentemente, tem seus níveis de confiança mais alinhas às suas habilidades.
“Um pouco de autoconfiança pode ajudar bastante, mas doses muito elevadas levam as pessoas a cometer erros e a tomar atitudes precipitadas, perdendo a oportunidade de aprender”, explica Ehrlinger. Os pesquisadores também apontaram que o excesso de confiança é bastante preocupante para alguns tipos de pessoas: motoristas, motociclistas, saltadores de bungee jump, médicos e advogados.
Para investigar a origem destas conclusões, a equipe de Ehrlinger estudou o comportamento dos adolescentes. Uma prova com perguntas de múltipla escolha foi aplicada e os alunos que se declararam excessivamente confiantes foram os que menos se dedicaram às questões de maior dificuldade. “Algumas pessoas desenvolvem excesso de confiança por se saírem melhor nas partes mais fáceis das tarefas. Quem encara tudo como um desafio a ser superado tem mais chances de solucionar os problemas mais complicados, sejam eles questões de matemática ou a tomada de uma decisão na vida”, concluiu a pesquisadora.
Por fim, ela clama que pais e professores prestem atenção ao comportamento de seus filhos e alunos para que eles não se tornem pessoas com excessiva confiança em si mesmos, tornando-se incapazes de resolver problemas complexos e frustrados com esses resultados.

12.242 – Antropologia – Por que os humanos se beijam?


Existe todo um grupo de pessoas que se dedica somente à ela. Trata-se dos pesquisadores da filematologia, ciência dedicada ao estudo do beijo.
A verdade é que existe muito mais em um beijo do que o desejo ou a paixão. Quando duas pessoas se beijam, elas trocam entre si nove mililitros de água; 0,7 miligrama de proteínas; 0,18 miligramas de compostos orgânicos; 0,71 miligramas de gorduras, 0,45 miligramas de cloreto de sódio; isso sem contar as bactérias, que podem chegar a até um bilhão.
Em um estudo publicado em 2015 no periódico American Anthropologist, 54% das 168 culturas analisadas não possuiam evidências de beijos românticos. “Acreditamos que o etnocentrismo ocidental, a crença que um de nossos comportamentos prazerosos seria humano, pode ter criado essa ideia de que o beijo é universal”, escreveram os cientistas. Nesse caso, o beijo romântico seria um hábito desenvolvido culturalmente.
Mas, como lembra o Smithsonian, o motivo pelo qual os humanos beijam – desconsiderando o elemento romântico da equação – ainda é um mistério para os cientistas. Rafael Wlodarski, que dedicou boa parte de sua carreira à filematologia, acredita que as pessoas trocam beijos por uma combinação de atração psicológica e biológica. “Você não pode ter psicologia sem um cérebro biológico”, explica.
Um estudo conduzido por Wlodarski na Universidade de Oxford, na Inglaterra, mostra que as pessoas que beijam com maior frequência são mais felizes e satisfeitas com seus relacionamento. No momento ele tem como objetivo descobrir o motivo de os beijos fazerem com que casais se sintam mais próximos.

12.241 – Comportamento – As pessoas não se beijam (romanticamente) em todas as culturas


Em um estudo, publicado no periódico American Anthropologist, pesquisadores fizeram um verdadeiro ‘censo’ do beijo. Afinal, beijar é humano? Estudos anteriores que afirmavam que ‘beijar é universal’ agrupavam o beijo sexual/romântico com beijos mais sociais, entre pais e filhos. E, obviamente, as coisas são diferentes.
Então os cientistas analisaram dados de alguns grandes estudos anteriores que analisavam várias culturas humanas e contataram etnógrafos para perguntar se, em seu trabalho de campo, eles haviam testemunhado o beijo romântico/sexual. No total, 168 culturas de vários cantos do mundo foram pesquisadas.
E o resultado foi impressionante: em 54% das culturas pesquisadas não havia evidência de beijos românticos. “Acreditamos que o etnocentrismo ocidental, a crença que um de nossos comportamentos prazerosos seria humano, pode ter criado essa ideia de que o beijo é universal”, eles escrevem.
Mas qual é a diferença entre culturas que têm o beijo e aquelas que não têm o hábito? Uma variável comum foi a estratificação da sociedade. O beijo romântico é mais comum em sociedades complexas, não nas mais simples. Ainda não se sabe, no entanto, por que ou se (afinal, não sabemos se a relação é direta) a estrutura social mais rígida pode promover o beijo romântico.

10.833 – Sexologia – O que é a libido?


sigmund-freud-the-history-channel
A palavra libido é de origem latina e significa desejo ou anseio. A libido é caracterizada como uma energia aproveitável para os instintos de vida. Segundo os estudos de Freud o ser humano possui uma fonte de energia distinta para cada um dos instintos gerais. Para Freud, a produção, o aumento, a diminuição, a distribuição ou o deslocamento da libido proporciona a possibilidade de se explicar os fenômenos psicossexuais.
A mobilidade é uma característica importante da libido, entendida como a facilidade de alternação de uma área de atenção para outra. Na área do desejo sexual a libido vincula-se a aspectos psicológicos e emocionais.
Ao estudar o desejo humano o filósofo Santo Agostinho classificou a libido em três categorias distintas: a libido sciendi, desejo de conhecimento, a libido sentiendi, desejo sensual, e a libido dominendi, o desejo de dominar.
A energia relativa aos instintos de agressão ou de morte não possuem uma denominação específica como a libido (instinto da vida). Essa energia supostamente tem os mesmos atributos da libido, porém Freud não chegou a elucidar essa questão.
Ao estudar e definir o conceito de libido Freud também definiu a catexia. Segundo ele a catexia é o processo por meio do qual a energia libidinal contida na psique é relacionada ou aplicada na representação mental de um indivíduo, coisa ou idéia. Uma libido catexizada perde a mobilidade original, não podendo mais se mover em direção a novos objetos, uma vez que torna-se enraizada na parte da psique que a atraiu e a segurou.
Como exemplo da relação entre libido e catexia pode-se dizer que: sendo a libido uma quantidade em dinheiro, a catexia é ato de se investir esse dinheiro. Se uma parcela do dinheiro (libido) foi investida (catexizada) e permaneceu nessa hipotética aplicação, ficando uma quantia menor no montante original para que possa ser investido em outro lugar. Outro exemplo pode ser encontrado nos estudos psicanalíticos sobre o luto ao se interpretar o desinteresse da pessoa enlutada em suas ocupações normais e a grande preocupação com o recente finado. Isso pode ser interpretado como uma retirada de libido dos relacionamentos habituais e uma extrema catexia na pessoa perdida, dessa forma a teoria psicanalítica se dispõe a compreender como a libido foi catexizada de forma inadequada.
Freud defendia que a libido era amadurecida através da troca do objeto ou objetivo, argumentando que os homens são “polimorficamente perversos”, querendo dizer que existe uma enorme variedade de objetos que podem tornar-se uma fonte de prazer. Ao mesmo tempo em que as pessoas se desenvolvem, elas também se fixam em diferentes objetos de acordo com a etapa de desenvolvimento: a etapa oral (prazer dos bebês na lactação); a etapa anal (prazer das crianças no controle da defecação); e a etapa fálica (prazer genital). Na concepção freudiana cada fase é uma progressão visando o amadurecimento sexual, caracterizada por um forte Eu e a capacidade de retardar o desejo por recompensas.

11.578 – Teorias – As nações que têm mais homens fazem mais guerras


O que faz com que os povos entrem em conflito, de tempos em tempos? Para Christian Mequida e Neil Wiener, da Universidade York, em Toronto, Canadá, é o excesso de homens jovens. Os dois biólogos analisaram a história e a população de mais de 150 nações do mundo todo. E descobriram que os países mais beligerantes são aqueles onde a proporção de jovens do sexo masculino passa dos 35%. Conclusão: as guerras não são deflagradas por ideologia ou honra, mas por causa de mulher. Para impressionar as mocinhas, os mocinhos se atracam, defendendo territórios e riquezas. Quanto mais rapazes houver, maior a probabilidade de começar uma grande briga. “Por aí, podemos prever em que lugares do mundo vai estourar uma guerra e quão destrutiva ela será”. Difícil é achar que a história humana foi escrita toda em cima de competição pela namorada.

11.454 – Comportamento – A casa agora é dos cães – e não das crianças


cachorros-original
Os bichinhos de estimação nunca foram tão acolhidos, mimados, enfeitados, bem cuidados e desejados no Brasil quanto agora. Nunca mesmo: uma questão incluída na Pesquisa Nacional de Saúde, parte de um levantamento inédito realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostrou que o número de cães nos lares brasileiros superou o de pequenos humanos: de cada 100 famílias no país, 44 criam cachorros, enquanto só 36 têm crianças. A pesquisa foi feita em 2013, mas o resultado do cruzamento dos dados saiu apenas na semana passada. Ele apontou a existência de 52 milhões de cães, contra 45 milhões de crianças de até 14 anos – uma situação que se assemelha à de países como o Japão (16 milhões de crianças, 22 milhões de animais de estimação) e os Estados Unidos (em 48 milhões de lares há cães; em 38 milhões há crianças). Nesses lugares, assim como no Brasil, o principal motivo para essa revolução dos bichos (bem mais amigável que a descrita pela rebelião metafórica de George Orwell) é de ordem demográfica.
Além de entreterem as famílias que têm filhos, os bichinhos são frequentemente a alternativa escolhida para preencher o vazio em lares com pouca gente – e esses lares têm se tornado cada vez mais numerosos. Isso porque, na maioria dos países desenvolvidos, as mulheres vêm tendo menos bebês, e, quando os têm, decidem fazê-lo mais tarde. Ao mesmo tempo, há o aumento da população idosa, cujos filhos já saíram de casa. Ninho e berço vazios reunidos, sobram espaço, tempo e dinheiro para os bebês de quatro patas.