13.676 – Acessórios – Protetor de queda para celular funciona bem


protetor

A onda do momento

Para os mais desastrados – e que não ligam muito para a estética do aparelho – dá só uma olhada neste protetor de silicone. Com quatro grandes bolas nas quinas, ele protege bem o smartphone nas piores quedas. A gente confiou. Derrubou o celular no chão diversas vezes…até arriscamos um “freesbe” com o aparelho. Protege mesmo. Por ser de silicone, poucas quedas deixam o protetor bastante sujo e grudento. No bolso, nem pensar. É bem feio, mas custa só cinco reais e, dependendo da situação, pode salvar seu telefone!

12.906 – Multa para quem usar celular enquanto dirige pode chegar a R$ 300


celular-no-volante
Os motoristas que têm o péssimo hábito de dirigir enquanto usam o celular vão precisar começar a guardar o smartphone. A partir desta terça-feira, 1º, falar ao celular, segurar ou manusear o aparelho enquanto estiver dirigindo serão considerados infrações gravíssimas de trânsito.
A multa está sendo reajustada de R$ 85,13 para R$ 130,16 para todos os motoristas que falam no celular enquanto dirigem. Já aqueles que largarem o volante para usar o aparelho vão levar uma multa de R$ 293,47. Além disso, o infrator perde sete pontos na carteira.
Vale lembrar que mesmo que o carro esteja parado no trânsito ou em um semáforo, o motorista ainda pode ser multado se for pego usando o celular. O correto é estacionar o carro em local permitido para usar o aparelho.

Aumento das infrações
No ano passado, só em São Paulo, que as multas por uso de celular no trânsito cresceram 22% de janeiro a novembro do ano passado, em comparação com o mesmo período de 2014. No período, a CET registrou 430 mil infrações contra 383 mil do ano anterior.

11.107 – “Botão da morte” que inutiliza celulares causa redução de roubos


Teléfono-Celular-Gr

O registro de furtos de smartphones caiu drasticamente em Nova York, San Francisco e Londres desde que fabricantes começaram a incluir o “botão da morte” em seus celulares. Como o próprio nome diz, ele funciona como um interruptor que inutiliza o smartphone remotamente.
Em San Francisco, o número de iPhones roubados caiu 40% desde que a Apple adicionou o recurso em setembro de 2013 em seus dispositivos. No mesmo periodo, Nova York registrou queda de 25%. Em Londres, a queda foi mais radical: foi registrada queda de 50% no número de celulares roubados.
“Nós fizemos um progresso real na luta contra a epidemia de roubos de smartphones que estava se espalhando em muitas grandes cidades”, disse o prefeito de Londres, Boris Johnson, que é um dos entusiastas que defendem a obrigatoriedade dessa função em dispositivos móveis.
De acordo com o National Consumers League, os EUA registraram o roubo de 1,6 milhões de aparelhos em 2012. No estado da Califórnia, por exemplo, o furto desses dispositivos correspondem por mais da metade de todos os crimes ocorridos em grandes cidades como San Francisco e Oakland.
O êxito do chamado “Kill Switch” frente aos roubos desenfreados nas grandes cidades pode tornar a funcionalidade obrigatória, pelo menos na Europa e EUA.

10.993 – Quebrada só a concorrência – Empresa chinesa lança smartphone com tela de safira “inquebrável”


celular chines

A chinesa Desay acaba de lançar um smartphone com tela de safira, conhecida no mercado tecnológico por suas características de alta durabilidade. No vídeo promocional do aparelho, o Magical Mirror x5, o celular é colocado junto de um triturador de castanhas e continua intacto, ganhando notoriedade por ser “inquebrável”.
A Desay é especulada atualmente como uma das fornecedoras de bateria da Apple. Em 2014, a empresa da maçã planejava lançar os novos modelos de iPhone com safira por meio da GT Advanced Technologies. Contudo, os planos da empresa norte-americana mudaram e a tela de cristal não foi utilizada na sexta versão do iPhone.
Enquanto a Apple ainda estuda a viabilidade de utilizar de fato telas de safira em seus smartphones, existem outros aparelhos com a tecnologia disponíveis no mercado: o Brigadier, da Kyocera, e o Ascend P7, da Huawei.
Na esteira de seus concorrentes orientais, o Magical Mirror x5 é composto por uma tela de 5 polegadas, carro chefe do produto. Ainda é munido com um processador MediaTek quad-core, câmera de 13 MP – a frontal é de 5 MP – e mede 6,95 milímetros de espessura.
Na China, o telefone está disponível por US$ 160. Não se sabe ainda se a Desay irá fornecer displays de safira para outras marcas, incluindo a Apple.

9934 – Por que celulares não sintonizam rádio AM?


Por razões técnicas e mercadológicas. “O sinal de AM, por operar numa frequência baixa, consome mais energia para ser captado do que o de FM. A instalação do receptor aumentaria o consumo de bateria e encareceria o valor do produto”, explica um engenheiro eletrônico da Faculdade de Tecnologia da Informação (FIAP). Outro empecilho é que, quanto mais baixa for a frequência da onda, maior precisa ser a antena para captá-la. “Nos aparelhos que sintonizam FM, a antena é o próprio fone de ouvido. Para rádio AM, a antena precisa ser maior”, acrescenta. Além dos entraves operacionais, os fabricantes entendem que não há procura que justifique a implantação de receptores para rádio AM nos celulares. Em 2008, a Sony Ericsson até tentou, mas o modelo R306 não durou muito.

9316 – Tecnologia – Como Funciona o Chip de Celular?


T-Mobile_SIM_card_front_and_back

Também conhecido como cartão SIM, é um circuito impresso do tipo smart card utilizado para identificar, controlar e armazenar dados de telefones celulares de tecnologia GSM (Global System for Mobile Communications) sendo obrigatório neste, usando R-UIM (Removable User Identificable Module), mas pouco comum em outras tecnologias de celular. Ele costuma armazenar dados como informações do assinante, agenda, preferências (configurações), serviços contratados, SMS e outras informações.
A denominação SIM é uma sigla inglesa para Subscriber Identity Module (“módulo de identificação do assinante”).
Fisicamente, o cartão SIM é feito de plástico, onde osmart card é impresso junto com o número ID, que é como um chassi de carro ou um DNA. Este número é chamado de ICCID (International Circuit Card ID), e é único no mundo todo. Originalmente, os cartões SIM tinham dimensões de 85 x 54 mm. Com a tecnologiasmart card e a redução de tamanho dos aparelhos, hoje ele está em 25 x 15 mm.
O primeiro cartão SIM foi criado em 1985 na Alemanha, e consistia de um pequeno cartão magnético. Tinha a vantagem de ter o número de telefone nele e não no aparelho, mas a tecnologia não vingou.
Somente com a criação da rede GSM em 1992, e com a criação do smart card nesta mesma época, que o cartão SIM pôde tornar-se mais eficiente, menor e mais barato.
Ele consiste de um microcontrolador, pois possui memórias RAM, ROM e EEPROM, além de UCP e ULA, Timer, Segurança e portas E/S.
Tipos
Os cartões SIM são divididos em versões, ligadas às fases da tecnologia GSM e à sua capacidade (em kilobytes (KB). Existem cartões SIM de diversos tamanhos, com o máximo de 256 KiB, mas o mais popular (atualmente) é o cartão SIM de 128 KiB.
A memória do cartão SIM é do tipo EEPROM e é nela que ficam armazenados não só o número de telefone e o ID, mas todas as configurações e dados das funcionalidades extras que serão descritas mais a frente.
Os cartões SIM são feitos através de máscaras sobre algum sistema operacional ou sob o Java Virtual Machine (chamado de SIM Card Java) com Micro-Browsers desenvolvidos para navegação na internet e execução de aplicativos feito para plataforma móvel.
A função básica de um cartão SIM é a “Autenticação do cliente”.
Quando o telefone celular é ligado, o aparelho procura a rede GSM que está registrada no cartão SIM, quando a rede é encontrada, o sistema procura e define a localização do cliente automaticamente. Como o número de telefone do celular mais o número do cartão SIM que é único no mundo estão armazenado no cartão SIM, a identificação e o login do mesmo é feito através do chip e não do aparelho, como acontece em outras tecnologias (CDMA por exemplo).
A autenticação é feita através de uma senha de 4 dígitos que o cliente recebe da operadora GSM, chamada de (PIN Personal Identification Number). Dependendo da operadora, do país e da configuração de seu cartão SIM, se ao digitar esta senha de forma errada por n vezes, o cartão SIM é bloqueado, e só pode ser desbloqueado usando outra senha de 8 dígitos também fornecida pela operadora, chamada de PUK (PIN Unblocking Key). Caso esta senha também seja digitada errada por n vezes, o cartão SIM é bloqueado.
A operadora também fornece um PIN 2 e um PUK 2 com o cartão SIM, ambos com a função de modificar ou desbloquear os códigos PIN e PUK principais e efetuar funções específicas definidas pela operadora móvel, como por exemplo configurar o SIM Card para efetuar ligações somente para os números pré-definidos pelo usuário.
Atualmente as operadoras estão desabilitando o uso do PIN ao ligar o aparelho, mas esta função pode ser reabilitada pelo usuário.

9201- Tecnologia – O Celular em Bloco


cel em bloco

A Motorola Mobility, empresa que pertence ao Google, anunciou que está desenvolvendo um projeto de smartphone personalizável por meio de blocos, chamados de módulos, que devem ser encaixados para formar um celular.
Tais pedaços são componentes –podem ser uma bateria extra, um teclado, um processador. Dessa maneira, as funções, o preço e a aparência do celular poderiam ser decididas pelo usuário, diz a Motorola.
Denominado Ara, o projeto substitui um outro, chamado Sticky, que foi usado durante seis meses em oficinas itinerantes realizadas pela companhia nos EUA.
“Depois da viagem [os ‘workshops’], perguntamos para nós mesmos: Como levar os benefícios de um ecossistema aberto de hardware para seis bilhões de pessoas”, escreveu Paul Eremenko, do grupo de tecnologia avançada da Motorola e líder do projeto Ara, em um texto no blog da empresa divulgado recentemente.
Segundo a empresa americana, uma versão de testes “alfa”, para desenvolvedores, estará disponível “em algum momento deste inverno”. A estação fria começa no dia 21 de dezembro e termina no dia 19 de março no hemisfério norte.
A Motorola também está convocando voluntários para se tornarem “Ara Scouts” (observador ou escoteiro Ara), que participarão do desenvolvimento do projeto. A pesquisa, que incluirá esse trabalho de quem se dispuser a ajudar, levará entre seis meses e um ano, segundo a companhia.
“Queremos repetir no hardware [aparelhos] o que o Android fez para o software [programas]: criar uma rede de desenvolvedores vibrante, diminuir as barreiras, aumentar o ritmo de inovação, e diminuir substancialmente os períodos de desenvolvimento”, disse Eremenko.
“Nosso objetivo é incentivar uma relação entre usuários e seus telefones mais racional, aberta e expressiva, permitindo que você decida o que seu celular faz, sua aparência, o material de que é feito, quanto custa e quanto tempo você quer ficar com ele.”
O Google não disse qual a motivação para o nome do projeto. Em latim, Ara significa “altar” –é o nome de uma constelação.

5440 – Aviação – Sem Celular


As ondas eletromagnéticas emitidas pelo celular podem interferir nos instrumentos do avião, mas é uma hipótese remota e jamais comprovada. Se um celular derrubasse um avião,você seria proibido de embarcar com o seu. Proibe-se até xampú à bordo. Um levantamento de um instituto americano indicou que apenas 16% dos americanos querem usar celulares à bordo.
Proibido fumar – A nicotina entope os filtros de ar condicionado e pode prejudicar o sistema de pressurização. Fora o risco de incêndio.
Máscara de despressurização: primeiro vc – Quando as máscaras de despressurização caírem, é melhor colocar uma em você e só depois na criança que estiver ao lado, evitando que você perca os sentidos e não consiga salvar nenhum dos 2.

4825 – O que difere as linhas digital e analógica dos telefones celulares?


O que muda é o tipo de onda que carrega as informações pelo ar. Nos telefones analógicos acontece algo parecido com o som do violão. Quando se troca a posição dos dedos no braço do instrumento, o tamanho da corda e o som produzido ficam diferentes. No celular analógico, a voz é transformada em impulsos elétricos que, da mesma forma, alteram a freqüência com que a onda eletromagnética vibra num espaço de tempo. O funcionamento das linhas digitais é mais complicado porque as ondas, além de vibrarem, levam consigo um código. Os aparelhos mais modernos são capazes de receber os dois sinais. “Antes de uma ligação se completar, a estação de transmissão manda um aviso codificado especificando que tipo de mensagem vai indo”.

4262 – Celular – Um em cada seis celulares no Reino Unido tem E. coli


Folha Ciência

Um em cada seis telefones móveis no Reino Unido tem a bactéria E. coli, que costuma ser encontrada em fezes humanas, de acordo com uma pesquisa cujos dados foram divulgados pelo “Guardian”.
O maior índice de telefones móveis com E. coli foi registrado na capital, Londres: 28%, contra 16% na média do resto do país. A pesquisa, feita pela London School of Hygiene and Tropical Medicine e pela Queen Mary University of London com pessoas no Reino Unido, também indicou que 92% dos aparelhos avaliados estavam com pelo menos algum tipo de bactéria.
Além disso, 82% das mãos avaliadas estavam com alguma bactéria, e 16% delas estavam com E. coli.

3300 – Celular vai virar cigarro?


Folha Ciência

Neste Dia Mundial contra o Tabagismo, comemora-se uma série de conquistas graças a uma mobilização mundial contra o fumo, a tal ponto que em alguns lugares como Nova York não se pode mais fumar nos parques e praças. O celular está indo para o mesmo caminho? Ou seja, ser considerado um problema para a saúde, capaz de provocar câncer? A partir desta semana, talvez sim.
O anúncio feito pela OMS (Organização Mundial de Saúde) sobre os riscos cancerígenos do celular, até agora negados pela indústria de telecomunicação e apenas uma hipótese levantada pela comunidade cientifica, coloca o assunto no topo da agenda. Eram vozes isoladas que vinham alertando para os perigos do celular, agora é oficial.
Isso significa que haverá mais financiamento público para aprofundar os estudos sobre o efeito do celular. E que, imediatamente, a indústria terá de oferecer precauções, caso não queira, como os fabricantes de cigarro, de virar alvo de processos.
Até o anúncio da OMS o celular era visto com a grande mídia do futuro. Agora, vai ter que lidar a imagem de que pode ser uma das grandes ameaças à saúde no futuro.

2308- Microbiologia:Bactéria da diarréia veio do fundo do mar


Causadora de diarréia alimentar é parente de micróbios que vivem nas profundezas.
Responsável por úlcera no estômago tem origem parecida, sugere DNA. O que as chaminés termais do fundo do oceano e o intestino humano têm em comum, fora o fato de ambos os lugares serem igualmente malcheirosos? Segundo um grupo de pesquisadores japoneses e americanos, os habitantes microscópicos dos dois lugares também são bastante parecidos – tão parecidos, aliás, que a principal bactéria causadora de diarréias em humanos pode ter “aprendido” a colonizar ambientes inóspitos no fundo do mar. A descoberta está na edição desta semana de revista científica americana A equipe capitaneada por Satoshi Nakagawa, da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Marinha e Terrestre, conduziu uma análise genética de duas bactérias, a Sulfurovum e a Nitratiruptor , que são comuns nos ecossistemas bizarros e complexos das chaminés termais submarinas. Essas chaminés são fissuras no solo marinho que, aquecidas pelas camadas interiores da Terra, produzem jatos de água a altas temperaturas.
Tais bactérias aproveitam o calor e as substâncias químicas das chaminés para sobreviver e prosperar. Já se sabia de seu parentesco com dois micróbios muito importantes – e nocivos – para a saúde humana. São a Campylobacter jejuni , principal causadora da diarréia alimentar, e a Helicobacter pylori , causadora de úlceras e cânceres no estômago. No entanto, a análise detalhada de DNA feita por Nakagawa e seus colegas revelou que as bactérias que afetam seres humanos compartilham uma série de genes essenciais com os microrganismos submarinos. E são genes que têm relação direta com uma propriedade chamada virulência – nada a ver com vírus, apesar do nome. Quanto mais virulenta uma bactéria, mais ela é capaz de causar doença, aumentando sua capacidade de invadir e colonizar o corpo humano, entre outras coisas. Assim, as bactérias do intestino e do estômago podem ter “aprendido” a se fixar com força num ambiente inóspito no fundo do mar antes de usar essa capacidade na invasão de hospedeiros

Celular tem mais bactéria que sola de sapato
Assim como o teclado do computador, celular também é um esconderijo para bactérias.
Para deixar seu celular livre de bactérias é só usar um pouquinho de álcool isopropílico. A coisa é tão séria que o biomédico Roberto Figueiredo, o Dr. Bactéria, resolveu fazer um teste. O biomédico recolhe amostras em celulares usados… e na sola dos sapatos. Depois, ele limpa os celulares e faz uma segunda coleta. Tudo é levado pro laboratório e analisado.
O resultado é surpreendente. Um celular tem mais bactérias do que uma sola de sapato.
E para mostrar que uma boa faxina resolve o problema, o biomédico comparou amostras de celulares usados com as dos celulares limpos.
Para deixar seu celular livre de bactérias é só passar algodão ou lenço de papel com um pouquinho de álcool isopropílico. Este álcool é volátil, pode ser encontrado nas farmácias e não chega a atrapalhar o mecanismo do celular.

1451-Celular – Excesso pode fazer mal?


Embora com resultados de pesquisa contraditórios, o aparelhinho é acusado de provocar câncer. Suspeita-se que o calos que ele emite, em contato com o rosto, possa levar á catarata. Teoricamente, a radiação emitida pelos celulares não provoca prejuízos á saúde, pois as ondas são não-ionizantes e não roubam elétrons das moléculas do organismo, ao contrário da radiação emitida pelos raios X, que é ionizante.Teme-se porém, que seu uso exagerado danifique a visão. As ondas aqueceriam o cristalino, podendo tornar a lente interna dos olhos cada vez mais opaca, como se cozinhasse num microondas. Não se sabe qual é o tempo de exposição para que o problema apareça. Quando não se está falando no telefone, ele é inofensivo. Faltam estudos para comprovar ou refutar definitivamente a relação entre o uso do celular e o câncer, faltam peças desse quebra-cabeças. Um estudo na Austrália feito com ratos, demonstrou que os que foram submetidos a radiação idêntica a do celular tiveram 2 vezes mais chance de desenvolver linfomas do que os que não receberam radiação. O problema é que a experiência foi repetida em outros países e os cientistas não obtiveram os mesmos resultados, coisa que é essencial para que os dados sejam aceitos como verdadeiros.