14.063 – Celebridades – Por onde anda Sharon Stone?


sharon-stone
Ela alcançou o reconhecimento internacional por seu papel no thriller erótico Instinto Selvagem. Foi nomeada para um Oscar de Melhor Atriz e ganhou um Globo de Ouro de Melhor Atriz em um Filme Dramático por sua atuação em Casino.
Nascida em Meadville, 10 de março de 1958.
A atriz chegou a posar nua na revista Playboy, na época do filme Basic Instinct. Além do inglês, fala fluentemente italiano. Possui uma estrela na Calçada da Fama.
Em outubro de 2001 a atriz sofreu uma hemorragia cerebral. Nos dois anos seguintes teve de reaprender a andar, a falar e a ler.
A artista alertou as pessoas sobre o perigo do aneurisma não ser tratado a tempo.”Se você sentir uma dor de cabeça muito forte, você precisa ir para o hospital, eu só fui depois de três ou quatro dias. A maior parte das pessoas morrem. Eu tive 1% de chance de sobreviver quando fiz a minha cirurgia e ninguém me contou isso, eu li em uma revista.
Sharon Stone passou boa parte da década passada lutando para se recuperar de um aneurisma.

Ao todo, ela diz que foram sete anos de tratamentos intensivos. Nesse período, a estrela de Hollywood acredita ter sido abandonada por todos ao redor.

Em evento do Women’s Brain Health Initiative, a atriz de 61 anos lamentou a falta de apoio após a doença, que foi desencadeada em 2001. “A minha mãe teve um aneurisma, a minha avó teve um aneurisma, eu tive um enorme aneurisma e mais nove dias de sangramento no cérebro. As pessoas me trataram de uma forma brutalmente indelicada. De outras mulheres da minha profissão à juíza que cuidou da custódia dos meus filhos, eu acho que ninguém refletiu sobre como um aneurisma pode ser perigoso para uma mulher e como é difícil a recuperação, para mim foram sete anos”, desabafou ela.

13.587 – TV – Série Autópsia de Famosos


Amy Winehouse
Apresentada no Discovery Channel

Com laudos oficiais, médico extingue boatos que cercam a vida e a morte de celebridades, investigando a real causa das tragédias.
A morte repentina e trágica de pessoas famosas gera muitos boatos e especulações, que deixam os fãs inconsoláveis com mais perguntas que respostas.
Nesta série de documentários, que conta com laudos oficiais e métodos científicos, o renomado médico legista Jason Payne-James analisa os fatos incontestáveis revelados pelas autópsias de celebridades que morreram em circunstâncias misteriosas, lançando uma nova luz sobre suas vidas extraordinárias.
Além de depoimentos de profissionais da área médica, apresentamos a sequência de eventos que levou à sua morte precoce e os relatos de pessoas que presenciaram os fatos, revelando um retrato íntimo de como os artistas viviam até sua partida precoce.
O programa número 1 trouxe matéria sobre a morte de Michael Jackson, já estiveram também no programa Elvis Presley, Whitney Houston, Karen Carpenter entre outros.

O primeiro episódio dessa temporada de Autópsia de Famosos traz o caso da cantora britânica Amy Winehouse.
Amy Winehouse foi uma das cantoras e compositoras mais talentosas de sua geração. O álbum Back to Black vendeu mais de 20 milhões de cópias e ganhou inúmeros prêmios. Sua voz profunda, a honestidade crua de suas letras e sua personalidade vibrante conquistaram o coração de milhões.
Mas às 15h30 do dia 23 de julho de 2011, Amy foi encontrada morta no quarto de sua casa em Camdentown, norte de Londres. No inquérito, o legista concluiu que ela morreu de intoxicação alcoólica.
Amy travou uma longa e pública batalha contra a dependência. Mas nas semanas anteriores à sua morte, ela havia feito grandes progressos: tinha parado de se drogar e tentava controlar o consumo de álcool. Então, por que ela teria bebido até morrer?
Usando informações reveladas pela autópsia, depoimentos ouvidos no inquérito e relatos de testemunhas, o Dr. Jason Payne James investiga os últimos dias de Amy Winehouse.

12.526 – A psicologia explica como funciona a obsessão por celebridades


anna
Rodrigo Augusto de Pádua extrapolou todos os limites do fanatismo ao invadir o hotel onde a apresentadora Ana Hickmann estava hospedada em Belo Horizonte, Minas Gerais, e disparar tiros contra a família dela.
Dois dias depois, um homem de 25 anos se disfarçou e conseguiu entrar no condomínio onde mora a cantora Anitta, no Rio de Janeiro. Segundo a assessoria da artista, “um rapaz de fora do Rio de Janeiro conseguiu entrar no condomínio da cantora, se passando por funcionário e foi até a porta da casa dela. Aos gritos, começou a se declarar e depois xingar Anitta, dizer palavras desconexas, chamando a atenção da cantora, seus familiares e vizinhos”.
No caso da cantora, todos os envolvidos foram parar na delegacia. Já a ocorrência envolvendo Hickmann acabou com Pádua morto e a cunhada da apresentadora baleada.
As histórias de Ana Hickmann e Anitta não são exceções. Há registros de celebridades ao redor do mundo inteiro que já foram perseguidas ou até mesmo assassinadas por supostos fãs. Existe uma grande diferença entre admiração e obsessão, e ao longo dos últimos anos psicólogos e psiquiatras têm dedicado cada vez mais atenção ao estudo desse tópico.
Os comportamentos descritos acima fazem parte de uma síndrome chamada Síndrome de Adoração a Celebridades, também conhecida como “Doença do Ídolo Louco” (uma brincadeira com a Doença da Vaca Louca). Este último termo foi cunhado no estudo “A Clinical Interpretation of Attitudes and Behaviors Associated with Celebrity Worship” (Uma interpretação clínica das atitudes e comportamentos associados com o culto às celebridades, em tradução livre), publicado no início dos anos 2000 no periódico Journal of Nervous and Mental Disease.
Na pesquisa, os cientistas afirmam que existem três dimensões no relacionamento que as pessoas têm com as celebridades que admiram: a de entretenimento, em que os indivíduos se divertem e acompanham o trabalho dos artistas; a intensa e pessoal, na qual os indivíduos têm sentimentos compulsivos relacionados a alguém; e a quase patológica, em que demonstram comportamentos e fantasias incontroláveis relacionados a uma celebridade.
É na dimensão quase patológica em que há maior margem para a criminalidade, hipótese confirmada pelo estudo “Celebrity worship, addiction and criminality” (Adoração à celebridades, obsessão e criminalidade, em tradução literal), realizado na Universidade de Leicester, na Inglaterra. De acordo com psiquiatras, essa era a condição em que se encontrava Rodrigo Augusto de Pádua. Segundo os profissionais, ele teria erotomania, uma condição em que o indivíduo acredita que a pessoa pela qual é obcecada corresponde a seus sentimentos.
Vale ressaltar ainda que o gênero é um fator importante em ambos os casos tratados no texto. Muitas mulheres sofrem violência por não corresponderem aos sentimentos de um homem — seja ele parceiro, ex-namorado ou perseguidor. De acordo com o IPEA, uma mulher morre no Brasil a cada uma hora e meia por causas relacionadas à violência. São cerca de 5,6 mil mortes ao ano, em geral, causadas por homens, segundo o relatório.

11.231 – Saúde – Angelina Jolie acertou ao retirar os ovários e as trompas?


Angelina: difícil decisão
Angelina: difícil decisão

Especialistas em oncologia aprovaram a decisão da atriz Angelina Jolie de retirar os ovários e as trompas de falópio como forma de prevenir o câncer no órgão. Há quase dois anos, a atriz anunciou que retirou e reconstruiu os seios para reduzir o risco de câncer de mama.
Angelina tem histórico de câncer de ovário na família: sua mãe e sua avó morreram em decorrência deste tumor. Em 2013, um teste genético apontou que a atriz corria alto risco de seguir pelo mesmo caminho. Portadora de uma mutação no gene BRCA1, sua probabilidade de desenvolver câncer de ovário era de 50% e o de mama, de 87%. A partir da retirada dos órgãos, o risco caiu 90%.
A oncologista Maria Isabel Achatz, diretora de Oncogenética do A.C.Camargo Câncer Center explica que, para as portadoras da mutação, a retirada dos seios não é necessariamente recomendada pelos médicos. “O rastreamento do câncer de mama é facilmente feito por mamografia e ressonância magnética. Uma mulher pode fazer os exames periodicamente, sem precisar remover os seios”.
Para a prevenção do câncer de ovário os médicos recomendam a retirada preventiva dos ovários e trompas. “Não existe um exame de rastreamento eficaz desse tumor, de modo que ele costuma ser diagnosticado em estágio avançado, quando a chance de cura é pequena.”
No artigo intitulado Angelina Jolie Pitt: diário de uma operação, a atriz explica que decidiu retirar os ovários depois de exames de rotina apontarem alterações em marcadores inflamatórios que podem indicar a atividade de um tumor. “[A retirada dos ovários] é uma operação menos complexa que a mastectomia, mas seus efeitos são mais severos. Ela coloca a mulher em uma menopausa forçada”.
Angelina relata que está tomando hormônios para minimizar os sintomas da menopausa causada pela operação, como ondas de calor, oscilação de humor, ressecamento vaginal e diminuição da elasticidade da pele. De acordo com Maria Isabel, a reposição hormonal só é recomendável para mulheres que não tiveram tumor de mama diagnosticado antes da operação nos ovários.
O teste genético que detecta a mutação nos genes BRCA1 e BRCA2 custa no Brasil, em média, 5.000 reais, e não é oferecido pelo Sistema Único de Saúde. A boa notícia é que uma resolução da Agência Nacional de Saúde (ANS) obriga os planos de saúde a pagarem pelo teste em casos como o de mulheres com câncer de mama diagnosticado e que apresentem dois parentes de 1º ou 2º graus do mesmo lado da família com diagnóstico de câncer de mama abaixo de 50 anos.
O câncer de ovário é conhecido como a ovelha negra dos tumores na mulher em função da ausência de sintomas nos estágios iniciais e da falta de métodos eficazes de rastreamento. As causas que levam ao desenvolvimento deste tumor também são pouco conhecidas na maioria dos casos.
O diagnóstico é tardio na maioria dos casos e, por isso, o índice de mortalidade é alto. Segundo um levantamento do A.C. Camargo Câncer Center, 6 entre 10 pacientes morrem em menos de 5 anos após o tratamento. Para 2015, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou 5.680 novos casos deste tumor no Brasil.

10.422 – Celebridades do Cinema – Aos 50 anos, Sandra Bullock ganha homenagem do museu de cera


Sandra-Bullok

Um Oscar, um Globo de Ouro e outros 60 prêmios, e, agora, uma estátua no Madame Tussauds de Nova York. Sandra Bullock chega aos 50 anos neste sábado (26-julho) em uma das melhores fases da carreira.
A homenagem no museu de cera é justa. Sandra completa meio século em plena forma (não esticada como o boneco), como comprovou “Gravidade”, filme que exigiu muito fisicamente da atriz e lhe rendeu uma indicação ao Oscar (perdido para Cate Blanchett, por “Blue Jasmine”). “Física e mentalmente, foi a coisa mais maluca, bizarra e desafiadora que já fiz. Mas você descobre do que é feita”, disse à época do lançamento do filme de Alfonso Cuarón.
Recentemente, o evento Guys Choice Awards condecorou a estrela de Hollywood como a “mulher mais quente da década”. O prêmio foi recebido das mãos do trio de bonitões Matthew McConaughey, Keanu Reeves e Hugh Grant, espécie de pares românticos em “Tempo de Matar” (1996), “A Casa do Lago” (2006) e “Amor à Segunda Vista” (2002).
Boa parte dos prêmio de Sandra foram conquistados nos últimos anos, incluindo o Oscar, por “Um Sonho Possível” (na cerimônia de 2010).
Para não dizer que tudo são flores, a atriz passou recentemente por momentos de terror. Sua mansão em Beverly Hills foi invadida por um fã mais exaltado, o que fez a atriz pensar seriamente em se mudar. Sandra vive com seu filho, adotado, e, desde o ano passado, circulam notícias de que ela quer adotar uma irmãzinha para Louis.
Nos cinemas, a atriz, considerada “queridinha da América”, associou-se a Tate Taylor (“Histórias Cruzadas”) para um filme sobre a vida da executiva de vendas Brownie Wise. A história começa nos anos 1940, quando Earl Tupper lança no mercado o tupperware. E a dona de casa Brownie torna o produto popular usando o método de vendas da “demonstração domiciliar”.

bullock

9288 – Mega Personalidades – México de Luto com morte de uma atriz famosa


Alvarez no auge de sua beleza
Alvarez no auge de sua beleza

Karla Mercedes Álvarez Báez (Cidade do México, no México em 15 de outubro de 1972 – 15 de novembro de 2013 ) foi uma atriz mexicana. Karla Álvarez começou sua carreira como atriz aos 20 anos, co-protagonizando a bem-sucedida telenovela María Mercedes, ao lado de Thalía, em 1992.
Ela é graduada como uma bailarina profissional na “Escola Nacional de Dança Contemporânea e Clássica (INBA)” e ingressou a partir das fileiras do “Centro de Artes Educação (CEA)” da Televisa, se caracterizou pela força das suas personagens, principalmente antagônicas, que realizou juntamente ao lado das atrizes Kate del Castillo, Laura León, Elsa Aguirre, Chantal Andere e Gabriela Spanic, entre outras.
A longa lista de telenovelas e séries que tenha Karla, incluem Buscando Paraíso, Agujetas de color de rosa, Prisonera de amor, Acapulco, cuerpo y alma, Mi querida Isabel, La Mentira, Cuento de Navidad, Alma rebelde, Mujeres engañadas, La Intrusa e ¡Vivan los niños!.
Em 2002, Karla levou o terceiro crédito da peça La Casa de los Líos, tendo trabalhado nas peças La Cenicienta e Engáñame si puedes.

No entanto, em 2003, Karla participou do reality show Big Brother VIP, onde permaneceu pouco mais de 50 dias, após protagonizar um romance com o George ‘El Burro’ Van Rankin.
A morte precoce da atriz mexicana Karla Álvarez, conhecida por ter atuado em novelas como “Agujetas de color de rosa” e “Maria Mercedes”, esta última transmitida no Brasil pelo SBT, comoveu o México.
A notícia sobre o falecimento da atriz foi dada por sua irmã em um programa de televisão do país.
Momentos depois, o jornalista mexicano Gustavo Adolfo Infan confirmou a a informação por meio de sua conta no Twitter.
O serviço em espanhol da BBC, no México, Alberto Nájar, disse que, oficialmente, a Promotoria Geral do Distrito Federal (PGJDF), responsável pelas investigações, não informou a causa da morte de Karla, embora rumores indiquem que a atriz tenha sofrido uma parada cardiorrespiratória.

9140 – EUA – Para presidente, Schwarzenegger!!


Swazeneger

Não são raras as histórias de pessoas que usam o status de celebridade para conseguir êxito na vida política. O caso do ator Arnold Schwarzenegger poderia ser mais um entre tantos outros, mas os dois mandatos como governador da Califórnia deixaram o mundo perplexo com a influência que conseguiu exercer no poder público. Agora, o eterno Exterminador do Futuro tenta conseguir apoio para se candidatar à presidência dos Estados Unidos pelo Paritido Republicano. Segundo o jornal The New York Post, o ator está trabalhando para superar os trâmites burocráticos e tentar a sorte na Casa Branca em 2016.
Para se tornar o sucessor de Barack Obama, Schwarzenegger, de 63 anos, terá de enfrentar obstáculos tão desafiadores quanto os vilões enfrentados nas megaproduções de Hollywood. Durante o período em que governou a Califórnia, o estado atingiu a taxa de desemprego mais alta dos Estados Unidos e apresentou uma histórica crise orçamentária. Após afundar o ‘Estado Dourado’ na recessão, Schwarzenegger deixou o governo em 2011, com apenas 22% de aprovação popular.
Além disso, Schwarzenegger terá de convencer o governo americano a abrir uma oportunidade para ele na corrida presidencial. A Constituição do país não autoriza nenhum cidadão nascido no exterior a se candidatar para a presidência. Como nasceu na Áustria e se tornou cidadão americano em 1983, Schwarzenegger precisaria da aprovação de dois terços da maioria da Câmara dos Deputados e do Senado, além de depender da ratificação de três quartos dos legisladores estatais.
A improbabilidade da candidatura do ator chegou a ser motivo de piada para o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, outro potencial candidato presidencial dos republicanos. “Existiria uma luta para decidir quem seria o candidato à presidência e à vice-presidência. Ele gostaria de lutar com as mãos, e eu gostaria de checar a Constituição”, disse. Outro ponto desfavorável para Schwarzenegger é sua reputação, que sofreu abalos após o escândalo extraconjugal que culminou no fim de seu casamento de 25 anos com a escritora María Shriver, em 2011.
Por enquanto, a página criada no Facebook para apoiar a candidatura do ator recebeu mais de 30 000 seguidores. Hillary Clinton, apontada como a principal aposta dos democratas, conta com 170 000 simpatizantes na rede social. Os representantes de Schwarzenegger ainda não comentaram sobre seu objetivo.

8295 – Tia de Angelina Jolie morre de câncer de mama


A norte-americana Debbie Martin, tia de Angelina Jolie, morreu de câncer de mama no último domingo (26-05-2013), informou um hospital da Califórnia, quase duas semanas após a atriz ter anunciado que passou por uma mastectomia dupla por ter herdado um alto risco de câncer de mama.
Debbie, irmã mais nova da mãe de Jolie, morreu aos 61 anos no hospital Palomar Medical Center, em Escondido, perto da cidade de San Diego.
O viúvo, Ron Martin, disse à emissora britânica Sky News que sua mulher tinha o mesmo gene defeituoso BRCA1, como Angelina Jolie.
A mãe de Jolie, Marcheline Bertrand, também foi diagnosticada com câncer de mama e morreu em 2007, aos 56 anos.
Em 14 de maio, a atriz revelou em um artigo no jornal “The New York Times” que havia se submetido a uma mastectomia dupla e disse esperar que sua história inspirasse outras mulheres que enfrentam a doença.
Jolie, de 37 anos, escreveu que passou pela operação, em parte, para tranquilizar seus seis filhos que ela não morreria de câncer como sua própria mãe.
“Muitas vezes falamos de ‘mãe da mamãe’, e eu me vejo tentando explicar a doença que a levou para longe de nós. Eles perguntaram se o mesmo poderia acontecer comigo”, escreveu. “Eu sempre lhes disse para não se preocupar, mas a verdade é que eu carrego um gene ‘defeituoso’.”
A atriz, que ganhou o Oscar de coadjuvante por seu papel no filme de 1999 “Garota, Interrompida”, disse que optou pela cirurgia depois que seus médicos estimaram que ela tinha 87% de risco de câncer de mama e 50% de risco de câncer de ovário, devido a uma mutação genética herdada da mãe.

8178 – Mega Memória – Sandra Brea


Sandra_Brea

(Rio de Janeiro, 11 de maio de 1952 — Rio de Janeiro, 4 de maio de 2000), conhecida profissionalmente como Sandra Bréa, foi uma atriz brasileira. Foi considerada símbolo sexual do país na década de 1970 e na década de 1980.
Ela era famosa não apenas pelos seus muitos trabalhos, mas também por ter assumido publicamente, em agosto de 1993, que foi contaminada pelo vírus da AIDS, lutando contra a discriminação. Contudo, a atriz faleceu vítima de câncer de pulmão, sete anos mais tarde.
Sandra Bréa iniciou sua carreira aos treze anos de idade, como modelo. Aos catorze, ela seguiu para o teatro de revista do Rio, onde estrelou Poeira de Ipanema.
Em 1972, o diretor Daniel Filho convidou-a para interpretar Telma, personagem da novela O Bem-amado, da Rede Globo.
Como atriz estreou, em 1968, na peça Plaza Suite, tendo sido escolhida para o papel pelo diretor João Bittencourt e pela atriz Fernanda Montenegro.
Contratada por Moacyr Deriquém, foi trabalhar na Rede Globo, estreando na telenovela Assim na Terra Como no Céu, em 1970. Seu primeiro grande papel, porém, foi no clássico O Bem Amado, de Dias Gomes, em 1973. Em seguida, atuou em Os Ossos do Barão e Corrida do Ouro, Escalada, O Pulo do Gato , Memórias de Amor, Elas por Elas, Sabor de Mel, Ti Ti Ti, Bambolê, Pacto de Sangue, Gente Fina e Felicidade. Com exceção de Sabor de Mel, feita na Rede Bandeirantes, todas as demais foram feitas na Rede Globo.
Logo que estreou na televisão, Sandra Bréa começou a fazer não apenas novelas, mas também shows, como Faça Humor, Não Faça Guerra, onde conheceu Luís Carlos Miele, que veio a ser seu parceiro em uma série de apresentações que misturavam canto, dança e humor, principalmente no programa Sandra e Miele, apresentado pela Rede Globo a partir de 1976, tornando-se um grande sucesso de crítica e de audiência.
Muito bonita, Sandra Bréa foi um dos principais símbolos sexuais do Brasil, principalmente na década de 1970, tendo posado nua diversas vezes para as revistas como Status e Playboy, entre outras. Sua beleza também rendeu convites para filmes eróticos (como Sedução; Cassy Jones, o magnífico sedutor; Herança dos devassos, Um uísque antes, um cigarro depois e Os mansos) e pornochanchadas. Seus primeiros nus foram feitos ainda na década de 1970, em pleno regime militar, quando esse tipo de coisa era bem menos comum.

Sandra-Brea-capa-Veja-1993

Desde que anunciou que era soropositiva, Sandra Bréa se afastou de tudo e de todos. Em dezembro de 1999, seus médicos detectaram um tumor maligno no pulmão em estágio avançado e lhe deram seis meses de vida. No mês seguinte, foi internada e submetida a uma biópsia. A proposta foi de um tratamento à base de quimioterapia e radioterapia. Sandra recusou. Escondeu por um tempo sobre a doença. Quando revelou-a, primeiramente disse ter se infectado em uma doação de sangue contaminada, pois em 1991 sofreu um grave acidente de carro em que precisou de transfusão. Porém, pesquisas constataram, que naquela época só eram infectadas mulheres no interior, onde não havia uma fiscalização adequada.
No final de abril de 2000, já praticamente sem voz, com muitas dores, insuficiência respiratória e febre, a atriz concordou em receber um oncologista.
Em 2 de maio de 2000, ela foi levada ao Hospital Barra D’or para fazer uma tomografia computadorizada. Não soube o resultado, pois morreu dois dias depois em sua casa, em Jacarepaguá. “Não morrerei de Aids”, dizia. “Vou morrer como qualquer um, atropelada.”
Ela deixou um filho adotado, Alexandre Bréa Brito, com quem alegadamente estava brigada à época de sua morte.

sandra brea

5371 – Mistura de Valium, Xanax e álcool matou Whitney Houston


A causa da morte da cantora Whitney Houston teria sido a mistura dos remédios Valium e Xanax com álcool. A polícia encontrou os dois medicamentos no quarto onde Whitney foi encontrada morta com o rosto embaixo d’água na banheira de uma suíte do hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, no dia 11.
“Whitney tinha tomado Valium, Xanax e álcool, que levou à morte. O legista está esperando os resultados finais de toxicologia para determinar qual dos três foi o principal fator de sua morte”, afirmou uma fonte próxima do caso a um site.
“O legista vai examinar atentamente o álcool presente no sangue de Whitney no momento em que ela morreu também. Os sedativos e o álcool são quase certamente a causa da morte, e não afogamento. Seu coração parou de bater porque o seu sistema respiratório foi suprimido pelos medicamentos ansiolíticos, e combinado com a bebida, o que provavelmente aconteceu muito rapidamente.”
Ainda segundo o site, os últimos dias da cantora foram marcados pela briga que ela se envolveu com uma mulher em uma boate em Hollywood. A cantora achou que a mulher estava dando em cima de seu namorado, Ray J.
A diva pop saiu da boate naquela noite despenteada, embriagada e com sangue escorrendo pela perna. Testemunhas disseram que Whitney estava bebendo muito na área VIP.

5316 – Kevin Costner deve discursar em funeral de Whitney Houston


A famosa cena do filme

O ator Kevin Costner, que protagonizou com Whitney Houston o filme “O Guarda-Costas” (1992), deve fazer um discurso no funeral da atriz no sábado (18). A informação é do “Huffington Post”.
O produtor musical Clive Davis e os cantores Stevie Wonder e Aretha Franklin também devem participar da cerimônia. O site “TMZ” divulgou que a apresentadora Oprah Winfrey foi convidada para o funeral.
Costner, 57, e Whitney atuaram juntos no filme que deu à cantora um de seus maiores sucessos. A versão de “I will always love you” faz parte da trilha do longa.
A cerimônia, prevista para as 12h (15h de Brasília), não será aberta ao público e apenas poderão entrar na igreja de Newark, em Nova Jersey, nos EUA, pessoas convidadas. O funeral será transmitido ao vivo.
“Uma pessoa (com uma câmera) foi autorizada no santuário, que transmitirá ao vivo” para os meios de comunicação tradicionais e internet, afirmou à France Presse Carolyn Whigham, proprietária da Casa Funerária Whigham, que faz os preparativos do funeral da cantora, encontrada morta no sábado (11) em Los Angeles.
Whigham também declarou que serão colocados telões gigantes nas laterais da igreja batista New Hope, com capacidade para cerca de 1.500 pessoas, para que possam acompanhar a cerimônia.
A igreja batista de New Hope é aquela na qual Whitney Houston, seguindo os passos de sua mãe, cantora de gospel e de R&B, começou sua carreira como solista em um coro gospel aos 11 anos.
A cantora de 48 anos foi encontrada morta na banheira de seu quarto de hotel de Los Angeles, no último sábado (11).