9030 – Saúde – Vitamina C contra a Catarata


Cientistas canadenses sugerem que as vitamines C e E previnem a catarata, doença que deixa opaco o cristalino, a lente natural do olho. Como o mal atinge duas em cada dez pessoas entre 60 e 70 anos, os pesquisadores analisaram a alimentação de pessoas sadias e enfermas nessa faixa etária e descobriram que as primeiras consomem o dobro de vitamina E e quatro vezes mais vitamina C. As principais fontes de vitamina E sãos leite, ovos e verduras verde-escuras; de vitamina C, as frutas cítricas. As duas vitaminas, por serem antioxidantes, poderiam impedir as células do olho de ficar opacas. O oftalmologista Rubens Belfort de Mattos Júnior, da Escola Paulista de Medicina, adverte, porém: “Não há dose de vitamina que, evite a catarata em pessoas com tendência ao problema e que ficam muito expostas ao sol”.

8093 – Vitaminas C e E podem evitar Catarata


Cientistas canadenses sugerem que as vitamines C e E previnem a catarata, doença que deixa opaco o cristalino, a lente natural do olho. Como o mal atinge duas em cada dez pessoas entre 60 e 70 anos, os pesquisadores analisaram a alimentação de pessoas sadias e enfermas nessa faixa etária e descobriram que as primeiras consomem o dobro de vitamina E e quatro vezes mais vitamina C. As principais fontes de vitamina E sãos leite, ovos e verduras verde-escuras; de vitamina C, as frutas cítricas. As duas vitaminas, por serem antioxidantes, poderiam impedir as células do olho de ficar opacas. Um oftalmologista, da Escola Paulista de Medicina, adverte, porém: “Não há dose de vitamina que, evite a catarata em pessoas com tendência ao problema e que ficam muito expostas ao sol”.

8060 – Medicina – O que é a catarata?


catarata

Trata-se de uma patologia dos olhos que consiste na opacidade parcial ou total do cristalino ou de sua cápsula. Pode ser desencadeada por vários fatores, como traumatismo, idade, Diabetes mellitus, uveítes, uso de medicamentos,etc.. Tipicamente apresenta-se como embaçamento visual progressivo que pode levar a cegueira ou visão subnormal.
É uma doença conhecida há milhares de anos e sua cirurgia já é realizada há séculos.
Atualmente, a técnica cirúrgica mais moderna para o tratamento da catarata consiste na remoção do cristalino por microfragmentação e aspiração do núcleo, num processo chamado Faco-emulsificação, e posterior implante de uma lente intra-ocular.
A evolução da técnica permite hoje incisões muito pequenas, entre 2 e 3 milímetros, o que dispensa a necessidade de sutura e possibilita que o paciente seja submetido à cirurgia de catarata com anestesia tópica (apenas colírios), saindo da sala de cirurgia já enxergando, com uma visão bem próxima da visão esperada, a qual costuma ocorrer em cerca de 1 mês após a cirurgia.
Também presente em animais
A catarata é um problema oftalmológico também em muitos animais, levando à cegueira. As principais causas são genéticas, inflamação no tecido intra-ocular, males da retina, traumatismo, diabetes e a idade.
As causas são também, na maioria das vezes associadas à idade do animal: se até 2 anos deve ser congênita (como o estado de saúde materno) ou hereditária; entre 2 a 5-6 (catarata juvenil), pode ter causas diabetogênicas, traumas, etc. a partir dos 6 anos nos cães, ou 20 anos nos cavalos, a catarata é senil.
Algumas raças caninas são propensas à doença, dentre as quais o Afghan Hound, Beagle, Cavalier, Cocker Spaniel, Golden Retriever, Husky Siberiano, Pastor Alemão, Pointer, Poodle (Toy e Miniatura), entre outros.
Não há outro tipo de tratamento, além do cirúrgico, com índice de sucesso em torno de 90%.

5436 – Sol à vista


A pele parece não ser a única vítima da exposição excessiva aos raios solares. Os olhos também pagam um preço alto, sugerem cientistas americanos depois de uma pesquisa com trezentas pessoas. Entre elas. as vítimas de catarata parecem ter ficado mais expostas à luz solar do que as demais. A catarata é a doença em que o cristalino, a lente natural que foca a imagem no olho, torna-se opaco. A partir daquela constatação, os cientistas resolveram examinar os que se diziam sadios mas também costumavam tomar bastante sol. Verificaram que um em cada dez estava com a doença.
Segundo um oftalmologista especialista no implante de lentes artificiais que devolvem a visão a pacientes com cataratas, tem lógica o fato de alguns não suspeitarem estar com a moléstia – muitas vezes, ao enxergar embaçado, a pessoa acha que precisa apenas trocar os óculos. Ele julga, porém, que o trabalho americano “é apenas uma estatística, porque por enquanto não se provou que os raios solares alteram a composição química do cristalino”.