7846 – Cotidiano – Por que os bancos abrem tarde e fecham cedo?


Os horários restritos do atendimento bancário se devem, segundo o Banco Central e a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), às outras atividades que as agências precisam realizar sem a presença de clientes.
No Brasil, a lei diz que, em condições normais, os bancos devem abrir ao público das 10h às 16h (nas capitais) ou das 11h às 16h (em outras cidades), de segunda a sexta-feira. Em situações extraordinárias – como na crise energética de 2001 e 2002 –, o horário bancário pode ficar mais apertado ainda. Aí, as agências atendem entre 12h e 15h. Os bancários geralmente chegam uma hora antes de as portas abrirem e ficam até duas horas após o fechamento. Ou seja, uma jornada de sete a oito horas.
Os representantes dos bancários têm outra versão para explicar esses horários. De acordo com o sindicato da categoria em São Paulo, eles ocorrem porque há poucos funcionários. “Na última década, a categoria caiu de 800 mil para 400 mil trabalhadores, empurrando os clientes para o atendimento automático”, afirma a assessoria de imprensa do órgão. Os sindicalistas reivindicam a abertura das 9h às 17h, como ocorre na Inglaterra. Lá, o processo automatizado permite aos funcionários chegar 15 minutos antes de o banco abrir e ficar meia hora a mais quando fecha. Já na França, todos os bancos param entre 12h e 13h30 para o almoço. E em Israel abrem até de domingo, mas fecham às 12h às sextas-feiras e em véspera de feriados.
DAS 9h ÀS 10h
Caixas e tesoureiros contam e separam o dinheiro; abastecem seus caixas e os caixas de atendimento eletrônico. Caixas checam a correspondência e dão procedimento aos pagamentos e devoluções. Gerentes compensam cheques
Gerentes e caixas auxiliam ainda os carros-fortes a tirar e colocar o dinheiro nos cofres.
DAS 10h ÀS 16h
Gerentes cuidam das contas e outros assuntos que não podem ser resolvidos nos caixas (contratos, empréstimos, investimentos etc.)
Caixas atendem o público e registram todas as transações em seus computadores.
DAS 16h ÀS 18h
Gerentes efetuam abertura e encerramento de contas, venda de produtos via telefone, finalização de contrato, investimentos e outros assuntos de relacionamento com clientes.
Caixas fazem a contabilidade de seus postos, pagam DOCs, devolvem cheques, trabalham nos malotes deixados por empresas, efetuam os depósitos vindos de caixas automáticos e preparam as correspondências para enviar no fim do expediente.

5855 – Economia e Política – De falido a bilionário


Veja

O congresso e o governo podem converter em bilionários os banqueiros que quebraram nos anos 90. A Lei n° 12.249, deu um desconto de 45% às sua dívidas. Agora a medida provisória 517 transformou suas moedas podres em dinheiro corrente. Ao todo a dívida é de 43 bilhões de reais.
São beneficiários os donos do Nacional, do Econômico, do Mercantil de Pernambuco e do Banorte.
A MP obriga o governo a receber moedas podres, papéis que estão nas mãos dos ex-banqueiros,pelo seu valor de face, como se fossem dinheiro vivo. Emitidas contra o Fundo de Compensação de Variações Salariais, tais moedas podres são negociadas com enormes descontos por investidores privados.

Um pouco +

O Banco Central (BC) vai abrir mão de R$ 18,6 bilhões para que quatro bancos que quebraram nos anos 1990 quitem suas dívidas. Essas instituições estão inscritas no Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (Proer).
Em dezembro do ano passado, a dívida de Banorte, Econômico, Mercantil de Pernambuco e Nacional, que estão em liquidação, somava R$ 61,705 bilhões. Com os descontos proporcionados pelo Refis da Crise, eles podem quitar os débitos por R$ 43,048 bilhões.
Mesmo com o desconto, a guerra nos bastidores persiste. Os cálculos feitos pelos bancos divergem dos números do BC, que, por sua vez, não está disposto a negociar valores. Pela interpretação dos bancos falidos, a Lei do Refis garante um abatimento de R$ 25,186 bilhões, ou seja, o endividamento seria reduzido para R$ 36,518 bilhões.

5488 – O que são os “Paraísos Fiscais”?


São regiões com taxas reduzidas ou nulas. Atrai empresas e pessoas físicas estrangeiras. A Receita Federal considera paraíso fiscal países que tributam tarifa inferior a 20% e há cerca de 80 desses centros no mundo. Qualquer um pode mandar dinheiro para lá. O tramite pode ser feitopor procuração e há escritórios que indicam qual é o melhor país para mandar dinheiro para lá. As remessas de dinheiro são ilegais apenas quando não declaradas ao Banco Central. Quando a procedência é suspeita, os bancos podem quebrar o sigilo.