7185 – Medicina – O Aneurisma Intracraniano


É uma dilatação que ocorre em alguma artéria do cérebro em função do enfraquecimento das paredes. O risco e a ruptura e a consequente hemorragia.
Trata-se de uma ocorrência grave, fatal para quase a metade dos pacientes. Com novos exames têm aumentado o numero de pessoas que descobrem por acaso ter aneurisma intracraniano. Estima-se que entre 2 e 3% da população tenha auneurisma, no entanto, a maioria vai conviver com ele e morrer de outras causas. Uma pequena parcela vai ter que se submeter a uma cirurgia de cateterismo cerebral. Tal cirurgia envolve riscos, por isso, a opção deve ser criteriosa. O procedimento convencional consiste em uma pequena abertura no cranio para a colocação de um clipe que fecha o aneurisma. Outra técnica é introduzir um cateter na arteria femoral e a colocação de uma pequena mola para obstruir o aneurisma. Nao requer a abertura do crânio, mas envolve riscos.

Hospital Albert Einstein

1817-Conhecendo o aneurisma cerebral


É um mal silencioso que quando se manifesta freqüentemente leva á morte ou deixa seqüelas; 71,5% dos casos ocorrem em mulheres contra 28,5% em homens. A doença é de difícil prevenção. Cefaléias em pessoas que possuem antecedentes em família e enxaquecas resistentes a medicamentos devem ser investigadas. Trata-s de uma dilatação em forma de saco de veias e artérias, que ocorre em qualquer parte do corpo. O sangramento do cérebro, provocado pelo aneurisma muitas vezes é confundido com o acidente vascular cerebral ou derrame. Em 90% dos casos é congênito, o único sinal é a cefaléia, que é um sintoma de diversas enfermidades. O fator genético é importante no diagnóstico, sendo agravado pelo estresse. Há também outras formas raras provocadas por malo formação ou fungos. O abdominal é a mais freqüente em idosos, afetando na maioria dos casos os hipertensos. Diagnosticado precocemente, tem cura, mas rompido, causa a morte na maioria dos pacientes. A cirurgia á a técnica mais utilizada para o tratamento.As cefaléias promovidas por má formação congênita ocorrem devido ao aumento do líquido cefalorraquiano, que é produzido pelo cérebro, e que provoca a pressão dentro da cabeça. O implante de uma válvula é a única solução para acabar com o problema.