11.008 – Nutrição – O herói das creches


Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) acreditam ter criado a arma ideal para acabar com a anemia crônica das creches públicas brasileiras – nada menos que 56% das crianças sofrem de anemia e por isso têm distúrbios de memória e dificuldade de aprendizado. Para superar o problema, no entanto, basta acrescentar pó de ferro à farinha que entra na receita do popular pãozinho francês. O resultado dos primeiros testes, realizados com 600 meninas e meninos de Barueri, São Paulo, foi espantoso: em apenas seis meses, o número de anêmicos caiu em mais de 60%, de cerca de 200 crianças para apenas 66. Mauro Fisberg, da Unifesp, diz que o pãozinho foi escolhido por se encontrar em qualquer padaria e ser largamente consumido pela população. Segundo ele, a dose de ferro – equivalente a 3% das necessidades diárias das crianças – foi cuidadosamente estudada para prevenir a anemia sem alterar o gosto do pão. A mudança de sabor poderia levar as crianças a recusar o “remédio”.

8493 – Medicina – O Retardo Mental e a Anemia


A prevenção da doença mental inclui evitar a anemia nos primeiros anos de vida. Esta foi a conclusão do Departamento de Psicologia Pediátrica da Universidade de Miami.

Evidências já demonstraram que o ferro é um componente importante no desenvolvimento e no funcionamento cognitivo, neuromotor e social/emocional, porque o processo de desenvolvimento do sistema nervoso central é altamente dependente de enzimas e proteínas que contêm ferro. A deficiência de ferro em idades precoces pode aumentar o risco para doenças psiquiátricas.
Utilizando dados do National Health Insurance Database, de 1996 a 2008, crianças e adolescentes com diagnóstico de anemia por deficiência de ferro (ADF) foram identificadas e comparadas com controles da mesma idade e pareadas por sexo em uma investigação sobre o aumento do risco de transtornos psiquiátricos.
Um total de 2.957 pacientes com anemia por deficiência de ferro (ADF) e com um risco aumentado de transtorno depressivo unipolar, transtorno bipolar, transtorno de ansiedade, transtorno do espectro do autismo, déficit de atenção e hiperatividade, transtorno de tiques, atraso no desenvolvimento e retardo mental foi identificado. Um efeito em relação ao sexo foi observado, em que apenas as pacientes do sexo feminino com ADF tiveram um aumento do risco para transtorno bipolar (OR = 5,56, IC 95% = 1,98 ~ 15,70) e transtorno de tiques (OR = 2,95, IC 95% = 1,27 ~ 6,86).
No presente trabalho, observou-se que a deficiência de ferro aumenta o risco de transtornos psiquiátricos, incluindo transtornos do humor, transtorno do espectro do autismo, déficit de atenção e hiperatividade e transtornos de desenvolvimento. Mais estudos são necessários para esclarecer o mecanismo da associação entre a ADF e os transtornos psiquiátricos.
Os principais autores da pesquisa, Mu-Hong Chen e Ya-Mei Bai, do Departamento de Psiquiatria da National Yang-Ming University, de Taipei, em Taiwan, encorajam os pediatras a considerarem a suplementação de ferro em crianças como possível fator de proteção contra sequelas psiquiátricas e os psiquiatras a investigarem a deficiência de ferro em pacientes pediátricos com transtornos psiquiátricos.

3286 – Mega Notícias – Superpãozinho nas creches


Pesquisadores da Unifesp acreditam ter criado a arma ideal para acabar com a anemia crônica das creches públicas brasileiras. O problema causa perda de memória e dificuldades no aprendizado. Para superar o problema bastaria acrescentar pó de ferro à farinha que entra na receita do pão. Os testes preliminares indicaram uma queda de 60% no número de anêmicos. A dose de ferro foi cuidadosamente calculada, já que a mudança no sabor poderia levar as crianças a recusar.
Anemia por deficiência de ferro ocorre quando o consumo na dieta ou absorção de ferro é insuficiente. Ferro é uma parte essencial da hemoglobina, e baixos níveis desse mineral resultam em incorporação diminuída de hemoglobina em célula vermelha. Nos Estados Unidos, 20% da mulheres pré-menopausa têm anemia por deficiência de ferro, comparadas a somente 2% dos homens. A principal causa de anemia por deficiência de ferro em mulheres pré-menopausa é a perda de sangue durante a menstruação. Estudos têm mostrado que a deficiência de ferro sem anemia causa queda de performance escolar e diminui o QI em garotas adolescentes. Em pacientes mais velhas, anemia por deficiência de ferro muitas vezes ocorre por lesões com sangramento no trato intestinal. Exame de fezes e endoscopia geralmente são feitos para identificar lesões com sangramentos, as quais podem ser malignas.