14.114 – História da Anatomia


Anatomia-metade
A história do estudo da anatomia humana é datada de 500 anos a. C. o primeiro a praticar foi Alcméon de Crotona na Itália onde ele realizou dissecações em animais mortos, um tempo depois ocorreu um estudo clínico na escola hipocrática onde descobriram a anatomia do ombro conforme foi estudado antes nos animais.

Já no século II d.C. Galeano dissecou quase tudo que tivesse vontade todos animais, aplicando depois o que identificou aplicou nos estudos da anatomia humana, desenvolvendo a doutrina da “causa final”, pois nem todos os cadáveres humanos tinham possibilidade de identificar a causa morte.

As primeiras ilustrações anatômicas impressas foram baseadas nas técnicas medievais, chamado de Fasciculus Medicinae, que era uma coleção de texto de vários autores que eram destinados aos médicos principiantes, tendo varias edições durante os séculos, as edições mais atuais já demonstravam imagens de todo o corpo humano com mais detalhes e especificações de cada órgão nas obras de Vesálio principalmente.

Vesálio e sua descoberta

Um das reproduções mais acertadas do corpo humano foi reproduzido por Andrés Vesálio em 1453,sendo um dos livros mais importantes para o homem da área de saúde, em seus escritos ele relata vários erros encontrados nos textos de Galeno seu antecessor, anos depois vários anatomistas aprimoraram as descobertas de Vesálio com imagens melhores.

14.085 – Farmacologia – A Silimarina


Silibinin_3D

250px-Silybum_marianum2
É um fármaco utilizado pela medicina como protetor do fígado. É um composto extraído do fruto da Silybum marianum. Deve ser comercializado na forma de extrato seco padronizado, contendo flavonoides.
Age aumentando a síntese de RNA e também impedindo a peroxidação dos lipidos da membrana celular e dos organelos dos hepatócitos.
Hoje em dia, a Silimarina é muito usada por pessoas que ingerem grandes quantidades de álcool, pois ela protege o fígado atacado fortemente pelo álcool, e também usada por atletas que fazem uso de anabolizantes que atacam o fígado.
Silibinina é o principal componente ativo da silimarina, que é extraida da planta medicinal Silybum marianum, é uma espécie de planta com flor pertencente à família Compostae.
A autoridade científica da espécie é (L.) Gaertn., tendo sido publicada em De Fructibus et Seminibus Plantarum
É utilizado no tratamento e prevenção de doenças do fígado através de sua ação anti-hepatotóxica.
Fígado (do latim ficatu) é a maior glândula e o segundo maior órgão do corpo humano. Funciona tanto como glândula exócrina, liberando secreções num sistema de canais que se abrem numa superfície externa, como glândula endócrina, uma vez que também libera substâncias no sangue ou nos vasos linfáticos. Localiza-se no hipocôndrio direito, epigástrio e pequena porção do hipocôndrio esquerdo, sob o diafragma e seu peso aproximado é cerca de 1,3-1,5 kg no homem adulto e um pouco menos na mulher.
Na primeira infância é um órgão tão grande, que pode ser sentido abaixo da margem inferior das costelas, ao lado direito.

Funções
Em algumas espécies animais o metabolismo alcança a atividade máxima logo depois da alimentação; isto lhes diminui a capacidade de reação a estímulos externos. Em outras espécies, o controle metabólico é estacionário, sem diminuição desta reação. A diferença é determinada pelo fígado e sua função reguladora, órgão básico da coordenação fisiológica.

Entre algumas das funções do fígado, podemos citar[4][5]:

produção de bile;
síntese do colesterol;
conversão de amônia em ureia;
desintoxicação do organismo;
síntese de protrombina e fibrinogênio (fatores de coagulação do sangue);
destruição das hemácias;
síntese, armazenamento e quebra do glicogênio;
emulsificação de gorduras no processo digestivo, através da secreção da bile;
lipogênese, a produção de triacilglicerol (gorduras);
armazenamento das vitaminas A, B12, D, E e K;
armazenamento de alguns minerais como o ferro;
síntese de albumina (importante para a osmolaridade do sangue);
síntese de angiotensinógeno (hormônio que aumenta a pressão sanguínea quando ativado pela renina);
reciclagem de hormônios;
no primeiro trimestre de gestação é o principal produtor de eritrócitos, porém perde essa função nas últimas semanas de gestação.

Uma usina de processamento
Além das funções citadas acima, este órgão efetua aproximadamente 220 funções diferentes, todas interligadas e correlacionadas. Para o entendimento do funcionamento dinâmico e complexo do fígado, podemos dizer que uma das suas principais atividades é a formação e excreção da bile.
as células hepáticas produzem em torno de 1,5 l por dia, descarregando-a através do ducto hepático. A transformação de glicose em glicogênio, este conhecido como amido animal, e seu armazenamento, se dá nas células hepáticas. Ligada a este processo, há a regulação e a organização de proteínas e gorduras em estruturas químicas utilizáveis pelo organismo da concentração dos aminoácidos no sangue, que resulta na conversão de glicose, esta utilizada pelo organismo no seu metabolismo. Neste mesmo processo, o subproduto resulta em ureia, eliminada pelo rim. Além disso, paralelamente existe a elaboração da albumina, e do fibrinogênio, isto tudo ao mesmo tempo em que ocorre a desintegração dos glóbulos vermelhos. Durante este processo, também age em diversos outros, tudo simultaneamente, destruindo, reprocessando e reconstruindo, como se fossem vários órgãos independentes, por exemplo, enquanto destrói as hemácias, o fígado forma o sangue no embrião; a heparina; a vitamina A a partir do caroteno, entre outros.
O fígado, além de produzir em seus processos diversos elementos vitais, ainda age como um depósito, armazenando água, ferro, cobre e as vitaminas A, vitamina D e complexo B.
Durante o seu funcionamento produz calor, participando da regulação do volume sanguíneo; tem ação antitóxica importante, processando e eliminando os elementos nocivos de bebidas alcoólicas, café, barbitúricos, gorduras entre outros. Além disso, tem um papel vital no processo de absorção de alimentos.
As impurezas são filtradas pelo fígado, que destrói as substâncias tissulares transportadas pelo sangue. Os lipídios, glicídios, proteínas, vitaminas, etc, vindos pelo sangue venoso, são transformados em diversos subprodutos. Os glicídeos são convertidos em glicose, que metabolizada se converte em glicogênio, e, novamente convertida em açúcar que é liberado para o sangue quando o nível de plasma cai. As células de Kupffer, que se encontram nos sinusoides, agem sobre as células sanguíneas que já não têm vitalidade, e sobre bactérias, sendo decompostas e convertidas em hemoglobina e proteínas, gerando a bilirrubina, que é coletada pelos condutores biliares, que passam entre cordões dessas células que segregam bílis; esta, por sua vez, vai se deslocando para condutos de maior calibre, até chegar ao canal hepático, (também chamado de ducto hepático, ou duto hepático); neste, une-se numa forquilha em forma de Y com o ducto cístico, chegando à vesícula biliar. Da junção em Y, o ducto biliar comum estende-se até o duodeno, primeiro trecho do intestino delgado, onde a bílis vai se misturar ao alimento para participar da digestão. O alimento decomposto atravessa as paredes permeáveis do intestino delgado e suas moléculas penetram na corrente sanguínea. A veia porta conduz estas ao fígado, que as combina e recombina, enviando-as para o resto do organismo.
Em casos de impactos muito fortes, pode haver ruptura da cápsula que recobre o fígado, com a imediata laceração do tecido do órgão. As lesões em geral são alarmantes e de extrema gravidade, podendo ser muitas vezes fatais, devido à enorme quantidade de sangue que pode ser perdida, dado o grande número de vasos sanguíneos que compõem o órgão. Se em caso de acidente grave, e consequente lesão, a pessoa sobreviver, o fígado geralmente demonstrará alto e rápido poder de regeneração.

300px-Figado1

13.046 – Saúde – O que é Desnutrição Úmida?


fisiologia_digestao1
A Desnutrição Úmida é consequência de uma alimentação rica em carboidratos, porém pobre em proteínas, gorduras, e vitaminas. A pessoa com desnutrição úmida não costuma a apresentar perda de peso, mas isso acontece por causa do acúmulo de água que provoca inchaço nas pernas, pés, rosto e barriga devido a falta dos outros nutrientes, mesmo que uma pessoa ingira grandes quantidades de carboidratos não são capazes de substituir as funções exercidas por outros nutrientes.
Quando não há proteínas, lipídios, e vitaminas nas refeições faltam materiais para construir ou recuperar as células do organismo
O Marasmo é o tipo de desnutrição que deixa a pessoa sem disposição para realizar as suas atividades, os marasmo ocorre quando não se ingere a quantidade suficiente de nutrientes durante muito tempo com a falta de alimentos ricos em nutrientes, a pessoa está sempre com fome, não cresce, emagrece e pega outras doenças com facilidade, os músculos ficam reduzidos.

Vamos ver agora a estrutura química do amido
Um dos carboidratos mais frequentes na nossa alimentação, por exemplo, existe amido no feijão, no arroz, na farinha de mandioca etc.
As unidades formadoras do amido são sempre iguais:
O que se repete em cada unidade é uma substância conhecida, a glicose. Muitas frutas também contem glicose, mas grande parte da glicose que o corpo utiliza vem do amido, através da digestão o amido ingerido é transformado em glicose e pode ser muito bem aproveitado pelas células. Outro grupo químico importante para a saúde do organismo são os lipídios. O olho de cozinha por exemplo, os lipídios também fornecem energia mas exercem outras funções veremos três delas

Qual é a mais conhecida das funções dos lipídios ?

Reservatório de Energia, uma parte da energia produzida
a partir dos alimentos que comemos é transformada em gordura e armazenada para ser utilizada no momento em que o organismo precisar suprir energeticamente as nossas células, o principal local de armazenamento da gordura fica sob a pele é o tecido adiposo
cujo acúmulo faz as pessoas engordarem. uma outra função dos lipídios é a formação da camada que envolve a célula, a membrana celular é formada por lipídios e proteínas, e a terceira função dos lipídios é a sua relação com as vitaminas, algumas vitaminas só podem ser absorvidas pelo organismo quando há lipídeos no intestino veja um exemplo de molécula de lipídio
se você comparar um lipídio com um amido notará semelhanças e diferenças, a semelhança é que os átomos que compõe os dois são os mesmos, a diferença é o modo como eles estão combinados, cada combinação tem suas propriedades e funções, por causa das diferenças os carboidratos não podem substituir os lipídios, isso nos leva a outra substancia nutriente as proteínas. As proteínas são substancias formadas por várias unidades, os aminoácidos, eles são capazes de se ligarem e formarem moléculas de vários tamanhos.

Vitaminas e Sais Minerais
A quantidade de vitaminas e sais minerais que precisamos é pequena, mas se faltar pode dar raquitismo, escorbuto entre outras doenças tanto as vitaminas quanto os sais minerais são chamados de necro nutrientes. O corpo depende do bom funcionamento dos processos bioquímicos eles são responsáveis pela formação, crescimento e funcionamento das células e tecidos e para tudo funcionar bem é indispensável variar os nutrientes
Todos os tipos de nutrientes são importantes e devem compor a dieta diária das pessoas somente com uma alimentação equilibrada estaremos mais seguros

Revisão
Hoje você conheceu as substancias que compões o nosso corpo: proteínas, lipídios, carboidratos, vitaminas e sais minerais.
Você aprendeu que uma alimentação equilibrada deve ter todos os nutrientes em proporção e que a falta de nutrientes provoca a desnutrição.

13.016 – Anatomia – Qual a função do fígado?


figado_humano
O fígado é um órgão que atua como glândula exócrina (liberando secreções) e glândula endócrina (liberando substâncias no sangue e sistema linfático). Ele é a maior glândula do corpo humano.
Funções
O fígado desempenha muitas funções importantes dentro de nosso organismo, como: armazenamento e liberação de glicose, metabolismo dos lipídeos, metabolismo das proteínas (conversão de amônia em uréia), síntese da maioria das proteínas do plasma, processamento de drogas e hormônios, destruição das células sanguíneas desgastadas e bactérias, emulsificação da gordura durante o processo de digestão através da secreção da bile, etc.
Além de todas as funções já citadas no parágrafo anterior, o fígado age também no armazenamento de vitaminas e minerais. Ele armazena algumas vitaminas como: A, B12, D, E e K, além de minerais como o ferro e o cobre.
O fígado participa também da regulação do volume sanguíneo, possui importante ação antitóxica contra substâncias nocivas ao organismo como o álcool, a cafeína, gorduras, etc.

Doenças do fígado
As principais doenças que acometem o fígado são as Hepatites, doenças causadas pelo alcoolismo como a cirrose, doenças hepáticas tóxicas, insuficiência hepática, fibroses, etc.

12.838 – Mitos sobre sexo em que você precisa parar de acreditar agora


Uma mulher que pratica relações sexuais com frequência ficaria com a vagina mais “larga”.
Não há evidência científica de que a frequência com que uma mulher pratica relações sexuais ou o tamanho do pênis de seus parceiros tenham influência permanente sobre a anatomia da vagina. Ela é elástica, se expande e contrai conforme a situação, sempre voltando ao seu estado original — um parto é um ótimo exemplo disso.
Uma pesquisa publicada na revista científica Human Reproduction — que lembra, logo na introdução, quão pouca atenção foi dedicada à anatomia vaginal na história da medicina — analisou as dimensões da vagina de várias mulheres, e tudo que pode confirmar é o já esperado: não há duas vaginas iguais, e todas as variações percebidas eram associadas à idade e outras características anatômicas, não ao uso.
A ejaculação feminina só existe em filmes pornográficos
O governo britânico, em uma medida polêmica de 2014, baniu a ejaculação feminina da lista de práticas que poderiam ser filmadas pelas produtoras de pornografia do país. Outras práticas excluídas foram atos que põe em risco a vida dos atores ou que fazem apologia à violência sexual, como a inserção de mãos no canal vaginal, conhecida como “fisting” e simulações de estupro.
Acontece que, longe de ser ficção, não há nada de errado com a ejaculação feminina. Um estudo publicado na revista científica Journal of Sexual Medicine revelou que algo entre 10% e 40% das mulheres liberam urina involuntariamente durante o orgasmo. O líquido, muitas vezes, vem misturado com pequenas doses de uma secreção análoga à da próstata masculina.
O tamanho do pênis masculino está associado à cor da pele, à altura ou a qualquer outra característica de um homem
É difícil de acreditar depois de anos de estereótipos injustificáveis, mas a verdade é que não há absolutamente nada que possa prever com sucesso o tamanho de um pênis masculino. E se você ainda tem alguma dúvida, basta ver este estudo publicado na revista científica Journal of Urology, que mediu mais de 15 mil pênis em busca de algum padrão perceptível, sem sucesso.

A circuncisão afeta o sensibilidade sexual
Não, a circuncisão não muda em nada o que você sente ou deixa de sentir em uma relação sexual. Em outro estudo, também publicado no Journal of Urology, foram testadas amostras iguais de homens que haviam passado e não passado pelo procedimento cirúrgico. Os pênis passaram por testes de sensibilidade ao calor, ao tato e a dor, e adivinhe só? Empate, claro.
A presença do hímem é um indicativo infalível de que uma mulher já teve uma relação sexual
É claro que, em muitos casos, o hímem é rompido na primeira penetração. Mas isso não é regra. A prática de atividade física, e o uso de brinquedos sexuais ou de absorventes internos podem dar fim à membrana antes da mulher fazer sexo pela primeira vez.

Fonte: Galileu

 

12.348 – Neurologia – Neurônios correndo nas veias


neurologia
A cura de doenças como a leucemia pode estar na cabeça do próprio paciente. Não é nenhum poder paranormal, mas um transplante inédito de células do cérebro para dentro dos ossos. Aí, elas viram células sanguíneas. A demonstração foi dada por uma equipe capitaneada pelos neurobiologistas Angelo Vescovi, italiano, do Instituto Nacional Carlo Besta, em Roma, e Christopher Bjornson, canadense, da Universidade de Washington, em Seattle. Do organismo de ratos eles extraíram neurônios novos, ainda em estágio de. Depois, os colocaram na medula óssea de outros bichos. É no miolo dos ossos que se produz o sangue (lá existem microartérias pelas quais ele entra na circulação). Cinco meses depois da transferência, os cientistas perceberam que, dentro do esqueleto, os candidatos a células cerebrais tinham se transformado em personagens do sangue, que são os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas. “Imagino que o corpo dos animais tenha enviado sinais químicos capazes de provocar a metamorfose”.

Fases
1. Os cientistas retiraram porções da medula óssea de um grupo de camundongos e deixaram um espaço vago ali.
2. Depois, de outros camundongos, extraíram células recém-formadas no cérebro. Jovens, elas deveriam virar neurônios.
3. Nestes filhotes, os pesquisadores grudaram uma substância marcadora, que seria fácil identificar em um exame posterior. O passo seguinte foi injetar as células marcadas no espaço aberto dentro dos ossos daquele primeiro grupo de ratos.
4. Cinco meses depois, amostras tiradas das artérias desse grupo revelaram células sanguíneas assinaladas. Conclusão: os neurônios-bebês tinham virado sangue.

12.270 – Estatura – Ficamos mais altos a cada geração


Principalmente nos países desenvolvidos. Apesar do crescimento ser limitado pela genética, uma melhora na dieta e nas condições de saúde trazem centímetros a mais. O consumo de proteínas estimula a produção de células dos tecidos ósseos e musculares, acelerando o crescimento. Analisando as últimas 3 gerações, foi constatado um aumento de 3 cm por década. Mas o caso mais exemplar é no Japão. Antes da 2ª Guerra mundial, a dieta japonesa era pobre em cálcio e proteína animal e todo mundo era tampinha. Depois da década de 1950 o cardápio ficou mais rico e hoje a média de estatura é de 1,71 M.

10.871 – Menino australiano sobrevive a uma ‘decapitação interna’


No fim de setembro, uma família australiana estava na estrada quando o carro no qual estavam colidiu com outro veículo. A mãe da família, Rylea Taylor, estava na direção, conduzindo o carro a 110 km/h. Com ela estavam seus filhos de nove e um ano e meio.
Foi o caçula, Jackson, quem mais sofreu com o impacto. Tanto que a cabeça do pequeno foi separada de seu pescoço por dentro, numa espécie de decapitação interna.
Jackson sobreviveu ao acidente, mas precisou passar por uma cirurgia de seis horas de duração para colocar a cabeça de volta no lugar. O cirurgião Geoff Askin comandou o procedimento e realizou duas etapas primordiais. Em um primeiro momento, os médicos fixaram uma “auréola” no crânio do menino. A seguir, a equipe utilizou um pequeno pedaço de fio para reconectar a vértebra.
A cirurgia foi bem sucedida. E, para se recuperar, Jackson terá que passar mais oito semanas utilizando a “auréola”.

10.865 – Biologia: Funções do Corpo Humano


biologia-a-cincia-da-vida-1-728

A biologia vem descobrindo funções surpreendentes nessas máquinas perfeitas que são nossos corpos. Abaixo, mostramos seis dados surpreendentes do corpo humano que talvez você não conheça:

Os dedos ficam enrugados com a umidade para poder agarrar coisas debaixo d’água: a ciência comprovou que o fato de nossos dedos se enrugarem ao entrar em contato prolongado com a água é uma vantagem evolutiva. Assim como as estrias dos pneus favorecem a aderência de um veículo, os dedos enrugados na água nos permitem pegar as coisas para que elas não nos escapem das mãos.

Os fetos enviam células-tronco que curam os órgãos das mulheres grávidas: estudos recentes com mamíferos mostraram que os fetos detectam tecidos danificados nos órgãos de suas mães e enviam células-tronco para restaurá-los. Além disso, eles também fornecem células-tronco que ajudam a combater o câncer de mama. Esse mecanismo ajuda a garantir a sobrevivência da espécie.

O fígado tem a capacidade de se autorregenerar: foi confirmado através de doações de órgãos que uma parte do fígado transplantado é capaz de se regenerar por completo no novo corpo, inclusive quando se trata de pedaços menores de 10% da massa hepática. Da mesma forma, se doássemos uma parte de nosso fígado, ele voltaria a ter seu tamanho original.

Respirar emagrece: quando emagrecemos, nosso metabolismo queima as moléculas de gordura desnecessárias. Agora, sabemos que os átomos de carbono contidos nos triglicerídeos são expulsos através do nosso sistema respiratório, juntamente com o dióxido de carbono.

Carregamos dois quilos de bactérias em nosso corpo: em nosso corpo, vivem mais de 100 bilhões de bactérias. Esses micro-organismos são úteis em várias funções orgânicas. Entre outras coisas, eles intervêm no balanço do sistema imunológico e produzem substâncias necessárias para que aproveitemos os nutrientes dos alimentos.

Leite materno sob encomenda: o leite materno contém todos os nutrientes que um bebê até seis meses de idade precisa. No entanto, suas propriedades ainda surpreendem: o leite vai se adaptando às necessidades da criança, o que varia com seu crescimento. Além disso, o corpo da mãe é capaz de detectar a presença de vírus no corpo do bebê e produzir no leite os anticorpos necessários para combatê-los.

11.592 – Médico descobriu fórmula que insere oxigênio no sangue mesmo sem funcionamento dos pulmões


MEDICINA simbolo
A descoberta surpreendente pode mudar a ciência médica, eliminando a necessidade de manter os pacientes com ventilação mecânica (futuramente) durante atendimentos de emergência.
O procedimento, que funciona com injeções de moléculas de oxigênio complexadas com moléculas de lipídios diretamente na corrente sanguínea, poderia conferir a manutenção da vida mesmo 30 minutos após a pessoa parar completamente de respirar.
John Kheir do Hospital Infantil de Boston, foi inspirado a começar sua pesquisa pioneira depois de ter presenciado a morte trágica de uma paciente, de acordo com o portal ScienceDaily.
Ele estava operando uma jovem cuja pneumonia levou a danos cerebrais fatais depois que os médicos foram incapazes de colocá-la em um aparelho de respiração artificial a tempo de salvá-la.
Após a experiência desagradável, o Dr. Kheir começou a trabalhar com a ideia de contornar o sistema pulmonar e inserir oxigênio diretamente no sangue.
Os primeiros experimentos mostraram que a intervenção poderia, em teoria, ser muito bem sucedida. No entanto, injetar oxigênio puro na corrente sanguínea na forma de gás falhou consideravelmente quando foi tentado há 100 anos, formando bolhas perigosas nas veias.
Grande parte da pesquisa do Dr. Kheir esteve envolvida em encontrar uma molécula que pudesse permitir a inserção de oxigênio, sendo posteriormente injetado no corpo humano, sem danos.
O Dr. Kheir descobriu que é possível o uso de moléculas de lipídios, sendo essa a melhor maneira de inserir oxigênio e permitir que ele seja suspenso em um líquido para injeção intravenosa.
O lipídio, fortemente oxigenado, possui de 3 a 4 vezes a quantidade de oxigênio encontrada em nossas hemácias.
Quando a solução lipídica foi injetada em animais com níveis anormais de oxigênio no sangue, ocorreu normalização dos níveis em pouquíssimos segundos.
Quando a experiência foi realizada em animais que foram privados completamente do ato de respirar, eles permaneceram vivos durante 15 minutos e tiveram menos riscos de complicações de saúde.
Quando for utilizado em seres humanos, a solução lipídica poderia, provavelmente, alongar a sobrevivência em até 30 minutos (de acordo com as estimativas do Dr. Kheir), embora inserir o composto por muito tempo possa causar danos, o que seria uma medida de emergência em casos graves.
“Este é um substituto de oxigênio de curto prazo – uma maneira segura de injetar gás oxigênio para ajudar pacientes durante alguns minutos absolutamente críticos”, disse o Dr. Kheir.
Ele acrescentou que acha que a técnica pode se tornar rotina para médicos plantonistas em casos de emergência.
“Eventualmente, isso pode ser armazenado em seringas e ser levado em cada ambulância, hospital ou transporte aéreo, estabilizando os pacientes que estão com dificuldade de respirar”, afirmou.

11.416 – Paralisia – Cientistas conseguiram regenerar o Sistema Nervoso Central em ratos e esperam fazer o mesmo em humanos


coluna cervical
A equipe da Escola de Medicina da Universidade de Tufts, em Massachusetts, nos Estados Unidos, fez uma lesão proposital na coluna de vários ratos, na altura da raiz dorsal, por onde passa o principal feixe de fibras nervosas que se ramifica através da coluna vertebral.
São essas as fibras responsáveis por levar sinais do corpo para o cérebro. Em seguida os pesquisadores trataram as medulas danificadas com uma proteína chamada ‘artemin’, conhecida pela recuperação de neurônios. Depois de um tratamento de duas semanas as fibras se regeneraram e impulsionaram sinais a uma distância de 4 centímetros.
“Essa é a distância mais significativa de regeneração do Sistema Nervoso Central que já foi noticiada”, declarou Eric Frank, fisiologista e membro da equipe que desenvolveu o estudo. “Porém ainda temos um longo caminho pela frente!”
Frank também deixou claro que é muito importante o fato das fibras nervosas em regeneração estarem crescendo de volta para os lugares certos na medula espinhal e no tronco cerebral.
Ele também enfatizou que os ratos usados no experimento já tinham uma idade avançada de meses, o que para um rato é bastante significativo. Porém a idade não interferiu negativamente no tratamento.
Os resultados mostram que as “vias” que permitem que as fibras nervosas cheguem a suas áreas de destino estão presentes na medula espinhal, porém nem todas são receptivas ao efeito da proteína.
Eric Frank acredita que o maior desafio é fazer com que as fibras nervosas se reconectem e atinjam seu objetivo. Desse modo, os cientistas estariam preenchendo um enorme vácuo nas pesquisar e poderiam ajudar um número significativo de pessoas que sofrem de paralisia.

11.125-Anatomia-Sistema Genital Feminino


sistemareprodutor

O sistema reprodutor e genital engloba os órgãos que produzem, transportam e armazenam as células germinativas, que são as responsáveis por dar origem aos gametas.
E são os gametas que, ao se unirem, formam um novo indivíduo, que será abrigado em um órgão durante seu desenvolvimento. Esse órgão, chamado útero, faz com que o sistema reprodutor feminino seja considerado mais complexo que o masculino em razão da função de abrigar e propiciar o desenvolvimento de um novo indivíduo.
Ovários, tubas uterinas, útero, vagina, hímen, grandes lábios, pequenos lábios e clitóris são as estruturas encontradas no sistema de reprodução feminino. Além disso, as mamas também são de grande importância na manutenção da vida. Os órgãos externos desse sistema permitem a entrada do esperma no organismo, além de protegerem os órgãos genitais internos contra micro-organismos infecciosos.
Os grandes lábios e os pequenos lábios são dobras de pele e mucosa que protegem a abertura vaginal. Os pequenos lábios, durante o processo de excitação, ficam intumescidos e aumentam sensivelmente seu tamanho durante a penetração nas relações sexuais. Os grandes lábios ficam entre o monte púbico (ou monte de Vênus) e se estendem até o períneo, espaço entre ânus e vulva, e são cobertos por pelos pubianos após a puberdade.
A vagina é um canal com cerca de 7,5 a 10 centímetros que se estende do útero, órgão interno, à vulva, estrutura genital externa. Suas paredes normalmente se tocam e no exame clínico o médico utiliza um aparelho para afastá-las. Esse canal é responsável por receber o pênis durante a relação sexual e serve de canal de saída tanto para o fluxo menstrual quanto para o bebê no momento de parto normal. É um órgão musculoso cujo orifício é denominado introito. Próximos ao introito existem pequenas glândulas chamadas glândulas de Bartholin, que secretam muco para lubrificar a vagina sob a ação de estímulos sexuais.
O hímen é uma membrana de tecido conjuntivo forrada por mucosa tanto interna como externamente. Ele pode variar de tamanho e forma. No primeiro ato sexual sofre ruptura, permanecendo apenas pequenos fragmentos no local, chamados carúnculas himenais.
O clitóris é uma pequena saliência, bastante sensível ao tato, situada na junção anterior aos pequenos lábios. Tem função muito importante na excitação sexual feminina e pode ser considerado similar ao pênis no homem.
O útero é o órgão responsável por alojar o embrião e mantê-lo durante todo o seu desenvolvimento até o nascimento. Tem a forma de uma pera invertida, mas pode variar de forma, tamanho, posição e estrutura. É formado por tecido muscular que se estende amplamente durante a gravidez e apresenta camadas, sendo o endométrio aquele que sofre modificações com o ciclo menstrual, preparando-se mensalmente para receber o ovo já fecundado e, caso isso não ocorra, apresenta descamação e é eliminado pela menstruação.
Os ovários são duas glândulas situadas uma em cada lado do útero, abaixo das trompas. São responsáveis por produzir gametas ou óvulos e também por produzir hormônios sexuais femininos, estrógeno e progesterona. Esses hormônios vão controlar o ciclo menstrual, provocar o crescimento do endométrio e estimular o desenvolvimento dos vasos sanguíneos e glândulas do endométrio, tornando-o espesso, vascularizado e cheio de secreções nutritivas.
As tubas uterinas são aquelas que transportam os óvulos que romperam a superfície do ovário para a cavidade do útero. São dois canais finos que saem de cada lado do fundo do útero e terminam com as extremidades próximas aos ovários. Nas tubas, os espermatozoides unem-se aos óvulos quando há fecundação para então se fixar no útero. Pode ocorrer também do óvulo já fecundado fixar-se na tuba uterina e iniciar o desenvolvimento do embrião, o que se denomina gravidez tubária.

11.124 – Sistema Reprodutor Masculino


ap reprod masculino

O sistema reprodutor masculino, também chamado de sistema genital masculino, é composto pelos testículos, bolsa escrotal, pênis, um sistema de ductos ou canais e glândulas anexas.
No sistema reprodutor masculino, encontramos um par de testículos. Eles são as gônadas masculinas e se localizam no interior da bolsa escrotal. Ambos os testículos são constituídos por milhares de túbulos seminíferos e no interior desses túbulos ocorre a produção dos espermatozoides num processo chamado de espermatogênese. Também é nos testículos que encontramos as células intersticiais ou células de Leydig, cuja função é produzir o hormônio testosterona.
Após a formação dos espermatozoides nos túbulos seminíferos, eles são encaminhados através de ductos eferentes ao epidídimo, onde ganharão mobilidade e ficarão armazenados até serem eliminados na ejaculação. Quando o homem é estimulado sexualmente, os espermatozoides saem do epidídimo, através dos ductos deferentes, e são encaminhados até as glândulas seminais, e, em seguida, para a próstata. Tanto as glândulas seminais quanto a próstata são glândulas anexas que produzem substâncias que nutrem os espermatozoides. Depois de passar por essas glândulas anexas, o esperma ou sêmen é encaminhado à uretra, de onde será expulso.
Quando estimulado sexualmente, o homem libera um líquido que lubrifica a extremidade do pênis, além de atuar na limpeza da uretra. Esse líquido é produzido pelas glândulas bulbouretrais, que se localizam abaixo da próstata.
O pênis é o órgão copulador do sistema reprodutor masculino. Ele é composto por tecidos esponjosos que se enchem de sangue, deixando-o rígido e com maior volume.

11.123 – A Anatomia


Anatomical_chart,_Cyclopaedia

É o campo da Biologia responsável por estudar a forma e a estrutura do organismo humano, bem como as suas partes. O nome anatomia origina-se do grego ana, que significa parte, e tomnei, que significa cortar, ou seja, é a parte da Biologia que se preocupa com o isolamento de estruturas e seu estudo.
A anatomia utiliza principalmente a técnica conhecida como dissecação, que se baseia na realização de cortes que permitem uma melhor visualização das estruturas do organismo. Essa prática é muito realizada atualmente nos cursos da área da saúde, tais como medicina, odontologia e fisioterapia.
Acredita-se que as primeiras dissecações em seres humanos tenham acontecido no século II a.C. por intermédio de Herófilo e Erasístrato em Alexandria. Posteriormente, a área ficou praticamente estagnada, principalmente em decorrência da pressão da Igreja, que não aceitava esse tipo de pesquisa.
Os estudos na área retornaram com maior força durante o período do Renascimento, destacando-se as obras de Leonardo da Vinci e Andreas Vesalius. Leonardo da Vinci destacou-se na anatomia por seus espetaculares desenhos a respeito do corpo humano, os quais preparou por cerca de 15 anos. Para a realização de desenhos, esse importante artista fez vários estudos, participando inclusive de dissecações.
O primeiro livro de atlas de anatomia, o “De Humani Corporis Fabrica”, foi produzido em 1543 por Vesalius, atualmente considerado o pai da anatomia moderna. Seu livro quebrou falsos conceitos e contribuiu para um aprofundamento maior na área, marcando assim a fase de estudos modernos sobre a anatomia.
Essa área foi e é, sem dúvidas, extremamente importante para a compreensão do funcionamento do corpo humano. Atualmente, podemos dividi-la em várias partes, mas duas merecem destaque:

→ Anatomia Sistêmica: Essa parte da anatomia estuda os sistemas do corpo humano, tais como o sistema digestório e o circulatório. Ela não se preocupa com o todo, realizando uma descrição mais aprofundada das partes que compõem um sistema.

→ Anatomia Regional ou Topográfica: Essa parte da anatomia estuda o corpo humano por regiões, e não por sistemas. Esse estudo facilita na orientação correta ao analisar um corpo.

Normalmente, ao estudar anatomia humana no Ensino Fundamental e Médio, o foco maior é dado à anatomia sistêmica. Os sistemas estudados normalmente são o tegumentar, esquelético, muscular, nervoso, cardiovascular, respiratório, digestório, urinário, endócrino e reprodutor. Veja a seguir as principais características desses sistemas:

→ Sistema tegumentar: É formado pela pele, que é responsável por isolar nosso corpo, protegê-lo contra a entrada de patógenos e regular a temperatura.

→ Sistema esquelético: Formado por ossos e cartilagens, esse sistema fornece sustentação e garante movimento ao nosso corpo.

→ Sistema muscular: Formado pelos músculos estriados cardíacos, estriados esqueléticos e não estriados, esse sistema atua, por exemplo, na locomoção, nos movimentos do coração e no transporte de alimento por meio do tubo digestório.

→ Sistema nervoso: Formado por encéfalo, medula espinhal e nervos, esse sistema ajuda na percepção de mudanças no meio externo e interno do nosso corpo.

→ Sistema cardiovascular: Formado pelo coração e vasos sanguíneos, esse sistema atua na distribuição de substâncias para todas as células do corpo.

→ Sistema respiratório: Formado pelo nariz, faringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos e pulmões, esse sistema atua garantindo a entrada do oxigênio no nosso corpo e a eliminação de gás carbônico.

→ Sistema digestório: Formado pela boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e glândulas acessórias, a principal função do sistema digestório é retirar e absorver os nutrientes dos alimentos que ingerimos.

→ Sistema urinário: Formado pelos rins, ureteres, bexiga e uretra, esse sistema é responsável por eliminar substâncias tóxicas ao corpo.

→ Sistema endócrino: É formado por todas as glândulas endócrinas do corpo e está envolvido com a produção de hormônios, que regulam as mais variadas funções do nosso organismo.

→ Sistema reprodutor: Na mulher é formado por ovários, tuba uterina, útero, vagina e vulva, enquanto no homem é formado por testículo, epidídimo, ductos deferentes, uretra, pênis e algumas glândulas. A função desse sistema é garantir a reprodução da espécie.

10.969 – Biologia – Um Cérebro em Construção


A formação do cérebro começa desde cedo — durante a gestação, o feto já sente sabores e escuta sons. Sua construção segue uma linha hierárquica, começando com circuitos simples e evoluindo para os mais complexos. Embora a genética tenha influência predominante, os estímulos e as experiências nos primeiros anos de vida são capazes de formar conexões neurais novas e mais fortes. Cada parte desse processo é crucial para o desenvolvimento do bebê.

info-bebes

10.810 – Anatomia – A Glândula Pineal


melatonina

É uma pequena glândula endócrina localizada perto do centro do cérebro, entre os dois hemisférios, acima do aqueduto de Sylvius e abaixo do bordelete do corpo caloso, na parte anterior e superior dos coliculos superiores e na parte posterior do terceiro ventrículo.
Apesar das funções desta glândula serem muito discutidas, parece não haver dúvidas quanto ao importante papel que ela exerce na regulação dos chamados ciclos circadianos,que são os ciclos vitais (principalmente o sono) e no controle das atividades sexuais e de reprodução.
A glândula pineal é uma estrutura cinza-avermelhada do tamanho aproximado de caroço de uma laranja (25 por 12 mm em humanos de aproximadamente 500 mg de massa.
Anatomicamente, é considerada parte do epitálamo. É uma estrutura epitalâmica pequena e única, situada dorsalmente à região caudal do diencéfalo. Ela é derivada de células neuroectodérmicas e, à semelhança da retina, desenvolve-se a partir de uma invaginação do teto da parede do terceiro ventrículo.
A glândula pineal é, portanto, uma estrutura de linha média, sendo vista frequentemente em radiografias simples de crânio, por sua alta incidência de calcificação – formação de corpos arenáceos ou ”areia do cérebro” devido à libertação de hormonas por exocitose juntamente com restos vesiculares que se dissolvem por trocas iónicas com iões Ca2+.
Folículos humanos contêm quantidade variável de material arenoso, chamado corpora arenacea (ou “acervuli”, ou “areia cerebral”). A análise química mostra que é composto de fosfato de cálcio, carbonato de cálcio, fosfato de magnésio, fosfato de amônia e calcita.
Os pinealócitos em vertebrados inferiores têm forte semelhança com as células fotorreceptoras do olho. Alguns biólogos acreditam que as células pineais humanas de vertebrados partilham um ancestral comum com células da retina.
Em alguns vertebrados, a exposição à luz pode desencadear reação em cadeia de enzimas, hormônios e neuroreceptores, que pode ajudar a regular o ciclo circadiano do animal. Em humanos e outros mamíferos, essa função é suprida pelo sistema retino-hipotalâmico, que regula o ritmo no núcleo supraquiasmático. Interações sociais e culturais produzem exposições à luz artificial que influencia o “relógio” supraquiasmático. As evidências sobre o papel de compostos fotossensíveis relacionados à opsina na pele de mamíferos são controversas atualmente.
Há algumas décadas, acreditava-se que a glândula pineal fosse um órgão vestigial (assim como o apêndice vermiforme em humanos), sem função atual. No entanto, mesmo órgãos vestigiais podem apresentar alguma função, ocasionalmente diferente da função do órgão do qual se originou. Aaron Lerner e colegas da Universidade de Yale descobriram que a melatonina está presente em altas concentrações na pineal.
A melatonina é um hormônio derivado do aminoácido triptofano, que tem outras funções no sistema nervoso central. A produção de melatonina pela pineal é estimulada pela escuridão e inibida pela luz.
A glândula pineal é grande na infância e reduz de tamanho na puberdade. Parece ter um papel importante no desenvolvimento sexual, na hibernação e no metabolismo e procriação sazonais. Acredita-se que os altos níveis de melatonina em crianças inibem o desenvolvimento sexual, e tumores da glândula (com consequente perda na produção do hormônio) foram associados a puberdade precoce. Após a puberdade, a produção de melatonina é reduzida, e a glândula frequentemente está calcificada em adultos.
Demonstrou-se que aves e répteis modernos expressam o pigmento fototransdutor melanopsina na glândula pineal. Acredita-se que as glândulas pineais de aves possam funcionar como os núcleos supra-quiasmáticos de mamíferos.

10.720 – Anatomia – Para que servem as amígdalas?


amigdalas

Elas nos ajudam a criar anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Devido à sua localização estratégica – na encruzilhada entre a boca, o nariz e a garganta -, as amígdalas acabam percebendo e processando todas as bactérias que invadem o organismo, pelo ar ou pelos alimentos. “Sua principal função é desenvolver anticorpos para combater bactérias específicas, para que o corpo consiga se defender rapidamente e crie imunidade caso seja atacado pela mesma bactéria numa próxima vez”, afirma o otorrinolaringologista Luc Weckx, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Até o final da década de 70, quando ainda se desconhecia a utilidade das amígdalas, era comum a cirurgia para retirá-las. O objetivo era livrar-se das amigdalites: inflamações corriqueiras, causadas pelas próprias bactérias com que as amígdalas entravam em contato para defender o organismo. Em certas pessoas, isso pode se tornar constante, o que os médicos chamam de amigdalite recorrente.
Outra enfermidade comum é a hiperplasia, quando as amígdalas crescem demais, dificultando a respiração e a ingestão dos alimentos. “Hoje em dia, os antibióticos dão conta de grande parte das amigdalites. Por isso, a remoção só ocorre quando há realmente necessidade”.
Existem três tipos de amígdalas para nos proteger das bactérias
Como está implícito em seu nome, a amígdala rino-faríngea fica entre a faringe (início da garganta) e o canal que leva ao nariz As amígdalas palatinas ficam no fundo do céu da boca, também chamado de palato As amígdalas linguais ficam, obviamente, na língua – mais precisamente em sua base.

10.370 – Longevidade- Má Notícia: Perda de olfato pode diminuir a expectativa de vida


O olfato pode ser um indicador de longevidade, revelou uma pesquisa da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, publicada nesta quarta-feira no periódico Plos One.
De acordo com os cientistas, um sistema olfativo saudável tem células tronco capazes de se regenerarem. A perda de olfato, então, seria um sinal da diminuição da capacidade do organismo de se reconstruir e um indicativo de problemas mais sérios de saúde.
Participaram da pesquisa 3 005 pessoas com idades entre 57 e 85 anos. Foram testadas suas habilidades em identificar cinco cheiros: rosa, couro, laranja, peixe e hortelã-pimenta. Cinco anos depois, os estudiosos repetiram o teste com os mesmos voluntários.
No intervalo dos dois exames, 430 participantes morreram. Desses, 39% erraram todos os odores no primeiro teste, 19% duas ou três vezes e 10% uma vez. Isso significa que as pessoas com os piores desempenhos no primeiro teste apresentaram quatro vezes mais risco de morrer nos cinco anos seguintes do que os indivíduos que tinham melhor olfato.
“Disfunção olfativa é um fator de risco independente para a morte. Ela é mais forte do que várias causas comuns, como insuficiência cardíaca, doença pulmonar e câncer. Por isso, quando a pessoa percebe que teve uma perda nesse sentido, o ideal é ela procurar um médico”, disseram os pesquisadores.

10.501 – O que é Androginia?


O termo androginia é definido como a mistura de características femininas e masculinas e um único indivíduo, ou ainda, uma forma de descrever um ser que não é nem do sexo feminino e nem masculino.
O ser humano andrógino, com relação à identidade de gêneros, é um indivíduo que não se encaixa adequadamente nas típicas classificações dos papéis de gênero feminino e masculino estabelecidas pela sociedade. Muitas vezes, os indivíduos andróginos se classificam como estando em um limbo entre feminino e masculino, ou como totalmente sem gênero.
Comumente, os andróginos do sexo masculino utilizam alguns adereços femininos, enquanto que andróginos do sexo feminino utilizam adereços masculinos. Muitos pressupõem que se trata de homossexuais ou bissexuais, o que não é verdade, pois a androginia ou está ligada ao comportamento e à aparência individual de um indivíduo ou mesmo à com a sua orientação sexual. Sendo assim, pessoas andróginas podem se identificar com homossexuais, bissexuais, heterossexuais, assexuais ou pansexuais.
De acordo com a Psicologia, a androginia consiste em uma disforia de gênero, responsável por uma condição psíquica na qual o indivíduo como não fazendo parte nem do sexo feminino e nem masculino, mas sim um indivíduo do sexo híbrido, mentalmente falando.
Não é de hoje que se conhece e se discute sobre androginia. A mitologia grega está repleta de seres andróginos, como descritos em “O Banquete”, escrito pelo filósofo Platão.
A androgenia têm se apresentado em ascensão no século XXI. A moda contemporânea vem analisando há anos a influência da androginia no estilismo, bem como uma cultura pop de aceitação, influenciando várias tendências definidas pelas atuais estrelas pop do momento.

10.203 – Anatomia – O Sistema Nervoso


sistema nervoso

Os nervos são estruturas finas e esbranquiçadas constituídas por conjuntos de fibras nervosas e tecido conjuntivo, responsáveis pela transmissão de impulsos nervosos. Essas estruturas saem do encéfalo e da medula espinhal, formam diversas ramificações, alcançando todas as partes do corpo.
Para formar os nervos, primeiramente, cada fibra nervosa é envolta por uma camada de tecido conjuntivo denominado endoneuro. Com isso, essas fibras se organizam em feixes que, por sua vez, são revestidos por uma nova camada de tecido conjuntivo: o perineuro. Finalmente, os feixes se arranjam em conjuntos e são revestidos pela última camada de tecido conjuntivo, o epineuro. Esses tecidos conjuntivos possuem vasos sanguíneos que abastecem as fibras nervosas de oxigênio e nutrientes.
Conforme o tipo de fibra nervosa que os compõe, os nervos podem ser classificados em sensitivos (ou aferentes), que são aqueles compostos somente por fibras nervosas de neurônios sensitivos; motores, formados apenas por fibras nervosas de neurônios motores; e mistos, que contêm fibras nervosas tanto de neurônios sensitivos quanto de neurônios motores. É muito comum, também, classificar os nervos de acordo com a região do sistema nervoso à qual estão ligados: os nervos cranianos são aqueles ligados ao encéfalo, enquanto os raquidianos ou espinais são ligados à medula espinhal.
No corpo humano existem 12 pares de nervos cranianos e 31 pares de nervos raquidianos. Os nervos cranianos são capazes de conduzir o impulso nervoso do encéfalo para os músculos, ou dos órgãos sensoriais para o encéfalo. Veja quais são esses nervos e suas funções:
Olfativo – transmite informações do sistema olfativo para o encéfalo;
Ótico – transmite estímulos visuais para o encéfalo;
Oculomotor (ou motor ocular) – responsável pelo movimento dos olhos;
Troclear (ou patético) – responsável pelo movimento dos olhos e são receptores musculares;
Trigêmeo – participa do processo mastigação e movimentos da face.
Abducente – responsável pelo movimento dos olhos;
Facial – lacrimação, salivação e movimentos faciais;
Cocleo-vestibular (ou vestibulocócleo) – transmite informações do sistema auditivo para o encéfalo, além de ser responsável pelo equilíbrio;
Glosso-faríngeo – paladar, deglutição e salivação;
Vago – responsável pelos movimentos cardiorrespiratórios.
Espinhal acessório – deglutição e movimentos do pescoço;
Hipoglosso – movimentos da língua.
Já os nervos raquidianos ligam a medula espinhal aos músculos de diversas regiões do corpo. Esses nervos se comunicam com a medula espinhal percorrendo os espaços existentes entre as vértebras, chamados de espaços intervertebrais. Em cada um desses espaços existe um par de nervos raquidianos, e cada nervo se conecta à medula através de dois conjuntos de fibras nervosas, conhecidas como raízes do nervo. Uma das raízes do nervo raquidiano é conectada à região dorsal da medula, sendo, por isso, chamada de raiz dorsal. A outra raiz, por sua vez, conecta-se à região ventral da medula, recebendo o nome de raiz ventral.
A raiz dorsal dos nervos raquidianos é constituída apenas por fibras nervosas sensitivas. Por causa disso, uma lesão na raiz dorsal de um nervo provoca perda de sensibilidade, mas não de movimento. Já a raiz ventral, é composta essencialmente por fibras nervosas motoras. Assim, caso a raiz ventral do nervo espinhal seja lesionada, haverá paralisia de músculos, mas a sensibilidade não será afetada.