9262 – Farmacologia – A Pentazocina


opioides1-120209161236-phpapp02-thumbnail-4

A pentazocina é um analgésico opioide potente, da série das benzazocinas (benzomorfano).
Pentazocina é um narcótico tipo analgésico opióide preparação sintético altamente potente série de benzazocinas ( benzomorphan ). É vendido sob vários nomes como Talwin (com naloxona ) e Talacen (com paracetamol ).
Após a administração intramuscular ou subcutânea de uma dose de 30mg, a analgesia geralmente ocorre em cerca de 15 a 20 minutos, ao passo que aparece em 2 ou 3 minutos no caso de a via ser intravenosa. A analgesia dura geralmente de 3 a 4 horas. A pentazocina apresenta efeito antagonista fraco dos efeitos analgésicos da morfina, meperidina e fenazocina. Além disto, produz reversão parcial da depressão cardiovascular, respiratória e psíquica induzida pela morfina e meperidina. Este fármaco tem aproximadamente 1/50; da atividade narcótico-antagonista da nalorfina e possui também atividade sedativa.
Indicações:
Dor moderada a severa: em cirurgia: processos traumáticos e ortopédicos, e em transtornos ou procedimentos urológicos. Em obstetrícia: alívio da dor durante o parto e no pós-parto. A pentazocina pode também ser empregada com medicação pré-operatória, pré-anestésica, como complemento da anestesia cirúrgica e para o alívio da dor pós-operatória.

Reações adversas:
As reações adversas mais frequentes compreendem náuseas, vômitos, enjoos e embotamento. Menos freqüentemente, observam-se visão turva e dificuldade para focalizar os objetos, alterações da pressão arterial, insônia, nervosismo, diaforese, pruridos, euforia, dispnéia, depressão e obstipação, depressão respiratória, retenção urinária, mal-estar, abdominal parestesias, necrólise epidérmica tóxica e diminuição dos leucócitos circulantes (especialmente granulóticos), efeito este que é usualmente reversível. Após repetidas injeções administradas durante longo tempo, relataram-se casos de ulceração (esfacelo) da pele e do tecido celular subcutâneo (raramente dos músculos subjacentes), o que pode ser evitado observando alternância do local de injeção.Os pacientes tratados com doses terapêuticas de pentazocina em raras ocasiões sofreram alucinações (em geral visuais), desorientação ou confusão, ou ambos. Estes efeitos desapareceram espontaneamente dentro de algumas poucas horas.

9148 – Farmacologia – O Ibuprofeno


ibuprofeno

É um fármaco do grupo dos anti-inflamatórios não esteroides (AINE) sendo também analgésico e antipirético, utilizado frequentemente para o alívio sintomático da dor de cabeça (cefaleia), dor dentária, dor muscular (mialgia), moléstias da menstruação (dismenorreia), febre e dor pós-cirúrgica. Também é usado para tratar quadros inflamatórios, como os que apresentam-se em artrites, artrite reumatóide (AR) e artrite gotosa. O seu nome vem das iniciais do ácido iso-butil-propanoico-fenólico (na verdade, isobutilfenilpropanóico).
Geralmente é bem tolerado. Ocasionalmente, pode ocorrer dor de cabeça, dor de estômago e vômitos. Pode produzir diversas gastropatias, entre as quais úlcera do estômago e duodeno, mas considera-se que com menor frequência que os derivados salicílicos (como o ácido acetilsalicílico).

5793 – Medicina – Como agem os remédios para baixar a febre?


Os medicamentos antitérmicos agem sobre a parte do cérebro conhecida como hipotálamo, onde fica localizado o centro que regula a temperatura do corpo. Quando esta aumenta, o hipotálamo entra em ação para baixá-la por meio de mecanismos como a dilatação dos vasos sangüíneos e a transpiração. Acredita-se que os antitérmicos aceleram esse processo.

Um pouco +

O metamizol sódico ou dipirona sódica é um medicamento que é utilizado principalmente como analgésico e antitérmico. Sua utilização, no entanto, se encontra restrita a alguns paises, sendo extremamente popular no Brasil onde efetivamente é um dos analgésicos mais populares, ao lado do ácido acetil salicílico. Quimicamente é o [(2,3-diidro-1,5-dimetil-3-oxo-2-fenil-1H-pirazol-4-il)metilamino] metanossulfonato sódico (ou 1-fenil-2,3-dimetil-5-pirazolona-4-metilaminometano sulfonato de sódio). Também é dito simplesmente metamizol ou dipirona ou ainda metilmelubrina, sem alusão ao cátion ligante, que, embora mais comumente seja o sódio, pode, também, ser o magnésio, originando a dipirona magnésica. Comercialmente, conhece-se pelos nomes Dipidor®, Novalgina®, Neosaldina®, Lisador®, Nolotil® entre outros, até também pelo próprio nome Dipirona®.

O metamizol foi sintetizado pela primeira vez na Alemanha em 1920 pela companhia Hoechst AG, e em 1922 foi iniciada sua produção em massa. A droga permaneceu disponível mundialmente até a década de 70 quando foi descoberto que havia risco de causar agranulocitose — uma doença muito perigosa e potencialmente fatal.
O metamizol foi banido da Suécia em 1974 e dos Estados Unidos em 1977; mais de trinta países incluindo Japão, Austrália e a maioria dos países integrantes da União Européia tomaram a mesma decisão. Nesses países a droga ainda é utilizada como medicamento veterinário. Algumas companhias farmacêuticas, particularmente Hoechst e Merck, continuam a desenvolver drogas que contenham o metamizol e as comercializam em alguns países.

No resto do mundo (especialmente em Portugal, Espanha, México, Brasil, Índia, Rússia, Macedônia, Bulgária, Romênia, Israel e países do terceiro mundo), o metamizol ainda se encontra largamente disponível e continua sendo considerado um dos mais populares analgésicos.