14.214 – Testosterona: os reais problemas em injetar o hormônio em seu corpo


reposição hormonal
Seja por motivos estéticos ou para melhorar a performance esportiva, jamais pense em injetar testosterona sem antes saber de todos os riscos que você corre. O esteroide vem sendo indicado e até prescrito como uma solução mágica para ganhar mais músculos, secar a gordura, melhorar a disposição e até a libido. Só que seu indiscriminado pode causa inúmeros danos à saúde.
Conhecida como o hormônio sexual masculino, a testosterona tem um papel fundamental no desenvolvimento de massa muscular, por isso é tão buscado como atalho para o corpo “perfeito”. Apesar do título de “masculino”, o esteroide também é produzido por mulheres.
O problema quando começamos a injetar testosterona sintética sem necessidade é que sobrecarregamos o nosso fígado e rins e acabamos aumentando os riscos de doenças graves em nosso organismo, como o câncer. “A hepatite medicamentosa pode ser uma consequência a curto prazo, em alguns casos chegando a ser fulminante. Essa sobrecarga ao fígado, a longo prazo, leva à mutação de algumas células podendo predispor a tumores deste órgão”, comenta o ortopedista Sérgio Maurício, especialista em medicina do esporte.
Isso vale a todos, mas principalmente para aquelas pessoas que já têm alguma predisposição. As áreas que mais podem desenvolver tumores são fígado, testículo, mama e endométrio. Sérgio ainda explica que o excesso do esteroide também pode gerar aumento da pressão arterial e causar doenças cardíacas, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC).

“Muitos desses riscos estão também presentes da ‘terapia de reposição hormonal’ que está tanto moda agora. Nela, inúmeras pessoas buscam meramente um ganho estético, e não a melhora da qualidade de vida, que é o objetivo principal do tratamento”, comenta.
Os efeitos irreversíveis
Segundo Cidinha, o sexo feminino é muito mais vulnerável aos efeitos dessas drogas, mesmo usando doses muito menores. “Pelos ovários e as supra-renais, produzimos testosterona em doses muito mais baixas que os homens. Com o uso da testosterona injetável sem apresentar uma deficiência na sua produção podem sofrer os efeitos negativos masculinizantes desse hormônio”, explica.
Entre eles estão, o crescimento de pelos, acne no rosto e nas costas (devido ao aumento da produção de sebo), diminuição das mamas e perda de cabelo. Além disso, há consequências definitivas para seu corpo, como o aumento do clitóris e o engrossamento da voz. “Comprometem para sempre a vida de mulheres que abusam desse tipo de droga porque são alterações irreversíveis mesmo após a suspensão do uso de anabolizantes.
As adeptas do anabolizante podem ter dificuldade de engravidar. “O uso deste hormônio está relacionado a alterações do ciclo menstrual ou ausência de menstruação”.
Quem ainda busca melhorar seu desempenho esportivo com a ajuda do hormônio pode ver o tiro sair pela culatra. Isso porque o esteroide aumenta o risco de rupturas de tendões e tendinites. “Acontece devido ao enfraquecimento de sua estrutura e à desorganização das fibras de colágeno”, explica Sérgio. Você também pode ganhar peso meses após o término do uso do medicamento.
Por fim, existe ainda uma associação entre o uso de anabolizantes e o aumento da agressividade, irritabilidade, depressão, mania e psicoses.