13.944 – Novo exame de sangue pode detectar Alzheimer com 16 anos de antecedência


alzheimer
O teste foi criado com base no nível de uma proteína específica no sangue, chamada de mudança de luz do neurofilamento (NLC, na sigla em inglês), que faz parte da estrutura interna das células nervosas.
Segundo os pesquisadores, se as células nervosas forem danificadas, a proteína vaza para o líquido cefalorraquidiano – fluido aquoso que envolve o cérebro e a medula espinhal – e depois para o sangue.
A detecção de altos níveis de NLC no líquido cefalorraquidiano é um bom indicador dos danos às células cerebrais, mas a obtenção desse fluido requer uma punção lombar. Ou seja, envolve a inserção de uma agulha na parte inferior da coluna, método desagradável para muitos pacientes. Com isso, os cientistas decidiram ver se taxas elevadas de NLC eram detectáveis ​​em amostras de sangue.
Para realizar o experimento, a equipe recrutou parentes com variantes genéticas raras que causam o desenvolvimento de Alzheimer, entre 30 e 50 anos. Isso deu a chance de procurar por mudanças físicas que possam ocorrer antes de quaisquer sintomas.
Foram analisadas 247 pessoas que carregavam uma variante genética precoce para Alzheimer, e 162 pessoas que não tinham essa variação. Os portadores da variante precoce apresentaram níveis elevados de NLC no sangue, sendo que a quantidade aumentou com a idade. Em compraração, os níveis da proteína permaneceram baixos nas pessoas que tinham a variação genética saudável.
Os pesquisadores também estudaram exames cerebrais dos participantes. Eles descobriram que, à medida que os níveis de NLC aumentavam, uma parte do cérebro relacionada à memória (precuneus) começava a diminuir.
Taxas crescentes de NLC foram detectáveis ​​até 16 anos antes que os sintomas pudessem se desenvolver. As pessoas com níveis da proteína em ascensão eram mais propensas a mostrar sinais de declínio cognitivo e degeneração das células do cérebro dois anos depois.
No entanto, o estudo tem limitações: os cientistas analisaram apenas pessoas geneticamente predispostas à doença de Alzheimer, grupo que representa apenas 1% dos pacientes. “Não estamos no ponto em que podemos dizer às pessoas: ‘em cinco anos você terá demência’, mas estamos trabalhando para isso”, afirmou Brian Gordon, co-autor da análise.

13.943 – Mar de Lama – Vale foi autorizada a ampliar em 70% exploração na área do desastre


brasil-barragem-brumadinho-004_1
A área da barragem que rompeu nesta em Brumadinho (MG), estava prestes a ter uma intensificação na atividade de exploração mineral de ferro. A Vale pediu e o Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas (Semad), aprovou, em 11 de dezembro do ano passado, a licença para que a empresa ampliasse a capacidade produtiva da Mina de Jangada e da Mina Córrego do Feijão, estruturas vizinhas, das atuais 10,6 milhões de toneladas por ano para 17 milhões de toneladas por ano. O governador ainda era Fernando Pimentel, do PT.
A votação no Copam só teve um voto contrário entre os nove conselheiros que decidiram a questão. Mas ambientalistas apontam uma série de problemas na análise do projeto, como a falta de um mapeamento detalhado dos impactos do novo empreendimento, principalmente na bacia hidrográfica do Paraopeba, cujas águas complementam o abastecimento da capital Belo Horizonte, além de cerca de 50 cidades da região metropolitana e do entorno.
A tramitação do pedido se beneficiou ainda de uma mudança em uma deliberação normativa que reduziu as exigências para intervenções de grande potencial poluidor e degradante.
O único voto contrário à aprovação partiu da ambientalista Maria Teresa Corujo. Segundo ela, a análise do pedido de ampliação das atividades na mina da Vale foi feito às pressas. “Não foi apresentado um balanço hídrico completo, de quais seriam os reais impactos nas águas do local e do entorno”, disse. “Aquela área já precisa muitas vezes de caminhão-pipa para ser abastecida.”

13.942 – Mega Notícias – Morre, aos 64 anos, o deputado federal Wagner Montes


wagner-montes
O político, que havia sofrido um infarto em novembro do ano passado, estava internado havia dois meses por causa de uma infecção urinária. A causa da morte, entretanto, ainda não foi divulgada. Tinha 64 anos de idade.
Wagner Montes foi apresentador de televisão e advogado antes de ingressar na política. Começou a carreira em 1974 na Rádio Tupi e passou para a TV cinco anos depois. Nos anos 80, foi jurado do Show de Calouros, apresentado por Silvio Santos. Lá dividiu bancada com Sônia Lima, com quem veio a se casar em 1987 – os dois permaneceram juntos desde então e tiveram um filho, o hoje ator Diego Montez. Ele tem outro filho, mais velho, Wagner Montes Júnior, fruto de um namoro com a ex-miss Cátia Pedrosa.
Wagner Montes passou por outros programas de TV, mas sua carreira decolou de verdade com o programa de notícias policiais “Balanço Geral”, pela Record do Rio de Janeiro, a partir de 2003. Com uma linguagem considerada irreverente e bem humorada, ele fez a audiência disparar e se tornou um campeão em popularidade.
A visibilidade o levou a disputar as eleições de 2006 como deputado estadual. Foi eleito com mais de 100 mil votos. No pleito seguinte, em 2010, recebeu mais de meio milhão de votos e foi reeleito como o deputado estadual mais votado da história do Rio de Janeiro. Se tornou deputado federal nas eleições passadas.

13.941 – Astronomia – Colisão que gerou a Lua nos deu os elementos da vida na Terra


lua choque
Estudo aponta que substâncias voláteis, como carbono, enxofre e nitrogênio, surgiram no planeta em consequência do impacto que formou o satélite natural.
A similaridade entre compostos encontrados aqui e no nosso satélite natural indicam que esses elementos foram gerados simultaneamente (Arek Socha/Pixabay)
Ao se chocar com a Terra no impacto que resultou na formação da Lua, um corpo do tamanho de Marte entregou ao nosso planeta alguns dos elementos voláteis essenciais à vida que temos até hoje, como o carbono, o enxofre e o nitrogênio. É isso que afirma um novo estudo publicado ontem (25) no periódico científico Science Advances.
De acordo com os autores, essa possibilidade explicaria a quantidade e distribuição desses elementos na composição da hidrosfera, atmosfera, crosta e manto terrestres. Para consolidar a ideia, os cientistas organizaram testes a alta pressão e temperatura, construíram modelos termodinâmicos e fizeram simulações numéricas.
Segundo eles, as similaridades entre as composições isotópicas do nitrogênio e do hidrogênio encontrados na Lua e na Terra sugerem que os elementos voláteis presentes em ambas tenham uma origem comum. Ou seja, a pesquisa aponta que a maior probabilidade é de que o impacto que formou nosso satélite lunar deixou, tanto aqui quanto lá, alguns desses componentes químicos, como carbono, enxofre e nitrogênio. Estes depois se combinaram para dar fruto a bactérias, plantas, animais e todos nós.

13.940 – Gelo da Groenlândia derrete a ritmo mais rápido em 350 anos


groenlandia
O derretimento de gelo por toda a Groenlândia está cada vez mais acelerado. É o que mostra um artigo publicado recentemente no periódico científico Nature. O estudo, comandado por um glaciologista da Universidade Rowan, em Nova Jérsei, EUA, aponta que o volume de água decorrente do descongelamento alcançou níveis provavelmente inéditos em sete ou oito milênios.
A pesquisa revelou também que, ao longo das últimas duas décadas, o derretimento foi 33% maior do que a média do século XX, além de 50% maior do que na era pré-industrial. Para chegar a essas conclusões, os cientistas perfuraram geleiras de até 140 metros de comprimento entre 2014 e 2015. Depois, os pesquisadores compararam os dados coletados com informações antigas obtidas por meio de satélites e se basearam em modelos de clima regional.
O resultado final mostrou que o gelo da Groenlândia vem derretendo a um ritmo mais acelerado do que em qualquer ponto dos últimos 350 anos. O auge do descongelamento, segundo o artigo, foi em 2012, quando a quantidade de água liberada para os oceanos equivaleu a 240 milhões de piscinas olímpicas.
Em consequência, a região é uma das maiores responsáveis pelo aumento do nível do mar, contribuindo com uma parcela de 22% da água que sobrecarrega os oceanos.

13.939 – História – Fronteira em pé de guerra


guerra venezuela
O alarme soou para as autoridades da Capitania do Rio Negro quando receberam uma correspondência do principal líder da guerra de independência na Província de Guayana, do lado espanhol da fronteira: era uma ameaça direta de invasão militar. Na carta, o comandante José Antonio Paez deixava claro que iria comandar uma milícia de 4.500 guerrilheiros com farta munição contra o território vizinho, o que levaria à eclosão de uma guerra entre os independentistas da Venezuela e o Império português, naquele início de 1818.
O principal motivo da irritação de Páez era a prisão de um oficial espanhol, D. Francisco Orosco, pela autoridade portuguesa da fronteira, na Fortaleza de São José de Marabitanas. Na visão do chefe militar venezuelano, a medida era inaceitável porque feria a política de neutralidade estabelecida entre as monarquias espanhola e portuguesa, cujo ponto principal era a não interferência de parte a parte em caso de conflitos externos.
A guerra passava a ser uma forte possibilidade na fronteira do rio Negro amazônico, no conturbado momento de guerras de independência em diversos pontos da América espanhola, como a Venezuela, o Novo Reino de Granada (atual Colômbia) e a Banda Oriental do Rio da Prata (atual Uruguai).
Nos extremos da América do Sul, a diplomacia estabelecida entre os Impérios português e espanhol desde 1808 seguia dois direcionamentos: o primeiro ligado à conjuntura internacional, em que se destacava a guerra entre os impérios britânico e francês; o segundo ligado à conjuntura americana, na qual as disputas por territórios se davam em torno das demarcações das fronteiras. Os portugueses aproveitaram o contexto de envolvimento dos impérios europeus nas guerras de independência para conduzir uma política de expansão territorial em direção aos domínios coloniais que pertenciam aos seus inimigos diretos: a França e a Espanha. Longe da Europa, centro nervoso dos conflitos mais significativos, a monarquia portuguesa já instalada no Brasil obteve sucesso na anexação de Caiena, sede do governo da Guiana Francesa, em 1809, comemorada como uma vitória sobre Napoleão Bonaparte, depois que este ordenou a invasão de Lisboa, levando à retirada humilhante da Corte imperial portuguesa para a América. Também recuperou militarmente a cidade de Montevidéu, sede da Banda Oriental, em 1817.
A agressividade da carta de Páez e sua ameaça de ocupação eram avisos de que essa postura expansionista portuguesa não seria tolerada pelos revolucionários venezuelanos, especialmente por seu principal líder, Simon Bolívar. Para evitar a guerra com Portugal, a diplomacia de Bolívar apresentou uma proposta de relacionamento baseada em seis pontos: reconhecerem-se como nações e respeitarem-se mutuamente; estabelecer a paz e os direitos civis entre ambos; não permitir a circulação de tropas inimigas; manter as relações comerciais nas regiões limítrofes; não acolher desertores do outro lado da fronteira; não aceitar criminosos de parte a parte. Os venezuelanos pretendiam forçar o reconhecimento da legitimidade da luta independentista de Bolívar e da própria República e, ao mesmo tempo, evitar interferências da monarquia portuguesa em seus negócios internos, assim como uma possível expansão territorial no rio Negro. A política da boa vizinhança seria o caminho para lidar com o que Bolívar considerava ser a mais forte e perigosa nação da América do Sul.
A proposta diplomática na fronteira amazônica gerou um problema para as autoridades portuguesas do Rio Negro: ela foi aceita pelo comandante de Marabitanas, Pedro Miguel Ferreira Barreto, mas rejeitada pelos principais dirigentes do extremo-norte da América portuguesa: os governadores do Estado do Grão-Pará e Rio Negro, José Narciso de Magalhães e Meneses (conde de Vila-Flor), e da Capitania do Rio Negro, Manoel Joaquim do Paço. Para eles, a política de boa vizinhança poderia levar ao envolvimento de Portugal na guerra de independência venezuelana, prejudicando a posição da monarquia lusitana na diplomacia internacional, principalmente em relação à Espanha. Melhor caminho seria a neutralidade formal. Consideravam que os conflitos do lado espanhol eram rebeliões contra a monarquia católica, e não guerras legítimas de independência. Qualquer contato com essas insurreições poderia gerar mais contestações também do lado português, porque elas espalhavam ideias consideradas subversivas, originadas da revolução da América do Norte (1776-1783) e da Revolução Francesa (1789-1799), que já tinham atingido Pernambuco em 1817.
O recebimento da proposta de Bolívar pelo comandante da fronteira em Marabitanas foi encarado como uma quebra de hierarquia: Ferreira Barreto teria que se reportar aos seus superiores para só depois se posicionar diante dos rebeldes. Um processo formal foi aberto para saber se houve falta de patriotismo no trato com os insurgentes venezuelanos, mas sua inocência foi atestada e a investigação arquivada.
A atitude de Ferreira Barreto estava relacionada a uma diplomacia transfronteiriça. Embora a política a ser seguida pelos dirigentes fronteiriços devesse obedecer às regras ditadas pelas altas autoridades do Império português, na prática, boa parte de suas ações estava pautada nas dinâmicas sociais, econômicas e políticas existentes nas localidades. Nas fronteiras imperiais portuguesas, como nas de qualquer Estado, havia um cotidiano de vínculos entre as comunidades de ambos os lados, com os quais os comandantes militares tinham que lidar. Quando Ferreira Barreto assumiu o cargo de comandante de Marabitanas, em 1816, encontrou complexas atividades dependentes do trânsito de pessoas, de produtos e de informações que não podia ser impedido porque interferia nos costumes e nas estratégias de sobrevivência dos povos da região.
Os moradores das povoações de Marabitanas e São Gabriel da Cachoeira mantinham atividades comerciais com habitantes da ampla região hispano-americana do Alto Orinoco e Rio Negro. A movimentação servia para abastecer mutuamente essas comunidades com produtos diversos – cavalos, cacau, tabaco, roupas e gêneros da floresta, muito utilizados pelo grande número de indígenas da região, como o breu, o ingá-chichica e a chica ou piranga. Dessas regiões também era extraída grande quantidade de madeiras para as fábricas reais de construção de embarcações, que faziam parte de rotas de comércio entre as capitanias do Rio Negro, Grão-Pará, Mato Grosso, Maranhão e Piauí, fundamentais para o Império português na América.
Ao administrarem essa realidade, as autoridades de fronteira inevitavelmente se inseriam nas mesmas circulações transfronteiriças. Com Ferreira Barreto não foi diferente. O comandante mantinha negócios pessoais com o lado hispano-venezuelano, participando ativamente dos negócios de compra e venda de salsa, cera, mel e outros gêneros da floresta apreciados pelos moradores da Guayana. Esse contato proporcionou-lhe alguma riqueza e diversas amizades com negociantes, moradores e até mesmo autoridades militares do lado espanhol, fossem estas adeptas dos monarquistas ou dos republicanos. Condição semelhante tinham os comandantes do outro lado, como D. Francisco Orosco, preso e enviado para o lado luso-americano em grande medida por perseguir negociantes do Alto Orinoco e não pagar suas dívidas com eles.
Apesar da tensão criada pelo independentista José Antonio Paéz, os ânimos foram acalmados pelos próprios comandantes fronteiriços. A guerra não era desejada por nenhum dos dois lados, pois quebraria a política de neutralidade assumida entre as monarquias de Portugal e Espanha, e mexeria com os negócios lucrativos das autoridades locais de ambas as partes. Todos concordaram em pelo menos um ponto: a guerra levaria a uma crise de grandes proporções para as populações da fronteira, principalmente os indígenas, que historicamente estabeleciam suas estratégias de sobrevivência a partir do equilíbrio de forças baseado nas mútuas relações de produção e de comércio.
Longe da visão tradicional de linha divisória que demarca o fim de um território nacional no mapa, as fronteiras são “zonas de contato” e de movimento constante. Obedecem mais às práticas sociais dos habitantes do que às normas instituídas pelos governos. É assim no presente, foi assim no passado.

13.938 – Mega Mitos – Não se Deve Acordar um Sonâmbulo?


sonambulismo-09093319809603
O sonambulismo é curioso por si só: de repente, em meio ao sono, uma pessoa pode agir quase como se estivesse acordada, seja falando coisas, andando, acendendo as luzes ou fazendo alguma outra estripulia. Quando isso acontece, no entanto, a crença popular nos diz que não podemos acordar o sonâmbulo de jeito nenhum – mas será que é isso mesmo?
É totalmente possível e geralmente inofensivo acordar uma pessoa sonâmbula. No entanto, é preciso ter alguns cuidados: o sonambulismo acontece no estágio 3 do sono, conhecido como sono de onda lenta, que é quando a pessoa está dormindo profundamente.
É difícil acordar rápido desse estágio do sono, e quando alguém é despertado nesse momento, é normal que essa pessoa acorde meio lenta, digamos assim – essa inércia do sono demora cerca de 30 minutos para passar totalmente.
Quando acordamos alguém que está em estado profundo de sono, essa pessoa pode se assustar, ficar confusa e agitada por algum tempo. Nesses primeiros instantes, é normal, inclusive, que a pessoa não reconheça o indivíduo que a está acordando – por isso, ela pode tentar se defender, empurrando quem a acorda ou tentando fugir.
Alguns sonâmbulos conseguem fazer atividades mais elaboradas, como cozinhar e dirigir enquanto dormem, e, nesses casos, é preciso cuidado redobrado na hora de acordar a pessoa. Na dúvida, especialistas nos recomendam encaminhar o sonâmbulo para sua cama, onde pode continuar dormindo de maneira tradicional e segura.

13.937 – CIENTISTAS DESCOBREM COMO PRODUZIR HORMÔNIO QUE EVITA O MAL DE ALZHEIMER


alzheimer ratos
O mal de Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que destrói a memória e outras funções mentais importantes. Pesquisadores seguem firme na descoberta de como a irisina, hormônio produzido a partir da realização de atividades físicas, regula os efeitos maléficos do distúrbio.
Os neurocientistas brasileiros Sérgio Ferreira e Fernanda de Felice são os protagonistas do estudo e, há quase 20 anos, vêm estudando tratamentos para a enfermidade. Durante todo esse tempo, foi comprovado que a prática de exercícios físicos faz bem para a memória e que a irisina funciona como um transmissor de informação, ou seja, leva uma mensagem do músculo para o cérebro, protegendo-o.
Os testes iniciais foram realizados em camundongos e, de fato, houve a comprovação de que eles produziam o hormônio ao realizar exercícios. Já quando o teor de irisina era baixo, os especialistas testaram fazer a reposição, e, para a surpresa de todos, eles voltaram a ter memória.
Inicialmente, a irisina foi descoberta por um pesquisador de diabetes dos Estados Unidos, e esse estudo durou aproximadamente 7 anos. Na época, ele afirmou que o hormônio é produzido pelo músculo, no tecido adiposo. Complementando, os neurocientistas reforçam que o fato de a irisina ser gerada pelo próprio organismo diminui as chances de efeitos colaterais.

Podemos ter esperança?
Levando em consideração os seres humanos, estudos indicam que pessoas que sofrem com o mal de Alzheimer têm baixíssimos índices desse hormônio no cérebro. Dessa forma, o estudo faz sentido. Mas os pesquisadores não param por aí; o próximo passo é descobrir como a irisina consegue proteger o órgão mais complexo do corpo humano: o cérebro.
Todo o estudo envolve 25 pesquisadores, sendo 18 brasileiros e o restante, dos Estados Unidos e do Canadá. Eles esperam que esse pontapé inicial contribua para que realmente o Alzheimer tenha um tratamento e possa, cada vez mais, deixar de ser um mal frequente após certa idade nos seres humanos.