13.925 – Geografia e Sócio Economia – Um Pouquinho de Brasil


brasil_mapa
Não chame Nordeste de Norte!

O Brasil ocupa a posição centro-oriental do continente sul – americano, possuindo limites com

quase todos os países da América do Sul exceto Chile e Equador. Os países que se fazem limite com o
Brasil, de acordo com suas respectivas direções são:
• Norte: Guiana Francesa, Suriname, Guiana e Venezuela.
• Noroeste: Colômbia
• Oeste: Peru e Bolívia
• Sudoeste: Paraguai e Argentina
• Sul: Uruguai
• Nordeste, leste e sudeste: Oceano Atlântico
DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL
A superfície do Brasil está politicamente dividida, ou seja, dividida em Estados.
As linhas que separam estas unidades políticas são chamadas fronteiras.
A República Federativa do Brasil compreende um total de 27 unidades político-administrativas, que
correspondem a 26 Estados e 01 Distrito Federal, onde se localiza Brasília, a capital do Brasil.

Não Chame Nordeste de Norte!!!
A região Norte é formada por: Rondônia, Pará, Acre e Tocantins criado em 1988; Roraima e Amapá.
Já o nordeste é formado por: Maranhão, Piauí, Ceará,Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco,Alagoas, Sergipe e Bahia.

O território brasileiro possui uma estrutura geológica antiga e, assim sendo, foi bastante
desgastada pela erosão.
• Não houve formação de cadeias montanhosas ou dobramentos modernos, em decorrência do
Brasil encontrar-se no centro de uma placa tectônica.
A área de planalto ocupa 75% do país e as planícies os 25% restantes, segundo o professor Aziz Ab’
Saber, no final da década de 50.
Existem duas grandes áreas de planalto no Brasil:
O planalto das Guianas, situado no norte da Planície Amazônica e o Planalto Brasileiro, ao sul da
Planície Amazônica.
O Planalto das Guianas, na fronteira do Brasil com as Guianas e a Venezuela abrange terras dos
estados de Roraima, Amapá, Amazonas e Pará; encontramos reservas consideráveis de manganês na
região da Serra do Navio (Amapá).
Neste planalto está o pico culminante do Brasil: o Pico da Neblina com 3014,1m.
O Planalto Brasileiro divide-se em três partes:
A – Planalto Central: compreendendo principalmente as terras de Mato Grosso e Goiás.
B – Planalto Atlântico: próximo ao Oceano Atlântico, abrangendo as terras brasileiras desde o Rio Grande do Sul até o Nordeste.

C – Planalto Meridional: abrangendo as terras mais interioranas de São Paulo, Paraná, Santa Catarina
e Rio Grande do Sul, devido à decomposição do basalto (rocha vulcânica) deu origem à terra-roxa, solo de maior fertilidade natural do país.
As mais importantes planícies do Brasil são:

a- Planície Amazônica: situada entre o Planalto das Guianas e o Brasileiro. É a maior área de terras
baixas do Brasil. Cortada pelo rio Amazonas e seus afluentes, formando a maior bacia hidrográfica do país e do mundo.

b- Planície do Pantanal: ocupa a parte oeste do Mato Grosso do Sul, prolongando-se pelo Mato-
Grosso, Paraguai e Bolívia. Cortada pelo rio Paraguai e seus afluentes que transbordam na época das cheias inundando as áreas mais baixas.

c- Planícies Litorâneas: formam uma faixa ao longo do litoral brasileiro. São geralmente arenosas
formando praias e dunas, ou argilosas, dando origem a regiões pantanosas cobertas por uma vegetação chamada mangue.
A posição astronômica do Brasil permite que o território seja bem iluminado e aquecido no decorrer do ano, pois situa-se em sua maior parte na Zona Tropical. O clima no território brasileiro classifica-se em: , compreendida entre o Tópico de Câncer e o de Capricórnio.

A – Clima equatorial: encontrado em quase toda a região Norte e no norte de Mato Grosso. É um clima
muito quente e chuvoso.

B – Clima Tropical: engloba quase toda a região Centro-Oeste, o Nordeste, parte do Sudeste e na
porção leste de Roraima, caracteriza-se por invernos secos e verões chuvosos. As temperaturas são médias e a distribuição das chuvas é variável no decorrer do ano.

C – Clima Tropical semi-árido: domina o sertão do Nordeste. É um clima quente e seco, cujas chuvas não ocorrem regularmente, provocando longos períodos da seca.
D – Tropical de altitude: abrange as áreas de maior altitude da Região Sudeste e do Mato Grosso do Sul no qual a altitude influi na diminuição das médias de temperatura. Chove durante o ano todo.

E – Clima Subtropical Úmido: predomina nas regiões Sul e Sudeste do estado de São Paulo, o encontro entre a massa Tropical e a massa Polar provoca chuvas frontais. Após a passagem das chuvas, a massa Polar permanece estacionária ocasionando “ondas de frio” de intensidade e duração variáveis.

ASPECTOS HUMANOS DO BRASIL
Segundo dados do IBGE de 2000, o Brasil possuia cerca de 170 milhões de habitantes aproximadamente, atualmente passa de 200. É um país extremamente populoso, mas como é extenso, sua densidade demográfica é baixa – cerca de 20 hab/Km2. Países como o Japão apresentam mais de 320 habitantes por quilômetro quadrado, e mesmo países enormes, como Estados Unidos, possuem quase o dobro da densidade demográfica brasileira.
Apesar de possuir uma imensa extensão, população numerosa e vastos recursos naturais, grandes problemas sociais e econômicos afligem a sociedade brasileira. Dentre eles podemos citar:
Na década de 80, entre 100 pessoas que trabalhavam em São Paulo, 50 possuíam rendimento mensal de até 2 salários mínimos. Nos dias atuais, não houve mudanças neste quadro. No nordeste a situação é bem mais grave: 52 entre 100 trabalhadores recebem, miseravelmente, no máximo, um salário mínimo; estima-se que a região tenha 45,1% da população pobre dos 42 milhões dos miseráveis do Brasil.
A expectativa de vida da população com rendimento de até um salário mínimo é de 54,8 anos, enquanto que para os que vivem com uma remuneração superior a cinco salários mínimos, a expectativa de vida sobe para 69,6 anos.
Desigualdade de esperança de vida entre as classes sociais de baixa e de alta renda.
Uma população de baixa renda dificilmente estará livre de doenças como tuberculose,esquistossomose, desidratação, decorrentes da falta de higiene, saneamento básico ou do estado de subnutrição.
Elevada ocorrência de doenças

Nas famílias de baixa renda, verifica-se baixo padrão alimentar, fato que, por sua vez, influi nas condições de saúde. O indivíduo é mais facilmente vitimado por doenças e sua esperança de vida é
menor do que nas famílias de maior renda e de melhores condições de alimentação. A população de baixa renda, que constitui a maioria no Brasil, não consome carnes, frutas e vegetais, não satisfazendo adequadamente suas necessidades nutricionais básicas. Esta população alimenta-se principalmente de
produtos mais baratos, como a farinha de mandioca e o feijão, que não possuem as substâncias de que o organismo necessita.

Habitação:
A Habitação deve ter no mínimo uma sala, uma cozinha, um banheiro e um dormitório. No caso da existência de filhos, a habitação, obviamente, necessita de mais dormitórios. No Brasil, 25 em cada 100 domicílios possuem menos de 4 cômodos. Segundo a Fundação João Pinheiro, de Belo Horizonte, em 1995 o déficit habitacional no Brasil era em torno de 5,6 milhões de unidades, sendo 1,6 milhão no meio rural e 4 milhões no meio urbano. De acordo com a Fundação, 85% do déficit habitacional concentra-se nas famílias com até 5 salários mínimos de renda.
Países subdesenvolvidos não oferecem às populações rurais as mesmas oportunidades oferecidas à população urbana. A falta de emprego e de educação provoca êxodo rural, ocasionando nas grandes cidades o acúmulo de migrantes, os quais passam a morar em inúmeras favelas.
Concentração populacional nas áreas urbanas. O estado de São Paulo tem mais habitantes que o maior País do continente americano – o Canadá – mas o Brasil apresenta alguns estados com baixíssima quantidade de habitantes.

Salário Mínimo e Desemprego no Brasil entre 2003-2015 1

13.924 – Biologia – Encontrados peixes que vivem em região quase sem oxigênio


peixes2
Ao realizar uma exploração com um veículo operado de maneira remota, os cientistas detectaram a presença de peixes que viviam em uma região com baixíssima concentração de oxigênio.”Nós observamos enguias, pequenos tubarões e outros peixes menores nadando ativamente em áreas onde a concentração de oxigênio era menor que 1%”, escreveu a bióloga Natalya Gallo em um blog que apresentou a pesquisa.
Gallo, que trabalha no Instituto de Pesquisa do Aquário da Bahia de Monterrey (MBARI), afirmou que “mal acreditava” ao observar diferentes espécies de animais vivendo em condições extremas. De acordo com a especialista, a maioria dos peixes depende de uma boa concentração de oxigênio para sobreviver — esse é um dos motivos, inclusive, para a diminuição da população desses animais com o aumento da poluição nos rios e oceanos.
“Antes deste estudo, não se esperava que os peixes tolerassem condições hipóxicas (onde há baixo teor de oxigênio) tão severas”, escreveram os autores da pesquisa. Uma das hipóteses levantadas pelos cientistas é de que algumas espécies passaram por um processo de adaptação que fez aumentar as estruturas de suas guelras, possibilitando uma maior absorção de oxigênio. Também conhecidas como brânquias, esses órgãos são responsáveis pelas trocas gasosas no ambiente aquático.
Outra possibilidade seriam as mudanças nos processos do metabolismo desses animais, que necessitariam de menos oxigênio para realizar suas atividades — para comprovar essas hipóteses, os pesquisadores realizarão exames mais aprofundados nas espécies.
O estudo afirma que, a partir de agora, os cientistas deverão abrir uma nova classificação entre os animais conhecidos como extemófilos, que vivem em condições extremas e nocivas à vida. Além daqueles que toleram altas temperaturas e concentração elevada de sal, os pesquisadores sugerem que se considere os animais que vivem em áreas onde há pouca concentração de oxigênio.

13.923 – Nova Vacina contra o Alzheimer


vacina-alzh-838x838
A empresa de biotecnologia United Neuroscience criou uma promissora vacina contra o Alzheimer, chamada de UB-311.
Em um pequeno estudo clínico, 96% dos pacientes demonstraram melhoras nos sintomas da doença, sem efeitos colaterais graves.
Ao longo das últimas décadas, diversas vacinas se mostraram esperançosas para certos pacientes, mas tiveram efeitos colaterais devastadores para outros, como inchaço no cérebro, por exemplo.
Agora, uma startup de Dublin, na Irlanda, pode estar no caminho certo. A United Neuroscience certamente ainda não curou o Alzheimer. No entanto, os pacientes que receberam sua vacina demonstraram melhora na função cerebral e uma redução na placa proteica que atrapalha seus neurônios.
O estudo clínico concluído ano passado testou a vacina em 42 pacientes com comprometimento cognitivo leve que pareciam estar nos estágios iniciais do Alzheimer. O grupo de controle recebeu um placebo, enquanto outros dois grupos receberam três injeções da vacina e depois novas doses a cada três ou seis meses ao longo de um ano e meio.
Os cientistas não têm certeza do que causa ou agrava a doença de Alzheimer, mas há vários suspeitos principais: amiloide, um grupo de proteínas que se acumula ao longo do tempo e se agrupa de maneiras que causa estragos no cérebro; tau, outra família de proteínas com problemas semelhantes; e inflamação em geral.
A vacina da United estimula o sistema imunológico do paciente a atacar a amiloide, que alguns pesquisadores acreditam ser a principal causa da condição. O trabalho da vacina é retardar o acúmulo de proteínas e, se possível, reverter alguns danos e restaurar a função cerebral.
Embora o pequeno número de pacientes impeça os pesquisadores de tirar conclusões estatísticas importantes, a empresa se sente encorajada para avançar no desenvolvimento da vacina, possivelmente com um parceiro maior. Até agora, eles já gastaram US$ 100 milhões em pesquisa e elaboração de vacinas.

Ressalvas
De acordo com Frank Longo, membro do departamento de neurologia da Universidade de Stanford (EUA) e cofundador da Pharmatrophix, outra empresa que está tentando curar a doença de Alzheimer, agir apenas no amiloide, sem tentar controlar a tau ou a inflamação, não é ideal.
“Qualquer terapia centrada na amiloide depende da precisão da hipótese da amiloide, e essa hipótese continua a ser questionada”, explica.
Além disso, o tratamento com UB-311 é melhor aproveitado se iniciado antes do aparecimento de sintomas, com doses administradas a cada seis meses, e os médicos ainda não podem prever com segurança quem terá Alzheimer e demência.
Por enquanto, a United está focada em levantar capital para financiar um estudo mais conclusivo sobre a UB-311 e para continuar refinando seu amplo leque de vacinas. A companhia está se preparando para iniciar os testes com a UB-312, voltada para a doença de Parkinson, bem como com uma segunda vacina contra o Alzheimer, centrada em combater a tau.
“Eles tomaram medidas iniciais muito promissoras com essa tecnologia”, disse Eric Reiman, um dos principais pesquisadores da doença do Alzheimer e conselheiro da United Neuroscience. “Mas isso ainda é o começo do começo”. [Bloomberg]