13.922 – IBM acaba de revelar o primeiro computador quântico comercial do mundo


computador-quantico_1-1000x500
A IBM, lançou o chamado IBM Q System One, que foi anunciado como sendo o primeiro computador quântico comercial que poderá ser usado por empresas. Infelizmente, o computador não será ofertado para os consumidores e você entenderá o motivo logo abaixo.
Os computadores com tecnologia quântica são considerados uma verdadeira revolução tecnológica por conseguirem processar mais dados de forma mais rápida, com possibilidade de mudar completamente o cenário atual de computadores no mundo.
Não espere instalar este computador na mesa do seu escritório tão cedo. Por enquanto, as empresas que querem pagar para usar a tecnologia poderão fazer uso da máquina apenas via cloud (ou seja, na nuvem) da IBM.

Computadores atuais X computadores quânticos
Os computadores usados por todos atualmente armazenam dados em binário, ou seja, 0 ou 1. No entanto, os quânticos são muito mais poderosos e armazenam dados usando qubits.
Os qubits permitem uma propriedade especial: 0 e 1 podem existir simultaneamente. Esse detalhe que parece uma “bobagem” dá aos computadores quânticos a capacidade de fazer exponencialmente mais cálculos de uma única vez, tornando-os tão poderosos que podem fazer tarefas incrivelmente complexas, como descobrir um novo medicamento, por exemplo – através de análises extremamente complicadas de atividade bioquímica e enzimática do corpo humano – ou criar códigos impossíveis de serem quebrados.
O computador encontra-se em uma caixa de vidro de borossilicato (um tipo de vidro que suporta temperaturas extremas) de 9 metros de altura por 9 metros de largura, em um ambiente completamente hermético. Sua aparência é elegante. O motivo de estar em uma caixa de vidro especial é simples: os qubits perdem suas propriedades de computação quântica se estiverem fora de condições extremamente específicas e controladas – uma delas é o frio!
Características
Um computador quântico precisa ser mantido bem gelado, muito abaixo de zero graus Celsius, em um ambiente completamente livre de radioatividade e eletromagnetismo.
A proposta da IBM é contornar estes desafios físicos de funcionamento para proporcionar aos futuros clientes uma experiência única. As dificuldades em estabilizar o computador em um ambiente tão controlado é o motivo pelo qual você não terá o pc em sua mesa de escritório – pelo menos não nos próximos anos. Ainda estamos longe de tornar este tipo de tecnologia acessível para consumidores.

13.921 – História – A Baixa Idade Média


palacio de monaco
Palácio de Mônaco

Convencionalmente, quando se estuda a Idade Média, opera-se uma divisão didática em dois períodos. O primeiro deles é conhecido como Alta Idade Média, isto é, o período que compreende desde a queda do Império Romano Ocidental, por volta do século V d.C., até o século X. O segundo refere-se à Baixa Idade Média, que se estende do século X ao século XV, cuja data simbólica que marca seu fim é o ano de 1453, quando houve a tomada de Constantinopla – sede do Império Bizantino – pelo Império Turco-Otomano.
Sendo assim, na Baixa Idade Média, ocorreu o apogeu da civilização medieval, ou, em outros termos, o apogeu da Cristandade – ou civilização cristã europeia. Se até meados do século IX predominou o sistema econômico feudal, com uma estrutura rígida e isolada – com cidades fortificadas, que necessitavam de defender-se das ondas de invasões bárbaras –, na Baixa Idade Média irromperam fenômenos como o renascimento comercial e urbano, decorrentes da abertura que o movimento das Cruzadas provocou contra o domínio muçulmano do Mar Mediterrâneo. As Cruzadas possibilitaram a retomada intensa do fluxo comercial com as regiões do Oriente e da África, o que exigiu uma reforma na estrutura das cidades, que deveriam comportar mercadorias e pessoas de várias regiões do mundo. Foi nessa época que, em decorrência dessa mudança, começou a destacar-se um novo grupo social: a burguesia.
No plano religioso e cultural, a Baixa Idade Média caracterizou-se por ser também o período da Reforma Gregoriana da Igreja Católica, da filosofia escolástica, da construção das universidades e das imponentes catedrais góticas. A Reforma Gregoriana foi responsável por elaborar uma série de medidas que solidificou a Igreja Católica como instituição. Dentre tais medidas, podemos citar: a distinção entre o poder secular e o poder espiritual (da Igreja), a distinção dos papéis entre clérigos e leigos católicos, a instituição dos sacramentos e a regularização da ação das ordens religiosas.
A filosofia escolástica teve como principal representante São Tomás de Aquino, que construiu um sistema teológico e filosófico que revisava toda a tradição patrística e ancorava-se no pensamento de Aristóteles. O sistema das universidades medievais veio atender a demanda por conhecimento universal, sobretudo nas áreas de Teologia, Medicina, Direito e Artes. Já as catedrais tornaram-se expressão máxima da arquitetura medieval, que, segundo autores como Panofsky, podem ser consideradas como correspondentes em pedra da filosofia escolástica.
Datam desse período também as revoltas camponesas, provocadas por uma série de más colheitas que provocou fome e desnutrição. Somou-se a esse fato o acontecimento mais terrível em termos de epidemia no continente europeu, a Peste Negra, que provocou um enorme decréscimo na demografia europeia, além de mortes dolorosas e horríveis.
Como dito no início do texto, o período da Baixa Idade Média encerrou-se, convencionalmente, no ano de 1453, com a queda do Império Romano do Oriente e o domínio de Constantinopla pelos turcos, ainda que, em outras regiões, como em Portugal e Espanha, a Idade Média tenha tido “ecos” até meados do século XVII.

catedral-de-notre-dame
Catedral de Notredame