13.663 – Mega Hipóteses Astronômicas – Superterras podem estar prendendo ETs de explorar universo


superterras
Por exemplo, para lançar uma missão lunar parecida com a missão Apollo, um foguete em uma superterra teria que ser uma massa de cerca de 400.000 toneladas devido às exigências de combustível, estipula o estudo, o que é dez vezes mais do que é exigível na Terra. Para comparar, esse peso é mais ou menos equivalente ao da Grande Pirâmide de Gizé no Egito, informa o portal Space.com.
O autor do relatório e investigador independente afiliado ao observatório alemão Sonnesberg, Michael Hippke, ressalta que nos planetas mais maciços o voo espacial seria exponencialmente mais caro. “Tais civilizações não teriam televisão de satélite, uma missão lunar ou um telescópio Hubble.”
Pesquisas anteriores sugeriam não só que os mundos que não são parecidos com a Terra poderiam criar circunstâncias adequadas para a vida, mas também que alguns poderiam ser até melhores em comparação com os planetas parecidos com a Terra. As superterras, segundo os especialistas, poderiam ser “super-habitáveis”, já que a sua massa enorme cria uma gravidade mais forte e por isso eles poderiam ter camadas de atmosfera mais espessas e proteger melhor a vida dos nocivos raios cósmicos.

Se a vida nas superterras distantes evoluísse, tais alienígenas poderiam desenvolver uma civilização avançada capaz de efetuar voos espaciais. Entretanto, Hippke ressalta que a força gravitacional destes planetas poderia dificultar muito a decolagem dos extraterrestres dos seus planetas.
“Civilizações das superterras têm menos chances de explorar as estrelas. Ao contrário, de certo modo ficariam presos em seus planetas de origem e, por exemplo, beneficiariam mais do uso de lasers ou telescópios de rádio para comunicação interstelar em vez de enviar sondas ou naves espaciais”, sublinha o autor do estudo.
Para ele, os foguetes funcionam melhor no vácuo que em uma atmosfera e os habitantes de superterras poderiam atingir a órbita via foguetes convencionais usando elevadores espaciais viajando com cabos gigantes. Outra possibilidade, conforme Michael Hippke, é a propulsão por pulsos nucleares, quer dizer, um veículo seja levado ao espaço por explosões de bombas atômicas. Mesmo assim, o especialista adverte que este modo poderia levar a grande poluição ambiental.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s