12.795 – Cientistas analisam código genético para regenerar corpo humano


genetica2
Há alguns séculos, a humanidade busca formas de substituir partes do corpo por variados motivos: falhas nos órgãos, deformações congênitas ou amputações.
Agora, cientistas do Laboratório Biológico de MDI, nos EUA, começaram a analisar o DNA de animais que possuem a habilidade de regenerar seus membros, como as salamandras.
“A regeneração de membros nos seres humanos pode parecer ficção científica, mas está dentro do possível”, explica um dos autores do estudo, Voot P. Yin. Graças a essa pesquisa, os especialistas encontraram os reguladores genéticos responsáveis por regenerar extremidades no axolote mexicano, do peixe-zebra indiano e do bichir-de-senegal, espécies que, quando perdem uma parte do seu corpo, geram uma massa de células que faz a regeneração celular e estrutural.
“Não esperávamos que os padrões de expressão genética fossem ser muito diferentes nas três espécies, mas ficamos surpresos em ver que eles eram consistentemente os mesmos”, afirma Benjamin L. King, coautor do estudo. Segundo os pesquisadores, ter encontrado a “assinatura genética” para que esse processo ocorra, sugere que outras espécies, como os seres humanos, poderão ser beneficiadas por esse dom natural.

12.794 – Saúde – Poluição atmosférica pode ser uma das causas do Alzheimer


proteina-tau-alzheimer-838x629
Pesquisadores do Reino Unido e do México encontraram no cérebro partículas tóxicas de poluição atmosférica associadas ao desenvolvimento de doenças neurodegenerativas.
O novo trabalho publicado pela Academia Nacional de Procedimentos Científicos dos Estados Unidos encontrou inúmeras esferas de magnetita ao examinar amostras do tecido cerebral de 37 pessoas, entre 3 e 92 anos, que vivem na Cidade do México e em Manchester, no Reino Unido. Os cientistas afirmam que ainda precisam de outras pesquisas para atestar causa e consequência entre as duas coisas, mas a descoberta de tantas partículas de material tóxico no cérebro chama a atenção.
Os resultados do estudo são preocupantes por três razões. Primeiro, porque os efeitos da poluição atmosférica são epidêmicos. Ainda neste ano, a OMS divulgou um alerta afirmando que mais de três milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência da poluição do ar – o número de vítimas supera os óbitos somados por malária e aids, por exemplo. Segundo, porque a quantidade de magnetita encontrada surpreendeu os cientistas. Por último, pela toxicidade do material.
A magnetita é um mineral magnético e pode aparecer de maneira natural no cérebro. No entanto, as partículas achadas pelos cientistas eram muito maiores e redondas – para cada partícula natural, eles registraram mais de 100 em forma de esfera. Isso sugere que tenham vindo de fora do corpo e se formado sob altas temperaturas. Ou seja, vindas da queima de combustíveis fósseis, como a poluição dos escapamentos de carros e chaminés de fábricas.
O fato de existir magnetita normalmente no nosso organismo não quer dizer que sejamos imunes a ela. O grande perigo da magnetita é sua biorreatividade – ela pode perturbar as funções das células e desencadear a formação de radicais livres, estruturas que causam danos às células cerebrais e corroboram para o envelhecimento e o desenvolvimento de doenças relacionadas à degeneração celular, como o Azheimer.
A doença é responsável por 50% a 80% dos casos de demência do mundo e acontece quando há o acúmulo anormal de algumas proteínas no cérebro, o que provoca a morte dos neurônios. Ainda não existe uma cura para o Alzheimer, apenas medicamentos que freiam a progressão da doença.

12.793 – Facebook segue seus passos até fora da rede social; veja como evitar


Recentemente, o Facebook anunciou que usaria os seus interesses para servir “melhores anúncios” para seus usuários, cada vez mais direcionados e personalizados. Não seria nada de novo, não fosse pelo fato de que a rede social passou a monitorar também o que você faz fora do Facebook para coletar informações para anúncios.

Isso significa que cada site que você visita, que contenha algum tipo de plugin do Facebook, vai te monitorar para enviar estas informações de volta para os servidores da rede social, criando um perfil cada vez mais detalhados sobre sua atividade online.

Felizmente, há um modo de impedir isso:
https://www.facebook.com/settings?tab=ads
Este link irá direcioná-lo para a página de configurações de anúncios do Facebook. Se preferir entrar por conta própria, você pode entrar em Configurações > Anúncios.

face-propaganda

2. Procure por “Anúncios baseados no meu uso de sites e aplicativos”
Esta opção monitora suas atividades online. Nas palavras do próprio Facebook, “se você visita sites de viagens, talvez veja anúncios de ofertas de hotéis no Facebook”. Na caixa de opções seleciona a alternativa Desativado.

3. Procure por “Anúncios em aplicativos e sites de empresas que não sejam do Facebook”
Esta opção é diferente. Ela evita que aplicativos e sites que não pertençam ao grupo Facebook usem informações da rede social em anúncios. A publicidade ainda é exibida, mas ela não levará em conta sua atividade na plataforma do Facebook. Na caixa de opções, selecione a opção Não.

face-propaganda2

12.792 – Brasil pode receber sistema de energia solar inédito no país


painel-solar
O Brasil pode receber em breve um sistema de energia solar inédito no país capaz de armazenar energia para ser usada, inclusive à noite. O programa, desenvolvido em parceria com um instituto alemão, quer construir um projeto-piloto em Petrolina, em Pernambuco, para testar a tecnologia heliotérmica.
A geração heliotérmica funciona com um conjunto de captadores espelhados, distribuídos em uma área plana. Os espelhos se movimentam conforme a posição do sol, refletindo os raios para uma torre solar. Por lá, o calor é armazenado e transformado em energia. Atualmente, apenas os geradores fotovoltaicos, que não são capazes de guardar o calor produzido, são explorados no país.
“No caso dos fotovoltaicos, você teria que ter um sistema de baterias bem caro e complexo para operar. Com o armazenamento térmico é bem mais viável que a energia fique guardada em forma de calor para, no momento em que for necessária, ela ser acionada, inclusive à noite”, explica Paulo Alexandre Rocha, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e coordenador do Laboratório de Energia Solar e Gás Natural da instituição.
Outro ponto inovador do sistema de geração heliotérmico é o mecanismo de captação de calor na torre. Em outras regiões do mundo, o sal fundido é usado, mas no Brasil a tecnologia escolhida usa o ar. O sistema é chamado de receptor volumétrico aberto e evita os grandes vazamentos. “Em sistemas que usam sal fundido, às vezes você tem esse problema, porque está trabalhando com grandes variações de temperatura em tubulações onde passa um fluido líquido pressurizado”, explica Rocha.
Captação de recursos
Para concretizar o projeto, o grupo busca conseguir cerca de R$ 45 milhões com a Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel. Caso a proposta seja aprovada, a implantação começará em 2017 e será desenvolvida em três anos e meio.

12.791 – Morre primeira paciente com rosto transplantado no mundo


Isabelle Dinoire, a primeira paciente do mundo a receber um transplante de rosto, morreu em abril passado na França, devido a uma “longa doença”, pouco mais de uma década depois da excepcional operação.
Em 2005, esse primeiro transplante de rosto realizado na França gerou muitas esperanças no mundo para todo tipo de acidentes de trânsito, queimaduras, ou vítimas de armas de fogo. EUA, Espanha, China, Polônia, Bélgica e Turquia também realizaram essa delicada de cirurgia.
Apesar do entusiasmo inicial, os riscos de rejeição – a curto, ou a longo prazo – dos tecidos provenientes dos doadores falecidos constituem desafios para essa complexa cirurgia.
Desfigurada por seu cachorro, Isabelle Dinoire tinha 38 anos quando recebeu o transplante parcial de rosto —nariz, lábios e queixo—, realizado pela equipe do cirurgião Bernard Devauchelle, do Hospital de Amiens, e de Jean-Michel Dubernard, de Lyon.
Em março de 2010, uma equipe espanhola realizou o primeiro transplante total de rosto de um homem que padecia de uma deformação após sofrer um acidente.