12.728 – Seitas – Homem afirma ser Jesus e diz ter memórias de sua vida anterior


homem-afirma-ser-Jesus_01
Allan Miller, 53 anos, de Queensland, Austrália, que passou a afirma ser o próprio Jesus Cristo após seu divórcio, em 1997, começou a ter cada vez mais memórias sobre sua suposta vida de 2.000 anos atrás.
Em 2004 essas memórias ficaram mais evidentes, de acordo com ele. “Eu comecei um processo de aproximação de Deus, da mesma forma que fizemos no primeiro século”, disse. “Eu sei que sou Jesus e que tenho memórias de toda aquela vida”.
Após seu divórcio, ele conheceu Mary, sua atual esposa, que também afirma ser Maria Madalena. “Eu tinha uma vida no primeiro século, era a esposa de Jesus, aprendi e ensinei a verdade divina com ele. Depois de sua morte, fui para o mundo dos espíritos onde tinha uma vida”, explicou ela. Mary acrescentou que “retornou” à Terra em 1978, quando nasceu na Austrália.
Atualmente o casal organiza seminários onde ensina o movimento espiritual sobre a “verdade divina” a quem prometer um contato mais pessoal com Deus. Além disso, eles ainda possuem um canal no YouTube. Porém, algumas pessoas os acusam de terem formado uma seita que reúne mais de 20 mil pessoas, mas Miller nega ser líder de um culto. Há também quem diga que ele teria convencido Mary sobre sua identidade. “Minha família dizia que nada disso era verdade e que eu estava sendo manipulada por Alan”, disse ela.
Quando Alan é desafiado a realizar algum milagre para provar sua identidade divina, ele argumenta que não precisa provar nada. “Não tenho nenhum desejo de provar que eu sou Jesus […] eu sei quem eu sou. Há pessoas que percebem que eu sou e outras pessoas logo saberão também”, disse.
O australiano também afirma que alguns dos atos supostamente praticados por ele na Bíblia são simplesmente falsos, por isso não os realiza hoje. “Supõe-se que no primeiro século eu transformei água em vinho, mas não o fiz”, disse.

12.727 – Cidade oculta no fundo do mar é localizada por meio do Google Earth


estrutura_submarina
Estrutura tem 125 quilômetros de extensão e está a 75 km do litoral mexicano.
O canal MexicoGeek divulgou imagens do que pode ser uma cidade submarina, escondida debaixo das águas do litoral mexicano, mais exatamente no Golfo da Califórnia, a 75 km da praia. Trata-se de uma estrutura que chega a 125 quilômetros de extensão.
Outra surpresa é como a cidade foi encontrada: graças ao Google Earth, um serviço de mapeamento oferecido gratuitamente pela empresa Google. Os administradores do canal identificaram a cidade ao analisar as imagens do Google.
Para Scott Waring, editor do blog UFO Sightings Daily, há chances de a estrutura ser uma antiga cidade alienígena há muito tempo submersa. “Acredito que as chances de ser uma estrutura alienígena sejam de 100%. Seria preciso explorar com drones ou outros veículos aquáticos para verificar o que há nessa região”, escreveu o blogueiro.

12.726 – Pessoas inteligentes são mais preguiçosas (?)


É provavelmente culpa da falta de tédio: quem gosta de desafios mentais fica confortável perdido nos próprios pensamentos e acaba se mexendo menos.
Se você adora um desafio mental, é bem capaz que tenha mais preguiça de ir até a academia. Um estudo americano desvendou a relação entre atividade cognitiva e atividade física e concluiu que, pelo menos durante os dias úteis, as pessoas que usam mais o cérebro acabam exercitando menos o corpo.
O estudo analisou um grupo de voluntários para entender seu estilo de pensamento. Elas foram divididas entre pessoas que pensam mais e as que pensam menos, segundo a escala de Necessidade de Cognição. Esse ranking avalia o quanto as pessoas gostam de desafios mentais: os mais pensantes consideram divertido encontrar soluções lógicas para problemas complexos e tem uma tendência maior a ficar viajando em pensamentos abstratos. Do outro lado da régua, ficam as pessoas que não tem um prazer especial em pensar demais. Preferem pessoas a pensamentos (e, geralmente, são melhores para reconhecer emoções).
Os pesquisadores separaram mais pensantes e menos pensantes em grupos iguais de 30 pessoas. Cada um recebeu uma pulseira que acompanha a atividade física detectando os movimentos dos voluntários por 7 dias.
Depois de uma semana de testes, os cientistas concluíram que as pessoas que apreciam mais atividades cognitivas se exercitavam muito menos que as outras – contando não apenas uma corrida no parque ou uma sessão de musculação, mas também o tempo que passavam de pé e até as caminhadas para ir no banheiro.
Uma das possíveis explicações é que, segundo pesquisas anteriores, pessoas com baixa necessidade de cognição se entendiam mais facilmente. Com isso, elas tendem a mudar mais de ambiente para conseguirem variar os estímulos que recebem. Já os CDFs clássicos conseguem se distrair internamente por mais tempo.
O curioso é que a diferença de atividade física diminua durante os fins de semana. Os menos pensantes ainda se exercitavam mais, mas, especialmente aos domingos, o nível de exercício era quase igual. Aí entra a limitação da pesquisa: como os voluntários eram todos universitários, é possível que o estilo de vida típico dessa fase da vida influencie mais o comportamento do que as tendências cognitivas. Até os nerds estereotípicos podem estar mais dispostos a sair para uma cerveja no fim de semana, enquanto nem os mais entediados e ativos conseguiriam resistir à preguicinha de domingo.

12.725 – Empresa privada dos EUA vai enviar sonda à Lua em 2017


sonda na lua
Trata-se da primeira vez que uma empresa privada poderá realizar este tipo de missão. Até hoje, apenas os governos dos Estados Unidos, da China e o da ex-União Soviética enviaram naves espaciais para o satélite.
“Agora nós estamos livres para partir como exploradores para o oitavo continente da Terra, a Lua, buscando novos conhecimentos e recursos para expandir a esfera econômica da Terra, para o benefício de toda a humanidade”, disse Bob Richards, cofundador e presidente-executivo da Moon Express, empresa fundada em 2010 e sediada em Cabo Canaveral, na Flórida.
A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos anunciou a aprovação, após realizar consultas com a Casa Branca, o Departamento de Estado e a Nasa, a agência espacial americana.