12.347 – A rã e a Tempestade


ra tempestade
O médico italiano Luigi Galvani (1737-1798) estudava a anatomia das rãs havia mais de dez anos quando, em 1786, uma tempestade mudou os rumos de sua pesquisa. Sem ligar para os raios lá fora, ele dissecava um anfíbio e, ao tocar com a tesoura numa das pernas do bicho, ele se mexeu. Galvani, que também era físico, nem pensou em fantasmas. Imediatamente concluiu que a eletricidade do ar passara por meio da tesoura para o corpo da rã, disparando o movimento.
Dias depois, no seu laboratório, esbarrou com um bisturi na perna de outra rã escalpelada enquanto mantinha ligada uma máquina que soltava faíscas elétricas. O animal deu um chute de verdade. Isso bastou para que o italiano resolvesse se dedicar pra valer à eletrofisiologia. Em 1791, ele publicaria o trabalho em que explicaria para a posteridade que a contração muscular, e consequentemente o movimento, só acontece se houver estímulos elétricos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s