11.686 – Um local atingido por 28 relâmpagos a cada minuto


Tempestade_0

A cada minuto, 28 relâmpagos atingem a área onde o lago Maracaibo e o rio Catatumbo se encontram, na Venezuela. O local, segundo o livro Guinness dos Recordes, tem a mais alta concentração de relâmpagos do mundo – 250 por quilômetro quadrado.
Também chamado de Relâmpago do Catatumbo ou Tempestade Eterna, o fenômeno é registrado desde o século 16. Ele ilumina o céu venezuelano todas as noites durante nove horas seguidas.
Muitas teorias já foram feitas sobre o evento. No entanto, a mais aceita pelo meio acadêmico é que ele acontece devido à combinação da topografia e das correntes de ar que circulam no lugar.
“Muitos desses lugares cheios de relâmpagos apresentam características comuns em seu terreno: cadeias de montanhas acentuadas, uma costa muito entrecortada ou uma combinação dos dois”, explicou Daniel Cecil, da equipe de estudos de raios do Centro Global de Hidrologia e Clima da Nasa, em entrevista à BBC.
Segundo ele, tais características criam um sistema de aquecimento e resfriamento que podem aumentar a chance de tempestades de raios.
Localizado em uma bifurcação dos Andes, o lago passa pela cidade de Maracaibo e tem fim no Mar do Caribe. Devido à cordilheira que circunda o lugar, os ventos quentes do Caribe se encontram com o ar frio que desce das montanhas.
Tal choque faz com que o ar quente suba e forme nuvens cúmulo-nimbo que alcançam 12 quilômetros de altura. Dentro delas, gotas de água vindas do ar quente e úmido se chocam com os cristais de gelo do ar frio.
Isso produz descargas estáticas que dão início à série de tempestades elétricas. Elas são tão brilhante que podem ser vistas a uma distância de até 400 quilômetros do lago.
Muitas destas informações foram colhidas durante 17 anos por instrumentos a bordo de um satélite que orbita a Terra a cerca de 400 quilômetros de altitude.
Parte da Missão de Medição da Pluviosidade Tropical (TRMM, na sigla em inglês), o projeto é comandado pela Nasa e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão.

Já deu trégua, mas voltou
O número das tempestades tem seu ápice em outubro, devido às fortes chuvas. Nos meses de janeiro e fevereiro, que são os mais secos, o número de raios diminui.
No entanto, foram poucas as vezes que os raios despareceram totalmente dos céus da região. A primeira vez registrada foi em 1906. O fenômeno não apareceu por três semanas após um terremoto e um tsunami que aconteceram na localidade.
Já em 2010, uma seca causada por outro fenômeno natural, o El Niño, também levou à suspensão temporária das tempestades elétricas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s