11.620 – Mega Byte – Como remover Hao123, Ask, Babylon e pragas similares do seu navegador


pragas
Fazer downloads no Windows é um campo minado: você nunca sabe quando será pego de surpresa ao instalar um programa que traz consigo outro indesejado (ou mais).
Hao123, Ask, Babylon são grandes exemplos, mas há muitos outros. Eles tentam se esconder no instalador de programas legítimos e, quem não está atento, infelizmente, acaba levando a pior.
Na maior parte do tempo esses programas não são maliciosos, apesar da maneira pouco ética que usam para se instalar em seu computador. No entanto, eles podem atrapalhar sua conexão com a internet, reduzir o desempenho do seu PC e tudo mais. Resumindo: não é uma boa ideia deixá-los instalados.
Portanto, veja como removê-los da sua máquina.

Passo 1: Tente a desinstalação normal

passo1

Alguns desses programas não são tão traiçoeiros quanto parecem. Tente o procedimento normal de desinstalação entrando em Painel de Controle e em Desinstalar um programa. Escolha o software que deseja remover e prossiga com a desinstalação.
Seja persistente. Alguns destes programas tentam dissuadi-lo da desinstalação com truques como um botão de confirmação um pouco escondido. Não se deixe enganar por tais artifícios.
Se você puder, utilize o Revo Uninstaller. O programa complementa a desinstalação normal do programa fazendo também uma limpeza no registro do Windows e detectando outros arquivos que permaneçam na máquina depois da remoção do programa.

Passo 2: Limpe seu navegador

Procure por extensões que não deveriam estar instaladas no seu browser. No Chrome, isso pode ser feito entrando em Configurações e Extensões. Se achar algo de que não gosta, clique no ícone da lata de lixo para remover.
Já no Firefox, isso pode ser feito entrando em Complementos e Extensões. Clique em Excluir para desinstalar algo que não deveria estar lá.

Passo 2,5: Restaure as configurações do seu navegador
Se nada deu certo, você pode limpar todas as configurações e extensões do seu navegador.
No Firefox, isso pode ser feito pressionando o botão indicado na imagem abaixo. Selecione a opção Dados para suporte e clique no botão Restaurar o Firefox.
o Chrome, você precisa acessar a área de Configurações e pressione Mostrar configurações avançadas. Role a página até o último item, e pressione o botão Redefinir configurações.

Passo 3: Limpe os atalhos

Essa é uma das maiores pegadinhas. Você pode remover os programas, mas ao abrir o seu navegador por meio de um atalho, sua página inicial ainda será a que o software definiu. É recomendável apagá-los e criar novos.

Passo 4: Faça uma varredura contra esse tipo de software
Este tipo de programa, chamado “Adware”, pode ser detectado e removido por algumas ferramentas específicas. Uma delas é o AdwCleaner, especializado neste tipo de praga.
O programa é bem fácil de usar e pode ser baixado por este link (sem Hao123 :p). Depois de instalar, é só pressionar Verificar para checar se há algum resquício do programa que você quer desinstalar. Depois da varredura, selecione os itens que gostaria de remover e clique em Limpar.

11.619 – Pesquisadores encontram fósseis com sangue de dinossauro


Uma equipe de pesquisadores da Imperial College, em Londres, liderada pelo Dr. Sergio Bertazzo, fez uma descoberta insólita e inédita. Trata-se de uma série de fragmentos biológicos (células de sangue e proteína fibrosa) de dinossauro. A revelação é resultado do estudo dos restos fósseis de 75 milhões de anos idade encontrados na província de Alberta, no Canadá.

A descoberta é verdadeiramente estranha e incomum, uma vez que os fósseis com essa idade costumam conservar apenas materiais duros, como os ossos e, muito raramente, tecidos suaves, como aconteceu dessa vez. Apesar do mau estado de conservação dos fósseis, os pesquisadores puderam estudar o material encontrado e seus resultados sem dúvida contribuirão para o estudo das relações entre diferentes tipos de dinossauros, o aprofundamento de sua fisiologia e a reconstituição do caminho evolutivo que os levou a se transformarem em animais de sangue quente.
Essa grande revelação sugere uma reavaliação das ideias atuais sobre o processo de fossilização. Informações valiosíssimas podem estar passando despercebidas pelo fato de os pesquisadores não procurarem sangue ou tecidos suaves nos fósseis, por pior que seja sua conservação.

11.618 – Mosquito transgênico é solto em Piracicaba


Esses mosquitos (machos, que não se alimentam de sangue) são capazes de se reproduzir normalmente, mas suas larvas não chegam à fase adulta.
A captura de ovos de Aedes foi feita com um instrumento chamado de ovitrampa. A partir da luz fluorescente emitida pelos ovos, os técnicos conseguem saber se o gene autolimitante do pai (modificado) está presente.
Esse índice de fluorescência ultrapassou os 70%, segundo a prefeitura. Ele corresponde ao índice de cópula dos “Aedes do bem”.
A previsão é que a diminuição da população de mosquitos seja percebida nos próximos meses. A cidade teve três óbitos e 3.254 casos confirmados de dengue neste ano.

mosquito grafico

11.617 – Google recorre ao DNA para tentar desvendar o segredo da longevidade


google dna
A Calico, centro de pesquisa do Google para reverter o processo de envelhecimento, vai utilizar informações de bancos de dados genéticos para procurar influências hereditárias na longevidade.
A empresa fechou uma parceria com a unidade de genealogia da Ancestry para estudar amostras de DNA e verificar árvores genealógicas de clientes que incluem datas de nascimento e morte. O objetivo é investigar o papel da genética na longevidade incomum.
“Analisar indivíduos cujas famílias viveram muito tempo e suas informações genéticas é um caminho para começar a criar hipóteses sobre a herança da longevidade”, conta o vice-presidente executivo da Ancestry Ken Chahine.
“A experiência comum sugere que pode haver fatores hereditários por trás da longevidade, mas descobrir esses genes usando técnicas padrão se mostrou impossível”, explica David Botstein, diretor científico da Calico.
Ao anunciar a criação da Calico em 2013, o CEO do Google, Larry Page, afirmou que pretendia melhorar milhões de vidas, pensando a longo prazo sobre biotecnologia e saúde.

11.616 – Genoma de rinoceronte-negro será sequenciado para evitar a extinção da espécie


genetica-voto
Esta não é a primeira tentativa de salvar rinocerontes-negros. Das oito subespécies originais, três já foram completamente extintas. Na esperança de proteger os indivíduos restantes, os cientistas usaram guardas armados e drones para proteger os rinocerontes de caçadores, e pesquisadores nos EUA conseguiram modificar geneticamente um chifre de rinoceronte na busca de evitar que eles chamem a atenção de caçadores do mercado negro.
Mas este novo projeto tem uma abordagem diferente, por descobrir mais sobre como as espécies evoluíram ao longo de milhões de anos, e como podemos ajudá-las a sobreviver, agora. “Com o genoma do rinoceronte-negro, seremos capazes de responder às perguntas: Como é que o rinoceronte-negro evolui para uma subespécie? Quais loci do genoma do rinoceronte-negro mostram a suscetibilidade à doença?”, escreveu a equipe, liderada pelo biólogo Charles Chuck Murry, da Universidade de Washington, na página de crowdfunding.
A equipe conseguiu levantar US$ 17 mil dólares (cerca de R$ 53 mil reais) para a primeira fase de seu projeto, usando a quantia para sequenciar o genoma de um rinoceronte-negro chamado Ntombi. Tendo a sequência genética de Ntombi, eles vão alinhar este genoma ao do rinoceronte-branco do sul para descobrir onde as duas espécies divergem. Todo o projeto será de acesso livre, e a equipe pretende publicar os resultados na imprensa. Eles também têm algumas metas mais ousadas além da conservação, na esperança de que o sequenciamento genético possa ajudá-los a trazer algumas das subespécies extintas de volta à vida.
“Temos a intenção de usar este projeto como um catalisador para sequenciar todas as subespécies de rinocerontes-negros e entender a divergência genética dentro e entre espécies de rinocerontes”, explica a equipe. “Esta pesquisa poderia fazer com que um futuro pesquisador ajude a trazer as três subespécies atualmente extinta de volta à existência”.

11.615 – Mega Polêmica – O Big Bang nunca existiu e o Universo nunca teve começo e nunca terá fim


bigbang
Enquanto a maioria das pessoas aceita o modelo do Big Bang, os cientistas ainda não conseguem explicar o que aconteceu dentro deste pequeno ponto ou o que veio antes dele.
Agora, dois físicos propuseram um novo modelo que acredita que o Big Bang, na verdade, nunca aconteceu e que o nosso Universo não tem começo nem fim.
“A matemática e a teoria do Big Bang, em si, se anulam por conta dos infinitos”, disse Saurya Das, professor na Universidade de Lethbridge, no Canadá, em entrevista ao Dailymail. “Em outras palavras, a teoria prevê a sua própria morte. Ela também não explica onde esse estado inicial ocorreu”, completa.
Para ajudar a resolver este problema, os cientistas combinaram teorias da relatividade geral, que descreve as forças em torno de nós através da mecânica quântica, que rege pequenos objetos. Eles começaram com equações criadas pelo físico David Bohm, que na década de 1950 tentou usar a teoria quântica no lugar da equação clássica para descrever o caminho mais curto entre dois pontos em uma superfície curva.
Então, combinando isso com uma equação feita pelo professor Amal Kumar Raychaudhuri, da Presidency University, em Calcutá, Índia, os cientistas descreveram um fluido de pequenas partículas que permeia o espaço. Este fluido é a versão quântica da gravidade, apelidada de gráviton pelo Professor Das e pelo coautor Ahmed Ali Farag, da Universidade de Benha.
Eles mostraram que, diferentemente das trajetórias clássicas – que são caminhos de partículas no futuro ou passado – as partículas quânticas podem nunca se encontrarem. “Podemos analisar que, já que diferentes pontos do Universo na verdade nunca convergiram no passado, não pode haver um começo”, disse o Professor Das. “Durará para sempre. Também não terá um fim. Em outras palavras, não há nenhuma singularidade universal”, completou.
Mas se não houve Big Bang, qual é a origem do nosso Universo? “O Universo poderia ter existido e durado para sempre. Ele poderia ter passado por ciclos, pequenos ou grandes. Ou poderia ter sido criado muito mais cedo”, explicou Das. A teoria pode também vir a explicar a origem da matéria e da energia escura.
“Nós mostramos que um gigante Bose-Einstein de grávitons pode ter se formado muito cedo, ter durado para sempre, representando tanto a matéria quanto a energia escura”, disse Das.
No final de 1990, os astrônomos descobriram que a expansão do Universo está acelerando devido a presença de uma energia escura. O modelo tem o potencial para isso, uma vez que o fluido cria força constante para fora, expandindo o espaço.
A massa de gráviton poderia fazer a sua densidade de fluido ter a mesma densidade observada do Universo de matéria escura. “É gratificante notar que tais correções simples podem, potencialmente, resolver tantos problemas de uma só vez”.