11.584 – Ambiente – Orquídeas de pedra, uma impressionante vitória da teimosia sobre a adversidade


orquidea
As orquídeas que se ancoram nas rochas escaldantes da Chapada Diamantina – uma ponta da Serra do Espinhaço, que rasga a terra da Bahia até Minas Gerais – são obstinadas além dos limites.
Bravas e exuberantes, florescem com quase nada de alimento e água, conjugando o vigor com a beleza. Ao contrário das outras espécies da família – que cravam suas raízes na segurança da terra úmida ou se apegam à sombra fresca de um tronco de árvore –, elas se agarram às pequenas reentrâncias da pedra áspera e resistem. “As raízes aproveitam um pouco da água de chuva que escorre pela rocha e a acumulam nos caules”, explica o botânico Fábio de Barros, chefe do orquidário do Instituto de Botânica de São Paulo. São flores de pedra.
Abelhas não vêem bem as cores, mas são atraídas por desenhos. São elas que espalham o pólen de algumas orquídeas (como esta Cyrtopodium fedmundoi ). É para atraí-las que ela tem pintinhas coloridas
Os caules grossos das flores de pedra garantem o armazenamento de água. A cor avermelhada (desta Cattleya elongata) reflete os raios quentes do sol
As flores se adaptam à falta d’água. Mas, na chapada, também chove forte. Elas suportam o excesso de umidade e aproveitam para acumular o líquido.
As soluções da natureza para estocar água são engenhosas. Os caules das orquídeas da chapada são mais espessos, para guardar mais líquido. Parecem cacto do deserto. Mas armazenar só não basta. Como qualquer planta, elas precisam de gás carbônico para a fotossíntese, isto é, absorver gás carbônico do ar e liberar oxigênio. Só que, se abrissem de dia os seus estômatos – as células por onde entram os gases –, deixariam escapar água. “Para evitar isso”, diz o botânico Gilberto Kerbauy, da Universidade de São Paulo, “elas se abrem somente à noite.” O gás fica preso até a manhã seguinte, à espera do sol, que fornece energia para a fotossíntese.

orquidea2
Acostumadas aos maus-tratos do sertão, essas flores são duras de matar. Além de resistir ao calor de uma região que alterna longos períodos de calor e estio com chuvas torrenciais, elas não só sobrevivem às queimadas como tiram proveito delas. As folhas formam uma capa que protege os brotos das labaredas. Elas queimam, eles não. Assim que as chamas passam, as orquídeas começam a florescer com força redobrada. “É uma estratégia única para aproveitar as condições adversas”, observa Fábio de Barros. As novas flores atraem insetos e aves que espalham as sementes em lugares antes ocupados pela vegetação destruída pelas chamas. E tudo recomeça.
As queimadas varrem a chapada todo ano. As orquídeas, assim como muitas plantas do cerrado, aprenderam a resistir ao fogo e a se beneficiar dele.
Note como as folhas desta variedade cor-de-rosa de Cattleya elongata fazem sombra sobre a flor.
Uma espécie não classificada do gênero Encyclia. A chapada está cheia de espécies desconhecidas.

Chapada-Diamantina-Mucugê-BA-Orquideas-Foto-Jotafr

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s