11.018 – Auto Ajuda – Maneiras de aumentar felicidade e sua satisfação com a vida


Todos nós experimentamos picos emocionais ao longo de nossas vidas – com uma promoção no trabalho, no dia do nosso casamento, com o nascimento de um filho etc. Mas esses momentos produzem sentimentos temporários de euforia, e especialistas dizem que não são suficientes para alcançar a verdadeira felicidade.
A felicidade não é apenas um estado emocional. Décadas de pesquisa provam que é algo muito mais profundo. Na verdade, a ciência mostra que as pessoas felizes vivem vidas mais longas e saudáveis.
A boa notícia é que possível ser feliz tomando pequenas atitudes, independentemente do nosso meio ambiente ou genética.
Confira sete maneiras de aumentar felicidade e sua satisfação com a vida:

Seja positivo

Um estudo da Universidade de Harvard (EUA) descobriu que os otimistas não só são mais felizes, como são 50% menos propensos a ter doença cardíaca, um ataque cardíaco ou um acidente vascular cerebral.
A conclusão é que manter uma perspectiva positiva oferece proteção contra doenças cardiovasculares. Já os pessimistas têm níveis mais baixos de felicidade em comparação com os otimistas e têm três vezes mais chances de desenvolver problemas de saúde à medida que envelhecem.
Aprenda com as pessoas que já são felizes
A Dinamarca vira e mexe ganha o primeiro lugar em qualquer índice que mede o bem-estar e a felicidade dos países de todo o mundo. O que faz dessa a nação a mais feliz do mundo?
Claro, coisas como a expectativa de vida, produto interno bruto e baixa corrupção ajudam – e muito. Mas o nível geral de felicidade na Dinamarca tem mais a ver com a generosidade que é comum entre os cidadãos, a liberdade que eles têm para fazer escolhas de vida e um sistema de apoio social forte, de acordo com a Organização das Nações Unidas.
Trabalhe menos

Os dinamarqueses parecem ter um grande equilíbrio entre vida e trabalho, o que aumenta seu nível de felicidade. Simplificando: eles não trabalham em excesso. Na verdade, a semana de trabalho média na Dinamarca é de 33 horas – apenas 2% dos dinamarqueses trabalham mais de 40 horas por semana.
Quase 80% das mães na Dinamarca voltam ao trabalho depois de ter um filho, mas equilibram o seu tempo livre entre a família, amigos e programas na sua comunidade.
Concentre-se em experiências

Dinamarqueses também dão menos atenção a dispositivos eletrônicos e coisas, e mais atenção para a construção de memórias. Estudos mostram que pessoas que se concentram em experiências ao invés de se focar em “ter coisas” têm níveis mais elevados de satisfação, mesmo muito tempo depois que a experiência passou.
Comprar muitas vezes leva a dívidas, para não mencionar o tempo e o estresse associado com a manutenção de todos os dispositivos, carros, propriedades, roupas, etc.
Os pesquisadores dizem que quando as pessoas se concentram em experiências, elas sentem uma maior sensação de vitalidade ou “de estar vivo” tanto durante o momento quanto depois.
As experiências também unem mais as pessoas, o que pode contribuir para a sua felicidade.
Construa uma rede social
Ao simplesmente ser social, você poderia viver mais tempo. A pesquisa mostra que um sistema de apoio social forte pode aumentar nossa expectativa de vida.
Os telômeros são as pequenas tampas em nossos cromossomos do DNA que indicam a nossa idade celular. De acordo com especialistas, não ter amigos pode ser igual a telômeros mais curtos e, por sua vez, uma vida mais curta.
Outros estudos mostraram que a solidão leva a maiores taxas de depressão, problemas de saúde e estresse. Ou seja, vale a pena ter pelo menos um amigo próximo para aumentar seu nível de felicidade e saúde.
Se voluntarie
Pessoas que se voluntariam são mais felizes, concluíram dezenas de estudos. A ONU credita o voluntariado como uma das razões para a Dinamarca ser o país mais feliz do mundo – 43% dos dinamarqueses regularmente doam seu tempo para boas ações em sua comunidade.
A alegria de ajudar os outros começa cedo. Um estudo de 2012 descobriu que crianças preferem dar do que receber. Os pesquisadores deram a dois grupos de crianças lanches e, em seguida, pediram que um dos grupos oferecesse esses lanches a outras pessoas. As crianças que entregaram os seus lanches mostraram maior felicidade sobre a partilha de seus bens, o que sugere que o ato de sacrifício pessoal é emocionalmente gratificante.
O sacrifício não tem que ser grande – pesquisas já sugeriram que doar tão pouco quanto US$ 5 gera benefícios emocionais.
Realizar atos de bondade, se voluntariar e doar dinheiro aumentam a felicidade, melhorando o seu senso de comunidade, propósito e autoimagem.

Comece a rir
Estudos mostram que rir não apenas sinaliza felicidade, mas sim a produz. Quando rimos, nossos hormônios do estresse diminuem e nossas endorfinas aumentam. Endorfinas são as mesmas substâncias químicas que o cérebro associa com aquele “impulso” que as pessoas recebem do exercício físico.
Rir também faz bem para o coração. Um estudo descobriu que apenas 8% dos pacientes cardíacos que riram diariamente tiveram um segundo ataque cardíaco dentro de um ano, em comparação com 42% dos que não riram.
Estudos ainda mostram que nosso corpo não consegue diferenciar entre o riso falso e o real – as pessoas recebem benefícios de saúde de qualquer maneira. Sendo assim, você pode forçar-se a rir mais, pelo menos um pouco todos os dias, até que você tenha verdadeiros motivos para sorrir.

11.017 – Fatos que o Google revelou sobre sexo


google-lifi-li-fi-internet

Através do Google Trends podemos ver o que as pessoas mais procuram na internet. Seth Stephens-Davidowitz, economista e colunista do The New York Times, usou a ferramenta para descobrir o que nossas pesquisas dizem sobre nossa sexualidade. Os resultados foram assustadores: somos neuróticos e inseguros quando o assunto é sexo.

Homens querem aumentar seus pênis, mulheres querem diminuir e aumentar seus quadris, mas afinal o que procuramos no outro? Stephens-Davidowitz usou dados de buscas norte-americanas, mas podemos relacioná-las com nossa realidade.
Sexo só depois do casamento ou sexo nem depois do casamento? Dos cinco termos mais pesquisados em relação ao matrimônio, três são sobre a ausência de sexo. O mais procurado é “casamento sem sexo”, com incríveis 21 mil buscas por mês, o segundo lugar fica com “casamento infeliz” (6 mil buscas).
As pesquisas sobre falta de sexo não se restringem apenas aos casamentos. O segundo termo mais procurando sobre relacionamentos é “relacionamento sem sexo”, com 3.675 buscas. O primeiro lugar é “relacionamento abusivo”. Pesquisas que começam com “meu marido…” ou “minha esposa…” também revelam a ausência de sexo. Em ambos casos, o termo mais buscado é “…não transa comigo”.

Homens são neuróticos e inseguros
Propagandas e spams sobre como aumentar o pênis incomodam? Deve ser por conta de suas pesquisas. Dos dez termos mais buscados com as palavras “meu pênis”, nove estão relacionadas com o tamanho (o outro é sobre o cheiro). Outro termo bastante buscado pelos homens é se o uso de anabolizantes pode mesmo diminuir o tamanho dos seus pênis.
Aliás, “pênis” é a parte mais importante do corpo – pelo menos segundo o Google. Para cada 100 pesquisas feitas com a palavra “pênis”, 67 são feitas sobre “coração”, 57 sobre “olhos” e apenas cinco sobre “cérebro”.
Homens também são bem preocupados com a estética. Segundo o Google, 42% das pesquisas relacionadas a beleza e fitness são feitas por homens.

Tamanho não é documento
Enquanto os homens são neuróticos com o tamanho de seus pênis, as mulheres pouco ligam pra isso. Na verdade, pesquisas com a palavra “pênis” são bem incomuns entre as mulheres – homens buscam 170 vezes mais o termo. E, nas raras pesquisas que as mulheres fazem sobre o tamanho do pênis, quase nenhuma é sobre ser pequeno demais – 40% das buscas são sobre como o pênis do parceiro é grande.

Diminua, aumente, diminua
As mulheres se preocupam bastante com seus próprios corpos, mas o tempo tem mostrado que elas mudam de ideia freqüentemente. Em 2004, os termos mais buscados com a palavra “bunda” era sobre como diminuir. Em 2010, o desejo mudou – as buscas eram sobre como aumentar a bunda. Em 2014, para cada cinco pesquisas sobre implante nos seios, existe uma sobre implante nos glúteos.

Odor desagradável
Se a moda entre os homens é buscar formas de aumentar o pênis, as mulheres buscam alternativas de disfarçar o cheiro de suas vaginas. As buscas sobre “vaginas” geralmente são sobre saúde, mas 30% das pesquisas são sobre depilação e odores.
Homens também pesquisam sobre o odor vaginal – especificamente, buscam formas de dizer isso a parceira sem ferir seus sentimentos.

O que buscamos em parceiros sexuais?
As buscas relacionadas a pornografia podem nos ajudar mais nesse ponto. A crescente busca das mulheres por uma bunda maior também é o desejo de muitos homens – a maioria das pesquisas em sites pornôs é “bunda grande”. Outro termo buscado pelos homens é “peitos grandes naturais”. Já as mulheres buscam por “pênis grande”.
O fato é que estamos mais interessados em nossos próprios corpos do que nos dos parceiros sexuais. Stephens-Davidowitz termina sua coluna constatando “talvez se nos preocupássemos menos com o sexo, poderíamos fazer mais”.

11.016- A NASA quer mandar um helicóptero para Marte


helicoptero nasa

Para otimizar as pesquisas em Marte, a próxima ideia do Jet Propulsion Lab, da NASA, é enviar um tipo de helicóptero ao planeta vermelho. Afinal, até o momento, nossas sondas foram capazes de cobrir áreas menores e limitadas pelo relevo. Com uma sonda capaz de ‘voar baixo’, mais informações poderiam ser obtidas em um tempo menor.
Mas o negócio é mais difícil do que apenas mandar um tipo de drone para lá. A gravidade de Marte é diferente da Terra – precisamente apenas 38% da gravidade que temos por aqui. “Além disso, o sistema precisa ser autônomo e ser capaz de pousar e decolar em terreno rochoso”, afirma Bob Balaram, engenheiro da Nasa.
Até o momento, um protótipo está sendo testado em uma câmara que simula o ambiente marciano. Para conseguir o impulso suficiente, cientistas precisam criar uma máquina que seja capaz de produzir 2,400 revoluções por minuto. Com isso, o helicóptero poderia dar saltos e voar em Marte por períodos de dois a três minutos antes de precisar pousar novamente.
E pousar é um grande desafio – “enquanto com a Curiosity tivemos 7 minutos de terror, quando realizamos seu pouso, com o helicóptero teremos essa preocupação diariamente”.

11.016 – Planeta Terra – Nível do mar sobe mais do que o previsto


veneza

Um estudo publicado pela revista “Nature” revela que o aumento do nível do mar foi “significativamente maior” do que o esperado pelos especialistas para a última década do século XX e a primeira do atual.
A pesquisa, realizada por Carling Hay e Eric Morrow no Departamento de Ciências Planetárias e Terrestres da Universidade de Harvard, constatou que o aumento global do nível do mar entre 1900 e 1990 foi superestimado em 30%. No entanto, o estudo mostra que, apesar das controvérsias sobre o assunto na comunidade científica, os últimos dados divulgados sugerem que os cálculos sobre a elevação dos níveis dos oceanos a partir de 1990 estão corretos, o que confirma uma aceleração do aumento do nível do mar.
“Esta pesquisa mostra que o aumento do nível do mar ocorrido durante o século passado foi maior do que o esperado. É um problema maior do que pensávamos inicialmente”, alertou Morrow.
Segundo Hay, atualmente sabe-se que a maioria das camadas de gelo do mundo, assim como as geleiras, está derretendo em função do aumento das temperaturas, o que provoca uma “elevação global do nível do mar”.
“Outra preocupação a este respeito é que muitos dos esforços realizados para obter projeções sobre a mudança do nível do mar no futuro utilizam os dados superestimados do período 1900-1990”, afirmou Morrow.
As estimativas que utilizam esses números como base estão comprometidas, e é necessário, portanto, adotar uma “perspectiva completamente nova”, segundo os pesquisadores.
Normalmente, explicou Carling Hay, as estimativas sobre o aumento do nível do mar são feitas a partir de dados dos marégrafos e do registro nas variações sofridas nas “sub-regiões” nas quais os oceanos são divididos. Esses registros, acrescidos de dados complementares mais específicos, servem para estimar a elevação do nível do mar em cada “sub-região”, que, somadas, dão origem a uma média global.
“No entanto, estas médias simples não representam o real valor do aumento global. Os marégrafos estão situados ao longo das costas, portanto extensas áreas de oceano não estão incluídas nas medições”, explicou Hay.
Segundo o estudo, o nível do mar muda “por diversos motivos”, entre os quais estão os “efeitos duráveis da última glaciação”, “o aquecimento e a expansão do oceano em função do aquecimento global”, as “variações na circulação de água” e o “degelo”.
Hay e Morrow elaboraram suas novas previsões a partir da observação de “um conjunto de evidências globais”, até chegar a determinar “como as camadas de gelo individuais” contribuem para a elevação do nível do mar.
“Devemos levar os sinais de glaciação em consideração, entender como os modelos de circulação de água nos oceanos se alteram e também como a expansão termal afeta os modelos regionais e a média global”.