10.940 – Será que agora vai? – Cientistas estudam criação de ‘pílula do rejuvenescimento’


MEDICINA simbolo

Cientistas deram o primeiro passo para a criação de uma pílula do rejuvenescimento, capaz de retardar os danos da idade à saúde e a prevenir uma série de doenças. Em um estudo publicado na atual edição da revista Science Translational Medicine, esses pesquisadores demonstraram que um medicamento experimental pode fortalecer o sistema imunológico dos idosos e ajudá-los a combater infecções como a gripe.
A droga em questão tem como alvo uma região do DNA ligada ao envelhecimento e ao sistema imunológico e é uma versão do medicamento rapamicina. Esse remédio faz parte da classe dos inibidores de mTOR, nome dado a uma via genética que, embora promova o desenvolvimento saudável entre jovens, parece ter um efeito negativo sobre a saúde com o avanço da idade. Estudos feitos em animais já indicaram que essas drogas podem prolongar a vida e evitar doenças associadas à velhice. A nova pesquisa é uma das primeiras a confirmar essa hipótese em seres humanos.
Participaram do estudo cerca de 200 pessoas com mais de 65 anos. Parte delas tomou essa esse medicamento ao longo de seis semanas, enquanto o restante ingeriu doses de placebo. Após esse período, todos os voluntários receberam uma vacina contra a gripe.
Segundo os resultados, os idosos que tomaram o medicamento desenvolveram 20% mais anticorpos contra a gripe do que aqueles que ingeriram placebo. Os pesquisadores também perceberam que esses voluntários apresentaram menores quantidades de glóbulos brancos associados ao declínio do sistema imunológico.
Os autores do estudo, que foi conduzido no Instituto de Pesquisa Biomédica da farmacêutica Novartis, afirmam que a pesquisa dá um primeiro passo em direção a um medicamento capaz de reverter os danos do envelhecimento. Novas pesquisas devem ser feitas até que esse medicamento possa a ser utilizado na prática clínica.

Alzheimer
As demências são caracterizadas por uma perda progressiva de diversas funções cognitivas, como perda da memória, capacidade de compreensão e de expressão. A forma mais comum de demência senil é o Alzheimer, doença que consiste no depósito de placas de proteínas beta-amiloides e proteínas tau no cérebro. O acúmulo dessas placas tem sido apontado pelos pesquisadores como um dos responsáveis pelas alterações cerebrais da doença, que levaria ao declínio da cognição.

A estimativa da OMS é que as pessoas que exibem a condição devem saltar das atuais 44 milhões para 135 milhões em 2050, de acordo com os dados da OMS. A prevalência aumenta de 5% a 8% em pessoas com 60 anos e dobra a cada 5 a 9 anos. A probabilidade é que, aos 95 anos, 175 idosos em cada 1.000 tenham a doença. Atualmente, é feito o controle dos sintomas, com medicamentos que melhoram as funções cerebrais e buscam retardar o aparecimento da doença. Os médicos também buscam prevenir seu aparecimento, indicando o combate da obesidade, diabetes e hipertensão, que são alguns dos fatores de risco, além de recomendar atividades que representem desafios cognitivos, como aprender novas línguas. As evidências sugerem, entretanto, que o Alzheimer é uma deformação de um processo natural de envelhecimento do organismo o que faria com que, em alguns anos, a condição possa ser controlada como uma doença crônica.

Câncer
A incidência de muitos tipos de câncer aumenta com a idade, particularmente depois dos 60 anos, e de acordo com a OMS deve crescer 69% até 2030. As estimativas dos cientistas demonstram que o risco de câncer de mama é de cerca de 1 em 400 em uma mulher de 30 anos, enquanto aos 70 anos é de 1 para 9. Dados da ONG Cancer Research mostram que, na Grã-Bretanha, a incidência de câncer masculino aumenta de 116 por 100 000 na faixa etária dos 40 anos, para 3.398 por 100 000 após os 85 anos.
Isso acotece porque a doença está ligada ao processo biológico de reprodução das nossas células. Às vezes, o crescimento descontrolado das células cancerosas tem origem numa mutação causada por um agente cancerígeno. No entanto, em muitas outras situações, a causa parece ser uma mutação aleatória, ocorrida no processo normal de cópia de genes quando nossas células se reproduzem. As células se dividem, inevitavelmente mutações se acumulam sobre mutações e, a longo prazo, talvez seja impossível desconectar o câncer de nossos corpos.
Além de cirurgias, quimioterapias e radioterapias, os médicos indicam a dieta equilibrada, com consumo moderado de álcool e combate ao fumo, além de atividades físicas, como algumas das maneiras de evitar o aparecimento de tumores.

10.939 – Sócio-Economia – Não tá tao ruim (pra alguns) – Brasileiros lideram em número de turistas que visitam Miami


Esse artigo é mais uma prova que o Brasil ainda é um país muito injusto e que a renda ainda está pessimamente distribuída.
Leia e fique por dentro, ou abaixe a cabeça e seja mais um alienado.

“Em 2013, 51% dos turistas que foram a Miami eram brasileiros, nenhuma outra cidade norte-americana pode dizer o mesmo.”
A constatação é de William D. Talbert 3°, presidente e presidente-executivo há 15 anos do Greater Miami Convention and Visitors Bureau (GMC&VB) –órgão oficial de fomento turístico que engloba Miami Beach, Miami City, Coral Gables e as demais miniprefeituras que formam a Grande Miami, maior aglomerado urbano do sul da Flórida (EUA).
Os números totais de visitação relativos a 2014 ainda não estão fechados, mas, a julgar pelas previsões, mesmo com a alta do dólar, essa percentagem deve até crescer, já que, no primeiro semestre, 424.065 brasileiros foram a Miami –aumento de 6% em relação a igual período de 2013, quando a Grande Miami recebeu, no ano, 756 mil turistas vindos do Brasil.
Segundo Bill Talbert, que capitaneou recentemente a vinda de uma delegação de representantes do setor de turismo de Miami a São Paulo, em 2013, turistas brasileiros, além de terem sido os mais numerosos, também foram os que mais gastaram.
Pela ordem, no primeiro semestre de 2014, os dez principais países que enviaram turistas para esse mercado foram Brasil, Canadá, Argentina, Colômbia, Alemanha, Venezuela, Inglaterra, Bahamas, França e Costa Rica, o que não difere muito do ranking apurado em 2013, quando, ao todo, a Grande Miami recebeu cerca de 3,6 milhões de visitantes estrangeiros.
Para efeito de comparação, o Brasil, de acordo com dados do Ministério do Turismo, ao todo recebeu um total de 5,7 milhões de turistas estrangeiros em 2013.

E aí, que tal curtir uma “doce vida” em Miami?

brasil turismo