10.899 – Spray no telhado gera energia solar


spray-telhado-560

Pesquisadores da Universidade de Toronto encontraram um novo meio de colocar células solares sobre superfícies finas e flexíveis, que seriam então colocadas em telhados. E fizeram isto com o uso de um spray. Tais painéis passariam quase despercebidos.
“Meu sonho é um dia ver dois técnicos com mochilas como aquelas do filme ‘Os Caça Fantasmas’ chegando em sua casa para borrifar seu telhado”, disse o engenheiro elétrico e da computação Illan Kramer.
Além disso, películas mais flexíveis poderiam ser utilizadas para carregar aparelhos elétricos.
Kramer e colegas misturaram em uma solução minúsculas partículas de materiais sensíveis à luz, conhecidos como pontos quantum coloidais. Depois, compraram em uma loja de arte algumas unidades de air brush.
Para aplicar a solução a uma superfície flexível, usaram um método similar ao das rotativas de jornal, mas em vez de borrifar tinta em papel, usaram air brush para espalhar a solução na película.
Em experimentos, os pesquisadores mostraram que sua técnica resultou em painéis solares com a mesma eficiência de outros com películas finas e de fabricação mais cara, diz o Daily Mail.

10.898 – Astronomia – Nasa acha gás que é produzido por micróbios em Marte


curiosity-cortado-20130320-size-620

A descoberta de misteriosas emissões de metano em Marte, feita pelo jipe americano Curiosity, pode dar novo foco às próximas sondas enviadas ao planeta vermelho. É preciso agora identificar a origem desse gás.
Na Terra, a maior parte das emissões de metano é produzida por atividade biológica. Micróbios que processam gás carbônico e emitem o gás são comuns por aqui.
A história em Marte, contudo, pode ser outra. Uma das possibilidades é que o metano seja produzido por processos geológicos, como a reação do mineral olivina com água no subsolo.
A detecção aconteceu cerca de um ano e meio depois do pouso do Curiosity na cratera Gale, no planeta vermelho. As medições iniciais surpreenderam, pois produziram uma concentração de metano muito menor do que a estimada por observações orbitais.
Contudo, durante cerca de 60 dias, entre o fim de 2013 e o começo de 2014, o jipe viu um aumento de cerca de dez vezes na concentração do gás. Os cientistas foram capazes de descartar a hipótese de que a emissão se dá pela reação de compostos orgânicos trazidos por meteoritos e poeira cósmica com a radiação ultravioleta do Sol.
Em vez disso, ficou claro que alguma coisa está borbulhando o metano para a atmosfera, onde ele é rapidamente destruído. O enigma é biológico ou geológico?
A ExoMars é composta por várias etapas. Em 2016, partem um orbitador e um pequeno módulo de pouso. Um dos principais objetivos é fazer o mapeamento do metano na atmosfera marciana.
Em 2018, haverá um jipe, destinado a fazer análises na superfície. Entre os instrumentos, há um que poderá analisar em detalhes compostos orgânicos em Marte –talvez até encontrando uma assinatura química que possa distinguir entre origem biológica e geológica.
Em 2020, um novo jipe da Nasa também estará mais bem equipado para analisar em detalhes as moléculas orgânicas marcianas. E não se pode descartar novas e empolgantes descobertas a serem feitas pelo Curiosity, conforme ele se desloca por Marte.
De toda forma, a história da busca por vida em Marte promete ainda ter seus melhores capítulos nos próximos anos.