10.834 – Biologia – A Aranha Golias


aranha-golias-1

Theraphosa blondi, a aranha-golias-comedora-de-pássaros, também conhecida como aranha-golias ou tarântula-golias, é considerada o maior aracnídeo do mundo, em massa corporal. Endêmica do norte da Amazônia brasileira, é também encontrada na Guiana, no Suriname e na Venezuela. É uma espécie de tarântula.
É bastante conhecida por criadores de aranhas, chamando-lhes a atenção pelo seu tamanho (que chega a incríveis 30 cm ou até um pouco mais). É uma espécie que só deve ser manipulada por pessoas com experiência, pois apresenta um comportamento muito agressivo. É uma das aranhas que possuem órgãos estriduladores, o que permite fazer um barulho chiado quando ameaçada. Seus pelos abdominais são extremamente urticantes e sua picada é muito dolorosa devido ao tamanho de suas quelíceras (podem passar de 2 cm de comprimento). Esses animais podem viver mais de dez anos.
Esta aranha cava grandes tocas em zonas de bosque e nelas podem viver a vida inteira, com temperaturas variando anualmente de 21°C a 42°C (a temperatura média anual é de 28°C), em lugares úmidos, com umidade do ar variando de 80% a 90%.
Comem normalmente insetos como grilos, gafanhotos, baratas, mas podem comer pássaros, pequenos roedores, lagartos, sapos, algumas cobras e também têm comportamento canibalístico, podendo comer outras aranhas de sua espécie.

anatomia-de-uma-aranha-2

10.833 – Toxicologia – O que são as neurotoxinas?


neuro diagrama

É o termo usado, em Bacteriologia, para designar as toxinas que, em razão de seu grande potencial agressivo nos seres complexos, mesmo quando em pequenas concentrações, são capazes de lesar o sistema nervoso, podendo ainda agir sobre outras partes do organismo.
Um exemplo de neurotoxina é a ação provocada pela bactéria Clostridium tetani, causadora do tétano. A neurotoxina é uma ação paralisadora que atinge os neurônios danificando-os.
Neurotoxina na carambola
Pesquisa da USP de Ribeirão Preto conseguiu isolar e caracterizar uma neurotoxina presente na carambola, que atua no sistema nervoso quando não filtrada pelo rim.

10.832 – Síndrome do Parto Prematuro Desafia a Medicina


parto-prematuro-problemas

Pela primeira vez na história, o parto prematuro – aquele feito antes que as 37 semanas de gestação estejam completas – é a principal causa de mortalidade infantil em todo o mundo. De acordo com o mais amplo estudo do gênero, publicado no periódico The Lancet, as mortes por complicações desse tipo de nascimento chegaram a 1,1 milhão, superando doenças como pneumonia e diarreia, até então responsáveis pela maior quantidade de mortes de crianças até 5 anos.
No Brasil, são cerca de 9 000 óbitos anuais, o que torna o país o líder na América Latina em mortes ligadas a nascimentos precoces. Nossa taxa é de 22%, acima da proporção mundial de 17,4%.
As estatísticas revelam uma revolução no padrão da saúde infantil global: em países pobres e ricos, a desnutrição e as doenças infecciosas que matavam na infância foram vencidas, transformando as complicações de nascimentos precoces no próximo desafio ao combate da mortalidade infantil.
“Vivemos uma mudança no modelo da saúde, chamada transição epidemiológica. As mortes estão se aproximando cada vez mais do momento nascimento e precisamos, agora, de esforços para compreender e prevenir esse fenômeno extremamente complexo que se tornou um grande problema mundial”, diz o pediatra Fernando de Barros, pesquisador da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e uma das maiores autoridades do país em saúde infantil.
Os especialistas têm previsto essa transformação há pelo menos quatro décadas e alertado os sistemas de saúde para a importância dos cuidados durante o período pré-natal e após o nascimento, única forma eficaz de prevenir as mortes de bebês prematuros. Os altos números divulgados pelo estudo demonstram que, nesse período, pouco se avançou em estratégias de combate aos nascimentos antes da hora.
“O parto prematuro é um tipo de síndrome silenciosa, pouco conhecida e com consequências trágicas”, diz o médico Renato Passini Junior, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
O maior número de bebês mortos por conta do nascimento precoce está em países pobres como a Índia, com 361 600 óbitos, Nigéria, com 98 300 mortes, ou Paquistão, onde foram registradas 75 000 mortes. No entanto, o drama dos nascimentos prematuros também atinge países desenvolvidos. Os lugares com as maiores proporções entre mortes ocorridas por complicações de partos prematuros são Macedônia (51%), Eslovênia (47,5%) e Dinamarca (43%).
Isso é explicado porque, nos países desenvolvidos, a taxa de nascimentos de prematuros é baixa – e a maior parte de mortes de prematuros nesses lugares não poderia ser evitada. “Nos países ricos, outras causas de mortalidade infantil como doenças infecciosas ou diarreia foram eliminadas e, por isso, a proporção é alta. Mas, em números absolutos, há poucas mortes relacionadas às complicações de partos prematuros em regiões desenvolvidas, ao contrário do que acontece na África ou Ásia”.
Esse cenário é o oposto do que acontece no Brasil. De acordo com dados do Sistema de Informações de Nascidos Vivos, do SUS e do Ministério da Saúde, utilizados no maior estudo sobre fatores de nascimentos prematuros no Brasil, 340 000 bebês nasceram prematuros em 2012. São 40 por hora, uma taxa de 12,4% – o dobro da Europa.
A pesquisa, coordenada por Renato Passini Junior, da Unicamp, foi publicada em outubro na revista Plos One e acompanhou durante um ano cerca de 30 000 nascimentos em maternidades das regiões Sul, Sudeste e Nordeste. O objetivo foi descobrir as causas de tantos nascimentos precoces no país — o que leva um bebê a nascer antes do tempo é uma soma de componentes complexos ainda não claramente compreendidos pela medicina.

10.831 – Biologia Marinha – O peixe-diabo negro


Não confunda, você está no ☻Mega Arquivo

Peixe-Diabo Negro

(Melanocetus johnsonii) é uma espécie de peixe encontrada em todos os oceanos, porém, mais especificamente em profundidades que variam entre 100 e 2 mil metros. É capaz de atrair suas presas com uma falsa isca, uma espécie de saliência luminescente que se agita sobre a cabeça. Há um grande dimorfismo sexual em tais animais, uma vez que as fêmeas chegam a medir 18 centímetros, mas os machos, porém, crescem apenas até três centímetros. Por viverem em profundidades extremas onde, às vezes, é muito difícil encontra alimento, esses machos mordem a barriga de uma fêmea, passando a parasitar de seu corpo. A partir de então, ele passa a servir como um banco de esperma, pronto para entrar em ação sempre que a fêmea liberar seus ovos.

diabo negro recorte

10.830 – Mega Techs – Relógio que dispara laser capaz de queimar coisas


relogio laser

Com ideias tiradas diretamente dos filmes do James Bond, o alemão Patrick Priebe criou o LaserWatch, um relógio que dispara lasers que realmente são capazes de queimar coisas.
Ele mantém uma empresa chamada Laser Gadgets, cujo nome é autoexplicativo. Em seu último projeto, ele decidiu fazer algo mais refinado, embora o seu aparelhinho esteja longe de se passar por um relógio de pulso comum.
Para isso, ele gastou cerca de US$ 200 em material e mais cerca de 40 horas para a montagem. Cada um dos componentes foi feito por ele, desde os botões até o próprio laser de 1,5 watts. A luz é forte, e a bateria é pequena, então não é possível manter o o fornecimento de energia do laser por muito tempo.
Em contato com a CNET, Priebe respondeu à questão que todos querem saber: “mas não vai queimar a mão do usuário?”. Ele diz que o brilho azul não tem efeitos, mas se o raio diretamente atingir sua mão, vai ficar quente rapidamente. Neste caso, é só deixar de apertar o botão para parar, mas ele confirma: “É realmente capaz de queimar sua pele, no entanto. Não é exatamente um brinquedo”.
Ele também diz que não tem intenção de produzir em massa o seu projeto, mas ele afirma que se o fizesse, o relógio custaria muito mais de US$ 300. No entanto, ele diz que, como outras de suas invenções, o LaserWatch pode ser feito sob encomenda pelo seu site.

10.829 – Planeta Verde – A Fotossíntese artificial


Planeta Verde

As plantas convertem diariamente água e luz solar em fonte de energia há bilhões de anos, por meio da fotossíntese. Hoje, o pesquisador brasileiro Jackson Dirceu Megiatto Júnior, do Instituto de Química da Unicamp, em Campinas, São Paulo, estuda um processo parecido, feito em laboratório, que pode se tornar uma fonte alternativa para o consumo de eletricidade no futuro.
Com a ajuda da química e da engenharia molecular, o pesquisador está desenvolvendo um tipo de pigmento artificial chamado porfirina, parecido com a clorofila (responsável por absorver a luz nas plantas). Quando mergulhada em água e exposta à luz, a porfirina produz hidrogênio e oxigênio, gases também gerados na fotossíntese. No caso das plantas, o oxigênio é liberado na atmosfera e o hidrogênio é combinado com o gás carbônico para produzir açúcares, ricos em energia.
No experimento do pesquisador brasileiro, os gases são armazenados em tanques, conectados a outro dispositivo, e depois transformados em eletricidade e água. Com 4,5 litros de água expostos ao sol durante o dia é possível gerar energia para suprir a demanda de uma casa com quatro pessoas e um carro elétrico. Depois essa água é reutilizada para produzir hidrogênio e oxigênio novamente.
“Propomos um ciclo energético renovável que consome luz solar para gerar combustíveis usando a água como reagente. Ou seja, a água seria a fonte de energia”. A energia é gerada sem poluição, e a técnica poderia reduzir a emissão de gases que provocam o efeito estufa. Para que a técnica possa ser usada nas casas, é preciso aperfeiçoar o processo, produzir em larga escala e diminuir o custo dos materiais. Hoje, a técnica transforma de 2% a 3% da energia solar em eletricidade, mas, em teoria, a eficiência pode chegar a 30%. “O processo tem potencial para produzir substâncias mais complexas, que, num futuro distante, poderiam suprir alguns derivados da indústria petroquímica, como os plásticos”.

10.828 – A Raposa dos Pampas – (Pseudalopex gymnocercus)


raposa dos pampas

Trata-se de um mamífero carnívoro da família dos canídeos, encontrado nos campos úmidos do Sul do Brasil, no Paraguai, no Norte da Argentina e no Uruguai, sendo conhecido como zorro de las Pampas nestes três últimos países. O graxaim chega a medir até 1 metro de comprimento, com pelagem cinza amarelada, o alto da cabeça marrom ferrugíneo, orelhas grandes e focinho afilado. Também é conhecido pelos nomes de graxaim-do-campo, guaraxaim e sorro.
Seus hábitos são crepusculares e noturnos; é um animal solitário, encontrando-se aos pares na época da reprodução. Quando perseguido refugia-se em troncos ocos e buracos de tatu, e pode até se fingir de morto em algumas situações.
O graxaim entrou em situação de alerta no estado do Paraná por sua distribuição restrita, pela caça dele mesmo, pela caça de suas fontes alimentares e pela destruição de seu habitat — monoculturas como soja e pinus estão causando sua migração para outras áreas e morte por falta de fontes de alimentação. O gado solto nos campos nativos também é um dos grandes destruidores do seu habitat.
Sua descrição em Santa Catarina é limitada, não existem muitos estudos. Apesar disso é frequente o seu avistamento em áreas habitadas.
Não deve ser confundido com uma raposa, animal do qual é parente próximo mas que não ocorre na América do Sul.

10.827 – Atividades Econômicas – A Criação de Búfalos no Brasil


Os búfalos chegaram ao Brasil no final do século XIX (originados da Ásia, Europa e Caribe), alocados inicialmente na região norte e posteriormente espalhados para outras regiões do país (sul). Essa introdução foi muito mais pela curiosidade em relação aos animais que interesse em explorá-los economicamente.

bufalo grafico

O desenvolvimento da exploração econômica desses animais, despertou apenas na década de 80, onde alguns criadores passaram a avaliar e quantificar as características zootécnicas dos búfalos. Inicialmente os animais foram destinados à produção de carne, sendo posteriormente reconhecido também sua habilidade para a produção de leite (% de gordura do leite de búfala é maior que o do leite da vaca, o que gera um maior rendimento por exemplo para produção de queijo).